Blog do Automóvel

Categoria: Consumo


03:11 · 26.05.2018 / atualizado às 13:13 · 25.05.2018 por

Um carro com teto solar é objeto de desejo de muitos.. Um dos principais motivos é pela forma que o teto leva mais luz e ar para dentro do carro. Abaixo alguns motivos de porque os tetos solares são tão desejados


O interior do carro é protegido contra barulho mesmo com o teto aberto
Os sistemas modernos de teto têm desenho aerodinâmico e isolamento acústico otimizados. Os defletores de vento são recursos que reduzem o barulho ao dirigir com o teto solar aberto, resultando em maior conforto.
O teto solar e o ar-condicionado trabalham juntos
O teto solar é o complemento ideal para o ar-condicionado, uma vez que oferece uma troca de ar adicional dentro do carro. Em dias mais amenos, o teto solar aberto também é uma alternativa para desligar o ar-condicionado e aproveitar o clima, o que economiza mais combustível.
Sensação de mais espaço interior
Os tetos solares precisam de um espaço mínimo e não atrapalham os passageiros. Com o teto de vidro, a sensação de amplitude e luminosidade dentro do carro é maior, trazendo ainda mais espaço.
Maior valor de revenda
Em diversos sites especializados em compras e vendas, ao procurar veículos do mesmo ano e com próxima quilometragem, os que têm um pacote mais completo de acessórios implicam em uma diferença que pode chegar a 10% no valor do carro. Os tetos solares são os itens que mais influenciam nessa quantia.
Vale a pena experimentar
Considerado um item de luxo altamente tecnológico e com desenho robusto, o teto solar oferece mais status e estilo ao veículo.

16:37 · 22.02.2018 / atualizado às 16:37 · 22.02.2018 por

Os negócios do Sistema de Consórcios movimentou R$ 101,47 Bilhões em créditos comercializados no ano de 2017, um aumento de 21% frente aos R$ 81,87 Bilhões registrados em 2016, segundo dados da ABAC – Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios. Ao longo do ano, 1,21 milhão de pessoas tiveram a oportunidade de comprar veículo, imóveis ou contratar serviços por meio do Sistema de Consórcios. O volume de créditos disponibilizados em 2017 atingiu o valor de R$ 39,9 Bilhões. Ao final de 2017, o Brasil contava com 6,87 milhões de consorciados ativos.

O número de adesões atingiu o patamar de 2,48 milhões de novas cotas de consórcio, o que representa um aumento de 4,4%. Os segmentos com maior participação foram o de Veículos Leves, com cerca de 1,13 milhão de novas cotas (crescimento de 2,7%), seguido pelo de motos, com 854,6 mil novas cotas (queda de -2,4%), Imóveis, com 284,7 mil novas cotas (crescimento de 26,4%) e veículos pesados (caminhões, máquinas e implementos agrícolas etc), com 57,15 mil novas cotas (crescimento de 11,9%). Os consórcios de Serviços e de Eletroeletrônicos e outros Bens Móveis Duráveis, somaram 53,7 mil novas cotas.

 

Crescimento Contínuo

O bom desempenho em 2017 segue o histórico de crescimento do Sistema de Consórcios, que registrou um crescimento de 42,5% entre 2009 e 2016, conforme indica o levantamento Panorama do Sistema de Consórcio, divulgado pelo Banco Central. O documento apresenta uma análise das operações de consórcio em bases comparativas anuais e mostra que essa modalidade tem sido, cada vez mais utilizada pelos brasileiros como ferramenta para viabilizar a compra de bens móveis ou imóveis, como carros, motos, caminhões, tratores, casa própria, de veraneio ou imóveis comerciais, por exemplo.

Alguns dos dados apontados indicam que:

·         Entre 2009 e 2016, o sistema de consórcios registrou um crescimento de 42,5%;

·         No acumulado dos últimos sete anos, a expansão dos consórcios de automóveis foi de 198,1%. Nesse período, a participação desse ramo no sistema de consórcios passou de 23,2% para 48,5%;

·         O crescimento do segmento de bens imóveis entre 2009 e 2016 foi de 10,8%.

·         Cinco Estados (SP, MG, PR, BA e RS) respondem por mais da metade (52%) dos consorciados ativos do sistema de consórcios. São Paulo e Minas Gerais ocupam, o primeiro e segundo lugar em quantidade de consorciados ativos desde 2009;

11:55 · 22.02.2018 / atualizado às 11:55 · 22.02.2018 por

O Desafio InoveMob, realizado pelo WRI Brasil e Toyota Mobility Foundation, vai conectar participantes a gestores públicos e distribuir R$ 600 mil em prêmios para implementar as melhores soluções


Melhorar a mobilidade urbana, sobretudo o acesso a áreas de grande movimentação de pessoas, é um dos principais desafios das cidades contemporâneas. De acordo com dados do WRI Brasil, os brasileiros passam em média de dez a 15 dias ao ano presos no trânsito, o que além de causar estresse e redução da produtividade, colabora para o aumento das emissões de gases poluentes na atmosfera. Para estimular soluções inovadoras para esse problema, o WRI Brasil e a Toyota Mobility Foundation lançam hoje o Desafio InoveMob, que vai investir R$ 600 mil (US$ 200 mil) em subsídios para os melhores projetos de mobilidade urbana. A iniciativa visa selecionar soluções que promovam alternativas sustentáveis e inclusivas de deslocamento nas cidades. As inscrições ficam abertas até 9 de março, por meio do site www.desafioinovemob.org, onde também é possível acessar o edital do concurso.


Mas como inovações em mobilidade podem melhorar a conexão a áreas com intensa movimentação de pessoas? Voltado para empreendedores, pesquisadores e empresas de serviços em mobilidade, o Desafio InoveMob busca identificar soluções para o acesso aos chamados Centros de Atividades. Tratam-se de áreas ou edifícios de natureza e dimensão diversas que geram um número significativo de deslocamentos. Alguns exemplos são escolas, universidades, centros empresariais e esportivos, centros hospitalares e terminais de transporte coletivo.

Estudo ou trabalho

Até 80% dos deslocamentos nas cidades brasileiras são por motivo de estudo ou trabalho, segundo dados do WRI Brasil. Entre as características das propostas esperadas pelos organizadores estão o uso de tecnologias limpas, a promoção do compartilhamento de veículos, a contribuição para a acessibilidade de pessoas com deficiência, idosos e crianças e o fomento à equidade de gênero na mobilidade.
“É preciso proporcionar deslocamentos mais inteligentes, sustentáveis e de maior qualidade para as pessoas. As cidades que estiverem mais abertas a essa transformação serão mais competitivas e irão oferecer uma melhor qualidade de vida para seus habitantes agora e no futuro”, aponta Luis Antonio Lindau, Diretor do Programa de Cidades do WRI Brasil.
“Reconhecemos que o Brasil é um dos líderes na América Latina e está preparado para promover soluções de mobilidade inovadoras. As soluções mais robustas e duradouras são as que vêm dos inovadores que entendem as questões de mobilidade locais. Por isso, a Toyota Mobility Foundation e WRI Brasil firmaram uma parceria para criar esse desafio para inovadores em todo o Brasil”, diz Ryan Klem, diretor de Programas da Toyota Mobility Foundation.


Etapas do concurso
O Desafio terá 5 etapas, que serão realizadas ao longo de 2018. Após o fim das inscrições, o júri vai selecionar 12 projetos semifinalistas, cujos responsáveis participarão de oficinas de capacitação. Suas propostas serão então apresentadas aos gestores dos municípios que deverão declarar seu interesse em receber as iniciativas. Cada semifinalista deverá conquistar ao menos um “embaixador”, que pode ser um prefeito ou representante de uma secretaria diretamente relacionada ao projeto.
A partir daí, serão selecionados cinco finalistas para executarem o projeto-piloto. Cada um deles receberá um apoio financeiro de cerca de R$ 60 mil (US$ 20 mil) para a implementação do piloto, além de contar com mentorias de especialistas ao longo dessa etapa. Os projetos-piloto devem ser implantados entre agosto e novembro de 2018 e ficarão em operação por pelo menos oito semanas.
Em dezembro de 2018, o júri vai escolher o projeto vencedor, que receberá um apoio financeiro de cerca de R$ 300 mil (US$ 100 mil). O responsável vai trabalhar em conjunto com os organizadores do concurso para dar escala e implementar sua solução em outros centros de atividades e municípios brasileiros.
Outros concursos pelo mundo
Realizado pela primeira vez no Brasil, o Desafio é um dos vários concursos promovidos pela Toyota Mobility Foundation em todo o mundo. Atualmente, a organização também está à frente do Desafio de Mobilidade Ilimitada (Mobility Unlimited Challenge), que recebe inscrições de ideias inovadoras que busquem melhorar a mobilidade de pessoas com paralisia. A meta é ter um protótipo desenvolvido pelo vencedor até 2020. WRI Índia e Toyota Mobility Foundation realizam juntos um concurso na Índia chamado Station Access and Mobility Program (STAMP). O programa busca soluções de acesso à rede de metrô da cidade de Bangalore para incentivar o uso do transporte coletivo.


Sobre a Toyota Mobility Foundation
A Toyota Mobility Foundation (TMF) foi fundada em agosto de 2014 para estimular o desenvolvimento de uma cidade com mais mobilidade. A Fundação tem o objetivo de apoiar sistemas de mobilidade robustos, eliminando os desequilíbrios vistos nessa área. Com a expertise da Toyota em tecnologia, segurança e meio ambiente, a TMF trabalha em parceria com universidades, governos, organizações não-governamentais, instituições de pesquisa e outras empresas na busca de soluções para a mobilidade em todo o mundo. Os programas visam encontrar soluções para problemas de transporte urbano, ampliar o uso de mobilidade pessoal e desenvolver soluções para a mobilidade da próxima geração.
A TMF é vinculada diretamente à matriz japonesa da Toyota. Suas atividades no Brasil e o Desafio Inovemob não possuem ligação com a Toyota do Brasil ou com a Fundação Toyota do Brasil.
Sobre o WRI Brasil
O WRI Brasil é uma organização sem fins lucrativos, focada em pesquisa e aplicação de metodologias, estratégias e ferramentas voltadas às áreas de clima, florestas e cidades. Atua em estreita colaboração com as lideranças locais, para proteger o meio ambiente e criar soluções que contribuam para a prosperidade do Brasil de forma inclusiva e sustentável. O WRI Brasil faz parte do World Resources Institute (WRI), organização global de pesquisa, presente em mais de 50 países, com escritórios no Brasil, China, Estados Unidos, México, Índia, Indonésia, Europa e África.
Porta-vozes
Luis Antonio Lindau
Diretor do WRI Brasil, Luis Antonio Lindau é formado em Engenharia Civil pela UFRGS, com pós-doutorado na University College London, e é Ph.D. em Transportes pela Universidade de Southampton. É autor de mais de 200 capítulos de livros e artigos publicados em revistas científicas e atas de conferências nacionais e internacionais, e já apresentou mais de cem palestras para os setores público e privado, no Brasil e no mundo, abordando temas como transporte urbano, segurança viária e sustentabilidade do transporte. Lindau também é um dos fundadores da ANPET, Associação de Pesquisa e Ensino em Transportes, da qual foi presidente por dois mandatos seguidos (2002-2006). Em 1995, implementou o LASTRAN, o Laboratório de Sistemas de Transporte da Escola de Engenharia da UFRGS, onde, de meados da década de 1980 até 2015 ministrou aulas, coordenou projetos de pesquisa e orientou teses em Engenharia de Transportes. De 2006 a 2012, foi membro do Comitê de Transportes dos países em desenvolvimento (ABE90) do Transportation Research Board (TRB), e de 2003 a 2006 integrou o Conselho Diretor da Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP).
Guillermo Petzhold
Especialista de Mobilidade Urbana, com foco em gestão de demanda de viagens, Guillermo é formado em Engenharia Civil e Mestre em Engenharia de Transportes pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Entre suas áreas de especialidade estão a análise de dados de sistemas de transporte coletivo, implementação e preparação para o início de operação de sistemas BRT e o desenvolvimento e a avaliação de projetos de mobilidade urbana sustentável.

12:44 · 25.01.2018 / atualizado às 12:44 · 25.01.2018 por

Confira dicas para otimizar o consumo e desempenho do seu carro
Os preços da gasolina sofreram reajuste já na primeira semana de 2018. Calibrar os pneus e manter a revisão em dia, entre outros cuidados, podem diminuir o gasto diário
Já na primeira semana de 2018, os postos do país registraram aumento nos preços médios do combustível. Um levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) divulgado recentemente apontou que o litro da gasolina, por exemplo, subiu de 4,099 reais, na última semana de dezembro, para 4,151 reais, no período entre 1º e 6 de janeiro.


Otimizar esse consumo e gastar menos gasolina pode ser, muitas vezes, questão de hábitos. “Você pode estar contribuindo, por puro descuido, para que seu veículo consuma mais combustível do que o necessário para fazer seus trajetos diários”, explica Eliel Bartels, engenheiro a frente do Centro de Treinamento, Tecnologia e Inovação – CTTi do Grupo Dpaschoal. Confira abaixo cinco dicas que podem ajudar o veículo a desempenhar melhor e gastando menos:
1. Calibre os pneus correta e periodicamente
Rodar com os pneus murchos aumenta o atrito com o solo, o que eleva o consumo de combustível. “Para evitar isso, é importante saber a calibragem ideal dos pneus do seu automóvel, informação que pode ser encontrada no manual do veículo, além de verificá-la a cada quinze dias, por exemplo, sempre calibrando quando o pneu está frio”, orienta Eliel.
2. Saiba quando andar com os vidros abertos ou ar-condicionado ligado
Dirigir com uma brisa fresca no rosto é uma delícia, mas é importante ter consciência de que, quando as janelas estão abertas, a resistência do ar tende a aumentar – especialmente com o carro em alta velocidade – elevando também a quantidade de energia necessária para vencê-la. Portanto, quando na estrada ou em uma avenida expressa, o ideal é dirigir com os vidros fechados e com o ar-condicionado ligado (em uma potência moderada).
Por outro lado, o ar-condicionado, de acordo com a potência em que está ligado, pode se transformar no grande vilão, aumentando o consumo de combustível. De acordo com Bartels, “para evitar o uso do ar no máximo, é importante aproveitar as entradas de ar do carro para ventilar e, sempre que estacionar o veiculo, tentar mantê-lo na sombra”.


3. Evite carregar pesos desnecessários
Quanto mais peso o veículo estiver carregando, mais combustível ele gastará para se colocar e manter em movimento. Nem sempre é possível ou conveniente diminuir a quantidade de bagagem, mas, quando houver essa possibilidade, é importante pensar bem no que será carregado, especialmente na hora de pegar a estrada. “Tudo que puder ser evitado pode contribuir para a redução do consumo e, consequentemente, de gastos.”
4. Quando possível, mantenha a velocidade constante
Nem sempre é possível evitar o processo de acelerar em seguida frear o carro, especialmente na cidade e quando tráfego está intenso. Mas é importante saber que essa sequencia de ações tende a consumir mais combustível. Por isso, seja em câmbio automático ou manual, a aceleração progressiva e contida é a melhor para aproveitar o combustível do motor.
“Ao arrancar, o motorista deve escalonar bem as marchas. A primeira é apenas para o sair da imobilidade. A segunda, deve ser utilizada até 20 km/h, a terceira até 40 km/h e assim adiante. No câmbio automático é preciso manter o pé na mesma posição para o aumento da rotação e velocidade pois, quanto mais há trocas no câmbio, maior será o consumo devido ao trabalho dos componentes internos”, detalha Eliel.
5. Revise o veículo periodicamente
O mau funcionamento de diversas partes do carro pode acarretar em maior gasto de combustível. Por isso e também para garantir a segurança e tranquilidade de quem utiliza o veículo, é importante fazer as revisões do carro conforme indicação do fabricante, antes de uma viagem longa ou quando detectar algum problema.

04:22 · 23.01.2018 / atualizado às 20:25 · 21.01.2018 por

O que é catalisador automotivo? Essa foi uma das 10 questões mais procuradas, sobre o setor automotivo, pelos internautas brasileiros no mais famoso mecanismo de buscas online em 2017. Principal fabricante de catalisadores do País, a Umicore esclarece qual a função e a importância do componente

O catalisador fica localizado no sistema de escapamento dos veículos

Localizado no sistema de escapamento do carro, o catalisador tem a função de converter até 98% dos gases poluentes provenientes da combustão como monóxido de carbono (CO), óxidos de nitrogênio (NOx) e hidrocarbonetos (HC) em substâncias inofensivas à saúde humana. “Essa característica faz com que a peça seja de fundamental importância, especialmente nos grandes centros urbanos, onde a concentração de veículos é alta”, afirma Miguel Zoca, gerente de Aplicação do Produto da Umicore.
De acordo o especialista, a conversão dos gases acontece por meio de um processo químico que ocorre dentro do catalisador. “A parte interna da peça é composta por um substrato, que pode ser cerâmico ou metálico, revestido por diversos óxidos e por metais nobres como platina, paládio ou ródio. Quando esses elementos entram em contato com os gases tóxicos, promovem reações químicas, transformando os poluentes em gases inofensivos e água”, explica.

O componente é responsável por converter até 98% dos gases poluentes como CO, NOx e HC, em substâncias inofensivas

É a ação do catalisador que garante que os veículos consigam se adequar aos limites de emissões exigidos por lei por meio do Programa de Controle de Poluição do Ar por Veículos Automotores (PROCONVE).
Segundo Zoca, o catalisador é projetado para durar no mínimo 80 mil quilômetros. Porém, alguns fatores podem abreviar a vida útil do componente. “A falta de manutenção do veículo é a principal delas. A falha de peças do sistema de ignição e de injeção, por exemplo, além do uso de combustível de má qualidade e de aditivos e fluídos não especificados pela montadora, podem prejudicar o catalisador e, em alguns casos, até comprometer a ação do componente”, alerta Miguel Zoca.
A recomendação da Umicore é que o motorista mantenha sempre as revisões do veículo em dia e, sempre que possível, também submeta o carro ao teste de emissões.

O catalisador é composto por um substrato, que pode ser cerâmico ou metálico, revestido por diversos óxidos e metais nobres. Quando entram em contato com os poluentes promovem uma reação química

Sobre a Umicore
A Umicore é um grupo de tecnologia de materiais e reciclagem, tendo suas atividades centralizadas em três áreas de negócios: Catálise, Energia e Tecnologia de Superfície e Reciclagem. Cada área está dividida em várias unidades de negócios direcionadas ao mercado, seja em materiais e soluções que estão no topo de novos desenvolvimentos tecnológicos e são essenciais no dia-a-dia. A Umicore foca suas atividades em áreas de aplicação, nas quais seu conhecimento na ciência dos materiais, química e metalurgia faz a diferença. A Umicore investe a maior parte de suas receitas e dedica seus esforços de P&D para as tecnologias limpas, desenvolvendo produtos tais como catalisadores para controle de emissões, materiais para baterias recarregáveis e reciclagem. O objetivo de criar valor sustentado da Umicore b aseia-se em sua ambição de desenvolver, produzir e reciclar materiais de forma a cumprir sua missão: Materiais para uma Vida Melhor (Materials for a Better Life). O Grupo Umicore tem operações industriais em todos os continentes, servindo uma base global de clientes. Em 2016, apresentou faturamento de EUR 2,7 bilhões e, atualmente, emprega 9.900 pessoas.

13:31 · 25.10.2017 / atualizado às 13:31 · 25.10.2017 por

A Ford Grã-Bretanha obteve três recordes na tradicional maratona de economia de combustível realizada no Reino Unido, a MPG Marathon. O Ford New Fiesta com motor 1.0 EcoBoost de 125 cv, o mesmo que equipa a linha no Brasil, atingiu a marca de 34,48 km/l com gasolina no percurso de 570 km, resultado 14% melhor que o recorde anterior. A Ranger 2.2 Diesel, também disponível no Brasil, teve um novo recorde na maratona, rodando 1.616 km com um único tanque de combustível, resultado que aguarda a homologação também para recorde mundial

 


O New Fiesta equipado com motor diesel TDCi ficou com o título de campeão geral da prova, com impressionantes 43,47 km/l. Disponível na Europa e outros mercados que permitem o uso desse combustível em carros de passeio, foi o mais econômico entre todos os modelos que participaram.
A picape foi dirigida pelos noruegueses Knut Wilthil e Henrik Borchgrevink no percurso de 30 horas entre a Noruega, Suécia e Finlândia, com consumo de 20 km/l. Eles rodaram a uma velocidade média de 60 km/h e planejaram cuidadosamente o roteiro, fazendo paradas somente em descidas, por exemplo, para ter partidas mais eficientes.
Além da eficiência do motor, da aerodinâmica e de outros componentes do veículo, esse tipo de competição mostra que o comportamento do motorista tem um peso importante no consumo. “Gastar menos combustível economiza dinheiro e também reduz o impacto ambiental, com menos emissões”, diz Andy Dawson. “Além disso, dirigir de modo mais suave também pode ser divertido, aproveitando os ajustes perfeitos de direção e suspensão do New Fiesta.”


Dicas de economia
A engenharia da Ford inglesa aproveitou os bons resultados para divulgar orientações básicas de direção, que podem ajudar os motoristas a melhorar sua eficiência.
· Cheque o carro e verifique o nível do óleo regularmente. Veículos com a manutenção em dia funcionam de modo mais eficiente.
· Verifique a pressão dos pneus mensalmente. Pneus baixos podem aumentar o consumo de combustível em até 4%.
· Não carregue peso desnecessário no porta-malas ou na cabine.
· Remova bagageiros de teto vazios e mantenha as janelas fechadas, especialmente ao dirigir em altas velocidades. Isso reduz a resistência do vento, que pode significar uma economia de até 10% no consumo.
· Dirija suavemente, olhando o mais longe possível – e também para trás. Acelerações e frenagens bruscas prejudicam o rendimento.
· Ao acelerar, selecione as marchas mais altas o mais cedo possível, sem esticar demais.

11:25 · 21.12.2016 / atualizado às 13:22 · 21.12.2016 por

Em novembro, o Onix, da Chevrolet, manteve a liderança no ranking de automóveis leves novos mais financiados, com 8.581 unidades vendidas a crédito

No acumulado do ano, o Onix também segue na primeira posição, com 81.979 unidades negociadas. O volume representa 60,8% de todos os autos leves novos vendidos do modelo de janeiro a novembro. Segundo a Fenabrave, neste período, foram comercializados 134.941 Onix 0 km. O levantamento é da Unidade de Financiamentos da Cetip.

Onix-mais-vendido

Os números contemplam os veículos comercializados por crédito direto ao consumidor (CDC), leasing e consórcio (contemplados e não quitados).

Gol sobe

Em novembro, o destaque no ranking dos modelos de autos leves novos mais financiados foi o Gol, da Volkswagen, que passou da 17ª para a 5ª posição no levantamento, com 3.464 unidades negociadas. No acumulado do ano, o modelo ocupa a 6ª posição.

Chevrolet lidera

Outro modelo que teve um bom desempenho foi o HB20S, da Hyundai, que passou da 12ª para a 8ª posição no ranking dos mais financiados, com 2.531 unidades vendidas a crédito.

Entre as marcas, a Chevrolet manteve a liderança em novembro, com 17.164 automóveis leves zero quilômetro negociados a prazo. No mês, a Volkswagen ultrapassou a Hyundai e a Ford e passou a ocupar a terceira posição do ranking, com 10.002 unidades, atrás da Fiat, que financiou 13.636 carros.

12:01 · 23.11.2016 / atualizado às 12:01 · 23.11.2016 por

O Salão do Automóvel de São Paulo acabou no dia 20 de novembro, mas continua na memória dos visitantes como um evento que vai ficar na história pelos supercarros, lançamentos e curiosidades. Confira aqui lista completa com os 5 carros mais baratos que estavam na exposição

Chery-Celer-2016-5

5ª – Chery Celer Hatch
A montadora chinesa levou ao Salão do Automóvel o Chery Celer Hatch, modelo com motor 1.5 de 106 CV, com opção de abastecimento em gasolina (9,2 km/l) ou etanol (6,3 km/l). O seu preço é de R$ 37.500.

foto01_novo_gol_1_6_power 4

4ª – Volkswagen Gol Trendline
O novo modelo do clássico Gol também está na lista dos veículos mais em conta. O Volkswagen Gol Trendline possui motor 1.0 de 75 CV com gasolina e 82 CV com etanol, e o seu valor de investimento é de R$ 35.960.

 

takeup3
3ª – Volkswagen Take Up!
A famosa marca alemã trouxe para o Salão do Automóvel mais um dos carros mais baratos desta edição. O Volkswagen Take Up! possui as mesmas características do Gol Trendline, consome 14,2 km/l de gasolina ou 9,6 km/l de etanol e o seu valor é de R$ 35.190.

 

mobi 3
2ª – Fiat Mobi Easy
O carro da montadora italiana tem motor 1.0 de 72 CV com gasolina e 12,7 km/l de consumo ou 75 CV com etanol e 8,7 km/l de consumo urbano, ficando em segundo lugar na lista. Quem quiser adquirir o possante precisa desembolsar R$ 32.380.

 

Novo-Chery-QQ-1
1ª – Chery New QQ
A Chery marca presença novamente na relação e fica com a medalha de ouro com – o carro mais barato do Salão do Automóvel 2016. O veículo possui motor 1.0 de 69 CV, consumo urbano de 12,3 km/l de gasolina e preço de R$ 29.900.

10:40 · 21.11.2016 / atualizado às 10:40 · 21.11.2016 por

Para evitar fraudes relacionadas à adulteração do hodômetro é importante investir no serviço de vistoria veicular, garante o perito automobilístico e diretor da Procemax, Matheus de Almeida
O setor de automóveis usados está aquecido. Segundo dados recentes da Cetip, a compra a prazo desses veículos (com 9 a 12 anos de uso) avançou 6,9% de janeiro a junho deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado. Com o mercado em alta, cresce também o número de pessoas que tentam camuflar os defeitos do carro para conseguir vendê-los. Uma prática comum é a adulteração do hodômetro, equipamento utilizado para medir a distância percorrida por um veículo.

Fique atento ao golpe do hodômetro adulterado
Fique atento ao golpe do hodômetro adulterado

Existem dois tipos de hodômetro: os analógicos e os digitais. Os hodômetros digitais, em substituição aos analógicos, são muito mais utilizados nos dias de hoje, principalmente porque diminuem as probabilidades de adulteração do aparelho. No entanto, nem a tecnologia impede a fraude. “A adulteração dos hodômetros digitais é feita de maneira bem simples e não leva mais do que 20 minutos. Vale lembrar que a adulteração somente ocorre no painel de instrumentos deixando, muitas vezes, a central eletrônica do veículo ainda registrando a quilometragem original. Dessa forma, a detecção da fraude se dá pela leitura da central eletrônica, e não do painel de instrumentos”, explica o perito automobilístico e diretor da Procemax, Matheus de Almeida.
A prática da adulteração do hodômetro não segue um padrão. “Geralmente veículos adulterados são aqueles que são bem conservados, mas que possuem alta quilometragem. Veículos que trafegam mais em rodovias tendem a sofrer um desgaste 4x menor do que um veículo que trafega mais no trânsito urbano. Ao contrário do que muitos pensam, o que vale para determinar o desgaste dos componentes mecânicos de um veículo é o número de horas de trabalho e não sua quilometragem”, salienta Almeida.

Digital ou analógico, o hodômetro pode ter fraudes para aumentar o valor do veículo no mercado
Digital ou analógico, o hodômetro pode ter fraudes para aumentar o valor do veículo no mercado

Para ajudar as pessoas a efetuarem uma compra segura, evitando que caiam em armadilhas como a do hodômetro adulterado, a empresa mineira Procemax oferece um serviço especializado em vistoria veicular, avaliando mais de 150 itens do carro. Na vistoria completa, por exemplo, é realizada a leitura da central eletrônica do veículo em busca de divergências com os dados apresentados no manual de manutenção e no hodômetro. Além disso, é verificada a causa para o desgaste acentuado de componentes mecânicos que se mostram incompatíveis com a quilometragem informada no hodômetro.

Serviço:
Procemax
Endereço: Av. Guarapari, 37, sala 20 – Santa Amélia – Belo Horizonte/MG
Site: www.procemax.com.br

10:19 · 24.06.2016 / atualizado às 10:19 · 24.06.2016 por

O Citroën C3 entra na era do downsizing e passa a combinar seus atributos de compacto com o novo motor PureTech, atestado como o mais econômico do mercado nacional pelo INMETRO (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia). O motor flex, com 1,2 litro e três cilindros, torna o C3 ainda mais adequado para uso nas grandes cidades, mantendo os atributos de desempenho e conforto que consagraram o C3 ao longo de sua trajetória no mercado nacional. Tudo isso por valores bastante atraentes, a partir de R$ 46.490,00.

C3ESSE

Pesquisar

Blog do Automóvel

Blog da editoria Auto, do Diário do Nordeste, para coberturas em test drive, lançamentos de automóveis e salões e notícias sobre carros, motos e outros veículos.
Posts Recentes

12h10mNovo Camaro vai ser destaque no Salão do Automóvel de São Paulo 2018

11h10mAudi mostra sua linha de SUVs na Chapada dos Veadeiros, em Goiás

02h10mConfira detalhes do primeiro carro elétrico feito no Brasil

10h10mSalão do Automóvel de São Paulo com novo lote de ingressos disponível

10h10mSetor de locação foi responsável por 1 em cada 4 veículos emplacados no primeiro semestre de 2018

Ver mais

Tags

Categorias
Blogs