Busca

Categoria: Comportamento Animal


19:13 · 19.09.2018 / atualizado às 19:13 · 19.09.2018 por
Elizabeth MacGregor é diretora de Educação do Fórum Nacional de Proteção e Defesa Animal (FNPDA)

O Fórum Nacional de Proteção e Defesa Animal (FNPDA) realiza terça-feira, 25, o curso “Educação Ambiental Humanitária em Bem-Estar Animal”, a ser ministrado pela diretora de educação da entidade, Elizabeth MacGregor. As inscrições estão abertas  com 100 vagas disponíveis. Acontecerá no Auditório 1 (Deputado Castelo de Castro), na Assembléia Legislativa do Ceará, de 13h às 18h.

O evento tem apoio da Prefeitura Municipal de Fortaleza, por meio da Coordenadoria de Proteção e Bem-Estar Animal (Coepa), Observatório de Direitos Animais (ODA), Comissão de Defesa dos Direitos dos Animais da OAB-CE, União Internacional Protetora dos Animais (Uipa), entre outras entidades e instituições. O curso é uma preparação para o grande evento municipal, Virada Animal, de 4 a 10 de outubro na Praça do Ferreira e na Av. Beira-Mar.

Elizabeth MacGregor destaca que este curso já foi realizado em mais de 85 municípios de 12 Estados brasileiros. Destina-se a professores, coordenadores e gestores do ensino fundamental e médio, educadores ambientais,
alunos e professores de cursos universitários. Em Fortaleza, também está sendo divulgado entre ONGs e protetores de animais. Ela aponta  os princípios da Educação Ambiental Humanitária em Bem-estar Animal (EAHBEA):

  • Reconhecer que os animais são seres sencientes e têm necessidades espécieespecíficas
  • Reconhecer que os seres humanos interagem com outros animais e que suas ações têm um profundo
    impacto nas vidas deles e no meio ambiente
  • Compreender como as ações humanas podem afetar os animais e outros seres vivos
  • Desenvolver e multiplicar atitudes de compaixão, respeito e responsabilidade

Segundo explica na programação do curso, “A EAHBEA pode mudar o paradigma atual da percepção dos alunos sobre o impacto das ações humanas no meio ambiente e, consequentemente, sua responsabilidade por elas, mormente na biodiversidade e nas outras espécies animais, incluindo o contexto rural e urbano, e mostrar como isso está intimamente relacionado ao bem-estar do próprio ser humano”.

O curso já foi ministrado em mais de 85 cidades brasileiras de 12 Estados

MacGregor cita a educadora americana Zoe Weil, para mostrar a relevância, no atual contexto, da Educação Humanitária: “Um amplo campo de estudo que estabelece conexões entre todas as formas de justiça social (…) explora como podemos viver com respeito e compaixão por todos os seres. (…) ensina aos jovens sobre o que está acontecendo ao planeta e dá-lhes instrumentos para realizar escolhas que vão gerar um mundo mais justo, pacífico e seguro”.

Diante da problemática cada vez mais crescente dos maus-tratos e abandono de animais, violência urbana, degradação ambiental, extinção de espécies, entre outros sinais da atual crise de civilização, relacionar a Educação Ambiental com o Bem-Estar Animal é uma forma de sensibilizar as pessoas, especialmente crianças e jovens, para a necessidade de mudanças na interação entre todas as formas de vida, sejam humanas ou não-humanas. Parabéns ao FNPDA, Coepa, ODA e todos os envolvidos nesta promoção!

MAIS INFORMAÇÕES: Curso “Educação Ambiental Humanitária em Bem-Estar Animal”, terça-feira, 25, de 13 às 18h, no Auditório 1 (Deputado Castelo de Castro), na Assembléia Legislativa do Ceará. Inscrições gratuitas e abertas  no odadireitosanimais@gmail.com

 

21:44 · 03.09.2018 / atualizado às 21:44 · 03.09.2018 por

Contagem regressiva para a Virada Animal, grande evento que acontecerá em Fortaleza, de 4 a 10 de outubro, com ampla programação em favor da proteção e do bem-estar animal. A primeira reunião com a titular da Coordenadoria de Proteção e Bem-Estar Animal (Coepa), da Prefeitura de Fortaleza, Toinha Rocha, aconteceu nesta segunda-feira, 3, com a participação de ONGs, protetores independentes, grupos de raças, bem como com jornalistas e empresas apoiadoras do evento. Na pauta, as linhas gerais da programação, com propostas de diversas atividades, tais como evento de adoção de animais, Vetmóvel, palestras, rodas de conversa, bazar, feirinha, desfiles de animais, shows artístico-culturais, todos voltados para sensibilização, conscientização e adesão dos fortalezenses em favor dos cães, gatos e demais espécies.

A Virada Animal está prevista por lei municipal, de autoria do vereador Esio Feitosa, conforme destacou Toinha Rocha, na abertura da reunião, e que conta com amplo apoio da Prefeitura de Fortaleza. Secretarias Municipais de Saúde, Educação, AMC, entre outras instâncias do governo local, serão convidadas a compor o apoio ao evento, que deverá tornar-se um marco na mobilização pela proteção e o bem-estar animal na Capital cearense.

A abertura está prevista para a manhã do dia 4 de outubro, na Praça do Ferreira,  prosseguindo até à noite, com diversas atividades para mobilizar os diferentes segmentos sociais em favor dos animais, contra o abandono e os maus-tratos. Protetores independentes e ONGs estarão divulgando seus trabalhos, por meio de eventos de adoção e promoção de bazares, com renda revertida para as ações realizadas pelas entidades. Grupos de cães de raças, que realizam atividades beneficentes para pessoas e animais carentes, também estão na programação.

Na segunda semana da Virada, a ideia é levar as mesmas atividades para a Av. Beira-Mar, provavelmente na área correspondente ao anfiteatro. Outros locais também foram propostos para sediar a agenda de atividades, tais como o Shopping Benfica, para evento de adoção no dia 6 de outubro; e o Centro de Humanidades da UFC, para roda de conversa com os estudantes no dia anterior, 5 de outubro. A partir de agora, a Coepa deverá encaminhar ofícios, conforme explicou Toinha Rocha, para viabilizar as propostas.

A distribuidora das rações Percane e Trusty Dog/Cat, ZVieira, participou da reunião, anunciando promoções de vendas durante a Virada Animal, especialmente se a compra for para doação às ONGs. A Coepa já fechou parceria com a distribuidora, para preços especiais destinados às ONGs e protetores independentes cadastrados na Coordenadoria Municipal.

Durante as rodas de conversas sobre variados temas da causa animal, serão feitas relatorias para a elaboração de um documento final da Virada, que será denominado “Carta de Amor pelos Animais de Fortaleza”. O objetivo é sintetizar as ideias e propostas discutidas durante o evento, e encaminhá-las ao Prefeito Roberto Cláudio e demais representantes dos poderes públicos constituídos e da sociedade civil.

Desta primeira reunião participaram Toinha Rocha, coordenadora da Coepa; Cristiane Angélica, presidente da Abrace; Ana Tereza, vice-presidente da Abrace e também representante da ONG Novelo de Lã; Maria Estela Moreira de Sousa, do Abrigo da Estela; Gabriela Moreira, presidente da ONG Deixa Viver; Otávio Almeida, Laura Farias e Ítalo Ferreira, da ZVieira Distribuidora (Laura também representando o Grupo Golden Retriever Fortaleza); Felipe Ayres, do Grupo Labrador Retriever Ceará; Valéria Feitosa, editora da Revista Bem-Estar Animal, Blog Bem-Estar Pet (Diário do Nordeste), e também do Grupos de Estudos de Educação Ambiental Dialógica (Gead-UFC); Fernanda Leite, jornalista  e coordenadora da Data Center de Maracanaú; Clotilde Rocha e Vânia Gomes, da ONG RodoPet; Anderson Augusto, do Abrigo São Lázaro; Karine Rebouças, Projeto Bicho de Rua; Natália Santos e Meire Maria Verônica dos Santos, Turma do Manda Chuva; Rosane Távora e Adriana Brito, ONG Proteção Animal de Sapiranga (PAS).

MAIS INFORMAÇÕES: Virada Animal, de 4 a 10 de outubro, Praça do Ferreira. Aberto ao público. Coepa – (85) 3272.3356

08:53 · 02.08.2018 / atualizado às 08:53 · 02.08.2018 por

Os cães de companhia lideram na preferência dos cearenses! De acordo com o Kennel Clube do Estado do Ceará (KCEC), das dez raças com maior número de registros de cães junto à entidade, sete são de companhia. Os números consolidados de registro de cães referem-se ainda ao ano de 2017, mas refletem uma tendência atual.

O vice-presidente do KCEC, Luiz Eduardo Matos Mendes, aponta as dez raças mais preferidas pelos cearenses, considerando os números de registro de cães:

  1. Shih tzu – 1.376 registros
  2. Yorkshire Terrier – 697
  3. Buldogue Francês – 469
  4. Pug – 387
  5. Golden Retriever – 343
  6. Rottweiler – 289
  7. Spitz Alemão Anão – 245
  8. Fila Brasileiro – 235
  9. Bulldog (Buldogue Inglês) – 197
  10. Maltês – 188 registros

Os cães de guarda, como Fila e Rottweiler, vêm em segundo lugar na preferência. “Numa metrópole como a nossa, os cães, em sua maioria, perdem suas funções originais, tais como caçar, farejar, pastorear etc. Daí sobram então duas funções básicas: a guarda, para aqueles que ainda moram em casas, considerando a insegurança urbana; e a função de companhia, que é própria das raças do Grupo 9”, afirma Luiz Eduardo. “E também vale considerar que, cada vez mais, as pessoas estão solitárias, ou moram sozinhas, ou ainda, as familias têm menos filhos. Os pets de companhia estão ocupando este espaço”, completa.

Vice-presidente do Kennel Clube do Estado do Ceará (KCEC), Luiz Eduardo Matos Mendes / Foto: Nilton Novaes

“Ao longo da história da humanidade, o melhor amigo do homem sempre esteve ao seu lado para atender as suas necessidades que mudam junto com a evolução humana. Por isso, o crescimento, não só no Ceará, mas no mundo, das raças de companhia, não só por serem menores, mas por serem mais fácies de adaptação aos apartamentos, visto, por exemplo, a substituição de um Akita por um Shiba, ou de um Collie por um Pastor de Shetland; mas, principalmente, por nos dar alegria de preencher o vazio de nossas vidas. Ficam juntos conosco pedindo e dando unicamente carinho“, complementa o vice-presidente do KCEC.

Com base nos dados da Confederação Brasileira de Cinofilia (CBKC) sobre as dez raças e seus respectivos grupos, conforme o padrão técnico de cada uma, e também com alguns itens dos sites Cachorrogato e Tudo sobre cachorros, veja abaixo informações gerais sobre os cães preferidos dos cearenses (origem, aparência geral, temperamento).

Vale o alerta: preferimos não trazer preços de cães uma vez que o mais correto é se informar junto aos próprios criadores. Sim, se você está interessado em adquirir um exemplar de uma das raças, entre em contato com o Kennel Clube do Estado do Ceará, se informe sobre o respectivo criador e visite o canil. Desta forma, estará agindo com responsabilidade e combatendo a ação dos chamados “cachorreiros”, que não respeitam o bem-estar animal e reproduzem ninhadas sem se preocupar com os padrões das raças, visando apenas o comércio indiscriminado.

As fotos são do fotógrafo especializado em cinofilia, Nilton Novaes, que mantém em seu Facebook o “Cantinho das Raças by NN”.

As Dez raças com maior número de registros de cães no KCEC

Fotos: Nilton Novaes

Shih tzu – 1.376 registros
Grupo 9 – Cães de companhia
Utilização: Cão de Companhia.

As pessoas tendem a se confundir entre os Apso e Shih Tzu, mas há uma série de diferenças muito distintas entre eles. As raízes desta raça estão no Tibete, mas ela foi desenvolvida na China, onde cães como estes viviam nos palácios imperiais. A China se tornou uma república em 1912, após o que exemplares da raça encontraram seu caminho para o ocidente, embora a primeira importação registrada para a Grã-Bretanha não ocorreu antes de 1931. Foi reconhecida como uma raça distinta de outras raças orientais em 1934, sendo concedido um registro separado pelo The Kennel Club em 1940, com certificados para campeonato disponibilizados a partir de 1949. O visual do crisântemo para a cabeça do Shih Tzu é o mais atraente, e isso é causado pelo crescimento do pelo para cima, na ponte nasal. Robusto, pelagem abundante, mas não excessiva, com um distinto porte arrogante e com uma cabeça com aspecto de crisântemo. Inteligente, ativo e alerta. Carinhoso e independente.

Yorkshire Terrier – 697 registros
Grupo 3 – Terriers
Utilização: Cães de companhia

O Yorkshire Terrier é oriundo da mesma localidade do Airedale Terrier e foi visto pela primeira vez em torno dos anos 1850. O velho Terrier Preto e Castanho (“Tan”) está por trás (da formação) do Yorkshire Terrier, juntamente com outras raças como o Maltês e o Sky Terrier. O nome atual foi aceito em 1870. Dentre as qualidades características das raças Terriers inclui-se o instinto de caça, seja por um brinquedo em casa ou um roedor no jardim. De pelagem longa, com o pelo pendendo completamente reto e uniformemente para baixo em cada lado, dividido por uma linha que se estende da trufa à extremidade da cauda. Muito compacto e elegante, portado muito verticalmente, conferindo um ar importante. Terrier de companhia alerta e inteligente. Vivaz e igualmente disposto.

Buldogue Francês – 469 registros
Grupo 9 – Cães Toy e de Companhia
Utilização: Cães de Companhia

Provavelmente surgiu, como todos os dogues, dos Molossos do Epirus e do império romano, parente do Bulldog da Grã-Bretanha, dos Alanos da Idade Média, dos dogues e pequenos dogues da França, o buldogue que conhecemos é um produto de diferentes cruzamentos feitos pelos criadores apaixonados nos bairros populares de Paris nos anos 1880. Naquela época cão de forte Halles – açougueiros, cocheiros – e cedo conquistaram a alta sociedade e o mundo dos artistas pelo seu físico e particularmente pelo seu caráter. Ele então se propagou rapidamente. O primeiro Clube da raça foi fundado em 1880 em Paris. O primeiro registro data de 1885 e o primeiro padrão foi estabelecido em 1898, ano no qual a Sociedade Canina Central (Kennel Club Francês) reconheceu o Bulldog Francês como raça. O primeiro cão dessa raça foi exposto no início de 1887. O padrão foi modificado em 1931-1932 e 1948. O tipo é o de um molossóide de pequeno porte. Cão possante para seu pequeno talhe, brevilíneo, atarracado, compacto em todas as suas proporções, de pelo curto, com uma trufa achatada, de orelhas eretas e com uma cauda naturalmente curta. Ele deve ter a aparência de um cão ativo, inteligente, muito musculoso, de estrutura compacta com uma sólida ossatura. Nenhum ponto é exagerado comparado aos outros, o que poderia destruir a harmonia geral ou dar ao cão uma aparência disforme de gênero ou de movimento. Como um bom cão de companhia, é sociável, alegre, brincalhão, possessivo, ativo.

Pug – 387 registros
Grupo 9 – Cães de Companhia
Utilização: Cães de companhia

Uma certa quantidade de especulação existia sobre a origem desta raça, que parecia ter vindo do Oriente. Seu país de origem é listado como a China, onde os cães de nariz (trufa) arrebitado sempre foram favorecidos. Ele encontrou o seu caminho para a Europa com os comerciantes da Companhia Holandesa das Índias Orientais e desde o ano de 1500 já eram admirados nos Países Baixos. Na verdade, o Pug se tornou o símbolo para os patriotas reais. O Pug chegou à Inglaterra quando Guilherme III subiu ao trono. Até 1877, a raça era vista apenas na cor fulvo, mas nesse ano um casal preto foi introduzido a partir do Oriente. Decididamente quadrado e robusto, ele é “multum in parvo” (muito em pouco, ou seja, cão compacto e atarracado), como mostra sua forma compacta, suas bem ajustadas proporções e sua musculatura rija, mas nunca deve apresentar patas curtas nem ser magro e pernalta. De grande charme, dignidade e inteligência. Equilibrado, feliz e muito disposto.

Golden Retriever – 343 registros
Grupo 8 – Retrievers, Levantadores e Cães d’Água
Utilização: Cão de caça

Gerado na Grã-Bretanha, em meados do século XIX, o Golden Retriever foi desenvolvido a partir da mistura de diferentes raças caninas, incluindo Water Spaniel (já extinta), Terra Nova e Setter Irlandês – embora haja estudiosos que acreditam que o Bloodhound também faça parte dessa base que deu origem ao Golden. Goldens parecem Labradores de pelo longo, mas tem o temperamento mais calmo e se adaptam melhor em apartamentos. Amigo de todos, o Golden Retriever é conhecido por sua natureza devotada e protetora como companheiro da família. Ele vai fazer suas buscas esportivas também em apartamento, e anseia por um dia no campo. Ignorar sua natureza ativa e sua poderosa estrutura física pode levar a problemas de comportamento. Essa raça precisa de exercícios físicos e mentais todos os dias. Ele tende a ser excessivamente exuberante e agitado, e seu entusiasmo pelas coisas o distrai facilmente durante o treino. Porém, ele é louco para agradar e adora aprender. Obediente, inteligente, possui natural habilidade para o trabalho, amável, amigo e confiável.

Rottweiler – 289 registros
Grupo 2 – Pinscher e Schnauzer, Molossóides, Boiadeiros e Montanheses Suíços e raças assemelhadas
Utilização: Tração, guarda e boiadeiro

O Rottweiler figura entre as raças mais antigas. Sua origem remonta à época dos romanos, onde foi criado como um cão de guarda e boiadeiro. Esses cães imigraram com as legiões romanas através dos Alpes, guardando homens e tocando o rebanho. Nos arredores de Rottwell, eles se encontraram com os cães da região. Houve, então, uma miscigenação. A tarefa principal do Rottweiler voltava a ser a condução e a guarda de grandes rebanhos, de grandes animais e a defesa do seu dono e seu patrimônio. Ele recebeu esse nome por causa da antiga cidade de Rottweil: Rottweiler Metz-gerhund (Cão de açougueiro de Rottweil). Os açougueiros criaram esta raça por pura exibição, sem qualquer utilidade para ele. Assim, no decorrer do tempo, este cão de passeio passou a ser mais utilizado como cão de tração. No início do século, quando se pesquisaram diversas raças para a função policial, o Rottweiler também foi avaliado. Em pouco tempo demonstrou ser extraordinariamente adequado às tarefas do serviço policial. Por esta razão, no ano de 1910, foi oficialmente reconhecido como um cão policial. A criação do Rottweiller pretende um cão forte, preto com marcações em marrom avermelhado, claramente definidas, que, apesar do aspecto geral massudo, não deve prescindir de nobreza, sendo altamente indicado como cão de companhia, proteção e utilidade. É um cão robusto, porte de médio para grande, sem ser leve, grosseiro, pernalta ou esguio. Sua estrutura, em proporções corretas, forma uma figura compacta, forte e bem proporcionada, revelando potência, agilidade e resistência. É, basicamente, amigável e pacífico, muito apegado, adora crianças, fácil de se conduzir e ávido por trabalho. Sua estampa revela primitivismo, é autoconfiante, com coragem e nervos firmes. Sempre atento a tudo que o cerca, reage com grande presteza.

Spitz Alemão Anão – 245 registros
Grupo 5 – Spitz e tipos Primitivos
Utilização: Cão de guarda e companhia

Os Spitz Alemães são descendentes dos cães da Idade da Pedra: “Peat dogs” (Torfhund) “Canis familiaris palustris Rüthimeyer”, e mais tarde o Lake Dweller’s (Pfahlbau) Spitz; são as raças de cães mais antigas da Europa Central. Muitas outras raças foram criadas a partir delas. Nos países de línguas não germânicas, os “Wolfsspitz” são conhecidos como Keeshonds e os Spitz Anão como Pomerânia. Os Spitz cativam pela beleza de sua pelagem, feita para ficar externamente ao abundante subpelo. Particularmente impressionante é o forte tipo de juba ao redor do pescoço (“rufo”) e a espessa cauda atrevidamente portada sobre o dorso. A cabeça de raposa com olhos alertas e as pequenas orelhas pontudas, inseridas próximas uma da outra, dão ao Spitz sua característica única, uma aparência atrevida. O Spitz Alemão está sempre atento, esperto e é excepcionalmente devotado ao seu dono. É muito dócil e fácil de ser treinado. Sua desconfiança com estranhos e sua ausência de instinto de caça fazem dele um cão de guarda ideal para casas e fazendas. Ele não é nem tímido nem agressivo. Indiferente às intempéries, robustez e longevidade são seus atributos mais importantes.

Fila Brasileiro – 235 registros
Grupo 2 – Pinscher e Schnauzer, Molossóides, Boiadeiros e Montanheses Suíços e raças assemelhadas.
Utilização: Guarda e boiadeiro

Raça tipicamente molossóide. Poderosa ossatura, figura retangular e compacta, harmoniosa e proporcional. Apresenta, aliada a uma massa muscular, grande agilidade concentrada e facilmente perceptível. As fêmeas devem exibir feminilidade bem pronunciada, diferenciando-se, nitidamente, dos machos. O focinho é ligeiramente mais curto que o crânio. Dotado de coragem, determinação e valentia notáveis. Para com os de sua casa é dócil, obediente e extremamente tolerante com as crianças. É proverbial sua fidelidade, procurando com insistência a companhia dos donos. De comportamento sereno, revelando segurança e confiança própria, absorve perfeitamente ambientes e ruídos estranhos. É fiel à guarda da propriedade, dedicando-se, também, e, por instinto, às lides de gado e à caça de animais de grande porte. Caracteriza-se pela aversão a estranhos, sendo de manejo controlado particularmente em pista de exposição. Sua expressão, em repouso, é calma, nobre e segura. Nunca apresenta olhar vago ou de enfado. Em atenção, sua expressão é de determinação, refletida num olhar firme e penetrante.

Bulldog (Buldogue Inglês) – 197 registros
Grupo 2 – Pinscher e Schnauzer, Raças Molossóides, Cães Montanheses Suíços e Boiadeiros.
Utilização: Cão de companhia

O Bulldog foi o primeiro classificado como tal na década de 1630, embora houvesse anterior menção de tipos similares designados “bandogs”, hoje um termo reservado para um tipo de cão de briga. Usado inicialmente para o combate a touros (“bull-baiting”), o Bulldog também batalhou seu caminho através das rinhas de cães, mas depois de 1835 começou a evoluir para a versão de cara mais curta e atarracada que conhecemos atualmente. Ele entrou nas exposições em 1860 e, nos anos seguintes, viram uma grande mudança de personalidade. Um cão deliciosamente feio, com uma expressão de pugilista, que esconde um carácter amoroso e afetuoso com a família e amigos. Uma das raças autóctones mais antigas, conhecido como o Cão Nacional da Grã-Bretanha e associado em todo o mundo com a determinação britânica e do lendário John Bull. Pelo macio; atarracado, de estatura bastante baixa, largo, poderoso e compacto. Corpo razoavelmente curto, bem ajustado. Membros robustos, bem musculosos e em muito boa condição sem tendência à obesidade. O Bulldog dá uma impressão de determinação, de força e atividade. Alerta, valente, leal, confiável, corajoso, de aparência feroz, mas dotado de uma natureza afetuosa.

Maltês – 188 registros
Grupo 9 – Cães de Companhia
Utilização: Cão de companhia

O nome Maltês não significa que ele é originário da ilha de Malta, porque o adjetivo “Maltês” vem da palavra semítica “màlat” que quer dizer refúgio ou porto; esta raiz Semítica surge novamente em toda uma série de nomes de lugares marítimos; por exemplo o nome da ilha Adriática ilha da Méleda, a cidade Siciliana de Melita e também o da ilha de Malta. Os ancestrais deste pequeno cão viviam nos portos e cidades marítimas Centrais do Mediterrâneo onde caçavam camundongos e ratos que se encontravam em profusão nos armazéns dos portos e nos porões dos navios. Na lista de cães existentes na época de Aristóteles (384- 322 A.C.) ele menciona uma pequena raça para o qual atribui o nome latino de “canes malitenses”. Este cão era conhecido na Roma Antiga; companheiro favorito das matronas, foi elogiado por Strabon, poeta latino do Primeiro Século A.D. Representações do Maltês por numerosos pintores da Renascência mostram este pequeno cão nos salões da época, ao lado das belas damas daquele tempo. De tamanho pequeno, corpo alongado. Coberto por uma pelagem branca muito longa. Muito elegante com um distinto e orgulhoso porte da cabeça. Vivo, afetuoso, muito dócil e muito inteligente. Há muito tempo é o cachorrinho de colo preferido, e o gentil Maltês se encaixa lindamente nesse papel. Ele também tem um lado selvagem e ama correr e brincar. Apesar do seu ar inocente, ele é corajoso e rabugento, e pode desafiar cães maiores. Ele é um pouco reservado com estranhos. Alguns latem muito.

MAIS INFORMAÇÕES: Kennel Clube do Estado do Ceará (KCEC). (85) 3265.5040

12:42 · 01.05.2018 / atualizado às 12:42 · 01.05.2018 por

Contagem regressiva meesmoo! As inscrições de cães para o grande evento cinófilo Américas e Caribe 2018 terminam sexta-feira, dia 4. O evento acontecerá de 31 de maio a 3 de junho no Centro de Eventos do Ceará, com mais de 1.000 cães de 100 raças em média.

O grande evento cinófilo é promovido pela Confederação Brasileira de Cinofilia (CBKC), presidida por Sérgio de Castro, e Federação Cinológica Internacional (FCI), que tem Rafael De Santiago como presidente, com apoio logístico do Kennel Clube do Estado do Ceará (KCEC), tendo na presidência Roberto Bezerra. A Américas e Caribe, presidida por José Luiz Payró, é uma das Seccionais da FCI.

O presidente da CBKC, Sérgio de Castro, foi o grande responsável pela decisão de trazer para Fortaleza a Américas e Caribe 2018. E, de acordo com o vice-presidente da CBKC, Fábio Amorim, a Capital cearense foi escolhida para sediar o evento porque possui instalações e logística adequadas. “Além do fato de o KCEC estar realizando exposições caninas com excelente número de cães e elevado profissionalismo há bastante tempo”, destaca ele.

Segundo adianta o vice-presidente do KCEC, Luiz Eduardo Matos Mendes, a programação do evento traz muitas novidades. Já contará com as mudanças de acordo com o novo Regulamento de Exposições da CBKC, uma forma de adequação ao modelo da FCI. E terá, entre outras inovações, a competição em Classes Opcionais (Parelhas ou Duplas; Grupo de Criação; Progênie).

A terceira edição da Revista Bem-Estar Animal, do Diário do Nordeste, a ser lançada durante o grande evento cinófilo, trará reportagens especiais sobre o evento, com entrevistas exclusivas com as presidências da FCI, CBKC, Américas e Caribe e KCEC. Também apresenta todas as novidades da programação.

Luiz Eduardo garante que o público conferirá ampla programação de desfiles de cães, em pistas gerais e especializadas de raças; apresentações de adestramentos nas modalidades Dog Show (Border Collie) e Segurança (Pastores Alemão e Belga de Malinois) nos intervalos das competições, além de  contar com uma completa infraestrutura de arquibancadas com 600 lugares; área para acampamento dos handlers e cães; três praças de alimentação; atendimento veterinário de urgência 24h para os cães participantes; e muito mais. Tudo isso em ambiente climatizado 24h.

Os criadores e proprietários de cães terão seus animais avaliados por um quadro de árbitros da FCI, de alta excelência, oriundos de países como Estados Unidos, Suíça, China, Bulgária, México,  Argentina, Costa Rica, Peru, Uruguai, Chile, entre outros.

Podem participar cães com pedigree, a partir de 4 meses e um dia de idade. Cerca de 12 raças já confirmaram presença para as Exposições Especializadas: Akita, Australian Cattle Dog, Boxer, Buldogue Campeiro, Buldogue Francês, Chihuahua, Dálmata, Fila Brasileiro, Mastiff, Pastor Alemão, Rottweiler, Spitz Alemão e Staffordshire Bull Terrier.

Entre as novidades da programação, será o anúncio da criação do Conselho Brasileiro da Raça Chihuahua (CBRC), oficializado recentemente pela CBKC, tendo como presidente a criadora e juíza cinófila, Paloma Pegorer, e na vice-presidência o criador e diretor do Kennel Clube do Estado do Ceará (KCEC), Benon Linhares.

A Confederação Brasileira de Cinofilia está priorizando a criação de Conselhos de Raças no País. Recentemente também instituiu a Coordenadoria dos Conselhos de Raças, que tem como titular o árbitro e presidente do Doberman Clube de São Paulo, Renato Almada.

Com todas essas novidades, é impossível ficar fora deste grande evento. E se você quer apresentar o seu próprio cão durante as exposições, o Kennel Clube do Ceará promoverá nova edição do Curso Básico para Apresentação de Cães, com certificado do KCEC. Será nesse fim de semana, dias 5 e 6, ministrado pelos handlers Pablo Henrique e Oiram Filho. A aula teórica acontecerá na Universidade Paulista (Unip), na Av. Treze de Maio, 389, no sábado, 5; ficando a parte prática para o domingo, 6, no Hotel Dog Fortaleza, bairro Lagoa Redonda.

Então é correr para as inscrições do Curso e das Américas e Caribe!

MAIS INFORMAÇÕES: Exposições Américas e Caribe (Inscrições no site). Curso Básico para Apresentação de Cães, KCEC 3265.5040. contato@kcec.com.br

 

MAIS INFORMAÇÕES:

12:33 · 18.04.2018 / atualizado às 12:48 · 18.04.2018 por
O Vetmóvel terá médicos veterinários para consultas, castrações, hemogramas, vacinas e palestras

Agora é pra valer! No próximo dia 16 de maio, o Vetmóvel começa a funcionar em Fortaleza! Quem garante é a coordenadora especial da Coordenadoria de Proteção e Bem-Estar Animal (Coepa), Toinha Rocha, que hoje concedeu entrevista exclusiva para o Blog Bem-Estar Pet, exatamente na data em que a Coepa completa seis meses de atividades em favor dos animais na Capital cearense.

“O Vetmóvel iniciará os trabalhos na Regional I, no Cuca da Barra do Ceará, com os serviços de consultas, hemogramas, castração, vacinas e palestras“, afirma Toinha Rocha. Hoje, a Prefeitura já divulgou o resultado da seleção para contratar os quatro veterinários que atuarão no Vetmóvel. Serão um clínico geral, dois cirurgiões e um anestesista. Pela relação divulgada, os primeiros colocados foram os médicos veterinários Ricardo Ribeiro Garcia (clínico), Júlio César dos Reis Saraiva e Omar Cirino Duarte (cirurgiões) e Thiago Antônio Rodrigues Vasconcelos (anestesista). Os demais colocados ficam no contingente de reserva.

Prefeito Roberto Cláudio e Toinha Rocha em solenidade na qual foi anunciado pacote de políticas públicas de bem-estar animal

Nos seis meses de trabalho, a Coepa vem construindo uma grande rede de proteção e bem-estar animal em Fortaleza. Pelo balanço feito por Toinha Rocha, já são cerca de 50 reuniões realizadas no período, com universidades e faculdades de Medicina Veterinária, grupos empresariais, entidades de classe, ONGs e protetores independentes, Polícia Militar Ambiental, secretarias de governo, entre outros.

Foram promovidos cursos para mais de 500 multiplicadores, entre facilitadores da Rede Cuca, agentes de endemias, policiais do Batalhão da PM Ambiental, estudantes e professores de Veterinária, entre outros.

Com a Coepa, o prefeito Roberto Cláudio inaugura um novo tempo em Fortaleza, com a meta de ampliar as políticas públicas de proteção e bem-estar animal. Somente para este ano, a Coepa já tem assegurados no Orçamento do Município R$ 3,4 milhões, aqui incluídos os R$ 500 mil para construção da primeira Clínica Veterinária Popular, que funcionará ao lado do Abrigo São Lázaro.

Segundo Toinha Rocha, a Clínica Popular deverá ser entregue à população e seus animais a partir de dezembro. Até o fim de julho, estão previstas a definição do projeto e licitação da obra, para inicio da construção a partir de agosto”, afirma ela. E a ampliação e melhoria do Abrigo São Lázaro, outro benefício assegurado pela Prefeitura, contam com parceria do Curso de Arquitetura da Faculdade Estácio de Sá, na elaboração do projeto-piloto.

Primeira equipe da Coepa: Rosania Ramalho, José Alberto Thiers, Toinha Rocha, Marcel Girão e Thais Câmara

“Nesses seis meses da Coepa, como todo órgão em seu início, enfrentamos algumas dificuldades. Mesmo assim, superamos todas e, com muita força de vontade, criatividade e parcerias com as ONGs, protetores, e demais envolvidos na causa, estamos construindo essa grande rede de proteção animal em Fortaleza”, afirma a médica veterinária Rosania Ramalho, braço direito de Toinha Rocha na Coepa, que também conta com os integrantes José Alberto Thiers, veterinária Thaís Câmara e Júlio César. Até este mês, o economista e protetor Marcel Girão também fazia parte da equipe, mas precisou se desincompatibilizar em cumprimento às exigências da legislação eleitoral.

Nesta quarta-feira, a Coepa estará presente na terceira edição do Largo dos Bichinhos, que acontece toda terceira quarta-feira do mês, no Largo dos Tremembés, Praia de Iracema, a partir das 17h, numa promoção da Prefeitura de Fortaleza, Secretaria de Turismo do Município, Coepa e Instituto Iracema. Haverá adestramento de cães, Cantinho da Adoção, vacinação anti-rábica e teste de calazar, vacinação de tétano e hepatite, feira de produtos pet e massoterapia. O evento é gratuito e aberto ao público.

MAIS INFORMAÇÕES: 3ª Edição do Largo dos Bichinhos, hoje, 18, 17h, no Largo dos Tremembés, Praia de Iracema, aberto ao público. Coepa (85) 3272.3386

17:39 · 22.02.2018 / atualizado às 17:39 · 22.02.2018 por

Ainda é o mês da Folia de Momo. Assim, o grupo Dálmatas Ceará Oficial promove neste sábado, 24, a partir das 16h30, o “Carnavau 2018”.  O grupo é coordenado pelas criadoras Ana Victoria Moura e Ellen Gomes. Ana Victoria garante que a programação está recheada de atrações! E o melhor: a festa tem caráter beneficente!

A entrada é a doação de 2kg de ração (por pessoa, levando até dois animais). A ração será entregue à ONG Abrace Uma Causa Animal, presidida pela professora Cristiane Angélica. A festa acontece no Hotel Ada Traning, do adestrador André Damasceno.

Ana Victoria explica que o evento é realizado pelo Dálmatas Ceará Oficial mas o “Carnavau” é aberto a todas as raças e SRDs (Sem Raça Definida).

Haverá sorteio e demonstração de produtos dos patrocinadores: Dog on Foot, Ibasa, Guabi Natural, Gran Plus, Vetcom, Avert Laboratórios, Patas e Manhas Pet Store e Ada Training.

A presidente da Abrace, Cristiane Angélica, estará apresentando o trabalho de proteção animal feito pela ONG. Cães resgatados pela entidade, já completamente recuperados e saudáveis, participam de desfile. Não terá evento de adoção, mas os interessados poderão adotar os animais apresentados.

MAIS INFORMAÇÕES: Dálmatas Ceará Oficial 2018 (85) 9 9940.1012.

14:09 · 19.01.2018 / atualizado às 14:24 · 19.01.2018 por

Atenção cinófilos e apaixonados por cães!! A partir de 1º de fevereiro começam as inscrições pelo Kennel Clube do Estado do Ceará para o grande evento internacional Américas e Caribe, que acontecerá em Fortaleza de 31 de maio a 3 de junho, no Centro de Eventos do Ceará. A programação geral já pode ser conferida no site do evento.

A Exposição das Américas e Caribe é um dos maiores eventos da cinofilia mundial, que após 15 anos volta a se realizar no Brasil. Está prevista a participação de mais de mil cães de 100 raças em média. Serão 8 pistas simultâneas de julgamento, 27 exposições especializadas de raças, 41 juízes convidados e uma estimativa de público de 15 mil pessoas nos quatro dias de evento.

A Confederação Brasileira de Cinofilia (CBKC), presidida por Sérgio de Castro, a Federação Cinológica Internacional (FCI), que tem Rafael de Santiago como presidente, e a Seção Américas e Caribe da FCI, com José Luiz Payro na presidência, realizam as exposições, com apoio logístico do Kennel Clube do Estado do Ceará (KCEC), presidido por Roberto Bezerra.

O vice-presidente do KCEC, Luiz Eduardo Matos Mendes, explica que as principais mudanças no regulamento da CBKC já são válidas para todas as exposições a partir deste ano são: Machos entram antes das fêmeas; volta da Classe Inicial; Filhote e Jovem tiram grupo antes do BIS; Filhote não pode mas ganhar a raça; Jovem agora é até 18 meses (antes era até 15 meses); e criação da Classe Intermédia (que vai de 15 a 24 meses).

Entre as pistas especializadas, estão das raças Akita, American Staffordshire, Basenji, Boxer, Buldogue Francês, Buldogue Campeiro, Chihuahua, Dálmata, Dogue Alemão, Golden Retriever, Pastor Alemão, Pug, Schnauzer Miniatura, Spitz Alemão Anão e Staffordshire Bull Terrier. Cinco raças das Especializadas são chanceladas por seus Conselhos na CBKC. São elas: Australian Cattle Dog, Dachshund, Fila Brasileiro, Rottweiler e Terrier Brasileiro.

Juízes de diferentes países da Ásia, Europa e das Américas foram convidados. Entre eles Barbara Muller (Suíça), David Miller (EUA), Denis Kuzelj (Bulgária), Franki Leung (China), Augusto Benedicto Santes (Filipinas), Gopi Krishnan (Malásia), Ilaria Ciabati (Peru), José Luis Payro (México), Miguel Angel Martinez (Argentina), Eugenio Aguiló (Chile) e os brasileiros Sergio de Castro, Jayme Martinelli, Clarice Oliveira e Gutenberg Soares.

Sobre as inscrições, Luiz Eduardo informa que o KCEC está desenvolvendo um sistema em separado que será acessado por meio do site do evento. “Começará em fevereiro. Vale lembrar que até o dia 4 de abril, a inscrição tem preço menor. Outra coisa importante é a data de encerramento, 4 de maio. Portanto, quatro semanas antes do evento”, ressalta ele.

A Exposição Américas e Caribe tem a Royal Canin como patrocinadora oficial, e a Prefeitura de Fortaleza e Honda Cidade Luz como apoiadores. Outros patrocínios serão divulgados brevemente.

A segunda edição da Revista Bem-Estar Animal, do Diário do Nordeste, já trouxe reportagem especial no ano passado sobre o evento. A terceira Revista será uma edição especial com os principais cinófilos, para circulação dentro do evento.

A infraestrutura do evento contará com 1.200m² de áreas de competição, 350m² de arquibancadas, duas áreas de alimentação, uma praça de convivência, ambulância, brigadistas, seguranças, entre outros equipamentos de infraestrutura, como o ambulatório veterinário, sob responsabilidade do Dr. Daniel Couto Uchoa, que funcionará 24 horas.

Uma novidade realizada pelo KCEC são as aulas gratuitas com os handlers Oiram Filho, Cláudio Cruz e Pablo Henrique, para os proprietários interessados em apresentar os próprios cães nas exposições.

“As aulas gratuitas são uma iniciativa do Kennel com apoio dos handlers. Queremos potencializar a participação dos cães, pois se os proprietários apresentarem também aumenta a possibilidade de participação. Além do que os handlers têm um limite de número de cães que conseguem apresentar”, explica Luiz Eduardo. A primeira aula será no dia 28 de janero, 17h, na Praça da OAB, para todos os Bulls (Inglês, Francês, Campeiro etc).

MAIS INFORMAÇÕES: Exposição Américas e Caribe, de 31 de maio a 3 de junho, Centro de Eventos do Ceará. contato@kcec.com.br / Aberto ao público.

 

 

 

 

americasyelcaribe2018.com.br

11:24 · 17.01.2018 / atualizado às 12:00 · 17.01.2018 por

A Mundo Pet e a AD2M convidam jornalistas e influenciadores para um encontro especial e exclusivo, logo mais à noite, 19h. Eles avisam que será uma noite cheia de interação, com coquetel e mimos. E o que é melhor, haverá tira dúvidas sobre saúde animal com a médica veterinária Julieta Tavares, e sobre comportamento animal com o adestrador Márcio Façanha.

A Mundo Pet também garante que haverá um momento de experimentação de tudo o que a loja oferece. “Mesmo você que já conhece, irá se surpreender”, é o que asseguram os organizadores.

Vale destacar que a loja já é considerada a “Disney” dos animais. Imagine um mundo onde seu pet encontra tudo para ser feliz: Ração, vacina, brinquedos, veterinário, moda, encontros e um centro de estética ultra moderno. Assim é a Mundo Pet, onde os pupilos peludos sentem total bem-estar.

São 1.658 metros quadrados, em dois andares organizados por segmentos: cães, gatos, peixes, roedores, animais exóticos e aves, com 9.500 itens à disposição dos bichinhos.

O empreendimento é comandado pelos empresários Luís André Nóbrega e Alain Michael. “Temos hoje a maior variedade de produtos para animais do Norte e Nordeste”, comemora Luís André.

A segunda edição da Revista Bem-Estar Animal, do Diário do Nordeste, tem reportagem especial com a Mundo Pet. Hoje à noite, a revista estará presente com distribuição de exemplares e sessão de fotografias para o Agito DN.

MAIS INFORMAÇÕES: “Você e seu Melhor Amigo”, hoje, 17, 19h, na Mundo Pet Fortaleza. Av. Virgílio Távora, 1.400, Aldeota. (85) 3263.3223. Para convidados.

11:28 · 14.11.2017 / atualizado às 11:28 · 14.11.2017 por

“Pesquisas científicas nas mais diversas áreas comprovam a cada dia os benefícios da interação entre seres humanos e animais. Está comprovado cientificamente que afagar um bichinho provoca no ser humano sensações de bem-estar, saúde, alegria, tranquilidade e amor”. Assim informa a segunda edição da Revista Bem-Estar Animal, do Diário do Nordeste, na reportagem “Terapia com Animais – os cães são os “doutores””, feita a partir de entrevista com a psicóloga Giselle Sucupira Mesquita, idealizadora e coordenadora do Instituto Cão Vida Lui, especializado em Cinoterapia, ou Terapia Assistida por Cães. Confira mais informações sobre esse tema apaixonante na entrevista abaixo. Para ser um cão terapeuta não basta ser dócil e saudável. E o tutor interessado deve ser capacitado para o trabalho. Nos próximos dias 16 e 17 de dezembro, o Instituto Cão Vida Lui realiza novo curso em Terapia com Animais. Aproveitem!

Instituto Cão Vida Lui leva Cinoterapia para diferentes públicos, sejam crianças ou adultos FOTOS: Instituto Cão Vida Lui

Blog Bem-Estar Pet- O que é a Terapia com Animais?

Dra. Giselle Sucupira Mesquita – Terapia assistida por animais é uma modalidade terapêutica onde se utiliza o cão como facilitador do processo. Atualmente vem sendo bem utilizada na área da saúde e educação, por profissionais capacitados no trabalho com o cão. Podemos separar em três vertentes. AAA (Atividade Assistida por Animais), TAA (Terapia Assistida por Animais) e EAA (Educação Assistida por Animais). A AAA é uma atividade pontual, planejada, que tem um intuito mais recreativo, mas que no fundo não perde sua característica terapêutica já que é planejada e proporciona bem-estar, diminuição do estresse e mobiliza emoções. A TAA é uma terapia, onde os atendimentos são regulares, planejadas pelos profissionais de Saúde e com foco para a necessidade do paciente e/ou grupo atendido e requer uma continuidade do processo e avaliação dos resultados. A EAA é uma atividade voltada para educação de saúde ou pedagógica, que utiliza o cão para facilitar o processo e interesse da pessoa ou grupo focal. Quando utilizamos apenas dos cães como facilitadores, podemos também utilizar Cinoterapia como nomenclatura.

Blog – Em que casos os animais podem ser utilizados como terapeutas?

Dra. Giselle – Os cães podem ser utilizados em diversos processos, seja com crianças, adolescentes, adultos ou idosos. Praticamente, não existe contra indicação. Os únicos impedimentos são no caso do cliente/paciente ter medo de cão; ou contra indicação médica por causa de alergias graves ou baixa imunidade – nesta última, não existem estudos que comprovem que o cão seja transmissor de doenças se o mesmo estiver saudável e higienizado; ou o cão não ser preparado para o serviço.

Blog – O que é preciso para um cão ser terapeuta?

Dra. Giselle – O ideal é que o cão seja escolhido desde a ninhada com esse objetivo, pois deve ter o temperamento o mais equilibrado possível. Existem protocolos que nos ajudam nessa escolha. Depois de avaliados em seu temperamento, esses cães devem ser dessenssibilizados e socializados, ou melhor dizendo, devem ser apresentados a diversas situações e pessoas, inclusive estressoras e reforçados positivamente para quando vivenciar a situação real, reagir de maneira equilibrada. São cães que devem ser treinados exclusivamente de forma positiva para que o serviço seja para ele prazeroso e nunca uma imposição. Só assim o processo será bom para todos. Para isso, devemos sempre observar os “calms signals” que ele apresentam, para que não tenhamos surpresas desagradáveis.

Blog – Um cão dócil e saudável não é o suficiente para ser um cão terapeuta?

Dra. Giselle – Para ser um cão terapeuta, não basta ser um cão dócil. Todos os cães devem ser dóceis com seus tutores e cães conhecidos. Porém, o cão terapeuta deve ser dócil com estranhos e outros cães e, através do treinamento básico, deve ter consciência de que no momento da terapia, ele deve apresentar o comportamento desejável. Os cães treinados para terapia, quando colocam o colete de serviço, mudam seu comportamento pois sabem que estão em serviço. Eles não latem, não fazem necessidades fisiológicas nos locais do serviço e respondem ao comando do seu tutor. É interessante observar que, quando estão sem seus coletes, facilmente se confundem com qualquer outro cão no que se refere ao comportamento. Os cães são extremamente inteligentes e compreendem quando estão no serviço.

Para ser um cão terapeuta, é preciso uma rigorosa seleção para o trabalho. Com o colete de serviço, o cão sabe quais atividades desempenhar

Blog – Quanto ao tutor do cão, o que ele deve saber?

Dra. Giselle – Quanto ao tutor, esse deve treinar seu cão desde filhote para o serviço, ressaltando que, mesmo com o treino, nem todos vão se tornar terapeutas, pois como já disse, o temperamento é um fator fundamental para tal. O cão deve estar sempre acompanhado do seu tutor que se torna a base segura para ele, o que faz com que o cão fique tranquilo e seguro e não modifique o comportamento. Há varias funções as quais o tutor pode desenvolver. Ele pode ser um profissional de saúde que adéqua o atendimento utilizando o cão como facilitador, ou pode ser o condutor, que junto com o profissional de saúde se harmonizam para alcançar o resultado final. Em um trabalho com cães, nunca deve haver mais cães que condutores, porém, pode haver mais profissionais que cães. Se o atendimento exigir sigilo, então o profissional deve atender em lugar reservado com o seu cão.O trabalho com Cinoterapia pode ser particular, como também voluntário. O importante é estar ciente que o profissional é quem conduz o processo e não o cão.

Blog – Para quem quer trabalhar com cão terapia o que deve fazer:

Dra. Giselle – Se for alguém que pretenda trabalhar com seu cão, o ideal é primeiro preparar seu cão e certificá-lo ou ter certeza de que ele apresenta todos os requisitos para o serviço, sendo ideal a aplicação do protocolo para observar a reação do cão. Para isso, o condutor deve ter conhecimento sobre o que é a TAA e AAA, assim como, sobre temperamento, comportamento, socialização e adestramento básico e ter domínio sobre a observação dos “calms signals” para saber quando o cão não está bem para o serviço. Mesmo o cão terapeuta experiente, pode, em algum momento, não estar disposto para o trabalho, e isso deve ser respeitado, em primeiro lugar por respeito ao cão e, em segundo lugar, para evitar incidentes.

Blog – A Sra. idealizou e coordena o Instituto Cão Vida Lui. Como é este trabalho?

Inscrições abertas para o curso de Terapia Assistida por Cães, do Instituto Cão Vida Lui

Dra. Giselle – O Instituto Cão Vida Lui atende a diversas demandas, desde as dificuldades emocionais, psicológicas, físicas e cognitivas. Tem um cuidado todo especial na avaliação dos cães utilizados na terapia e na capacitação dos profissionais dentro da Cinoterapia. Quase todos os cães são trabalhados dentro do Instituto, ou orientando ao tutor do filhote que deseja torná-lo um cão terapeuta sobre as etapas a serem cumpridas e de como utilizar as janelas de socialização para ter mais êxito no processo. As vezes, apenas alguns ajustes podem fazer um cão já adulto se tornar um terapeuta. É necessário muito empenho e compromisso do seu tutor. O Instituto busca mostrar que Cinoterapia não é apenas uma brincadeira recreativa qualquer. Ela tem foco e objetivos a serem alcançados, o que faz com que se torne um trabalho profissional. Antigamente, no Brasil, só a equoterapia era reconhecida e recomendada pelos médicos e outros profissionais. Hoje, cresce a cada dia os pacientes encaminhados por profissionais da saúde que passaram a reconhecer os benefícios dessa modalidade. Além dos atendimentos individuais, temos sido solicitados por alguns hospitais e outras instituições e as devolutivas são extremamente gratificantes.

Revista Bem-Estar Animal, segunda edição, já nas bancas, traz reportagem especial com o Instituto Cão Vida Lui

Blog – O Instituto Cão Vida Lui também capacita profissionais interessados na Cinoterapia?

Dra. Giselle – Sim. Hoje o Instituto também se propõe a preparar pessoas interessadas na área através de cursos. As pessoas que participam dos cursos e passam a ter conhecimento dessa modalidade, podem ou não se candidatarem para atuar através do Instituto, sendo feito uma seleção. Nem todo profissional ou voluntário do Instituto possui cão, mas contribuem de forma valorosa para o mesmo dentro de suas áreas, pois atuam em parceria com um condutor e cão.

MAIS INFORMAÇÕES: Instituto Cão Vida Lui, Dra Giselle Sucupira Mesquita, (85) 9 9694.4222/ 9 9671.4188. Inscrições abertas para o Curso

13:57 · 31.10.2017 / atualizado às 13:57 · 31.10.2017 por

A primeira exposição voltada para a raça Pug acontecerá no próximo dia 12 de novembro, no Estacionamento do Shopping Iguatemi. Numa parceria do Grupo PugNic Fortaleza com o Iguatemi, será realizada a partir das 16h a I Expo Pug Fortaleza, que contará com 20 expositores do segmento pet. O evento trará uma diversidade de produtos e marcas voltados para o mundo animal, segundo destacam os organizadores Diego Costa, Luciana Costa, Deborah Fontenele e Ederson Ramos, também administradores do PugNic.

A programação está bem atrativa, não só para quem cria Pug mas para todos os apaixonados por pets. Contará com palestras do veterinário Gustavo Coser sobre o tema: “Outubro Rosa & Novembro Azul – Uma luta até para os pets”. O objetivo é explicar sobre a prevenção e tratamento do câncer de mama e próstata em animais.

Também haverá palestras sobre a raça com os criadores especializados em Pug, Cláudio Cruz, que juntamente com sua esposa Ivna Fontenele mantém o canil Special Show Dog Kennel; e Antônio Rodrigues Júnior, criador do Canil Fonteles.

O legal desta I Expo Pug é que terá um caráter beneficente com entidades de proteção animal. Como parte da programação, as ONGs Abrace, presidida pela professora Cristiane Angélica; e GPA, com Renata Machado como presidente, estarão com cães e gatos para adoção responsável.

“Teremos a participação dos principais canis de Fortaleza especializados em Pugs que explicarão sobre o padrão da raça, cuidados e criação responsável”, destaca Diego Costa.

A I Expo Pug tem como subtema “PugNic Fantasy”. Daí uma das grandes atrações do evento será o desfile à fantasia dos Pugs. Os organizadores informam que os participantes das mídias sociais do grupo têm se mobilizado para criar as mais diversas fantasias. Após o desfile, haverá sorteios e premiações para o vencedor do desfile.

Vale destacar que o evento será aberto ao público. Como acontecerá na área do estacionamento do Iguatemi, a programação poderá ser prestigiada por todas as raças, até aquelas que o shopping restringe em suas parte interna.

Em pouco mais de 2 anos de existência, o grupo PugNic Fortaleza tem reunido diversos amantes e criadores da raça Pug. Já são mais de 3 mil membros somente na Capital cearense, fora o “Grupo Loucos por Pug” (administrado pelos mesmos moderadores) com mais de 64 mil amantes da raça espalhados pelo Brasil.

MAIS INFORMAÇÕES: I Expo Pug Fortaleza.  12 de novembro. 16h. Estacionamento do Shopping Iguatemi. (85) 99604-2037/ 99994-2037/ 98703-8824 @pugnicfortaleza Facebook.com/pugnicfortaleza