Busca

Categoria: Antrozoologia


19:37 · 16.07.2018 / atualizado às 19:40 · 16.07.2018 por
Sandra Guimarães e chef vegana e ativista dos direitos animais e humanos

A chef vegana, escritora  e ativista dos direitos humanos e animais, Sandra Guimarães, está em Fortaleza no fim de semana, dias 21 e 22, para cumprir agenda mais que imperdível! No sábado, 21, ela vai proferir palestra aberta ao público sobre “Direitos Animais & Direitos Humanos: uma conexão necessária”, às 9h30, no auditório da Prograd-Uece, no Campus do Itaperi. Já no domingo, ministra a oficina “Culinária Vegana para Todos”, com vagas limitadas.

A promoção é do Observatório de Direitos dos Animais (ODA), coordenado pelas veterinárias Adriana Wanderley, também professora da Favet-Uece, e Amanda Luíza Oliveira. O ODA é um núcleo de pesquisa e atuação em direitos dos animais, criado a partir de um projeto de extensão da Uece. Várias atividades e pesquisas já foram realizadas, como forma de conscientizar as pessoas sobre a temática.

A palestra da chef vegana é gratuita e aberta ao público. Já para a oficina de culinária vegana, como tem vagas limitadas e custos, os interessados devem fazer inscrição prévia.

Sandra Guimarães é chef vegana que compartilha receitas exclusivas em seu blog Papacapim desde 2010. Mas também escreve sobre direitos animais, questões sociais, feminismo e a Palestina, onde viveu por vários anos. Ela ajudou a desenvolver o Projeto de Empoderamento Feminino Noor, uma inciativa independente criada por e para mulheres mães de crianças com deficiência, no campo de refugiados da Aida (em Belém, Palestina). Desde 2014,  organiza tours político-veganos naquela região.

Sandra trabalhou como chef na Palestina, Londres, Bruxelas, Beirute, Paris e Berlim. Já proferiu muitas conferências no Brasil. Atualmente, participa de um projeto sobre o impacto da colonização israelense na soberania alimentar do povo palestino e no aumento da exploração animal e opressão humana na região.

MAIS INFORMAÇÕES: Palestra com Sandra Guimarães, “Direitos Animais & Direitos Humanos: uma conexão necessária”, sábado, 21, às 9h30, no auditório da Prograd-Uece, no Campus do Itaperi, Av. Dr. Silas Munguba, 1.700, aberta ao público. Oficina Culinária Vegana, domingo, 22, 10h. Vagas limitadas. Inscrições (85) 9 9989.2191/ 9 9192.7776/ 9 8138.3458 (WhatsApp).

 

19:13 · 28.06.2018 / atualizado às 19:13 · 28.06.2018 por

O grupo de criadores de cães da raça Pug, PugNic Fortaleza, está comemorando três anos de atividades. Sob administração de Diego Costa, Luciana Costa, Deborah Meireles e Ederson Ramos, o grupo marca a data em grande estilo. De sexta, 29, a domingo, 1, os integrantes estão em viagem na Praia do Cumbuco, onde se hospedam na Pousada Maracujá, lugar que é pet friendly desde 2016.

O ponto alto da comemoração será no sábado, 30, a partir das 10h, quando acontece a “Pool Party”, com a piscina da pousada liberada para os cães e seus familiares.

“O Pugnic Fortaleza nasceu em julho de 2015 com o propósito de reunir os criadores e amantes da raça Pug. Desde sua formação, o grupo, a cada dois meses, realizou encontros em diversos locais da cidade, tais como Praça Luíza Távora, Praça do Bem, Lago Jacarey, Buffet Via Sul Festas, Cidade Pet Resort, Bons Amigos Pet Hostel, Shopping Iguatemi Fortaleza e até na cidade de Guaramiranga”, conta Diego Costa.

Ele também destaca que o grupo tem grande expressão nas redes sociais. No Facebook, já são mais de 3 mil participantes. “E no WhatsApp, contamos com a participação de mais de 250 pessoas que adoram compartilhar o dia a dia de seus pets”, afirma Diego.

Nas comemorações dos três anos de atividades, uma parte do grupo se hospeda na pousada durante os três dias. Outra parte, comparece no sábado para a Pool Party. “No sábado, nossos Pugs têm piscina liberada para que possam aproveitar cada momento desse dia tão especial”, avisa Diego.

O proprietário da Pousada Maracujá, Marcos Antônio Gomes de França, informa que o local funciona desde janeiro de 2009. Tornou-se pet friendly em 2016. “Temos 14 quartos, piscina, jacuzzi, quiosque com redes, jardim e garagem. Não cobramos por apenas um pet no quarto. A partir do segundo pet, cobramos uma taxa. A pousada só aceita até três pets por vez ao dia. Mas quando é grupo de criadores, o número de cachorros é liberado. Colocamos na maioria dos quartos tela de proteção nas varandas”, explica Marcos Antônio. A pousada estabeleceu regras de hospedagem para pets que garante a harmonia entre todos.

MAIS INFORMAÇÕES: Aniversário de três anos do Grupo PugNic Fortaleza. (85)9 9604-2037 – Pool Party no sábado, dia 30, a partir das 10h, na Pousada Maracujá, Praia do Cumbuco – (85) 9 8520.7057.

23:39 · 20.06.2018 / atualizado às 23:39 · 20.06.2018 por
Professor Ricardo Figueredo e participantes da formação em Liderança Solidária no recente encerramento da disciplina

Em geral, o modelo de ensino tradicional envolve a transmissão de informações teóricas feitas pelo professor aos alunos, em sala de aula, seguidas pelo processo de memorização (decoreba) de extensos conteúdos pelos alunos, visando a realização de provas escritas para obter notas com a finalidade de aprovação em uma determinada disciplina. Inovando em relação a este pouco estimulante modelo tradicional de ensino, o curso de Medicina Veterinária da Favet-Uece lançou, de forma inédita, a disciplina optativa denominada Liderança Solidária e Ação Social.

O diferencial desta disciplina é poder associar ensino teórico dinâmico com ações sociais beneficentes além dos muros da universidade, permitindo aos alunos envolvidos o conhecimento e a vivência de contrastes sociais.
Além do professor responsável pela disciplina, Ricardo Figueredo, participam desse processo de ensino colaboradores membros da ONG Grupo Cristão Mãos de Luz (GCML) – voltada para a realização de projetos sociais – bem como empresários especializados em planejamento estratégico (Plataforma Canvas) e “Coaching”, e ainda representantes de instituições caritativas beneficentes.

Os universitários apresentaram os resultados das Caravanas Solidárias

Como responsável pela disciplina e também presidente do GCML, o professor Ricardo Figueiredo afirma que o objetivo principal da disciplina é capacitar os alunos na área de liderança com foco na elaboração de projetos, planejamento e execução de ações sociais, voltadas para públicos vulneráveis (seres humanos e animais), contribuindo para a formação humanística dos alunos na prática, despertando o senso de responsabilidade social.
Diferentemente de outras disciplinas tradicionais, não há prova escrita. Ao contrário, os alunos são avaliados pela sua capacidade em aspectos como: 1- elaborar um projeto de ação social de curta duração; 2-liderar, executar e apresentar os resultados da ação social planejada no período da disciplina.

Para tanto, são ministrados e discutidos com os alunos conteúdos relativos à educação integral (intelectual, emocional e social) e sua relação com a ética, bem como princípios e hábitos eficazes de liderança (incluindo “Coaching”) e estratégias para elaboração e execução de projetos (incluindo o Canvas). Há também aulas práticas de ações sociais bimestrais promovidas pelo GCML, as chamadas Caravanas Solidárias, que são abertas ao público (www.maosdeluz. org.br) nas quais os alunos têm a oportunidade de participar e ver na prática como funciona uma ação social, incluindo a importância da interação humanitária com o público vulnerável assistido.

Fornecida esta base, o aluno é desafiado a redigir o seu próprio projeto e, de forma interdependente, liderar a ação social, escolhendo uma instituição carente a ser beneficiada, determinando e executando estratégias para o recrutamento de voluntários e posterior arrecadação de recursos financeiros e outros produtos. Finalmente, o aluno realiza uma caravana para entrega dos itens arrecadados na instituição escolhida e interação da sua equipe (calor humano) com público alvo vulnerável.

“O resultado da disciplina foi impressionante e superou em muito as nossas expectativas, tanto da coordenação do curso de Veterinária, bem como as minhas, como professor responsável. É importante ressaltar que, por se tratar de uma proposta inovadora e experimental, alguns alunos matriculados ficaram temerosos e optaram por trancar a matrícula. Entretanto, 13 alunos aceitaram o desafio e fizeram história”, afirma o professor Ricardo Figueredo.  “Além dos dois créditos da disciplina, os alunos receberam também da coordenação da Veterinária e do GCML um certificado de coordenador de projeto de ação social que, certamente, fará diferença em seus currí­culos”, completa o professor.

O Lar Tintin foi uma das instituições beneficiadas neste semestre

As Caravanas Solidárias organizadas pelos alunos da Favet obtiveram êxito. Os 13 alunos formaram seis duplas e um aluno ficou inicialmente só. Cada dupla beneficiou uma instituição carente, totalizando sete caravanas: quatro para abrigos de crianças, uma para abrigo de idosos, uma para abrigo de moradores de rua e uma para abrigo de animais.

O encerramento da disciplina ocorreu no dia 6 passado, na sala de aula do Lamofopa (Favet- Uece), com a apresentação de sete seminários organizados pelos alunos. Eles relataram as suas experiências e resultados obtidos na realização das ações sociais.

O propósito agora é estimular outros cursos da Uece, bem como de outras universidades/faculdades, públicas ou privadas, a também ofertarem tal disciplina. “Vale ressaltar que um dos objetivos do planejamento estratégico do GCML é facilitar a implantação da disciplina de Liderança Solidária em instituições de ensino. Por meio do GCML, teremos grande prazer em auxiliar neste propósito“, afirma o professor Ricardo Figueredo.

MAIS INFORMAÇÕES: Disciplina “Liderança Solidária e Ação Social”. Professor Ricardo Figueiredo, (85) 9 9998.4056.

14:48 · 19.06.2018 / atualizado às 14:48 · 19.06.2018 por

E as Festas Juninas para cães continuam!! No domingo, 24, é a vez do Golden Retriever Fortaleza (GRF) promover sua programação. As administradoras do Grupo, Gizelle Neves e Laura Farias, convidam todos os apaixonados por cães. Sim, porque o Arraiá GRF é para os Goldens e seus familiares, mas também para todas as raças de cães e para os Sem Raças Definidas (SRDs).

“O Arraiá GRF é para todos. Até para quem não tem dog mas quer comer uma comidinha típica, está convidado”, avisa Giselle Neves.

A programação começa a partir das 14 horas, no Adorabull Pet Hotel. Na programação: comidas típicas, “Cãodrilha”, parceiros expositores (o público vai poder adquirir e conhecer os produtos no local), Desfile Cãocesa e Cãopríncipe do Milho, sorteio de brindes etc.

Para participar dos sorteios, basta doar 3kg de ração e trocar por um cupom. Quanto mais ração doar, mais cupons de participação. A ração será destinada para os animais do Lar Tintin.

MAIS INFORMAÇÕES: Arraiá Golden Retriever Fortaleza (GRF). Domingo, 24, no Adorabull Pet Hotel. (85)9 9629.8088/ (85) 9 8801.7157

 

22:39 · 12.06.2018 / atualizado às 22:40 · 12.06.2018 por
Prefeito Roberto Cláudio e veterinários concursados para o VetMóvel. Trabalho em prol do bem-estar animal

O VetMóvel segue até quinta-feira, 14, com serviços clínico-veterinários no Parque Adahil Barreto, no horário de 8h às 12h e de 13h às 17h. Desenvolvida pela Coordenadoria Especial de Proteção e Bem-Estar Animal (Coepa), vinculada à Secretaria Municipal de Conservação e Serviços Públicos (SCSP), a iniciativa faz parte das ações programadas para 2018 com o objetivo de envolver cada vez mais a sociedade no combate aos maus tratos e abandono de animais na capital cearense.

Quatro médicos veterinários atuam no VetMóvel: o clínico Ricardo Garcia, o anestesista Thiago Antônio Rodrigues e os cirurgiões Júlio César dos Reis e Marina Frazatti Galilina. As veterinárias da Coepa, Rosania Ramalho e Thais Câmara, também dão consultoria aos trabalhos. A titular da Coordenadoria, Toinha Rocha, mostra-se otimista com as atividades e, com a continuidade dos serviços, a expectativa é que o VetMóvel alcance a meta de realizar 500 castrações no mês.

Dra. Rosania Ramalho, da Coepa, e Paulo Lyra, coordenador do Parque do Cocó, com os animais atendidos pelo VetMóvel

As castrações são realizadas apenas  para os tutores que comprovarem baixa renda (participação em programas sociais, como o NIS, Bolsa Família etc), ou para animais encaminhados pelas ONGs de proteção animal ou protetores independentes. O procedimento só é feito após avaliação do clínico veterinário, realização de exames complementares e após o tutor ou protetor independente assinar um termo de responsabilidade. O pós-operatório é de inteira responsabilidade do tutor ou responsável pelo animal.

O VetMóvel também fornece vacinação antirrábica e realização de exames rápidos para detecção do Calazar (Leishmaniose) destinados a animais pertencentes à população local, além de registro geral animal, distribuição de material educativo, palestras sobre bem-estar animal e guarda responsável.

Dra. Thais Câmara, da Coepa, e as cartilhas educativas

A Coepa produziu duas cartilhas educativas para os tutores, com a participação direta de seus veterinários, como a Dra. Thais Câmara. Com os títulos “Cuidados com a castração” e “Aprenda a cuidar bem dos nossos bichinhos”, as cartilhas são distribuídas gratuitamente aos interessados.

As consultas, vacinas e exames do calazar podem ser feitos de 8h às 15h. “O serviço é disponibilizado para todos os tutores”, destaca Rosania Ramalho. Na sexta-feira, o VetMóvel retorna ao Shopping RioMar para consultas aos animais que foram castrados na última semana.

Rosania Ramalho explica que o trabalho no VetMóvel é feito também em parceria com a Secretaria de Saúde do Município e seus agentes de endemias e conta com o apoio do coordenador do Parque do Cocó, Paulo Lyra.

Durante o recente evento internacional Américas e Caribe, Prefeitura de Fortaleza e Coepa mantiveram estande. Blog Bem-Estar Pet/Revista Bem-Estar Animal em entrevista com Toinha Rocha e Rosania Ramalho

Os veterinários do VetMóvel foram selecionados por concurso público. Eles foram empossados pelo prefeito Roberto Cláudio no dia 30 de maio passado. Com atividades sempre de segunda a sexta-feira, de 8h às 12h e de 13h às 17h, a intenção é que o equipamento percorra outros locais e bairros da cidade, com programação até julho já definida.

MAIS INFORMAÇÕES: Coordenadoria de Proteção e Bem-Estar Animal (Coepa). (85) 3272.3386

 

19:14 · 04.06.2018 / atualizado às 19:14 · 04.06.2018 por
O Lar Tintin, da protetora Viviane Lima, foi a instituição de proteção animal beneficiada neste semestre com uma das Caravanas Solidárias

Os estudantes da Faculdade de Veterinária da Universidade Estadual do Ceará (Favet-Uece) passam por uma experiência inédita em sua formação profissional. Ganharam no currículo a disciplina optativa “Liderança Solidária e Ação Social”, desde fevereiro passado. A nova cadeira objetiva a formação humanística dos universitários, com ênfase na organização de ações sociais voltadas para os seres humanos e animais em situação de vulnerabilidade. Na sexta-feira, dia 8, eles vão encerrar o semestre de projetos, às 13h30, no Lamofopa da Favet-Uece, Campus do Itaperi, com apresentação das atividades beneficentes.

O idealizador e professor da nova disciplina, Ricardo Figueiredo, diz que 13 alunos da nova disciplina realizaram sete Caravanas Solidárias, sendo quatro em instituições de crianças carentes, uma em abrigo de idosos, outra voltada para moradores de rua, e mais outra no Lar Tintin, que resgata animais em situação de abandono. Os próprios universitários organizaram, lideraram e angariaram os recursos, alimentos, materiais de higiene pessoal e de limpeza geral etc para o público em vulnerabilidade social.

O professor explica que a ideia surgiu a partir da experiência de promoção social do Grupo Cristão Mãos de Luz (GCML), que ele preside. O GCML não é vinculado a nenhuma religião, e reúne católicos, espíritas, evangélicos e todos os interessados em fazer o bem aos que precisam.

Os universitários da Favet-Uece também beneficiaram abrigo de idosos

Nos últimos doze meses o GCML, em parceria com o Favet-Uece, realizou uma sequência de ações sociais bimestrais, as Caravanas Solidárias, que permitiram a arrecadação e distribuição de mais de 11 toneladas de alimentos, mais de três mil livros, milhares de brinquedos e diversos produtos de higiene pessoal, beneficiando cerca de 6.000 pessoas em situação de vulnerabilidade.

Os grupos vulneráveis incluíram os sertanejos em situação de miséria, pacientes psiquiátricos do SUS (incluindo dependentes químicos), detentos vinculados ao projeto Livro Aberto da Secretaria de Justiça do Estado (Sejus), crianças carentes, inclusive pacientes com câncer, idosos e pacientes adultos desfavorecidos, portadores de câncer ou doenças sexualmente transmissíveis, também do SUS.

Além da ajuda humanitária, as ações permitiram aos voluntários, dentre universitários e professores da Favet-Uece, empresários, diversos profissionais liberais e crianças, a vivência de contrastes sociais por meio de visitas e interações com o público favorecido, durante a entrega dos bens por ocasião das Caravanas.

Quatro Caravanas Solidárias levaram alimentos e brinquedos para instituições de crianças

Em função da experiência bem-sucedida das Caravanas, foi criada e implementada de forma inédita na Favet-Uece, a disciplina optativa “Liderança Solidária e Ação Social”. “O objetivo desta disciplina é o de treinar e capacitar estudantes na área de liderança com ênfase no planejamento, articulação e execução de ações sociais, visando o desenvolvimento de competências humanísticas, assegurando a formação de futuros profissionais com responsabilidade social”, explica o professor Ricardo Figueredo.

O professor destaca que as faculdades interessadas em conhecer e aderir à disciplina, ele se coloca à disposição para repassar a experiência.

MAIS INFORMAÇÕES: Encerramento do semestre da Disciplina “Liderança Solidária e Ação Social”, no Laboratório Lamofopa, Faculdade de Veterinária da Uece, Campus do Itaperi, Avenida Paranjana, 1.700. Sexta-feira, dia 8, 13h30, aberto aos interessados. Professor Ricardo Figueiredo, (85) 9 9998.4056.

08:24 · 23.05.2018 / atualizado às 08:24 · 23.05.2018 por

A superpopulação de animais em estado de abandono na Capital cearense é um dos mais graves problemas ambientais. Principalmente gatos e cães são jogados em praças, parques, mercados, cemitérios, escolas e campi de universidades. A Coordenadoria de Proteção e Bem-Estar Animal de Fortaleza (Coepa), tendo à frente Toinha Rocha, está consolidando o cadastro de pontos de abandonos na Capital, que só aumentam. A médica veterinária Rosania Ramalho, que também integra a Coepa, aponta que são mais de 50 pontos, mas praticamente toda a cidade tem animais em estado de abandono.

Um dos locais que mais acumula especialmente gatos abandonados são os centros das Universidades Federal do Ceará (UFC), Estadual do Ceará (Uece) e de Fortaleza (Unifor). Como o Poder Público não dá conta, sozinho, de solucionar o grave problema, a sociedade civil se organiza para tentar amenizar a problemática. São grupos de protetores independentes ou ONGs que se mobilizam da melhor forma possível para buscar ações de controle dessa população de seres vivos.

No Centro de Humanidades 1 (CH1), da UFC, no Benfica, um dos grupos mais organizados é a União Felina Consciente (UFC). Integrada por servidores e professores do CH1, a entidade cuida de cerca de 30 gatos que foram jogados no campus por pessoas irresponsáveis. Estas pessoas não se dão conta de que animal em estado de abandono é um problema que fere normas do Bem-Estar Animal, pois os bichos ficam vulneráveis a todo tipo de sofrimento e maus-tratos, e também um problema ambiental de saúde pública, pois eles podem tornar-se vetores de zoonoses que vitimam os próprios seres humanos.

Vale destacar que pesquisas científicas já comprovam que os animais, principalmente os mamíferos, são seres sencientes, ou seja, têm a capacidade de sentir dor e sofrer. O pior medo que os animais domesticados podem sentir é o medo do abandono. Nas ruas, eles ficam vulneráveis a todo tipo de sofrimento, tais como atropelamentos, torturas, fome, sede, doenças diversas.

Um das integrantes da União Felina Consciente, Roxeane Teles Martins, farmacêutica-bioquímica e também servidora da Universidade Federal do Ceará, diz que o grupo de voluntários faz cota com os próprios recursos para viabilizar a compra de ração, medicamentos e custear despesas com médicos veterinários e principalmente com a castração dos bichanos para evitar o aumento de gatos no CH1. Uma vez castrados, vacinados e vermifugados, os bichanos são colocados para adoção responsável, pelas redes sociais do grupo.

Nos campi da UFC exitem alguns grupos de voluntários que realizam ações de proteção e bem-estar animal. Para financiar o trabalho, eles realizam eventos como bazar de objetos diversos, com renda revertida para as atividades. Os grupos União Felina Consciente e Setes Vidas, em parceria com a Universidade Federal do Ceará, estão, no momento, pedindo a doação de objetos para realização de um grande bazar. A renda será destinada à castração dos animais do Campus do Pici.

12:33 · 18.04.2018 / atualizado às 12:48 · 18.04.2018 por
O Vetmóvel terá médicos veterinários para consultas, castrações, hemogramas, vacinas e palestras

Agora é pra valer! No próximo dia 16 de maio, o Vetmóvel começa a funcionar em Fortaleza! Quem garante é a coordenadora especial da Coordenadoria de Proteção e Bem-Estar Animal (Coepa), Toinha Rocha, que hoje concedeu entrevista exclusiva para o Blog Bem-Estar Pet, exatamente na data em que a Coepa completa seis meses de atividades em favor dos animais na Capital cearense.

“O Vetmóvel iniciará os trabalhos na Regional I, no Cuca da Barra do Ceará, com os serviços de consultas, hemogramas, castração, vacinas e palestras“, afirma Toinha Rocha. Hoje, a Prefeitura já divulgou o resultado da seleção para contratar os quatro veterinários que atuarão no Vetmóvel. Serão um clínico geral, dois cirurgiões e um anestesista. Pela relação divulgada, os primeiros colocados foram os médicos veterinários Ricardo Ribeiro Garcia (clínico), Júlio César dos Reis Saraiva e Omar Cirino Duarte (cirurgiões) e Thiago Antônio Rodrigues Vasconcelos (anestesista). Os demais colocados ficam no contingente de reserva.

Prefeito Roberto Cláudio e Toinha Rocha em solenidade na qual foi anunciado pacote de políticas públicas de bem-estar animal

Nos seis meses de trabalho, a Coepa vem construindo uma grande rede de proteção e bem-estar animal em Fortaleza. Pelo balanço feito por Toinha Rocha, já são cerca de 50 reuniões realizadas no período, com universidades e faculdades de Medicina Veterinária, grupos empresariais, entidades de classe, ONGs e protetores independentes, Polícia Militar Ambiental, secretarias de governo, entre outros.

Foram promovidos cursos para mais de 500 multiplicadores, entre facilitadores da Rede Cuca, agentes de endemias, policiais do Batalhão da PM Ambiental, estudantes e professores de Veterinária, entre outros.

Com a Coepa, o prefeito Roberto Cláudio inaugura um novo tempo em Fortaleza, com a meta de ampliar as políticas públicas de proteção e bem-estar animal. Somente para este ano, a Coepa já tem assegurados no Orçamento do Município R$ 3,4 milhões, aqui incluídos os R$ 500 mil para construção da primeira Clínica Veterinária Popular, que funcionará ao lado do Abrigo São Lázaro.

Segundo Toinha Rocha, a Clínica Popular deverá ser entregue à população e seus animais a partir de dezembro. Até o fim de julho, estão previstas a definição do projeto e licitação da obra, para inicio da construção a partir de agosto”, afirma ela. E a ampliação e melhoria do Abrigo São Lázaro, outro benefício assegurado pela Prefeitura, contam com parceria do Curso de Arquitetura da Faculdade Estácio de Sá, na elaboração do projeto-piloto.

Primeira equipe da Coepa: Rosania Ramalho, José Alberto Thiers, Toinha Rocha, Marcel Girão e Thais Câmara

“Nesses seis meses da Coepa, como todo órgão em seu início, enfrentamos algumas dificuldades. Mesmo assim, superamos todas e, com muita força de vontade, criatividade e parcerias com as ONGs, protetores, e demais envolvidos na causa, estamos construindo essa grande rede de proteção animal em Fortaleza”, afirma a médica veterinária Rosania Ramalho, braço direito de Toinha Rocha na Coepa, que também conta com os integrantes José Alberto Thiers, veterinária Thaís Câmara e Júlio César. Até este mês, o economista e protetor Marcel Girão também fazia parte da equipe, mas precisou se desincompatibilizar em cumprimento às exigências da legislação eleitoral.

Nesta quarta-feira, a Coepa estará presente na terceira edição do Largo dos Bichinhos, que acontece toda terceira quarta-feira do mês, no Largo dos Tremembés, Praia de Iracema, a partir das 17h, numa promoção da Prefeitura de Fortaleza, Secretaria de Turismo do Município, Coepa e Instituto Iracema. Haverá adestramento de cães, Cantinho da Adoção, vacinação anti-rábica e teste de calazar, vacinação de tétano e hepatite, feira de produtos pet e massoterapia. O evento é gratuito e aberto ao público.

MAIS INFORMAÇÕES: 3ª Edição do Largo dos Bichinhos, hoje, 18, 17h, no Largo dos Tremembés, Praia de Iracema, aberto ao público. Coepa (85) 3272.3386

14:50 · 09.03.2018 / atualizado às 14:50 · 09.03.2018 por
Denise Falcão, Niobe Raposo e “Mamá”: experiência de casa conquistou o mercado com inovação em alimento natural para pets FOTO: Cãopcake

As empresárias da Cãopcake, Denise Falcão e Niobe Raposo, nos envia esta informação maravilhosa! Para nós, que sempre estamos em busca de dar o melhor para nossos amadinhos de quatro patas, é tudo de bom! Confiram:

A Cãopcake® obteve agora março o primeiro registro do Norte e Nordeste no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), tornando-se a única empresa da região autorizada a fabricar alimentação natural para animais de estimação.

O registro no MAPA assegura que o estabelecimento possui instalações em perfeitas condições higiênico-sanitárias e que seu processo de fabricação segue as rigorosas normas estabelecidas pela legislação, garantindo que os produtos fabricados levem, além de muito sabor, segurança para o consumidor, evitando contaminação e possíveis danos à saúde dos animais.

“O mercado de alimentação natural pet está em expansão no Brasil. Muitas pessoas recorrem a essa alternativa visando proporcionar melhor qualidade de vida a seus animais de estimação. Contudo, é necessário muito cuidado na hora de escolher o produto, já que a alimentação e os petiscos naturais não podem ser elaborados por pessoas leigas e sem formação profissional adequada”, explica Denise Falcão.

A Dra. Daniele Falcão, responsável técnica pela Cãopcake, explica que apenas um médico veterinário ou um zootecnista estão habilitados a elaborar produtos para alimentação de animais. “Existem cuidados específicos da seleção dos ingredientes à rotina de fabricação. Nem todo alimento natural pode ser ingerido pelos animais. É necessário verificar a composição e balancear os nutrientes. Um produto mal preparado pode trazer inúmeros prejuízos à saúde de seu animalzinho, podendo, inclusive, leva-lo à desnutrição”, alerta ela.

Registro da Cãopcake junto ao Ministério da Agricultura é o primeiro do Norte e Norte

De mães para filha

Criada em 2015, a Cãopcake nasceu da experiência da advogada Denise Falcão e da web designer Niobe Raposo com a cadela Mamá, que se negava a comer ração. “Preparamos petiscos naturais e ela adorou. Depois de compartilhar a história e os petiscos com amigos, vimos uma oportunidade de inovar no mercado com um produto que une sabor e saúde para os nossos filhos peludos”, conta Denise.

As empresárias comemoram o registro no MAPA como um reconhecimento dos processos de qualidade e segurança da empresa, que também é a única do Ceará com registro no Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV/CE).

MAIS INFORMAÇÕES: Cãopcake / (85) 99912.5945. fb.com/caopcake / caopcake.com.br – MAPA

Ministério da Agricultura atestou a qualidade da Cãopcake
13:36 · 06.03.2018 / atualizado às 13:36 · 06.03.2018 por
“Leo” e sua nova mamãe italiana Sara. Das ruas do Cumbuco para vida de príncipe em Gênova / FOTOS: Alessandra Couto

Um verdadeiro conto de fadas! Ou melhor… “Conto de Patas”: um gatinho é abandonado nas ruas do Cumbuco com apenas 2 meses, entre a vida e a morte. É resgatado por um casal italiano e hoje mora em Gênova, com todo o amor e carinho que todo animal merece. Só que no meio dessa história – uma verdadeira saga, digna de roteiro de cinema – tem a participação especial da protetora independente, Alessandra Couto. Sim, o gatinho, batizado de “Leo”, não pode viajar imediatamente com os papais italianos. Precisou passar o período de quarentena no Brasil e o tempo necessário para resolver toda a burocracia da viagem. Quem viabilizou tudo: Alessandra, claro! Ela contou com uma rede de amigos e do veterinário Dr. Rafael Borges. E no dia 24 de janeiro último, a convite dos papais italianos, ela embarcou junto com o “Leo” para o final feliz desse “Conto de Patas”.

E “Conto de Patas” é a série de livros que Alessandra está escrevendo, a partir da primeira história, a do Gato “Leo”. O livro está em fase de finalização, e em busca de patrocínios. Serão 150 páginas com toda a aventura do gatinho abandonado nas ruas do Cumbuco e adotado pela família italiana. O lançamento está previsto para julho. Um segundo livro da série, também contando a história de outro gato, o Zé Carioca, já está no roteiro.

Alessandra Couto e “Leo” na bolsa de viagem para a Itália

Alessandra Couto faz proteção animal há mais de 12 anos. Tem 30 gatos adotados. Também é proprietária do Hotel Cheiros e Lambeijos, só para gatos, na Cidade dos Funcionários. Foi por ter o hotel que o casal de italianos, Sara Fazio e Enea Cerri, chegou até a protetora, por recomendação do Dr. Rafael Borges, da Clínica Veterinária Garra. Eles já rodavam de táxi há cerca de uma semana, entre Cumbuco e Fortaleza, providenciando a papelada de viagem para o Leo: vacinas, chip etc. Daí Dr. Rafael alertou sobre a exigência do período de quarentena, indicando o hotel de Alessandra.

O encontro dos italianos com a protetora foi só emoção, desde o início. “Eu não falo nada de italiano e quando eles chegaram na minha casa/hotel, no dia 12 de agosto do ano passado, foi só choro de emoção ao ver a situação do Leo”, relembra Alessandra. O casal retornou em seguida para Gênova, ficando à espera da chegada do novo “filho”. Em dezembro passado, Sara convida Alessandra para acompanhar o “Leo” na viagem. Somente em janeiro último toda a burocracia de viagem foi superada, inclusive o passaporte de Alessandra. A correria foi grande, mas tudo deu certo!

“Leo”, Sara e Alessandra, já na Itália: uma história de amor internacional

No dia 25 de janeiro Alessandra chega com o “Leo” em Milão, sendo recepcionada por Sara e familiares. No aeroporto, Sara segurava um cartaz com a inscrição “Leo”. Foi só choro de emoção mais uma vez. Após 10 horas de voo entre Brasil e Itália, e mais duas horas de trem entre Milão e Gênova, o gatinho “Leo” chega em sua nova família. Alessandra permanece com os novos amigos por uma semana. “Fiquei impressionada com o amor dos familiares e amigos de Sara e Enea na acolhida ao Leo. Ele foi recebido como um filho humano, e não como um filho felino, tão grandes eram o amor e atenção de todos”, conta Alessandra.

O “Conto de Patas do Leo” tem muito mais emoção e aventura. Aguardem o livro em julho! O primeiro de uma série que promete ficar na história da proteção animal mundial!

Novos papais do gato “Leo”, Sara Fazio e Enea Cerri
Gato “Leo” leva hoje uma vida de príncipe na Itália

MAIS INFORMAÇÕES: Alessandra Couto, escritora, protetora independente e proprietária do Hotel Cheiros e Lambeijos, só para gatos. (85) 8781.5412