Busca

Tag: ajuda


14:54 · 24.07.2017 / atualizado às 14:54 · 24.07.2017 por

Durante um voo que ia de Israel aos Estados Unidos, uma criança diagnosticada com autismo, começou a ficar muito agitada – o trajeto dura, em média, 8 horas e o voo ainda teve um atraso de três horas.

O menino e a mãe estavam viajando para a África e mal falavam inglês. Segundo relato de uma passageira, a situação começou a ficar muito desconfortável e era possível sentir a tensão entre os passageiros.

“Seus gritos foram ouvidos em todo o avião”, conta Bentzion Groner, que ajudou o pequeno e fez seu relato no Facebook.

Diante da situação, Groner e uma amiga – que, por coincidência, trabalha para uma organização que atende crianças com deficiências e limitações específicas – levaram a criança a um lugar calmo, no fundo do avião, sugeriram que tirasse os sapatos para ficar mais confortável, brincaram com ele e o distraíram para que ficasse mais tranquilo, ajudando a mãe a contornar a situação.

Confira o relato original:

19:56 · 13.03.2017 / atualizado às 19:56 · 13.03.2017 por
'Seu Luciano' precisa de um carrinho de reciclagem para poder trabalhar. (FOTO: Divulgação)
‘Seu Luciano’ precisa de um carrinho de reciclagem para poder trabalhar. (FOTO: Divulgação)

O jovem estudante de jornalismo Karlos Aires, 24 anos, estava lanchando com um amigo em um estabelecimento na avenida Pontes Vieira, no bairro Dionísio Torres, em Fortaleza, no meio de um dia comum qualquer, quando o surgimento de um pedinte com duas sacolas na mãos (uma com fraldas e outra com leite em pó) o sensibilizou. Ele pedia por comida, não dinheiro.

O morador de rua tratava-se de “Seu Luciano”, de 50 anos. Conforme o estudante, ele passa o dia vagando pela cidade pedindo ajuda de outras pessoas para sustentar a esposa e a filha bebê. O homem veio do interior do Ceará em meados de 2010 para tentar uma vida melhor na capital, mas, por falta de oportunidades, foi mais um que se somou à multidão de invisíveis nas ruas de Fortaleza. Atualmente, seu “lar” é a Praça do Ferreira.

Tocado pela história, Karlos resolveu não apenas comprar o sanduíche pedido por Seu Luciano, mas não parou por ai. “Perguntei porque ele não trabalhava, e ele me respondeu afirmando que sua única opção era trabalhar com reciclagem, mas que não tinha dinheiro para comprar o carro, que custa mais ou menos R$ 400. Foi então que propus dar-lhe o equipamento para que ele pudesse ter uma ocupação e um meio para sustentar a si e a sua família”, disse.

Vaquinha online

A partir desta iniciativa, Karlos criou uma vaquinha online para juntar o dinheiro necessário para comprar a carroça de Seu Luciano. O objetivo é acumular R$ 500 (R$ 400 do equipamento e R$ 100 de ajuda extra) e ir junto com ele realizar a compra. Até o momento, no entanto, as doações estão bastante aquém do esperado.

“Infelizmente, não estou tendo muito resultado. Hoje uma amiga doou R$ 10, mas ainda é pouco. Eu tava planejando, para essa semana, fazer vídeos curtos pra chamar o pessoal pra doar, citar exemplos dos EUA, onde esse tipo de campanha é muito comum e sempre passa da meta. Acho que poderia incentivar as pessoas”, argumenta, reforçando que vai postergar a data-limite para doações, atualmente marcada para ser encerrada no dia 1° de abril.

Segundo Karlos, o objetivo não é oferecer “esmola”, mas sim uma oportunidade de vida. “Deu pra notar nos olhos dele a felicidade quando falei que ia ajudá-lo. Ele quer parar de pedir, ele quer trabalhar. No final das contas, ele vai continuar a passar o dia andando, mas agora com dignidade e o próprio dinheiro, por menor que seja”, defende.

As doações podem ser feitas por meio do endereço da campanha e não possuem limite mínimo. Até o momento, a iniciativa de Karlos bateu somente 10% do total da meta estabelecida.