Blog do Automóvel

Categoria: Ford


14:55 · 03.10.2018 / atualizado às 14:55 · 03.10.2018 por

O Ford T, carro que simboliza o nascimento da era do automóvel, comemorou 110 anos de lançamento. Apresentado oficialmente por Henry Ford em outubro de 1908, ele ganhou rapidamente a fama de produto seguro, simples, confiável e barato, dando início à revolução que colocou o mundo sobre rodas.

Para se ter uma ideia, naquela época os Estados Unidos contavam com menos de 30.000 km de estradas pavimentadas, o que tornava dirigir um desafio tanto para os veículos como para os motoristas. Feitos artesanalmente, os carros então eram vistos mais como um brinquedo de luxo – perigoso, barulhento e caro.

A partir de 1913, Henry Ford desenvolveu o processo de produção em série do Modelo T, que abriu as portas do mercado de massa para o automóvel. Com mecânica simples, robusto e fácil de manter, ele logo caiu no gosto popular. As várias melhorias introduzidas ao longo do tempo o deixaram mais confortável, rápido e econômico. O constante aperfeiçoamento do processo produtivo também trouxe a redução dos custos: lançado por 850 dólares, ele chegou ao último ano de produção, em 1927, custando 290 dólares.

Com essas qualidades, o Modelo T conquistou o público americano e de vários países. Entre seus primeiros proprietários estavam o cientista Thomas Edison e os astros de Hollywood Will Rogers, May Pickford e Douglas Fairbanks. Em 1919, a Ford foi a primeira fabricante de automóveis a se instalar no Brasil, com a produção desse veículo e do caminhão da linha.

Henry Ford e um dos exemplares do Ford T

Seu sucesso gerou também mudanças na estrutura da empresa, com a criação dos primeiros departamentos de cor e design. Em 1920, ele representava mais da metade dos veículos em circulação no mundo e somou mais de 15 milhões de unidades nos seus 19 anos de produção.

Como reconhecimento ao seu um impacto sem igual na história, o Modelo T foi eleito o “Carro do Século” pela Global Automotive Elections Foundation no ano 2000, por um júri de 132 jornalistas de 33 países. Ao quebrar a barreira das distâncias entre as pessoas que viviam isoladas nas comunidades, ele ajudou a transformar os hábitos e estabeleceu novos parâmetros para os sistemas de transporte em todo o mundo.

11:55 · 25.09.2018 / atualizado às 11:55 · 25.09.2018 por

O Hyundai Accent obtém zero estrela em adultos, enquanto o Ford Ka melhora no impacto lateral; a quinta série de resultados do ano do Programa de Avaliação de Veículos Novos para a América Latina e o Caribe, Latin NCAP, foi apresentada hoje com um fraco resultado para o Hyundai Accent e com melhoras na proteção do impacto lateral do Ford Ka

O Hyundai Accent, fabricado na Coreia do Sul, conseguiu zero estrela para a Proteção do Ocupante Adulto e uma estrela para a Proteção do Ocupante Infantil. O Accent é disponibilizado na sua versão básica sem airbags. O impacto da cabeça com o volante e a alta compressão no peito do motorista explicaram a baixa pontuação para o ocupante adulto, apesar da estrutura estável. O Accent não oferece ancoragens ISOFIX nem cintos de três pontos em todas as suas posições. Portanto, a fraca proteção apresentada pelo dummy de três anos e vários Sistemas de Retenção Infantil (SRI) que falharam na instalação explicam a única estrela a respeito da Proteção do Ocupante Infantil. O impacto lateral do Accent não foi realizado, devido a que o impacto frontal, no teste, foi de zero estrela para os adultos. O Accent é um modelo popular de táxis em alguns países do litoral pacífico da América Latina. A Hyundai surpreende com esse baixo resultado, já que o fabricante proporciona veículos com níveis altos de proteção no mercado europeu em modelos similares ou, inclusive, mais econômicos.

Ford Ka

O Ford Ka, fabricado no Brasil, ganhou três estrelas com relação à Proteção do Ocupante Adulto e quatro estrelas para a Proteção do Ocupante Infantil. O Ford Ka foi avaliado em 2017, conseguindo um decepcionante resultado de zero estrela para o adulto, devido ao baixo rendimento do impacto lateral. A Ford decidiu melhorar o impacto lateral do Ka e patrocinar uma nova avaliação no modelo 2018. O Ka, produzido desde 12 de junho de 2018 (a partir do VIN 9B9BFZH55U7K8206502), foi melhorado com reforços estruturais para a proteção dos impactos laterais no pilar B e elementos de absorção de energia nas portas para a proteção dos adultos. Assim, conseguiu, apenas, três estrelas para adultos, devido à fraca proteção no peito deles no impacto lateral. A proteção do ocupante infantil mostrou um resultado de quatro estrelas com proteção boa no teste de impacto frontal e lateral no dummy de três anos e no dummy de 18 meses. Ambos os dummies foram instalados utilizando ancoragens ISOFIX e Top Tether no caso do dummy de três anos, e com suporte para as pernas no caso do dummy de 18 meses. O Ka ainda oferece um cinto pélvico (dois pontos) no banco traseiro central em algumas versões.

16:20 · 20.09.2018 / atualizado às 16:21 · 20.09.2018 por

A Ford realizou com sucesso os primeiros testes em ruas públicas da China da tecnologia que permite ao veículo se comunicar com o ambiente ao redor via celular (C-V2X). A demonstração foi feita ao vivo, com carros da Ford, durante a Exposição Mundial de Internet das Coisas 2018, em Wuxi.
Primeira iniciativa do gênero na China, o projeto é um marco no desenvolvimento da tecnologia C-V2X, que terá um papel importante na melhoria da segurança automotiva, na redução dos congestionamentos e aprimoramento da direção autônoma em todo o mundo.


O C-V2X é uma tecnologia avançada de comunicação sem fio, permitindo que os veículos, a infraestrutura, os pedestres e todos os elementos do trânsito “falem a mesma língua” em tempo real. Assim, veículos, ciclistas, pedestres, semáforos e sinais de trânsito podem compartilhar informações sobre seu estado, localização e direção. Como o sistema também pode operar sem uma rede de celular, os alertas podem ser enviados em momentos críticos, quando são mais necessários.
Desde maio, a Ford realiza testes técnicos no projeto-piloto LTE-V2X em Wuxi – o primeiro do gênero em vias públicas no mundo – para avaliar o desempenho da tecnologia de carros conectados C-V2X. Esta é a primeira fase da tecnologia, que deve acompanhar a evolução do 4G para o 5G.
Junto com parceiros locais, como a Huawei e a China Mobile, a equipe da Ford estuda o comportamento dos motoristas e situações de trânsito na China e aplica a tecnologia C-V2X nos modos direto e em rede –– para desenvolver vários “casos de uso” com os recursos de comunicação veículo-infraestrutura (V2I), veículo-veículo (V2V) e veículo-pedestre (V2P).

15:15 · 08.08.2018 / atualizado às 15:15 · 08.08.2018 por
O Ford Escort, carro que foi objeto de desejo dos jovens nos anos 80, completou 35 anos de lançamento no Brasil. Além da carroceria inovadora de “dois volumes e meio”, com frente em cunha, faróis retangulares, janelas amplas e traseira curta, ele se destacava pela agilidade e economia. E ficou famoso principalmente pela versão esportiva XR3, que oferecia a opção conversível.
Lançado no Brasil em 1983, o Escort foi o primeiro carro mundial da Ford e marcou o surgimento dessa tendência, que buscava o compartilhamento de projetos e componentes para reduzir custos. Durante os 20 anos em que foi produzido, ele trouxe seguidas inovações para o mercado.
Quando chegou ao Brasil, o Escort já estava na terceira geração na Europa, onde fez grande sucesso. Equipado com motor transversal, tração dianteira e suspensão independente nas quatro rodas, calibrada para mercado brasileiro, tinha tamanho compacto (3,97 m) e o menor coeficiente aerodinâmico do país (0,385 Cx).
Numa época em que ainda não havia motores flex,Escort oferecia versões a álcool ou a gasolina dos modelos 1.3 e 1.6. O desempenho econômico, a direção leve e agradável, a ampla visibilidade, o baixo nível de ruído e o acabamento interno eram outros pontos elogiados do carro. A embreagem com ajuste automático de folga e a garantia de três anos contra corrosão eram outras novidades.
O Escort foi o primeiro carro brasileiro a oferecer simultaneamente a opção de duas ou quatro portas e tinha três versões de acabamento: básica, L e GL. A versão Ghia, de luxo, chegou depois com vidros e travas elétricos, vidros com efeito dourado, limpador de pára-brisa ajustável e indicadores de desgaste do freio, nível de combustível, óleo e líquido de arrefecimento. Os bancos de veludo e o relógio azul no teto eram itens adicionais de requinte.
Escort 1993
A versão esportiva XR3 (de Experimental Research 3) surgiu no mesmo ano e se tornou o ícone da linha, com quatro faróis auxiliares, aerofólio traseiro, teto solar, rodas de 14 polegadas no estilo “trevo de quatro folhas” e pneus de perfil baixo – outra novidade em carros nacionais. O motor 1.6 com calibração especial oferecia 10 cv a mais de potência. A versão Escort XR3 Conversível chegou em 1985 e tornou-se o sonho de consumo da época.
Em 1986 o Escort foi reestilizado, com mudanças no capô, grade, faróis, piscas e para-choques envolventes e passou a ser equipado somente com motor 1.6 e duas portas. Com a formação da Autolatina, em 1989 as versões XR3 e Ghia receberam o motor AP 1.8 e a família foi ampliada com um sedã de duas portas, o Verona.
Escort 1997
Em 1991 a linha ganhou um sedã de quatro portas, chamado Guarujá, produzido na Argentina, e a série especial Fórmula, com amortecedor eletrônico e bancos Recaro.
Novas gerações
Em 1993, o Escort chegou à segunda geração, com uma carroceria maior totalmente nova e interior modernizado. O XR3 recebeu motor 2.0 com injeção eletrônica e a carroceria antiga continuou a ser produzida na versão Hobby para o segmento de carros populares, com motor 1.6, depois trocado pelo 1.0.
Em 1996, com a criação do Mercosul, o Escort passou a ser produzido na Argentina com nova frente, motor 1.8 Zetec e o fim das versões XR3, Ghia e Hobby. No chamado modelo 1996 e meio, o hatch voltou a ter quatro portas e o nome Verona foi trocado por Escort Sedan. Foram introduzidos também a perua Escort Station Wagon e o esportivo hatch RS, com duas portas. Em 2000 o Escort ganhou a opção do motor Zetec Rocam 1.6 nacional, até o encerramento da produção em 2003.
Atualmente, a Ford usa o nome Escort em um sedã médio produzido na China, que não guarda nenhum parentesco com o antigo modelo mas também faz muito sucesso.
 
15:26 · 02.07.2018 / atualizado às 15:26 · 02.07.2018 por

O Ford Corcel, lançado há 50 anos, é um daqueles carros que marcaram época e entrou para a história como um dos maiores sucessos da marca no Brasil. Durante seus 18 anos de vida (de 1968 a 1986), ele somou 1,4 milhão de unidades produzidas e criou um novo padrão no segmento de carros médios, dando origem a uma família completa que incluiu a perua Belina, a picape Pampa, o sedan de luxo Del Rey e a perua Del Rey Scala.


O Corcel teve como base o chamado projeto “M”, que a Willys-Overland do Brasil desenvolvia em parceria com a Renault quando foi adquirida pela Ford em 1967. A versão final incluiu várias adaptações no motor, câmbio e suspensão para atender o mercado brasileiro e cumpriu a missão de ser o carro de volume da marca, emplacando 4.500 unidades logo no primeiro mês de vendas.


O nome Corcel, escolhido entre 400 opções, foi inspirado no sucesso do Mustang. Com linhas simples e equilibradas, o sedan familiar de quatro portas e tração dianteira surpreendia pelo espaço interno, pela visibilidade e pelo conforto dos bancos. A direção, mesmo sem ter assistência hidráulica, era leve de manobrar. Seu motor 1.3 foi o primeiro a trazer radiador selado, que dispensava a reposição de água.
Em 1969, a linha ganhou a versão de duas portas e a esportiva GT com teto de vinil, rodas especiais, faixas pretas no capô e nas laterais. No ano seguinte, foi lançada a perua Belina. A linha passou por duas reestilizações, em 1973 e 1975, e passou a oferecer a versão de luxo LDO, com teto de vinil.


Corcel II
Após 10 anos de sucesso, a grande remodelação da linha veio no final de 1977, com o Corcel II, trazendo uma carroceria totalmente nova de duas portas – a preferência na época –, nas versões L básica, LDO de luxo e esportiva GT. Por ser mais larga e mais baixa ela fazia o carro parecer maior, apesar de ter praticamente o mesmo comprimento.
A suspensão macia e resistente, a estabilidade, o nível de ruído e o interior confortável e elegante eram destaques. Suas inovações incluiam a ventilação dinâmica de grande vazão e o primeiro para-brisa laminado de série. Já nos primeiros dez meses de lançamento, o novo modelo atingiu o recorde de 100.000 unidades.

Perua derivada do Corcel, a Belina

Lançado com motor 1.4, o Corcel II passou a ser equipado em 1979 com um propulsor 1.6, mais potente. Em 1980, ele introduziu o 1.6 a álcool, considerado por muitos o melhor da indústria e um marco no desenvolvimento de motores com esse combustível no Brasil.
A versão Corcel II Hobby, com acabamento despojado e apelo jovem, foi lançada em 1980. No mesmo ano, a linha atingiu a marca de um milhão de unidades produzidas, inédita no Brasil para um carro médio. No ano seguinte, trouxe cintos dianteiros de três pontos e a opção de teto solar. Nessa época, foi oferecida também uma versão furgão da Belina, o Corcel II Van.

Picape Pampa, também derivada do Corcel

O Del Rey, sedan de luxo com quatro portas, foi outro membro de sucesso da família Corcel. Lançado em 1981, marcou época pelos itens de conforto e teve depois uma versão de duas portas. Em 1982 a linha gerou a picape Pampa, que também teve o nome inspirado em cavalos e fez muito sucesso. No ano seguinte, surgiu outra perua derivada da família: a Del Rey Scala.
Em 1984, o Corcel II passou a contar com o motor 1.6 CHT, nas versões a gasolina e a álcool. Outra grande inovação era a garantia de três anos contra corrosão, então a maior do mercado. Toda a linha foi reestilizada em 1985 e perdeu o “II” do nome, até o encerramento da produção em 1986.

Corcel 2
14:43 · 26.06.2018 / atualizado às 12:48 · 26.06.2018 por

A Ford Caminhões e a GTB ganharam o Leão de Prata em Cannes com o Boné Alerta, uma criação da Ford Caminhões que simboliza o espírito de inovação da marca pioneira do setor no Brasil. O prêmio, entregue na semana passada no Festival Internacional de Criatividade em Cannes, na França – principal evento global da indústria de comunicação e marketing – foi conquistado na categoria Brand Experience & Activation, concorrendo com outras 2.335 peças inscritas.


À primeira vista, o Boné Alerta parece um boné comum. No entanto, ele é capaz de interpretar os movimentos de cabeça do motorista por meio de sensores e avisa quando ele está com sono para fazer uma parada de descanso. O alerta é feito por três tipos de sinais: vibratório, visual e sonoro. Veja o vídeo


A criação do acessório foi precedida de um estudo para identificar os movimentos do caminhoneiro que fazem parte da sua rotina normal de trabalho e os que indicam sono. Essa base de dados depois foi transferida para a unidade central de processamento do boné, que funciona conectada a um acelerômetro e um giroscópio para identificar cada tipo de situação. A Ford é a primeira fabricante a pensar em um ‘wearable’ (tecnologia de vestir) para utilização enquanto o motorista está ao volante e que pode contribuir na prevenção de acidentes.

15:37 · 29.05.2018 / atualizado às 15:37 · 29.05.2018 por

Depois de apresentar o Ka FreeStyle à imprensa sul-americana no começo do ano, a Ford revela a versão final do novo utilitário compacto da marca, que chega ao mercado no segundo semestre. O modelo faz parte de uma nova categoria de veículos, incorporando atributos típicos de um utilitário, como robustez e altura elevada do solo, com uma proposta diferenciada de estilo, desempenho, segurança e conectividade


Embora compartilhe a plataforma e várias características responsáveis pela linha, o Ka FreeStyle tem uma identidade própria e grandes novidades. Traz o motor mais potente do segmento, o 1.5 Ti-VCT de três cilindros com 136 cv, nova transmissão automática de seis velocidades com opção de trocas manuais na alavanca e central multimídia SYNC 3 com tela capacitiva flutuante de 6,5 polegadas.
Conta também com carroceria e suspensão reforçadas e é o primeiro da categoria a oferecer seis airbags. Vem equipado ainda com controle de estabilidade e tração, assistente de partida em rampa, câmera de ré, sensor de estacionamento traseiro, rack de teto funcional, rodas de liga leve de 15 polegadas e interior exclusivo com bancos parcialmente em couro. A versão manual chega com o preço de R$63.490. Com a transmissão automática, disponível pela primeira vez na linha, sai por R$67.990.


Como oferta especial de lançamento, a Ford vai financiar o Ka FreeStyle automático com taxa zero em 24 meses e quem comprar o modelo na pré-venda vai ganhar as três primeiras revisões de graça, além de um bônus de R$2.000 na valorização do carro usado na troca.
“O Ka FreeStyle é um carro versátil que combina o melhor de dois mundos. É um hatch premium inspirado nos SUVs, capaz de atender tanto o lado aspiracional de estilo e aventura como as necessidades racionais de desempenho e economia para enfrentar o trânsito e os obstáculos do dia a dia”, diz Mauricio Greco, diretor de Marketing da Ford. “Ele foi desenvolvido com base em pesquisas para oferecer o que os consumidores hoje mais desejam na categoria.”


Estilo esportivo e refinado
O Novo Ka, de cuja plataforma deriva o Ka FreeStyle, é um carro global que será vendido em 125 países, na América do Sul, Ásia e Europa. O Ka FreeStyle, que na Europa levará o nome Active, foi desenvolvido pela engenharia brasileira em parceria com a Ásia, com foco nos consumidores que buscam um veículo com posição mais alta de dirigir, robusto, resistente, com melhor visibilidade, potente, seguro, aventureiro, espaçoso, confiável e dinâmico.
O Ka FreeStyle chama a atenção pelo estilo esportivo e bem acabado, alinhado ao DNA global de design da marca. A dianteira tem grade em formato colmeia pintada em cinza perolizado, faróis com máscara negra e moldura cromada. O para-choque traz um elemento gráfico em formato de C nas laterais, com os faróis de neblina do tipo canhão integrados. Uma moldura preta em torno da carroceria realça a sua posição elevada. Os retrovisores trazem piscas integrados e o rack de teto com design aerodinâmico suporta até 50 kg para transportar equipamentos. As rodas são de liga leve de 15 polegadas, com pintura cinza perolizada.


A fluidez das linhas não fica só na aparência: o desenvolvimento feito com testes em túnel de vento reduziu o coeficiente de arrasto aerodinâmico da carroceria para 0,33 Cx. Além da cor de lançamento marrom Trancoso perolizada, o Ka FreeStyle é disponível em outras cinco tonalidades: a sólida branco Ártico, as perolizadas preto Bristol, cinza Copenhagen e cinza Moscou e a metálica prata Dublin.
O interior também traz uma combinação exclusiva de cores, com teto preto e marrom escuro aplicado no painel, moldura do console e frisos das portas. Os bancos são revestidos em couro e tecido, com duas faixas em tom mais claro no centro e pespontos do mesmo tom. A central multimídia com tela de 6,5 polegadas tem acabamento em preto perolizado que não deixa marcas das mãos. O console incorpora duas entradas USB iluminadas de carregamento rápido e bandeja para celular.
As soleiras exibem apliques escovados com o nome FreeStyle. Os tapetes de borracha da cabine e do porta-malas são igualmente personalizados e têm um formato que facilita a limpeza.


Novo motor e câmbio automático
O Ka FreeStyle tem o melhor desempenho da categoria, com o novo motor 1.5 Ti-VCT Flex de três cilindros da família global Ford, com potência de 136 cv, também usado no EcoSport. A apenas 1.500 rpm ele já fornece 85% do torque máximo, de 158 Nm. É o motor com a maior potência e torque específicos do segmento – 90 cv/l e 105 Nm/l – e também tem baixo consumo.
Além de baixo peso e volume, suas inovações incluem quatro válvulas por cilindro com controle independente na admissão e escape, coletor de escape integrado ao cabeçote, bomba de óleo com controle variável de pressão e sistema de partida a frio Ford Easy Start, sem tanque auxiliar de gasolina.
A nova transmissão automática de seis velocidades (6F15), com conversor de torque integrado, tem funcionamento suave e silencioso, com a opção de trocas manuais na alavanca. Seu sistema eletrônico avançado de controle hidráulico conta com sete solenóides. A transmissão manual MX65 também é nova, com vários avanços para oferecer precisão, economia e baixo nível de ruído, incluindo peso reduzido e primeira, segunda e terceira marchas com dupla sincronização.
O Ka FreeStyle também é o carro mais silencioso da categoria. Seu pacote acústico inclui reforços estruturais na carroceria, para-brisa acústico e nova calibração das buchas da suspensão para redução dos ruídos de rodagem.


Estrutura
A configuração de engenharia exclusiva reforça o caráter de utilitário do Ka FreeStyle. Além de maior altura livre do solo, de 188 mm, tem bitola ampliada em 30 mm que favorece a estabilidade. Conta também com eixo traseiro 30% mais rígido e barra estabilizadora de diâmetro maior (23 mm).
A suspensão com amortecedores e molas recalibrados e os pneus maiores, medida 185/60 R15, contribuem para a robustez e o comportamento suave em superfícies ásperas. A direção elétrica também tem uma calibração única, com maior progressividade de acordo com a velocidade e sistemas inteligentes que compensam vibrações e variações causadas pela inclinação da pista, vento e suspensão. Os coxins do motor possuem amortecimento hidráulico.
O modelo vem equipado com controle eletrônico de estabilidade e tração e um sistema de proteção anticapotamento (ARP – Active Rollover Protection) com sensor de deriva, que estima a rolagem da carroceria em função da aceleração lateral e, se necessário, aciona os freios individualmente e reduz a potência do motor para garantir o controle.
A estrutura da carroceria do Ka FreeStyle é reforçada com a aplicação de aços especiais e reforços adicionais nos pilares, no teto e no assoalho. Algumas peças tiveram sua espessura ampliada em até 1,2 mm. Também é o único da categoria com seis airbags – frontais, laterais e de cortina.
Assistente de partida em rampa, câmera de ré, sensor de estacionamento, setas nos retrovisores, alarme volumétrico e ganchos Isofix para cadeiras infantis são outros itens de segurança.
Nova geração de conectividade
O Ka FreeStyle vem com SYNC 3, a central multimídia de última geração da Ford, com tela flutuante sensível ao toque de 6,5 polegadas e recursos avançados de conectividade. Ela é compatível com Android Auto, Apple CarPlay e dá acesso a vários aplicativos. Entre outras funções, é o único que permite a sincronização do Waze com aparelhos iPhone, além de Android, pela interface SYNC AppLink. Tem interface gráfica de alta velocidade, sistema de reconhecimento de voz aprimorado, atualização via USB e duas portas USB no painel para carga rápida de celulares.
“A versão FreeStyle é mais um marco na história de sucesso do Ka, que é um dos líderes do mercado e já vendeu 440.000 unidades da nova geração global no Brasil”, completa Mauricio Greco. “Hoje, só 5% dos hatches compactos oferecem as características de utilitário desejadas pelos consumidores. Acreditamos que, com uma oferta adequada, esses modelos podem chegar a 22% das vendas do segmento.”

11:06 · 02.05.2018 / atualizado às 11:06 · 02.05.2018 por

O ronco poderoso do motor V8 é uma das assinaturas do Mustang GT que empolga os fãs e faz o carro ser notado em qualquer lugar. O novo modelo 2018, recém-lançado no Brasil, leva esse sentido a um novo patamar com a válvula ativa de escapamento, tecnologia avançada que também se baseia em conhecimentos ancestrais


A descarga de adrenalina provocada pelo som do escape do Mustang GT clique aqui usa o mesmo princípio que nos faz pular ao ouvir um trovão. A chamada resposta autonômica remonta à pré-história, quando os humanos aprenderam a reagir rapidamente a sons altos e poderosos, como o rugido de um leão ou a queda de uma árvore. Com o tempo, essa resposta de luta ou fuga para evitar o perigo foi transmitida ao nosso DNA.
A conexão entre os sons e as nossas reações emocionais chamou a atenção de um crítico de música do século 18 chamado Friedrich Marpurg, um dos primeiros nos tempos modernos a documentar as respostas emocionais provocadas por diferentes sons. Os engenheiros de áudio hoje exploram os mesmos conceitos ao criar sons para tudo, desde filmes e música até carros, celulares e eletrodomésticos.
“Nossa conexão com o som começa no ventre da nossa mãe, muito antes de outros sentidos”, diz Steve Venezia, veterano engenheiro de produção de televisão em Los Angeles. “Mais tarde, o som continua a ser um dos sentidos mais poderosos para criar memórias duradouras, como uma música que lembra um momento feliz da nossa vida.”


Além dos aspectos básicos do som – volume, tom, estruturas harmônicas simples ou complexas –, o truque para criar experiências sonoras empolgantes, segundo Venezia, começa com um som de base autêntico, adicionando-se então camadas para intensificar suas particularidades.
Assim, aquele toque familiar do seu smartphone não é mero acaso: ele foi projetado cuidadosamente para ser agradável e alegre, conforme a teoria de Marpurg.
DNA sonoro
Na Ford, os projetistas de áudio buscam outro tipo de som para criar a sensação de potência e desempenho. “Diferentemente de outras áreas da engenharia, que trabalham com especificações baseadas em números, trabalhamos para identificar o DNA sonoro que conecta os motoristas à emoção que eles esperam de cada carro”, diz Hani Ayesh, engenheiro de desenvolvimento de escapamento da Ford.
O sistema de escapamento ativo do Mustang GT é controlado por computador e abre válvulas – como um saxofone ou órgão de tubos – para adequar o som do carro ao humor do motorista. Ele tem quatro níveis selecionados por uma tecla no console: Normal, Esportivo, Pista e Silencioso, este último conhecido também como modo “bom vizinho”.


O engenheiro explica as diferenças fazendo uma analogia simples com uma guitarra. “Toque um acorde no violão e você terá uma onda de som simples e limpa – é o estilo suave de Brahms. Ligue a guitarra a um amplificador e aumente o volume para 11 e terá o som agressivo e estridente que realmente agita sua alma. Nós chamamos isso de modo Pista”, diz. “Quando pego meus filhos na escola, eles querem ouvir o ronco do motor. Mas minha esposa e vizinhos, nem tanto, e posso usar o modo ‘bom vizinho’ para eles ficarem contentes também.”

12:21 · 26.04.2018 / atualizado às 12:21 · 26.04.2018 por

A Ford comemorou hoje três marcos importantes da fábrica de Taubaté, no interior paulista: os 50 anos de operação da unidade e o início da produção local do motor 1.5 Ti-VCT Flex de três cilindros e da nova transmissão manual MX65. Além do presidente da Ford América do Sul, Lyle Watters, o evento contou com a presença do governador do Estado de São Paulo, Márcio França, do prefeito de Taubaté, José Bernardo Ortiz Junior, e outras autoridades, executivos, sindicalistas e empregados.


O motor 1.5 Ti-VCT Flex de três cilindros, que hoje equipa o EcoSport, também será oferecido em breve no Ka FreeStyle, mais novo utilitário compacto global da marca, junto com a transmissão MX65. O Brasil foi o primeiro a lançar o novo propulsor global e agora será um dos únicos a produzi-lo, ao lado da China, do México e da Índia, país de onde ele era importado até então.
Primeiro 1.5 do mundo com três cilindros, ele oferece um nível inédito de potência e economia de combustível, seguindo a tendência conhecida como “downsizing”. Com 91,5 cv por litro, é o motor naturalmente aspirado com a maior potência específica do mercado.


“A produção local do novo motor e da nova transmissão é mais uma prova do foco da Ford em servir os consumidores com produtos versáteis, que oferecem grande economia de combustível sem comprometer a performance e o prazer de dirigir”, disse Lyle Watters. “Para isso, fizemos significativos investimentos em equipamentos, sistemas e melhoria de processos que estão totalmente alinhados com os conceitos da Indústria 4.0. E investimos também no nosso recurso mais valioso – as pessoas –, com um amplo programa de mais de 250 mil horas de treinamento.”
Indústria 4.0
Para a produção do novo motor e da nova transmissão em Taubaté, a Ford investiu em equipamentos e processos que seguem o conceito de Indústria 4.0 para garantir o alto nível de eficiência e qualidade da operação. Entre as novidades, estão a instalação de 30 robôs e uso da tecnologia de rastreamento QR Code na linha de motores, além de 19 robôs e solda a laser na unidade de transmissões.
Além de flexibilidade para a produção de motores de três e quatro cilindros na mesma linha, a fábrica tem 100% dos equipamentos conectados via wi-fi para monitoramento on-line da produção, da qualidade e da manutenção de máquinas e equipamentos.
“Nós atualizamos 100% do nosso parque fabril em Taubaté, com automação das linhas de usinagem e montagem, e melhoramos o fluxo de materiais, totalmente integrado ao conceito de manufatura enxuta, proporcionando eficiência nos processos e alta produtividade. Assim, estamos alinhados ao que existe de mais avançado na Ford no mundo, com o mesmo padrão de qualidade de mercados como os Estados Unidos, Alemanha e China”, disse Rogelio Golfarb, vice-presidente de Assuntos Governamentais, Comunicação e Estratégia da Ford América do Sul.
Segundo ele, a Ford tem uma grande tradição no desenvolvimento de motores, sendo um dos destaques o 1.0 Ti-VCT Flex de três cilindros que equipa o Ka e contribuiu para a marca exceder as metas de eficiência energética do programa Inovar-Auto.
Desempenho e eficiência
Com potência de 137/130 cv e torque de 158/153 Nm (com etanol/gasolina), o novo motor 1.5 Ti-VCT Flex de três cilindros produzido pela Ford em Taubaté tem um desempenho que supera inclusive concorrentes de quatro cilindros e maior cilindrada. Usando bloco de alumínio e tecnologias avançadas, como duplo comando de válvulas e correia imersa em óleo, também é mais econômico no consumo de combustível, com classificação A no Inmetro/Conpet, responsável pela medição da eficiência energética dos veículos no mercado brasileiro.
A nova transmissão manual MX65 de cinco velocidades incorpora vários avanços construtivos que contribuem para aprimorar a eficiência e a dirigibilidade do veículo, aproveitando ao máximo a potência do motor. Ela tem um design menos complexo, um processo de manufatura mais enxuto e pesa 8 kg a menos que a transmissão IB5. Além do Brasil, é fabricada também na França e na Índia.
Tradição de qualidade
Ao longo de suas cinco décadas de história, o complexo industrial da Ford em Taubaté registrou vários marcos, sendo reconhecido internacionalmente pelo alto padrão de qualidade e eficiência na produção de motores, transmissões e componentes automotivos. Entre outros produtos, já forneceu motores para o Mustang nos Estados Unidos e para o Focus montado na Europa, além de vários modelos de sucesso produzidos no Brasil e América do Sul, como Maverick, F-1000, Escort, Fiesta, Ka, Focus e EcoSport.
A fábrica tem recebido constantes investimentos em novas tecnologias, aquisição de equipamentos e treinamento de pessoal e hoje soma uma produção total de cerca de 8 milhões de motores e 7 milhões de transmissões. Além de contar com times altamente especializados e dedicados, ela é um exemplo de preservação ambiental, com a manutenção de ampla área verde e um lago que servem de abrigo para espécies de aves nativas.

11:45 · 18.04.2018 / atualizado às 11:45 · 18.04.2018 por

A Ford anunciou um novo pacote de ofertas da Ranger 2018 válido para o mês de abril que inclui desconto especial para produtores rurais, além da opção de financiamento com taxa zero e bônus de até R$10.000 na troca do veículo usado, conforme o modelo.
A principal oferta é a da Ranger XLS 2.2 Diesel 4×4 automática, com um desconto de 22% para produtores rurais. Com isso, o modelo que tem preço à vista de R$161.590 sai por R$126.040. Conhecida pela eficiência do motor Duratorq de 160 cv com transmissão automática de seis velocidades e tração 4×4 com reduzida, a picape já vem equipada com 7 airbags, controle eletrônico de estabilidade e tração AdvanceTrac, piloto automático, rodas de liga leve de 17 polegadas e central multimídia SYNC, entre outros itens.


Ranger Limited
A versão de topo da Ranger, a Limited 3.2 Diesel 4X4 automática, oferece financiamento com taxa zero e bônus. Com preço à vista a partir de R$181.490, ela pode ser adquirida com entrada de R$139.747,30 e saldo em 36 parcelas de R$ 1.215,00. E o cliente ainda conta com um bônus de até R$ 10.000 na troca do seu veículo usado.
A Ranger Limited 3.2 Diesel 4×4 automática é disponível também no plano sazonal, para produtores rurais. Com ele, o cliente dá uma entrada de R$90.745 e o saldo é financiado em seis parcelas semestrais de R$19.240 (taxa de 0,99% ao mês).
Equipada com motor de 200 cv, a Ranger Limited vem completa: tem bancos de couro com ajuste elétrico em oito posições, central multimídia SYNC 3 com tela de 8 polegadas, sistema de permanência em faixa, rodas de liga leve de 18 polegadas, santantônio, capota marítima e protetor de caçamba.

Versão Flex

A Ranger XLT 2.5 Flex, com preço à vista a partir de R$117.990, também conta com bônus de até R$10.000 na valorização do carro usado do cliente na troca. Com motor de 173 cv e transmissão manual, ela traz bancos de couro, 7 airbags, controle de estabilidade e tração, SYNC 3 com tela de 8 polegadas e câmera de ré.

Pesquisar

Blog do Automóvel

Blog da editoria Auto, do Diário do Nordeste, para coberturas em test drive, lançamentos de automóveis e salões e notícias sobre carros, motos e outros veículos.
Posts Recentes

12h10mNovo Camaro vai ser destaque no Salão do Automóvel de São Paulo 2018

11h10mAudi mostra sua linha de SUVs na Chapada dos Veadeiros, em Goiás

02h10mConfira detalhes do primeiro carro elétrico feito no Brasil

10h10mSalão do Automóvel de São Paulo com novo lote de ingressos disponível

10h10mSetor de locação foi responsável por 1 em cada 4 veículos emplacados no primeiro semestre de 2018

Ver mais

Tags

Categorias
Blogs