Busca

Categoria: Chuvas


15:10 · 31.01.2018 / atualizado às 15:10 · 31.01.2018 por

Coordenador dos Centros Automotivos Porto Seguro ressalta principais itens de segurança


Os meses de janeiro e fevereiro, no Ceará, são acompanhados de uma mudança climática. A pré-estação é caracterizada por chuvas ocasionais em diversas regiões do Estado. Assim, é necessário que os condutores fiquem atentos à manutenção do carro, em busca de aumentar a segurança e evitar transtornos no caminho. Com o objetivo de auxiliar os condutores em seus trajetos diários, o coordenador dos centros Automotivos Porto Seguro, Ronaldo Espindola, destaca algumas dicas para uma condução segura.


Fique atento aos limpadores
Ter uma boa visibilidade é essencial para manter a segurança na época de chuvas, por isso, o limpador de para-brisa deve estar em perfeito estado. Riscos de borracha no vidro e o som emitido pela peça são indícios de que está na hora de mudar a peça.
Verifique os faróis e lanternas
Dias chuvosos requerem o farol aceso, porque tendem ser naturalmente mais escuros. Por isso e por uma questão de segurança, o motorista deve estar atento na revisão das luzes dos faróis e lanternas.


Os pneus devem estar em perfeito estado
A aquaplanagem é um fenômeno conhecido por muitos motoristas, que praticamente perdem o controle do carro devido à falta de contato entre o pneu e o chão. Assim, é essencial que o condutor confira sempre o estado dos pneus, medindo a profundidade dos sulcos dos pneus (ranhuras na borracha) do veículo, pois são eles que apontam a condição atual da borracha.


A manutenção dos freios deve estar em dia
Manter o sistema de freios, que inclui discos, cilindros, etc, em boas condições é essencial para o bom funcionamento do veículo e para garantir a segurança do motorista. Por isso, é importante que o motorista se atente a ruídos ou demora ao frear, pois são alguns indícios da necessidade de manutenção.
Verifique o sistema de circulação de ar
É necessário realizar manutenção das entradas de ar e do sistema de ventilação, independente do veículo possuir ou não ar condicionado, já que, em casos de opacidade do vidro, eles resolvem o problema de maneira mais rápida, evitando que o motorista corra riscos.


E se entrar água no veículo? Em casos de enchentes, não é recomendável que o motorista ligue o carro. Isso porque, a invasão da água pode causar a paralisação e até a perda do motor. O recomendável é que o motorista mantenha a calma e acione o guincho. Após a retirada do veículo com segurança, o motorista deve levá-lo para uma revisão geral.

15:48 · 30.01.2018 / atualizado às 15:48 · 30.01.2018 por

As chuvas começaram no Ceará e em janeiro em boa parte do Brasil. E causam certos transtornos, como enchentes e quedas de árvores. De acordo com a Defesa Civil, apenas em janeiro de 2017, 833 árvores caíram na cidade de São Paulo. Esse problema, além de afetar residências, fornecimento de energia elétrica e atrapalhar o trânsito, pode também atingir carros e resultar até mesmo na perda do veículo

E como saber se o seu seguro de veículos cobre esses acidentes? O especialista da ComparaOnline, marketplace de comparação de seguros e produtos financeiros, tira todas as dúvidas para não ficar sem proteção.
Em primeiro lugar, é importante saber que o seguro é essencial em locais de fortes chuvas. Paulo Marchetti, CEO da ComparaOnline no Brasil, explica que, ao buscar um seguro, é necessário fazer a contratação com cobertura total do bem, também conhecida como cobertura compreensiva. Essa modalidade vale para incêndio, acidentes, furtos, roubos e também fenômenos da natureza, como quedas de árvores, alagamentos e granizo. Dependendo do plano contratado, a cobertura do seguro do auto pode servir também para objetos que caem sobre o veículo numa tempestade, como postes, placas e muros.


O especialista também alerta: “É importante que a cobertura seja compreensiva, pois nos casos de coberturas limitadas, a indenização é dada apenas contra furto, roubo e danos provocados a terceiro, sem incluir problemas decorrentes de causas naturais”, explica Marchetti. Já cobertura de responsabilidade civil costuma ser 40% mais barata do que a cobertura total, mas é preciso se atentar aos detalhes.


“Mesmo se a cobertura incluir danos causados por alagamento, é importante verificar bem as cláusulas, pois a seguradora pode não aceitar ressarcir um motorista que optou por dirigir em uma via alagada. Esse tipo de cobertura vale apenas para situações em que não é possível prever ou evitar o problema. Já no caso de quedas de árvores, o contrato do seguro automotivo não é tão restrito, já que ela é, por definição, difícil de prever ou ser evitada”, finaliza Marchetti.

Diário do Nordeste

Desculpe-nos o transtorno. O Diário do Nordeste voltará em breve, mas enquanto não voltamos, acompanhe os principais acontecimentos em nossas Redes Sociais.