Busca

Categoria: Protótipo


11:39 · 11.05.2015 / atualizado às 13:29 · 11.05.2015 por

Um protótipo de carro voador, aperfeiçoado desde outubro do ano passado, caiu durante testes na Eslováquia, na última sexta-feira (8). O AeroMobil era pilotado pelo fundado da empresa, Stefan Klein, que sobreviveu ao acidente graças ao paraquedas, que amorteceu a queda do carro.

Carro voador vem sendo aperfeiçoado desde outubro FOTOS: DIVULGAÇÃO
Carro voador vem sendo aperfeiçoado desde outubro FOTOS: DIVULGAÇÃO

Segundo comunicado da empresa, o piloto, Stefan Klein, voava a 300 metros de altitude, tendo decolado do aeroporto de Janíkovce. Durante o voo, “encontrou uma situação inesperada” e precisou acionar o paraquedas do veículo. O equipamento de segurança, conforme a nota, “aterrissou o veículo sem causar qualquer ferimento ao piloto”. O carro voador, porém, ficou destruído.

O AeroMobil está no terceiro protótipo e pode trafegar normalmente como um carro de passeio. Ele possui dois lugares, para motorista e carona. Para voar, abre as asas dobráveis posicionadas acima no capô, além de acionar hélices na traseira.

Klein está há vinte anos trabalhando no desenvolvimento do veículo.

Confira mais imagens do AeroMobil:

aeromobil1

 

aeromobil3

 

aeromobil4

 

Veja vídeo do veículo em ação:

YouTube Preview Image

 

15:00 · 25.02.2015 / atualizado às 12:16 · 25.02.2015 por

3Qualquer distração pode ser a diferença entre evitar um acidente ou não. Se desviamos o olhar da pista para mandar uma mensagem no celular, mudar a frequência do rádio ou pegar um objeto no porta-luvas, não vemos por alguns segundos o que está acontecendo diante de nós. Às vezes pode ser nada, só uma via vazia, outras vezes pode ser uma criança correndo atrás de uma bola, uma idosa tentando atravessar a rua ou um carro na faixa do lado desviando de um buraco ou tentando fazer uma ultrapassagem arriscada.

Para essas situações, para dar mais tranquilidade ao motorista, a Volvo Cars apresenta uma solução que possibilita integrar automóveis sem condutor em condições reais de tráfego. Com o projeto Drive Me a entrar no seu segundo ano, a Volvo Cars está avançando rapidamente rumo ao objetivo de colocar 100 automóveis sem condutor nas mãos de clientes em estradas selecionadas na zona de Gotemburgo já em 2017. O segredo para dar este salto sem precedentes reside numa rede complexa de sensores, sistemas de posicionamento baseados em nuvem e tecnologias de travagem e direção inteligentes.

4O sistema Autopilot da Volvo Cars foi desenvolvido para ser confiável suficiente para permitir que o carro assuma todos os aspetos da condução em modo autônomo. O principal desafio consiste em criar um Autopilot que seja suficientemente robusto para lidar com os vários cenários de tráfego e simultaneamente eventuais falhas técnicas que possam ocorrer. Não se pode esperar que o condutor esteja pronto a intervir repentinamente numa situação crítica. Inicialmente, os automóveis irão circular de forma autônoma em estradas selecionadas com condições apropriadas, por exemplo sem tráfego em sentido contrário, ciclistas e peões.

Deu pane?

Na estrada, a solução tecnológica encontrada será capaz de lidar até com os cenários mais complicados, desde as normais deslocações diárias ao tráfego intenso e situações de emergência. Quando a condução autônoma deixar de estar disponível – por motivo de condições atmosféricas excecionais, problema técnico ou por ter sido atingido o final do percurso – o condutor será alertado para reassumir o comando. Caso o condutor não assuma prontamente a condução, o automóvel seguirá até um local seguro para parar.

2

10:45 · 26.01.2015 / atualizado às 10:04 · 26.01.2015 por

CES 2015Você conhece o primeiro protótipo compacto com controle por gesticulação da Volkswagen? Nele é possível, com um simples movimento de mão no espaço à frente do display central, que homem e máquina interajam como uma unidade através do controle por meio de gestos. O nome desse carro alemão do futuro: Golf R Touch. Ele foi apresentado no CES (Consumer Electronics Show) 2015 em Las Vegas (EUA).

Dentre os equipamentos, estão os três displays: a tela sensível ao toque com 12,8 polegadas do sistema de infotainment (resolução 2.560 x 1.700 pixels), um Centro de Controle (8 polegadas com resposta ao toque) localizado logo abaixo para as funções do veículo, controle de climatização e mídia (resolução 800 x 480 pixels) e um Active Info Display (mostrador de informações ativo) com instrumentos digitalizados, com 12,3 polegadas (resolução 1.920 x 720 pixels).

Mas, a tecnologia não se limita a essas telas. Por exemplo, o módulo de teto mostra um símbolo na tela assim que uma mão se aproxima dele. Quando o usuário encosta a superfície, um menu é apresentado simultaneamente na tela de toque de 12,8 polegadas do sistema de infotainment com várias opções, como “abrir/fechar o teto solar”.

Um ponto chave é que importantes funções do teto agora podem ser acessadas e controladas diretamente por um gesto no espaço à frente do painel de controle. Um movimento no sentido do para-brisa, por exemplo, é usado para fechar o teto solar, enquanto um gesto para longe do mesmo irá fechá-lo.

A regulagem dos bancos também é operada de forma inteligente. Assim que uma mão se movimenta na lateral do banco do motorista ou do passageiro da frente, é reconhecida pelo sistema de detecção de proximidade dos controles dos bancos. Na grande tela de toque, são apresentadas dicas e informações sobre os controles a serem utilizados. Naturalmente, os bancos podem ser totalmente controlados através da tela de toque.

3Curiosidades

No sistema de infotainment, o deslizador pode reconhecer quantos dedos estão sendo usados. Quando apenas um dedo é utilizado, o volume do áudio é controlado. Com dois dedos, ele ajusta o volume da navegação e com três, o volume do telefone. Além disso, o esquema de cores da iluminação ambiente e da unidade de infotainment, graves agudos, balanço e fader, também são comandados por deslizador.

Os gestos de controle no espaço em três dimensões são viabilizados por uma câmera 3D montada no módulo do teto.  O usuário se conecta com o sistema ao abrir os dedos de uma das mãos. Isto evita a ativação não intencional de alguma função pelo movimento da mão. Os controles são escolhidos usando o dedo indicador – movido em pleno ar, é claro. A função é confirmada pressionando um botão virtual com o indicador. A operação por gestos é encerrada pelo fechamento dos dedos da mão.

Painel

5

CES 2015Semelhante ao display de toque do sistema de infotainment, a tela do Active Info Display também pode ser adaptada individualmente, já que todos os instrumentos e indicadores são gerados digitalmente. Internamente, os desenvolvedores criaram uma distinção entre o que chamam de “pequeno” ou “grande palco”.

Dependendo da configuração, o primeiro pode conter o conta-giros na esquerda (com o indicador de rotações no meio e temperatura embaixo), um velocímetro analógico gerado digitalmente na direita (com indicador digital no meio e medidor do nível do tanque na base) e, entre eles, o mostrador multifuncional com todos os menus imagináveis, tais como mensagens sobre o trânsito ou instruções de navegação. Abaixo de tudo, e inamovíveis, ficam o hodômetro com quilometragem total e parcial e o relógio.

No “grande palco”, o mostrador multifuncional gerencia tarefas como o mapa do sistema de navegação. À esquerda, em vez do conta-giros, o display pode mostrar mensagens sobre o trânsito ou informações do computador de bordo (como economia de combustível ou temperatura do motor). À direita, no lugar do velocímetro, pode figurar a capa de um disco, com a foto de um artista e nome da música tocada, da biblioteca de mídia, assim como a data e a temperatura externa. Nesse caso, permanecem inalteráveis o indicador de marchas na parte inferior esquerda e a velocidade do veículo e medidor de combustível, na parte inferior direita.

Simulação de corrida

O “Golf R Touch” é equipado com o motor de 292 cv, versão para o mercado americano do novo Golf R. Juntamente a ele, uma função especial “race staging” também foi incluída. Ela é ativada através da grande tela de 12,8 polegadas e simula uma ampla variedade de parâmetros, criando uma espécie de teste de direção com o carro estacionado. O som do motor é transmitido pelos autofalantes do sistema de som durante a aceleração, imagens do percurso são projetadas na tela, todos os dados importantes do veículo são exibidos no Active Info Display, o carro transmite vibrações na estrutura através de atuadores e, finalmente, a iluminação interna é modificada. A simulação de corridas ilustra como mais parâmetros podem ser personalizados e simulados eletronicamente do que jamais ocorreu anteriormente.

CES 2015

16:40 · 17.03.2011 / atualizado às 16:40 · 17.03.2011 por

Este é o X-20, com chassi totalmente em alumínio

Os veículos X-20, um roadster ousado e inovador, e X-16, um supereconômico, desenvolvidos no Centro Universitário da FEI (Fundação Educacional Inaciana), estarão expostos na 2ª Semana Cultural de Velocidade – Velocult -, que acontecerá até 2 de abril, no Conjunto Nacional, em São Paulo. Criada pelo designer e artista Paulo Soláriz, a Velocult quer resgatar a história do automobilismo brasileiro. Por isso, a mostra reunirá carros que marcaram, como a legendária carreteira nº 18, de Camilo Christófaro, e Willys Interlagos nº 22, de Bird Clemente, além de objetos, como capacetes. A exposição é aberta ao público.
ROADSTER X-20 – O FEI X-20 também se diferencia pelo moderno processo de construção. A carroceria foi gerada diretamente do desenho do computador, por meio de um dos mais avançados sistemas de simulação matemática, eliminando a necessidade de modelagem de protótipos. Além disso, o carro tem chassi totalmente feito em alumínio, material que ajuda a dar mais leveza e resistência ao veículo e está também presente em outros componentes, como aro das rodas, partes da transmissão e bloco do motor V8, utilizado no superesportivo norte-americano Corvette Z06.

Mais que um projeto inovador, o X-20 é uma plataforma de desenvolvimento, que integra diversas áreas da engenharia. É fruto da dedicação de um grupo de alunos, professores e pesquisadores dos cursos de Engenharia Mecânica Automobilística, Engenharia Elétrica e Ciência da Computação, além do IPEI, Instituto de Pesquisas e Estudos Industriais da FEI.

X-16 é capaz de atingir cerca de 500 km com 1 litro de gasolina, o FEI X-16 tem construção tipo monobloco, em que até o banco do piloto faz parte da estrutura do veículo

SUPERECONÔMICO X-16 – Capaz de atingir cerca de 500 km com 1 litro de gasolina, o FEI X-16 tem construção tipo monobloco, em que até o banco do piloto faz parte da estrutura do veículo. Foi totalmente construído em resina epóxi e reforçado com fibra de vidro e carbono, materiais que tornam o carro mais leve e resistente. Além do design inédito, o carro tem sistema de injeção direta, que reduz ainda mais seu consumo. O veículo utiliza um dispositivo automático que liga e desliga o motor a uma determinada velocidade. Desta forma, quando o carro atinge a marca dos 45km/h, o motor desliga e volta a ligar aos 15km/h. Desenvolvido por alunos da FEI em parceria com o IPEI, o supereconômico utiliza motor padrão ciclo Otto, de 4 tempos, de cerca de 2,5 HP e 50 cm3 de volume deslocado.