Busca

Categoria: cinofilia


08:53 · 02.08.2018 / atualizado às 08:53 · 02.08.2018 por

Os cães de companhia lideram na preferência dos cearenses! De acordo com o Kennel Clube do Estado do Ceará (KCEC), das dez raças com maior número de registros de cães junto à entidade, sete são de companhia. Os números consolidados de registro de cães referem-se ainda ao ano de 2017, mas refletem uma tendência atual.

O vice-presidente do KCEC, Luiz Eduardo Matos Mendes, aponta as dez raças mais preferidas pelos cearenses, considerando os números de registro de cães:

  1. Shih tzu – 1.376 registros
  2. Yorkshire Terrier – 697
  3. Buldogue Francês – 469
  4. Pug – 387
  5. Golden Retriever – 343
  6. Rottweiler – 289
  7. Spitz Alemão Anão – 245
  8. Fila Brasileiro – 235
  9. Bulldog (Buldogue Inglês) – 197
  10. Maltês – 188 registros

Os cães de guarda, como Fila e Rottweiler, vêm em segundo lugar na preferência. “Numa metrópole como a nossa, os cães, em sua maioria, perdem suas funções originais, tais como caçar, farejar, pastorear etc. Daí sobram então duas funções básicas: a guarda, para aqueles que ainda moram em casas, considerando a insegurança urbana; e a função de companhia, que é própria das raças do Grupo 9”, afirma Luiz Eduardo. “E também vale considerar que, cada vez mais, as pessoas estão solitárias, ou moram sozinhas, ou ainda, as familias têm menos filhos. Os pets de companhia estão ocupando este espaço”, completa.

Vice-presidente do Kennel Clube do Estado do Ceará (KCEC), Luiz Eduardo Matos Mendes / Foto: Nilton Novaes

“Ao longo da história da humanidade, o melhor amigo do homem sempre esteve ao seu lado para atender as suas necessidades que mudam junto com a evolução humana. Por isso, o crescimento, não só no Ceará, mas no mundo, das raças de companhia, não só por serem menores, mas por serem mais fácies de adaptação aos apartamentos, visto, por exemplo, a substituição de um Akita por um Shiba, ou de um Collie por um Pastor de Shetland; mas, principalmente, por nos dar alegria de preencher o vazio de nossas vidas. Ficam juntos conosco pedindo e dando unicamente carinho“, complementa o vice-presidente do KCEC.

Com base nos dados da Confederação Brasileira de Cinofilia (CBKC) sobre as dez raças e seus respectivos grupos, conforme o padrão técnico de cada uma, e também com alguns itens dos sites Cachorrogato e Tudo sobre cachorros, veja abaixo informações gerais sobre os cães preferidos dos cearenses (origem, aparência geral, temperamento).

Vale o alerta: preferimos não trazer preços de cães uma vez que o mais correto é se informar junto aos próprios criadores. Sim, se você está interessado em adquirir um exemplar de uma das raças, entre em contato com o Kennel Clube do Estado do Ceará, se informe sobre o respectivo criador e visite o canil. Desta forma, estará agindo com responsabilidade e combatendo a ação dos chamados “cachorreiros”, que não respeitam o bem-estar animal e reproduzem ninhadas sem se preocupar com os padrões das raças, visando apenas o comércio indiscriminado.

As fotos são do fotógrafo especializado em cinofilia, Nilton Novaes, que mantém em seu Facebook o “Cantinho das Raças by NN”.

As Dez raças com maior número de registros de cães no KCEC

Fotos: Nilton Novaes

Shih tzu – 1.376 registros
Grupo 9 – Cães de companhia
Utilização: Cão de Companhia.

As pessoas tendem a se confundir entre os Apso e Shih Tzu, mas há uma série de diferenças muito distintas entre eles. As raízes desta raça estão no Tibete, mas ela foi desenvolvida na China, onde cães como estes viviam nos palácios imperiais. A China se tornou uma república em 1912, após o que exemplares da raça encontraram seu caminho para o ocidente, embora a primeira importação registrada para a Grã-Bretanha não ocorreu antes de 1931. Foi reconhecida como uma raça distinta de outras raças orientais em 1934, sendo concedido um registro separado pelo The Kennel Club em 1940, com certificados para campeonato disponibilizados a partir de 1949. O visual do crisântemo para a cabeça do Shih Tzu é o mais atraente, e isso é causado pelo crescimento do pelo para cima, na ponte nasal. Robusto, pelagem abundante, mas não excessiva, com um distinto porte arrogante e com uma cabeça com aspecto de crisântemo. Inteligente, ativo e alerta. Carinhoso e independente.

Yorkshire Terrier – 697 registros
Grupo 3 – Terriers
Utilização: Cães de companhia

O Yorkshire Terrier é oriundo da mesma localidade do Airedale Terrier e foi visto pela primeira vez em torno dos anos 1850. O velho Terrier Preto e Castanho (“Tan”) está por trás (da formação) do Yorkshire Terrier, juntamente com outras raças como o Maltês e o Sky Terrier. O nome atual foi aceito em 1870. Dentre as qualidades características das raças Terriers inclui-se o instinto de caça, seja por um brinquedo em casa ou um roedor no jardim. De pelagem longa, com o pelo pendendo completamente reto e uniformemente para baixo em cada lado, dividido por uma linha que se estende da trufa à extremidade da cauda. Muito compacto e elegante, portado muito verticalmente, conferindo um ar importante. Terrier de companhia alerta e inteligente. Vivaz e igualmente disposto.

Buldogue Francês – 469 registros
Grupo 9 – Cães Toy e de Companhia
Utilização: Cães de Companhia

Provavelmente surgiu, como todos os dogues, dos Molossos do Epirus e do império romano, parente do Bulldog da Grã-Bretanha, dos Alanos da Idade Média, dos dogues e pequenos dogues da França, o buldogue que conhecemos é um produto de diferentes cruzamentos feitos pelos criadores apaixonados nos bairros populares de Paris nos anos 1880. Naquela época cão de forte Halles – açougueiros, cocheiros – e cedo conquistaram a alta sociedade e o mundo dos artistas pelo seu físico e particularmente pelo seu caráter. Ele então se propagou rapidamente. O primeiro Clube da raça foi fundado em 1880 em Paris. O primeiro registro data de 1885 e o primeiro padrão foi estabelecido em 1898, ano no qual a Sociedade Canina Central (Kennel Club Francês) reconheceu o Bulldog Francês como raça. O primeiro cão dessa raça foi exposto no início de 1887. O padrão foi modificado em 1931-1932 e 1948. O tipo é o de um molossóide de pequeno porte. Cão possante para seu pequeno talhe, brevilíneo, atarracado, compacto em todas as suas proporções, de pelo curto, com uma trufa achatada, de orelhas eretas e com uma cauda naturalmente curta. Ele deve ter a aparência de um cão ativo, inteligente, muito musculoso, de estrutura compacta com uma sólida ossatura. Nenhum ponto é exagerado comparado aos outros, o que poderia destruir a harmonia geral ou dar ao cão uma aparência disforme de gênero ou de movimento. Como um bom cão de companhia, é sociável, alegre, brincalhão, possessivo, ativo.

Pug – 387 registros
Grupo 9 – Cães de Companhia
Utilização: Cães de companhia

Uma certa quantidade de especulação existia sobre a origem desta raça, que parecia ter vindo do Oriente. Seu país de origem é listado como a China, onde os cães de nariz (trufa) arrebitado sempre foram favorecidos. Ele encontrou o seu caminho para a Europa com os comerciantes da Companhia Holandesa das Índias Orientais e desde o ano de 1500 já eram admirados nos Países Baixos. Na verdade, o Pug se tornou o símbolo para os patriotas reais. O Pug chegou à Inglaterra quando Guilherme III subiu ao trono. Até 1877, a raça era vista apenas na cor fulvo, mas nesse ano um casal preto foi introduzido a partir do Oriente. Decididamente quadrado e robusto, ele é “multum in parvo” (muito em pouco, ou seja, cão compacto e atarracado), como mostra sua forma compacta, suas bem ajustadas proporções e sua musculatura rija, mas nunca deve apresentar patas curtas nem ser magro e pernalta. De grande charme, dignidade e inteligência. Equilibrado, feliz e muito disposto.

Golden Retriever – 343 registros
Grupo 8 – Retrievers, Levantadores e Cães d’Água
Utilização: Cão de caça

Gerado na Grã-Bretanha, em meados do século XIX, o Golden Retriever foi desenvolvido a partir da mistura de diferentes raças caninas, incluindo Water Spaniel (já extinta), Terra Nova e Setter Irlandês – embora haja estudiosos que acreditam que o Bloodhound também faça parte dessa base que deu origem ao Golden. Goldens parecem Labradores de pelo longo, mas tem o temperamento mais calmo e se adaptam melhor em apartamentos. Amigo de todos, o Golden Retriever é conhecido por sua natureza devotada e protetora como companheiro da família. Ele vai fazer suas buscas esportivas também em apartamento, e anseia por um dia no campo. Ignorar sua natureza ativa e sua poderosa estrutura física pode levar a problemas de comportamento. Essa raça precisa de exercícios físicos e mentais todos os dias. Ele tende a ser excessivamente exuberante e agitado, e seu entusiasmo pelas coisas o distrai facilmente durante o treino. Porém, ele é louco para agradar e adora aprender. Obediente, inteligente, possui natural habilidade para o trabalho, amável, amigo e confiável.

Rottweiler – 289 registros
Grupo 2 – Pinscher e Schnauzer, Molossóides, Boiadeiros e Montanheses Suíços e raças assemelhadas
Utilização: Tração, guarda e boiadeiro

O Rottweiler figura entre as raças mais antigas. Sua origem remonta à época dos romanos, onde foi criado como um cão de guarda e boiadeiro. Esses cães imigraram com as legiões romanas através dos Alpes, guardando homens e tocando o rebanho. Nos arredores de Rottwell, eles se encontraram com os cães da região. Houve, então, uma miscigenação. A tarefa principal do Rottweiler voltava a ser a condução e a guarda de grandes rebanhos, de grandes animais e a defesa do seu dono e seu patrimônio. Ele recebeu esse nome por causa da antiga cidade de Rottweil: Rottweiler Metz-gerhund (Cão de açougueiro de Rottweil). Os açougueiros criaram esta raça por pura exibição, sem qualquer utilidade para ele. Assim, no decorrer do tempo, este cão de passeio passou a ser mais utilizado como cão de tração. No início do século, quando se pesquisaram diversas raças para a função policial, o Rottweiler também foi avaliado. Em pouco tempo demonstrou ser extraordinariamente adequado às tarefas do serviço policial. Por esta razão, no ano de 1910, foi oficialmente reconhecido como um cão policial. A criação do Rottweiller pretende um cão forte, preto com marcações em marrom avermelhado, claramente definidas, que, apesar do aspecto geral massudo, não deve prescindir de nobreza, sendo altamente indicado como cão de companhia, proteção e utilidade. É um cão robusto, porte de médio para grande, sem ser leve, grosseiro, pernalta ou esguio. Sua estrutura, em proporções corretas, forma uma figura compacta, forte e bem proporcionada, revelando potência, agilidade e resistência. É, basicamente, amigável e pacífico, muito apegado, adora crianças, fácil de se conduzir e ávido por trabalho. Sua estampa revela primitivismo, é autoconfiante, com coragem e nervos firmes. Sempre atento a tudo que o cerca, reage com grande presteza.

Spitz Alemão Anão – 245 registros
Grupo 5 – Spitz e tipos Primitivos
Utilização: Cão de guarda e companhia

Os Spitz Alemães são descendentes dos cães da Idade da Pedra: “Peat dogs” (Torfhund) “Canis familiaris palustris Rüthimeyer”, e mais tarde o Lake Dweller’s (Pfahlbau) Spitz; são as raças de cães mais antigas da Europa Central. Muitas outras raças foram criadas a partir delas. Nos países de línguas não germânicas, os “Wolfsspitz” são conhecidos como Keeshonds e os Spitz Anão como Pomerânia. Os Spitz cativam pela beleza de sua pelagem, feita para ficar externamente ao abundante subpelo. Particularmente impressionante é o forte tipo de juba ao redor do pescoço (“rufo”) e a espessa cauda atrevidamente portada sobre o dorso. A cabeça de raposa com olhos alertas e as pequenas orelhas pontudas, inseridas próximas uma da outra, dão ao Spitz sua característica única, uma aparência atrevida. O Spitz Alemão está sempre atento, esperto e é excepcionalmente devotado ao seu dono. É muito dócil e fácil de ser treinado. Sua desconfiança com estranhos e sua ausência de instinto de caça fazem dele um cão de guarda ideal para casas e fazendas. Ele não é nem tímido nem agressivo. Indiferente às intempéries, robustez e longevidade são seus atributos mais importantes.

Fila Brasileiro – 235 registros
Grupo 2 – Pinscher e Schnauzer, Molossóides, Boiadeiros e Montanheses Suíços e raças assemelhadas.
Utilização: Guarda e boiadeiro

Raça tipicamente molossóide. Poderosa ossatura, figura retangular e compacta, harmoniosa e proporcional. Apresenta, aliada a uma massa muscular, grande agilidade concentrada e facilmente perceptível. As fêmeas devem exibir feminilidade bem pronunciada, diferenciando-se, nitidamente, dos machos. O focinho é ligeiramente mais curto que o crânio. Dotado de coragem, determinação e valentia notáveis. Para com os de sua casa é dócil, obediente e extremamente tolerante com as crianças. É proverbial sua fidelidade, procurando com insistência a companhia dos donos. De comportamento sereno, revelando segurança e confiança própria, absorve perfeitamente ambientes e ruídos estranhos. É fiel à guarda da propriedade, dedicando-se, também, e, por instinto, às lides de gado e à caça de animais de grande porte. Caracteriza-se pela aversão a estranhos, sendo de manejo controlado particularmente em pista de exposição. Sua expressão, em repouso, é calma, nobre e segura. Nunca apresenta olhar vago ou de enfado. Em atenção, sua expressão é de determinação, refletida num olhar firme e penetrante.

Bulldog (Buldogue Inglês) – 197 registros
Grupo 2 – Pinscher e Schnauzer, Raças Molossóides, Cães Montanheses Suíços e Boiadeiros.
Utilização: Cão de companhia

O Bulldog foi o primeiro classificado como tal na década de 1630, embora houvesse anterior menção de tipos similares designados “bandogs”, hoje um termo reservado para um tipo de cão de briga. Usado inicialmente para o combate a touros (“bull-baiting”), o Bulldog também batalhou seu caminho através das rinhas de cães, mas depois de 1835 começou a evoluir para a versão de cara mais curta e atarracada que conhecemos atualmente. Ele entrou nas exposições em 1860 e, nos anos seguintes, viram uma grande mudança de personalidade. Um cão deliciosamente feio, com uma expressão de pugilista, que esconde um carácter amoroso e afetuoso com a família e amigos. Uma das raças autóctones mais antigas, conhecido como o Cão Nacional da Grã-Bretanha e associado em todo o mundo com a determinação britânica e do lendário John Bull. Pelo macio; atarracado, de estatura bastante baixa, largo, poderoso e compacto. Corpo razoavelmente curto, bem ajustado. Membros robustos, bem musculosos e em muito boa condição sem tendência à obesidade. O Bulldog dá uma impressão de determinação, de força e atividade. Alerta, valente, leal, confiável, corajoso, de aparência feroz, mas dotado de uma natureza afetuosa.

Maltês – 188 registros
Grupo 9 – Cães de Companhia
Utilização: Cão de companhia

O nome Maltês não significa que ele é originário da ilha de Malta, porque o adjetivo “Maltês” vem da palavra semítica “màlat” que quer dizer refúgio ou porto; esta raiz Semítica surge novamente em toda uma série de nomes de lugares marítimos; por exemplo o nome da ilha Adriática ilha da Méleda, a cidade Siciliana de Melita e também o da ilha de Malta. Os ancestrais deste pequeno cão viviam nos portos e cidades marítimas Centrais do Mediterrâneo onde caçavam camundongos e ratos que se encontravam em profusão nos armazéns dos portos e nos porões dos navios. Na lista de cães existentes na época de Aristóteles (384- 322 A.C.) ele menciona uma pequena raça para o qual atribui o nome latino de “canes malitenses”. Este cão era conhecido na Roma Antiga; companheiro favorito das matronas, foi elogiado por Strabon, poeta latino do Primeiro Século A.D. Representações do Maltês por numerosos pintores da Renascência mostram este pequeno cão nos salões da época, ao lado das belas damas daquele tempo. De tamanho pequeno, corpo alongado. Coberto por uma pelagem branca muito longa. Muito elegante com um distinto e orgulhoso porte da cabeça. Vivo, afetuoso, muito dócil e muito inteligente. Há muito tempo é o cachorrinho de colo preferido, e o gentil Maltês se encaixa lindamente nesse papel. Ele também tem um lado selvagem e ama correr e brincar. Apesar do seu ar inocente, ele é corajoso e rabugento, e pode desafiar cães maiores. Ele é um pouco reservado com estranhos. Alguns latem muito.

MAIS INFORMAÇÕES: Kennel Clube do Estado do Ceará (KCEC). (85) 3265.5040

19:13 · 28.06.2018 / atualizado às 19:13 · 28.06.2018 por

O grupo de criadores de cães da raça Pug, PugNic Fortaleza, está comemorando três anos de atividades. Sob administração de Diego Costa, Luciana Costa, Deborah Meireles e Ederson Ramos, o grupo marca a data em grande estilo. De sexta, 29, a domingo, 1, os integrantes estão em viagem na Praia do Cumbuco, onde se hospedam na Pousada Maracujá, lugar que é pet friendly desde 2016.

O ponto alto da comemoração será no sábado, 30, a partir das 10h, quando acontece a “Pool Party”, com a piscina da pousada liberada para os cães e seus familiares.

“O Pugnic Fortaleza nasceu em julho de 2015 com o propósito de reunir os criadores e amantes da raça Pug. Desde sua formação, o grupo, a cada dois meses, realizou encontros em diversos locais da cidade, tais como Praça Luíza Távora, Praça do Bem, Lago Jacarey, Buffet Via Sul Festas, Cidade Pet Resort, Bons Amigos Pet Hostel, Shopping Iguatemi Fortaleza e até na cidade de Guaramiranga”, conta Diego Costa.

Ele também destaca que o grupo tem grande expressão nas redes sociais. No Facebook, já são mais de 3 mil participantes. “E no WhatsApp, contamos com a participação de mais de 250 pessoas que adoram compartilhar o dia a dia de seus pets”, afirma Diego.

Nas comemorações dos três anos de atividades, uma parte do grupo se hospeda na pousada durante os três dias. Outra parte, comparece no sábado para a Pool Party. “No sábado, nossos Pugs têm piscina liberada para que possam aproveitar cada momento desse dia tão especial”, avisa Diego.

O proprietário da Pousada Maracujá, Marcos Antônio Gomes de França, informa que o local funciona desde janeiro de 2009. Tornou-se pet friendly em 2016. “Temos 14 quartos, piscina, jacuzzi, quiosque com redes, jardim e garagem. Não cobramos por apenas um pet no quarto. A partir do segundo pet, cobramos uma taxa. A pousada só aceita até três pets por vez ao dia. Mas quando é grupo de criadores, o número de cachorros é liberado. Colocamos na maioria dos quartos tela de proteção nas varandas”, explica Marcos Antônio. A pousada estabeleceu regras de hospedagem para pets que garante a harmonia entre todos.

MAIS INFORMAÇÕES: Aniversário de três anos do Grupo PugNic Fortaleza. (85)9 9604-2037 – Pool Party no sábado, dia 30, a partir das 10h, na Pousada Maracujá, Praia do Cumbuco – (85) 9 8520.7057.

14:48 · 19.06.2018 / atualizado às 14:48 · 19.06.2018 por

E as Festas Juninas para cães continuam!! No domingo, 24, é a vez do Golden Retriever Fortaleza (GRF) promover sua programação. As administradoras do Grupo, Gizelle Neves e Laura Farias, convidam todos os apaixonados por cães. Sim, porque o Arraiá GRF é para os Goldens e seus familiares, mas também para todas as raças de cães e para os Sem Raças Definidas (SRDs).

“O Arraiá GRF é para todos. Até para quem não tem dog mas quer comer uma comidinha típica, está convidado”, avisa Giselle Neves.

A programação começa a partir das 14 horas, no Adorabull Pet Hotel. Na programação: comidas típicas, “Cãodrilha”, parceiros expositores (o público vai poder adquirir e conhecer os produtos no local), Desfile Cãocesa e Cãopríncipe do Milho, sorteio de brindes etc.

Para participar dos sorteios, basta doar 3kg de ração e trocar por um cupom. Quanto mais ração doar, mais cupons de participação. A ração será destinada para os animais do Lar Tintin.

MAIS INFORMAÇÕES: Arraiá Golden Retriever Fortaleza (GRF). Domingo, 24, no Adorabull Pet Hotel. (85)9 9629.8088/ (85) 9 8801.7157

 

12:17 · 30.05.2018 / atualizado às 12:17 · 30.05.2018 por

“Top Breeders Brasil – Histórias da Cinofilia Brasileira” é o livro que será lançado nesta quinta-feira, 31, na Exposição Américas e Caribe 2018, aberta ao público até o domingo, 3. O livro é de autoria do juiz cinófilo Daniel Pinto de Oliveira, também criador da Raça Labrador e proprietário do Canil Zuo’s.

O livro reúne histórias dos principais cinófilos do Brasil, entre eles, Roberto Bezerra, do Canil SunLand Boxers, também presidente do Kennel Clube do Estado do Ceará (KCEC); Regina Lúcia Perrone, do Canil Par D’Ellas; Carlos Flaquer, do Canil Chaputepeck Mastiffs; Luiz Fernando Ribas Silva, do Canil Charleston Dobermanns; e Alessandro Prado Rodrigues, do Canil Griffin Bulldogs; entre outros, no total de 15 criadores.

A publicação também traz artigo do presidente da Confederação Brasileira de Cinofilia (CBKC), Sérgio de Castro; e prefácio do cinófilo Fernando Bretas Viana.

Daniel de Oliveira é formado em Administração de Empresas, com especialização em Marketing Digital. Tem longa história na cinofilia brasileira. Em 1992, fundou o Canil Zuo’s, junto com sua esposa Aléxia Lage. Eles criaram as raças Basset Hound, Shar-Pei e Labrador. Atualmente cria somente Labradores. Em 2010, fundou o Conselho Brasileiro do Labrador junto com outros cinófilos. Em 2011, tornou-se árbitro de cães do Grupo 8, tendo julgado em exposições no Brasil, Argentina, México e Estados Unidos.

Mais informações: Lançamento do Livro “Top Breeders Brasil – Histórias da Cinofilia Brasileira”, quinta-feira, 31, na Exposição Américas e Caribe 2018, estande da CBKC, Centro de Eventos do Ceará. Entrada gratuita.

11:13 · 30.05.2018 / atualizado às 10:50 · 04.06.2018 por

A terceira edição da Revista Bem-Estar Animal, do Diário do Nordeste, foi lançada com sucesso na Exposição Américas e Caribe 2018, encerrada no fim de semana no Centro de Eventos do Ceará. A publicação está recheada de novidades! Entre elas, entrevistas exclusivas com as maiores autoridades da cinofilia mundial: os presidentes da Confederação Brasileira de Cinofilia (CBKC), Sérgio de Castro; da Federação Cinológica Internacional (FCI), Rafael De Santiago; da Seccional Américas e Caribe da FCI, José Luis  Payró; e do Kennel Clube do Estado do Ceará (KCEC), Roberto Bezerra. A Revista Bem-Estar Animal já está nas principais bancas de revista da Capital cearense, pet shops e clínicas veterinárias.

Confira abaixo a íntegra dessas exclusivas:

“Esta exposição é a mais importante no hemisfério das Américas”
Rafael Santiago, presidente da Federação Cinológica Internacional (FCI)

1 – Qual a avaliação do Senhor sobre a Exposição Américas e Caribe em Fortaleza?

Rafael de Santiago, Presidente da FCI

Rafael de Santiago – A exposição das Américas e Caribe é o evento de maior importância para a FCI no hemisfério das Américas. Como presidente da FCI, espero que o Brasil obtenha absoluto respaldo de todos os países membros desta seção, sem excluir a participação de exemplares da Europa e Ásia.

2 – Como o Senhor avalia a cinofilia do Brasil no cenário mundial?

– A representação do Brasil, em diferentes exposições na América e Europa, aumentou. Os exemplares apresentados são de excelente qualidade, destacando a excelência dos criadores brasileiros.

3 – Por que é importante o criador estar com cães na pista?

– Quando o criador apresenta o melhor de suas ninhadas em exposições caninas ajuda a educar outros exibidores e futuros criadores. Um plano de criação de excelência responsável é sinônimo de uma melhor cinofilia.

“A Exposição das Americas e Caribe é uma grande festa da cinofilia mundial”
José Luis Payró, presidente da Seção das Américas e Caribe/ Federação Cinológica Internacional (FCI)

José Luis Payró, Presidente da Américas e Caribe/FCI

1 – Qual a avaliação do Senhor para a Exposição Américas e Caribe em Fortaleza?

José Luis Payró – Bom, permitam-me dizer, antes de tudo, que nós, os representantes dos 20 países que pertencem à seção das Américas e Caribe na FCI, sentimo-nos muito orgulhosos pelas conquistas que obtivemos, destacando os latinos dentro do mundo cinófilo da FCI, porque somos muito unidos, começando por nosso presidente, o Sr. Rafael de Santiago, de Porto Rico, que acaba de ser reeleito para um novo período de dois anos; o Sr. Miguel Ángel Martinez, da Argentina, que faz parte do Conselho Diretivo da FCI; o Sr. Jorge Nallen, atual presidente da Comissão de Estándares; o Sr. Adrián Landarte, presidente da Comissão de Juízes; e a Dra. Margarita Duran, integrante da Comissão Científica, todos eles do Uruguai. Como também, o Dr. Andrés Villalobos, do México, membro da Comissão Científica, e minha pessoa, como presidente da Seção das Américas e Caribe.
Agora, também comento que a Assembleia Geral da Seção que acontece no Brasil, como a Exposição das Américas e Caribe, gerou grande expectativa, já que o mundo inteiro quer visitar o Brasil, por suas praias, pela excelente organização de seus eventos, dentro dos quais se espera uma grande quantidade de exemplares de todas as raças que estarão presentes, mas, sobretudo, por sua gente.
Não devemos esquecer que o Brasil também será organizador da Exposição Mundial da FCI no ano 2022, por isso aproveito para felicitar a todos os cinófilos brasileiros e ao Comitê Organizador da CBKC, por todos estes magníficos eventos, já que esta será uma grande festa cinófila mundial.

2 – Como avalia o nível das exposições no âmbito das Américas e Caribe?

– Todos os países membros de nossa Seção, assim como agora o Brasil, caracterizam-se por serem magníficos organizadores, com um excelente registro de cães. Porém, o que é mais importante é a qualidade de seus criadores, que são de altíssimo nível. Por isso, acreditamos que há uma extraordinária qualidade nas exposições, e isso é o que mais me agrada, como também, os participantes e visitantes.
E quanto às exposições no âmbito geral da Seção das Américas e Caribe, posso mencionar que as últimas exposições da Seção foram extraordinárias. No ano de 2016, na Colômbia; e em 2017, na Guatemala, cada uma com o toque especial do país sede, às quais contaram com exemplares excelentes de todo o mundo. Agora, é a vez de Fortaleza-Ceará, Brasil 2018, e a do México em junho de 2019. Esta última acontecerá em uma das melhores praias do Mundo, Acapulco, e contará com magníficas instalações do Centro de Exposição mais moderno da América Latina, “Foro Mundo Imperial”, e com a oportunidade de também ser a sede do 2º Congresso Mundial da FCI para juízes. Em 2020, se efetuará na Costa Rica. O que já podemos assegurar é que será uma extraordinária sede como as que foram mencionadas.

3 – Como age a Seção das Américas e Caribe na promoção da cinofilia nesses países?

– Quero dizer que a Seção das Américas e Caribe conta com página web própria, na qual todos os eventos dos países membros anunciam as datas de seus eventos, sedes, juízes que oficiarão, seminários, cursos etc. Nela não só se fala de temas da América, como também, serve para que os países de outros continentes anunciem seus eventos, como é o caso da próxima exposição mundial que acontecerá em Amsterdam, em agosto, e da Assembleia Extraordinária da FCI, que se efetuará na Bélgica, também no mês de agosto. Informa-se aos visitantes assuntos importantes no âmbito da cinofilia mundial, ademais, conta com um espaço para a difusão de seus juízes que, por certo, são de alta qualidade e são respeitados em todo o mundo. Também contamos com uma área para a promoção das raças da América Latina, seus padrões, etc., e sempre apoiados pela indústria relacionada ao ramo, já que eles também colaboram para o sucesso de nossos eventos. Para concluir, gostaria de agradecer a vocês por nos oferecerem este espaço para promover nossa Seção, assim como todos os eventos que fortalecem a cinofilia na América Latina. Um forte abraço e muita sorte a todos os participantes que veremos nos próximos dias, nesse maravilhoso país, Brasil.

Sérgio de Castro, Presidente da CBKC

“Evento cinófilo é um dos maiores do Brasil”
Sérgio de Castro, presidente da Confederação Brasileira de Cinofilia (CBKC)

1 – Qual a expectativa do Senhor para a Exposição Américas e Caribe em Fortaleza?

Sérgio de Castro – Temos certeza de que esse evento cinófilo é o maior realizado no Nordeste em todos os tempos e, sem dúvidas, um dos maiores no Brasil. Acompanhamos de perto o trabalho e esforço que a Diretoria do Kennel Clube do Ceará fez em prol do evento e sabemos que a organização foi um dos pontos altos da Exposição.

2 – Por que a CBKC promoveu as recentes mudanças nas normas das exposições?

– A principal motivação foi a necessidade de adequação às normas da Federação Cinológica Internacional (FCI). Fico contente em dizer que o novo regulamento de exposições já está sendo bem assimilado por toda a comunidade cinófila.

3 – No Brasil, quais as raças em ascensão?

– A CBKC é destaque junto à FCI também no que se refere ao número de registro de cães. Somos o país que mais registra nas Américas há alguns anos e estamos entre os cinco maiores do mundo. Em 2017 registramos aproximadamente 150 mil cães. Destaco as cinco raças que mais registraram no ano passado: Buldogue Francês, Spitz Alemão, Shih Tzu, Pug e Yorkshire.

4 – Como a CBKC fortalece a ética nos julgamentos cinófilos?

– Esse é um tema muito importante com o qual sempre estamos muito comprometidos e engajados. Todos os árbitros da CBKC são orientados a julgar de acordo com seu conhecimento e consciência. Nós promovemos diversos seminários onde destacamos com ênfase a questão da ética e imparcialidade no julgamento. No evento das Américas e Caribe iremos, inclusive, promover mais um congresso de árbitros com palestras de renomados árbitros nacionais e internacionais.

Roberto Bezerra, Presidente do KCEC / Foto: Nilton Novaes

“A realização das Américas e Caribe 2018 em Fortaleza, Ceará, é um marco para a cinofilia do Nordeste e do Brasil” Roberto Bezerra, presidente do Kennel Clube do Estado do Ceará (KCEC)

1 – Qual a importância das Américas Caribe 2018 em Fortaleza?

Roberto Bezerra – As Américas e Caribe é uma exposição que congrega toda a cinofilia da região de sua abrangência, contando com a presença de dirigentes cinófilos desses países, handlers, criadores e os principais atores, os cães. É um marco na cinofilia do Nordeste, especialmente do Ceará. Até então, ainda não havia se realizado uma Exposição dessa abrangência no Norte/Nordeste do Brasil.

2 – Quais as repercussões deste evento para a cinofilia brasileira?

– A importância das Américas e Caribe deve-se também porque é um evento quase que preparatório para a grande realização da Exposição Mundial da Federação Cinológica Internacional (FCI), em 2022, a ser realizada no Brasil, em São Paulo.

3 – Como presidente do KCEC, como avalia a escolha de Fortaleza para sediar este grande evento da Seccional da FCI?

– A definição pela CBKC da cidade de Fortaleza como sede das Américas e Caribe 2018, acreditamos ser como resultado do crescimento da cinofilia cearense nos últimos cinco anos, no bom nível de organização de nossas exposições, bem como a garantia da ambiência e aparato logístico demonstrados na exposição dos 50 anos do KCEC, também no Centro de Eventos do Ceará.

4 – O que os cinófilos podem esperar desta edição das Américas e Caribe?

– As exposições têm como anfitriã a CBKC, que delegou ao Kennel Clube do Estado do Ceará a organização e realização do evento. Da nossa parte, damos a garantia aos dirigentes cinófilos nacionais e internacionais, aos juízes, handlers, expositores e público em geral que nosso objetivo é proporcionar uma prazeirosa participação de todos, com conforto, segurança e completa infraestrutura, ao nível da magnitude deste evento.

MAIS INFORMAÇÕES: Exposição Américas e Caribe 2018 

 

 

21:25 · 28.05.2018 / atualizado às 21:25 · 28.05.2018 por

Dez ONGs de proteção animal do Ceará recebem apoio durante o grande evento cinófilo Américas e Caribe 2018, que acontece de 31 de maio a 3 de junho no Centro de Eventos do Ceará. São duas iniciativas: uma da Prefeitura de Fortaleza e sua Coordenadoria de Proteção e Bem-Estar Animal (Coepa); outra do Kennel Clube do Estado do Ceará, juntamente com seis fotógrafos especializados em cães. As ONGs beneficiadas são Abrace, Deixa Viver, Abrigo do Duda, São Lázaro, Abrigo da Estela, Novelo de Lã, Upac, Lar Tintin, GPA e Manda Chuva.

Em cada dia do evento, as ONGs se revezarão no estande oficial da Prefeitura/Coepa, divulgando seus trabalhos e realizando bazar com renda revertida para as atividades de proteção animal de cada entidade (confira cartaz ao lado). A coordenadora da Coepa, Toinha Rocha,  destaca a responsabilidade social na parceria. “Nossa parceria com as ONGs no evento internacional foi, principalmente, para dar visibilidade ao trabalho que essas instituições fazem na defesa e proteção animal. Mostrar que aqueles que criam cães de raças também podem se sensibilizar com os animais sem raça definida que estão, na sua grande maioria, sofrendo, passando fome, sede, calor e sem afeto. Um evento dessa grandiosidade tem que ter seu papel social. A Prefeitura de Fortaleza vai dividir com as ONGs seu espaço para que as mesmas mostrem seu trabalho, conquistem padrinhos e possam vender seus produtos. É a responsabilidade social do evento”.

A presidente da Abrace, Cristiane Angélica, também comemora. “Esse apoio dado pela Prefeitura de Fortaleza às ONGs, através da Coepa, e do Kennel Clube do Ceará e fotógrafos no evento internacional Américas e Caribe, é uma grande vitória para a proteção animal no nosso Estado, e porque não dizer, em nosso País. Por ser um evento de grande projeção, coloca ONGs e protetores ao lado de grandes expositores, abrindo portas para que os animais carentes tenham oportunidade de serem vistos de uma maneira digna. É importante que a proteção animal desperte a compaixão e a atitude das pessoas, e não apenas a piedade. Dessa forma, poderemos dar as mãos e aliar forças em prol do bem-estar animal, trazendo benefícios de forma duradoura e coerente, alinhada ao nosso projeto maior que é lutar em favor dos animais, contra o abandono e os maus-tratos. É a razão e o coração imbuídos de um propósito maior: o amor aos animais“.

Fotografias de arte

Outra iniciativa de grande impacto nesse apoio é a exposição de fotografias de arte, tendo os cães como tema, na autoria dos fotógrafos Nilton Novaes, Bibbo Camargo, Bruno Santana, Johnny Duarte, João Alexandre e Edmilson Reis. São 40 quadros que ficam em exposição durante os quatro dias de evento, disponíveis à venda, com renda revertida para os trabalhos das dez ONGs participantes da programação. Cada imagem configura verdadeira obra de arte em forma de fotografia. Confira a seguir uma pequena mostra, de encher os olhos!

Fotografia de Nilton Novaes

Fotografia de Bibbo Camargo

Fotografia de Bruno Santana

Fotografia de Johnny Duarte

Fotografia de João Alexandre

Fotografia de Edmilson Reis

A Exposição Américas e Caribe 2018  é promovida pela Confederação Brasileira de Cinofilia (CBKC), presidida por Sérgio de Castro, e Federação Cinológica Internacional (FCI), que tem Rafael De Santiago como presidente, com apoio logístico do Kennel Clube do Estado do Ceará (KCEC), tendo na presidência Roberto Bezerra. A Américas e Caribe, presidida por José Luiz Payró, é uma das Seções da FCI.

MAIS INFORMAÇÕES: Exposição Américas e Caribe 2018, de 31 de maio a 3 de junho, a partir das 9h, no Centro de Eventos do Ceará. Entrada gratuita.

12:42 · 27.05.2018 / atualizado às 12:42 · 27.05.2018 por

Tudo pronto para o grande evento cinófilo Américas e Caribe 2018, de 31 de maio a 3 de junho no Centro de Eventos do Ceará. Estão inscritos 1.235 cães de cerca de 100 raças, vindos de diversos países do mundo. Handlers, criadores e cães já começam chegar a Fortaleza. A Confederação Brasileira de Cinofilia (CBKC), que promove o evento, com apoio logístico do Kennel Clube do Estado do Ceará (KCEC), divulgou comunicado confirmando a realização do evento dentro da normalidade, e confiando em solução breve para a paralisação dos caminhoneiros. As exposições têm entrada gratuita.

O grande evento cinófilo é promovido pela Confederação Brasileira de Cinofilia (CBKC), presidida por Sérgio de Castro, e Federação Cinológica Internacional (FCI), que tem Rafael De Santiago como presidente, com apoio logístico do Kennel Clube do Estado do Ceará (KCEC), tendo na presidência Roberto Bezerra. A Américas e Caribe, presidida por José Luiz Payró, é uma das Seções da FCI.

O vice-presidente do KCEC, Luiz Eduardo Matos Mendes, diz que os participantes da exposição já se hospedam em hotéis e canis da cidade. Na próxima quarta-feira, 30, serão abertos os acampamentos no Centro de Eventos do Ceará. As exposições acontecem em oito pistas simultâneas, e 41 juízes de diversos países fazem a avaliação dos cães.

O evento conta com patrocínio e apoio da Royal Canin, Prefeitura de Fortaleza, Dra. Myrza Melo, Mundo Pet, Honda Nova Luz, Hiseg Soluções Tecnológicas e Gestart Condomínios.

Confira a programação das Exposições no Centro de Eventos do Ceará, com entrada gratuita:

30/05/2018 (Quarta-feira): Abertura dos acampamentos e credenciamento.
31/05/2018 (Quinta-feira): Exposições especializadas e nacionais de raça, assembleia de delegados da seccional e congresso de juízes.
01/06/2018 (Sexta-feira): Abertura oficial do evento, exposição geral CBKC.
02/06/2018 (Sábado): Exposição geral comemorativa ao aniversário da CBKC.
03/06/2018 (Domingo): Exposição das Américas y el Caribe.

No dia 31, acontecem as Exposições Especializadas. Confira algumas pistas (veja a programação completa no site do evento):

No dia 01 de junho, após a Abertura Oficial do evento, acontece a Exposição Geral. Veja algumas pistas:

No dia 02 de junho, a Exposição Geral marca o aniversário da CBKC. Confira algumas pistas:

No dia 03 de junho, será a vez da Exposição da Seção Américas e Caribe, da FCI. Veja algumas pistas:

 

Mais informações: Exposição Américas e Caribe. FCI/CBKC/KCEC

12:42 · 01.05.2018 / atualizado às 12:42 · 01.05.2018 por

Contagem regressiva meesmoo! As inscrições de cães para o grande evento cinófilo Américas e Caribe 2018 terminam sexta-feira, dia 4. O evento acontecerá de 31 de maio a 3 de junho no Centro de Eventos do Ceará, com mais de 1.000 cães de 100 raças em média.

O grande evento cinófilo é promovido pela Confederação Brasileira de Cinofilia (CBKC), presidida por Sérgio de Castro, e Federação Cinológica Internacional (FCI), que tem Rafael De Santiago como presidente, com apoio logístico do Kennel Clube do Estado do Ceará (KCEC), tendo na presidência Roberto Bezerra. A Américas e Caribe, presidida por José Luiz Payró, é uma das Seccionais da FCI.

O presidente da CBKC, Sérgio de Castro, foi o grande responsável pela decisão de trazer para Fortaleza a Américas e Caribe 2018. E, de acordo com o vice-presidente da CBKC, Fábio Amorim, a Capital cearense foi escolhida para sediar o evento porque possui instalações e logística adequadas. “Além do fato de o KCEC estar realizando exposições caninas com excelente número de cães e elevado profissionalismo há bastante tempo”, destaca ele.

Segundo adianta o vice-presidente do KCEC, Luiz Eduardo Matos Mendes, a programação do evento traz muitas novidades. Já contará com as mudanças de acordo com o novo Regulamento de Exposições da CBKC, uma forma de adequação ao modelo da FCI. E terá, entre outras inovações, a competição em Classes Opcionais (Parelhas ou Duplas; Grupo de Criação; Progênie).

A terceira edição da Revista Bem-Estar Animal, do Diário do Nordeste, a ser lançada durante o grande evento cinófilo, trará reportagens especiais sobre o evento, com entrevistas exclusivas com as presidências da FCI, CBKC, Américas e Caribe e KCEC. Também apresenta todas as novidades da programação.

Luiz Eduardo garante que o público conferirá ampla programação de desfiles de cães, em pistas gerais e especializadas de raças; apresentações de adestramentos nas modalidades Dog Show (Border Collie) e Segurança (Pastores Alemão e Belga de Malinois) nos intervalos das competições, além de  contar com uma completa infraestrutura de arquibancadas com 600 lugares; área para acampamento dos handlers e cães; três praças de alimentação; atendimento veterinário de urgência 24h para os cães participantes; e muito mais. Tudo isso em ambiente climatizado 24h.

Os criadores e proprietários de cães terão seus animais avaliados por um quadro de árbitros da FCI, de alta excelência, oriundos de países como Estados Unidos, Suíça, China, Bulgária, México,  Argentina, Costa Rica, Peru, Uruguai, Chile, entre outros.

Podem participar cães com pedigree, a partir de 4 meses e um dia de idade. Cerca de 12 raças já confirmaram presença para as Exposições Especializadas: Akita, Australian Cattle Dog, Boxer, Buldogue Campeiro, Buldogue Francês, Chihuahua, Dálmata, Fila Brasileiro, Mastiff, Pastor Alemão, Rottweiler, Spitz Alemão e Staffordshire Bull Terrier.

Entre as novidades da programação, será o anúncio da criação do Conselho Brasileiro da Raça Chihuahua (CBRC), oficializado recentemente pela CBKC, tendo como presidente a criadora e juíza cinófila, Paloma Pegorer, e na vice-presidência o criador e diretor do Kennel Clube do Estado do Ceará (KCEC), Benon Linhares.

A Confederação Brasileira de Cinofilia está priorizando a criação de Conselhos de Raças no País. Recentemente também instituiu a Coordenadoria dos Conselhos de Raças, que tem como titular o árbitro e presidente do Doberman Clube de São Paulo, Renato Almada.

Com todas essas novidades, é impossível ficar fora deste grande evento. E se você quer apresentar o seu próprio cão durante as exposições, o Kennel Clube do Ceará promoverá nova edição do Curso Básico para Apresentação de Cães, com certificado do KCEC. Será nesse fim de semana, dias 5 e 6, ministrado pelos handlers Pablo Henrique e Oiram Filho. A aula teórica acontecerá na Universidade Paulista (Unip), na Av. Treze de Maio, 389, no sábado, 5; ficando a parte prática para o domingo, 6, no Hotel Dog Fortaleza, bairro Lagoa Redonda.

Então é correr para as inscrições do Curso e das Américas e Caribe!

MAIS INFORMAÇÕES: Exposições Américas e Caribe (Inscrições no site). Curso Básico para Apresentação de Cães, KCEC 3265.5040. contato@kcec.com.br

 

MAIS INFORMAÇÕES:

17:39 · 22.02.2018 / atualizado às 17:39 · 22.02.2018 por

Ainda é o mês da Folia de Momo. Assim, o grupo Dálmatas Ceará Oficial promove neste sábado, 24, a partir das 16h30, o “Carnavau 2018”.  O grupo é coordenado pelas criadoras Ana Victoria Moura e Ellen Gomes. Ana Victoria garante que a programação está recheada de atrações! E o melhor: a festa tem caráter beneficente!

A entrada é a doação de 2kg de ração (por pessoa, levando até dois animais). A ração será entregue à ONG Abrace Uma Causa Animal, presidida pela professora Cristiane Angélica. A festa acontece no Hotel Ada Traning, do adestrador André Damasceno.

Ana Victoria explica que o evento é realizado pelo Dálmatas Ceará Oficial mas o “Carnavau” é aberto a todas as raças e SRDs (Sem Raça Definida).

Haverá sorteio e demonstração de produtos dos patrocinadores: Dog on Foot, Ibasa, Guabi Natural, Gran Plus, Vetcom, Avert Laboratórios, Patas e Manhas Pet Store e Ada Training.

A presidente da Abrace, Cristiane Angélica, estará apresentando o trabalho de proteção animal feito pela ONG. Cães resgatados pela entidade, já completamente recuperados e saudáveis, participam de desfile. Não terá evento de adoção, mas os interessados poderão adotar os animais apresentados.

MAIS INFORMAÇÕES: Dálmatas Ceará Oficial 2018 (85) 9 9940.1012.

15:04 · 22.02.2018 / atualizado às 15:04 · 22.02.2018 por

Agora é oficial! Dia 4 de março, acontece no campo da Universidade de Fortaleza (Unifor), a Exposição Especializada da Raça Rottweiler, como uma programação prévia do grande evento cinófilo internacional, Américas e Caribe, marcado para o período de 31 de maio a 3 de junho, no Centro de Eventos do Ceará.

O vice-presidente do Kennel Clube do Estado do Ceará (KCEC), Luiz Eduardo Matos Mendes, explica que esta Especializada será bem importante. “Tem sua importância porque estaremos testando o local. Esta é a primeira vez que realizamos um evento cinófilo na Unifor. Daí, durante a programação oficial das Américas y el Caribe, no Centro de Eventos do Ceará, as Especializadas das raças Pastor Alemão e Rottweiler realizaremos na Unifor”.

O árbitro da Argentina, Pablo Piazza, será o responsável pelo julgamento dos cães nesta prévia. O evento é uma realização do KCEC, homologado pela CBKC/FCI. Tem apoio do Conselho Brasileiro da Raça Rottweiler (CBRR).

Luiz Eduardo prevê a participação média de 30 cães, com predominância da Região Nordeste, uma vez que não acontece junto das Exposições Gerais. “Cães das Classes Campeonato e Grande Campeonato devem comprovar a homologação desses títulos”, explica ele. O julgamento vale para os Rankings CBKC, Dogshow e CBRR. As inscrições dos cães podem ser feitas até o dia 1º de março no KCEC.

Américas e Caribe 2018

Exposição das Américas e Caribe é um dos maiores eventos da cinofilia mundial, que após 15 anos volta a se realizar no Brasil. Está prevista a participação de mais de mil cães de 100 raças em média. Serão 8 pistas simultâneas de julgamento, 27 exposições especializadas de raças, 41 juízes convidados e uma estimativa de público de 15 mil pessoas nos quatro dias de evento.

Confederação Brasileira de Cinofilia (CBKC), presidida por Sérgio de Castro, a Federação Cinológica Internacional (FCI), que tem Rafael de Santiago como presidente, e a Seção Américas e Caribe da FCI, com José Luiz Payro na presidência, realizam as exposições, com apoio logístico do Kennel Clube do Estado do Ceará (KCEC), presidido por Roberto Bezerra.  A programação geral já pode ser conferida no site do evento.

MAIS INFORMAÇÕES: Kennel Clube do Estado do Ceará. (85) 3265.5040.