Busca

Categoria: Superando limites


14:13 · 17.06.2012 / atualizado às 18:46 · 06.08.2012 por

A tradicional corrida de rua do Colégio Militar de Fortaleza aconteceu hoje pela manhã, em sua 93º edição, e recebeu as bênçãos de São Pedro. Muita chuva acompanhou os corredores nos primeiros 20 minutos de prova e ajudou a ‘esfriar a cabeça’ dos que participavam do evento. “Não achei ruim. Com o clima mais ameno e a chuva esfriando o corpo, o desgaste do atleta é menor”, destaca o fonoaudiólogo Rilke Costa Soares, que participou da corrida do CMF pela segunda vez.

Eu (Nathália Lobo) e meu cunhado Rilke Costa ao término da 93ª edição da corrida do CMF. Foto: Arquivo Pessoal

A prova contou com dois percursos: de 5 e 10 quilômetros. Aos que optaram pelo primeiro, o percurso foi tranquilo e passou por pontos históricos da Capital cearense, como o quartel da 10ª Região Militar e o Passeio Público.

A largada foi dada às 7h, com o famoso tiro de canhão. Neste ano, dada a interdição da Rua Costa Barros, o percurso teve de ser ligeiramente modificado. Eu, Nathália Lobo, participei da prova no percurso menor, a exemplo do ano passado. Particularmente, gostei muito da corrida. Como nos eventos anteriores, o Colégio Militar de Fortaleza prezou pela organização. Aos dois quilômetros, a primeira estação de água mineral ajudava a repor as energias dos atletas.

Mas eu vou dizer para vocês… Emoção mesmo é quando, de repente, surge o barulho da sirene dos batedores que escoltam o primeiro lugar. Como uma ‘bala’, os primeiros colocados de cada categoria passam abrindo caminho entre os corredores. E são aplaudidos pelos outros participantes da prova e pelas pessoas que estão ali, pelo meio do caminho, só assistindo.

A experiência sempre é fascinante. A sensação de terminar uma prova, cruzar a linha de chegada e romper a barreira dos seus limites pessoais é gostosa demais. A gente corre uma, duas, dez provas e não cansa de sentir isso. E a vontade de correr só aumenta. “Já estou inscrita em outras duas corridas para breve”, destaca a farmacêutica Regicélia Moraes, leitora do blog Belas no Esporte e apaixonada pelas corridas de rua.

Regicélia Moraes, farmacêutica, participa de todas as edições da corrida de rua do CMF. Foto: Arquivo Pessoal

 

15:43 · 02.01.2012 / atualizado às 15:50 · 02.01.2012 por

Depois de maratona, lesão leve, vinte sessões de fisioterapia (com algumas escapulidas) e treinos em casa, estou finalmente voltando a correr na rua. Tudo muito leve e sem forçar.

Resolvi aproveitar meu retorno para repassar aos interessados um treino que serve justamente para pessoas saídas de lesões, como eu, ou que simplesmente deixaram a corrida de lado durante as festas de fim de ano e estão querendo voltar devagar. Tenho a sorte de ter perto de casa pelo menos quatro trajetos diferentes: uma praça menorzinha, cuja volta mede em torno de 200 metros; duas maiores, de 400 metros, aproximadamente; e uma ciclovia extensa, em que é possível fazer treinos até para meias maratonas.

Escolhi voltar aos treinos no circuito menor, de 200 metros. A vantagem dele, no entanto, é muito mais pelo chão da praça, que é o mais nivelado de todos os trajetos. Para quem está retornando de lesão, principalmente, é PROIBIDO correr e mesmo trotar em terrenos desnivelados!

Essa é a minha rotina:

Etapa I – Exercícios de alongamento – Não é preciso nem dizer a importância disso, né? Agora, cuidado com os locais em que você tem feito os exercícios. Existem praças públicas em que as prefeituras costumam instalar aparelhos para facilitar a vida dos atletas, mas acabam prejudicando, pois as barras são muito altas e forçam os tendões. Veja se o local é adequado a sua estatura e use o bom senso.

Etapa II – 5 minutos de aquecimento – Isso é extremamente importante. O aquecimento com uma caminhada leve ou moderada prepara o corpo para a atividade. Anuncia ao organismo: “atenção, galera, vamos trabalhar!”

Etapa III – Começe 3 minutos de uma caminhada forte. A caminhada forte é aquela em que fica difícil conversar enquanto caminha, por exemplo. Mantenha o ritmo e a respiração sempre. Respirar errado ou forçar demais vão prejudicar seu desempenho.

Etapa IV – Trote – Estou voltando com um trote de 2 minutos, alternado com a caminhada forte, da etapa anterior. Se você está retornando de lesão, é um bom tempo. Se está apenas parado a algumas semanas, adeque ao seu ritmo. Aumente o tempo ou troque o trote por corrida. Só não exagere.

Faço a repetição das Etapas III e IV por 3 vezes.

Etapa V – Desaceleração de 5 minutos. Assim como o aquecimento, a desaceleração avisa ao corpo que ele vai retornar ao ritmo normal. Não pense que os dois minutinhos de caminhada do local de treino até a sua casa ou ainda os poucos minutos até seu carro, por exemplo, são suficientes para isso. É preciso sempre desacelerar com uma caminhada moderada e depois mais leve.

Etapa VI – Sempre termine com exercícios de alongamento novamente. Se a intenção é perder a barriguinha junto com a corrida, aproveite o momento para fazer algumas abdominais.

Carboidratos e frutas: indispensáveis na alimentação pré-treino

Bom, esse é o meu esquema de treinos atual. Calculando o tempo, somando ainda os alongamentos, é possível cumprí-lo em meia horinha. aliás, 150 minutos (30 minutos por cinco dias) é o tempo de exercício indicado pela Organização Mundial de Saúde!

Lembre-se de cuidar da alimentação, importante para quem está voltando: meia hora antes do treino, consuma carboidratos. Uma banana, um pãozinho de leite com mel e meio copo de água são o suficiente para mim.

Nada de proteínas no pré-treino, ok? Deixe para consumí-las somente depois! Aí sim, iogurte, queijo e outros derivados do leite em geral estão liberados, além das carnes. Se quer perder uns quilinhos, procure os desnatados. A proteína ajuda na reposição dos músculos, forçados no treino. Se for demorar a se alimentar, tome uns goles de bebida energética. Não deixe o organismo com fome!

Desejo a todos um feliz ano novo e uma feliz rotina de treinos nova!

Boa sorte para mim e para vocês!

16:19 · 05.12.2011 / atualizado às 16:19 · 05.12.2011 por
 

Caio Magalhães é campeão sul-americano no Shooto Brasil 27. Foto: Divulgação

 

A cada campeonato no mundo das artes marciais, o Ceará vem se destacando e apresentando seus grandes talentos para o mundo. O ‘Shooto Brasil 27’, que aconteceu na última sexta-feira (2), no Ginásio Nilson Nelson, em Brasília, consagrou o lutador cearense Caio “Monstro” Magalhães como campeão sul-americano na categoria até 84 Kg.

A emocionante disputa pelo cinturão ficou por conta do nosso atleta, que derrotou  Ismael Marmota pelo título. Faixa-preta de Jiu-Jitsu, atual campeão do Rio International Open e já classificado ao World Professional Championship 2012, Caio arrebentou no tatame. “Foram três rounds intensos, o cara troca muito bem, levei desvantagem no primeiro round. Mas a partir do segundo round, coloquei para baixo, montei e fiz meu jogo de chão, mas não fugi da trocação, foi guerra”, contou Caio, que já coleciona os cinturões do Shooto Brasil, Amazon Fight e Iron Man e continua invicto, em cinco lutas. 

   

Caio é campeão invicto em cinco lutas. Foto: Divulgação
 
07:00 · 28.11.2011 / atualizado às 16:04 · 27.11.2011 por

Saúde é o que interessa! Sim, essa é a máxima da modernidade. O sedentarismo que já fez  parte da vida de tanta gente perde espaço para as novas – e sempre mais interessantes – modalidades de atividade física. O Treinamento Funcional é uma delas.

A diversidade de equipamentos utilizados no treino funcional torna a atividade dinâmica e interessante. Fotos: Divulgação

Atualmente, grupos de pessoas com deficiência física ou mobilidade reduzida descobriram os benefícios do Treinamento Funcional para a melhoria de sua qualidade de vida. As dificuldades nos movimentos, que antes criavam obstáculos na vida dos deficientes, só diminuem com a prática da atividade física adaptada. Realizar exercícios físicos com um acompanhamento profissional e com uma meta definida é uma necessidade para quem quer sair da monotonia, mesmo com limitações físicas. Este é objetivo do treinamento funcional voltados a pessoas com deficiência.

Atletas paraolímpicos descobriram o Treinamento Funcional como auxiliar em sua preparação física, independente da atividade em que se destacam. Foto: Divulgação

Para esclarecer melhor como isso funciona, especialmente para os cadeirantes e atletas paraolímpicos, o blog Belas no Esporte entrevistou o educador físico João Tavares Neto, da academia Cross Gym, em Fortaleza. Confiram a entrevista:

Belas no Esporte – Desde que o Treinamento Funcional começou a ser aplicado nas academias ele também era destinado a cadeirantes? Ou houve uma adaptação com o passar do tempo?

Professor João – “O Treinamento Funcional, como o próprio nome já diz, é um treino para melhorar as funções do seu corpo. Seu objetivo é atuar nos principais componentes de habilidades físicas, como força, coordenação, equilíbrio e resistência, respeitando as individualidades de qualquer que seja o indivíduo. Isso quer dizer que  qualquer pessoa pode praticar, independente de ser uma pessoa dita normal ou especial, não só cadeirantes como qualquer um que possua deficiência. O importante é lembrar que o aluno deve sempre passa por uma avaliação, onde vamos ver qual são seus pontos mais fracos e com isso montar o seu treino de acordo com suas limitações. Nós, professores da CrossGym, estamos habilitados para atender qualquer tipo de deficiência e atuar para melhorar as funções de nossos alunos”.

Belas no Esporte – Quais os benefícios que o cadeirante pode ter ao praticar o treino funcional?

Professor João – “Os cadeirantes vão ter todos os benefícios de qualquer pessoa dita normal, como ganho de força, resistência e mobilidade e com os treinos ele passa a melhorar também suas tarefas diárias”.

Belas no Esporte – O treinamento funcional é usado como ‘reforço’ para os atletas paraolímpicos?

Professor João – “Sim, o treinamento funcional deve primeiramente melhorar o que o atleta mais precisa, além de atuar como uma extensão e preparação para o seu treinamento. Sua rotina na academia deve lhe dar um suporte físico para melhorar os rendimentos nos treinos da modalidade que ele pratica e assim melhorar cada vez mais os resultados dentro do seu esporte”.

Belas no Esporte – Como o aluno tem mais dificuldade para sustentar o peso do corpo, os exercícios tem que ser bastante personalizados, não é?

Professor João – “O trabalho deve ser todo individualizado respeitando os limites daquele aluno. Primeiramente ele só poderá fazer um exercício que esteja de acordo com a sua condição física, e isso vai de acordo com a sua necessidade”.

Belas no Esporte – Cada cadeirante tem um treino específico ou existem aulas prontas para as pessoas com essas necessidades especiais?

Professor João – “Sim, cada aluno tem um programa de treinamento com rotinas que vão de acordo com seu objetivo e a sua necessidade, para que assim ele consiga resultados rápidos e de maneira satisfatória”.

Belas no Esporte – Os cadeirantes tem procurado mais o treino funcional?

Professor João – “Com certeza, não só em Fortaleza como em todo Brasil, as pessoas portadoras de deficiência estão cada vez mais aderindo ao treinamento funcional, e conseguindo cada vez mais resultados melhores do que conseguiam em outras modalidades”.

Belas no Esporte – Você tem alunos cadeirantes? Algum atleta? De que modalidade? Que resultados ele (ou eles) tem obtido com o treinamento?

Professor João – “Sim, nós temos na Crossgym alunos cadeirantes que estão em busca de uma melhor qualidade de vida e temos um aluno cadeirante atleta de natação, competidor de nível nacional, que depois que começou a praticar o treinamento funcional como uma extensão da sua preparação física, só tem melhorado cada vez mais seus resultados dentro da piscina e do seu dia a dia”.

(Professor João Tavares da Cruz Neto – Pós Graduado em Treinamento Esportivo pela Universidade Estadual do Ceará, Professor da Academia CrossGym em Treinamento Funcional)

 

09:29 · 13.10.2011 / atualizado às 09:29 · 13.10.2011 por

“Nothing is absolute. Redefine concepts, redefine yourself. Barriers are in your mind. Accept no limits”. (Patrick Musimu) (Nada é absoluto. Redefina conceitos. Redefina você mesmo. Barreiras estão em sua mente. Aceite o ‘No Limits’).

Patrick Musimu fez história no Mergulho Livre. Fotos: Divulgação

Neste post, as Belas no Esporte homenageiam o apneísta Patrick Musimu, recordista mundial de mergulho em apneia. Autor da frase acima, Patrick fez história e deixou sua marca no mergulho livre mundial. Atingiu inimagináveis 209,6 metros de profundidade.

Patrick foi encontrado morto na piscina de sua casa, na região de Bruxelas, na Bélgica, em julho deste ano. Não foram divulgadas informações oficiais sobre as razões da morte do atleta, mas sabe-se que ele sofreu uma parada cardíaca.

O atleta atingiu inimagináveis 209,6 metros de profundidade sem uso de equipamentos, no Mar Vermelho.

Patrick Musimu nasceu no Congo, em 1970. Aos 7 anos aprendeu a nadar sozinho. Aos 28, trabalhando como fisioterapeuta e adepto das artes marciais, descobriu o mergulho livre após assistir a um documentário sobre o tema, que o deixou fascinado. A partir daí, desenvolveu o gosto pela modalidade esportiva e não parou mais. ele foi o primeiro homem a descer a mais de 200 metros de profundidade sem equipamentos. Em 2005, atingiu a impressionante marca dos 209,6 metros de profundidade no Mar Vermelho, no Egito.

A morte precoce do atleta comoveu toda a comunidade do Mergulho.

A perda, inestimável sem dúvida, deixa um legado importante para a história do mergulho. E fica a nossa homenagem ao grande atleta que se foi.

07:00 · 11.10.2011 / atualizado às 07:50 · 11.10.2011 por
Thyago Frota (de preto), Caio Magalhães e Thiago Maia trouxeram o ouro para o Ceará. Foto: Divulgação

Três atletas cearenses de Jiu-Jitsu trouxeram medalhas de ouro  da “II Copa Kimonos Predador”,  que aconteceu no último fim de semana, em Teresina, no Piauí, e que contou com grande público e atletas dos estados do Maranhão, Ceará, Bahia e Piauí.

Thyago Frota foi campeão na categoria Faixa Roxa Leve; Thiago Maia, na categoria Faixa Marrom Leve e Caio Magalhães na Faixa Preta Absoluto. Os atletas se destacaram e, mais uma vez, levaram o nome do Ceará para o alto do pódio, deixando gravados seus nomes e talentos no Ginásio do Colégio Diocesano, onde a competição aconteceu. 

Thyago Frota, lutador há aproximadamente cinco anos, foi considerado destaque na competição e faturou a medalha de ouro da categoria leve roxa. “Para mim, a vitória representou que estou no caminho certo, fazendo as coisas certas para alcançar meus objetivos”, disse, em entrevista ao blog Belas no Esporte . E o campeão avisa: “Esse campeonato foi um aquecimento pro Panamericano que rola no fim deste mês, em Brasília”.

Para o futuro, as expectativas de Thyago Frota são as melhores. “Pegar a faixa preta e, logo depois, lutar MMA”. É isso aí! Os atletas da terrinha estão detonando os adversários de todo o País! Torcemos por vocês, meninos!

13:51 · 06.10.2011 / atualizado às 13:52 · 06.10.2011 por

Convocada pelo técnico Ênio Vecchi para defender a Seleção Brasileira de Basquete nos Jogos Pan-Americanos, a jovem Damiris do Amaral estrela o documentário “É Possível”, lançado pela Nike. O vídeo tem cerca de oito minutos de duração e mostra histórias de superação de novos atletas e artistas do cenário nacional.

Veja o vídeo abaixo:

Damiris transferiu-se recentemente para o Celta de Vigo, da Espanha. Mas, no início da carreira, tinha que encarar duas horas de viagens de trem para chegar aos treinos.

O esforço transformou a pivô em uma das maiores promessas do basquete nacional: em 2011, com apenas 18 anos, conduziu a Seleção Brasileira ao terceiro lugar no Mundial Sub 19 do Chile, além de ter sido eleita a melhor jogadora da competição.

O basquete conta ainda com um outro representante no documentário. Trata-se de Raulzinho Neto, armador de 19 anos que disputou pela Seleção Brasileira o Mundial da Turquia, em 2010, e o Mundial Sub 19 da Letônia, em 2011.

Raulzinho não está na lista de convocados da Seleção Masculina para o Pan – que busca em Guadalajara o quarto ouro consecutivo nos Jogos. Damiris, por sua vez, embarca no dia 15 para o México com o restante da equipe feminina, que ficou com a medalha de prata na edição de 2007.

O torneio feminino de basquete no Pan ocorrerá entre os dias 21 e 25 de outubro. A disputa entre os homens será realizado logo em seguida, entre os dias 26 e 30.

11:26 · 27.09.2011 / atualizado às 14:47 · 27.09.2011 por

 
 
 
 
 
 
 

A cada dia mais atletas tem procurado o Treinamento Funcional para melhoria de seu desempenho. Fotos: Sérgio Sampaio (Divulgação)

 

O Treinamento Funcional,  ‘boom’ do momento nas academias de todo o País, vem conquistando, a cada dia, novos e mais preparados adeptos. Além daquelas pessoas que buscam praticar uma  atividade física ou experimentar uma modalidade diferente, atletas  de corrida, natação, voleibol, basquete, ginástica, surf, jiu-jitsu e até de futebol, estão buscando esta atividade para desfrutarem dos inúmeros benefícios que ela proporciona.  

 Como o próprio nome diz, essa atividade física tem como finalidade fazer com que o treinamento se desenvolva buscando a funcionalidade e semelhança de gestos de uma determinada prática esportiva ou de movimentos relacionados as atividades da vida diária (AVDs). No caso dos atletas de corrida, por exemplo, não é diferente, já que trata-se de uma combinação de gestos motores que podem ser aperfeiçoadas e treinadas com a prática do Treinamento Funcional.

 

 
 
 
 

Atletas de diversas categorias, como surf, corrida e jiu-jitsu, tem melhorado sua performance com treinos funcionais.

 

 Sérgio Sampaio, educador físico e preparador de atletas da academia Funcional Work, explica como isso acontece. “O Treinamento Funcional pode ser aplicado visando a melhoria de todas as valências físicas e, dentre elas, estão a velocidade e resistência, essenciais para os corredores. Na realidade são dois tipos de sistemas energéticos trabalhados: anaeróbico e aeróbico. No caso dos corredores, principalmente os fundistas, ambos estão diretamente interligados. No Treinamento Funcional a resistência é amplamente trabalhada quando aplicamos intervalos os quais chamamos de “repouso ativo”. São intervamos entre-séries em que a frequência cardíaca, através de exercícios, permanece dentro de uma zona-alvo pré-calculada de acordo com os objetivos do atleta. Nesses exercícios incluem-se deslocamentos, saltos e isometrias. A velocidade pode ser desenvolvida com a aplicação de exercícios específicos para cada gesto motor. Nesses exercícios pode-se trabalhar inclusive o aperfeiçoamento do movimento e/ou um trabalho específico de força e resistência para o grupo muscular envolvido“.

Isso tem ocorrido principalmente porque mesmo aqueles atletas com altos níveis de preparação e performance precisam treinar de forma periodizada e sistemática.  “Isso faz com que, fisiologicamente, o corpo mantenha-se em condições de absorver novas cargas de treino e adaptações no que diz respeito a manutenção e melhoria do desempenho. É o que chamamos, no Treinamento Desportivo, de Princípio da Continuidade“, explica  Sérgio Sampaio.

O grande diferencial do Treinamento Funcional aplicado aos atletas que praticam a corrida está no cuidado com as lesões. “O treino não só evita lesões mas também as trata. Quanto mais fortalecido ou trabalhado um grupo muscular ou articulação menos propenso a lesões ele está. No caso dos atletas é primordial um trabalho não só aeróbico mas também que o corpo seja treinado de forma integral“, esclarece o personal trainner.

 Outra categoria que vem buscando a modalidade como ‘reforço’ para a performance é a de atletas de luta, especialmente jiu-jitsu. “O treinamento ajuda na medida em que é aplicado visando o aperfeiçoamento e prática dos movimentos relativos ao esporte. Esse treinamento tem como objetivo fazer com que o atleta execute movimentos que simulem os gestos da uma determinada luta e até mesmo situações que imitem a própria competição. Vale a pena ressaltar que esse treinamento deve ser realizado trabalhando o atleta como um todo, já que a os segmentos corporais são interligados em cadeias musculares. Os trabalhos realizados em superfícies instáveis também tem proporcionados excelentes resultados“.

 Uma dúvida constante de quem se interessa pela atividade é se o treinamento funcional substitui a musculação. Sérgio Sampaio esclarece que  termo ‘complementa’ é o mais adequado, dependendo dos objetivos. “O Treinamento Funcional é aplicado com melhores resultados em indivíduos que buscam trabalhar o corpo de forma integral com ganhos de condicionamento aeróbico, atletas que buscam resultados em um esporte específico. Pessoas em fase reabilitação e com alguns tipos de assimetrias também podem obter bons resultados com treinos de propriocepção. Outro fator importante a ser ressaltado são os ganhos proporcionados quanto ao equilíbrio e consciência corporal“.

 Legal, não é? E os atletas confirmam que a comprovação prática disso está nos resultados obtidos em um reduzido período de tempo. Até os grandes clubes de futebol do Brasil já incluíram o Treinamento Funcional como parte de sua preparação física. Atletas que optam por esse tipo de treinamento relatam uma rápida melhoria de rendimento após o início dessa prática.

As Belas no Esporte já aderiram ao Treinamento Funcional! E você?

 SERVIÇO:

Sérgio Sampaio – personal trainner (sergiodesampaio@gmail.com)

Telefones: 85.99000828 e 85.8661.3788

Indicado até para idosos, o Treinamento Funcional evita e trata lesões.
20:53 · 25.09.2011 / atualizado às 20:53 · 25.09.2011 por
Uinie Caminha, Renata Benevides e Danilo Cavalcanti levaram a medalha de prata por equipe (na categoria A) no Campeonato Brasileiro de Amadores. Foto: Divulgação

Cavaleiros e amazonas cearenses conquistam mais um título brasileiro para o Estado. As amazonas Uinie Caminha e Renata Benevides, junto com o cavaleiro Danilo Cavalcanti, levaram a medalha de prata por equipe (na categoria A) no Campeonato Brasileiro de Amadores, realizado nos dias 23, 24 e 25, em Brasilia, promovido pela Confederação Brasileira de Hipismo. Em primeiro lugar ficou a equipe de Brasília e o bronze foi para São Paulo.

Os atletas da Federação Equestre do Ceará tiveram um grande desafio para levar o título para casa. Com somente três componentes na equipe, estavam em desigualdade de condições em relação às demais equipes, que, com quatro integrantes, podiam descartar o pior resultado. Além disso, os cavalos têm a desvantagem de ter que percorrer longo percurso de caminhão, chegando mais cansados que o restante. Mas Harafah Jack Black (motada de Uinie Caminha), Harafah Princess Calato (montada de Renata Benevides) e Harafah SL Sissy (com Danilo Cavalcanti) não deixaram a desejar e fizeram bonito nas pistas da Sociedade Hípica de Brasília.

Empolgados com o título, os atletas nem pensam em descanso e já estão de olho nas próximas provas do calendário hípico, focando sempre nos grandes campeonatos. Segundo o técnico da equipe e instrutor do Centro Hípico Harafah, onde os atletas treinam, os cearenses já começam a focar no Campeonato Brasileiro de 2012.

07:50 · 01.08.2011 / atualizado às 07:51 · 01.08.2011 por
Oscar Pistorius garantiu sua participação no Mundial de Atletismo! Foto: Divulgação

Correr 400 metros em 45s07 parece difícil, não é? Imaginem fazer isso sem parte das pernas, usando duas próteses. Pois é! O sul-africano Oscar Pistorius conseguiu uma vaga para disputar o Mundial de Atletismo na Coreia do Sul, no fim deste mês de agosto, depois de alcançar essa marca.

Pistorius  é o primeiro atleta paraolímpico classificado para competir entre os homens mais rápidos do mundo.

O atleta sul-africano, apelidado de “Blade Runner” (Corredor Lâmina)
devido às próteses em folha de carbono que utiliza nas pernas – ambas amputadas quando ainda era bebê –  bateu ainda o seu recorde pessoal de 45,61 segundos. 

Exemplo de força e superação, com toda a certeza!