Busca

Categoria: Geral


23:39 · 20.06.2018 / atualizado às 23:39 · 20.06.2018 por
Professor Ricardo Figueredo e participantes da formação em Liderança Solidária no recente encerramento da disciplina

Em geral, o modelo de ensino tradicional envolve a transmissão de informações teóricas feitas pelo professor aos alunos, em sala de aula, seguidas pelo processo de memorização (decoreba) de extensos conteúdos pelos alunos, visando a realização de provas escritas para obter notas com a finalidade de aprovação em uma determinada disciplina. Inovando em relação a este pouco estimulante modelo tradicional de ensino, o curso de Medicina Veterinária da Favet-Uece lançou, de forma inédita, a disciplina optativa denominada Liderança Solidária e Ação Social.

O diferencial desta disciplina é poder associar ensino teórico dinâmico com ações sociais beneficentes além dos muros da universidade, permitindo aos alunos envolvidos o conhecimento e a vivência de contrastes sociais.
Além do professor responsável pela disciplina, Ricardo Figueredo, participam desse processo de ensino colaboradores membros da ONG Grupo Cristão Mãos de Luz (GCML) – voltada para a realização de projetos sociais – bem como empresários especializados em planejamento estratégico (Plataforma Canvas) e “Coaching”, e ainda representantes de instituições caritativas beneficentes.

Os universitários apresentaram os resultados das Caravanas Solidárias

Como responsável pela disciplina e também presidente do GCML, o professor Ricardo Figueiredo afirma que o objetivo principal da disciplina é capacitar os alunos na área de liderança com foco na elaboração de projetos, planejamento e execução de ações sociais, voltadas para públicos vulneráveis (seres humanos e animais), contribuindo para a formação humanística dos alunos na prática, despertando o senso de responsabilidade social.
Diferentemente de outras disciplinas tradicionais, não há prova escrita. Ao contrário, os alunos são avaliados pela sua capacidade em aspectos como: 1- elaborar um projeto de ação social de curta duração; 2-liderar, executar e apresentar os resultados da ação social planejada no período da disciplina.

Para tanto, são ministrados e discutidos com os alunos conteúdos relativos à educação integral (intelectual, emocional e social) e sua relação com a ética, bem como princípios e hábitos eficazes de liderança (incluindo “Coaching”) e estratégias para elaboração e execução de projetos (incluindo o Canvas). Há também aulas práticas de ações sociais bimestrais promovidas pelo GCML, as chamadas Caravanas Solidárias, que são abertas ao público (www.maosdeluz. org.br) nas quais os alunos têm a oportunidade de participar e ver na prática como funciona uma ação social, incluindo a importância da interação humanitária com o público vulnerável assistido.

Fornecida esta base, o aluno é desafiado a redigir o seu próprio projeto e, de forma interdependente, liderar a ação social, escolhendo uma instituição carente a ser beneficiada, determinando e executando estratégias para o recrutamento de voluntários e posterior arrecadação de recursos financeiros e outros produtos. Finalmente, o aluno realiza uma caravana para entrega dos itens arrecadados na instituição escolhida e interação da sua equipe (calor humano) com público alvo vulnerável.

“O resultado da disciplina foi impressionante e superou em muito as nossas expectativas, tanto da coordenação do curso de Veterinária, bem como as minhas, como professor responsável. É importante ressaltar que, por se tratar de uma proposta inovadora e experimental, alguns alunos matriculados ficaram temerosos e optaram por trancar a matrícula. Entretanto, 13 alunos aceitaram o desafio e fizeram história”, afirma o professor Ricardo Figueredo.  “Além dos dois créditos da disciplina, os alunos receberam também da coordenação da Veterinária e do GCML um certificado de coordenador de projeto de ação social que, certamente, fará diferença em seus currí­culos”, completa o professor.

O Lar Tintin foi uma das instituições beneficiadas neste semestre

As Caravanas Solidárias organizadas pelos alunos da Favet obtiveram êxito. Os 13 alunos formaram seis duplas e um aluno ficou inicialmente só. Cada dupla beneficiou uma instituição carente, totalizando sete caravanas: quatro para abrigos de crianças, uma para abrigo de idosos, uma para abrigo de moradores de rua e uma para abrigo de animais.

O encerramento da disciplina ocorreu no dia 6 passado, na sala de aula do Lamofopa (Favet- Uece), com a apresentação de sete seminários organizados pelos alunos. Eles relataram as suas experiências e resultados obtidos na realização das ações sociais.

O propósito agora é estimular outros cursos da Uece, bem como de outras universidades/faculdades, públicas ou privadas, a também ofertarem tal disciplina. “Vale ressaltar que um dos objetivos do planejamento estratégico do GCML é facilitar a implantação da disciplina de Liderança Solidária em instituições de ensino. Por meio do GCML, teremos grande prazer em auxiliar neste propósito“, afirma o professor Ricardo Figueredo.

MAIS INFORMAÇÕES: Disciplina “Liderança Solidária e Ação Social”. Professor Ricardo Figueiredo, (85) 9 9998.4056.

14:48 · 19.06.2018 / atualizado às 14:48 · 19.06.2018 por

E as Festas Juninas para cães continuam!! No domingo, 24, é a vez do Golden Retriever Fortaleza (GRF) promover sua programação. As administradoras do Grupo, Gizelle Neves e Laura Farias, convidam todos os apaixonados por cães. Sim, porque o Arraiá GRF é para os Goldens e seus familiares, mas também para todas as raças de cães e para os Sem Raças Definidas (SRDs).

“O Arraiá GRF é para todos. Até para quem não tem dog mas quer comer uma comidinha típica, está convidado”, avisa Giselle Neves.

A programação começa a partir das 14 horas, no Adorabull Pet Hotel. Na programação: comidas típicas, “Cãodrilha”, parceiros expositores (o público vai poder adquirir e conhecer os produtos no local), Desfile Cãocesa e Cãopríncipe do Milho, sorteio de brindes etc.

Para participar dos sorteios, basta doar 3kg de ração e trocar por um cupom. Quanto mais ração doar, mais cupons de participação. A ração será destinada para os animais do Lar Tintin.

MAIS INFORMAÇÕES: Arraiá Golden Retriever Fortaleza (GRF). Domingo, 24, no Adorabull Pet Hotel. (85)9 9629.8088/ (85) 9 8801.7157

 

11:05 · 16.06.2018 / atualizado às 11:09 · 16.06.2018 por

É tempo de Festas Juninas!! E os grupos de criadores de cães de raça adoram o período para se confraternizar e, ao mesmo tempo, promover beneficência. Assim faz amanhã, 17, o grupo Bull Terrier Fortaleza, administrado por Michelle Alisson Lebowe e Verônica Silva.

A programação está super variada! “Vai ter premiação e quem quiser concorrer, e só doar 3kg de ração. Para cada 3kg, um cupom. A ração será doada ao Abrigo Arca de Noé“, avisa Michelle. Também haverá quadrilha junina e escolha da melhor roupa matuta, com direito à premiação.

A programação inclui ainda palestras com o veterinário, Dr. Ederson Freitas, também criador de Bull Terrier; e do adestrador Leonardo, da Cão Educado.

Toda a festança terá como palco o Adorabull Pet Hotel e começa a partir das 15 horas. Ah, e tem mais! A Michelle avisa que haverá telão, mesas e cadeiras para o jogão do Brasil neste domingo!

Então, tá tudo completo! É só participar e curtir muuuuitoo!!

MAIS INFORMAÇÕES: Encontro Junino Bull Terrier Fortaleza. Domingo, 17, a partir das 15h. No Adorabull Pet Hotel. (85) 986582461. @bullterrierfortaleza @adorabullpet

22:39 · 12.06.2018 / atualizado às 22:40 · 12.06.2018 por
Prefeito Roberto Cláudio e veterinários concursados para o VetMóvel. Trabalho em prol do bem-estar animal

O VetMóvel segue até quinta-feira, 14, com serviços clínico-veterinários no Parque Adahil Barreto, no horário de 8h às 12h e de 13h às 17h. Desenvolvida pela Coordenadoria Especial de Proteção e Bem-Estar Animal (Coepa), vinculada à Secretaria Municipal de Conservação e Serviços Públicos (SCSP), a iniciativa faz parte das ações programadas para 2018 com o objetivo de envolver cada vez mais a sociedade no combate aos maus tratos e abandono de animais na capital cearense.

Quatro médicos veterinários atuam no VetMóvel: o clínico Ricardo Garcia, o anestesista Thiago Antônio Rodrigues e os cirurgiões Júlio César dos Reis e Marina Frazatti Galilina. As veterinárias da Coepa, Rosania Ramalho e Thais Câmara, também dão consultoria aos trabalhos. A titular da Coordenadoria, Toinha Rocha, mostra-se otimista com as atividades e, com a continuidade dos serviços, a expectativa é que o VetMóvel alcance a meta de realizar 500 castrações no mês.

Dra. Rosania Ramalho, da Coepa, e Paulo Lyra, coordenador do Parque do Cocó, com os animais atendidos pelo VetMóvel

As castrações são realizadas apenas  para os tutores que comprovarem baixa renda (participação em programas sociais, como o NIS, Bolsa Família etc), ou para animais encaminhados pelas ONGs de proteção animal ou protetores independentes. O procedimento só é feito após avaliação do clínico veterinário, realização de exames complementares e após o tutor ou protetor independente assinar um termo de responsabilidade. O pós-operatório é de inteira responsabilidade do tutor ou responsável pelo animal.

O VetMóvel também fornece vacinação antirrábica e realização de exames rápidos para detecção do Calazar (Leishmaniose) destinados a animais pertencentes à população local, além de registro geral animal, distribuição de material educativo, palestras sobre bem-estar animal e guarda responsável.

Dra. Thais Câmara, da Coepa, e as cartilhas educativas

A Coepa produziu duas cartilhas educativas para os tutores, com a participação direta de seus veterinários, como a Dra. Thais Câmara. Com os títulos “Cuidados com a castração” e “Aprenda a cuidar bem dos nossos bichinhos”, as cartilhas são distribuídas gratuitamente aos interessados.

As consultas, vacinas e exames do calazar podem ser feitos de 8h às 15h. “O serviço é disponibilizado para todos os tutores”, destaca Rosania Ramalho. Na sexta-feira, o VetMóvel retorna ao Shopping RioMar para consultas aos animais que foram castrados na última semana.

Rosania Ramalho explica que o trabalho no VetMóvel é feito também em parceria com a Secretaria de Saúde do Município e seus agentes de endemias e conta com o apoio do coordenador do Parque do Cocó, Paulo Lyra.

Durante o recente evento internacional Américas e Caribe, Prefeitura de Fortaleza e Coepa mantiveram estande. Blog Bem-Estar Pet/Revista Bem-Estar Animal em entrevista com Toinha Rocha e Rosania Ramalho

Os veterinários do VetMóvel foram selecionados por concurso público. Eles foram empossados pelo prefeito Roberto Cláudio no dia 30 de maio passado. Com atividades sempre de segunda a sexta-feira, de 8h às 12h e de 13h às 17h, a intenção é que o equipamento percorra outros locais e bairros da cidade, com programação até julho já definida.

MAIS INFORMAÇÕES: Coordenadoria de Proteção e Bem-Estar Animal (Coepa). (85) 3272.3386

 

19:14 · 04.06.2018 / atualizado às 19:14 · 04.06.2018 por
O Lar Tintin, da protetora Viviane Lima, foi a instituição de proteção animal beneficiada neste semestre com uma das Caravanas Solidárias

Os estudantes da Faculdade de Veterinária da Universidade Estadual do Ceará (Favet-Uece) passam por uma experiência inédita em sua formação profissional. Ganharam no currículo a disciplina optativa “Liderança Solidária e Ação Social”, desde fevereiro passado. A nova cadeira objetiva a formação humanística dos universitários, com ênfase na organização de ações sociais voltadas para os seres humanos e animais em situação de vulnerabilidade. Na sexta-feira, dia 8, eles vão encerrar o semestre de projetos, às 13h30, no Lamofopa da Favet-Uece, Campus do Itaperi, com apresentação das atividades beneficentes.

O idealizador e professor da nova disciplina, Ricardo Figueiredo, diz que 13 alunos da nova disciplina realizaram sete Caravanas Solidárias, sendo quatro em instituições de crianças carentes, uma em abrigo de idosos, outra voltada para moradores de rua, e mais outra no Lar Tintin, que resgata animais em situação de abandono. Os próprios universitários organizaram, lideraram e angariaram os recursos, alimentos, materiais de higiene pessoal e de limpeza geral etc para o público em vulnerabilidade social.

O professor explica que a ideia surgiu a partir da experiência de promoção social do Grupo Cristão Mãos de Luz (GCML), que ele preside. O GCML não é vinculado a nenhuma religião, e reúne católicos, espíritas, evangélicos e todos os interessados em fazer o bem aos que precisam.

Os universitários da Favet-Uece também beneficiaram abrigo de idosos

Nos últimos doze meses o GCML, em parceria com o Favet-Uece, realizou uma sequência de ações sociais bimestrais, as Caravanas Solidárias, que permitiram a arrecadação e distribuição de mais de 11 toneladas de alimentos, mais de três mil livros, milhares de brinquedos e diversos produtos de higiene pessoal, beneficiando cerca de 6.000 pessoas em situação de vulnerabilidade.

Os grupos vulneráveis incluíram os sertanejos em situação de miséria, pacientes psiquiátricos do SUS (incluindo dependentes químicos), detentos vinculados ao projeto Livro Aberto da Secretaria de Justiça do Estado (Sejus), crianças carentes, inclusive pacientes com câncer, idosos e pacientes adultos desfavorecidos, portadores de câncer ou doenças sexualmente transmissíveis, também do SUS.

Além da ajuda humanitária, as ações permitiram aos voluntários, dentre universitários e professores da Favet-Uece, empresários, diversos profissionais liberais e crianças, a vivência de contrastes sociais por meio de visitas e interações com o público favorecido, durante a entrega dos bens por ocasião das Caravanas.

Quatro Caravanas Solidárias levaram alimentos e brinquedos para instituições de crianças

Em função da experiência bem-sucedida das Caravanas, foi criada e implementada de forma inédita na Favet-Uece, a disciplina optativa “Liderança Solidária e Ação Social”. “O objetivo desta disciplina é o de treinar e capacitar estudantes na área de liderança com ênfase no planejamento, articulação e execução de ações sociais, visando o desenvolvimento de competências humanísticas, assegurando a formação de futuros profissionais com responsabilidade social”, explica o professor Ricardo Figueredo.

O professor destaca que as faculdades interessadas em conhecer e aderir à disciplina, ele se coloca à disposição para repassar a experiência.

MAIS INFORMAÇÕES: Encerramento do semestre da Disciplina “Liderança Solidária e Ação Social”, no Laboratório Lamofopa, Faculdade de Veterinária da Uece, Campus do Itaperi, Avenida Paranjana, 1.700. Sexta-feira, dia 8, 13h30, aberto aos interessados. Professor Ricardo Figueiredo, (85) 9 9998.4056.

12:17 · 30.05.2018 / atualizado às 12:17 · 30.05.2018 por

“Top Breeders Brasil – Histórias da Cinofilia Brasileira” é o livro que será lançado nesta quinta-feira, 31, na Exposição Américas e Caribe 2018, aberta ao público até o domingo, 3. O livro é de autoria do juiz cinófilo Daniel Pinto de Oliveira, também criador da Raça Labrador e proprietário do Canil Zuo’s.

O livro reúne histórias dos principais cinófilos do Brasil, entre eles, Roberto Bezerra, do Canil SunLand Boxers, também presidente do Kennel Clube do Estado do Ceará (KCEC); Regina Lúcia Perrone, do Canil Par D’Ellas; Carlos Flaquer, do Canil Chaputepeck Mastiffs; Luiz Fernando Ribas Silva, do Canil Charleston Dobermanns; e Alessandro Prado Rodrigues, do Canil Griffin Bulldogs; entre outros, no total de 15 criadores.

A publicação também traz artigo do presidente da Confederação Brasileira de Cinofilia (CBKC), Sérgio de Castro; e prefácio do cinófilo Fernando Bretas Viana.

Daniel de Oliveira é formado em Administração de Empresas, com especialização em Marketing Digital. Tem longa história na cinofilia brasileira. Em 1992, fundou o Canil Zuo’s, junto com sua esposa Aléxia Lage. Eles criaram as raças Basset Hound, Shar-Pei e Labrador. Atualmente cria somente Labradores. Em 2010, fundou o Conselho Brasileiro do Labrador junto com outros cinófilos. Em 2011, tornou-se árbitro de cães do Grupo 8, tendo julgado em exposições no Brasil, Argentina, México e Estados Unidos.

Mais informações: Lançamento do Livro “Top Breeders Brasil – Histórias da Cinofilia Brasileira”, quinta-feira, 31, na Exposição Américas e Caribe 2018, estande da CBKC, Centro de Eventos do Ceará. Entrada gratuita.

11:13 · 30.05.2018 / atualizado às 10:50 · 04.06.2018 por

A terceira edição da Revista Bem-Estar Animal, do Diário do Nordeste, foi lançada com sucesso na Exposição Américas e Caribe 2018, encerrada no fim de semana no Centro de Eventos do Ceará. A publicação está recheada de novidades! Entre elas, entrevistas exclusivas com as maiores autoridades da cinofilia mundial: os presidentes da Confederação Brasileira de Cinofilia (CBKC), Sérgio de Castro; da Federação Cinológica Internacional (FCI), Rafael De Santiago; da Seccional Américas e Caribe da FCI, José Luis  Payró; e do Kennel Clube do Estado do Ceará (KCEC), Roberto Bezerra. A Revista Bem-Estar Animal já está nas principais bancas de revista da Capital cearense, pet shops e clínicas veterinárias.

Confira abaixo a íntegra dessas exclusivas:

“Esta exposição é a mais importante no hemisfério das Américas”
Rafael Santiago, presidente da Federação Cinológica Internacional (FCI)

1 – Qual a avaliação do Senhor sobre a Exposição Américas e Caribe em Fortaleza?

Rafael de Santiago, Presidente da FCI

Rafael de Santiago – A exposição das Américas e Caribe é o evento de maior importância para a FCI no hemisfério das Américas. Como presidente da FCI, espero que o Brasil obtenha absoluto respaldo de todos os países membros desta seção, sem excluir a participação de exemplares da Europa e Ásia.

2 – Como o Senhor avalia a cinofilia do Brasil no cenário mundial?

– A representação do Brasil, em diferentes exposições na América e Europa, aumentou. Os exemplares apresentados são de excelente qualidade, destacando a excelência dos criadores brasileiros.

3 – Por que é importante o criador estar com cães na pista?

– Quando o criador apresenta o melhor de suas ninhadas em exposições caninas ajuda a educar outros exibidores e futuros criadores. Um plano de criação de excelência responsável é sinônimo de uma melhor cinofilia.

“A Exposição das Americas e Caribe é uma grande festa da cinofilia mundial”
José Luis Payró, presidente da Seção das Américas e Caribe/ Federação Cinológica Internacional (FCI)

José Luis Payró, Presidente da Américas e Caribe/FCI

1 – Qual a avaliação do Senhor para a Exposição Américas e Caribe em Fortaleza?

José Luis Payró – Bom, permitam-me dizer, antes de tudo, que nós, os representantes dos 20 países que pertencem à seção das Américas e Caribe na FCI, sentimo-nos muito orgulhosos pelas conquistas que obtivemos, destacando os latinos dentro do mundo cinófilo da FCI, porque somos muito unidos, começando por nosso presidente, o Sr. Rafael de Santiago, de Porto Rico, que acaba de ser reeleito para um novo período de dois anos; o Sr. Miguel Ángel Martinez, da Argentina, que faz parte do Conselho Diretivo da FCI; o Sr. Jorge Nallen, atual presidente da Comissão de Estándares; o Sr. Adrián Landarte, presidente da Comissão de Juízes; e a Dra. Margarita Duran, integrante da Comissão Científica, todos eles do Uruguai. Como também, o Dr. Andrés Villalobos, do México, membro da Comissão Científica, e minha pessoa, como presidente da Seção das Américas e Caribe.
Agora, também comento que a Assembleia Geral da Seção que acontece no Brasil, como a Exposição das Américas e Caribe, gerou grande expectativa, já que o mundo inteiro quer visitar o Brasil, por suas praias, pela excelente organização de seus eventos, dentro dos quais se espera uma grande quantidade de exemplares de todas as raças que estarão presentes, mas, sobretudo, por sua gente.
Não devemos esquecer que o Brasil também será organizador da Exposição Mundial da FCI no ano 2022, por isso aproveito para felicitar a todos os cinófilos brasileiros e ao Comitê Organizador da CBKC, por todos estes magníficos eventos, já que esta será uma grande festa cinófila mundial.

2 – Como avalia o nível das exposições no âmbito das Américas e Caribe?

– Todos os países membros de nossa Seção, assim como agora o Brasil, caracterizam-se por serem magníficos organizadores, com um excelente registro de cães. Porém, o que é mais importante é a qualidade de seus criadores, que são de altíssimo nível. Por isso, acreditamos que há uma extraordinária qualidade nas exposições, e isso é o que mais me agrada, como também, os participantes e visitantes.
E quanto às exposições no âmbito geral da Seção das Américas e Caribe, posso mencionar que as últimas exposições da Seção foram extraordinárias. No ano de 2016, na Colômbia; e em 2017, na Guatemala, cada uma com o toque especial do país sede, às quais contaram com exemplares excelentes de todo o mundo. Agora, é a vez de Fortaleza-Ceará, Brasil 2018, e a do México em junho de 2019. Esta última acontecerá em uma das melhores praias do Mundo, Acapulco, e contará com magníficas instalações do Centro de Exposição mais moderno da América Latina, “Foro Mundo Imperial”, e com a oportunidade de também ser a sede do 2º Congresso Mundial da FCI para juízes. Em 2020, se efetuará na Costa Rica. O que já podemos assegurar é que será uma extraordinária sede como as que foram mencionadas.

3 – Como age a Seção das Américas e Caribe na promoção da cinofilia nesses países?

– Quero dizer que a Seção das Américas e Caribe conta com página web própria, na qual todos os eventos dos países membros anunciam as datas de seus eventos, sedes, juízes que oficiarão, seminários, cursos etc. Nela não só se fala de temas da América, como também, serve para que os países de outros continentes anunciem seus eventos, como é o caso da próxima exposição mundial que acontecerá em Amsterdam, em agosto, e da Assembleia Extraordinária da FCI, que se efetuará na Bélgica, também no mês de agosto. Informa-se aos visitantes assuntos importantes no âmbito da cinofilia mundial, ademais, conta com um espaço para a difusão de seus juízes que, por certo, são de alta qualidade e são respeitados em todo o mundo. Também contamos com uma área para a promoção das raças da América Latina, seus padrões, etc., e sempre apoiados pela indústria relacionada ao ramo, já que eles também colaboram para o sucesso de nossos eventos. Para concluir, gostaria de agradecer a vocês por nos oferecerem este espaço para promover nossa Seção, assim como todos os eventos que fortalecem a cinofilia na América Latina. Um forte abraço e muita sorte a todos os participantes que veremos nos próximos dias, nesse maravilhoso país, Brasil.

Sérgio de Castro, Presidente da CBKC

“Evento cinófilo é um dos maiores do Brasil”
Sérgio de Castro, presidente da Confederação Brasileira de Cinofilia (CBKC)

1 – Qual a expectativa do Senhor para a Exposição Américas e Caribe em Fortaleza?

Sérgio de Castro – Temos certeza de que esse evento cinófilo é o maior realizado no Nordeste em todos os tempos e, sem dúvidas, um dos maiores no Brasil. Acompanhamos de perto o trabalho e esforço que a Diretoria do Kennel Clube do Ceará fez em prol do evento e sabemos que a organização foi um dos pontos altos da Exposição.

2 – Por que a CBKC promoveu as recentes mudanças nas normas das exposições?

– A principal motivação foi a necessidade de adequação às normas da Federação Cinológica Internacional (FCI). Fico contente em dizer que o novo regulamento de exposições já está sendo bem assimilado por toda a comunidade cinófila.

3 – No Brasil, quais as raças em ascensão?

– A CBKC é destaque junto à FCI também no que se refere ao número de registro de cães. Somos o país que mais registra nas Américas há alguns anos e estamos entre os cinco maiores do mundo. Em 2017 registramos aproximadamente 150 mil cães. Destaco as cinco raças que mais registraram no ano passado: Buldogue Francês, Spitz Alemão, Shih Tzu, Pug e Yorkshire.

4 – Como a CBKC fortalece a ética nos julgamentos cinófilos?

– Esse é um tema muito importante com o qual sempre estamos muito comprometidos e engajados. Todos os árbitros da CBKC são orientados a julgar de acordo com seu conhecimento e consciência. Nós promovemos diversos seminários onde destacamos com ênfase a questão da ética e imparcialidade no julgamento. No evento das Américas e Caribe iremos, inclusive, promover mais um congresso de árbitros com palestras de renomados árbitros nacionais e internacionais.

Roberto Bezerra, Presidente do KCEC / Foto: Nilton Novaes

“A realização das Américas e Caribe 2018 em Fortaleza, Ceará, é um marco para a cinofilia do Nordeste e do Brasil” Roberto Bezerra, presidente do Kennel Clube do Estado do Ceará (KCEC)

1 – Qual a importância das Américas Caribe 2018 em Fortaleza?

Roberto Bezerra – As Américas e Caribe é uma exposição que congrega toda a cinofilia da região de sua abrangência, contando com a presença de dirigentes cinófilos desses países, handlers, criadores e os principais atores, os cães. É um marco na cinofilia do Nordeste, especialmente do Ceará. Até então, ainda não havia se realizado uma Exposição dessa abrangência no Norte/Nordeste do Brasil.

2 – Quais as repercussões deste evento para a cinofilia brasileira?

– A importância das Américas e Caribe deve-se também porque é um evento quase que preparatório para a grande realização da Exposição Mundial da Federação Cinológica Internacional (FCI), em 2022, a ser realizada no Brasil, em São Paulo.

3 – Como presidente do KCEC, como avalia a escolha de Fortaleza para sediar este grande evento da Seccional da FCI?

– A definição pela CBKC da cidade de Fortaleza como sede das Américas e Caribe 2018, acreditamos ser como resultado do crescimento da cinofilia cearense nos últimos cinco anos, no bom nível de organização de nossas exposições, bem como a garantia da ambiência e aparato logístico demonstrados na exposição dos 50 anos do KCEC, também no Centro de Eventos do Ceará.

4 – O que os cinófilos podem esperar desta edição das Américas e Caribe?

– As exposições têm como anfitriã a CBKC, que delegou ao Kennel Clube do Estado do Ceará a organização e realização do evento. Da nossa parte, damos a garantia aos dirigentes cinófilos nacionais e internacionais, aos juízes, handlers, expositores e público em geral que nosso objetivo é proporcionar uma prazeirosa participação de todos, com conforto, segurança e completa infraestrutura, ao nível da magnitude deste evento.

MAIS INFORMAÇÕES: Exposição Américas e Caribe 2018 

 

 

21:25 · 28.05.2018 / atualizado às 21:25 · 28.05.2018 por

Dez ONGs de proteção animal do Ceará recebem apoio durante o grande evento cinófilo Américas e Caribe 2018, que acontece de 31 de maio a 3 de junho no Centro de Eventos do Ceará. São duas iniciativas: uma da Prefeitura de Fortaleza e sua Coordenadoria de Proteção e Bem-Estar Animal (Coepa); outra do Kennel Clube do Estado do Ceará, juntamente com seis fotógrafos especializados em cães. As ONGs beneficiadas são Abrace, Deixa Viver, Abrigo do Duda, São Lázaro, Abrigo da Estela, Novelo de Lã, Upac, Lar Tintin, GPA e Manda Chuva.

Em cada dia do evento, as ONGs se revezarão no estande oficial da Prefeitura/Coepa, divulgando seus trabalhos e realizando bazar com renda revertida para as atividades de proteção animal de cada entidade (confira cartaz ao lado). A coordenadora da Coepa, Toinha Rocha,  destaca a responsabilidade social na parceria. “Nossa parceria com as ONGs no evento internacional foi, principalmente, para dar visibilidade ao trabalho que essas instituições fazem na defesa e proteção animal. Mostrar que aqueles que criam cães de raças também podem se sensibilizar com os animais sem raça definida que estão, na sua grande maioria, sofrendo, passando fome, sede, calor e sem afeto. Um evento dessa grandiosidade tem que ter seu papel social. A Prefeitura de Fortaleza vai dividir com as ONGs seu espaço para que as mesmas mostrem seu trabalho, conquistem padrinhos e possam vender seus produtos. É a responsabilidade social do evento”.

A presidente da Abrace, Cristiane Angélica, também comemora. “Esse apoio dado pela Prefeitura de Fortaleza às ONGs, através da Coepa, e do Kennel Clube do Ceará e fotógrafos no evento internacional Américas e Caribe, é uma grande vitória para a proteção animal no nosso Estado, e porque não dizer, em nosso País. Por ser um evento de grande projeção, coloca ONGs e protetores ao lado de grandes expositores, abrindo portas para que os animais carentes tenham oportunidade de serem vistos de uma maneira digna. É importante que a proteção animal desperte a compaixão e a atitude das pessoas, e não apenas a piedade. Dessa forma, poderemos dar as mãos e aliar forças em prol do bem-estar animal, trazendo benefícios de forma duradoura e coerente, alinhada ao nosso projeto maior que é lutar em favor dos animais, contra o abandono e os maus-tratos. É a razão e o coração imbuídos de um propósito maior: o amor aos animais“.

Fotografias de arte

Outra iniciativa de grande impacto nesse apoio é a exposição de fotografias de arte, tendo os cães como tema, na autoria dos fotógrafos Nilton Novaes, Bibbo Camargo, Bruno Santana, Johnny Duarte, João Alexandre e Edmilson Reis. São 40 quadros que ficam em exposição durante os quatro dias de evento, disponíveis à venda, com renda revertida para os trabalhos das dez ONGs participantes da programação. Cada imagem configura verdadeira obra de arte em forma de fotografia. Confira a seguir uma pequena mostra, de encher os olhos!

Fotografia de Nilton Novaes

Fotografia de Bibbo Camargo

Fotografia de Bruno Santana

Fotografia de Johnny Duarte

Fotografia de João Alexandre

Fotografia de Edmilson Reis

A Exposição Américas e Caribe 2018  é promovida pela Confederação Brasileira de Cinofilia (CBKC), presidida por Sérgio de Castro, e Federação Cinológica Internacional (FCI), que tem Rafael De Santiago como presidente, com apoio logístico do Kennel Clube do Estado do Ceará (KCEC), tendo na presidência Roberto Bezerra. A Américas e Caribe, presidida por José Luiz Payró, é uma das Seções da FCI.

MAIS INFORMAÇÕES: Exposição Américas e Caribe 2018, de 31 de maio a 3 de junho, a partir das 9h, no Centro de Eventos do Ceará. Entrada gratuita.

12:42 · 27.05.2018 / atualizado às 12:42 · 27.05.2018 por

Tudo pronto para o grande evento cinófilo Américas e Caribe 2018, de 31 de maio a 3 de junho no Centro de Eventos do Ceará. Estão inscritos 1.235 cães de cerca de 100 raças, vindos de diversos países do mundo. Handlers, criadores e cães já começam chegar a Fortaleza. A Confederação Brasileira de Cinofilia (CBKC), que promove o evento, com apoio logístico do Kennel Clube do Estado do Ceará (KCEC), divulgou comunicado confirmando a realização do evento dentro da normalidade, e confiando em solução breve para a paralisação dos caminhoneiros. As exposições têm entrada gratuita.

O grande evento cinófilo é promovido pela Confederação Brasileira de Cinofilia (CBKC), presidida por Sérgio de Castro, e Federação Cinológica Internacional (FCI), que tem Rafael De Santiago como presidente, com apoio logístico do Kennel Clube do Estado do Ceará (KCEC), tendo na presidência Roberto Bezerra. A Américas e Caribe, presidida por José Luiz Payró, é uma das Seções da FCI.

O vice-presidente do KCEC, Luiz Eduardo Matos Mendes, diz que os participantes da exposição já se hospedam em hotéis e canis da cidade. Na próxima quarta-feira, 30, serão abertos os acampamentos no Centro de Eventos do Ceará. As exposições acontecem em oito pistas simultâneas, e 41 juízes de diversos países fazem a avaliação dos cães.

O evento conta com patrocínio e apoio da Royal Canin, Prefeitura de Fortaleza, Dra. Myrza Melo, Mundo Pet, Honda Nova Luz, Hiseg Soluções Tecnológicas e Gestart Condomínios.

Confira a programação das Exposições no Centro de Eventos do Ceará, com entrada gratuita:

30/05/2018 (Quarta-feira): Abertura dos acampamentos e credenciamento.
31/05/2018 (Quinta-feira): Exposições especializadas e nacionais de raça, assembleia de delegados da seccional e congresso de juízes.
01/06/2018 (Sexta-feira): Abertura oficial do evento, exposição geral CBKC.
02/06/2018 (Sábado): Exposição geral comemorativa ao aniversário da CBKC.
03/06/2018 (Domingo): Exposição das Américas y el Caribe.

No dia 31, acontecem as Exposições Especializadas. Confira algumas pistas (veja a programação completa no site do evento):

No dia 01 de junho, após a Abertura Oficial do evento, acontece a Exposição Geral. Veja algumas pistas:

No dia 02 de junho, a Exposição Geral marca o aniversário da CBKC. Confira algumas pistas:

No dia 03 de junho, será a vez da Exposição da Seção Américas e Caribe, da FCI. Veja algumas pistas:

 

Mais informações: Exposição Américas e Caribe. FCI/CBKC/KCEC

08:24 · 23.05.2018 / atualizado às 08:24 · 23.05.2018 por

A superpopulação de animais em estado de abandono na Capital cearense é um dos mais graves problemas ambientais. Principalmente gatos e cães são jogados em praças, parques, mercados, cemitérios, escolas e campi de universidades. A Coordenadoria de Proteção e Bem-Estar Animal de Fortaleza (Coepa), tendo à frente Toinha Rocha, está consolidando o cadastro de pontos de abandonos na Capital, que só aumentam. A médica veterinária Rosania Ramalho, que também integra a Coepa, aponta que são mais de 50 pontos, mas praticamente toda a cidade tem animais em estado de abandono.

Um dos locais que mais acumula especialmente gatos abandonados são os centros das Universidades Federal do Ceará (UFC), Estadual do Ceará (Uece) e de Fortaleza (Unifor). Como o Poder Público não dá conta, sozinho, de solucionar o grave problema, a sociedade civil se organiza para tentar amenizar a problemática. São grupos de protetores independentes ou ONGs que se mobilizam da melhor forma possível para buscar ações de controle dessa população de seres vivos.

No Centro de Humanidades 1 (CH1), da UFC, no Benfica, um dos grupos mais organizados é a União Felina Consciente (UFC). Integrada por servidores e professores do CH1, a entidade cuida de cerca de 30 gatos que foram jogados no campus por pessoas irresponsáveis. Estas pessoas não se dão conta de que animal em estado de abandono é um problema que fere normas do Bem-Estar Animal, pois os bichos ficam vulneráveis a todo tipo de sofrimento e maus-tratos, e também um problema ambiental de saúde pública, pois eles podem tornar-se vetores de zoonoses que vitimam os próprios seres humanos.

Vale destacar que pesquisas científicas já comprovam que os animais, principalmente os mamíferos, são seres sencientes, ou seja, têm a capacidade de sentir dor e sofrer. O pior medo que os animais domesticados podem sentir é o medo do abandono. Nas ruas, eles ficam vulneráveis a todo tipo de sofrimento, tais como atropelamentos, torturas, fome, sede, doenças diversas.

Um das integrantes da União Felina Consciente, Roxeane Teles Martins, farmacêutica-bioquímica e também servidora da Universidade Federal do Ceará, diz que o grupo de voluntários faz cota com os próprios recursos para viabilizar a compra de ração, medicamentos e custear despesas com médicos veterinários e principalmente com a castração dos bichanos para evitar o aumento de gatos no CH1. Uma vez castrados, vacinados e vermifugados, os bichanos são colocados para adoção responsável, pelas redes sociais do grupo.

Nos campi da UFC exitem alguns grupos de voluntários que realizam ações de proteção e bem-estar animal. Para financiar o trabalho, eles realizam eventos como bazar de objetos diversos, com renda revertida para as atividades. Os grupos União Felina Consciente e Setes Vidas, em parceria com a Universidade Federal do Ceará, estão, no momento, pedindo a doação de objetos para realização de um grande bazar. A renda será destinada à castração dos animais do Campus do Pici.