Busca

Categoria: História


15:01 · 20.04.2017 / atualizado às 15:01 · 20.04.2017 por
Na próxima terça-feira, dia 25 de abril, o sambódromo do Anhembi recebe o “Galaxie Night”, um dos eventos mais tradicionais do Auto Show Collection, evento semanal de carros antigos do sambódromo do Anhembi. Nesta edição, o evento realizará uma homenagem aos 50 anos do lançamento do modelo no Brasil. Lançado no país no Salão do Automóvel de 1966 como modelo 1967, o Galaxie é considerado o carro mais luxuoso já fabricado no mercado brasileiro

O evento organizado em conjunto com o Galaxie Clube do Brasil, reunirá as principais versões fabricadas no país desde o modelo 500, o raro STD, ao LTD e o topo de linha Landau, além de versões importadas do full size. São esperados cerca de 120 exemplares da linha Galaxie além de outros modelos clássicos da Ford.
O Auto Show Collection é o maior evento periódico de carros antigos do país e reúne cerca de 6.000 pessoas a cada edição nas noites de terça-feira, no sambódromo do Anhembi. Além do evento temático, o encontro terá a tradicional exposição de veículos antigos e especiais, área para carros customizados e outras atrações como o mercado de peças, área de compra e venda de veículos, área de modelismo, praça de alimentação, espaço para food trucks (Auto Show Food Park), cervejaria artesanal, entre outros.
Trajetória de sucesso: O Galaxie nacional lançado como modelo 1967 era idêntico ao modelo norteamericano. Confortável, luxuoso e moderno, tinha motor V8 com tração traseira, grandes dimensões e impressionava não só pelo porte mas pela atualidade do projeto. Concorreu com os modelos da Dodge (especialmente o Gran Sedan) que desembarcaram aqui em 1969, e com as versões mais luxosas do Opala, bem como com o Alfa Romeo 2300. Com o tempo, a necessidade de atualizar seu projeto e prejudicado pela crise do petróleo, foi perdendo suas versões até ficar somente com o Landau a partir dos anos 1980. Foi descontinuado em abril de 1983 após 77,8 mil unidades produzidas, enquanto nos EUA o Galaxie já estava fora da linha de produção desde 1974.
A programação completa do Auto Show Collection está disponível no site oficial do evento www.autoshowcollection.com.br
Serviço:
Auto Show Collection
Local: Sambódromo de SP
Av. Olavo Fontoura, 1209 (entrada pelo portão 23 )
Toda terça das 18h às 23h
Serviços: área de exposição, mercado de peças, praça de alimentação, área de Food Trucks (Auto Show Food Park), área de compra e venda de veículos antigos e importados, música ao vivo e rádio feira.
Preços: Carro visitante R$ 40; Carro antigo com placa preta R$ 30; Motocicleta R$ 25; Passageiro no carro além do motorista +R$ 10; Pedestre R$ 25 (meia Entrada para Crianças de 07 a 12 anos, pessoas com necessidades especiais de locomoção e idosos) 09 (entrada pelo portão 23 )
Toda terça das 18h às 23h
18:52 · 25.12.2016 / atualizado às 18:52 · 25.12.2016 por

A Honda anuncia que alcançou o volume acumulado de 100 milhões de automóveis produzidos. O desempenho em produção global indica a aceitação de clientes de vários países do mundo em relação aos diferenciais da marca

Carro histórico feito pela Honda, o Strip
Primeiro carro produzido pela marca, o mini utilitário T360

A trajetória da empresa no segmento de automóveis teve início em 1963, com o mini utilitário T360, o primeiro Honda a ser produzido em larga escala, na fábrica de Saitama. No mesmo ano, a empresa iniciou a produção do esportivo S500 na fábrica de Hamamatsu.
No ano seguinte, 1964, com o intuito de expandir a produção de automóveis em larga escala, a Honda empregou todo seu conhecimento e tecnologias na construção da primeira unidade dedicada exclusivamente à produção de automóveis: a fábrica de Sayama. O primeiro modelo produzido no local foi o esportivo S600.
Em 1967, a empresa iniciou a produção do N360, o primeiro miniveículo da marca. Desde então, o volume acumulado de produção vem crescendo, ao passo que a Honda aprimora sua linha de produtos com importantes modelos globais, apreciados por clientes de todo o mundo, como Civic, Accord, CR-V e Fit. Além destes, modelos regionais foram desenvolvidos considerando as características de cada local onde os automóveis são comercializados.

honda_strip_74957_0_web
Sempre atenta à natureza global de suas operações, a empresa, em 1969, iniciou a produção do N600 e do mini utilitário TN360 em Taiwan, com a assinatura de um acordo de cooperação técnica com uma empresa local, que veio a se tornar a primeira unidade produtiva de automóveis da Honda fora do Japão. Ainda buscando aumentar sua competitividade internacional, em 1982, a empresa expandiu sua atuação em mercados estrangeiros com o início da produção do Accord em Ohio, Estados Unidos. O veículo foi o primeiro da marca a ser produzido por uma subsidiária própria da marca fora do Japão e o primeiro carro para quatro passageiros feito nos Estados Unidos por uma fabricante japonesa.
Seguindo a abordagem de “produzir onde está o público consumidor” e buscando oferecer produtos apropriados para atender as necessidades dos clientes em todo o mundo, a Honda ampliou suas operações de produção de automóveis para diferentes regiões do mundo, incluindo Ásia, Europa e América do Sul.
Nos últimos anos, a empresa vem buscando o estabelecimento de um sistema de produção flexível e mutuamente complementar, que utiliza as 34 operações de produção automotiva da Honda em 18 países e territórios. Através dessas iniciativas, a marca atingiu o volume de produção de 100 milhões de unidades de automóveis, 54 anos depois que o primeiro carro saiu de sua linha de montagem.
“Graças à confiança de nossos clientes em todo o mundo, a Honda foi capaz de entregar 100 milhões de automóveis globalmente. O desejo de nosso fundador, Soichiro Honda, de contribuir com a vida das pessoas, auxiliando-as em suas atividades diárias, e perseguir a alegria da mobilidade tem sido herdado pelos colaboradores da Honda como o ponto de partida para o desenvolvimento e fabricação de nossos produtos”, afirma Takahiro Hachigo, CEO mundial da Honda.

11:47 · 26.10.2016 / atualizado às 11:47 · 26.10.2016 por
Colecionador e organizador do Encontro, Egídio Pelúcio, a bordo do Willys 1951
Colecionador e organizador do Encontro, Egídio Pelúcio, a bordo do Willys 1951, uma raridade

A décima edição do Encontro Jeep Willys será realizada neste sábado, a partir das 8h da manhã, rumo a cidade de Maranguape e finalizando no iPark. Willys históricos estarão no comboio, que vai contar também com Jeeps Renegade, totalizando 80 jeeps. Exemplares de 1942, com características militares, passando pelo 1951 e indo até uma unidade de 1983. A iniciativa é do colecionador Egídio Pelúcio.

Egidio Pelúcio e o gerente de Vendas da concessionária Via Sul Jeep, Jandré Araújo
Egidio Pelúcio e o gerente de Vendas da concessionária Via Sul Jeep, Jandré Araújo, que deu apoio ao Encontro de Willys e está realizando o I Jeep Day, com o Renegade

O recém lançado Renegade estará presente, com cerca de 30 veículos, no I Jeep Day, uma iniciativa da concessionária Via Sul Jeep. “O antigo e o novo estarão unidos, no mesmo intuito, a história e a preservação do Willys”, comenta Egídio Pelúcio. São dez anos de Encontro, com amigos e admiradores de Jeep Willys. Tudo começou em 2007, numa brincadeira onde se juntaram cem Jeeps e, a partir daí, todo ano é realizado. Egídio conta que a paixão pelo Willys nasceu ainda na infância, com o pai e a maior paixão fica com o exemplar 1951, ano em que nasceu.

Detalhes de um mito
Detalhes de um mito
Exemplar na cor azul que vai participar do comboio
Exemplar na cor azul que vai participar do comboio

 

Willys, Jeep nasceu durante a Segunda Guerra Mundial
Willys, Jeep nasceu durante a Segunda Guerra Mundial
12:33 · 12.07.2016 / atualizado às 12:33 · 12.07.2016 por

Sedan já acumula mais de 1 milhão de unidades vendidas desde o seu lançamento
Voyage foi totalmente projetado e desenvolvido no Brasil; ao longo de sua história, já teve mais de 410 mil unidades exportadas para 61 países
O nome Voyage significa “viagem” em francês, e foi escolhido para o carro pela conotação com qualidades como charme e beleza

Voyage 1981
Voyage 1981

Há 35 anos, em julho de 1981, as concessionárias Volkswagen no Brasil começavam a receber as primeiras unidades do Voyage. Derivado do Gol, o sedan já acumula mais de 1 milhão de unidades vendidas ao longo de sua história. Oferecido inicialmente apenas com carroceria de duas portas, o Voyage foi lançado nas versões S e LS, com opção de motores movidos a álcool ou a gasolina, ambos de 1,5 litro e refrigerados a água. O câmbio era de quatro marchas.

Por dentro da primeira edição do sedan da Volkswagen
Por dentro da primeira edição do sedan da Volkswagen

Como o Gol, o Voyage foi totalmente projetado e desenvolvido no Brasil e, ao longo de sua história, já teve mais de 410 mil unidades exportadas para 61 países. Quinto modelo Volkswagen mais vendido do mercado brasileiro, o Voyage registrou 14.102 unidades comercializadas no mercado nacional no acumulado do primeiro semestre de 2016.
A produção do Voyage teve início na fábrica da Volkswagen em São Bernardo do Campo, que fabricou 340.891 unidades do carro em dois períodos: entre 1981 e 1987 e entre 1990 e 1996. Nos anos de 1988 e 1989 o carro foi produzido na fábrica de Taubaté, no interior do estado de São Paulo. Desde 2008, o modelo é produzido exclusivamente na unidade de Taubaté, na mesma linha em que é fabricado também o Novo Gol.

Voyage 1984
Voyage 1984

O nome Voyage significa “viagem” em francês e foi escolhido para o carro pela conotação de qualidades como charme e beleza. O Voyage apresenta design versátil com formas, linhas e proporções harmônicas, combinando uma imagem clássica com modernidade.
Pelo mundo
Uma curiosidade sobre as exportações do Voyage é que o sedã somente é comercializado com este nome na Argentina, onde também foi vendido com o nome Gacel (‘gazela’, em espanhol). Nos demais países da América do Sul, América Central e México, o Voyage é conhecido como Gol Sedan.
Já nos Estados Unidos e no Canadá, onde foi vendido durante um período de sete anos (de 1987 a 1993), foi chamado de Fox (o atual modelo com este nome ainda não existia) e somou mais 202 mil unidades comercializadas. Na ocasião, o Voyage exportado já contava com uma novidade para a época que era um inédito sistema de injeção de combustível. Em relação às versões comercializadas no Brasil, os modelos receberam aproximadamente 2.000 modificações, incluindo suspensão e câmbio de quatro marchas com “overdrive” (longo).

Modelo 1992
Modelo 1992

Atualmente, o Voyage é exportado para oito países: Argentina, México, Bolívia, Chile, Colômbia, Peru, Paraguai e Uruguai. Entre os 61 países onde o Voyage já foi comercializado estão Egito, Haiti, Libéria, Bahamas, Angola e Jordânia.
Evolução constante
A versão inicial do Voyage passou por inúmeras atualizações ao longo de sua história, marcada também por várias séries especiais, a começar pelo Voyage Plus, de 1983, e o Voyage Los Angeles, caracterizado pela cor azul metálica, que homenageava os Jogos Olímpicos realizados na cidade americana. Sua produção se estendeu até 1996, quando o modelo foi substituído no portfólio da Volkswagen pelo recém-chegado Polo Classic.

Modelo retornou ao  mercado em 2008
Modelo retornou ao mercado em 2008

Em 2008, com plataforma totalmente nova e desenvolvido simultaneamente com a quinta geração do Gol, o Voyage retornou ao mercado, trazendo motor transversal, maior espaço interno e tecnologia e conforto condizentes com os novos níveis de exigência do mercado brasileiro do século 21. Oferecido com motores TotalFlex 1.0 e 1.6, a partir do ano seguinte ele também passou a contar com a opção da transmissão automatizada I-Motion.
De lá para cá, ano a ano, o sedan vem se modernizando e inovando sua categoria. Seja em estilo ou em equipamentos de série. No início de 2016, o sedã recebeu na linha 2017, entre outras novidades, a evolução de design, um interior completamente novo e passou a contar com a tecnologia Volkswagen App-Connect, a mais inovadora em sistemas de infotainment no mercado, tornando-se o sedan mais conectado no mercado brasileiro.

 

Versão 2012
Versão 2012

Cronologia
1981 – Lançamento do sedan, com duas portas, motor de 1,5 litro refrigerado a água (o mesmo usado no VW Passat) a álcool ou gasolina, nas versões S (Super) e LS (Luxo Super)
1982 – Eleito Carro do Ano pela revista AutoEsporte. Início da fabricação também na Argentina, onde foi inicialmente comercializado com o nome Gacel, e da exportação para países da América do Sul com os nomes Senda e Amazon
1983 – Primeira série especial, o Voyage Plus. Motor passa a ser 1.6
1984 – Lançamento da versão com quatro portas. Série especial Los Angeles, homenagem aos Jogos Olímpicos realizados nos Estados Unidos, na cor azul metálico e equipamento diferenciado como bancos Recaro e aerofólio traseiro (limitada a duas mil unidades). Câmbio de cinco marchas passa a ser oferecido como opcional
1985 – Passa a utilizar os motores AP (alta performance) 1.6 e 1.8
1986 – Série especial “GLS Super” com motor 1.8
1987 – Início das exportações para os Estados Unidos (Projeto 99), juntamente com a Parati. Durante sete anos, rebatizado de Fox, o Voyage, teve 202.062 unidades exportadas para os EUA. Para atender às exigências legais e do mercado americano, as versões CL (Comfort Luxo), GL (Gran Luxo) e GLS (Gran Luxo Super) passaram por aproximadamente 2.000 modificações, incluindo mudanças na suspensão, câmbio de quatro marchas com overdrive, novos faróis, lanternas e para-choques
1990 – Comemoração da produção de 600.000 unidades do Voyage no Brasil.
1991 – Nova dianteira: mudanças nos faróis, lanternas, grades, capô e para-lamas. O Voyage atinge a marca de 700.000 unidades produzidas, dessas mais de 400.000 foram destinadas ao mercado interno e o restante para o externo, principalmente para os Estados Unidos, e Argentina (onde recebeu o nome de Gacel e Senda), além de outros países da América Latina, África e Europa. Até 1991 a VW já havia exportado mais de 170 mil unidades para os EUA.
1993 – Série especial Sport, com motor 1.8
1994 a 1995 – Novas cores e revestimentos. Novos rádio e toca-fitas, como itens opcionais
1996 – A produção do Voyage é encerrada após 465.176 unidades fabricadas, dando lugar ao Polo Classic
2008 – Volta do Voyage após 12 anos de ausência do mercado. Desenvolvido juntamente com o Gol, o carro tem motor transversal 1.0 ou 1.6 e linhas completamente novas.
2009 – Versão I-Motion, com câmbio automatizado ASG e motor 1.6
2010 – Novos equipamentos de série: temporizador do limpador do para-brisa, Módulo Alto-falantes e o Módulo Preparação, nas versões 1.0 e 1.6
2012 – Alcança o marco de 1 milhão de unidades produzidas no Brasil. Sedã passa a contar com design global e equipamentos inéditos. Novo Voyage traz a nova geração de motores 1.0l, da família EA111. O novo propulsor traz a nova denominação TEC (Tecnologia para Economia de Combustível).
2014 – passam a utilizar nomenclatura global para diferenciar suas respectivas versões: Trendline, Comfortline e Highline. E mais: com a linha 2015, a Volkswagen lança o Voyage Evidence, posicionado acima da versão Highline

 

Versão atualizada, 2016
Versão atualizada, 2016

2016 – Modelo recebe evolução de design, interior completamente novo e a tecnologia Volkswagen App-Connect, a mais inovadora em sistemas de infotainment no mercado. Estreia do motor 1.0l de três cilindros Total Flex (82 cv) na linha Voyage.

Por dentro, mais tecnologia na versão 2016
Por dentro, mais tecnologia na versão 2016

 

Traseira moderna da versão 2016
Traseira moderna da versão 2016
15:19 · 13.05.2016 / atualizado às 15:19 · 13.05.2016 por
14:34 · 22.02.2016 / atualizado às 14:34 · 22.02.2016 por

A história e a relevância do carro da Volkswagen na indústria automotiva brasileira:

GOL

Ano do nascimento do Gol, em 1980
Ano do nascimento do Gol, em 1980, no lugar do Fusca

 

O Gol é o modelo mais vendido, produzido e exportado na história do Brasil.

Histórico:

  • 1980: Nasce o Gol, como substituto do Fusca
  • 1982: Formada uma família, com Voyage, Parati e Saveiro
  • 1984: Ganha a versão GT, um esportivo de verdade
  • 1987: Assume a liderança de vendas no Brasil
  • 1988: Primeiro com injeção eletrônica no País (Gol GTI)
  • 1994: Gol “Bolinha” 2ª geração
  • 1999: 3ª geração: novos padrões de qualidade e design
  • 2001: Feito histórico: Gol ultrapassa vendas do Fusca (3,2 milhões)
  • 2003: Pioneiro na tecnologia TotalFlex
  • 2005: 4ª geração: linhas mais limpas
  • 2008: Total renovação: 5ª geração
  • 2013: 27 anos consecutivos na liderança; Família chega a 10 milhões de unidades produzidas
  • 2015: 35 anos do Gol; Liderança de vendas na Argentina

 

1984: Ganha a versão GT, um esportivo
1984: Ganha a versão GT, um esportivo
1987: Assume a liderança de vendas no Brasil
1987: Assume a liderança de vendas no Brasil
1994: Gol "Bolinha" 2ª geração
1994: Gol “Bolinha” 2ª geração

 

1999: 3ª geração: novos padrões de qualidade e design
1999: 3ª geração: novos padrões de qualidade e design
2005: 4ª geração: linhas mais limpas
2005: 4ª geração: linhas mais limpas
2008: Total renovação: 5ª geração
2008: Total renovação: 5ª geração

 

Evolução do Gol em 35 anos
Evolução do Gol em 35 anos

 

Família Gol: Mais de 11 milhões de unidades produzidas

  • Gol: 7,8 milhões de unidades
  • Voyage: 1,4 milhão de unidades
  • Saveiro: 1,1 milhão de unidades
  • Parati: 925 mil unidades

 

Sobre o Gol:

  • Mais de 1,3 milhão de unidades exportadas para 66 países
  • 8 Fã-Clubes exclusivos, com mais de 40.000 integrantes em todo o País
07:45 · 10.06.2015 / atualizado às 10:13 · 10.06.2015 por

O Centro Cultural do Transporte está na edição de hoje do caderno Auto do Diário do Nordeste.  Também conhecido como Museu do Transporte, ele pertence a Federação dos Transportes (Cepimar) e está aberto gratuitamente de segunda-feira a sexta-feira a visitação. Ao todo são seis exposições fixas em três andares, sendo um no térreo. O espaço mais antigo é o Memorial Fotográfico do Transporte, inaugurado em 1999 no último andar. Além dele, há ainda Galeria dos Empresários (2003); Salão do Trabalho em Transporte (2004); Mais de Um Século Sobre Rodas (2005); Um Passeio pelo Tempo (2006) e o mais recente João Paulo II em Fortaleza (2014). Para completar, tem a exposição Trilhos, a qual é itinerante, mas está localizada por enquanto no primeiro andar do prédio, compartilhando um pouco da história das vias e centros de Fortaleza. Veja mais na galeria de fotos abaixo sob o olhar do fotógrafo Bruno Gomes.

15:29 · 11.05.2015 / atualizado às 13:46 · 11.05.2015 por

O BMW Série 3 comemora quatro décadas de lançamento. O clássico da categoria premium, estabelecido como um dos mais vendidos no mundo, foi lançado para substituir o também lendário BMW 02. O quarentão está, hoje, na sexta geração.

P90181330_lowRes

A revelação do BMW Série 3 aconteceu no International Motor Show (IAA), de 1975, em Frankfurt, na Alemanha. Considerado um ‘best-seller’ pela montafora, ele abriu novos caminhos na classe de veículos médios em geral.

Ao longo da história da linha de modelos, sua frente com faróis duplos circulares e as conhecidas grades tipo “rins” da BMW, as linhas dinâmicas das laterais do carro e as poderosas extremidades traseiras atraem rapidamente o olhar.

P90181333_lowRes

Em 1977, dois anos após o lançamento da nova linha de modelos, o BMW Série 3 se tornou o primeiro carro em sua classe a ter motores de seis cilindros. Outras inovações se seguiram, incluindo a injeção revolucionária e os sistemas de gerenciamento do motor, os motores diesel ultraesportivos e a minimização do peso por meio da utilização de alumínio e magnésio.

Hoje, a nova geração de motores do BMW Group no BMW Série 3 está no centro da BMW EfficientDynamics. A melhoria contínua do desempenho do motor e da dirigibilidade, juntamente com a redução do consumo de combustível e de emissões, tem sido um fator decisivo para garantir o status de pioneiro do BMW Série 3.

P90181336_lowRes

Variantes dos modelos

A linha de modelos de maior sucesso na BMW tem experimentado um programa ininterrupto de expansão desde que foi revelado pela primeira vez.

Na segunda geração foi lançada uma variante de quatro portas à série e não demorou muito para que fossem lançadas também as versões conversível e de alto desempenho (M3) baseadas na BMW Série 3.

201504-P90181251-zoom-orig

A terceira geração da linha de modelos viu o BMW Série 3 Coupé com estilo especial trazer fascínio adicional para a linha de produtos, enquanto o BMW Série 3 Compact construiu uma passagem para um novo segmento de veículos.

A sexta geração do modelo amplia ainda mais essa seleção atraente de versões distintas de carroçaria, que agora estão divididos entre duas linhas de modelos: o BMW Série 3 Sedan e o BMW Série 3 Touring foram unidos pela BMW Série 3 Gran Turismo, e o portfólio de modelos de médio porte agora inclui também o BMW Série 4 Coupé, BMW Série 4 Conversível e BMW Série 4 Gran Coupé.

201504-P90181247-zoom-orig

12:21 · 29.04.2015 / atualizado às 12:21 · 29.04.2015 por

A Ford anunciou o lançamento de uma edição limitada do Mustang Shelby GT350, e também da sua versão de competição GT350R, para comemorar os 50 anos do modelo. O Shelby GT350 original, introduzido em 1965, deu início à fama do Mustang nas pistas de todo o mundo

 

fordm

O novo Shelby GT350, com o motor naturalmente aspirado de série mais potente já produzido pela Ford, um V8 5.2 com mais de 500 cv, reforça a posição do Mustang como um esportivo de classe mundial.
Apenas 100 unidades do Shelby GT350 serão produzidas como ano-modelo 2015. Destes, 50 serão equipados com o Technology Package e 50 com o Track Package.
“Os fãs da marca Shelby estão entre os mais apaixonados da indústria”, diz Henry Ford III, gerente de marketing da Ford Performance. “Para comemorar o 50º aniversário do Shelby GT350, vamos produzir uma edição limitada do modelo em 2015. Serão carros altamente cobiçados tanto pelos fãs do Mustang como da Shelby”.
50 anos de uma lenda
Em 1965, Carroll Shelby desenvolveu e vendeu um Mustang de competição homologado pela Federação Internacional de Automobilismo (FIA), chamado Shelby GT350. Esse modelo, pronto para as pistas, competiu nas corridas mais famosas do mundo e contra os principais concorrentes da época. Além de vencer o campeonato nacional dos Estados Unidos, o Sports Car Club of America, em 1965, 1966 e 1967, o carro correu em toda a América do Sul e Europa, incluindo as 24 Horas de Le Mans de 1967.
Há um debate acalorado entre os fãs do Shelby sobre quantas unidades do GT350 1965 de competição foram produzidas, em edição extremamente limitada. Embora Carroll Shelby insistisse que foram construídos dois protótipos e 35 modelos de produção, a maioria dos registros mostra que apenas 34 unidades receberam número de série nas instalações da Shelby.
Em 2015, a Ford garante que não haverá confusão quanto ao número de GT350R produzidos: serão montados 37 carros em memória de Carroll Shelby.

13:12 · 09.04.2015 / atualizado às 10:18 · 09.04.2015 por

Em comemoração ao aniversário de Fortaleza que completa 289 anos, o Sindiônibus, com o apoio do Sest Senat e da Cepimar, promoverá no dia 19 de abril, (domingo) um passeio de ônibus por alguns pontos históricos da cidade
Trata-se do projeto “Fortaleza – História em Movimento” que tem como objetivo promover gratuitamente o acesso à cultura e à história da cidade para a população.
O passeio será realizado por um ônibus articulado para 130 pessoas e será monitorado pelo historiador e turismólogo Gerson Linhares. O tour passará por alguns pontos históricos de Fortaleza, como o Centro histórico, Praça do Ferreira, Museu do Transporte no Sest Senat, Avenida Beira Mar, Ponte dos Ingleses, Catedral, Mercado Central, Forte Nossa Senhora da Assunção, Passeio Público, entre outros.
Os interessados em participar do passeio devem se inscrever no site www.sindionibus.com.br.

Roteiro:
7h – Concentração Praça do Ferreira
8h – Conhecendo o Centro Histórico
Praça do Ferreira
Cine Teatro São Luiz
Farmácia Oswaldo Cruz
Excelsior Hotel
Palacete Ceará
Igreja do Rosário
Praça General Tibúrcio
Palácio da Luz
Museu do Ceará
Igreja do Carmo
Antigo BEC dos Peixinhos
Parque da Liberdade
Praça Cidade da Criança
Santuário Coração de Jesus
Praça Murilo Borges
Edifício Raul Barbosa
Centro Cultural BNB
· 9h – Museu do Transporte – SestSenat
o Exposição sobre a história do transporte no Ceará
· 9:30 – Praia de Iracema
o Praça e Estátua do Cristo Redentor
o Teatro São José
o Seminário e Igreja N S da Conceição da Prainha
o Centro Cultural Dragão do Mar
o Casa Boris
o Caixa Cultural
o Obras do Futuro Aquário do Ceará
o Ponte Metálica
o Bar do Pirata
· 10h – Meireles e Mucuripe
o Estoril
o Igreja São Pedro
o Livro Urbano de Iracema
o Av. Beira Mar
o Estátua de Iracema II
o Aterro da Praia de Iracema
o Ideal Clube
o Bairro Meireles
o Setor hoteleiro
o Náutico Atlético Cearense
o Jardim Japonês
o Estátua de Iracema I
o Bairro Mucuripe
o Enseada do Mucuripe
o Capela São Pedro
o Monumento ao Jangadeiro
o Igreja e Estátua de Nossa Senhora dos Remédios
o Cemitério do Mucuripe
o Palácio Iracema
o Mausoléu do Presidente Humberto Castelo Branco
o Paço Municipal
o Bosque Dom Delgado
o Riacho Pajeú
o Catedral Metropolitana de Fortaleza
o Mercador Central
o Forte Nossa Senhora da Assunção
o Passeio Público
o Santa Casa de Misericórdia
o Antiga Cadeia Pública (Centro de Turismo)
o Antiga Estação Ferroviária (Estação Eng° João Felipe)
o Galpões da RFFSA
o Praça Castro Carreira (Praça da Estação)
· 11:20h – Encerramento – Forte Nossa Senhora da Assunção