Blog do Automóvel

Categoria: Dica


11:24 · 11.10.2018 / atualizado às 11:24 · 11.10.2018 por

Segundo especialista, falta de conhecimento e negligência do condutor são algumas das principais causas para este tipo de infração; no feriado da Independência, a Polícia Rodoviária Federal registrou um aumento de 41% de infrações em transporte de crianças sem uso de cadeirinha – em comparação com o mesmo período de 2017. As rodovias brasileiras devem receber novamente um grande fluxo de veículos no Dia das Crianças e, mais uma vez, as atenções se voltam para o alerta sobre o uso desse equipamento, que tem um único objetivo: proteger a vida dos pequenos em caso de acidente

 


De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), as cadeirinhas e dispositivos de segurança reduzem 70% das mortes entre bebês e entre 54% e 80% das mortes de crianças. Ano a ano, ações de conscientização são criadas para contribuir com um trânsito mais seguro. Uma delas é o Selo Laço Amarelo, aderida pelo Observatório Nacional de Segurança Viária, que visa chamar a atenção para a importância de manter as crianças mais seguras dentro do veículo.
Segundo a especialista em educação digital e diretora de Produtos da Procondutor, Claudia de Moraes, a falta de conhecimento do condutor e a negligência são algumas das principais causas para este tipo de infração. “Muitos deles desconsideram que acidentes podem acontecer com qualquer pessoa. Deste modo, além de colocarem a própria vida em risco, colocam também a vida das crianças, sendo que o transporte delas é de responsabilidade destes condutores”, afirma.


A especialista acredita que é possível mudar o comportamento de muitos motoristas, com ações de educação e conscientização como as melhores alternativas. “O condutor brasileiro tem a crença de que a educação no trânsito não é importante, talvez porque ele tenha contato com o tema somente quando vai tirar a CNH. Por ser tão relevante, o tema deveria ser discutido em diferentes momentos da formação educacional do cidadão, ou seja, desde o ensino fundamental, passando pelo ensino médio e, também, no momento da emissão da habilitação. O Brasil é o quinto país que mais mata pessoas no trânsito, com mais de 47 mil mortes por ano, portanto, este assunto não deveria ser transversal nas escolas e, sim, obrigatório, para que assim tenhamos condutores mais conscientes do impacto de suas atitudes no trânsito”, conclui a diretora.
Somente no Brasil, os motoristas flagrados com crianças no banco de trás, mesmo usando o cinto, mas sem o equipamento adequado, respondem a infração gravíssima, com 7 pontos na carteira e multa de R$ 293,47.
Regras para cada idade (Fonte: Ministério das Cidades)
– Bebês de até 1 ano devem ser transportados no banco de trás do carro no bebê conforto, de costas.
– Crianças entre 1 e 4 anos devem ficar na cadeirinha presa com o cinto e no banco traseiro.
– Crianças com idade entre 4 e 7 anos e meio, deve ser utilizado um assento de elevação no banco de trás.
– Crianças com idades entre 7 anos e meio e 10 anos devem utilizar apenas cinto de segurança no banco de trás.
Sobre o Grupo Tecnowise

13:10 · 02.10.2018 / atualizado às 13:10 · 02.10.2018 por

O celular é frequentemente apontado como causa de distração no volante, mas um estudo da Ford mostrou que os passageiros também têm o poder de influenciar – tanto positiva como negativamente – o comportamento do motorista. Uma das conclusões foi que a chance de o motorista sofrer um acidente é 60% maior ao transportar passageiros do que quando dirige sozinho


A interferência causada pelo passageiro depende de vários fatores, como idade, sexo e relação que ele mantém como o motorista. As mulheres apresentam índices mais baixos de direção perigosa. Mas o estudo revelou que, quando elas dirigem com um homem no banco do passageiro, a possibilidade de fazer manobras arriscadas aumenta. De modo geral, todos os motoristas tendem a ser menos atentos e capazes de prever riscos quando há passageiros a bordo.
“Os passageiros devem ter consciência de que a sua presença afeta o comportamento do motorista. Eles ajudam a criar o clima da viagem e tanto podem ser tranquilos e prestativos como gerar estresse e má influência”, diz Robson Jardim, supervisor de Operações do Campo de Provas da Ford em Tatuí.


Como ser um bom passageiro
Veja a seguir cinco recomendações baseadas nesse estudo de como os passageiros podem ajudar o motorista a manter o foco na estrada e evitar distrações, contribuindo para uma viagem segura.
1. Seja um navegador útil: adote uma postura ativa durante a viagem, ajudando na localização do caminho, atendendo o telefone e avisando sobre os riscos que se aproximam, mas de maneira calma e produtiva.
2. Não distraia o motorista: se você espera que ele se concentre na estrada, faça sua parte para reduzir as distrações. Não fale alto ao telefone, nem mude constantemente a música ou comente o modo como ele dirige.
3. Fique acordado: passageiros que dormem durante a viagem podem aumentar a probabilidade de o motorista também pegar no sono. Se necessário, troque de lugar com ele em viagens longas para que todos possam tirar uma soneca quando o cansaço chegar.
4. Mantenha as crianças seguras: todos no carro devem estar protegidos com cintos de segurança. As crianças, em especial, devem estar em cadeirinhas ou assentos adequados à idade para reduzir as distrações e aumentar a segurança.
5. Chame a atenção se necessário: os passageiros têm o direito de dizer ao motorista que pare de colocar suas vidas em perigo se ele estiver dirigindo com imprudência ou comportamento de risco. Mas isso deve ser feito de forma tranquila, para não gerar sustos ou estresse.

12:40 · 26.09.2018 / atualizado às 12:40 · 26.09.2018 por

Mudanças climáticas podem afetar o carro, danificando a aparência e reduzindo sua vida útil. E é por isso que, para muitas pessoas, deixar o veículo ao ar livre é um verdadeiro drama. Mas, para quem quer manter o automóvel sempre com cara de novo, alguns cuidados com a manutenção devem estar nos planos

Alta temperatura pode prejudicar os pneus

Ricardo Sardagna, executivo da Allianz Automotive, explica que “para o motorista que precisa deixar o veículo dormindo ao relento sob sol e chuva, é indicado utilizar cera mensalmente para garantir a boa aparência da lataria. A aplicação do produto é como se fosse um protetor solar e, com isso, é possível retardar ou até mesmo evitar o desgaste na pintura”.

O forte calor pode afetar também componentes internos do carro, como o painel. Ricardo explica: “Para impedir rachaduras nessa área, é recomendada a aplicação de produtos específicos de proteção. Nos vidros laterais e traseiro, o uso de películas com filtro especial também ajuda muito”. A alta temperatura nos asfaltos proporciona maior desgaste aos pneus e altera a calibragem. “Por isso o proprietário deve calibrar o pneu à noite ou no início da manhã, assim eles ficarão calibrados por mais tempo, reduzindo o dano ao longo do passeio”, sugere o porta voz.

Cuidados com o veículo farão durar mais tempo e ser mais valorizado

Já em climas frios, o sistema de partida dos veículos pode sofrer mais, como é o caso da bateria. Sardagna dá a dica: “mantenha a bateria bem carregada – vale a pena fazer uma vistoria no sistema do alternador e medir a carga dela antes da chegada do frio intenso – que aumenta a energia necessária para a partida. Nas regiões com possibilidade de temperaturas próximas ou inferiores a zero grau, é importante adicionar produto anticongelante ao combustível e, também, ao líquido de arrefecimento”.

 

E a maresia?
Além do calor e do frio, quem mora no litoral tem outro inimigo: a maresia. O executivo explica que até o final da década de 80 era muito comum que a lataria sofresse com esse tipo de problema, mas com o avanço da tecnologia anticorrosão para pinturas, os carros passaram a contar com uma excelente proteção. “O alerta fica para o proprietário que teve o veículo em serviços que envolvem funilaria e pintura. E durante um reparo não é possível aplicar o mesmo nível de proteção de fábrica nas partes reformadas ou substituídas”, finaliza o especialista.

maresia da praia, inimigo natural de todo veículo
15:23 · 18.09.2018 / atualizado às 15:23 · 18.09.2018 por

Diferenças entre estruturas dos equipamentos requer mais atenção dos pais e responsáveis


As estatísticas comprovam a importância do uso das cadeirinhas para o transporte de crianças. De acordo com a Polícia Federal, desde a obrigatoriedade do uso do acessório em carros houve uma redução de 40% no número de crianças mortas ou feridas em acidentes de trânsito. E não para por aí: uma determinação do Conselho Nacional de Trânsito (CONTRAN), definiu que a partir de 2020 todos os automóveis vendidos no país deverão ter pontos de fixação para cadeirinhas infantis, o chamado isofix, um equipamento mais avançado de retenção infantil.
Obrigatório na Europa, nos Estados Unidos e no Canadá, dentre outros países, esse sistema de ancoragem é formado por alças afixadas diretamente à estrutura do veículo que seguram as cadeirinhas de maneira firme e evitam deslocamentos que podem ser perigosos no momento de algum acidente. Vale lembrar que, de acordo com o Código de Trânsito Brasileiro, transportar crianças em veículo automotor sem a devida segurança estabelecida configura-se como infração gravíssima, com aplicação de multa e até mesmo a retenção do veículo pelo Detran até a regularização do problema.
“Devemos registrar ainda menos acidentes graves envolvendo crianças no trânsito, agora que os novos modelos de veículos vendidos no Brasil devem obrigatoriamente oferecer o sistema isofix de fixação de cadeirinhas e dispositivos de retenção infantil” – diz Maurício Monducci Jr., CEO da Isofix Brasil, empresa mineira especializada em equipamentos para segurança automotiva.
Apoiado pelas estatísticas positivas dos países que já privilegiam este padrão mais moderno, para Monducci a vantagem do isofix é a facilidade na utilização. “Equipamentos de segurança automotiva para bebês e crianças geralmente vinham acompanhados de um conjunto de instruções extenso e, às vezes, bastante complicado. O isofix é um sistema mais simplificado e mais seguro, pois ele está fixado ao veículo e não apoiado no cinto de segurança como o sistema tradicional.”

Acidentes
A preocupação com a segurança das cadeirinhas tem um grande motivo. No Brasil, os acidentes de trânsito ainda são a principal causa de morte entre crianças até 14 anos. De acordo com dados do Ministério da Saúde, somente em 2016, aconteceram 1292 acidentes de trânsito fatais envolvendo crianças e adolescentes. Felizmente, esse número vem caindo a cada ano. Segundo acompanhamento anual realizado pela ONG Criança Segura, de 2015 para 2016, o registro de óbitos infantis por motivos acidentais diminuiu cerca de 4%.
Por cada veículo ser diferente um do outro, a atenção com os acessórios deve ser redobrada, já que a instalação das cadeirinhas pode variar. Pequenas diferenças estruturais podem deixar o equipamento frouxo e inseguro para os pequenos. “Todo cuidado é pouco. Se as instruções indicarem o uso dos pontos de ancoragem inferiores e superiores é preciso segui-las à risca. Se um assento de elevação pede apenas o uso da fixação inferior, esta é a melhor opção. Um ponto mal ancorado pode comprometer toda a segurança do equipamento e, consequentemente, o produto pode não proteger corretamente a criança.” – complementa Maurício.

04:55 · 20.08.2018 / atualizado às 20:58 · 19.08.2018 por

Durante as férias, muitos veículos se deslocaram para diferentes destinos do país. As longas viagens rodoviárias, o estado de conservação das estradas e as frenagens bruscas, geralmente ocasionam desgastes desiguais nos pneus, itens decisivos para uma boa aderência do veículo e, consequentemente, para a segurança do motorista e dos passageiros.


A primeira avaliação que o motorista deve fazer é a da conferência das pressões dos pneus, sempre seguindo as indicações do manual do proprietário do veículo. Em seguida, é necessário que seja verificado se não há desgaste desiguais, corte ou deformações, bem como nenhum prego ou elemento cortante que esteja danificando o composto.

Pneus: alinhamento e balanceamento após viagens

Para finalizar esta primeira etapa, o motorista deve avaliar a profundidade do sulco, que sempre deve estar acima de 1,6 mm. As consequências de rodar com os pneus abaixo desta medida estão no maior risco de furos e na ocorrência de possíveis instabilidades em pistas molhadas, aumentando assim a probabilidade de derrapagens e elevando a necessidade de um espaço maior para frenagens. Caso continue em dúvida, a Goodyear recomenda que o motorista leve o carro em uma loja especializada para a realização de uma revisão mais aprofundada.
Posso mudar um único pneu?
A Goodyear não recomenda, as diferenças dos desgastes dos compostos podem gerar instabilidade nas frenagens, afetar a leitura dos sensores do ABS e do controle de tração.
Mudança dos dois pneus
No caso da troca dos dois pneus, eles devem manter o tamanho dos outros dois, porém podem ter melhor desempenho e qualidade. Eles devem ser colocados no eixo traseiro, pois isso ajuda o motorista a manter mais facilmente o controle sobre superfícies molhadas e curvas.
Mudança dos quatro pneus
No caso de mudar os quatro pneus, as possibilidades são vastas, e você pode trocar os pneus de tamanho diferente, melhor qualidade, ou mesmo adequá-los ao tipo de condução ou terreno em que o veículo é geralmente conduzido. No entanto, lembre-se sempre de que você deve cumprir as especificações do fabricante do veículo.

Outra dica
Além das verificações básicas já mencionadas, outra dica importante para o prolongamento da vida útil dos pneus é fazer a manutenção de alinhamento e balanceamento logo ao chegar de uma viagem. O alinhamento é o processo necessário para manter a maior estabilidade e correção dos ângulos da suspensão e a direção do carro. Já o balanceamento é a maneira de equilibrar o peso do pneu diante das irregularidades da roda, eliminando as vibrações no volante e consequentemente o desgaste prematuro dos pneus. É recomendado fazer o alinhamento e o balanceamento a cada 6 meses ou a cada 5 mil quilômetros.

12:57 · 26.06.2018 / atualizado às 12:57 · 26.06.2018 por

Amarelamento dos faróis pode diminuir a eficiência de iluminação e prejudicar a segurança do veículo; lentes amareladas são indícios de baixo desempenho do conjunto e provocam a redução da visibilidade proporcionada pelo farol e afetam a segurança do veículo


Com a evolução tecnológica da indústria de autopeças, que utiliza cada vez mais materiais termoplásticos, os faróis automotivos ganharam novo destaque, além da função como dispositivos de segurança veicular, tornaram-se itens essenciais no que diz respeito ao impacto visual, garantindo designs arrojados que a engenharia de iluminação é capaz de viabilizar tecnicamente.
Egidio Vertamatti, Gerente Executivo de Produtos da Arteb, uma das principais fabricantes mundiais de sistema de iluminação automotiva, explica que o material amplamente utilizado na lente dos faróis é o policarbonato por equilibrar boas propriedades mecânicas, como a resistência a impactos, e ópticas, como a alta transmitância dos raios luminosos. “As lentes de vidro de fato quebram com muito mais facilidade em comparação às lentes de policarbonato. No entanto, algumas características pouco conhecidas e exclusivas das lentes plásticas precisam ser consideradas neste tipo de comparação”, comenta.
O engenheiro revela que as lentes plásticas dos faróis, apesar de receberem durante o processo produtivo uma camada de verniz, responsável por proteger a lente e, consequentemente, prolongar a sua durabilidade, tendem a sofrer um processo gradual de amarelamento. Isto se dá pela ação dos raios ultravioletas, presentes na luz solar.
O tom amarelado promove certa opacidade na lente e provoca a perda transmitância da luz e, consequentemente, as propriedades ópticas são depreciadas. Na prática, a iluminação promovida pelo farol é reduzida. Quando o desgaste dos faróis atinge este nível de criticidade, no qual a segurança veicular é posta em risco, o mais adequado é efetuar a troca do par de faróis que equipam o veículo.
“É mais que um problema estético, pois compromete a segurança do condutor do veículo. As tentativas amadoras de clarear as lentes, invariavelmente, ocultam provisoriamente o problema em vez de resolvê-lo, pois promovem desgastes pela da retirada da camada de verniz, o que torna a superfície da lente mais vulnerável a riscos e, principalmente, novo amarelamento, comenta. Esses artifícios, segundo Vertamatti, são paliativos, surtem efeito por um breve intervalo, mas não impedem o retorno do problema justamente porque provocam a perda da proteção à radiação UV e pode danificar os componentes internos do farol.”
O Gerente destaca que o motorista acaba se acostumando com a perda da eficiência da iluminação, justamente porque isso ocorre paulatinamente, mas dependendo do caso pode ser muito prejudicial, sobretudo em situações que exigem muito da visibilidade do motorista no trânsito.
Para o motorista não colocar em risco a sua segurança e a de sua família, o engenheiro faz a seguinte recomendação: “Ao notar o amarelamento dos faróis, o melhor é substituir por um novo par. Este é o único procedimento seguro para ter faróis novos por um tempo realmente compatível com a sua expectativa de consumidor”.

12:34 · 21.06.2018 / atualizado às 12:34 · 21.06.2018 por

Fique esperto para a segurança de uma criança em uma moto

02:25 · 20.06.2018 / atualizado às 16:32 · 29.06.2018 por

As férias escolares estão chegando. Roteiro fechado, hotel reservado, vouchers na mão. Mas, antes de pegar a estrada para curtir um merecido descanso vale conferir esses oito cuidados básicos sugeridos pela Continental Pneus:
Calibragem – é importante checar a pressão do ar semanalmente e sempre com o pneu frio. Rodando com a calibragem correta você economiza combustível e amplia a vida útil do seu pneu. Para saber a calibragem correta para os pneus de seu carro basta consultar o manual do proprietário, as etiquetas afixadas nas portas, no batente das portas ou, ainda, no bocal de abastecimento de combustível


Balanceamento e alinhamento – devem ser realizados a cada 10 mil km. O mesmo vale para a medição e o ajuste da cambagem. Além de ser um importante item de segurança, o perfeito alinhamento e balanceamento garante um excelente comportamento dinâmico do veículo, preservando a vida útil dos pneus
Rodízio – é recomendável que seja efetuado a cada 10.000 km, mesmo que os pneus não apresentem sinais de desgaste. A inversão de posição entre os pneus que rodam nos eixos dianteiro e traseiro contribui para manter o desgaste uniforme, proporciona melhor estabilidade, especialmente em curvas e freadas, colaborando também para uma melhora no desempenho global do veículo

Calibrar semanalmente o pneu é fundamental

Sulcos – verificar se eles já atingiram o limite legal de 1,6 mm, momento em que os pneus devem ser substituídos. Vale lembrar que transitar com pneu careca pode resultar em multa e adição de cinco pontos no prontuário do motorista
Válvula – deve passar por uma análise visual, pois se estiver desgastada ou trincada pode causar o esvaziamento gradativo do pneu
Bolhas – observar se há bolhas nas paredes. Um pneu que apresente bolhas está initulizado, pois corre o risco de se romper a qualquer momento causando uma perda súbita de pressão. Nessas condições, deve ser imediatamente substituído;
Excesso de peso – procure não sobrecarregar seus pneus conferindo antes da viagem a capacidade da carga que eles podem transportar
Estepe – lembre-se de checar seu estado e também de calibrá-lo corretamente

02:33 · 18.06.2018 / atualizado às 20:35 · 17.06.2018 por

Trocar de veículo não é uma tarefa simples e instantânea. A desvalorização do veículo, as constantes manutenções ou até mesmo o valor sentimental e apego pelo companheiro de estrada, são fatores que devem ser levados em conta na hora de pensar em colocar um novo carro na garagem

 

Mas como saber se chegou o momento de iniciar as pesquisas e consultas pelo carro novo? O Superintendente Comercial da Allianz Automotive Região Américas, Ricardo Sardagna, mostra alguns pontos comuns que devem ser avaliados e que podem ajudar o motorista nessa tomada de decisão.
Alta quilometragem
A quilometragem e a idade do carro podem ser os principais fatores de influência sobre os custos de manutenção e desvalorização do bem. Por mais revisões que o motorista faça, alguns desgastes podem ser irreversíveis. Ricardo Sardagna comenta: “À medida que o carro aumenta sua rodagem, as revisões programadas ficam ainda mais caras. Esse impacto começa a ser sentido a partir dos 40 mil quilômetros rodados. Esse pode ser um bom momento para começar a olhar um novo veículo”.
Os veículos mais modernos são capazes de atingir altas quilometragens sem grandes perdas de eficiência, mas Sardagna alerta: “É fundamental que as manutenções estejam sempre em dia, do contrário, o veículo será depreciado pelo mercado e a dificuldade de vendê-lo será maior. A existência de amassados, danos na pintura ou no interior do veículo, também prejudicam o seu valor”.

Depois de escolher o usado de sua preferência, examine com calma a parte mecânica do carro

Manutenções recorrentes
Se a visita à oficina mecânica se tornar frequente, isso pode ser um ponto de atenção. “É importante checar o real motivo das falhas. Há casos em que o veículo para por conta do uso de combustível adulterado ou até mesmo por defeito crônico do modelo, como falhas no câmbio ou barulho na suspensão. Nestas situações, mudar de fornecedor e verificar os trâmites com a revenda autorizada são as melhores opções”, comenta Sardagna.

Pneus novos ou seminovos valorizam na hora da venda

Tempo de uso
Outro bom indicador para saber se é hora de passar o carro para frente é o tempo de uso. “Em média, o consumidor brasileiro troca de carro a cada dois anos, um prazo inferior a países como Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha e Espanha. Eu diria que a partir do terceiro ano de uso, ou aproximadamente 50 mil quilômetros rodados, é preciso ter mais atenção ao avaliar o custo das manutenções futuras em relação ao valor do veículo”, ressalta o executivo.
Planejamento financeiro
A troca do carro não deve ser feita em um momento de impulso. “O motorista deve avaliar seu momento financeiro e estar pronto para os novos gastos que a novidade trará, como licenciamento, um segundo IPVA no mesmo ano e emplacamento. É necessário ter uma avaliação cuidadosa em relação às taxas de juros e o custo efetivo total”, finaliza Sardagna.

20:58 · 17.06.2018 / atualizado às 19:01 · 17.06.2018 por

Tanto molas, bandeja, pivô, batente e barra estabilizadora, bem como amortecedor, podem ocasionar ruídos

Muitos motoristas levam o carro à oficina reclamando de barulho na suspensão e acreditam que é proveniente do amortecedor. No entanto, é preciso fazer uma avaliação completa do sistema de suspensão para identificar de onde vem o ruído. “Além dos amortecedores, todos os componentes da suspensão, entre eles, molas, braço oscilante ou bandeja, pivô, batente e barra estabilizadora, devem ser revisados, pois o sistema trabalha em conjunto e as peças estão em movimento constante para diminuir o impacto das irregularidades do solo”, afirma Jair Silva, gerente de qualidade e serviços da Nakata.
Segundo Silva, muitos ruídos podem ser ocasionados pelas buchas de suspensão, pivô, terminal de direção, terminal axial, caixa de direção, suporte da barra do tensor, coxim do amortecedor e até mesmo ser provocado por protetor de cárter solto, objetos ou estepe soltos no porta-malas, fixação do escapamento comprometida. “todos os componentes que integram o sistema de suspensão e direção devem ser inspecionados para que seja identificados possíveis problemas, pois isto pode gerar ruídos e desgaste irregular dos pneus”, exemplifica. O batente também pode provocar barulho. “O batente impede que o amortecedor sofra batidas bruscas quando chega ao final do curso. Quando comprometido, gera ruídos e acelera o desgaste da mola e amortecedor”, ressalta.
Quando houver algum indício de desgaste ou se o veículo já estiver com mais de 40 mil quilômetros rodados é recomendável levar em uma oficina de confiança para revisão do conjunto de suspensão.

Pesquisar

Blog do Automóvel

Blog da editoria Auto, do Diário do Nordeste, para coberturas em test drive, lançamentos de automóveis e salões e notícias sobre carros, motos e outros veículos.
Posts Recentes

12h10mNovo Camaro vai ser destaque no Salão do Automóvel de São Paulo 2018

11h10mAudi mostra sua linha de SUVs na Chapada dos Veadeiros, em Goiás

02h10mConfira detalhes do primeiro carro elétrico feito no Brasil

10h10mSalão do Automóvel de São Paulo com novo lote de ingressos disponível

10h10mSetor de locação foi responsável por 1 em cada 4 veículos emplacados no primeiro semestre de 2018

Ver mais

Tags

Categorias
Blogs