Busca

Tag: calazar


20:07 · 20.08.2018 / atualizado às 20:07 · 20.08.2018 por
O VetMóvel é um marco nas políticas públicas de proteção e bem-estar animal na Capital cearense  / Fotos: Prefeitura de Fortaleza

Até a próxima sexta-feira, 24, o VetMóvel, da Prefeitura de Fortaleza, realizará os atendimentos no estacionamento da Autarquia de Paisagismo e Urbanismo de Fortaleza (URBFor), situada na Rua Marechal Deodoro, 1501, Benfica. As consultas para cães e gatos oriundos de abrigos de animais, ONGs e tutores baixa renda do bairro e adjacências, ocorrerão de 8h às 12h e de 13h às 17h. Protetores independentes interessados em encaminhar animais para castração ao longo da programação do Vetmóvel devem se cadastrar previamente na Coordenadoria Especial de Proteção e Bem-Estar Animal (Coepa).

As atividades gratuitas de consulta veterinária, vacinação antirrábica e exame para diagnóstico do Calazar são disponibilizadas aos animais de tutores do público em geral. Já as castrações são destinadas exclusivamente aos animais de tutores de baixa renda e oriundos de ONGs e protetores independentes, sendo obrigatória a apresentação do NIS, RG, CPF e comprovante de endereço dos tutores para a realização do serviço.

As castrações precisam ser agendadas pelo número (85) 3272-3356 ou presencialmente na Secretaria Municipal de Conservação e Serviços Públicos (SCSP), localizada na Av. Pontes Vieira, 2391, onde está sediada a Coepa.

Toinha Rocha, Rosânia Ramalho e equipe da Coepa

A titular da Coepa, Toinha Rocha, diz que já foram atendidos os animais encaminhados pelos protetores independentes e ONGs, atuantes nas áreas do Parque do Cocó, Papicu, Adahil Barreto, Aerolândia, Tancredo Neves, Barra do Ceará, Parque Iracema, Cidade dos Funcionários, Cambeba, Damas, Jardim América, Bom Jardim, Centro da Cidade, Jacarecanga e Praia de Iracema.

“Na próxima semana, o VetMóvel vai para o Cuca Jangurussu, onde serão castrados apenas cães e cadelas, inclusive animais com calazar”, adianta Toinha Rocha.

Para 2019, até o mês de abril, o VetMóvel programa atender áreas no Parque Genibau, Moura Brasil, Paupina – Curva do S, Vila União, SESC/Mercado São Sebastião, Adahil Barreto, UFC-Pici, Pirambu, Passeio Público, UFC – Porangabussu, Montese, Conjunto Ceará. “Para o próximo ano, os agendamentos só serão liberados a partir de dezembro”, explica ela.

O VetMóvel faz parte do plano de ações programadas para 2018, com o objetivo de conscientizar a população de Fortaleza e envolvê-la no combate aos maus tratos, cuidados e abandono de animais.

Atuam no VetMóvel quatro médicos veterinários, sendo um clínico geral, um anestesista e dois cirurgiões. O equipamento também oferece, gratuitamente, registro geral animal e distribuição de material educativo com informações sobre bem-estar animal e guarda responsável.

Toinha Rocha explica que a Coepa considera como protetor independente  a pessoa que presta serviço voluntário de proteção de animais em algum ponto de abandono em Fortaleza. “O protetor cuida dos animais, alimenta, medica e faz trabalho com outros voluntários para adoção e castrações. Os protetores interessados em se cadastrar podem procurar a Coepa, onde preenchem uma ficha de cadastro, ficando responsável pelo pré e pós operatório, no caso das castrações”, diz ela.

“Além de preencher o cadastro, o protetor participa de uma entrevista. A equipe da Coepa visita o local público onde ele atua para averiguar as informações. Esse trabalho é acompanhado por uma veterinária especialista em comportamento animal”, esclarece Toinha Rocha. “Já as ONGs precisam apresentar na Coepa cópia do CNPJ, do estatuto da entidade e último aditivo. Os cadastros são feitos na sede da Coepa, de segunda a sexta-feira, de 8 às 12h, e de 13 às 16h30”.

Já como tutor, a Coepa considera aquela pessoa que detém a guarda responsável do animal, considerado membro da família. “O tutor tem o dever de cuidar e zelar pelo bem-estar de seu pet. Ele não pode abandoná-lo e deve estar ciente que vai ter que cuidar e amar na saúde e na doença até o fim da vida do animal. Que não poderá abandoná-lo sob nenhuma hipótese”, alerta.

Toinha Rocha explica que, quando ocorrer o credenciamento das clínicas, o Vetmóvel será exclusivo para os tutores de baixa renda. As clínicas ficarão responsáveis pelos animais encaminhados pelos protetores independentes e ONGs.

“Com apenas um VetMóvel no momento, e diante da grande demanda pelo serviço, ficou acertado limitar a castração a um animal por semestre a cada NIS cadastrado. Estamos trabalhando para que, em futuro próximo, possamos castrar todos os animais que procurarem o serviço público”, aposta ela. Para 2019, a Coepa prevê os agendamentos também pela internet. O programa já está em teste na Gerência de TI da Secretaria de Conservação e Serviços Públicos.

Duranre a semana, o Vetmóvel realiza a seguinte programação:

– Segunda-feira

Atendimento clínico para animais de tutores e atendimento cirúrgico para os animais de protetores de felinos (gatos);

– Terça-feira

Atendimento cirúrgico previamente agendado para caninos (cães) de tutores de baixa renda;

– Quarta-feira

Atendimento clínico para animais com tutores e atendimento cirúrgico para os animais de ONGs de felinos (gatos);

– Quinta-feira

Atendimento cirúrgico previamente agendado para felinos (gatos) de tutores de baixa renda;

– Sexta-feira

a) Atendimento cirúrgico previamente agendado para felinos (gatos) de tutores de baixa renda;

b) Acompanhamento pós-cirúrgico no local da semana anterior.

Documentação e regras para atendimento:

I – As atividades de consulta veterinária, vacinação antirrábica e exame para diagnóstico do Calazar são disponibilizadas aos animais do público em geral;

II – As castrações são destinadas exclusivamente aos animais de tutores de baixa renda e oriundos de ONGs e protetores independentes. É obrigatório a apresentação do NIS, RG, CPF e comprovante de endereço do tutor;

III – O retorno para o acompanhamento pós-cirúrgico será feito por um médico cirúrgico-veterinário no local da semana anterior, sempre das 8h às 10h. Caso o animal não seja levado ao local marcado para avaliação, o tutor poderá levá-lo aonde o VetMóvel estiver em atividade, tendo prioridade no atendimento. Durante a semana, os animais que precisarem retornar ao VetMóvel para avaliação pós-cirúrgica, poderão ir ao equipamento ou entrar em contato para orientação pelo telefone da Coepa: (85) 3272-3356;

IV – O VetMóvel irá atender os animais oriundos das ONGs e protetores independentes cadastrados na Coepa, cujo controle está sendo feito por meio de parceria com a ONG Deixa Viver, no sentido de encaminhar os animais para serem castrados, enquanto não for feito o chamamento público para credenciamento das clínicas veterinárias. Os protetores independentes cadastrados encaminharão suas demandas diretamente à Coepa;

V – Os animais deverão ter jejum alimentar de 12 horas e jejum hídrico (água) de 6 horas para as castrações previamente agendadas;

VI – Os animais de ponto de abandono só serão castrados se tiverem protetor independente que ofereçam lar temporário para o pós-operatório e assinem termo de responsabilidade, após passarem por avaliação clínica e exames complementares.

MAIS INFORMAÇÕES: VetMóvel no estacionamento da URBFor, até sexta-feira, 24 de agosto. Rua Marechal Deodoro, 1501 – Benfica, de 8h às 12h e de 13h às 17h. As castrações precisam ser agendadas pelo número (85) 3272-3356 ou presencialmente na Coepa, Av. Pontes Vieira, 2391.

 

 

22:39 · 12.06.2018 / atualizado às 22:40 · 12.06.2018 por
Prefeito Roberto Cláudio e veterinários concursados para o VetMóvel. Trabalho em prol do bem-estar animal

O VetMóvel segue até quinta-feira, 14, com serviços clínico-veterinários no Parque Adahil Barreto, no horário de 8h às 12h e de 13h às 17h. Desenvolvida pela Coordenadoria Especial de Proteção e Bem-Estar Animal (Coepa), vinculada à Secretaria Municipal de Conservação e Serviços Públicos (SCSP), a iniciativa faz parte das ações programadas para 2018 com o objetivo de envolver cada vez mais a sociedade no combate aos maus tratos e abandono de animais na capital cearense.

Quatro médicos veterinários atuam no VetMóvel: o clínico Ricardo Garcia, o anestesista Thiago Antônio Rodrigues e os cirurgiões Júlio César dos Reis e Marina Frazatti Galilina. As veterinárias da Coepa, Rosania Ramalho e Thais Câmara, também dão consultoria aos trabalhos. A titular da Coordenadoria, Toinha Rocha, mostra-se otimista com as atividades e, com a continuidade dos serviços, a expectativa é que o VetMóvel alcance a meta de realizar 500 castrações no mês.

Dra. Rosania Ramalho, da Coepa, e Paulo Lyra, coordenador do Parque do Cocó, com os animais atendidos pelo VetMóvel

As castrações são realizadas apenas  para os tutores que comprovarem baixa renda (participação em programas sociais, como o NIS, Bolsa Família etc), ou para animais encaminhados pelas ONGs de proteção animal ou protetores independentes. O procedimento só é feito após avaliação do clínico veterinário, realização de exames complementares e após o tutor ou protetor independente assinar um termo de responsabilidade. O pós-operatório é de inteira responsabilidade do tutor ou responsável pelo animal.

O VetMóvel também fornece vacinação antirrábica e realização de exames rápidos para detecção do Calazar (Leishmaniose) destinados a animais pertencentes à população local, além de registro geral animal, distribuição de material educativo, palestras sobre bem-estar animal e guarda responsável.

Dra. Thais Câmara, da Coepa, e as cartilhas educativas

A Coepa produziu duas cartilhas educativas para os tutores, com a participação direta de seus veterinários, como a Dra. Thais Câmara. Com os títulos “Cuidados com a castração” e “Aprenda a cuidar bem dos nossos bichinhos”, as cartilhas são distribuídas gratuitamente aos interessados.

As consultas, vacinas e exames do calazar podem ser feitos de 8h às 15h. “O serviço é disponibilizado para todos os tutores”, destaca Rosania Ramalho. Na sexta-feira, o VetMóvel retorna ao Shopping RioMar para consultas aos animais que foram castrados na última semana.

Rosania Ramalho explica que o trabalho no VetMóvel é feito também em parceria com a Secretaria de Saúde do Município e seus agentes de endemias e conta com o apoio do coordenador do Parque do Cocó, Paulo Lyra.

Durante o recente evento internacional Américas e Caribe, Prefeitura de Fortaleza e Coepa mantiveram estande. Blog Bem-Estar Pet/Revista Bem-Estar Animal em entrevista com Toinha Rocha e Rosania Ramalho

Os veterinários do VetMóvel foram selecionados por concurso público. Eles foram empossados pelo prefeito Roberto Cláudio no dia 30 de maio passado. Com atividades sempre de segunda a sexta-feira, de 8h às 12h e de 13h às 17h, a intenção é que o equipamento percorra outros locais e bairros da cidade, com programação até julho já definida.

MAIS INFORMAÇÕES: Coordenadoria de Proteção e Bem-Estar Animal (Coepa). (85) 3272.3386

 

18:28 · 02.07.2017 / atualizado às 18:31 · 02.07.2017 por
Vacinação aconteceu em bairros e abrigos de cães na Capital

Termina nesta segunda-feira, 3, a terceira fase da vacinação contra a Leishmaniose (Calazar) em cães na Capital cearense. O trabalho foi iniciado em maio, pela Prefeitura Municipal de Fortaleza, por meio da Célula de Vigilância Ambiental da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), e executado pela Unidade de Vigilância de Zoonoses (antigo CCZ). Resulta de uma parceria com o Laboratório Ceva Hertape, fabricante da vacina Leish-tec.

Protetoras Laura Farias, Rosane Dantas, e veterinária Rosania Ramalho no Abrigo São Lázaro

As cidades de Fortaleza e Brasília foram selecionadas para implantação do projeto piloto de vacinação contra a Leishmaniose, autorizado pelo Ministério da Saúde e Ministério da Agricultura. A parceria da Prefeitura de Fortaleza com o laboratório Ceva está possibilitando a imunização de mais de 4.000 cães nas áreas escolhidas para a pesquisa: Os bairros Boa Vista e Cajazeiras e abrigos de proteção animal como o São Lázaro, Abrace, Arca de Noé, Turma do Manda-Chuva, Vipa, Gapa, entre outros.  As doses foram doadas pelo laboratório para o desenvolvimento da pesquisa sobre doença, através da imunização dos animais e o controle do mosquito transmissor.

De acordo com a coordenadora da Unidade de Vigilância de Zoonoses, médica veterinária Rosania Ramalho, a imunização acontece por meio de três doses em cada animal, com intervalos de 21 dias entre elas. “Estão sendo vacinados 2.586 cães nos bairros selecionados e 1.617 nos abrigos”, afirma ela.

Nos abrigos, o trabalho contou com o apoio dos estudantes de Medicina Veterinária da Uece. Protetores de animais também auxiliaram no manejo dos cães.

A escolha de Fortaleza acontece devido às políticas públicas adotadas pela Célula de Vigilância Ambiental da SMS, com atividades de prevenção, controle e educação desenvolvida nas áreas escolhidas.

Projeto piloto foi executado pela Unidade de Vigilância de Zoonoses do Município

A Leishmaniose é causada por um protozoário da espécie transmitido na picada de fêmeas do Lutzomyia longipalpis, conhecido como mosquito-palha. Os cães são as principais fontes de infecção para o vetor. Ele se reproduz em materiais orgânicos e úmidos. O teste para confirmação acontece gratuitamente através dos boxes de zoonoses.

MAIS INFORMAÇÕES: Unidade de Vigilância de Zoonoses, Rua Betel, 2980 – Maraponga, Fortaleza (CE)
Telefone: (85) 3131-7849.

11:15 · 21.04.2016 / atualizado às 11:15 · 21.04.2016 por

A coordenadora do Centro de Controle de Zoonoses de Fortaleza (CCZ), Dra. Rosania Ramalho, nos envia esta ótima informação: A Associação Nacional de Clínicos Veterinários de Pequenos Animais Ceará (Anclivepa-CE), com apoio do CCZ-Fortaleza, está com inscrições abertas (gratuitas) para o Seminário “Centro de Controle de Zoonoses X Tratamento da Leishmaniose Visceral Canina – Estratégias de Ação”. O evento acontecerá dias 27 e 28 de abril, de 19 às 22 horas, na sede da Anclivepa-CE.

calazar lechmaO Seminário tem como público-alvo veterinários, advogados, médicos sanitaristas, protetores e criadores de animais interessados no debate. Terá como palestrantes grandes nomes do tema em questão: o advogado e veterinário de Campo Grande (MS), André Luis Soares da Fonseca, que abordará a temática “Leishmaniose Visceral Canina – revendo paradigmas e estratégias de ação”; o veterinário de Andradina (SP), Fábio Nogueira, que falará sobre “Diagnóstico e Manejo de Leishmaniose Visceral Canina – Proposta Brasileish”; e o também veterinário da Secretaria Municipal de Saúde de Fortaleza, e vice-presidente do Conselho Regional de Médicos Veterinários-Ceará, Nélio Moraes, que apresentará “Fortalecimento de novas intervenções para o controle da LVC”.

O veterinário e advogado André Luis foi pioneiro no País ao conseguir na Justiça a não obrigatoriedade da eutanásia de animais com Leishmaniose pelos CCZs. Ele oferece tratamento gratuito dos cães acometidos pela doença em Campo Grande.

No dia 27, o seminário é aberto ao público. No dia 28, acontecerá mesa-redonda com veterinários, advogados e sanitaristas. As inscrições são gratuitas, bastando enviar dados para anclivepa-ce@hotmail.com

Mais informações: Anclivepa-CE – Rua Professor Carvalho, 3251, São João do Tauape, Fortaleza-CE. (85) 9 8808.3849.

blog 113043448_1166440680034878_2072387894342864756_n

12:51 · 05.08.2015 / atualizado às 12:51 · 05.08.2015 por

Rosania Coleira ScaliborO Centro de Controle de Zoonoses de Fortaleza (CCZ) está com 30.000 coleiras Scalibor para distribuição gratuita entre os cães de moradores de bairros com maior incidência de casos de Leishmaniose e entre entidades protetoras de animais na Capital cearense. A ação faz parte do trabalho de prevenção à Leishmaniose canina (calazar) em Fortaleza.

Rosania Ramalho e equipe do CCZ de Fortaleza
Rosania Ramalho e equipe do CCZ de Fortaleza

A coordenadora do CCZ, médica veterinária Rosania Ramalho, informa que no próximo dia 10, segunda-feira, a partir das 14 horas, o CCZ estará promovendo reunião com entidades e protetores
interessados. “Estamos dando preferência aos bairros com maior incidência de casos de leishmania nos últimos anos na Capital. Os agentes de endemias vão nas residências, nos bairros escolhidos segundo esses critérios”, afirma ela.
Os protetores interessados devem estar munidos com o documento de identidade e alguma documentação do abrigo, se houver. Devem especificiar a quantidade de animais e o endereço completo do local onde os cães estão. “Estaremos fazendo cadastramento de todos os protetores no dia 10, para agendamento do trabalho”, disse Rosania Ramalho.
Rosania coleiras wmX-640x480x4-52fe0210e2248cf59d209c0acf1747344325af4f1baa1O encoleiramento dos cães acontece ao longo do mês de agosto. A iniciativa parte do gerente de Vigilância Ambiental do Município, médico veterinário Nélio Moraes. O CCZ é subordinado a este setor.
De acordo com Rosania Ramalho, os bairros escolhidos para o trabalho são: SR I – Barra do Ceará, Cristo Redentor e Jardim Iracema; SR II – Vicente Pinzon; SR III – Henrique Jorge e João  XXIII; SR IV – Parangaba; SR V – Granja Portugal; e SR VI – Passaré.

Mais informações: CCZ de Fortaleza, Rua Betel, nº
2980, Maraponga, Fones: (85) 3131.7849/ 7848/
3467.6112

07:36 · 01.05.2013 / atualizado às 07:28 · 03.05.2013 por

Avipec10A Avipec e a MSD Saúde Animal realizaram recentemente um evento magnífico. Reuniram representantes de ONGs de proteção animal para uma palestra sobre prevenção à leishmaniose visceral canina. A Avipec distribuiu coleiras “Scalibor”, que evita o mosquito vetor da doença se aproximar do cão. De acordo com a veterinária da MSD, Mayara de Aquino Mesquita, a empresa apoia diversas ações ligadas à saúde e ao bem-estar animal.

avipec15Os proprietários da Avipec, José Antônio Rebouças Freitas e Meibe Freitas, também estão sempre apoiando eventos voltados para cães. “A Avipec tem como missão favorecer e apoiar tudo voltado para a saúde e o bem-estar animal”, afirma Meibe Freitas, destacando diversos outros eventos já realizados com este objetivo, destinados a veterinários, donos de pet shops, adestradores, criadores e ONGs de proteção animal.
avipec13Através da veterinária Marielle Medeiros, o laboratório da MSD vem desenvolvendo atividades de apoio às ONGs e protetores independentes de animais. Diante do elevado número de casos humanos e caninos, foi realizada mais uma palestra de esclarecimento sobre Medidas Preventivas e Controle da Leishmaniose Visceral Canina.
Cerca de 20 ONGs e mais protetores independentes que estiveram na palestra do dia 23 de abril receberam “Scalibor” , doação da Avipec para os cães resgatados das ruas pelas entidades. No total, 1060 coleiras já foram doadas em Fortaleza.
Todos os animais da ONG São Lázaro já receberam a “Scalibor”.
avipec16Confiram mais  fotos da palestra no endereço
https://www.facebook.com/avipec.comercialnormandialtda

14:44 · 26.03.2013 / atualizado às 14:44 · 26.03.2013 por

DiadoBem2O Dia do Bem foi realizado no último sábado em todo o País e também nos Estados Unidos e Europa. Trata-se de um trabalho de solidariedade  feito pelo Centro Espírita Beneficente União do Vegetal (UDV), junto às pessoas que vivem em situação de vulnerabilidade socioeconômica. No Ceará, a UDV realiza a atividade por meio da Unidade Beneficente Coração de Maria (UBCM). O Dia do Bem acontece em todos os lugares onde a UDV possui unidades administrativas. As comunidades cearenses que foram beneficiadas foram nos municípios de Crato, Sobral, Caucaia, Maranguape, Itaitinga e Cascavel.

Diadobem12A programação foi bastante ampla e constou de palestras, oficinas, vivências, capacitações, consultas de médicos, psicólogos, odontólogos, terapeutas,  assessoria jurídica, distribuição de brindes, lanches e atrações culturais. Uma grande equipe de voluntários da UDV e da UBCM participou da organização e da oferta de serviços. Este foi o terceiro ano consecutivo da promoção do Dia do Bem. Em cada ano, um tema especial é escolhido. Neste ano, foi o Dia do Bem Jovem e abordou, prioritariamente, a prevenção às drogas e às doenças sexualmente transmissíveis (DST-aids).

DiadoBem5No Núcleo Fortaleza, da UDV em Capuan, Caucaia, a programação foi iniciada com o “Programa do Bem”. No modelo do programa “Altas Horas”, da TV Globo, o público participou de conversa com autoridades da saúde, segurança pública e Defensoria Pública. Foram convidados o presidente do Sindicato dos Médicos do Estado do Ceará, José Maria Pontes; o defensor público de Caucaia, Victor Montenegro; e os inspetores Antônio Sérgio de Oliveira e Luisa Helena Barros Alves, da Divisão de Proteção ao Estudante (Dipre), da Polícia Civil.

DiadoBemO “Programa do Bem” também trouxe como atrações artísticas a Banda de Lata, com jovens da comunidade de Jandaiguaba, em Capuan, e o adestrador Jackson Maciel, o Dr. Disciplina deste blog, com cães super inteligentes.Jackson falou da capacidade de inteligência e de obediência com os cães Davi, um rottweiler; Isaac, um border collie; e a mestiça Alanis,  com apenas três patas mas que deu um show de obediência.

DiadoBem15A empresa de nutrição animal Guabi, também esteve presente, com a veterinária Renata Menezes, e a demonstradora Jônia. Renata falou sobre como prevenir o calazar. A Guabi levou kits com ração e folheto explicativo sobre os cuidados com o cão, para distribuição com o público.

DiadoBem4A programação aconteceu na Escola de Ensino Infantil e Fundamental Maria Helena Moreira da Silva, que tem como gestor o professor Narciso da Costa Oliveira; e como coordenador pedagógico o professor Danúsio Oliveira da Silva. Toda a direção da escola está de parabéns, pois eles abriram as portas da unidade para a promoção e ainda chamou os funcionários para dar apoio aos voluntários da UDV. Eu tiver a oportunidade de participar como voluntária na atividade e a experiência foi muito gratificante! É uma prova de que fazer o bem traz felicidades para todos, não só para as pessoas que estão sendo acolhidas mas para todos que participam do trabalho.

11:30 · 07.10.2012 / atualizado às 11:30 · 07.10.2012 por

Periodicamente, é necessário esclarecer sobre o que é a coluna Dr. Vet, publicada semanalmente neste blog, e como participar da mesma com responsabilidade. Primeiro, o que é: A Coluna Dr. Vet é publicada originalmente na Página de Bem-Estar Animal, toda terça-feira, no Caderno Regional do Diário do Nordeste. É reprisada neste blog e no Diário on line. Resulta de parceria que mantemos com a Faculdade de Veterinária da Universidade Estadual do Ceará (Favet-Uece). Os leitores enviam perguntas, que são selecionadas e encaminhadas ao professor Célio Pires, diretor da Favet. Dependendo da questão, ele envia para um professor e veterinário da Faculdade. Os professores Dr. Paulo Sérgio Barbosa e Dra.Annice Cortez, ambos médicos veterinários, são os que participam com maior regularidade. Há outras participações de veterinários que conhecemos, como o Dr. Márcio Araújo, Dr. Leandre Maciel, entre outros.

Como tenho recebido muitas perguntas por meio deste blog, os temas têm se concentrado em dúvidas sobre cães e gatos, os pets mais conhecidos. Porém, a coluna é aberta para perguntas sobre todos os animais: pássaros, cavalos, bovinos, ovinos, peixes etc. Dúvidas sobre cinomose em cães são as mais frequentes. As respostas sobre esta doença são as mais comentadas, com novas perguntas.

Para você que é criador, vale esclarecer sobre como participar da coluna com maior eficiência. O mais importante: o Dr. Vet não pode responder perguntas sobre casos de urgência e emergência. A coluna é semanal, são muitas perguntas e a sua pode não ser a escolhida da semana. Outra dica: a resposta da coluna jamais vai substituir uma consulta veterinária. Se o animal já está passando mal, ou vomitando, ou com diarreia, patas caidas, febre, cegueira no olho, sangrando etc, você deve correr para o veterinário e consultá-lo imediatamente. Não fique esperando resposta do Dr. Vet. A vida de seu cãozinho ou gato pode estar correndo grande risco. Se já é caso confirmado de cinomose ou leishmaniose (calazar), a consulta ao veterinário deve ser feita imediatamente, ok?

Também não é recomendável solicitar receita de medicamento. Jamais o profissional veterinário vai indicar uma medicação sem ver o animal numa consulta. Da mesma forma, o Dr. Vet não confronta diagnósticos ou tratamentos. Tem leitor que já tem o próprio veterinário, mas pergunta se os remédios passados por ele estão corretos. Em respeito à ética veterinária, o Dr. Vet não vai responder perguntas desta natureza. Se responder, dará orientações gerais sobre o tema  e não se o medicamento está certo ou errado.

Outras perguntas que chegam com regularidade são sobre como conseguir consulta gratuita. Sempre informo que os hospitais das Faculdades de Veterinária espalhados pelo País, geralmente, praticam preços abaixo do mercado. No caso de Fortaleza (CE), há postos de saúde pública que mantêm veterinários gratuitos para alguns procedimentos. Recentemente publiquei post neste blog com esta informação.

A partir de hoje, estamos aprovando todos os comentários com perguntas encaminhadas ao Dr. Vet, porém as respostas seguirão os critérios acima especificados.  Não poderemos responder perguntas sobre casos de emergência, urgência ou confrontando diagnósticos ou tratamentos. Seja prudente com seu animalzinho!

Contamos com a compreensão de todos e lembrem-se: a guarda responsável inclui os cuidados com a saúde do animal. Quando uma pessoa decide levar um cãozinho ou um gatinho para casa, deve saber como fará para proporcionar aos bichinhos os cuidados corretos com sua saúde.

Felicidades para todos e aguardamos suas perguntas! A participação de todos vocês nos deixa muito felizes! É bom proporcionar informações que vão trazer mais bem-estar para nossos amados amiguinhos!

07:48 · 18.09.2012 / atualizado às 07:48 · 18.09.2012 por

Consultas médicas, vacina antirrábica e exame do calazar são os serviços que podem ser feitos a custo zero

Na unidade do CCZ, o serviço é em horário comercial diariamente Foto: Alcides Freire

Fortaleza. Criadores de animais domésticos podem dispor, diariamente, de consultas veterinárias gratuitas nas unidades de saúde das Secretarias Regionais da Capital. O serviço ainda é desconhecido por boa parte da população, mas, em algumas regionais, o atendimento acontece de segunda-feira a domingo, inclusive nos feriados.

Além das consultas veterinárias, os cães e gatos podem dispor das vacinas antirrábicas e exames para verificação da leishmaniose (calazar). De acordo com a responsável técnica pelo setor da raiva no Centro de Controle de Zoonose, veterinária Camila Capitani, no caso do posto do CCZ, as principais demandas se referem às doenças virais como cinomose e erlichiose ( doença do carrapato), mas também às enfermidades de peles.

O atendimento público não cobre os exames laboratoriais. Em caso de necessidade, o criador é orientado a procurar o laboratório do hospital da Faculdade de Veterinária da Universidade Federal do Ceará (Favet-Uece), no Campus do Itaperi, onde o procedimento é de baixo custo.

Segundo Camila, a maioria dos proprietários de animais que procuram a gratuidade é de baixa renda e não tem condições de pagar pelo tratamento. O posto do CCZ é um dos mais estruturados para o serviço. Ela diz que cerca de 50% das pessoas que chegam ao local querem abandonar o cão ou o gato. No entanto, os veterinários também promovem um trabalho de conscientização para a guarda responsável, e conseguem fazer com que o dono permaneça com o animal.

Doações

Empresas como a Avipec e voluntários protetores de animais doam medicamentos à unidade, que são repassados para o tratamento dos cães e gatos das pessoas de baixa renda.

O número de atendimentos é crescente. Em agosto, o posto do CCZ atendeu 454 cães e 59 gatos, números superiores aos de julho, quando foram registrados 325 cães e 39 gatos. De acordo com a Assessoria de Imprensa da Regional II, nas seis regionais, o número mensal de atendimento chega a 3.476. Há coleta de sangue para exame de calazar, vacina antirrábica e consultas.

Os postos da Regional II também estão entre os de referência no serviço gratuito da Capital. O Centro de Saúde Paulo Marcelo, no Centro, é um deles. O veterinário Neilson Rolim diz que as principais demandas se referem à vacinação antirrábica, às doenças de pelo e às decorrentes de ectoparasitas como pulgas e carrapatos. “Muitos proprietários também pedem orientação sobre nutrição para animais obesos”, afirma ele.

Nesta unidade, são três veterinários, sendo dois durante a semana, e um para os atendimentos nos sábados e domingos. A média de atendimento no fim de semana é maior do que na semana, com 70 consultas para cerca de 40 registradas de segunda até sexta. No posto, verifica-se uma demanda inferior à capacidade de atendimento, segundo avaliam os técnicos.

Para os atendimentos, no entanto, é importante o proprietário do animal se informar antes sobre os horários e dias de funcionamento das unidades (ver quadro abaixo). Há regionais onde o serviço gratuito é apenas para vacinas antirrábicas e coleta de sangue para exame do calazar. Não há veterinários e os atendimentos são feitos por agentes de zoonoses.

O controle do calazar tem alta demanda nas unidades. Segundo o coordenador do programa de combate à leishmaniose da Prefeitura de Fortaleza, Sérgio Franco, a Capital tem a média de 238 casos da doença por ano em seres humanos, com dez óbitos anuais, e 6 mil registros positivos em animais, também a cada ano em média.

No CCZ, o exame pode ser feito de segunda a domingo, inclusive nos feriados em horário comercial. Em 2011, foram realizados 113.527 exames, com positividade em 5.024 casos. Somente no primeiro semestre deste ano, foram feitos 58.161 exames, com 1.618 casos positivos.

Mais informações:

Centro de Zoonose de Fortaleza
Rua Betel, 2980
Maraponga
Telefones: (85) 31317849/ 31317848/ 3467.6112
VALÉRIA FEITOSA
EDITORA

13:57 · 10.09.2012 / atualizado às 13:57 · 10.09.2012 por

O colaborador do Diário do Nordeste em Canindé, Antônio Carlos Alves, acompanhou a campanha de doação de coleiras “Scalibor” para animais de famílias carentes. Confira:

Canindé. Este Município entra na campanha especial que objetiva combater a leishmaniose visceral canina, o calazar. A estratégia consiste na distribuição gratuita da coleira “Scalibor”, produzida pela MSD Saúde Animal.
A coleira é o primeiro produto que consegue proteger o cão contra flebótomos, moscas e carrapatos com alta eficácia. Imediatamente após a sua colocação no pescoço do cão, começa a liberação do seu princípio ativo, a Deltametrina. Este se distribui de forma rápida e uniforme pela pele do cão até atingir todo o corpo.
“Canindé é a primeira cidade do Interior a ser beneficiada com o projeto piloto do Programa Federal de Controle da Leishmaniose Visceral, uma ação que englobará 12 Municípios em sete Estados brasileiros’’, diz a secretária de Saúde de Canindé, Clara Medeiros. No Ceará, as demais cidades são Fortaleza, Eusébio e também Maracanaú.
A ação inovadora contra o calazar é feita por critérios. O Município foi escolhido para o estudo por causa do grande número de cães com leishmaniose e por conta da gravidade da doença em humanos. A região considerada de risco.
Clara Medeiros disse que, durante os dois anos do projeto, 12.500 coleiras deverão ser utilizadas em Canindé, sendo que 2.500 na primeira etapa. Mais 2.500 na segunda. Outras 2.500 na terceira e no final do projeto 5 mil coleiras.
“É mais um plano inédito para o combate ao calazar e nossa grande preocupação é para que os donos de cães possam nos ajudar nesse mal prejudicial à saúde humana’’, salientou a secretária.
Na cidade, a Secretaria distribuiu o projeto em duas etapas. O grupo A, onde os cachorros recebem as coleiras, e o Grupo B, onde é feito o exame no cão que passa a ser monitorado.
De acordo com o coordenador do projeto, Wanderlan Teixeira de Castro, existem hoje na sede de Canindé 5.239 cães que estão sendo visitados em 15 bairros da cidade.
“Para que tudo ocorra dentro do programado, precisamos da participação da sociedade, nos dando o direito de avaliarmos os seus animais ’’, pediu ele. As coleiras serão usadas em 5.239 cães em 7 bairros de Canindé. “Trata-se das áreas onde foi verificada maior prevalência com maior número de cães”, explica Clara Medeiros. O programa inédito do Ministério da Saúde vai trabalhar em parceria com as Secretaria de Saúde do Estado, dos Municípios, agentes de endemias e Fundação Nacional de Saúde. Os animais “encoleirados” serão acompanhados durante dois anos. Também será realizado o monitoramento dos casos em outros territórios não incluídos no projeto, para efeitos de comparação. “Vamos avaliar a eficácia da coleira na redução de casos de calazar nos cães e em humanos, pois as estatísticas indicam que existe uma relação direta entre a quantidade de casos da doença na população canina e na população humana”, diz a secretária.
Ela explica que os técnicos vão fazer visitas de casa em casa para colocar a “Scalibor” nos animais. A cada seis meses será feita a troca do produto. A proposta do Ministério da Saúde é, conforme os resultados dos testes, ampliar a distribuição gratuita das coleiras em áreas com maior incidência da leishmaniose visceral, como uma ação de saúde pública para diminuir a transmissão da doença.
O gerente de Produtos da MSD Saúde Animal, Marco Castro, explica que a substância fica impregnada na pele do animal, não oferecendo nenhum perigo para adultos ou crianças que tenham contato com o cachorro. “O produto não é tóxico nem para o animal nem para as pessoas”, assegura Castro. “A leishmaniose visceral é um problema de saúde pública. A coleira repele e mata o flebótomo”.

O calazar não é uma doença  transmitida diretamente de uma pessoa para outra, nem de um animal para outro, nem dos animais para as pessoas. A transmissão do parasita ocorre através da picada do mosquito flebótomo em um organismo infectado para um sadio.

A maioria dos casos dessa zoonose tem um período de incubação de dois a quatro meses, mas pode variar de 10 dias a 24 meses. Seus principais sintomas são: febre com interrupções com semanas de duração, fraqueza, perda de apetite, emagrecimento, anemia, palidez, aumento do baço e do fígado, comprometimento da medula óssea, problemas respiratórios, diarréia, sangramentos orais e intestinais.