Busca

Categoria: Meio ambiente


14:43 · 17.04.2018 / atualizado às 10:28 · 18.04.2018 por

Nos dois últimos domingos (8 e 15/4), das 8h às 12h, um test drive colaborativo aconteceu no Parque do Cocó. Nele, o público aprendeu mais sobre as características de um carro híbrido e também doar mudas importantes para a principal área verde da cidade

Prius, o híbrido mais vendido do mundo

Dona do mais famoso carro sustentável disponível no atual mercado automotivo, o Prius, a Toyota tem trabalhado para tornar as informações sobre o modelo cada vez mais acessíveis ao público em geral. Seguindo essa linha, a Newland, concessionária Toyota no Ceará, desenvolveu uma ação que une duas propostas: apresentar o carro e convidar as pessoas a cuidar melhor do Parque do Cocó, o coração verde de Fortaleza.
No domingo passado, dia 15 e no dia 8 também, um stand posicionado no próprio parque convidava as pessoas a testarem o Prius. Para cada pessoa que testou o carro, a Newland doou uma muda ao Cocó. O intuito é simples: ser sustentável, seja na escolha do que consumimos ou na forma de cuidar da nossa cidade, é uma escolha que precisamos exercitar.

Secretário do Meio Ambiente e Sustentabilidade do Ceará, Artur Bruno, participou e plantou

Entenda o Prius

O sistema híbrido adotado pela Toyota no Prius combina dois motores diferentes para gerar movimento – um a combustão e outro elétrico, e é mundialmente reconhecido por sua excelência na redução de gases poluentes emitidos na atmosfera e pelo baixo consumo de combustível.
O motor elétrico não utiliza carga externa, mas funciona como um gerador que capta a energia cinética produzida pela frenagem e a transforma em energia elétrica, que fica armazenada na bateria do motor elétrico. Em um veículo comum, essa energia é dispensada em forma de calor.
Em baixas velocidades, somente o motor elétrico é acionado, enquanto o motor a combustão permanece desativado e não há consumo de combustível. Conforme a velocidade do carro aumenta ou é exigida maior força do veículo, como em uma subida, por exemplo, o motor a combustão é ativado e o sistema inteligente controla o uso dos dois motores simultaneamente.
Quando comparado a um veículo convencional, o híbrido Prius emite cerca de 40% menos CO2, enquanto a economia de combustível do modelo, se confrontado com um carro de mesmo porte movido a gasolina, é de até 52% na cidade e 42% na estrada.
Vendas no Prius no Brasil
Desde o início das vendas do Prius no Brasil, em janeiro de 2013, 3.889 unidades do modelo foram comercializadas. Somente no último ano, o crescimento das vendas do híbrido se aproximou dos 400%. O acumulado de janeiro e fevereiro deste ano soma 385 unidades, quase 60% a mais que o total vendido no mesmo período de 2017.

Ficha Técnica
Prius
Motor: 1.8l/16 cv, gasolina e elétrico
Potência: 98 cv (combustão)/72 cv (elétrico)/123 cv (potência combinada)
Câmbio:  automático
Preço: R$ 128.350

 

15:17 · 23.09.2015 / atualizado às 16:44 · 23.09.2015 por

Martin-Winterkorn-VW

Depois do escândalo que abalou a imagem da Volkswagen no mundo, o CEO da montadora, Martin Winterkorn, anunciou sua renúncia do cargo, hoje, quarta-feira (23). A medida foi divulgada após uma reunião em que o CEO prestou esclarecimentos ao conselho de supervisão da marca.

Motivo

O anúncio ocorre três dias após a empresa ter assumido que fraudou resultados na emissão de testes antipoluição nos Estados Unidos, fato que teria afetado cerca de 11 milhões de veículos no mundo. Na prática, o dispositivo alterou resultados de dados de poluentes em veículos a diesel, ou seja, eles poluíam mais do que estava registrado.

O escândalo surgiu nos EUA, mas agora abrange outros países. “Nós ferramos tudo”, disse o presidente da montadora nos Estados Unidos, Michael Horn, durante o lançamento do Passat, na noite da última segunda-feira, ainda em Nova York.

Multa bilionária

Ontem, a montadora anunciou ainda que reservou 6,5 bilhões de euros (cerca de R$ 29 bilhões) para solucionar o problema e enfrentar as consequências do escândalo como as inevitáveis multas. Este valor corresponde a cerca de metade do lucro global previsto para este ano. E as multas ainda podem ser mais pesadas se for comprovadas em outros países. O governo norte americano falou que pode cobrar US$ 18 bilhões de multas pela fraude.

Do outro lado do oceano Atlântico, a descoberta fez com que o Governo Alemão abrisse uma investigação sobre a empresa, para apurar o que de fato aconteceu e punir os responsáveis pelo escândalo em uma das marcas-símbolo da Alemanha.

Ainda hoje, a porta-voz da União Europeia para o Mercado Interno, Lucia Caudet, encorajou “todos os Estados-membros a realizar as investigações necessárias e informar a Comissão Europeia” sobre as descobertas. A dúvida é que a fraude possa ter ocorrido também em carros produzidos no continente.

Perdas

É bom salientar que o bloco econômico tem “tolerância zero” para casos desse tipo. Apesar desta quarta-feira ter marcado uma retomada positiva nas ações da Volks, que fechou em alta de 7,92% na Bolsa de Frankfurt, a empresa acumulou perdas de 24 bilhões de euros nos últimos dois dias.

No Brasil, a Amarok, que também é vendida a diesel por aqui, por enquanto,  não está sob investigação. Porém, do jeito que o escândalo se alastra em outros países, é bem capaz de haver uma investigação mais criteriosa por parte das autoridades.

10:47 · 24.06.2015 / atualizado às 10:47 · 24.06.2015 por

16018496

Além do estresse, a dupla calor e trânsito podem causar problemas bem mais graves que a normal impaciência. “Ficar muito tempo exposto no trafego e no calor podem levar a desidratação. Há alguns que sentem sonolência, fadiga, tontura, e um eventual desmaio. Faz com que o indivíduo perca a concentração e o raciocínio rápido, podendo causar um acidente”, alerta o médico Dirceu Rodrigues, da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego, a Abramet.

Antídotos

Para escapar dessas sequelas no cotidiano, para ele, a solução é simples: se hidratar o máximo possível, repondo potássio e sódio. “Comer alguma fruta e beber bastante água é recomendado em qualquer situação, no trânsito não é diferente. Isotônicos também ajudam”, ressalta.

Para o profissional desidratação não é o único perigo. Queimaduras de primeiro grau também são causadas nessas situações. Problemas simples podem até gerar um câncer de pele. É recomendado o uso de filtro solar.

NWD07 NUEVA DELHI (INDIA) 27/05/2015.- Un motorista pasa junto a las marcas de tráfico pintadas sobre el pavimento que resultaron distorsionadas a causa de las altas temperaturas registradas en Nueva Delhi (India), hoy, miércoles 27 de mayo de 2015. Al menos 1.150 personas han muerto durante las últimas semanas por la ola de calor que sacude los estados de Telangana y Andhra Pradesh, en el sureste de la India. Andhra Pradesh es el estado más afectado por la ola de calor, donde de acuerdo con una portavoz del departamento de Gestión de Desastres de la región, Tulsi Rani, han fallecido 884 personas, sobre todo en los distritos costeros de Guntur y Visakhaptnam. EFE/Harish Tyagi
Na Índia, recentemente, até o asfalto sentiu a onda de calor ao derreter as faixas

Se o calor estiver muito forte, é aconselhável usar roupas leves. Bermuda, regatas e sandálias. Evitar terno e gravata. Não se esqueça de proteger a cabeça. Um chapéu ajuda a evitar problemas causados pelo sol. A última dica do Dr. Dirceu Rodrigues é também a mais importante: “Evitar pegar o trânsito entre as 10h e às 16h, quando a exposição de raios ultravioletas é maior”.

Sombra é tudo!

As vagas na sombra são as mais disputadas e com razão. Colocar o veículo sob o sol – mesmo que por pouco tempo – pode deixar o carro muito quente. O recomendado é abrir as portas e deixar o vapor quente de dentro do veículo sair e esse processo não leva mais do que cinco minutos. Ligar o ar-condicionado também ajuda. “É importante realizar esse processo, pois o ar quente contêm gases prejudiciais a saúde que emanam de tudo que tem no interior do carro”, lembra o Dr. Dirceu Rodrigues.  Com o veículo em movimento, basta fechar os vidros e manter o ar-condicionado ligado.

12:30 · 23.04.2015 / atualizado às 12:30 · 23.04.2015 por

pneu

Em 2015, só neste primeiro trimestre já foram coletados e descartados 114,5 mil toneladas de pneus inservíveis, quantia que equivale a 22,9 milhões de pneus de carros de passeio, conforme dados da Reciclanip, entidade responsável por promover o descarte correto dos pneus inservíveis. No Ceará, por exemplo, há sete pontos de coleta, incluindo a capital, Fortaleza e interior do estado.

Benefício

Acontece que depois de “virar pó” o material reciclado dos pneus pode ser empregado na produção de borracha de vedação, solado de sapato, piso industriais e de quadras esportivas, tapete para carro, asfalto e até combustível alternativo.

“Vamos investir 5% a mais na coleta e reciclagem este ano, o que dará um total de R$ 105 milhões, custos estes rateados entre os fabricantes nacionais”, disse o presidente da entidade, Alberto Mayer.

Os maiores gastos, cerca de 60%, são de logística; o restante é custo operacional. A Reciclanip conta com 834 pontos de coleta e 90 caminhões fazendo o recolhimento, todos os dias do ano.

A coleta especializada começou em 1999 e já destinou corretamente 3,11 milhões de toneladas de pneus inservíveis. Este número equivale a 623 milhões de pneus de passeio.

Pontos de coleta segundo a entidade:

Caucaia:  GC Pneus (85) 3212-3099
Crato:  Renovadora Padre Cícero (88) 3521-0951
Fortaleza: Gerardo Bastos (85) 4006-4900
Itapipoca:  GC Pneus (85) 3212-3099
Juazeiro do Norte: (88) 3511-3512
Maracanaú: empresa: COOMVIDA (85) 8631-2757
Sobral:  GC Pneus  Revenda BF (85) 3212-3099

15:53 · 11.03.2015 / atualizado às 15:53 · 11.03.2015 por

pista-alagada-rua-chuva-carrosusadosbh

Para quem gosta de chuvas, nesta semana, motoristas de Fortaleza tiveram que enfrentar ruas alagadas e trânsito ainda mais lento. E é nestas horas que o carro é mais exigido. Para não ficar no meio do caminho, certos cuidados com o veículo são importantes.

Por isso, uma das principais recomendações de mecânicos especialistas é de que, ao perceber que a rua está alagada, o motorista encoste o veículo em lugar mais alto ou espere a chuva diminuir.

Outra dica importante é se o condutor tiver de passar de qualquer jeito pela região alagada, o ideal, segundo especialistas, é manter a aceleração constante e trafegar devagar, em segunda marcha, no máximo.

Nunca vá!

Para eles, uma situação é unanimidade: se o nível da água estiver na metade da roda do veículo, é melhor não se arriscar. De acordo experts, a avaria mecânica mais comum nos dias de enchente é conhecida como calço hidráulico, que consiste na entrada de água no motor. Com o sistema encharcado, o pistão empena a biela e, consequentemente, trava o motor.

Para quem entende do assunto, isso acontece porque quando o “carro morre”, o motorista quase que instintivamente dá novamente na partida. Pronto, o motor puxará a água que estiver em contato com o sistema e é formado o calço.

Para que isso não aconteça, experts contam que o nível de segurança é baseado de acordo com as tomadas de ar e filtros do veículo. Como isso é diferente em cada modelo, o recomendável é ultrapassar os níveis de água inferiores a 30 centímetros.

Para finalizar, numa possível travessia, um conselho importante é nunca acompanhar colado o carro da frente, pois se ele parar no meio do alagamento, você tem que parar também. Nesse caso,  ideal é deixar uma distância segura para o outro veículo, de modo que seja possível desviar. É sempre bom deixar alguém passar primeiro, para observar se há algum buraco na via e se o nível de água não está alto demais. Então, se houver outra chuva amanhã, fique atento!!!!!!!!!

08:58 · 10.05.2012 / atualizado às 08:58 · 10.05.2012 por

Projeto do senador Clésio Andrade (PMDB-MG) aprovado no Senado permite que consumidor leve em consideração o nível de poluição do veículo no ato da compra

 “Agora, o consumidor vai poder realizar uma compra mais consciente e as montadoras deverão buscar tecnologias mais limpas”. Essa é a expectativa do senador Clésio Andrade (PMDB-MG) após a aprovação do seu projeto de lei, que obriga divulgação de índices de poluição dos veículos. Apesar dos altos índices, a maioria dos consumidores não sabe o quanto que o seu carro polui. Em uma metrópole como São Paulo, os veículos de passeio emitem incríveis 58,1% de todo o volume de gases nocivos liberados no ar.  Pelo texto, será exigido que os fabricantes e órgãos de licenciamento acrescentem à nota fiscal e ao Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo (CRLV) as informações sobre emissões, com destaque aos gases poluentes, gás carbônico e gases de efeito estufa. Aprovado em caráter terminativo na Comissão de Meio Ambiente (CMA), o PLS 38 segue para a Câmara dos Deputados. Tomara que isso faça também que os dados de consumo médio de cada veículo sejam divulgados…Vamos aguardar.