Busca

Autor: André Marinho


15:12 · 11.01.2016 / atualizado às 09:25 · 12.01.2016 por

A Ford apresenta o novo Fusion no Salão de Detroit, um dos lançamentos mais esperados do primeiro grande evento automotivo do ano, que começou hoje para a imprensa e abre para o público no próximo sábado

Novo Fusion: destaque no estande da Ford
Novo Fusion: destaque no estande da Ford

Com visual ainda mais arrojado e muita tecnologia, a linha inclui dois modelos híbridos e o novo V6 Sport com tração integral. Outra atração da marca é a F-150 Raptor SuperCrew, picape esportiva que avança no visual e na capacidade off-road. Além de mudanças no design, com nova grade e para-choque dianteiro que tornam o seu estilo ainda mais arrojado e esportivo, o Fusion ganha a versão Platinum. Ele chega ao mercado norte-americano em meados do ano, seguido do Fusion V6 Sport algumas semanas depois.

FusionSport_02
O Fusion V6 Sport é um sedan esportivo diferente de tudo o que existe no segmento, com motor V6 EcoBoost duplo turbo de 2.7 litros que entrega uma potência estimada de 329 cavalos e de 48,4 kgfm de torque. A sua versão “all-wheel-drive” tem um torque adicional de cerca de 13,8 kgfm e 50 cv a mais de potência que os motores V6 de 3.5 litros do Toyota Camry e do Honda Accord.

FusionSport_03
O Fusion Platinum é projetado para os clientes que procuram níveis ainda maiores de refinamento e acabamento em um sedan CD. Equipado com o premiado motor EcoBoost 2.0 e tração integral, ele oferece uma experiência envolvente na cabine. Os painéis de instrumentos e das portas são revestidos em couro Cocoa clássico e a direção tem acabamento em couro Venetian premium. Externamente, traz grade com acabamento exclusivo em pintura Magnetic e rodas polidas de 19 polegadas.

FusionSport_05

Detalhe do interior do novo Fusion
Detalhe do interior do novo Fusion

Os novos Fusion Hybrid e Fusion Energi lideram a linha de híbridos mais vendida da América do Norte. O novo software utilizado nos dois modelos proporciona uma direção ainda mais refinada e envolvente, com motores elétricos mais eficientes que aumentam a economia de combustível e a autonomia no modo elétrico.

Suspensão e bateria
O Fusion V6 Sport acrescenta suspensão com ajuste continuamente controlado dos amortecedores, em tempo real, para se adaptar às condições da pista. O sistema conta com uma tecnologia de detecção de buracos que ajusta os amortecedores mais rápido que um piscar de olhos para reduzir significativamente a força do impacto transmitida aos ocupantes. Seu visual, de estilo único, é marcado por linhas agressivas, com entradas de ar maiores e grade preta brilhante tipo colmeia, rodas de 19 polegadas, aerofólio traseiro e saídas duplas de escape.

O Fusion Hybrid e o Fusion Energi são veículos elétricos repletos de tecnologia, com um avançado sistema EcoGuide que orienta o motorista em tempo real para economizar combustível. Com uma bateria de íons de lítio de 7,6 quilowatt-hora, o Fusion Energi tem autonomia estimada de cerca de 30 km usando apenas energia elétrica. O carro muda automaticamente para o motor 2.0 a gasolina quando a bateria está descarregada, o que garante uma autonomia de mais de 800 km.

A Ford continua a inovar e evoluir com suas baterias de íons de lítio, que economizam peso e espaço. A recarga do Fusion Energi pode ser feita no período noturno, em apenas 2,5 horas. Seu sistema inteligente só inicia operação nos horários em que o preço da eletricidade é mais baixo (nos EUA a energia tem tabelas diferenciadas por horário). Ele pode também pré-aquecer ou pré-refrigerar a cabine antes da partida, ajudando a economizar combustível.

Ambos os Fusion elétricos entregam um impressionante desempenho, acelerando até 137 km/h no modo elétrico. A frenagem regenerativa recupera até 95% da energia perdida na forma de calor para recarregar a bateria.

Tecnologia
O Fusion é o primeiro da marca a ter sistema de detecção de pedestres na América do Norte e também dispõe de estacionamento automático em vagas paralelas e perpendiculares. Seu novo sistema de mudança de marchas, de alta tecnologia, melhora o aproveitamento de espaço na cabine. A assistência de manutenção na faixa ajuda o motorista a se manter na pista adequada, usando uma pequena câmera atrás do espelho retrovisor.

O sistema de alerta de pontos cegos e tráfego cruzado, opcional, tem sensores para detectar o tráfego onde a visão do motorista não alcança e garante confiança nas manobras junto com a câmera de ré.
A linha também conta com o SYNC 3, novo sistema de comunicação e entretenimento da Ford que tem funcionamento mais rápido, sistema de reconhecimento de voz aprimorado, tela sensível ao toque mais intuitiva, semelhante aos smartphones, e uma interface gráfica mais simples. O SYNC Connect, opcional no SYNC 3, permite ligar o motor remotamente, agendar a partida e travar e destravar o carro pelo smartphone.

F-150 Raptor
A F-150 Raptor SuperCrew é a versão radical da picape mais vendida da América do Norte há 39 anos consecutivos e líder de todo o mercado há 34. Com visual e DNA inspirado em bajas de competição, oferece ainda mais espaço, versatilidade e capacidade off-road. Produzida com aços de alta resistência e liga de alumínio de nível militar, é cerca de 226 kg mais leve que a Raptor anterior e 15 centímetros mais larga que a F-150 convencional.

Picape F-150 Raptor: essa não será vendida no Brasil
Picape F-150 Raptor: essa não será vendida no Brasil

Tem um novo e exclusivo motor 3.5 EcoBoost – mais potente que o V8 6.2 atual, de 411 cv – e nova transmissão de 10 velocidades. Conta também com nova tecnologia de tração integral sob demanda, o Terrain Management System, com seis modos de assistência: normal; estrada; chuva, neve e gelo; lama e areia; baja, para alta velocidade na areia; e pedras.

F-150 Raptor_03

A suspensão ganhou componentes mais robustos, com diferencial dianteiro Torsen e amortecedores FOX Racing Shox. Outras novidades são a saída dupla de escapamento e rodas de 17 polegadas com pneus BFGoodrich All-Terrain KO2.

F-150 Raptor_02

12:40 · 11.01.2016 / atualizado às 10:12 · 13.01.2016 por

Hoje as portas do Cobo Center abriram para a imprensa no começo do Salão Internacional de Carros de Detroit (North American International Auto Show – Naias). Com uma nevasca de -11 graus, a cidade recebeu muitas novidades que interessam também aos brasileiros

Novo Honda Civic
Novo Honda Civic

A nova geração do Honda Civic, por exemplo. Mas as anfitriãs reservaram também outras atrações. A Ford mostrou em sua coletiva hoje o novo Fusion e a picape esportiva F-150 Raptor, além de novas tecnologias que chegarão em breve ao Brasil.

Sedan Chevrolet Cruze em sua nova geração
Sedan Chevrolet Cruze em sua nova geração
Modelo hatch do Chevrolet Cruze
Modelo hatch do Chevrolet Cruze

A Chevrolet apresentou o novo sedan Cruze e o Cruze Hatch. Já a Fiat Chrysler revelou a nova geração da van Town & Country. Ela deve ser completamente reformulada, com a possibilidade de quem nem o nome seja preservado – no site americano da Chrysler, há a contagem regressiva para o lançamento do modelo 880. Se for assim, ela seguirá a lógica dos outros modelos da marca, chamados de 200 e 300. Já a Mercedes-Benz mostra o novo sedan Classe E.

Nova Mercedes-Benz Classe E
Nova Mercedes-Benz Classe E

Mais informações:

North American International Auto Show (Naias)
Aberto para o público de 16 a 24 de janeiro
Detroit, Estados Unidos

10:51 · 11.01.2016 / atualizado às 10:51 · 11.01.2016 por

O Audi A1 Sportback 2016 chega ao Brasil com importantes novidades. O modelo compacto da Audi recebeu aperfeiçoamentos no design interno e externo

 

A1 bx 1
Não testamos ainda o modelo. Confira detalhes que a Audi divulgou. A carroceria rígida e a curta distância entre-eixos garantem agilidade e facilidade de manobra. Essas qualidades, reconhecidas desde o lançamento da primeira geração do A1, são potencializadas na nova versão Ambition, equipada com o motor 1.8 Turbo FSI de 192 cv de potência e torque de 250 Nm. Na versão Attraction, o A1 Sportback conta com motor 1.4 Turbo FSI de 125 cv.

Redesenhado
O novo A1 Sportback chama a atenção por suas linhas nitidamente esportivas. O design está ainda mais dinâmico e o carro, dois centímetros mais longo, com comprimento total de 3,97 metros. A cúpula do teto é pintada em cor contrastante com o restante da carroceria.

A1 bx 5

O interior do modelo é espaçoso e sofisticado. A disposição de seus controles é clara e finos frisos cromados tornam o design interno ainda mais elegante.
O chassi torna o compacto esportivo e ágil. A nova direção eletromecânica garante que o motorista tenha assistência ideal em todas as situações de rodagem. O nível de assistência é reduzido conforme a velocidade do veículo aumenta. Na nova linha do equipamento esportivo, a regulagem é mais rígida, mas a direção é mais confortável que no modelo anterior.

A1 bx 6
Outra novidade é a introdução do sistema Audi Drive Select, oferecido na versão Ambition 1.8. O motorista pode utilizá-lo para alterar as características do motor e do câmbio S tronic entre três modos: auto, eficiência e dinâmico. O ESC (Electronic Stabilization Control – controle eletrônico de estabilidade) torna a direção ainda mais precisa e estável e a vetorização de torque diminui a tendência do carro a sair de frente (subesterço) quando guiado no limite.

A1 bx 3

Alta performance: motor 1.8 TFSI
Já consagrado pela agilidade e comportamento dinâmico, o A1 Sportback passa a ser oferecido em uma versão ainda mais vigorosa, voltada àqueles que privilegiam acima de tudo o prazer ao dirigir um automóvel com excelente relação peso x potência.
O motor mais forte que a Audi oferece para o modelo é o novo 1.8 TFSI, com 192 cv e 250 Nm de torque disponibilizado em uma ampla faixa que vai de 1.250 a 5.300 rpm, que substitui o anterior 1.4 TFSI de 185 cv e 250 Nm. Na nova versão Ambition, a aceleração de 0 a 100 km/h leva 6,9 segundos, ante 7 segundos do modelo 2015. O propulsor de maior cilindrada faz o A1 atingir a velocidade máxima de 234 km/h, contra 227 km/h do modelo 1.4.
O 1.8 TFSI, que tem 1.798 cm³ de cilindrada (diâmetro x curso de 82,5 x 84,1 mm), está repleto de tecnologias extremamente eficientes. Sob carga parcial, o motor a injeção direta recebe uma injeção adicional de combustível indireta no coletor de admissão. Dois eixos de comando de válvulas ajustáveis e o sistema Audi valvelift, que modifica o curso das válvulas de escapamento entre dois níveis, asseguram o mais perfeito enchimento das câmaras de combustão. O sistema de gerenciamento térmico utiliza um módulo de palhetas rotativo de alta performance e o coletor de exaustão é integrado no cabeçote. Dois eixos de balanceamento garantem a extrema suavidade do funcionamento.

A1 bx 4
O 1.4 TFSI
Na versão Attraction, o A1 Sportback conta com o motor 1.4 TFSI, que tem 1.395 cm³ de cilindrada (diâmetro x curso: 74,5 x 80,0 mm) e desenvolve 125 cv de potência máxima (3 cv a mais que o anterior) e 200 Nm de torque (disponível entre 1.400 e 4.000 rpm). A aceleração de 0 a 100 km/h é feita em 8,9 segundos, contra 9 segundos do modelo anterior. A velocidade máxima subiu de 203 para 204 km/h.
Transmissão S tronic
As duas versões do A1 Sportback são oferecidas com câmbio S tronic de dupla embreagem com sete velocidades. A força é transmitida por meio das rodas dianteiras. O motorista pode deixar a velocíssima transmissão trocar as marchas automaticamente ou usar o controle manual, operando o sistema tanto pela alavanca seletora no console central como pelas palhetas localizadas no volante. O modo automático D é configurado para obter a máxima economia de combustível. No modo S, os pontos de trocas de marchas são mais esportivos. O assistente de partida em rampas, que evita que o carro recue ao arrancar, é equipamento de série.
A transmissão S tronic de sete marchas consiste de duas subtransmissões. Duas embreagens multidiscos operam as engrenagens das marchas, que estão distribuídas em eixos de tração separados. As estruturas das duas transmissões estão ativas o tempo todo, mas apenas uma delas é conectada ao motor a cada momento. As trocas são feitas pela intercalação das embreagens. A operação toma apenas alguns centésimos de segundo e acontece sem interrupção perceptível no fluxo de força, de forma dinâmica e confortável.
Com peso em torno de 70 quilos, a compacta transmissão é excepcionalmente leve. Suas embreagens trabalham sem necessidade de suprimento de óleo, o que aumenta ainda mais a eficiência do motor. A bomba elétrica, que faz circular o óleo para a área do conjunto de engrenagens, funciona conforme a necessidade. A relação das marchas inferiores é curta e esportiva, enquanto a marcha mais alta é longa para reduzir a rotação do motor.
Chassi
O chassi também colabora para tornar o compacto ágil e esportivo. A nova direção eletromecânica é extremamente eficiente, com a intensidade da força de apoio reduzindo à medida que a velocidade do veículo aumenta. Com a linha de acabamento esportiva, o acerto é ligeiramente mais direto.
Equipando as duas versões, o ESC foi desenvolvido ainda mais e, pela primeira vez, pode ser desativado em dois níveis diferentes. Ele pode ser usado em modo esportivo ou inteiramente desligado. No esportivo, é possível dirigir de forma mais ágil por meio de intervenções precisas do sistema, juntamente com a vetorização de torque operando de forma mais direta.
Quando o ESC é desativado completamente, a vetorização de torque continua ativa para garantir a precisão na direção do veículo e o EDL (Electronic Differential Lock – bloqueio eletrônico do diferencial) permanece em funcionamento para assegurar o máximo de tração. A estratégia de controle de vetorização de torque foi ampliada e agora leva em conta todos os índices de aderência das estradas.
Antes que o ponto de saída de frente (subesterço) seja alcançado, uma intervenção finamente calibrada e imperceptível é aplicada às rodas do lado interno da curva. Quando a força é aplicada pelo motorista, o excesso de torque flui para as rodas externas, fazendo o carro contornar curvas com precisão. Dentro de limites físicos, a tendência ao subesterço é minimizada por essa função do ESC.
Uma sub-função do ESC é o sistema de assistência à frenagem contra multicolisões, equipamento de série. Após um acidente, ele evita a movimentação descontrolada do carro e uma possível colisão secundária.
A versão Attraction tem rodas de liga leve com 16 polegadas de diâmetro e pneus 215/45. Já a Ambition traz rodas de 17 polegadas, com pneus 215/40. Por trás das rodas ficam os poderosos freios, com discos dianteiros ventilados com 256 (Attraction) ou 310 milímetros de diâmetro (Ambition). Nas traseiras, as duas versões usam discos com 230 milímetros, seguros por pinças flutuantes de alumínio. Nas frenagens de emergência, as luzes de freio adaptativas piscam para alertar os motoristas que vêm atrás.
Acessórios e acabamento
O A1 Sportback Ambition traz uma extensa relação de equipamentos de série. O acabamento interno é preto brilhante e os dois bancos esportivos dianteiros têm ajuste de altura. O teto é revestido de tecido preto, contribuindo para criar uma atmosfera simultaneamente requintada e esportiva. O volante e a manopla da alavanca da transmissão são revestidos de couro.
Exteriormente, a versão topo de linha se destaca pelas rodas de 17 polegadas e pelo contraste entre a pintura dos painéis, o arco preto brilhante e o pacote S-Line. O teto também possui pintura contrastante e, opcionalmente, o carro pode trazer o teto solar “Open Sky”, com acionamento elétrico. Os faróis são bi-xenônio, com luzes de condução diurna de LEDs, limpadores e ajuste automático de altura, de acordo com a distribuição interna de carga.
Para maior eficiência do sistema de climatização e menor consumo energético, os vidros laterais e traseiros possuem isolamento térmico e o para-brisa tem uma faixa cinza para bloquear os raios de sol. As duas versões são equipadas com airbags laterais na dianteira, além de airbags tipo cortina para proteção da cabeça ao longo das janelas.
A versão Ambition vem equipada de série com o Audi music interface e o Audi Sound system, além de rádio MMI e sistema Bluetooth de conexão para telefones celulares. O A1 Attraction também conta com conexão Bluetooth e rádio MMI. Tanto a versão Ambition como a Attraction podem receber também o pacote opcional WDI de tecnologia, que inclui controle de cruzeiro (piloto automático), sistema de chave Keyless-go e o equipamento de som Bose surround, um dos mais avançados do mundo. Na versão Attraction, o WDI inclui ainda o pacote de luzes, item já de série na versão Ambition.

Confira as principais mudanças dos novos A1
· Motores 1.4 TFSI de 125 cv na versão Attraction e 1.8 TFSI de 192 cv na Ambition
· Direção eletromecânica
· Introdução do sistema Audi Drive Select na versão Ambition
· Design: grade dianteira, faróis, para-choques, lanternas de LED e rodas
· Rodas de 16 polegadas na versão Attraction
· Bluetooth e sensor de estacionamento de série em ambas as versões
· Aumento de 2 cm no comprimento do veículo

Ficha Técnica
Audi A1 Sportback Ambition
Motor: 1.8 Turbo FSI
Cilindros / Cilindrada: 4 em linha / 1.798 cm³
Potência (cv): 192 a 5.400 rpm
Torque (Nm): 250 entre 1.250 e 5.300 rpm
Tração: dianteira
Transmissão: S tronic 7 velocidades
Peso (kg): 1.205 kg
Comprimento (mm): 3.973
Largura (mm): 1.746
Altura (mm): 1.422
Entre-eixos (mm): 2.469
Capacidade do porta-malas (l): 270
Aceleração 0-100 km/h (s): 6,9s
Velocidade máxima (km/h): 234
Capacidade do tanque de combustível (l): 45
Audi A1 Sportback Attraction
Motorização: 1.4 Turbo FSI
Cilindros / Cilindrada: 4 em linha / 1.395 cm³
Potência (cv): 125 a 5.000 rpm
Torque (Nm): 200 entre 1.400 e 4.000 rpm
Tração: dianteira
Transmissão: S tronic 7 velocidades
Peso (kg): 1.140
Comprimento (mm): 3.973
Aceleração 0-100 km/h (s): 8,8s
Velocidade Máxima (km/h): 204
Largura (mm): 1.746
Altura (mm): 1.422
Entre-eixos (mm): 2.469
Capacidade do tanque de combustível (l): 45
Capacidade do porta-malas (l): 270

12:49 · 08.01.2016 / atualizado às 12:49 · 08.01.2016 por

Entre janeiro e dezembro a marca ultrapassou 17 mil emplacamentos
Com mais de 7 mil unidades comercializadas, Classe C é o veículo mais vendido de todo o segmento premium e o principal responsável por esse resultado

Classe C, o mais vendido da marca no Brasil
Classe C, o mais vendido Mercedes no Brasil

A Mercedes-Benz do Brasil encerrou 2015 com resultados expressivos nas vendas de automóveis premium. Entre janeiro e dezembro a marca registrou 17.525 unidades emplacadas, impactando no maior crescimento entre as marcas do segmento, com 47%, comparado ao fechamento de 2014. Além disso, os modelos Classe A, Classe B, Classe C, CLA, CLS, Classe E, Classe G/GL, Classe S e SL foram líderes de venda em seus respectivos segmentos.
Somente o Classe C sedan registrou 7.532 unidades comercializadas, o equivalente a 43% do mix de vendas da marca em 2015. Lançado em 1982 e em sua quinta geração, o modelo é o mais vendido pela Mercedes-Benz e em 2015 atingiu seu recorde no País, sendo o veículo com maior número de emplacamentos em todo o segmento premium.

Mercedes GLA, outro sucesso da marca
Mercedes GLA, outro sucesso

Outro fator que influenciou o aumento de vendas no ano foi o crescimento na representatividade das versões SUV. Entre todos os modelos do portfólio, 5.856 unidades foram emplacadas, em comparação com os 2.053 veículos vendidos em 2014.
Regionalmente, a marca também atingiu números significativos em novas praças, reflexo do investimento realizado para inauguração de novos concessionários, passando de 45 para 52 pontos. A região que mais cresceu durante esse período foi a Centro-Oeste, com 88% de aumento nas vendas, seguida por Nordeste (59%), Sul (47%), Sudeste (41%) e Norte (24%).
“O ano passado foi realmente importante para o segmento premium. Ao mesmo tempo em que observamos um crescimento, tivemos um aumento de competitividade entre as marcas. É satisfatório fazer um balanço dos últimos meses e perceber que as metas traçadas foram cumpridas, resultando em uma participação de mercado de 34%. Para 2016 teremos lançamentos de utilitários esportivos que chegam para completar a linha neste segmento, com objetivo de atrair novos clientes. Este será o ano do SUV para a Mercedes-Benz no Brasil”, afirma Holger Marquardt, diretor geral Automóveis América Latina.

Mercedes ML, SUV de luxo da marca
Mercedes ML, SUV de luxo da marca

Com inauguração prevista para o primeiro trimestre deste ano, a nova fábrica de automóveis de Iracemápolis produzirá o Classe C e GLA, ambos com motorização flexível. Ainda em 2016, a marca também terá 27 lançamentos, incluindo novas carrocerias e reformulações de modelos presentes no portfólio.

16:08 · 07.01.2016 / atualizado às 16:09 · 07.01.2016 por

A queda de 36% nas vendas de automóveis e comerciais leves importados pelas marcas associadas da ABEIFA (Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores) em 2015 não foi uma surpresa e esse resultado negativo já estava previsto pela entidade, que mensalmente divulgava quedas constantes nas vendas

Carro chinês da marca Chery, novo QQ
Carro chinês da marca Chery, novo QQ

Em 2015, de janeiro a dezembro, as associadas emplacaram 59.975 unidades importadas, em comparação às 93.685 do ano anterior. No resultado isolado do mês de dezembro, a queda das vendas dos veículos importados foi de 46,6%, com 4.918 emplacamentos, ante os 9.214 registrados em dezembro de 2014.
Em dezembro de 2015, as empresas associadas que já fabricam no Brasil emplacaram 1.471 unidades, queda de 6,2% na comparação com o mês de novembro de 2015, quando registraram 1.569 unidades. O comparativo é feito com o mês anterior, pois não há dado histórico para dezembro de 2014, pois as fábricas estavam em fase de implantação.

Sportage, carro coreano da Kia
Sportage, carro coreano da Kia

“2015 foi, sem dúvida, um dos anos mais difíceis para o setor, com forte impacto da queda da confiança do consumidor, retorno da inflação de dois dígitos, queda dos níveis de emprego e o aumento do dólar. Em janeiro do ano passado, anunciamos que estávamos cautelosos e esperávamos que fossem feitos importantes ajustes na economia, para que o setor tivesse um desempenho próximo ao de 2014. Porém, o que vivenciamos em 2015 foi uma sucessão de eventos que impactaram negativamente o setor automotivo como um todo e não só o segmento de importados. Os índices do setor automotivo retornaram a patamares de 10 anos atrás e, agora, a recuperação em 2016 dependerá de ações firmes do governo para a recuperação da economia e o retorno da confiança do consumidor”, declara o presidente da entidade, Marcel Visconde.
“Todos os agentes envolvidos na cadeia, sejam as empresas importadoras, as fabricantes e a rede de revendedores já começaram a readequar suas operações para o novo patamar do mercado, que ficou abaixo das 2.5 milhões de unidades”, complementa Visconde.