Busca

17:55 · 13.04.2015 / atualizado às 17:55 · 13.04.2015 por

Em forma de biscoitos, as vitaminas podem ser oferecidas ao animal de estimação, complementando a nutrição do pet

Drogavet Biscoito Medicamentoso1_divulgação DrogaVETSão Paulo. A nutrição está entre os principais cuidados para a saúde e bem-estar dos filhotes de animais de estimação. Os 12 primeiros meses de vida são considerados os de crescimento para raças pequenas, e os primeiros 18 meses, para as raças grandes, ocasião em que os pets necessitam de uma alimentação completa e de qualidade.

A importância em fornecer os nutrientes necessários para os filhotes está ligada diretamente ao bom funcionamento do sistema imunológico, assim como o desenvolvimento dos ossos, tecidos musculares e também da pelagem. Ou seja, para o organismo do animal se desenvolver bem e ter uma vida adulta com a saúde impecável é necessário, antes de mais nada, vitaminas.

A vitamina é um micronutriente essencial na alimentação diária do pet. Além dela, proteínas e carboidratos também entram na lista do que cães e gatos devem ingerir diariamente. Andressa Felisbino, veterinária da DrogaVet – empresa pioneira no ramo e a maior rede de farmácias de manipulação veterinária no Brasil -, informa que os animais recém-nascidos precisam de um acompanhamento veterinário para monitorar a alimentação. “É importante ter essa atenção redobrada, pois a carência de vitaminas é responsável pelo aparecimento de diversas doenças nos animais, tais como anemia, processos alérgicos, hipersensibilidade alimentar e hipocalcemia”, diz Felisbino.

Caso o pet venha a ter deficiência de cálcio, por exemplo, poderá sofrer de raquitismo. Já a falta de vitamina A, em cães e gatos filhotes, pode facilitar o aparecimento de infecção na pele, enquanto a insuficiência das vitaminas C e E favorece o surgimento de doenças ao longo da vida do animal, como o câncer e doenças infecciosas.

DrogaVET terapias-alternativas-para-animais-de-estimacao-6Todos esses nutrientes podem ser encontrados em rações premium, um tipo especial, cuja fórmula consiste em ingredientes de origem animal, que possuem maior digestibilidade e fornecem níveis nutricionais muito maiores do que as rações populares ou comidas caseiras.

Alimentação correta

“Muitos donos acabam dando comida ao animal, o que não é recomendado. A refeição preparada em casa pode prejudicar a saúde de cães e gatos por conter muita gordura e tempero. Há rações para cada idade e tamanho de animal, com todas as vitaminas e nutrientes ideais para cada fase da vida dos pets, por isso, o mais recomendado é mesmo a ração”, enfatiza a veterinária da DrogaVet.

No entanto, mesmo com uma alimentação balanceada e de qualidade, pode acontecer do bichinho não ter as necessidades de vitaminas supridas. Nesse caso, o veterinário pode indicar uma suplementação. “É importante frisar que não é recomendado dar vitaminas e suplementos aos pets sem a indicação de um profissional. O excesso desses nutrientes pode prejudicar a saúde e causar justamente o efeito contrário ao desejado, como perda de pelo, vômitos, diarreia e, até mesmo, prejudicar a musculatura do animal. Porém, na maioria dos casos, a ingestão de suplementos é recomendada para animais senis”, detalha Andressa, explicando que também pode acontecer de animais muito novos necessitarem desse apoio nutricional.

Em casos assim, para facilitar a ingestão dessas vitaminas, o ideal é oferece em formas diferenciadas. “Os biscoitos medicamentosos, como os produzidos pela DrogaVet, por exemplo, são uma boa opção, já que o animal consome todas as vitaminas que precisa e ainda ganha um agrado, com sabor de picanha, para os cachorros, ou em forma de pasta oral sabor peixe, para os gatinhos”, ressalta a médica veterinária.

A chave para o bichinho se desenvolver com saúde é o equilíbrio. Escolha uma ração de qualidade e sempre direcionada para a idade do animal. “Ao obter um cãozinho ou gatinho, a primeira coisa a fazer é levar até um veterinário. Dessa forma, seu pet vai ter todo o acompanhamento necessário”, finaliza Andressa.

Mais informações

DrogaVet – Farmácia de manipulação de medicamentos veterinários – BR-116, km 9, Messejana – (85) 3276.1132

www.drogavet.com

15:00 · 17.03.2015 / atualizado às 15:00 · 17.03.2015 por

Uma boa notícia para reduzir o sofrimento de animais em pesquisas científicas. Esta veio da ONG “Olhar Animal”. Confiram:

coracao1“Um chip de apenas 1 centímetro de comprimento instalado em músculo cardíaco pode transformar os testes de medicamentos mais seguros, rápidos, baratos e acabar com a necessidade de realizá-los em animais. A tecnologia responde aos medicamentos cardiovasculares da mesma forma que um músculo faria no corpo de um ser humano.

O professor Kevin Healy, que liderou a equipe de pesquisa afirma que é possível acabar com os testes em animais com esse método. Além das questões éticas, testes de medicamentos cardiovasculares em animais preocupavam os cientistas porque a droga agia de forma diferente nos organismos. O professor Healy ainda informou que essas pesquisas feitas em animais resultavam em resultados ineficientes e caros que não produziam respostas precisas.

Os chips foram criados com músculos de coração cultivados em laboratório a partir de células tronco pluripotentes que, induzidas, são capazes de crescer em outro tipo de célula. Após isso, a equipe montou uma estrutura que respeitava a geometria e o espaçamento das fibras cardiovasculares. Canais de microfluidos esculpidos em silicone foram implantados para simular os vasos sanguíneos, imitando a troca de nutrientes e medicamentos com tecido humano como ocorreria no corpo. As células começam a bater por conta própria dentro de 24 horas.

A equipe testou 4 tipos de medicamentos com esse método, um deles que trata freqüência cardíaca lenta, levou os batimentos de 55 para 124 por minuto. Os pesquisadores alegaram que poderiam usar as células do próprio paciente para obter um resultado ainda mais preciso, assim como elaborar pesquisas para tratamento de doenças genéticas.

O próximo passo da equipe é tentar determinar se o sistema pode ser ligado a outros órgãos em um chip para modelar interações multi-órgãos. O estudo completo pode ser encontrado online na revista Scientific Reports”.

Mais informações: www.olharanimal.org

17:55 · 09.03.2015 / atualizado às 17:55 · 09.03.2015 por

regionalO Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) definiu normas para garantir o bem-estar dos animais em situações de vendas, exposições, estética e outras. Confira abaixo o que diz o presidente do CFMV, Benedito Fortes de Arruda, e a presidente da União Internacional Protetora dos Animais (Uipa), advogada Geuza Leitão.

Fortaleza. Uma boa notícia para quem gosta de animais: o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) baixou a Resolução 1.069/2014 que vem coibir os abusos e maus-tratos dos bichos em pontos de comercialização, como pet shops, entre outras providências. Em vigor desde janeiro, a determinação dispõe que os responsáveis técnicos de estabelecimentos comerciais de exposição, manutenção, higiene, estética, venda ou doação de animais deverão seguir a Resolução que estabelece diretrizes pela saúde, segurança e bem-estar dos animais.

“A Resolução CFMV 1.069/2014 vem para padronizar a forma de atuação desses profissionais em todo o País. Desde o dia 15 de janeiro, quando a resolução entrou em vigor, os responsáveis técnicos estão respaldados por uma norma nacional para que possam orientar os estabelecimentos comerciais de exposição, manutenção, higiene, estética, venda e doação de animais, e exigir deles as adequações necessárias”, explica o presidente do Conselho Federal, o médico veterinário Benedito Fortes de Arruda.

A medida é festejada pelos protetores de animais. “A Resolução nº 1069/14, do Conselho Federal de Medicina Veterinária, é o instrumento jurídico que estava faltando para coibir os abusos e maus-tratos praticados contra os animais que são comercializados em pet shops”, afirma a presidente da União Internacional Protetora de Animais (Uipa), advogada Geuza Leitão. Segundo ela, no Reino Unido e em países do chamado Primeiro Mundo, onde os direitos dos animais são respeitados, não há essa venda de animais nesses estabelecimentos. geuza100geuza100

bemestarpet“Infelizmente, no Brasil prolifera pet shops que exploram a comercialização destes seres indefesos e os proprietários donos de pet shops mantêm os animais por dias e até meses presos em minúsculas gaiolas, não obstante estarem cientes de que os animais não podem permanecer presos por muito tempo. Nestas prisões, muitas vezes, os animais são acometidos de doenças por estarem expostos ao contato com outros animais levados por seus donos para tratamento no estabelecimento. Está na hora de nós, cidadãos cônscios e amantes dos animais, exigirmos a aplicação dessa Resolução”, afirma Geuza Leitão.

O CFMV justifica que, considerando que a exposição, a manutenção, a venda e a doação de animais em estabelecimentos comerciais são práticas comuns no Brasil, a entidade decidiu estabelecer princípios e normas que garantam a segurança, a saúde e o bem-estar dos animais que estiverem sob o cuidado de pet shops, parques de exposição e feiras agropecuárias, por exemplo. “O objetivo é garantir que os serviços sejam prestados de acordo com as boas práticas da Medicina Veterinária”, afirma o presidente do Conselho.

Relacionadas também a procedimentos de higiene e estética, as diretrizes devem ser seguidas pelos veterinários que atuam como responsáveis técnicos nos estabelecimentos que exercem atividades peculiares à Medicina Veterinária. De acordo com as novas diretrizes, uma das orientações do médico veterinário deve ser pela restrição do acesso direto da população aos animais disponíveis para comercialização.

“O contato deve acontecer somente nos casos de venda iminente. Essa medida pode evitar, por exemplo, que os animais em exposição sejam infectados por possíveis doenças levadas nas roupas das pessoas”, exemplifica Arruda. Segundo ele, os filhotes submetidos a algum tipo de estresse podem ter sua imunidade comprometida, tornando-os vulneráveis a diversos tipos de doenças. Os donos dos estabelecimentos comerciais também sabem que os animais necessitam de espaço suficiente para se movimentarem.

“Há casos em que vários animais são alojados em espaços pequenos, sem cama para deitar nem água suficiente para beber, sem alimentação adequada. É bom lembrar que situações de maus-tratos não são apenas um ato doloso, mas também culposo”, esclarece Arruda.

cao2Ferir, mutilar, cometer atos de abuso e maus-tratos aos animais podem acarretar em detenção de três meses a um ano, além de multa. É o que prevê a Lei de Crimes Ambientais, de nº 9.605/1998. Por isso, a importância dos médicos veterinários, já que somente eles têm condições técnicas para prestar os devidos esclarecimentos que garantam a saúde e a segurança dos animais.

“Em casos de descumprimento da Resolução CFMV 1.069/2014, os profissionais devem comunicar o fato ao Conselho Regional de Medicina Veterinária, que tomará as providências necessárias” finaliza. O secretário-geral do CFMV, o médico veterinário Marcello Roza, também destaca outro ponto importante da Resolução 1.069/2014.

“De acordo com as novas regras, os responsáveis técnicos deverão assegurar que os animais a serem comercializados estejam vacinados, de acordo com os programas de imunização”, afirma. Segundo ele, muitas vezes, acontece de uma ninhada ser comercializada sem estar vacinada. “Esses são animais muito jovens e, se não estiverem imunizados, podem acabar se contaminando (com algum tipo de doença)”, esclarece.

FIQUE POR DENTRO

Garantias para o bem-estar dos animais

De acordo com a Resolução 1.069/14, do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), os responsáveis técnicos também devem assegurar nos estabelecimentos comerciais de exposição, manutenção, higiene, estética, venda ou doação de animais que:

– Os animais com alteração comportamental decorrente de estresse sejam retirados de exposição;

– os aspectos sanitários dos estabelecimentos devem estar de acordo com as normar legais, principalmente para evitar a presença de animais com potencial zoonótico ou doenças de fácil transmissão para as espécies envolvidas;

– que não ocorra a venda ou doação de fêmeas gestantes e de animais que tenham sido submetidos a procedimentos proibidos pelo CFMV, como a onicectomia em felinos (cirurgia realizada para arrancar as garras); a conchectomia e a cordectomia em cães (para levantar as orelhas e retirar as cordas vocais, respectivamente); e a caudectomia em cães (cirurgia realizada para cortar a cauda dos animais);

– que as instalações e locais de manutenção de animais sejam livres de excesso de barulho ou qualquer situação que cause estresse a eles; – que esses locais tenham um plano de evacuação rápida em caso de emergência; – a inspeção diária obrigatória que garanta a saúde e o bem-estar dos animais.

Mais informações

Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) www.cfmv.org.br/ União Internacional Protetora dos Animais – Facebook Geuza Leitão

Valéria Feitosa

Editora

11:58 · 14.02.2015 / atualizado às 12:21 · 14.02.2015 por

1Lembre-se, cachorro não é ser humano. Mas adora de ser tratado com respeito, carinho e muito amor. Neste feriadão, se quer vestir fantasia no seu amiguinho, saiba que ele não é palhaço! Escolha modelos confortáveis, que não apertem e ele se sinta à vontade. 22

Se vai viajar e não pode levar junto seu peludinho, escolha um bom hotel pet ou a casa de um amigo ou familiar responsável para ficar com ele. Deixe todo o kit hospedagem que ele gosta: brinquedos, petiscos, a ração usual, colchão, caixa de transporte etc.

Se vai ficar com ele em casa e receberá visitas para o feriadão, reserve um lugar para ele ficar tranquilo, sem estresse com tanta movimentação diferente.

Curta o feriadão e não esqueça de dar atenção ao seu quatro patas. Ele te ama incondicionalmente e merece retribuição do amor em dobro!

19:29 · 11.02.2015 / atualizado às 19:29 · 11.02.2015 por

A BioDog lançou as linhas Clássico e Gourmet de petiscos naturais, saudáveis e gostosos para cães. Confiram as novidades:

Biodog -Dog-Biscuit_1São Paulo. Ossos, bifinhos e outras guloseimas são importantes para interagir, agradar, educar e adestrar seu pet. Mas atenção: será que o petisco pode prejudicar a alimentação e deixá-lo mal nutrido e obeso? Você sabia que tem muitas opções de produtos no mercado com excesso de ingredientes processados, sódio, gorduras e conservantes que podem colocar em risco o organismo de cães e gatos, desencadeando diversas complicações?

“Muitos petiscos industrializados são ricos em farinhas de cereais, açúcar, sal, além de flavorizantes, aromatizantes, corantes e conservantes”, explica o médico veterinário Dr. Giorgio Pasetto,
responsável técnico da BioPet.  Esses ingredientes estão associados a problemas gastrointestinais, sobrepeso e alergia. Por isso, é sempre indicado olhar no verso da embalagem a composição para saber se o produto adquirido não fará mal para o seu pet.

Outro alerta que o veterinário faz é sobre os ossinhos de couro: “Os ossos de raspa de couro podem, inclusive, conter produtos químicos fortes, que são utilizados no processo de clareamento do couro. Isso pode causar danos digestivos ao animal de estimação”, explica Dr. Giorgio Pasetto.

Sempre atenta ao crescimento desse mercado de nutrição mais natural para os cães, a BioDog oferece ao consumidor a Linha Clássicos e a Linha Gourmet, ambas naturais e sem conservantes artificiais.

Biodog 71574fe4-2a1d-44ce-9714-cd5e7fb7f57d_biodog-sushiA Linha Clássicos é composta pelos produtos Misto, Mistão, Palito, Orelha e Beiju, todos naturais e saudáveis, ricos em proteína e elaborados com carne bovina desidratada.

A Linha Gourmet é feita com carne de frango desidratada, com baixos teores de gordura e colesterol. É indicada inclusive para cães em dietas, uma vez que possui baixa quantidade de calorias. A linha conta com os produtos: Steak, Soft Steak, Soft Strips, Sushi, que são deliciosos rolinhos de filé de frango e o Biscuit, biscoitos crocantes e sortidos envoltos com tiras de filé de frango e toques de chá verde.

Ambas as linhas foram desenvolvidas para cachorros de todas as idades e tamanhos. Os produtos da BioDog divertem e distraem os cães de forma saudável, além de promover a limpeza mecânica dos dentes, auxiliando na prevenção do tártaro.

Aposte em petiscos naturais, saudáveis e gostosos, além de exercícios físicos para manter a saúde do seu pet. E lembre-se de consultar regularmente o médico veterinário.

Sobre a BioDog: A BioDog é uma marca da BioPet, empresa do Grupo Adeste que tem mais de 60 anos de tradição e mais de dois mil colaboradores. A BioPet foi inaugurada em 2003 em Botucatu (SP) e fabrica snacks para pets com rígido padrão de qualidade e a mesma segurança exigida na indústria alimentícia humana, sob controle permanente do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento / SIF 3188. Em seu portfólio, há ossos, snacks de carne desidratada e bifinhos que ajudam no bem-estar e saúde bucal dos cães e que podem ser oferecidos para agradar ou recompensar o pet nos momentos de lazer ou adestramento.

Mais informações: biodog.com.br / facebook.com/BioDogBrasil.