Busca

Autor: Glêdson Araújo


12:01 · 18.10.2017 / atualizado às 12:05 · 18.10.2017 por

Um funcionário da Companhia Paranaense de Energia (Copel), no Paraná, decidiu compartilhar, no Facebook, uma história simples, mas comovente, que ganhou repercussão nas redes sociais e fez muita gente chorar.

O trabalhador, identificado como João Neto, precisou ir à residência humilde de uma família da cidade de Santo Antônio da Platina, o objetivo seria realizar o corte de energia, mas antes de ir embora, ele foi testemunha de um verdadeiro exemplo de honestidade. Confira o relato:

AINDA BEM QUE VOCÊ VEIO!

Por: João Neto

– Vc vai cortar a luz, moço? Perguntou a mulher sentada num banco de madeira, acompanhada por 3 crianças descalças.
– Sim, respondi.
– Tudo bem, estou com duas atrasadas, mas só recebo dia 9.
– Mas hoje é dia 9, ponderei.
– Sério?
– Sério, e se a senhora pagar hoje é só pedir a religação que antes das 6 eu volto!
– Combinado, disse ela!
Pra mim o “corte” é uma atividade desagradável, em qualquer circunstância, apesar de obrigatório, e se a família for pobrezinha é mais doído ainda: a tal atividade “culposa” (sem intenção de cortar!).
Antes de sair, enquanto encerro o serviço no tablet, as 3 crianças se aproximam e pedem:
– Moço, vc tem 1 real?
Sem moedas no bolso, abri a carteira e encontro uma solteira nota de 5 reais… Entrego pro menino e ordeno:
– É pra vc repartir com suas irmãzinhas.
Ele balançou a cabeça positivamente, e falou: “tábão”!
Fui embora pensando nas crianças pidonchando, mas, vida que segue!
Bem de tardezinha caiu a religação da casinha de madeira torta… Segui pra lá… Eu tinha o dever de devolver luz para aquela criançadinha, era, pra mim, o momento da redenção.
Ao ouvir o barulho da camionete, todos saíram eufóricos. O menino (Eugênio) vem até mim e diz todo alegrinho:
– Ainda bem que vc veio!
Pensei que tivesse feliz pela luz… Só que não… Ele abre sua mãozinha suja e suada e exclama:
– Toma seu troco!
Naquele instante, ao me devolver 2 reais “Geninho” estava me mostrando o maior exemplo de honestidade e responsabilidade que eu já tinha visto na vida.
– Não, não quero troco… Era tudo de vcs!
– Mas não era 1 real pra cada um? Perguntou!
– Pode ficar pra vcs!
Pois é, minha gente… No momento em que nosso país vive uma monstruosa crise moral, onde as instituições governamentais estão todas contaminadas pela ladroagem, rapinagem, farolagem e corrupção, me aparece um menino todo sujo e me faz crer que nosso país ainda tem jeito!
Às vezes a gente chora de alegria!
Hoje, definitivamente, vou dormir feliz!
Bom final de semana, Eugênio!

O post original já teve milhares de compartilhamentos:

15:06 · 16.10.2017 / atualizado às 15:14 · 16.10.2017 por

Um vídeo que mostra um cachorro urinando nas costas de um rapaz, que estava sentado numa calçada no Rio de Janeiro, ganhou as redes sociais e fez muito sucesso no WhatsApp. Inconformado com o ocorrido, o homem chega a dar um chute em direção ao animal.

Dias após o registro, a “vítima” do cachorro descobriu que o animal era de rua e decidiu adotá-lo. Batizado de “Enzo Sánchez”, agora o cão tem um lar.

“Acordei hoje de manhã e fui atrás do cãozinho que mijou nas minhas costas, hehe. Procurei saber quem era o dono e fiquei sabendo que era de rua. O cãozinho agora tem um lar!”, comentou Heinze Sánchez em seu perfil no Facebook.

Suposta agressão

O rapaz que aparece no vídeo chegou a ser acusado de agredir o animal, mas ele fez questão de se defender.

“Uma coisa vocês podem observar no vídeo, quando eu chutei ele, ele estava bem distante já dos meus pés, eu ainda encolhi o joelho, não corri atrás dele, não joguei pedras nada disso (sic)”, admitiu.

Confira o vídeo que ganhou repercussão: 

13:33 · 10.10.2017 / atualizado às 13:39 · 10.10.2017 por

Acostumada a clicar gestantes, famílias e recém-nascidos humanos, a fotógrafa Daniela Battastini decidiu produzir um ensaio com filhotes de cachorro e gato, abrigados em uma ONG do Rio Grande do Sul. O objetivo: incentivar adoções.

Segundo Battastini, a ideia de fotografar os filhotes surgiu sem pretensões. Foram feitos três ensaios – duas ninhadas de cães e uma de gatinhos –, em julho, setembro e agora em outubro.

Ainda de acordo com a fotógrafa, os gatinhos deram mais trabalho na hora de produzir as imagens, por serem mais agitados, mesmo com apenas 7 dias de nascidos.

Confira o resultado:

12:57 · 09.10.2017 / atualizado às 15:40 · 10.10.2017 por

Na Semana da Criança, a ONG Visão Mundial – organização não-governamental humanitária especializada na proteção à infância – está mobilizada na busca por recursos para a brinquedoteca da Creche Jardim Encantado, que fica no bairro Alagadiço Novo, em Fortaleza.

A ideia também é unir voluntários para a ação de inauguração do espaço, que acontece no próximo dia 11, em referência ao Dia das Crianças, comemorado no dia seguinte. Aos que desejam colaborar com o movimento, a Benévolo Café e Gelato será o ponto de recebimento de doações de brinquedos e livros infantis. Na plataforma digital da ONG, os voluntários também  podem se inscrever para participar: https://visaomundial.org/diadascriancas.

Atualmente, a Creche Jardim Encantado atende 100 crianças e foi escolhida pela ONG Visão Mundial em virtude da alta vulnerabilidade da comunidade, conhecida como São Miguel, região que apresenta alto índice de violência e a inexistência de uma brinquedoteca na única creche da comunidade.

Além de Fortaleza, a mesma ação será realizada em outras regiões brasileiras: Sertão Alagoano, Sertão do Rio Grande do Norte, Recife, São Paulo, Salvador e Maceió.

Serviço

Ponto de doação: Benévolo Café e Gelato
Rua Ana Bilhar, 1083 / Avenida Monsenhor Tabosa, 688
Horário: de domingo a domingo, das 8h às 23h

Creche Jardim Encantado: Rua Ozélia Pontes 189, Bairro Alagadiço Novo
Inscrições para voluntários: https://visaomundial.org/diadascriancas

12:08 · 26.09.2017 / atualizado às 12:33 · 26.09.2017 por
Osvaltina Silva e Antônio Crescênio Neto, renovam os votos – Foto: reprodução/TV Anhanguera

Osvaltina Silva, de 85 anos, e Antônio Crescênio Neto, de 88, são aposentados e comemoraram 70 anos de casados, em Itumbiara, na região sul de Goiás.

Os dois voltaram a trocar alianças na igreja, com a presença de toda a família, para marcar a data.

Segundo Osvaltina, o segredo para uma relação duradoura está no respeito e bom humor.

Antônio brinca e diz que a última palavra na casa é sempre dele. “Sou eu, sempre falando ‘já vou, sim senhora, espera aí, estou indo’”, garante.

Os dois se casaram em setembro de 1947, poucos meses após começarem a namorar. Ela tinha 15, ele 17, e já se conheciam desde a infância. O casal de aposentados teve três filhos, seis netos e nove bisnetos.

Em entrevista, Osvaltina afirmou que “o amor só aumenta”.

Osvaltina Silva e Antônio Crescênio Neto, recém-casados – Foto: reprodução/TV Anhanguera

Com informações do portal G1.

14:24 · 22.08.2017 / atualizado às 14:32 · 22.08.2017 por

Dona Francisca de Souza Fontenelle é cearense, tem 104 anos e esbanja disposição. Nascida em 5 de setembro de 1912, ela foi morar no Acre quando tinha apenas 25 anos, com a promessa de uma melhora de vida. Na região Norte do Brasil, ela, o marido e os filhos passaram a cortar seringa e trabalhar no roçado para sustentar a família.

Hoje, a simpática senhora vai diariamente à academia popular do bairro Calafate, onde vive, em Rio Branco, para se exercitar. E no dia que não vai “fica doente”, garante ela.

Na academia, a cearense afirma que fez amigos e até arrumou um pretendente, mas decidiu não aceitar o pedido de casamento.

Mãe de dez filhos, Francisca diz que nunca ouviu comentários sobre ela ser velha demais para fazer exercícios, mas afirma que quem não faz nenhuma atividade é que sai perdendo.

“Já mandaram eu deitar e ficar em casa, mas eu vou sim, em casa não fico”, reforça.

Dona Francisca de Souza Fontenelle na academia popular do bairro onde mora – Foto: arquivo pessoal

Com informações do portal G1.

14:48 · 18.08.2017 / atualizado às 14:48 · 18.08.2017 por

Alunos do Instituto Federal do Ceará (IFCE), em Maracanaú, decidiram arregaçar as mangas e fazer uma ação de caridade.

Para ajudar o Lar Amigos de Jesus, em Fortaleza, estudantes do curso de Licenciatura em Química iniciaram uma campanha de arrecadação de doações de roupinhas infantis, brinquedos e livros infanto-juvenis e didáticos do primeiro ao quinto ano do fundamental.

A ideia, segundo Joy Aparecida Ramos, uma das participantes, visa dar apoio não só às crianças e adolescentes que são atendido pelo lar, mas aos voluntários que atuam no local. “A maioria daquelas crianças não tem acesso ao colégio, por conta do tratamento, e no Lar Amigos de Jesus existem voluntários que exercem papel de educadores”, explica a estudante.

Na sexta-feira (11) passada, o grupo de alunos do IFCE foi ao Lar para entregar tudo o que foi arrecadado. “Nos fantasiamos para brincarmos e orarmos com aquelas crianças, nossa programação foi pensada com carinho, existia uma equipe para atender aos adolescentes e outra para as crianças, já que são necessidades diferentes”, lembra Joy.

“A sensação depois do dever cumprido é a melhor possível, estamos todos satisfeitos e felizes por termos conseguido fazer tudo o que planejamos”, conclui.

Participaram da ação:

– Raissa Sousa Barbosa;
– Joy Aparecida Barbosa Ramos;
– Augusto César;
– Julio Cesar;
– Tryfena Faustino;
– Rayara Martins;
– Clarissa Maria;
– Rodrigo Matos;
– Izabella Letícia;
– Leonardo Carneiro;
– Suzanne Silva;
– Gustavo Gomes.

Para quem quiser colaborar com o Lar Amigos de Jesus, a entidade fica na rua Ildefonso Albano, 3052 – bairro Joaquim Távora, em Fortaleza. Telefone: (85) 3067-6565.

16:11 · 14.08.2017 / atualizado às 16:16 · 14.08.2017 por

Durante uma aula sobre a letra H, a professora Ludmila Cruzal perguntou aos alunos da educação infantil, de uma escola pública no Rio de Janeiro, se eles gostavam de hambúrguer.

Para espanto da educadora, que ensina em uma turma de crianças de 5 e 6 anos, poucos já tinham provado o sanduíche. “Tia, nunca comi um, mas já sonhei que comia”, chegou a responder uma das crianças.

Comovida com o que viu, a professora decidiu que levaria pães, hambúrgueres, alface e condimentos para a escola.

“A nutri da creche autorizou e a diretora também. Infelizmente, não tenho condições de comprar um Mc Lanche Feliz para cada um, mas um pouquinho de alegria tenho certeza que conseguirei”, relatou Ludmila Cruzal, antes de realizar o sonho da turma.

No Facebook, ela compartilhou a felicidade das crianças ao provar hambúrguer pela primeira vez.

10:08 · 09.08.2017 / atualizado às 16:16 · 14.08.2017 por

O assistente de apoio Matheus Inácio Souza, de 21 anos, tentou estacionar para ir a um restaurante, no bairro Santa Mônica, em Florianópolis (SC), quando colidiu com um Porsche. O veículo era do psicólogo Carlos Pimenta, que participava de uma reunião de trabalho.

Ao pegar seu carro, Carlos viu o bilhete. Segundo o psicólogo, foi apenas um arranhão, em um local que, provavelmente ninguém viu o que aconteceu. “Matheus não tinha motivo nenhum para ter essa atitude, foi só uma questão de ética. Temos que valorizar esse tipo de prática”, afirma Carlos.

O psicólogo chegou a ligar para o número do bilhete, disse que o jovem foi muito responsável e, apesar de o carro ser importado e ele ganhar pouco, não fugiria da responsabilidade. “Embora eu tenha dito que vou procurar um orçamento, não vou levar para conserto, esse valor não fará diferença na minha vida, mas a atitude dele fez”, garantiu.

Atitude do assistente de apoio Matheus Inácio Souza, de 21 anos, chamou a atenção do proprietário do veículo de luxo (Foto: arquivo pessoal)
O psicólogo Carlos Pimenta, dono do Porsche atingido afirma que é preciso valorizar atitudes como a do jovem Matheus (Foto: arquivo pessoal)

*Com informações do portal G1.

15:01 · 01.08.2017 / atualizado às 16:17 · 14.08.2017 por

Jonaz Gutierrez, um bebê de apenas quatro meses que vive no Texas, Estados Unidos, foi diagnosticado com plagiocefalia, uma assimetria craniana geralmente ocasionada pela posição em que o bebê é colocado para dormir.

O problema levou Jonaz a usar um capacete de proteção em tempo integral, durante seis meses. A função do acessório é manter a cabeça numa posição fixa e remodelar o crânio do bebê.

Para o pequeno não se sentir “um estranho no ninho”, a família decidiu que todos em casa também deveriam usar um capacete. Pai, mãe e a outra filha do casal, que tem três anos, também passaram a usar o acessório. A iniciativa ideia foi da filha, que começou a usar seu capacete de bicicleta para que o irmão não se sentisse diferente.

A história foi compartilhada no Twitter e logo ganhou repercussão, por conta da empatia da família nesse momento.