Busca

Tag: veterinario gratuito


20:07 · 20.08.2018 / atualizado às 20:07 · 20.08.2018 por
O VetMóvel é um marco nas políticas públicas de proteção e bem-estar animal na Capital cearense  / Fotos: Prefeitura de Fortaleza

Até a próxima sexta-feira, 24, o VetMóvel, da Prefeitura de Fortaleza, realizará os atendimentos no estacionamento da Autarquia de Paisagismo e Urbanismo de Fortaleza (URBFor), situada na Rua Marechal Deodoro, 1501, Benfica. As consultas para cães e gatos oriundos de abrigos de animais, ONGs e tutores baixa renda do bairro e adjacências, ocorrerão de 8h às 12h e de 13h às 17h. Protetores independentes interessados em encaminhar animais para castração ao longo da programação do Vetmóvel devem se cadastrar previamente na Coordenadoria Especial de Proteção e Bem-Estar Animal (Coepa).

As atividades gratuitas de consulta veterinária, vacinação antirrábica e exame para diagnóstico do Calazar são disponibilizadas aos animais de tutores do público em geral. Já as castrações são destinadas exclusivamente aos animais de tutores de baixa renda e oriundos de ONGs e protetores independentes, sendo obrigatória a apresentação do NIS, RG, CPF e comprovante de endereço dos tutores para a realização do serviço.

As castrações precisam ser agendadas pelo número (85) 3272-3356 ou presencialmente na Secretaria Municipal de Conservação e Serviços Públicos (SCSP), localizada na Av. Pontes Vieira, 2391, onde está sediada a Coepa.

Toinha Rocha, Rosânia Ramalho e equipe da Coepa

A titular da Coepa, Toinha Rocha, diz que já foram atendidos os animais encaminhados pelos protetores independentes e ONGs, atuantes nas áreas do Parque do Cocó, Papicu, Adahil Barreto, Aerolândia, Tancredo Neves, Barra do Ceará, Parque Iracema, Cidade dos Funcionários, Cambeba, Damas, Jardim América, Bom Jardim, Centro da Cidade, Jacarecanga e Praia de Iracema.

“Na próxima semana, o VetMóvel vai para o Cuca Jangurussu, onde serão castrados apenas cães e cadelas, inclusive animais com calazar”, adianta Toinha Rocha.

Para 2019, até o mês de abril, o VetMóvel programa atender áreas no Parque Genibau, Moura Brasil, Paupina – Curva do S, Vila União, SESC/Mercado São Sebastião, Adahil Barreto, UFC-Pici, Pirambu, Passeio Público, UFC – Porangabussu, Montese, Conjunto Ceará. “Para o próximo ano, os agendamentos só serão liberados a partir de dezembro”, explica ela.

O VetMóvel faz parte do plano de ações programadas para 2018, com o objetivo de conscientizar a população de Fortaleza e envolvê-la no combate aos maus tratos, cuidados e abandono de animais.

Atuam no VetMóvel quatro médicos veterinários, sendo um clínico geral, um anestesista e dois cirurgiões. O equipamento também oferece, gratuitamente, registro geral animal e distribuição de material educativo com informações sobre bem-estar animal e guarda responsável.

Toinha Rocha explica que a Coepa considera como protetor independente  a pessoa que presta serviço voluntário de proteção de animais em algum ponto de abandono em Fortaleza. “O protetor cuida dos animais, alimenta, medica e faz trabalho com outros voluntários para adoção e castrações. Os protetores interessados em se cadastrar podem procurar a Coepa, onde preenchem uma ficha de cadastro, ficando responsável pelo pré e pós operatório, no caso das castrações”, diz ela.

“Além de preencher o cadastro, o protetor participa de uma entrevista. A equipe da Coepa visita o local público onde ele atua para averiguar as informações. Esse trabalho é acompanhado por uma veterinária especialista em comportamento animal”, esclarece Toinha Rocha. “Já as ONGs precisam apresentar na Coepa cópia do CNPJ, do estatuto da entidade e último aditivo. Os cadastros são feitos na sede da Coepa, de segunda a sexta-feira, de 8 às 12h, e de 13 às 16h30”.

Já como tutor, a Coepa considera aquela pessoa que detém a guarda responsável do animal, considerado membro da família. “O tutor tem o dever de cuidar e zelar pelo bem-estar de seu pet. Ele não pode abandoná-lo e deve estar ciente que vai ter que cuidar e amar na saúde e na doença até o fim da vida do animal. Que não poderá abandoná-lo sob nenhuma hipótese”, alerta.

Toinha Rocha explica que, quando ocorrer o credenciamento das clínicas, o Vetmóvel será exclusivo para os tutores de baixa renda. As clínicas ficarão responsáveis pelos animais encaminhados pelos protetores independentes e ONGs.

“Com apenas um VetMóvel no momento, e diante da grande demanda pelo serviço, ficou acertado limitar a castração a um animal por semestre a cada NIS cadastrado. Estamos trabalhando para que, em futuro próximo, possamos castrar todos os animais que procurarem o serviço público”, aposta ela. Para 2019, a Coepa prevê os agendamentos também pela internet. O programa já está em teste na Gerência de TI da Secretaria de Conservação e Serviços Públicos.

Duranre a semana, o Vetmóvel realiza a seguinte programação:

– Segunda-feira

Atendimento clínico para animais de tutores e atendimento cirúrgico para os animais de protetores de felinos (gatos);

– Terça-feira

Atendimento cirúrgico previamente agendado para caninos (cães) de tutores de baixa renda;

– Quarta-feira

Atendimento clínico para animais com tutores e atendimento cirúrgico para os animais de ONGs de felinos (gatos);

– Quinta-feira

Atendimento cirúrgico previamente agendado para felinos (gatos) de tutores de baixa renda;

– Sexta-feira

a) Atendimento cirúrgico previamente agendado para felinos (gatos) de tutores de baixa renda;

b) Acompanhamento pós-cirúrgico no local da semana anterior.

Documentação e regras para atendimento:

I – As atividades de consulta veterinária, vacinação antirrábica e exame para diagnóstico do Calazar são disponibilizadas aos animais do público em geral;

II – As castrações são destinadas exclusivamente aos animais de tutores de baixa renda e oriundos de ONGs e protetores independentes. É obrigatório a apresentação do NIS, RG, CPF e comprovante de endereço do tutor;

III – O retorno para o acompanhamento pós-cirúrgico será feito por um médico cirúrgico-veterinário no local da semana anterior, sempre das 8h às 10h. Caso o animal não seja levado ao local marcado para avaliação, o tutor poderá levá-lo aonde o VetMóvel estiver em atividade, tendo prioridade no atendimento. Durante a semana, os animais que precisarem retornar ao VetMóvel para avaliação pós-cirúrgica, poderão ir ao equipamento ou entrar em contato para orientação pelo telefone da Coepa: (85) 3272-3356;

IV – O VetMóvel irá atender os animais oriundos das ONGs e protetores independentes cadastrados na Coepa, cujo controle está sendo feito por meio de parceria com a ONG Deixa Viver, no sentido de encaminhar os animais para serem castrados, enquanto não for feito o chamamento público para credenciamento das clínicas veterinárias. Os protetores independentes cadastrados encaminharão suas demandas diretamente à Coepa;

V – Os animais deverão ter jejum alimentar de 12 horas e jejum hídrico (água) de 6 horas para as castrações previamente agendadas;

VI – Os animais de ponto de abandono só serão castrados se tiverem protetor independente que ofereçam lar temporário para o pós-operatório e assinem termo de responsabilidade, após passarem por avaliação clínica e exames complementares.

MAIS INFORMAÇÕES: VetMóvel no estacionamento da URBFor, até sexta-feira, 24 de agosto. Rua Marechal Deodoro, 1501 – Benfica, de 8h às 12h e de 13h às 17h. As castrações precisam ser agendadas pelo número (85) 3272-3356 ou presencialmente na Coepa, Av. Pontes Vieira, 2391.

 

 

07:48 · 18.09.2012 / atualizado às 07:48 · 18.09.2012 por

Consultas médicas, vacina antirrábica e exame do calazar são os serviços que podem ser feitos a custo zero

Na unidade do CCZ, o serviço é em horário comercial diariamente Foto: Alcides Freire

Fortaleza. Criadores de animais domésticos podem dispor, diariamente, de consultas veterinárias gratuitas nas unidades de saúde das Secretarias Regionais da Capital. O serviço ainda é desconhecido por boa parte da população, mas, em algumas regionais, o atendimento acontece de segunda-feira a domingo, inclusive nos feriados.

Além das consultas veterinárias, os cães e gatos podem dispor das vacinas antirrábicas e exames para verificação da leishmaniose (calazar). De acordo com a responsável técnica pelo setor da raiva no Centro de Controle de Zoonose, veterinária Camila Capitani, no caso do posto do CCZ, as principais demandas se referem às doenças virais como cinomose e erlichiose ( doença do carrapato), mas também às enfermidades de peles.

O atendimento público não cobre os exames laboratoriais. Em caso de necessidade, o criador é orientado a procurar o laboratório do hospital da Faculdade de Veterinária da Universidade Federal do Ceará (Favet-Uece), no Campus do Itaperi, onde o procedimento é de baixo custo.

Segundo Camila, a maioria dos proprietários de animais que procuram a gratuidade é de baixa renda e não tem condições de pagar pelo tratamento. O posto do CCZ é um dos mais estruturados para o serviço. Ela diz que cerca de 50% das pessoas que chegam ao local querem abandonar o cão ou o gato. No entanto, os veterinários também promovem um trabalho de conscientização para a guarda responsável, e conseguem fazer com que o dono permaneça com o animal.

Doações

Empresas como a Avipec e voluntários protetores de animais doam medicamentos à unidade, que são repassados para o tratamento dos cães e gatos das pessoas de baixa renda.

O número de atendimentos é crescente. Em agosto, o posto do CCZ atendeu 454 cães e 59 gatos, números superiores aos de julho, quando foram registrados 325 cães e 39 gatos. De acordo com a Assessoria de Imprensa da Regional II, nas seis regionais, o número mensal de atendimento chega a 3.476. Há coleta de sangue para exame de calazar, vacina antirrábica e consultas.

Os postos da Regional II também estão entre os de referência no serviço gratuito da Capital. O Centro de Saúde Paulo Marcelo, no Centro, é um deles. O veterinário Neilson Rolim diz que as principais demandas se referem à vacinação antirrábica, às doenças de pelo e às decorrentes de ectoparasitas como pulgas e carrapatos. “Muitos proprietários também pedem orientação sobre nutrição para animais obesos”, afirma ele.

Nesta unidade, são três veterinários, sendo dois durante a semana, e um para os atendimentos nos sábados e domingos. A média de atendimento no fim de semana é maior do que na semana, com 70 consultas para cerca de 40 registradas de segunda até sexta. No posto, verifica-se uma demanda inferior à capacidade de atendimento, segundo avaliam os técnicos.

Para os atendimentos, no entanto, é importante o proprietário do animal se informar antes sobre os horários e dias de funcionamento das unidades (ver quadro abaixo). Há regionais onde o serviço gratuito é apenas para vacinas antirrábicas e coleta de sangue para exame do calazar. Não há veterinários e os atendimentos são feitos por agentes de zoonoses.

O controle do calazar tem alta demanda nas unidades. Segundo o coordenador do programa de combate à leishmaniose da Prefeitura de Fortaleza, Sérgio Franco, a Capital tem a média de 238 casos da doença por ano em seres humanos, com dez óbitos anuais, e 6 mil registros positivos em animais, também a cada ano em média.

No CCZ, o exame pode ser feito de segunda a domingo, inclusive nos feriados em horário comercial. Em 2011, foram realizados 113.527 exames, com positividade em 5.024 casos. Somente no primeiro semestre deste ano, foram feitos 58.161 exames, com 1.618 casos positivos.

Mais informações:

Centro de Zoonose de Fortaleza
Rua Betel, 2980
Maraponga
Telefones: (85) 31317849/ 31317848/ 3467.6112
VALÉRIA FEITOSA
EDITORA