Busca

Tag: pet


20:20 · 19.11.2015 / atualizado às 20:20 · 19.11.2015 por

Sempre é tempo de conhecer o amor incondicional dos animais! Se você ainda não tem um amorzinho deste em casa, a chance pode ser neste sábado, 21, no Evento de Adoção da Abrace – Uma Causa Animal! Sob a presidência da professora Cristiane Angélica, a entidade está fazendo um trabalho super responsável de socorrer animais das ruas, cuidar bem deles e depois colocá-los para adoção. Vale conferir este ato de cidadania!

Abrace feira de adoção 11944757_915326838545380_855980268_n

06:50 · 05.07.2013 / atualizado às 06:50 · 05.07.2013 por

Esta é muito boa, gente! Confiram:

Ideal para uso doméstico, câmera Cloud, da D-Link, envia imagens do animal e do ambiente direto para o celular!

Câmera Cloud D-Link - PET (G)Uma novidade em câmera de monitoramento promete facilitar a vida de quem precisa acompanhar a vida do seu animal de estimação. A D- Link, colocou no mercado, a câmera DCS-930L, que permite a observação remota do ambiente, utilizando um iPhone, celular smartphone, tablet ou notebook, além da gravação das imagens na nuvem ou em um computador.

O acessório transmite imagens de vídeo de alta qualidade para segurança e vigilância. Ideal para acompanhar a rotina diária do animal à distância, monitorar cuidadores ou na segurança da casa, a câmera possui um sistema deteccão de movimentos que aciona a gravaçao e envia alertas por e mail para o iPhone e demais modelos de smartphones. Sem necessidade de computador ou complicações de fios, para instalar basta usar a conexão wi-fi de internet disponível em casa e baixar um aplicativo gratuito no celular.

Serviço: Câmera IP DCS-930L
Acesso móvel por iPhone, iPAD e Android
Fabricante: D-Link
Distribuição: ATC Brasil
À venda nas lojas de informática e segurança, megastores e lojas da web
Preço sugerido: R$ 350,00
Mais informações: http://www.dlink.com.br

14:51 · 26.11.2012 / atualizado às 14:53 · 26.11.2012 por
A jornalista Marília Rabelo, voluntária no Movimento SOS Gatos de Fortaleza, nos envia esta informação. Confiram:
Fortaleza (CE).  A segunda feira de adoção do Movimento SOS Gatos de Fortaleza acontece no próximo dia 1° de dezembro (sábado), na Praça da Igreja de Fátima (13 de Maio), de 10 ás 14 horas.
A iniciativa é uma parceria entre a Prefeitura de Fortaleza, por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Controle Urbano (Semam), Universidade Estadual do  Ceará (UECE), Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), e organizações não governamentais, que compõem o grupo de trabalho empenhado em conseguir a implementação de políticas públicas para o bem-estar animal em Fortaleza.
Cerca de 30 gatos já castrados no Hospital Veterinário da UECE, e vacinados contra a raiva, serão disponibilizados para adoção. No local do evento, haverá voluntários para orientar sobre os cuidados com os animais, e veterinários para tirar dúvidas sobre saúde.
Os mutirões de castrações devem se repetir – o primeiro foi realizado no dia 16 de setembro último – assim como as feiras de adoções, acompanhadas de ações educativas, nas praças e parques da cidade, inspiradas no tripé castração, adoção e fiscalização.
Recentemente, o Movimento concluiu um projeto, a ser encaminhado ao poder público, com sugestões para introdução, em Fortaleza, de uma política pública para os animais.
  O Movimento SOS Gatos de Fortaleza foi criado após audiência pública na Assembléia Legislativa, convocada para tratar da situação dos gatos do Parque Ecológico do Cocó. A partir da discussão ali realizada, surgiu um grupo de pessoas ligadas ao poder público, ongs e protetores independentes,  interessado em colaborar para atuar não só em relação aos animais do Parque, mas de toda a Fortaleza. Esse embrião resultou no Movimento SOS Gatos de Fortaleza, que já realizou dois mutirões de castrações envolvendo cerca de 150 gatos de rua, e promove no dia 1º de dezembro a sua segunda feira de adoção.
 O projeto SOS Gatos de Fortaleza visa encontrar soluções viáveis que possam propiciar o bem estar animal, com foco nos gatos abandonados em locais públicos, na cidade de Fortaleza. Apoiados nesse princípio, o grupo desenvolve seus trabalhos focando três eixos: castração, educação e fiscalização.
O Movimento dispõe de um blog de caráter educativo e informativo (http://www.sosgatosdefortaleza.blogspot.com/). Nele podem ser encontradas  fotos de gatos para adoção, acompanhadas de orientações para os interessados em adotar.
Contatos:  Coordenadora do Movimento – Renata Costa. Fone: (85) 8742.8062
                  Dyego Terceiro – (85) 8647.9781
                  Marília Rabelo – (85) 9628.0463
10:28 · 25.09.2012 / atualizado às 10:28 · 25.09.2012 por

O acessório se adapta em diversas situações, além de garantir conforto e proteger as patinhas dos bichinhos

 

Os cães adoram passear e explorar os lugares por onde passam. E para deixar o momento ainda mais prazeroso, o Petshop.com.br, maior loja virtual de produtos para pet do Brasil, oferece um acessório inovador e fashion.

 

As Botinhas para os pets oferecem conforto e beleza para os bichinhos. O acessório é ideal para passeio em superfícies rústicas ou em dias mais frios. O modelo é resistente, macio e se adapta em diversas situações, além de protege as patinhas dos cães para que elas não fiquem sujas em passeios pelas ruas ou em dias de chuva.

 

As Botinhas possuem zíper para facilitar na hora de colocar e também elástico interno e velcro para fechamento, o que garante mais segurança e conforto para os animais.

Tamanhos: 3 – 5,5cm; 4 – 6cm; 5 – 7cm

Custa: R$ 60,00

Onde encontrar:  www.petshop.com.br

 

 

08:10 · 31.07.2012 / atualizado às 08:10 · 02.08.2012 por

Você quer ganhar inscrições para participar da PET RioVET? Pois então participe deste concurso cultural. É só responder a pergunta:  “Por que a PET Rio VET é imperdível para quem quer estar por dentro do mercado pet?” e seguir o evento no Twitter (www.twitter.com/PETRioVET) e/ou curtir no Facebook (www.facebook.com/PETRioVET). A melhor resposta leva duas inscrições para a PET Rio VET (o prêmio não inclui passagem e hospedagem). O concurso começou dia 30, e vai até às 16 horas do dia 3 de agosto de 2012. As respostas podem ser deixadas nos comentários do blog!

A PET Rio VET vai acontecer de 8 a 10 de agosto, de 12h às 20h, no  Centro de Convenções SulAmérica – Rio de Janeiro. A  NürnbergMesse Brasil é a organizadora do evento. Renomados profissionais do setor estarão no evento que apresentará lançamentos e tendências em luxo e tecnologia de produtos e serviços destinados aos bichinhos de estimação.

Também como parte da programação acontecerá a Conferência SulAmericana de Medicina Veterinária, que contará com a  participação de um grupo renomado de 70 especialistas ministrando temas das mais diversas áreas clínica e cirúrgica. Além disso, serão realizados fóruns sobre Dor e Leishmaniose e, ainda, um seminário sobre novos modelos de gerenciamento de estabelecimentos comerciais com um dos maiores especialistas da área na atualidade: Steve Kornfeld.

Informações: www.petriovet.com.br
www.twitter.com/PETRioVET – www.facebook.com/PETRioVET

O regulamento do concurso cultural está no link http://bit.ly/N7no5U

 

10:22 · 28.06.2012 / atualizado às 10:22 · 28.06.2012 por

O Conselho Federal de Medicina Veterinária divulga uma informação ótima para os criadores de animais. Confiram:

Aprovado projeto de lei de genéricos veterinários pelo Congresso Nacional. CFMV preocupa-se com o cumprimento dos testes de equivalência

Brasília. Aprovado, na terça-feira, 26 de junho, pelo plenário da Câmara dos Deputados, o Projeto de Lei 1080/03 que cria os medicamentos genéricos veterinários. O Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) apoia a iniciativa, porém, preocupa-se com a operacionalização, principalmente, para que sejam definidos os produtos de referência. O projeto já passou pelo Senado e segue para sanção da Presidente Dilma Rousseff.

O PL define o que são produtos veterinários, medicamentos de referência, medicamentos similares e genéricos. Estes últimos podem diferir apenas quanto a tamanho, formato e prazo de validade, por exemplo, mas devem ter a mesma eficiência comprovada (bioequivalência). Para ser registrado junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, o genérico veterinário deverá comprovar essa bioequivalência em relação ao medicamento de referência e atender a requisitos de taxa de excreção, resíduos e período de carência se usado em animais de consumo.

“Com certeza essa nova lei será um avanço. Como nos medicamentos humanos poderá existir uma redução de preço, mas nos genéricos veterinários o principal ganho será na melhor qualidade dos produtos” relata o Presidente do CFMV, Benedito Fortes de Arruda.

Ele explica que atualmente, existem medicamentos registrados para a mesma indicação, porém, em seu registro, não há necessidade de que comprovem bioequivalência, já que são produtos diferenciados. Um exemplo é a ivermectina que apresenta mais de 70 produtos com o mesmo princípio ativo no mercado. A partir da criação dos genéricos serão exigidos esses testes, principalmente para que se garanta a igualdade nas características farmacológicas, ou seja, a forma como o medicamento se comporta no organismo (sua absorção, distribuição, biotransformação, metabolização e eliminação).

A preocupação do CFMV está nos procedimentos para que um princípio ativo receba o título de genérico. Neste caso, a exemplo do que foi feito com os medicamentos humanos, será necessária a criação de medicamentos de referência, com especificações para cada espécie, via de aplicação etc. Essa referência é o parâmetro para os testes de bioequivalência entre produtos. O CFMV também entende que o Ministério da Agricultura, Abastecimento e Pecuária, que cuidará do processo, precisará de mais técnicos para atender a demanda de novos registros.

O Projeto de Lei 1089/03 permite o uso de medicamentos genéricos na medicina veterinária e estabelece preferência para eles nas compras governamentais. O texto estabelece que as penas e multas por descumprimento das regras desse decreto serão as da Lei 6.437/77, mais rígidas que as atuais. O texto é de autoria do então deputado e hoje senador, Benedito de Lira (PP-AL).
 
Mais informações: CFMV
(61) 2106 0476 comunicacaosocial@cfmv.org.br

15:03 · 25.04.2012 / atualizado às 15:03 · 25.04.2012 por

Além do cachorro e do gato, existem outras espécies que se adaptam bem à criação no ambiente doméstico

 

Andressa e Geraldo: uma história de amor e amizade! FOTO: ANDRÉ ANTUNES

Fortaleza.  Andressa e Geraldo se conheceram numa festa de São João em junho do ano passado. Desde então, o amor amigo está cada vez maior. Os dois formam uma dupla inseparável. Porém, um detalhe: Andressa Vitória Barreto Antunes Andrade é uma garota de 13 anos e Geraldo, um coelho branquinho com pouco mais de um ano. Ela, apaixonada por bichos, poderia ser dona de um cão ou um gato. Mas a realidade lhe trouxe uma surpresa: um coelho como animal de estimação, ideal para o estilo de vida de sua família. Ele é dócil, limpo e silencioso.

Foi o pai de Andressa, André Antunes, quem comprou o animal, junto com mais outros dois exemplares para animar brincadeiras juninas no ano passado. Após a festa, Andressa logo mostrou interesse em ficar com um deles. Não deu outra. O pai aceitou e ainda escolheu o nome do novo amigo, em homenagem ao então jogador do Ceará, Geraldo. Hoje, o coelho é tratado como um membro da família. Tem uma casinha própria para dormir, alimentação adequada e cuidados básicos de higiene. Andressa conta que ele adora ficar ao seu lado no sofá, diante da televisão. Porém, quando quer comer, procura a dona da casa. Fica se enroscando nos pés da mãe da menina, Neide Antunes, indicando que está com fome.

Celson Nagai, gerente de produtos da Evialis Nutrição Animal

A tendência de criar coelhos como pets é confirmada pelo gerente de produtos da Evialis Nutrição Animal, Celson Eichi Nagai. “Eles são animais dóceis, tranquilos, limpos, ocupam pouco espaço e tempo para cuidar, não fazem barulho ou bagunça, são pequenos, fazem pouca sujeira”. São estas vantagens que Neide Andrade considerou ao aceitar Geraldo em casa.

Ela diz que a filha gostaria de ter um cão, o que se tornou inviável com a mudança da família para um apartamento. “O Geraldo é o animal de estimação ideal para nossa família. É super carinhoso, não faz barulho e é muito inteligente”, afirma, destacando que o coelho até já sabe onde fazer as necessidades fisiológicas. Sem ninguém ensinar, o ele escolheu um cantinho no banheiro da área de serviço.

Para Celson Nagai, o ambiente doméstico torna-se favorável à criação do coelho, desde que se respeite o tamanho adequado de gaiola, propicie um ambiente limpo e arejado, e não falte ração e água fresca. “Bem como a companhia, carinho e atenção”, destaca, mostrando que a espécie também gosta de interagir com os seres humanos.

Andressa, Geraldo, Alysson e Neide Antunes: o coelho é o pet ideal para a família FOTOS: GENILSON DE LIMA

Quanto a criar especificamente em apartamento, ele explica que não há incompatibilidade, observando os fatores já mencionados. Em relação à necessidade de convivência com outros exemplares da mesma espécie, a recomendação é positiva.

“O recomendado é que se crie mais de um animal. Desta forma, o coelho não se sentirá sozinho. É nítido ver a felicidade dos animais quando estão em grupo. Mas cuidado, coelhos machos tendem a disputar o território e as brigas ocorrem naturalmente. O ideal é que seja um casal, assim eles vivem pacificamente”, diz, porém adverte quando à criação com outras espécies animais. “Na natureza, os coelhos são a caça e cães e gatos são os predadores. Então, não se deve criar os animais juntos. Porém há exceções. Caso sejam criados desde pequenos juntos, eles podem conviver pacificamente. Mas depende de animal para animal”, afirma o veterinário.

Um dos grandes desafios de criar um bicho de estimação é como conciliar com os compromissos do cotidiano como trabalho e escola. Muitas vezes, o animal precisa ter resistência para ficar sozinho em casa. Mas nisto, o coelho também apresenta vantagens. “Os coelhos são “quase” independentes do homem. Precisamos apenas fornecer a ração de boa qualidade, a água limpa e fresca e manter a gaiola sempre limpa e higienizada”.

Andressa e Geraldo: homenagem ao então jogador do Ceará

Muitos pais tem dúvidas sobre a compatibilidade entre a espécie do pet e a criança. Mas no caso do coelho, a convivência é ideal. Nagai explica que dá certo desde que a criança respeite os limites do coelho. “Crianças geralmente querem abraçar, beijar e pegar os animais de qualquer maneira. Se não tomar cuidado ao manuseá-lo, as crianças podem se machucar. As patas traseiras dos coelhos são extremamente fortes. Ao se sentirem ameaçados ou desconfortáveis, os coelhos podem tentar escapar. Farão o movimento de pulo e se alguma parte do corpo estiver ao alcance das unhas e das patas, uma arranhada podem levar”, adverte.

Ele também explica que não há uma faixa etária ideal. Todos podem criar e devem ter acesso aos coelhos, desde que seja respeitado a zona de conforto do animal. Como toda espécie de bichos, os cuidados com a saúde e higiene devem estar em dia. “Os coelhos são animais resistentes por natureza. Os banhos são dispensados uma vez que eles já o fazem. Estão constantemente se limpando, lambendo os pelos. O melhor caminho para manter a saúde do animal é a prevenção”. Para isto, o ambiente deve estar limpo, arejado e desinfetado, para minimizar o aparecimento de doenças. Também recomenda-se ração de procedência e boa qualidade e água limpa. Na dieta, pode ser incluídos feno de alfafa e vegetais em geral, em pouca quantidade.

Mas quando o animal estiver amuado, com alguma inflamação ou alergia, diarreia, pêlos eriçados, deve-se consultar um médico veterinário.

MAIS INFORMAÇÕES: Evialis Nutrição Animal / SAC 0800.7041241

 

 

13:58 · 16.02.2012 / atualizado às 13:58 · 16.02.2012 por

Esta é da PetMag. Confira:

Que tal deixar seu pet também no clima do carnaval? Algumas empresas que já confeccionam roupas para pets, prepararam fantasias para você, seu cãozinho e até seu passarinho, curtirem juntos e caracterizados, os dias de folia. Confira algumas produções nacionais e importadas. Ah! Mas tome cuidado na hora de escolher a fantasia. O peso, tecido, a falta de costume de usar roupas, o calor excessivo, entre outros itens devem ser levados em conta.

Bailarina – Collant rosa com aplique bordado de borboleta e detalhes em plumas e flores, saia em tule plissado, prendedores de cabelo e adereço de braço em pluma e flores. Da Lazza.

 

 

 

 

 

 

Pierrot – Capa xadrez com pompom nas costas, chapéu em formato de cone e o detalhe do pompom na pata dianteira. Da Lazza

 

 

 

 

 

 

Colombina – Blusa preta com brilho e lantejoulas, saia plissada xadrez forrada com tule para dar volume e chapéu em formato de cone com pompom. Da Lazza.

 

 

 

 

 

Marinheiro – Bermuda em tactel azul, gola marinheiro com aplique de ancora e chapéu branco de marinheiro com estrelinhas vermelhas. Da Lazza.

 

 

 

 

 

Jogador – No clima da Copa! Bermuda azul com listras brancas, regata amarela com viés verde e o nome Brasil. Da Lazza.

 

 

 

 

 

Pirata – Capa listrada com colete de couro sintético e corrente dourada, bandana e cinto vermelho, chapéu de couro sintético com bordado de caveira e adereços de perna imitando botas. Da Lazza.

 

As fantasias da Lazza estão disponíveis nos tamanhos T1, T2, T3, T5, T7 e T9, e são confeccionadas com tecidos leves. Interessados devem entrar em contato com o fabricante pelo e-mail lazza@lazza.com.br, ou pelo telefone (11) 3341-5026.

Mais informações: petmag.uol.com.br

09:08 · 13.12.2011 / atualizado às 09:08 · 13.12.2011 por
Esta é da página de Bem-Estar Animal, publicada toda terça-feira no Caderno Regional do Diário do Nordeste. Confiram!
Ampliar a formação do zootecnista para outras espécies animais está sendo reivindicado por estudantes da UFC

Leanne Soares é estudante do 6º semestre de Zootecnia na UFC e criadora de calopsitas

Fortaleza. Estudantes da Zootecnia querem ampliar a formação para também atuarem no segmento de animais silvestres e de companhia (pets). Um marco no debate acontece de hoje a sexta-feira, durante o I Ciclo de Palestras sobre Animais Silvestres (I Cipas), que também trará uma palestra extraordinária sobre comportamento de cães.

Para a estudante do 6º semestre do Curso de Zootecnia da Universidade Federal do Ceará (UFC), Leanne Soares Peixoto, uma das organizadoras do evento, o currículo universitário da área ainda é mais voltado para os animais de produção. “Achamos um erro pois o zootecnista deve ser preparado para trabalhar com qualquer espécie animal”, afirma ela.

Ela aponta que a grade curricular tem muitas cadeiras de nutrição, como se o zootecnista fosse um nutricionista de animais. “O que não é verdade, pois esta é apenas uma das áreas de nossa formação, que deve ser mais ampla”, defende. Bovinos, suínos, caprinos, ovinos e aves predominam nas cadeiras obrigatórias para os estudantes, ficando nas optativas os animais silvestres, equinos, peixes e búfalos. Não há nenhuma cadeira sobre cães e gatos, os pets mais criados atualmente na convivência doméstica.

Porém, se depender dos estudantes, a Zootecnia poderá ampliar a grade curricular da formação. “É errado pensar que pet é coisa só de veterinário”, argumenta Leanne. Ela diz que os universitários esperam para 2012 a oferta da disciplina de nutrição de cães e gatos. “Isto como resultado de reivindicações feitas pelos estudantes e alguns professores”, pondera.

Vagas limitadas

O I Cipas acontece no âmbito do Núcleo de Estudos em Animais Silvestres e Pet (Neaspet), que reúne estudantes e professores da Zootecnia. A programação acontece no auditório do curso, localizado no Campus do Pici. As vagas limitam-se à capacidade do auditório, que dispõe de 300 cadeiras.

Entre os palestrantes, destacam-se a professora Carla Renata Gadelha, que vai falar sobre “Bem-estar em animais silvestres”, na quinta-feira, a partir de 8h30; e a palestra extraordinária “Condicionamento de animais com Clicker e reforços positivos – exemplo com cães – demonstração prática”, com Olivier Soulier, na sexta-feira, às 9h30.

A professora Carla adiantou que um dos aspectos que serão abordados em sua palestra refere-se à sinantropoia, ou seja, animais silvestres em vida livre mas no ambiente urbano. Entre eles, os saguis e os gaviões. Essas espécies procuram se adaptar ao contexto das cidades, mas sofrem diversos riscos neste meio, como fios de eletricidade, atropelamentos e maus-tratos por parte das pessoas.

Ela destaca que a Zootecnia foi criada, a princípio, para viabilizar a produção animal de alimentos. Porém, as demandas de mercado vêm se ampliando. O meio ambiente e o fenômeno pet estão na ordem do dia.

A conservação dos recursos naturais torna-se exigência de segmentos sociais crescentes, bem como aumenta o número de famílias que tem, principalmente, o cão e o gato na convivência doméstica. Segundo a professora, há cerca de dois anos foram estabelecidas novas diretrizes para o ensino da Zootecnia no Brasil e algumas faculdades já oferecem a disciplina sobre animais silvestres.

“Os zootecnistas podem dar grande contribuição na área, no que se refere aos manejos de criação, nutrição, planejamento das instalações”, afirma ela. Quanto aos pets, a área de estudo pode trazer novidades especialmente no que se refere à cinotecnia, os padrões das raças caninas etc. Carla Gadelha coordena o Neaspet, integrado pelos estudantes.

Olivier Soulier é especialista em comportamento animal

O especialista em comportamento canino, Olivier Soulier, avalia que ainda se observa no Brasil uma carência de formação universitária nos estudos do comportamento animal, tanto pets como silvestres. Ele vê com otimismo a ampliação da Zootecnia para essas espécies.

“Toda e qualquer iniciativa séria nesses assuntos da parte das faculdades de Zootecnia, Biologia, Medicina Veterinária, Meio Ambiente ou outra só pode ser benéfica a todos os agentes do mercado. Inclusive em termos de bem-estar animal e rendimento econômico”, afirma, complementando que a ampliação da área de estudo irá beneficiar a todos os tipos de animais, cujos comportamentos vieram a ser estudados e melhor compreendidos e respeitados. “Consequentemente, suas condições de vida terão inestimáveis melhorias ambientais, tanto em cativeiro quanto no, sempre mais raro, meio natural”.

Ele diz não ter ficado surpreso por ser um dos palestrantes na Zootecnia, uma vez que já vem tendo uma boa inserção no âmbito acadêmico, como palestrante, especialmente na Faculdade de Veterinária da Universidade Estadual do Ceará (Uece). “Quando o animal é melhor compreendido e suas necessidades ocupacionais próprias providas, isso reflete diretamente sobre sua saúde, sua facilidade de manutenção e reprodução em cativeiro, seu bem-estar e, consequentemente, dos seus tratadores. Os estudos comportamentais animais têm tudo a ver com a Zootecnia”, considera.

Olivier diz que vários comportamentalistas animais têm como função principal enriquecer os ambientes dos animais silvestres em cativeiro, a fim de melhorar o bem-estar, através de atividades físicas e de motivação emocional e psicológica, aumentando sensivelmente a esperança de vida e de reprodução dessas espécies. Sobre a palestra no Ciclo que começa hoje, ele irá apresentar pontos como: condicionamentos, reforços e punições positivos ou negativos e demonstrações com cão.

Fique por dentro
Programação

O I Ciclo de Palestras sobre Animais Silvestres também traz como palestras os temas: “Gerenciamento da Fauna Aeroportuária”, com Danilo de Paula Rada; “Manejo Alimentar de Animais Silvestres: técnicas e dificuldades práticas”, com Lúcio Mendes Filho; “Comportamento de animais silvestres” – Malena Albuquerque; “Falcoaria – Técnicas de Adestramento e treinamento para filhotes jovens” – Leandro Rodrigues; “Criação de aves silvestres e exóticas” – Dr. Reinaldo; “Enriquecimento ambiental – Teórico/Prática” – Camila Porto; “Atuações Zootecnias na área comercial” – Larissa Barbosa; “Tráfico de Animais Silvestres”, Maira Ferraz; “Projeto periquito cara-suja – preservação da espécie na Serra de Baturité”, Fábio Nunes; e “Manejo de Preservação de Mamíferos Aquáticos – práticas cotidianas”, Vitor Luz.

MAIS INFORMAÇÕES

I Ciclo de Palestras sobre Animais Silvestres, de hoje a sexta-feira, no Curso de Zootecnia da UFC Campus do Pici, (85) 86353201

ANA VALÉRIA FEITOSA
EDITORA

16:08 · 30.11.2011 / atualizado às 16:08 · 30.11.2011 por

Há quem diga que a chuva do caju já passou. Agora estamos nas chuvas da manga! O certo é que já está começando a chover e quem mais sente com isso são nossos cãezinhos, que precisam fazer as caminhadas diárias. Mas não tem problema. Tem capinhas de chuva que podem proteger os pets. Pelo menos nas chuvas mais fraquinhas, porque,  nas fortes, ninguém sai de casa pra passear, não é mesmo?!?

Aqui vai uma dica da Petboom. São as capas de chuva Guardaspalle, nas cores azul ou vermelha. Azul pros meninos e vermelha pras menininhas! Ou tanto faz, né? Vêm nos tamanhos 3, 4 e 5 ao preço de R$ 22,00 já com frete. Mas é bom, antes de encomendar, pedir mais informações pelo www.petboom.com.br