Busca

Categoria: Abeifa


03:50 · 10.09.2018 / atualizado às 19:53 · 09.09.2018 por

– Em agosto último, com 3.801 unidades, associadas à entidade anotaram crescimento de 22,6% em relação a julho de 2018 e alta de 34,7% ante agosto de 2017.
– Com total de 24.850 unidades emplacadas, setor registra alta de 32% nos primeiros oito meses do ano ante igual período de 2017. Participação dos veículos importados da Abeifa no ano é de 1,65%.
– Entidade mantém estimativa de vendas para 2018 em 40 mil unidades, totalização difícil de ser alcançado se dólar mantiver no patamar de R$ 4,10


As dezesseis marcas filiadas à Abeifa – Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores, com licenciamento de 3.801 unidades, anotaram em agosto alta de 22,6% em relação a julho último, quando foram vendidas 3.101 unidades importadas. Ante igual período de 2017, o resultado de agosto é 34,7% maior. Foram 3.801 unidades contra 2.821 veículos emplacados em agosto do ano passado.
No acumulado, as associadas à Abeifa anotaram 24.850 unidades importadas licenciadas, alta de 32% em relação às 18.822 unidades emplacadas de janeiro a agosto de 2017.
“Foi o melhor desde dezembro de 2015, mas com muito sacrifício para todos os importadores. Todos tiveram de segurar preços promocionais mesmo com o dólar no patamar de R$ 4,10. No último quadrimestre do ano, vamos tentar manter vendas mensais de 3,8 mil unidades mas, a permanecer com o dólar acima dos R$ 4,00, dificilmente conseguiremos alcançar sequer a nossa meta do ano de 40 mil unidades”, explica José Luiz Gandini, presidente da Abeifa.
Para Gandini, “depois da greve dos caminhoneiros e da Copa do Mundo que, de alguma forma, influenciaram o comportamento de vendas em maio e junho, a falta de confiança do consumidor ainda persiste. E agora com um componente a mais: a eleição presidencial. De qualquer maneira, já houve uma pequena reação em julho e em agosto, o que sinaliza um segundo semestre melhor. Torcemos por um cenário eleitoral mais consistente e, com isso, que melhore o comportamento da moeda norte-americana em relação ao real”.


As cinco marcas que mais venderam, de janeiro a agosto de 2018, foram a Kia Motors (7.963 unidades / +43,2%), Volvo (4.051 / +85,2%), Jac Motors (2.865 / +29,1%), BMW (1.842 / +34,2%) e Suzuki (1.725 / +1,5%). No mês de agosto, Kia Motors (1.064 / +32,3%), Volvo (777 / +28,1%), Jac (363 / +21%), BMW (291 / +40,6) e Suzuki (264 / -1,5%) formam o quadro das cinco marcas que mais licenciaram.
Participações – Em agosto último, o total de 3.801 unidades importadas da Abeifa significou 1,59% do mercado interno, que emplacou 239.245 automóveis e comerciais leves. Se considerado somente a importação total, as associadas à Abeifa responderam por 12,7% (do total de 29.874 unidades importadas).
Em outro cenário, de produtos nacionais fabricados por afiliadas à entidade mais o volume importado, as 16 empresas licenciaram 6.180 unidades licenciadas em agosto. Com esse total, a participação das associadas à Abeifa subiu para 2,58% do mercado interno de autos e comerciais leves (239.245 unidades).


Produção local – Entre as associadas à Abeifa, que também têm produção nacional, BMW, Chery, Land Rover e Suzuki fecharam o mês de agosto com 2.379 unidades emplacadas, total que representou alta de 28,5% em relação a julho de 2018. Comparado a agosto do ano passado, a alta é de 21,8%, quando foram emplacadas 1.953 unidades nacionais.
No acumulado do ano, a BMW cresceu 10,8% ( 5.510 unidades em 2018 ante 4.971 unidades em 2017), a CAOA Chery aumentou sua produção em 85,2% (4.041 unidades em 2018 ante 2.182), a Land Rover obteve alta de 8,2% ( 3.286 x 3.037 unidades) e a Suzuki, 22,7%, com. 1.471 unidades este contra 1.199 unidades no ano passado.
No mês de agosto, as marcas que mais venderam, de produção nacional, foram a CAOA Chery (1.050 / +44,4%), BMW (836 / +23,5%), Land Rover (283 / +5,2%) e Suzuki (210 / + 18%).

14:44 · 03.07.2018 / atualizado às 14:44 · 03.07.2018 por

Com total de 17.947 unidades emplacadas, setor registra alta de 35,1% no primeiro semestre do ano ante igual período de 2017. Participação dos veículos importados da Abeifa no ano é de 1,59%. Entidade mantém estimativa de vendas para 2018 em 40 mil unidades.
– Em junho último, com 3.013 unidades, associadas à entidade anotaram queda de 6,9% em relação a maio de 2018 e alta de 15,8% ante junho de 2017

Linha Porsche Cayman 718

As dezesseis marcas filiadas à Abeifa – Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores, com licenciamento de 3.013 unidades, anotaram em junho queda de 6,9% em relação a maio último, quando foram vendidas 3.238 unidades importadas. Ante igual período de 2017, o resultado de maio é 15,8% maior. Foram 3.013 unidades contra 2.603 veículos emplacados em junho do ano passado.
No acumulado, as associadas à Abeifa anotaram 17.947 unidades importadas licenciadas, alta de 35,1% em relação às 13.289 unidades emplacadas no primeiro semestre de 2017.
O presidente da Abeifa, José Luiz Gandini, explica que “o desempenho negativo de vendas em junho ante maio foi resultado da alta do dólar. Com o objetivo de recuperar consecutivas quedas de vendas nos últimos cinco anos, os importadores procuraram oferecer produtos e preços competitivos no início do ano. Mas com a persistente pressão do dólar, o setor foi forçado a rever promoções e até aumentar seus preços em reais”.

Linha de montagem do Classe A, na Alemanha

Embora o cenário do setor de importação de veículos esteja difícil, por conta da variação cambial, e da instabilidade econômica por que passa o País, o presidente da Abeifa acredita que “o mercado deve reagir, como ocorre historicamente, no segundo semestre, em especial porque este ano teremos o Salão do Automóvel, quando os importadores apresentam suas novidades”.
As cinco marcas que mais venderam, no primeiro semestre de 2018, foram a Kia Motors (6.095 unidades / +54,8%), Volvo (2.668 / +72%), Jac Motors (2.202 / +33,1%), Lifan (1.352 / +8,2%) e BMW (1.344 / +43,9%). No mês de junho, Kia Motors (858), Volvo (537), Jac (388), BMW (242) e Land Rover (223) foram o quadro das cinco marcas que mais licenciaram.
Participações – Em junho último, o total de 3.013 unidades importadas da Abeifa significou 1,54% do mercado interno, que emplacou 195.066 automóveis e comerciais leves. Se considerado somente a importação total, as associadas à Abeifa responderam por 11,73% (do total de 25.694 unidades importadas).
Em outro cenário, de produtos nacionais fabricados por afiliadas à entidade mais o volume importado, as 16 empresas licenciaram 4.844 unidades licenciadas em junho. Com esse total, a participação das associadas à Abeifa subiu para 2,48% do mercado interno de autos e comerciais leves (195.066 unidades).
Produção local – Entre as associadas à Abeifa, que também têm produção nacional, BMW, Chery, Land Rover e Suzuki fecharam o mês de junho com 1.831 unidades emplacadas, total que representou queda de 5,2% em relação a maio de 2018. Comparado a junho do ano passado, a alta é de 1,6%, quando foram emplacadas 1.802 unidades nacionais.

14:38 · 12.06.2018 / atualizado às 14:39 · 12.06.2018 por

Com total de 3.239 unidades emplacadas no mês, setor registra ligeira alta de 0,1% ante abril de 2018, mas aumento de 26,6% em relação a igual período de 2017. Participação dos veículos importados da Abeifa em maio foi de 1,66%; nos primeiros cinco meses do ano, o acumulado de 14.935 unidades licenciadas significou 39,8% mais se comparado com igual período de 2017. Entidade mantém estimativa de vendas para 2018 em 40 mil unidades
As dezesseis marcas filiadas à Abeifa – Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores, com licenciamento de 3.239 unidades, anotaram em maio ligeira alta de 0,1% em relação a abril último, quando foram vendidas 3.237 unidades importadas. Ante igual período de 2017, o resultado de maio é 26,6% maior. Foram 3.239 unidades contra 2.558 veículos emplacados em maio do ano passado.
No acumulado, as associadas à Abeifa anotaram 14.935 unidades importadas licenciadas, alta de 39,8% em relação às 10.686 unidades emplacadas nos primeiros cinco meses de 2017.


O presidente da Abeifa, José Luiz Gandini, explica que “o desempenho de vendas em maio poderia ter sido melhor. Infelizmente, como aconteceu em vários setores da economia brasileira, por conta de paralisação dos caminhoneiros, os importadores de veículos automotores também foram prejudicados. O movimento na rede de concessionárias ficou comprometido. E as vendas negociadas na terceira semana de maio não foram concluídas por falta de produto a partir do dia 21”.
As cinco marcas que mais venderam, de janeiro a maio, foram a Kia Motors (5.237 unidades / +65,1%), Volvo (2.131/ +69,3%), Jac Motors (1.815/ +29%), Lifan (1.206/ +25,4%) e BMW (1.102/ +52,2%). No mês de maio, as posições se alteram: Kia Motors (1.122), Volvo (500), Jac (385), BMW (302) e Lifan (247).


Participações – Em maio último, o total de 3.239 unidades importadas da Abeifa significou 1,66% do mercado interno, que emplacou 194.922 automóveis e comerciais leves. Se considerado somente a importação total, as associadas à Abeifa responderam por 12,58% (do total de 25.748 unidades importadas).
Em outro cenário, de produtos nacionais fabricados por afiliadas à entidade mais o volume importado, as 16 empresas licenciaram 5.170 unidades licenciadas em maio. Com esse total, a participação das associadas à Abeifa subiu para 2,65% do mercado interno de autos e comerciais leves (194.922 unidades).
Produção local – Entre as associadas à Abeifa, que também têm produção nacional, BMW, Chery, Jaguar Land Rover e Suzuki fecharam o mês de maio com 1.931 unidades emplacadas, total que representou alta de 6,3% em relação a abril de 2018. Comparado a maio do ano passado, a alta é de 19,1%, quando foram emplacadas 1.622 unidades nacionais.

16:00 · 07.05.2015 / atualizado às 13:37 · 07.05.2015 por

As vendas dos automóveis importados no Brasil, no período de janeiro a abril de 2015, foram 20,1% menores do que as registradas em igual período no ano de 2014.

Nos quatro primeiros meses deste ano, foram emplacadas 26.899 unidades, ante as 33.659 registradas ano passado.

Na comparação com os resultados de abril de 2014, quando foram emplacadas 7.897 unidades, a queda foi de 14,5%, com 6.748 unidades comercializadas em abril de 2015.

Segundo a Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores (ABEIFA), o desempenho das 28 empresas associadas segue o mesmo resultado do mercado total – que inclui todos os automóveis e comerciais leves emplacados no país. No acumulado do ano, a queda dos emplacamentos de automóveis e de comerciais leves no Brasil chegou aos 18,4%.

“Ainda estamos trabalhando com números muito baixos e, se não tivermos uma clara mensagem de que os ajustes fiscais necessários serão aprovados pelo Congresso, os resultados dos próximos meses seguirão essa mesma tendência”, argumenta o presidente da entidade, Marcel Visconde. “Mesmo impopulares, essas medidas são necessárias para a retomada da credibilidade e precisam ser tomadas com urgência, para que o país recupere gradativamente a confiança e o crescimento”, complementa Visconde.

14:49 · 05.12.2014 / atualizado às 14:49 · 05.12.2014 por

As 28 marcas de veículos e de comerciais leves associadas à ABEIFA (Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores) registraram queda de 13,9% nos emplacamentos no último mês de novembro, em comparação com novembro de 2013
No mês passado, as associadas da entidade emplacaram 7.603 veículos e comerciais leves. “Esperávamos um novembro melhor, mas as perspectivas não se consumaram”, informa o presidente da entidade, Marcel Visconde.
No acumulado do ano, de janeiro a novembro, os emplacamentos das importadoras seguem a mesma tendência assinalada ao longo dos meses anteriores, mantendo a queda e registrando 86.648 unidades, uma redução de 15,6% no comparativo ao mesmo período de 2013, quando foram emplacados 102.719 automóveis e comerciais leves.
“O ano de 2014 foi impactado por distintos eventos, que fizeram com que o nosso desempenho fosse inferior ao de 2013. Imaginávamos uma reação melhor no segundo semestre, mas isso não ocorreu. Já podemos antecipar que 2014 será um ano de resultados negativos. Ressaltamos que há necessidade de ações concretas e mais efetivas por parte do governo para 2015. É necessário recuperar a confiança dos distintos agentes que movem a economia, como investidores estrangeiros, indústrias, setor de serviços e, também, dos consumidores”, argumenta Marcel Visconde.
“As marcas associadas da ABEIFA têm apostado no mercado brasileiro. Não somos somente importadores de veículos que são balizadores do setor em quesitos de design, de tecnologia e de segurança. Temos entre nossas associadas marcas como a Chery, que já produz localmente, e outras, a exemplo da JAC, da Land Rover e da BMW, que estão construindo suas fábricas. Porém, não podemos esquecer que a produção local também utiliza componentes importados, que sofrem com a oscilação do câmbio. Temos reiterado que o importante é a fixação de um patamar da moeda e não a constante volatilidade. Os investimentos são feitos para o médio e para o longo prazo. Neste momento, sentimos muita falta de confiança no futuro e na recuperação do crescimento econômico do país”, destaca o líder setorial.
“No entanto, acreditamos que a presidente Dilma e a sua nova equipe econômica têm uma grande oportunidade de sinalizar ao mercado que está comprometida com a governança necessária para acalmar a tensão e recuperar a credibilidade dos investidores e dos consumidores”, finaliza Marcel Visconde.