Busca

Categoria: Naked


10:08 · 17.06.2015 / atualizado às 10:08 · 17.06.2015 por

z300_2-1024x769

Para os fãs da Ninja, aí vai uma boa notícia: a Kawasaki finalmente anunciou hoje o preço público sugerido da naked de 300cc: R$ 17.990 para a versão standard e R$ 19.990 para o modelo equipado com freios ABS.

Mas quem se apressar para ir à concessionária tem que ter calma, pois A Z 300 estará disponível somente a partir de julho nas cores verde, laranja e cinza. A z 300 ABS será vendida apenas na roupagem verde, tradicional da marca. Vale ressaltar que esses são preços públicos sugeridos pela fabricante japonesa e não incluem o valor do frete e seguro. O preço final certamente será maior do que o anunciado.

Apresentada ao público no final do ano passado durante o Salão de Milão 2014, o design da Z 300 segue as mesmas linhas agressivas e modernas da Z 800, que inclui a rabeta minimalista, um conjunto óptico dianteiro compacto e estiloso coberto por uma pequena carenagem. A naked traz também um painel de instrumentos esportivo, que mescla informações digitais com analógicas.
z300_laranja-1024x769
Com um desempenho esportivo, mas ao mesmo tempo urbano – principal característica das motos naked – a Z 300 é equipada com o mesmo chassi e motor da Ninja 300, mas conta com guidão mais largo. A alteração, combinada com o motor de dois cilindros paralelos de 296 cm³, promete deixar rivais para trás, mas sem abrir mão da posição de pilotagem ereta e relaxada.

Fonte: Uol

 

10:22 · 23.02.2015 / atualizado às 10:22 · 23.02.2015 por

2010-Yamaha-V-MaxVMX17d

Neste mês, a Yamaha VMax, um modelo com corpo de custom, ciclística de naked esportiva e potência quase incontrolável, faz 30 anos. Sobre o modelo, um dos maiores responsáveis pelo sucesso foi o motor V4 de 1.200 cc, herdado da touring Venture Royale. Na época, ele era capaz de gerar 143 cv de potência, nada tão absurdo, mas proporcionava aceleração impressionante ao empregar nos primeiros giros, quase a totalidade dos 8,5 kgfm de torque.

Para seu sucesso, o visual diferente, único, também contribuiu: caracterizada em todas as gerações pelas entradas laterais em formato de cornetas, a VMax mudou pouco no decorrer dos anos. Embora alguns detalhes tenham sido alterados nas reestilizações – tais quais pintura, cor das rodas e elementos mecânicos como garfo da suspensão e pistões extras inseridos nas pinças do freio dianteiro –, os traços ficaram praticamente inalterados entre 1985 e 2007, quando a VMax original deixou de existir.

Em 2005, a Yamaha apresentou no Salão de Tóquio um ousado conceito de power cruiser que, muito provavelmente, chegava para substituir a velha VMax. “Parrudo” e com linhas futuristas, que incluíam dois escapes duplos, o protótipo mantivera do projeto original apenas as tradicionais entradas de ar ao lado do tanque e o motor “V4”, porém aumentado para 1.700 cc. Após três anos de suspense, a marca japonesa enfim confirmou aquele conceito como sendo a nova geração da VMax (já sem o hífen) em 2008, lançando o modelo no ano seguinte.

A nova VMax chegou ao mercado praticamente inalterada em relação ao conceito, e trouxe novidades como o tanque abaixo do assento e com bocal escondido. O novo propulsor agora rende até 200 cv de potência (a 9.000 rpm) e 17 kgfm de torque (a 6.500 giros). Para manter o espírito de moto “crua” e arisca, controle de tração e outras assistências ficaram de fora da lista de equipamentos. Só o sistema ABS (antitravamento) nos freios foi incorporado.

Brasil no mapa

Em 2013, a Yamaha decidiu colocar o Brasil na rota da VMax e anunciou a importação de um lote com 14 unidades. Todas foram vendidas. O modelo continua na linha de produtos da montadora para o mercado brasileiro, pelo preço de R$ 99.000, e mostra que sempre há espaço para a força bruta no mundo das duas rodas.