Andarilho

Categoria: São Petersburgo


09:41 · 18.11.2013 / atualizado às 09:41 · 18.11.2013 por

Existem lugares que fazem parte do imaginário de qualquer viajante. Países que nos parecem distantes ou inacessíveis, mas que sempre despertaram o interesse. Assim eu me sentia em relação à Rússia. Impossível não se intrigar pelo país com a maior extensão territorial do mundo, protagonista de inúmeros fatos históricos, terra de célebres escritores, sede de companhias de balé e teatro de renome mundial e também tão longe e diferente do nosso.

Mapa da Rússia

A língua, totalmente incompreensível e representada por caracteres aparentemente indecifráveis, aumenta o mistério que envolve o país, fechado ao turismo durante as décadas da Guerra Fria. A abertura ainda desperta receios, mas quem se dispõe a enfrentá-los tem como recompensa uma experiência única. E acredite, vale à pena!

A oportunidade surgiu nestas últimas férias, quando eu planejava uma viagem à Escandinávia. Nas pesquisas para montar o roteiro, deparei-me com informações que me atiçaram a estender o percurso e cruzar a fronteira russa. Turistas brasileiros não precisam de visto. De Helsinque, a capital finlandesa, partem confortáveis trens de alta velocidade que nos levam a São Petersburgo em apenas três horas e meia. O que mais faltava?

O Allegro, trem rápido da companhia finlandesa VR, liga Helsinque a São Petersburgo Foto: Anchieta Dantas Jr.
O Allegro, trem rápido da companhia finlandesa VR, liga Helsinque a São Petersburgo Foto: Anchieta Dantas Jr.

Entretanto, planejar uma viagem à Rússia pode não ser uma tarefa fácil, mas a experiência compensa o trabalho. A barreira linguística certamente assusta, mas um país em que praticamente todos não falam inglês não é tão assustador assim. A recomendação é aprender o alfabeto cirílico. Não é difícil como se imagina. E saber a correspondência com o alfabeto latino lhe permitirá ler, mesmo que não entenda o que está escrito, e ver que há muitas palavras, na pronúncia e significado, semelhantes ao português e a outras línguas mais populares. Você não sabe a emoção que senti, ao caminhar pelas ruas e poder ler placas e letreiros. E mais: que custa aprender a dizer obrigado, por favor e bom dia na língua do país que estamos visitando? Isto abre muitas portas, viu?

Confesso que a tecnologia também ajudou. Com o Google Tradutor e uma boa conexão WiFi, acredita que mantive várias conversas com os locais? Eles falando em russo e eu em português ou inglês. Sensacional! E nem pense em chegar lá sem um bom guia de viagem sobre as cidades que vai visitar. Além de dicas preciosas, possui mapas com o nome das ruas escrito em russo e a correspondência no alfabeto. Estes também disponibilizam as linhas de metrô, facilitando o deslocamento. Tudo deve ser muito bem planejado para que você não precise pedir informações fora do seu hotel. Neste sempre há quem fale razoavelmente o inglês.

Placa indicativa do metrô em São Petersburgo
Placa indicativa do metrô em São Petersburgo

 

Burger King em São Petersburgo. Nem tudo está escrito em inglês Foto: Anchieta Dantas Jr.
Burger King em São Petersburgo. Nem tudo está escrito em inglês Foto: Anchieta Dantas Jr.

Em Moscou não é comum ter coisas escritas em letras latinas. São Petersburgo tem mais. Como exemplo, todas as ruas centrais da cidade têm placas com a correspondência. Esse padrão se repete no metrô. Em Moscou, não. Mas, aos poucos, em algumas estações e trens já começa a ter. Nos restaurantes em áreas mais turísticas encontramos cardápios em inglês. Não espere mais do que isso. Porém, os russos, em geral, estão dispostos a ajudar. O problema é que eles insistem em fazer isso falando em sua língua. Mesmo assim seja educado e, apesar de não entender nada, pronuncie um spasiba (obrigado) e logo eles sorriem.

Placa indicativa em Moscou. Aos poucos a cidade ganha alguma sinalização em inglês Foto: Anchieta Dantas Jr.
Placa indicativa em Moscou. Aos poucos a cidade ganha alguma sinalização em inglês Foto: Anchieta Dantas Jr.

Assim como o Brasil, o país ainda tem um longo caminho a trilhar para receber bem os turistas, mas isso não quer dizer que não seja possível viajar independente por lá. Eu visitei apenas duas cidades deste enorme país, mas não tenho dúvidas de que ainda vou voltar para conhecer muito mais!

Aguardem novos posts sobre os lugares que visitei e dicas de como organizar uma viagem pela Rússia.

Texto publicado na Revista Siará – edição de 11.11.2013

Pesquisar

Andarilho

Viagens e estilo de vida.
Posts Recentes

01h09mDescubra 12 motivos pelos quais o seu cérebro precisa tirar férias

11h09mConfira seis cidades brasileiras para quem quer conhecer as culinárias regionais

02h09mWi-Fi: conecte-se de graça em qualquer lugar do mundo

02h08mPromoção: confira passagens aéreas para a Europa por menos de R$ 1.600

03h08mVacina contra febre amarela tem nova regra

Ver mais

Tags

Categorias
Blogs
Redes Sociais
Instagram Siga o