Busca

Categoria: Expedição


13:11 · 19.04.2018 / atualizado às 13:11 · 19.04.2018 por

Novo utilitário esportivo da marca sairá de Itajaí (SC) junto com os barcos da Volvo Ocean Race para cumprir uma jornada de quase 18 mil km até Newport (EUA), próximo destino da regata de vela oceânica
Veículo sem qualquer preparação será conduzido pelo piloto Cacá Clauset, que contará com outros dois jornalistas para alternar a direção e registrar a viagem


Roteiro passará por 14 países por volta de 20 dias, demonstrando a robustez do modelo e marcando seu lançamento no país
A partir deste domingo (22), o veículo partirá para conquistar a marca impressionante de quase 18 mil quilômetros intercontinentais rodados entre Itajaí (SC) – de onde também partirão as sete equipes que disputam a Volvo Ocean Race – até Newport (EUA), destino seguinte da competição de vela oceânica mais longa e difícil do mundo.
A jornada consistirá em cruzar 14 países em até 20 dias. Ao volante estará Cacá Clauset, experiente piloto com um recorde no Guiness Book (travessia das Américas de carro, em 2001, do norte do Alasca até o Ushuaia, no extremo sul do continente, cumprido em 18 dias, 1 hora e 11 minutos). “Não se trata de uma corrida entre carro e barcos”, comentou. “Mas nossa expectativa é chegar a Newport com as primeiras tripulações”.
“Na Volvo Ocean Race, essa é uma das poucas pernas que permitiriam uma ousadia dessa: cruzar a América do Sul até a América do Norte de carro acompanhando o deslocamento da regata. Esse período é perfeito, porque vamos contar uma história incrível do XC40 em seu lançamento no Brasil”, comentou Leandro Teixeira, diretor de Marketing da Volvo Cars.


Trata-se de um desafio e tanto. Depois de passar por Paraguai, Argentina, Chile, Peru e Equador, o piloto, que estará com dois jornalistas para registrar a viagem e alternar a direção, fará uma parada em Cartagena, na Colômbia, para transportar o XC40 ao Panamá. Até então, o grupo terá vencido 8.254 km e passará a enfrentar a burocracia para exportar o carro para o Panamá. O tempo corre contra o trio, que terá que vistoriar o automóvel e lacrar um contêiner para transportá-lo de navio pelo Estreito de Darien Gap. Com a previsão de que isso tudo leve uma semana para retomar a viagem, Clauset contratou um especialista para agilizar o processo, o mesmo enfrentado na travessia de 2001. “Nossa intenção é voltar para a estrada em até quatro dias”.
No Panamá e resolvida a burocracia de entrada do carro no país, a expedição segue por Costa Rica, Nicarágua, Honduras, El Salvador, Guatemala, México e, finalmente, Estados Unidos, numa extensa faixa de asfalto de 7.540 km pela Costa Oeste até Newport, em Rhoad Island. Assim, para cumprir a expedição, o trio terá de rodar cerca de 1.300 km por dia.


A expedição será feita em um X40 Momentum sem qualquer preparação. A versão conta com rodas de 19 polegadas, motor T5 Drive-E 2.0 turbo com tração integral, transmissão automática de 8 velocidades e a mais completa lista de equipamentos de segurança do segmento. O carro levará apenas uma roda com pneu montado além do estepe original, e terá instalado o Pilot Assist, sistema de direção semiautônoma, item à disposição de qualquer consumidor na rede de concessionárias da marca.
“Vamos levar mesmo poucas coisas para essa expedição. Apesar de ser um carro mais urbano, acreditamos muito na robustez do XC40 para terminar com tranquilidade a viagem. Na volta, traremos muito mais na bagagem: histórias para contar”, resumiu Cacá Clauset.
Acompanhe a expedição XC40 On The Road pelo perfil no Instagram: @XC40OnTheRoad.


Integrantes da expedição
Cacá Clauset
Empresário e jornalista, percorreu a Rodovia Transamazônica em 1988. No ano seguinte, participou de seu primeiro rally, o Transandino. Em 1993, veio seu primeiro título brasileiro de Rally de Velocidade. Em 1996 e 1999 foi campeão do Rally dos Sertões. Ainda em 1999 fez a travessia dos Andes até o Deserto do Atacama. Um ano depois montou a primeira equipe a participar do Rally Paris-Dakar com veículo nacional, no qual teve o navegador Amyr Klink como seu copiloto. Em 2001, bateu o recorde do Guinness Book na travessia das Américas de carro ao lado de Marcelo Spina, percorrendo 23 mil km em 18 dias. Desde 2001 é sócio da TSO Brasil, maior empresa de eventos automotivos do país.
Caio Salles
É jornalista, filmmaker, editor e diretor de conteúdo. Trabalhou muitos anos na ESPN e participou de grandes coberturas, como as Olimpíadas de Pequim e Londres, e da Copa do Mundo da África. Na Mowa Sports, atuou como diretor de conteúdo, produzindo material para os patrocinadores da Seleção Brasileira na Copa do Mundo do Brasil: Vivo, Mastercard e Samsung. Nas olimpíadas do Rio 2016, foi diretor de externa para a Claro Sports do México.
Israel Coifman
É jornalista, filmmaker, editor e diretor de conteúdo. À frente da Mowa Sports por seis anos, acompanhou a Seleção Brasileira em muitos países do mundo. Trabalhou na ESPN e cobriu como cinegrafista e editor duas Copas do Mundo e os Jogos Olímpicos. Já fez reportagens para a CBF TV e Mastercard. Trabalhou também na MTV com exibição de conteúdo e na TV Globo com edição.

12:17 · 11.05.2017 / atualizado às 12:18 · 11.05.2017 por

Reconhecido nacional e internacionalmente, o projeto Arara Azul concorre a mais um prêmio.  A iniciativa referência em atividades de conservação de espécies, apoiada pela Fundação Toyota do Brasil, é finalista da segunda edição do Prêmio Nacional da Biodiversidade do Ministério do Meio Ambiente, nas categorias Sociedade Civil e Júri Popular. A primeira será definida por meio de uma comissão julgadora que analisará os critérios de efetividade da ação quanto ao estado de conservação da espécie, impacto ambiental e social e inovação. A segunda categoria está aberta ao público por meio de votação eletrônica. Para votar acesse o endereço: http://pnb.mma .gov.br/juri_popular/ . A cerimônia de entrega ocorrerá em Brasília, dia 22 de maio, data de celebração do Dia Internacional da Biodiversidade.

“Ser finalista nessa premiação é uma forma de reconhecimento ao nosso compromisso diário em proteger a arara-azul, bem como, diversas outras espécies que convivem com essa ave. Pedimos o apoio de toda a população para que votem no projeto Arara Azul, será uma forma de colaborar com a nossa missão e também evidenciar para todo país a riqueza da biodiversidade de Mato Grosso do Sul”, explica a presidente do Instituto Arara Azul, Neiva Guedes.

A intensa dedicação à causa é um trabalho de 27 anos. No fim da década de 1980, especialistas estimavam apenas 1.500 indivíduos no Pantanal. Hoje, com a importante contribuição do Projeto Arara Azul, são mais de 5.000 indivíduos no Pantanal, na área que inclui os estados de Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Bolívia. Em 2014, a arara-azul saiu da lista nacional de animais em extinção, de acordo com Ministério do Meio Ambiente. Apesar das conquistas no Brasil, a espécie ainda permanece na lista vermelha das espécies ameaçadas, elaborada pela IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza, na sigla em inglês), pois seu alto grau de vulnerabilidade exige cuidados especiais para a sua conservação na natureza. “Os estudos não podem parar. Para realmente mantermos a conservação é preciso continuar estudando as relações biológicas, as interações ecológicas e a dinâmica do meio em que vivemos” lembra Neiva Guedes, que é também professora doutora do Programa de Pós-Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional da Uniderp.

No total, a iniciativa monitora aproximadamente 3.000 aves, que vivem em 745 ninhos, cadastrados por 57 fazendas, situadas em Miranda, Aquidauana e Bonito (MS) e na região de Barão de Melgaço (MT). Boa parte dos ninhos está localizada em regiões de difícil acesso, por isso a importância das picapes Hilux com tração 4X4, cedidas pela Fundação Toyota. Os veículos permitem às equipes de biólogos transportarem suprimentos e todos os equipamentos necessários à realização dos trabalhos de campo.

Sobre a Fundação Toyota do Brasil

Criada em abril de 2009, a Fundação Toyota do Brasil atua na preservação ambiental e formação de cidadãos. Além das novas iniciativas surgidas com a sua instituição, a Fundação Toyota do Brasil unificou e ampliou todos os projetos de responsabilidade social em andamento, que estavam sob a responsabilidade da montadora Toyota do Brasil.

Nacionalmente, além do Projeto Arara Azul , a Fundação Toyota do Brasil patrocina desde 2009 o Projeto Toyota APA Costa dos Corais, em parceria com a Fundação SOS Mata Atlântica e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), do governo federal. O projeto prioriza a conservação dos recifes de corais e ecossistemas associados ao peixe-boi marinho em uma área de 413 mil hectares nos estados de Alagoas e Pernambuco.

Neiva Guedes, responsável pelo projeto

Localmente, a entidade agrega ainda as ações sociais implantadas e mantidas nas comunidades onde a empresa possui unidades, como Indaiatuba (SP), Guaíba (RS), Porto Feliz (SP), Sorocaba (SP) e São Bernardo do Campo (SP). As iniciativas compreendem as áreas de educação, meio ambiente e cultura, e contam com o apoio dos colaboradores da empresa como voluntários.

14:47 · 24.10.2016 / atualizado às 14:47 · 24.10.2016 por

A primeira unidade do Land Rover Discovery Sport produzido na recém-inaugurada fábrica da Jaguar Land Rover em Itatiaia/RJ continua sua jornada pelas mais belas paisagens do Brasil. Depois de desbravar as dunas de Natal, no Nordeste do País, o veículo faz agora uma expedição pelo extremo sul brasileiro percorrendo regiões belíssimas.

discovery
A ação faz parte do projeto Filhos Deste Solo, em que as primeiras unidades do Discovery Sport e do Range Rover Evoque produzidos em Itatiaia partiram em uma jornada pelos mais belos lugares do Brasil, encontrando pessoas e conhecendo a fundo o país em que eles são produzidos.

discovery2
A expedição pelo Sul saiu de Porto Alegre rumo ao Chuí e passou por belíssimas regiões e diversos tipos de terreno, entre eles os pântanos do Parque Nacional da Lagoa dos Peixes e as areias da Praia do Cassino. Todo o trajeto foi filmado e dará origem a uma série de quatro episódios no canal Off, que serão exibidas a partir do próximo mês de novembro.
O Land Rover Discovery Sport chegou ao mercado brasileiro em março de 2015 e em poucos meses se tornou o mais vendido veículo da Land Rover no Brasil e o SUV premium mais vendido do país no primeiro semestre deste ano, com 1.830 unidades comercializadas.

discovery3
Inicialmente importado da Inglaterra, o Discovery Sport passou a ser produzido na fábrica da Jaguar Land Rover em Itatiaia junto com outro grande sucesso da marca, o Range Rover Evoque.