Busca

Categoria: Economia


12:16 · 18.09.2018 / atualizado às 12:16 · 18.09.2018 por

3,5 milhões de novos pontos de recarga para veículos elétricos e meta de emissões zero assumidas por 26 estados, cidades, regiões e empresas foram anunciados hoje na Califórnia

Infra estrutura de pontos de recarga vão crescer muito nos próximos anos

De olho nos 37 milhões de veículos elétricos que deverão estar rodando em todo o mundo até 2025, duas líderes globais em infraestrutura e tecnologia de carregamento elétrico anunciaram metas ambiciosas de expansão de suas redes nos próximos sete anos. A ChargePoint, que administra mais de 50 mil pontos de recarga elétrica para veículos em sua rede global, comprometeu-se a entregar mais 2,5 milhões de pontos de recarga até 2025. Outra líder global, a EVBox, que já gere mais de 60 mil pontos de recarga em mais de 45 países, anunciou uma expansão da ordem de 1 milhão de novos pontos de carga até 2025. Juntos, estes anúncios equivalem a mais de 3,5 milhões de pontos de carga no exíguo prazo de sete anos até 2025.


Além das empresas de recarga, os veículos elétricos também receberam o apoio de 26 estados, cidades, regiões e empresas, que anunciaram simultaneamente as metas de 100% de emissão zero de veículos. Esses programas, desenvolvidos e administrados pelo The Climate Group e pelo C40 Cities, abrangem desde frotas corporativas e carros elétricos, para funcionários, até cidades que planejam adquirir apenas ônibus elétricos até 2025. Áreas de emissão zero nas cidades devem se tornar um fenômeno verdadeiramente global, já que mais 12 cidades confirmam seu compromisso, incluindo as megacidades asiáticas de Tóquio e Seul.
Coletivamente, as metas para as quais esses governos e empresas estão se inscrevendo aumentarão enormemente o número de veículos com emissões zero na estrada, elevando os números para os níveis necessários até 2030 para cumprir a ambição do Acordo de Paris.


Outro importante anúncio foi feito pelo Conselho de Hidrogênio, que assumiu o compromisso de garantir que 100% do hidrogênio usado como combustível no transporte seja descarbonizado até 2030. Essa coalizão global de CEOs reúne mais de 50 líderes dos setores de energia, transporte e indústria. O Conselho do Hidrogênio também está pedindo aos governos que construam uma aliança global que permita criar as estruturas regulatórias necessárias para ajudar a tornar esse compromisso uma realidade. O transporte é o primeiro foco do Conselho de Hidrogênio, com o objetivo de apoiar os efeitos positivos em muitos setores.
Os anúncios feitos hoje resultarão em um aumento significativo no nível de infraestrutura para os veículos de emissão zero e dão mais segurança para os consumidores que querem comprar veículos elétricos. Para veículos movidos a hidrogênio, a meta anunciada hoje apenas aumenta a contribuição que essas tecnologias podem trazer para a consecução dos objetivos do Acordo de Paris.
Atualmente, existem aproximadamente 500.000 pontos públicos de carga nos EUA, Europa e China. Os novos 3,5 milhões pontos anunciados hoje deverão apoiar os previstos 37 milhões de veículos elétricos que deverão estar rodando em todo o mundo até 2025, impulsionando uma combinação de 384 bilhões de milhas elétricas por ano.

15:10 · 17.09.2018 / atualizado às 15:10 · 17.09.2018 por

Empresa colocará R$ 153 milhões em ampliação da produção de pneus para veículos pesados


Após anunciar o investimento de R$ 487 milhões para ampliação de sua fábrica de pneus de passeio e construção de um novo módulo para produzir pneus de carga, a Dunlop Pneus, empresa japonesa que faz parte do Grupo Sumitomo, investirá mais R$ 153 milhões em uma nova expansão do complexo instalado em Fazenda Rio Grande, na região metropolitana de Curitiba no Paraná. O objetivo é aumentar a produção de pneus de caminhões e ônibus dos já anunciados 500 pneus por dia (previstos para março de 2019) para 1.000 pneus por dia.
O novo aporte da companhia está voltado para novos maquinários, que começarão a chegar a partir de outubro de 2019 e, gradativamente, irão possibilitar o aumento da capacidade produtiva. Espera-se que a produção dos 1.000 pneus de carga seja alcançada já em julho de 2020. Além disso, a Dunlop prevê a contratação de mais de 50 funcionários para a nova fase da fábrica no Paraná.

Por dentro da fábrica

Expansão da fábrica e tecnologia 
A Dunlop, que hoje possui aproximadamente 5,6% de market share de pneus para caminhões e ônibus no mercado de reposição, projeta um crescimento desses números a médio e longo prazos: “Nossa ambição é crescer mais que o mercado em 2018. O primeiro semestre do ano foi desafiador, mas nossas estratégias estão traçadas para sustentar esse crescimento de forma sólida e, consequentemente, gerar mais desenvolvimento e qualidade de vida à população brasileira”, resume Rodrigo Alonso, Gerente Sênior de Vendas e Marketing da Dunlop.
O primeiro pneu de carga que será produzido na unidade da Dunlop será o SP320, pneu lançado em maio, que já é um sucesso de vendas e possui a mais alta tecnologia japonesa que oferece maior vida útil ao produto e alto índice de recapabilidade. O pneu foi desenvolvido para equipar caminhões do segmento regional e rodoviário, para aplicação em todas as posições, porém otimizado para utilização em eixos direcionais.
A fábrica de pneus de carga no Brasil será a primeira da Dunlop no mundo a produzir pneus sem emenda para a categoria de veículos pesados. A empresa já possui esse sistema de produção ultramoderno para os veículos de passeio em território nacional. A fabricação de pneus Dunlop no Brasil utiliza a alta tecnologia Sun System, que permite a produção sem emendas nas partes de borracha do pneu, o que garante pneus mais redondos que proporcionam mais conforto, estabilidade, com menos consumo de combustível.

12:35 · 10.08.2018 / atualizado às 12:35 · 10.08.2018 por

Com a implantação do novo CD, os clientes da região do Cariri cearense, sobretudo revendedores e frotistas, contam com um atendimento mais imediato

Imagem aérea da Magnum Tires

A Magnum Tires, maior importadora de pneus e câmaras de ar do Brasil, está inaugurando um novo Centro de Distribuição em Juazeiro do Norte (CE), município localizado no Sertão do Cariri, a 491 quilômetros de Fortaleza. O CD, que já está funcionando em sistema soft opening, será inaugurado oficialmente em setembro.
O novo Centro de Distribuição, que ocupa uma área útil de 500 metros quadrados e é fruto de um investimento de mais de R$ 1 milhão da Magnum Tires, surge como um complemento estratégico para o CD de Fortaleza, que ocupa uma área de 4.700 metros quadrados e atende o todo o Estado. “Por mês, no Ceará, recebemos mais de mil pedidos”, contabiliza Olinto Correia, executivo da Magnum Tires.
Com a implantação do CD em Juazeiro do Norte, os clientes da região do Cariri cearense, sobretudo revendedores e frotistas, contam com um atendimento mais imediato. “Hoje o cliente utiliza muito mais nosso estoque, até para não precisar investir muitos recursos para estocar pneus”, explica Correia.

Detalhe do pneu

Cada vez mais, a Magnum Tires tem uma preocupação maior de investir no interior do Nordeste, oferecendo aos clientes uma opção de logística e de rapidez em uma região mais carente desse tipo de serviço, com um produto com o melhor custo-benefício do mercado e um preço bastante competitivo.
“Temos condições de prazo muito interessante que financia o caminhoneiro e o frotista. Quando o cliente tem um problema de crédito, fazemos uma avaliação de crédito e vendemos para ele em seis, oito ou até dez vezes, com a parcela que cabe no bolso”, ressalta Antônio Araújo, também executivo da Magnum Tires. “Estamos preocupados em termos condições de poder fornecer para aquele caminheiro ou frotista que tem uma dificuldade de crédito na praça uma parcela que ele pode pagar.”
Marca própria
O carro-chefe da marca é o pneu Magnum, marca própria do importador que acaba de chegar ao mercado depois de mais de dois anos em teste no País. “Nós testamos o pneu no Brasil, em várias condições diferentes, e o ‘tropicalizamos’ durante dois anos. Após todos os testes efetuados no mercado e desenvolvimento, colocamos nossa marca”, conta Araújo.
Ao todo, a marca Magnum conta com três modelos para caminhão: MGM01, MGM02 e MGM03. Até no máximo um ano a família será ampliada também para veículos de passeio. Também está em desenvolvimento um modelo voltado para o seguimento misto, voltado para veículos que rodam em estradas de terra e de asfalto, a exemplo de fazendas, usinas e estradas vicinais. “Trata-se de um pneu desenvolvido especialmente para o mercado brasileiro, com suas ruas, estradas e rodovias peculiares”, afirma o diretor da companhia Apolo Santana Vieira.

Galpão de pneus da marca

Sobre a Magnum Tires
Maior importadora e distribuidora de pneus e câmaras de ar do Brasil, a Magnum Tires investe constantemente em tecnologia visando atender aos diversos canais de venda em todo o País, procurando simplificar os processos para oferecer os melhores produtos por condições excelentes. Nascida em Pernambuco, tem muito orgulho de ser hoje uma referência no segmento em todo o território nacional, com mais de 600 itens oferecidos aos clientes.
Maior importadora brasileira de câmaras de ar e maior importadora de pneus GT Radial da América Latina, a Magnum Tires tem sede no município de Jaboatão dos Guararapes, na Região Metropolitana do Recife, próximo ao Porto de Suape e do Aeroporto Internacional dos Guararapes, onde ocupa uma área de 25.000 m² com 17 docas para carga e descarga de mercadorias. Possui ainda um moderno e bem equipado centro de distribuição em Santa Catarina, que facilita o atendimento às Regiões Sul e Sudeste, atendendo à crescente demanda de forma mais estratégica, e uma equipe comercial em 22 Estados. Além da GT Radial, a Magnum Tires representa as marcas Roadstone, Tornel, Alliance, Giti, Centella, Chaoyang e Petlas.
Ao todo, a Magnum Tires conta com mais de 450 colaboradores e representantes em todo Brasil. Em Pernambuco são empregadas cerca de 180 pessoas de forma direta. Sua carteira de clientes possui cerca de 9.000 clientes ativos.
Em 2017 foram vendidos mais de 1 milhão de pneus. A projeção para 2018 é de um crescimento de 20%.

02:33 · 18.06.2018 / atualizado às 20:35 · 17.06.2018 por

Trocar de veículo não é uma tarefa simples e instantânea. A desvalorização do veículo, as constantes manutenções ou até mesmo o valor sentimental e apego pelo companheiro de estrada, são fatores que devem ser levados em conta na hora de pensar em colocar um novo carro na garagem

 

Mas como saber se chegou o momento de iniciar as pesquisas e consultas pelo carro novo? O Superintendente Comercial da Allianz Automotive Região Américas, Ricardo Sardagna, mostra alguns pontos comuns que devem ser avaliados e que podem ajudar o motorista nessa tomada de decisão.
Alta quilometragem
A quilometragem e a idade do carro podem ser os principais fatores de influência sobre os custos de manutenção e desvalorização do bem. Por mais revisões que o motorista faça, alguns desgastes podem ser irreversíveis. Ricardo Sardagna comenta: “À medida que o carro aumenta sua rodagem, as revisões programadas ficam ainda mais caras. Esse impacto começa a ser sentido a partir dos 40 mil quilômetros rodados. Esse pode ser um bom momento para começar a olhar um novo veículo”.
Os veículos mais modernos são capazes de atingir altas quilometragens sem grandes perdas de eficiência, mas Sardagna alerta: “É fundamental que as manutenções estejam sempre em dia, do contrário, o veículo será depreciado pelo mercado e a dificuldade de vendê-lo será maior. A existência de amassados, danos na pintura ou no interior do veículo, também prejudicam o seu valor”.

Depois de escolher o usado de sua preferência, examine com calma a parte mecânica do carro

Manutenções recorrentes
Se a visita à oficina mecânica se tornar frequente, isso pode ser um ponto de atenção. “É importante checar o real motivo das falhas. Há casos em que o veículo para por conta do uso de combustível adulterado ou até mesmo por defeito crônico do modelo, como falhas no câmbio ou barulho na suspensão. Nestas situações, mudar de fornecedor e verificar os trâmites com a revenda autorizada são as melhores opções”, comenta Sardagna.

Pneus novos ou seminovos valorizam na hora da venda

Tempo de uso
Outro bom indicador para saber se é hora de passar o carro para frente é o tempo de uso. “Em média, o consumidor brasileiro troca de carro a cada dois anos, um prazo inferior a países como Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha e Espanha. Eu diria que a partir do terceiro ano de uso, ou aproximadamente 50 mil quilômetros rodados, é preciso ter mais atenção ao avaliar o custo das manutenções futuras em relação ao valor do veículo”, ressalta o executivo.
Planejamento financeiro
A troca do carro não deve ser feita em um momento de impulso. “O motorista deve avaliar seu momento financeiro e estar pronto para os novos gastos que a novidade trará, como licenciamento, um segundo IPVA no mesmo ano e emplacamento. É necessário ter uma avaliação cuidadosa em relação às taxas de juros e o custo efetivo total”, finaliza Sardagna.

16:27 · 14.06.2018 / atualizado às 16:27 · 14.06.2018 por

Programa é voltado para graduandos entre junho de 2019 a junho de 2020
A General Motors no Brasil está com inscrições abertas até o dia 22 de junho, para o seu Programa de Estágio. As oportunidades são para as áreas de vendas, marketing, pós-vendas, engenharia, comunicação, jurídico, GPSC, recursos humanos, entre outras. Com duração de até 2 anos, os estagiários serão responsáveis por projetos na área de atuação, e ainda haverá oportunidades de participar de ações desafiadoras dentro da General Motors. As inscrições devem ser feitas através do site www.careers.gm.com até o dia 22 de junho de 2018.

 

13:49 · 08.05.2018 / atualizado às 13:49 · 08.05.2018 por

O tempo de carregamento para um alcance de 200 km é de apenas oito minutos; a pioneira e líder de tecnologia ABB lança o novo carregador rápido de alta potência Terra HP na Hannover Messe, aumentando seu alcance global

Com o número de veículos elétricos em circulação em ascensão, a demanda global por estações de carregamento de veículos com eficiência energética cresce ainda mais. Na Hannover Messe (na Alemanha), a ABB lançou o Terra HP, sua mais recente solução de carregamento de VE e primeiro produto de 350 kW do mercado. O tempo de carregamento para um alcance de 200 km é de apenas oito minutos.
Projetado para ser usado em paradas de estrada e postos de combustível, a corrente ultra-alta do Terra HP tem capacidade de recarregar tanto os carros de 400 V quanto os de 800 V na potência máxima.
O emprego da tecnologia de compartilhamento de energia Dynamic DC permite que um sistema de carregamento com dois gabinetes carregue dois VEs simultaneamente com até 350 kW, otimizando dinamicamente a conexão disponível com a rede elétrica e o fornecimento de energia para os dois veículos.
Ao fazer um comentário sobre o lançamento, Frank Muehlon, chefe da divisão global de carregamento de veículos elétricos da ABB, disse: “Estamos empenhados em contribuir para a expansão dos sistemas de carregamento de veículos elétricos em todo o mundo para possibilitar ambientes mais limpos. A criação de soluções inovadoras de última geração com eficiência energética, que sejam escalonáveis, flexíveis e possam se expandir para acompanhar as necessidades de nossos clientes está no cerne da filosofia da ABB”.

Inovação
Postos de carregamento e gabinetes de alimentação adicionais podem ser acrescentados após a instalação, proporcionando uma solução econômica e pronta para o futuro, envolvendo pontos de recarga expansíveis que aumentam à medida que cresce a base de VEs.
Para aprimorar mais ainda o desempenho, o Terra HP oferece o mais alto tempo de atividade, devido à redundância de alimentação e comunicação e aos cabos de carregamento refrigerados individualmente. Tendo comprovado seu ritmo em várias instalações de campo para ônibus elétricos comerciais, o gabinete de alimentação é extremamente confiável.
Para os operadores de recarga, o Terra HP oferece a vantagem adicional de poderem contar com os serviços conectados do ABB Ability™ e sua funcionalidade aprimorada, inclusive a capacidade de conectar facilmente os carregadores ao escritório, a plataformas de pagamento e a sistemas de rede inteligente. Mais importantes ainda são os diagnósticos remotos, reparos e atualizações de software “over-the-air”, a minimização do tempo sem atividade e o custo baixo de manutenção.
O Terra HP oferece aos consumidores diversas vantagens adicionais, inclusive uma interface sensível ao toque, intuitiva e fácil de usar, além de múltiplas opções de pagamento.
A ABB oferece suas soluções de carregamento como parte do esforço da empresa para promover a mobilidade sustentável desde 2010, tendo vendido mais de 6.500 carregadores DC rápidos conectados à nuvem em todo o mundo, tanto para carros de passeio quanto veículos comerciais.
ABB (ABBN: SIX Swiss Ex) é um líder tecnológico pioneiro em produtos de eletrificação, robótica e movimento, automação industrial e redes energéticas, com clientes globais de serviços públicos, indústria, transportes e infraestruturas. Continuando uma história de inovação com mais de 130 anos, a ABB está a escrever hoje o futuro da digitalização industrial com duas proposições de valor claro: transportar energia desde qualquer central para qualquer tomada e automatizar indústrias desde a gestão de recursos naturais até à entrega do produto final. Como patrocinadora oficial da fórmula E, a competição internacional de automobilismo FIA totalmente elétrica, a ABB está a desafiar os limites da mobilidade elétrica contribuindo para um futuro sustentável. A ABB opera em mais de 100 países com cerca de 135.000 empregados.

02:58 · 29.04.2018 / atualizado às 17:01 · 27.04.2018 por

Nissan anunciou hoje que planeja lançar três novos veículos elétricos e cinco modelos equipados com e-POWER no Japão até o final do ano-fiscal 2022. A empresa espera que veículos com essas duas tecnologias representem 40% das vendas no país nesse prazo e que, no ano-fiscal 2025, metade dos veículos que a marca vende seja de elétricos ou e-POWERJ.


Falando em Yokohama, Daniele Schillaci, vice-presidente executivo de marketing e vendas globais da Nissan, veículos de emissões zero e negócios de baterias e presidente do Comitê de Gestão para Japão, Ásia e Oceania, disse: “Estamos orgulhosos que o Japão, nossa casa, está liderando o caminho quando se trata da Nissan Intelligent Mobility. Essa visão está mudando a experiência do cliente, fornecendo tecnologias e serviços que estão melhorando sua vida e também possibilitando um crescimento lucrativo constante por meio da Nissan M.O.V.E. to 2022.”
A visão da Nissan Intelligent Mobility também terá uma presença ampliada em todas as concessionárias da empresa. A Nissan desenvolverá um novo formato de loja, centrado em torno da área de compras do cliente, que terão experiências de marca para proporcionar aos clientes a Nissan Intelligent Mobility.


Cada etapa do processo de compra de carros será cada vez mais digitalizada: da consideração inicial até o pós-venda. Afastando-se de um modelo de serviço convencional e fragmentado, a Nissan criará um formato que forneçerá aos clientes o serviço que precisam, quando precisarem.
“Os novos formatos de lojas e digitalização irão personalizar as comunicações da Nissan com os clientes”, disse Asako Hoshino, vice-presidente sênior da Nissan e chefe do Comitê de Operações para o Japão. “Melhoraremos a satisfação do cliente ao fornecer serviços de qualidade ininterruptos”.


A Nissan também está expandindo também os serviços de compartilhamento de carros, com base no sucesso de seu programa de e-share mobi. “O compartilhamento de carros será fundamental para abordar a oportunidade de longo prazo em novos serviços de mobilidade no Japão”, acrescentou Hoshino. “Vamos expandir os serviços de compartilhamento de carros de 30 para 500 locais no Japão até o final do ano-fiscal de 2018”.
Sob o amplo plano de médio-prazo “Nissan M.O.V.E to 2022”, a empresa está visando uma margem operacional de 8% e buscando elevar a receita anual de 12,8 trilhões de para 16,5 trilhões de ienes. Junto com o investimento na Nissan Intelligent Mobility, a empresa está priorizando sólidos lucros e crescimento no Japão, na China, nos EUA e no México; assegurando o retorno de investimentos recentes no Brasil, Rússia, Índia e Argentina, bem como nas marcas INFINITI e Datsun; e capturar todo o potencial de suas marcas na Europa, Oriente Médio, Ásia e Oceania.
O plano de negócios também visa tornar a Nissan líder em serviços de eletrificação, condução autônoma e mobilidade. A empresa espera vender 1 milhão de veículos eletrificados (e-POWER e EVs) globalmente por ano até o final do plano.

18:45 · 15.04.2018 / atualizado às 18:45 · 15.04.2018 por

Marca alerta que o uso correto da embreagem garante a durabilidade prevista no manual do proprietário, o bom funcionamento do sistema e a segurança ao rodar


Um dos principais mecanismos das motocicletas Harley-Davidson é o conjunto de embreagem, que em sua função mais básica, acopla e desacopla o câmbio ao motor, sendo um sistema mecânico básico e essencial. As motos da marca norte-americana são únicas e contam com singularidades técnicas, já que o conjunto da embreagem, na grande maioria das motocicletas H-D, localiza-se no compartimento primário, separado do motor e do câmbio, e a conexão ao motor é feita por meio de corrente.
As motocicletas Harley-Davidson contam com embreagens hidráulicas que utilizam o fluído DOT 4, desenvolvido especialmente para as necessidades técnicas e mecânicas desse sistema, e dos freios, em todos os modelos. A marca reforça que diversos mecanismos sofrem desgaste natural com o tempo e com a utilização, e deverão ser substituídos no momento correto, porém, a adoção de cuidados na hora da pilotagem garante a vida útil prevista.
A H-DB, visando sempre divulgar as melhores práticas do motociclismo seguro e para manter acesa a chama de união e amizade que só uma marca única e de 115 anos de existência possui, alerta para alguns erros que podem dar dor de cabeça aos proprietários, diminuir a vida útil e comprometer diversos sistemas da motocicleta.
As peças que sofrem mais desgaste são, normalmente, os discos e os chamados separadores, que trabalham em aderência constante quando são acoplados, por meio do óleo lubrificante. Os processos de deterioração podem acontecer por vícios de pilotagem como, por exemplo, o uso incorreto do manete de embreagem em arrancadas bruscas, manter a embreagem acionada por longos períodos durante as paradas com a motocicleta engatada ou conduzir e parar em aclives íngremes, o que superaquece o sistema e diminui a fricção. Também são fatores deteriorantes o uso de óleos lubrificantes com especificações técnicas inadequadas para as motos H-D ou excesso de temperatura.
Os sintomas iniciais podem ser percebidos com a perda de tração durante o acoplamento do conjunto de embreagem, ou seja, que o sistema não transmita a rotação do motor ao câmbio e, consequentemente, a tração não será transferida de forma adequada à roda traseira. A perda de força ou o não desenvolvimento da motocicleta ao acelerar também são sinais de desgaste, além da dificuldade na troca de marchas, principalmente nas primeiras.
Para a manutenção dos sistemas hidráulicos de embreagem são utilizadas técnicas similares às da manutenção do sistema de freio, já que o fluído deve ser inspecionado em relação ao nível do reservatório e a substituição deve acontecer a cada dois anos. Para os sistemas mecânicos, a manutenção inclui, também, a lubrificação do cabo de acionamento e ajuste do parafuso de regulagem, de acordo com a folga especificada no manual de serviço da H-D. Em ambos os casos, é necessária a substituição do óleo de todo o conjunto primário a cada 16 mil quilômetros.
Mesmo que os clientes não façam as substituições diretamente, é importante que saibam que a Harley-Davidson disponibiliza o óleo lubrificante “SYN3 20W50–sintético”, que foi desenvolvido para trabahar nos três compartimentos do conjunto de powertrain da motocicleta, ou seja, motor, primária e câmbio. Esse óleo garante as propriedades adequadas para o perfeito funcionamento dos sistemas, assegurando a redução de atrito no motor, a aderência na embreagem e a resistência à alta pressão no câmbio.


Durante a revisão, é substituído o lubrificante do conjunto primário, além de ajustado o parafuso de regulagem, lubrificado o cabo de acionamento e ajustada a folga ideal da alavanca de acionamento, nos sistemas mecânicos.
Portanto, a Harley-Davidson do Brasil incentiva todos os proprietários a realizarem as manutenções periódicas de acordo com a descrição da tabela de manutenção, que está no manual do proprietário. Também é importante adotar procedimentos seguros para condução da motocicleta. Descartar vícios de pilotagem e se atentar para uso constante da alavanca de embreagem ao parar em semáforos são ações que também fazem a diferença, assim como evitar “segurar” a motocicleta na embreagem em aclives ou arrancadas bruscas.
Para motocicletas de alto torque, como os modelos H-D, participar de treinamentos de pilotagem e condução segura promovidos pelos H.O.G.® Chapters podem ser grandes diferenciais para extrair o máximo desempenho e durabilidade da motocicleta.

11:25 · 28.03.2018 / atualizado às 11:26 · 28.03.2018 por

Groupe PSA alcançou hoje a marca de 2 milhões de motores produzidos na Usina Mecânica de Porto Real (UMPR), a sua unidade responsável pela fabricação de motores no Brasil. Este importante número foi comemorado com a montagem de mais uma unidade do EC5 1.6l, motor que equipa os Citroën C3 e Aircross e os Peugeot 208 e 2008 produzidos no país e também os modelos Berlingo, Partner, 308, C4 Lounge e 408 produzidos na Argentina. Além desse motor, a UMPR produz também sua versão para montagem com a nova caixa automática EAT6


Inaugurada em 2002 com uma capacidade produtiva inicial de 50 mil motores por ano, a UMPR recebeu constantes investimentos por parte do Groupe PSA, permitindo importantes evoluções em sua estrutura, além de um intenso trabalho de formação de pessoal e de aplicação das melhores práticas produtivas Lean (PSA Excellence System).
Em 2017, o Grupo investiu mais de R$ 13 milhões na expansão da capacidade de produção dos blocos e cabeçotes dos motores da fábrica. Já no período de 2017 a 2018, a empresa deve concluir seu plano de investimentos de cerca de R$ 43 milhões adicionais em sua nova linha de produção de virabrequins, que entrará em funcionamento em julho de 2018 e que, inclusive, futuramente exportará parte de sua produção para o Groupe PSA no Marrocos. Os investimentos no período, somados, totalizam, assim, cerca de R$ 56 milhões.
Com uma cadência produtiva de 425 unidades por dia, a UMPR conta atualmente com cerca de 200 colaboradores, divididos entre a montagem dos motores e a unidade de usinagem, responsável pela produção de blocos e cabeçotes de alumínio para os motores 1.6l. Em 2017, produziu 92,6 mil motores, melhor marca desde 2014.
Atualmente, a UMPR é uma referência operacional dentro do Groupe PSA, estando muito próxima do modelo de “Fábrica Excelente”, que é o padrão de melhor desempenho estabelecido para todas as plantas do Grupo no mundo. “Contamos com modernos processos que nos possibilitam adaptar nosso volume de produção sem a necessidade de ampliação de nossa superfície física. Com isso, conseguimos manter a qualidade dos nossos produtos e a satisfação dos nossos clientes finais”, disse Eduardo Chaves, Diretor do Polo Industrial Brasil, do qual a UMPR faz parte, juntamente com a fábrica de veículos.
“Essa marca de 2 milhões de motores produzidos em Porto Real se soma a outra que atingimos em 2017, de 1,5 milhão de veículos aqui também fabricados. Isso comprova nosso know-how e foco em conceber produtos de excelência para os mercados brasileiro e de exportação”, declarou Fabricio Biondo, Vice-Presidente de Comunicação, Relações Externas e Digital do Groupe PSA para a América Latina. “Nossos investimentos na UMPR mostram o quanto estamos priorizando a integração local dos componentes de nossos motores, onde a nova linha de virabrequins é o nosso exemplo mais recente”, complementou o executivo.

Salão de Genebra
Para Jean Mouro, Vice-Presidente Sênior de Operações Monozukuri América Latina, esses investimentos na UMPR estão em linha com as boas notícias vindas também da vizinha fábrica de veículos do Grupo. “Durante o Salão de Genebra, em 6 de março, confirmamos uma outra grande novidade aqui para Porto Real: o início da produção de um novo veículo, a partir do segundo semestre deste ano, o C4 Cactus. Trata-se de um carro global, cujo desenvolvimento foi liderado pelas equipes de Engenharia e Estilo do Groupe PSA na América Latina para atender às demandas dos clientes do Brasil e dos outros países da região. Todas essas ações são uma prova clara da nossa grande confiança e comprometimento com o Sul-Fluminense, com o estado do Rio de Janeiro e com o Brasil”, disse ele.

11:59 · 27.03.2018 / atualizado às 11:59 · 27.03.2018 por

Às vezes por falta de tempo não conseguimos fazer a manutenção necessária para manter a pintura do nosso veículo em bom estado. Mas, é importante lembrar que quando um veículo apresenta danificações na lataria, fica mais difícil de ser revendido. Seu estado de conservação estético é um dos fatores mais importantes na hora da venda.
Existem no mercado três tipos de pinturas automotivas: perolizadas, metálicas e sólidas, mas, independentemente do tipo, é necessário tomar alguns cuidados para evitar manchas e oxidações. Estas podem ser irreversíveis e reduzem o valor do seu veículo na hora da revenda.
Então, preste atenção nas dicas de Marcos, criador da AcquaZero, rede de franquias especializada na área de limpeza e conservação automotiva, que tem mais de 240 unidades espalhadas pelo país.


Estacionar o carro embaixo de árvores é ruim
Outro elemento que devemos considerar para conservar a pintura dos veículos é o local onde estacionamos. Parar embaixo de uma árvore, por exemplo, pode não ser o melhor lugar. As flores e folhas podem liberar um tipo de resina que é prejudicial à pintura do veículo. São substâncias ácidas que danificam a pintura do carro caso não sejam removidas logo. Se esses resíduos ficarem por muito tempo na lataria e ficarem expostos ao sol, o processo pode ser acelerado.

Um Fiat 500 Barbie, com pintura especial

Insetos danificam a pintura de forma irreversível
Se você anda com seu carro em rodovias freqüentemente, principalmente no período noturno, fatalmente ele será vítima dos insetos. Os bichos grudam nos faróis, grades e pintura do veículo. Seus fluídos podem danificar a pintura de forma irreversível caso não sejam removidos em até três dias.

Cuidado com a gasolina na lateral do carro após abastecer, ela mancha

Derramamentos acidentais de gasolina
Quando ocorrem derramamentos acidentais de gasolina na pintura é necessário que o local atingido seja lavado com água imediatamente. Se isso não for feito, o verniz pode ser danificado de forma irreversível. Por isso, recomenda-se, também, um enceramento na parte atingida.
As fezes de pássaros
As fezes dos pássaros são muito ácidas e comuns. Elas podem causar danos irreversíveis na pintura do seu carro caso não haja uma intervenção rápida. Portanto, ao identificá-las, lave o local rapidamente.


Vitrificação de Pintura
A vitrificação é um serviço muito recomendado para a preservação da pintura do veículo. Além do brilho, o serviço traz uma excelente proteção para o verniz, protegendo contra males do tempo e todos os itens citados acima. Ela funciona como uma película de celular. É uma camada de vidro aplicada sobre o verniz, protegendo e aumentando a vida útil da pintura do seu carro. Além disso, com função de hidrorepelência (a água não fica parada na lataria do veículo), seu carro permanece limpo por mais tempo e facilita a limpeza do mesmo. É muito importante tomar cuidado na compra deste serviço no mercado, pois hoje muitos selantes são vendidos como vitrificadores, porém não trazem o mesmo resultado.
Limpeza ecológica
Se preocupar com a forma como o seu veículo é limpo faz toda a diferença. Muitas vezes, por falta de conhecimento, a limpeza é feita de forma incorreta, o que pode causar danos na pintura. É recomendado, para carros de uso diário, que o serviço seja feito semanalmente. A utilização do composto (de cera) é interessante, pois quando removido não prejudica a pintura. Além de ser totalmente biodegradável ele deixa a pintura menos abrasiva.