Busca

Dr. Vet: Cinomose tem cura

08:09 · 14.12.2010 / atualizado às 08:09 · 14.12.2010 por

A Coluna Dr. Vet deste semana, da Página de Bem-Esrtar Animal, publicada toda segunda-feira no Caderno Regional do Diário do Nordeste, abordou o tema Cinomose. Foi respondida pela médica veterinária Annice Cortez, professora da Faculdade de veterinária da Uece.

Pregunta: Carlos Cedro, de Boa Vista (RR), quer saber se Cinomose tem cura. Se a doença pode se agravar e quais os cuidados a tomar com o cão. Ele é criador de um Dog Alemão.

Médica veterinária Annice Cortez, da Favet-Uece

Dra. Annice: “A Cinomose é uma doença infecto-contagiosa, de origem viral, que acomete somente os cães e outros canídeos. É uma doença altamente transmissível, sendo transmitida através da urina, fezes, secreções orais, saliva, secreções respiratórias e gotículas de aerossol contaminadas.
O vírus provoca alterações patológicas em diversos sistemas do organismo do animal. O cão pode apresentar sintomatologia respiratória, dermatológica, oftálmica, digestiva e neurológica. Os sinais clínicos mais comuns são febre, falta de apetite, secreção oftálmica bilateral purulenta, tosse e secreção nasal, pústulas abdominais, hiperqueratose do coxim plantar e do focinho, vômito, diarréia, incoordenação motora, ataxia, tremores e convulsões.
O diagnóstico precoce da Cinomose é fundamental para a cura da doença. Atualmente, o hemograma completo, a pesquisa de Inclusões de Lentz e os exames sorológicos auxiliam o Médico Veterinário a diagnosticar a doença de uma forma rápida e eficiente. Vale ressaltar, que estes exames devem ser exclusivamente solicitados pelo Médico Veterinário e os seus resultados analisados por este profissional, que correlacionará os resultados dos exames com o quadro clínico do animal doente.
Quanto mais cedo a doença for diagnóstica, melhor será a resposta clínica ao tratamento terapêutico e menor será possibilidade do vírus provocar lesões neurológicas irreversíveis. O tratamento a ser inserido dependerá dos sinais clínicos apresentados pelo animal. Fluidoterapia, antibióticos, antieméticos, antidiarréicos, imunoestimulantes, colírios, xaropes, antitérmicos, anticonvulsivantes e outras medicações podem se utilizadas de acordo com cada caso.
Para prevenção da doença, recomenda-se que o filhote seja vacinado com a vacina Polivante , conhecida popularmente por “Óctupla” ou “Déctupla” , já com 45 dias de vida, e receba mais duas doses de reforço aos 75 e 105 dias de vida. Recomenda-se procurar sempre o Médico Veterinário para efetuar o esquema de vacinação do filhote, já que este profissional é o único capaz de avaliar se o filhote está saudável para receber a vacina e se poderá apresentar uma boa produção de anticorpos pós-vacinal. Animais adultos e idosos devem ser vacinados anualmente. Além disso, deve-se evitar passear com o filhote em locais públicos e o contato com outros cães até o final do esquema de vacinação”.

* Esta coluna  é mantida por meio de uma parceria com a Favet-Uece. Criadores interessados em tirar dúvidas sobre seus animais, nas mais variadas áreas da Veterinária, podem contatar o e-mail anavaleria@diariodonordeste. com.br ou o telefone (85) 3266.9790 ou 3266.9771.

Comentários 252

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Valéria Feitosa

16/11/2017 as 11:0119

Olá, Daiane!
Vou enviar sua pergunta ao Dr. Vet, ok! Aguarda a resposta!

Daianeluce

13/10/2017 as 10:0119

É normal um cachorro que está com cinomose urina muito, e toda hora?