Busca

11:12 · 31.01.2018 / atualizado às 11:12 · 31.01.2018 por

O labirinto de cômodos e as 600 portas distribuídas em sete andares contribuem para a atmosfera sombria da casa Winchester, localizada na Califórnia, nos Estados Unidos. Construída há quase cem anos pela milionária Sarah Winchester, herdeira de uma fábrica de armas, a residência inspirou o novo longa baseado em eventos reais: “A Maldição da Casa Winchester”, com lançamento agendado para 1º de março no Brasil. Protagonizada pela vencedora do Oscar Helen Mirren, que dá vida a Sarah Winchester, o filme dirigido pelos irmãos Michael e Peter Spierig (de “Jogos Mortais: Jigsaw”) acaba de ganhar novo teaser.

No material recém-divulgado, é possível observar as suspeitas que pairam sobre a sanidade da proprietária e o apavorante dia a dia na mansão. Depois da morte de seu marido e de seu filho, Sarah começa a acreditar que está sendo perseguida por espíritos das pessoas que foram mortas por rifles fabricados por sua família.

O psiquiatra intrepretado por Jason Clarke chega à mansão para avaliar o estado mental de Sarah, mas vivencia momentos que colocam suas próprias certezas à prova. A produção tem distribuição nacional Paris Filmes.

Na trama, em um ponto isolado de terra, a 50 milhas de distância de São Francisco fica a casa mais assombrada do mundo. Construída por Sarah Winchester (Helen Mirren), herdeira da fortuna dos Winchester, a casa não conhece seu fim. Construída durante décadas de forma incessante, vinte e quatro horas por dia, sete dias por semana, ela tem sete andares e abriga centenas de quartos.

Para um estranho, parece um monumento monstruoso que reflete a loucura de uma mulher perturbada. Mas Sarah não está construindo para si, mas sim para sua sobrinha (Sarah Snook) ou para o brilhante Dr. Eric Price (Jason Clarke), que ela convocou para ir a casa. Ela está construindo uma prisão, um asilo para centenas de fantasmas vingativos, e os mais aterrorizantes deles têm o intiuito de se estabelecer com os Winchesters.

14:39 · 30.01.2018 / atualizado às 14:39 · 30.01.2018 por

Dando sequência ao sucesso Gnomeu e Julieta (2011), a sequência “Gnomeu e Julieta: O Mistério do Jardim” chega aos cinemas dia 31 de maio, com a direção de John Stevenson – indicado ao Oscar de Melhor Animação por “Kung Fu Panda”, além da produção e trilha sonora de Elton John.

Na trama, os adorados gnomos de jardim Gnomeu e Julieta estão de volta para uma aventura totalmente nova em Londres. Quando os dois chegam à capital inglesa com seus amigos e família, a maior preocupação da dupla é preparar seu novo jardim para a primavera. Porém, eles logo descobrem que alguém está raptando gnomos por toda a cidade.

Quando Gnomeu e Julieta retornam para casa e descobrem que todos do seu jardim estão desaparecidos – existe somente um nome a recorrer…Sherlock Gnomes. O famoso detetive e protetor dos gnomos de jardim de Londres chega para investigar o caso, junto com seu inseparável companheiro Watson. O mistério levará todos a uma aventura exuberante, onde encontrarão muitos ornamentos novos e explorarão um lado desconhecido da cidade.

12:57 · 25.01.2018 / atualizado às 13:01 · 25.01.2018 por
Filme oferece um olhar pelos bastidores do julgamento que culminou no impeachment da ex-presidente

“O Processo”, documentário de Maria Augusta Ramos, foi selecionado para a mostra Panorama do Festival de Berlim, um dos principais eventos cinematográficos do mundo, que acontece de 15 a 25 de fevereiro de 2018, na Alemanha. A diretora Maria Augusta Ramos estará presente na exibição que acontece dia 21 de fevereiro. O longa retrata o processo que culminou no impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff em 31 de agosto de 2016.

“Fico muito feliz com a seleção para o Festival de Berlim e para a Panorama, uma mostra que já exibiu grandes filmes. É um dos mais importantes festivais do mundo e que pode ajudar a aumentar a visibilidade do filme no exterior. É também uma forma de contribuir para a afirmação da cinematografia brasileira e chamar a atenção para o momento atual do país”, afirma a diretora Maria Augusta Ramos.

Diretora dos longas premiados “Futuro Junho” (2015), “Seca” (2015), “Juízo” (2013), “Morro dos Prazeres” (2013), “Justiça” (2004) e “Desi” (2000), em seu novo trabalho, Maria Augusta busca compreender e refletir sobre o atual momento histórico brasileiro. A diretora dá continuidade às abordagens desenvolvidas a partir do sistema judiciário do país na trilogia formada por “Justiça”, “Juízo” e “Morro dos Prazeres”.

Para realizar “O Processo”, Maria Augusta passou vários meses em Brasília, sua cidade natal, acompanhando cada passo do processo de impeachment, somando 450 horas de material filmado. Sem fazer entrevistas ou intervir nos acontecimentos, ela e sua equipe circularam por corredores do Congresso Nacional, filmaram coletivas de imprensa, registraram as votações na Câmara dos Deputados e no Senado e testemunharam bastidores nunca mostrados em noticiários.

“O Processo” oferece um olhar pelos bastidores do julgamento que culminou no impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff em 31 de agosto de 2016. O filme testemunha a profunda crise política e o colapso das instituições democráticas no país.

12:33 · 25.01.2018 / atualizado às 12:33 · 25.01.2018 por
Sexto filme da franquia estreia em julho no Brasil

Uma das franquias mais rentáveis do cinema anuncia a estreia do seu sexto longa em julho deste ano e acaba de ter o seu título “Missão: Impossível – Efeito Fallout”, revelado pelo protagonista e produtor Tom Cruise. O ator publicou a informação hoje em seu o perfil @tomcruise, recém-criado no Instagram.

As melhores intenções muitas vezes voltam para assombrá-lo. Em “Missão: Impossível – Efeito Fallout”, Ethan Hunt (Tom Cruise) e sua equipe do IMF (Alec Baldwin, Simon Pegg, Ving Rhames), na companhia de aliados conhecidos (Rebecca Ferguson, Michelle Monaghan), estão em uma corrida contra o tempo depois que uma missão dá errado. Henry Cavill, Angela Basset e Vanessa Kirby são as novidades do elenco, com Christopher McQuarrie de volta à direção.

O próximo filme da franquia estreia no dia 26 de julho.

10:59 · 23.01.2018 / atualizado às 16:36 · 23.01.2018 por
“A Forma da Água”, de Guillermo Del Toro

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas divulgou na manhã desta terça-feira (23) os indicados à 90ª edição do Oscar. “A Forma da Água”, de Guillermo Del Toro, encabeçou a lista com 13 indicações e se estabelece como front runner da premiação. “Dunkirk”, de Christopher Nolan, vem em segundo lugar, com oito indicações. A premiação acontece no dia 4 de março.

A Academia também concedeu um prêmio especial a “Carne y Arena”, de Alejandro González Iñarritu. A obra mistura realidade virtual e simbolismo para fazer com que o espectador viva a experiência dos imigrantes ilegais que cruzam a fronteira dos Estados Unidos com o México. O trabalho foi exibido no Festival de Cannes 2017. Quatro prêmios honorários também foram concedidos: Agnès Varda, Charles Burnett, Donald Sutherland e Owen Roizman.

Veja a lista completa dos indicados ao Oscar 2018:

Melhor Filme
A Forma da Água
Corra!
Dunkirk
Lady Bird: A Hora de Voar
Me Chame Pelo Seu Nome
O Destino de uma Nação
The Post: A Guerra Secreta
Trama Fantasma
Três Anúncios para um Crime

Melhor Diretor
Christopher Nolan (Dunkirk)
Greta Gerwig (Lady Bird: A Hora de Voar)
Guillermo Del Toro (A Forma da Água)
Jordan Peele (Corra!)
Paul Thomas Anderson (Trama Fantasma)

Melhor Atriz
Frances McDormand (Três Anúncios para um Crime)
Margot Robbie (Eu, Tonya)
Meryl Streep (The Post: A Guerra Secreta)
Sally Hawkins (A Forma da Água)
Saoirse Ronan (Lady Bird: A Hora de Voltar)

Melhor Ator
Daniel Day-Lewis (Trama Fantasma)
Daniel Kaluuya (Corra!)
Denzel Washington (Roman J. Israel, Esq.)
Gary Oldman (O Destino de uma Nação)
Timothée Chalamet (Me Chame Pelo Seu Nome)

Melhor Atriz Coadjuvante
Allison Janney (Eu, Tonya)
Laurie Metcalf (Lady Bird: A Hora de Voar)
Lesley Manville (Trama Fantasma)
Mary J. Blige (Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississipi)
Octavia Spencer (A Forma da Água)

Melhor Ator Coadjuvante
Christopher Plummer (Todo o Dinheiro do Mundo)
Richard Jenkins (A Forma da Água)
Sam Rockwell (Três Anúncios para um Crime)
Willem Dafoe (Projeto Flórida)
Woody Harrelson (Três Anúncios para um Crime)

Melhor Roteiro Original
A Forma da Água
Corra!
Doentes de Amor
Lady Bird: A Hora de Voar
Três Anúncios para um Crime

Melhor Roteiro Adaptado
A Grande Jogada
Logan
Me Chame Pelo Seu Nome
Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississipi
Artista do Desastre

Melhor Canção Original
Mystery of Love (Me Chame Pelo Seu Nome)
Remember Me (Viva – A Vida é uma Festa)
This is Me (O Rei do Show)
Stand up for Something (Marshall)
Mighty River (Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississipi)

Melhor Fotografia
A Forma da Água
Blade Runner 2049
Dunkirk
Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississipi
O Destino de uma Nação

Melhor Figurino
A Bela e a Fera
A Forma da Água
O Destino de uma Nação
Trama Fantasma
Victoria e Abdul: O Confidente da Rainha

Melhor Maquiagem e Cabelo
Extraordinário
O Destino de uma Nação
Victoria e Abdul: O Confidente da Rainha

Melhor Mixagem de Som
A Forma da Água
Blade Runner 2049
Dunkirk
Em Ritmo de Fuga
Star Wars: Os Últimos Jedi

Melhor Edição de Som
A Forma da Água
Blade Runner 2049
Dunkirk
Em Ritmo de Fuga
Star Wars: Os Últimos Jedi

Melhores Efeitos Visuais
Blade Runner 2049
Guardiões da Galáxia Vol. 2
Kong: A Ilha da Caveira
Planeta dos Macacos: A Guerra
Star Wars: Os Últimos Jedi

Melhor Design de Produção
A Bela e a Fera
A Forma da Água
Blade Runner 2049
Dunkirk
O Destino de uma Nação

Melhor Montagem
A Forma da Água
Dunkirk
Em Ritmo de Fuga
Eu, Tonya
Três Anúncios para um Crime

Melhor Trilha Sonora
A Forma da Água
Dunkirk
Star Wars: Os Últimos Jedi
Trama Fantasma
Três Anúncios para um Crime

Melhor Animação
Com Amor, Van Gogh
O Poderoso Chefinho
O Touro Ferdinando
The Breadwinner
Viva: A Vida é uma Festa

Melhor Documentário
Abacus: Small Enought to Jail
De Sidste Mænd i Aleppo
Strong Island
Viasages, Villages
Ícaro

Melhor Filme Estrangeiro
Corpo e Alma (Hungria)
Desamor (Rússia)
O Insulto (Líbano)
The Square: A Arte da Discórdia (Suécia)
Uma Mulher Fantástica (Chile)

Melhor Curta-Metragem (Ficção)
DeKalb Elementary
My Nephew Emmett
The Eleven O’Clock
The Silent Child
Watu Wote: All of Us

Melhor Curta-metragem (Animação)
Dear Basketball
Garden Party
Lou
Negative Space
Revolting Rhymes Part One

Melhor Curta-Metragem (Documentário)
Edith+Eddie
Heaven is a Traffic Jam on the 405
Heroin(e)
Knife Skills
Traffic Stop

Prêmio Especial: Carne y Arena, de Alejandro González Iñarritu
Prêmios Honorários: Agnès Varda, Charles Burnett, Donald Sutherland e Owen Roizman

10:15 · 22.01.2018 / atualizado às 10:21 · 22.01.2018 por
Mark Wahlberg foi indicado a pior ator por “Transformers: O Último Cavaleiro” e “Pai em Dose Dupla”

Como já virou costume, um dia antes das indicações ao Oscar acontece a divulgação dos indicados ao Framboesa de Ouro, que “premia” as piores produções do ano. “Transformers: O Último Cavaleiro” foi citado oito das nove categorias, enquanto “A Múmia” teve sete indicações. Completam a lista de piores do ano “Baywatch”, “Cinquenta Tons Mais Escuros” e “Emoji: O Filme”.

A atriz Jennifer Lawrence apareceu no Framboesa, pela atuação em “Mãe!”. Darren Aronofsky, que dirigiu o drama, também foi lembrado ao lado de Michael Bay, James Foley, Alex Kurtzman e Tony Leondis.

Os vencedores 38º Framboesa de Ouro serão anunciados no dia 3 de março.

Veja a lista completa de indicados:

PIOR FILME
Baywatch
Emoji: O Filme
Cinquenta Tons Mais Escuros
A Múmia
Transformers: O Último Cavaleiro

PIOR ATRIZ
Katherine Heigl (Paixão Obsessiva)
Dakota Johnson (Cinquenta Tons Mais Escuros)
Jennifer Lawrence (Mãe!)
Tyler Perry (Boo 2! A Madea Halloween)
Emma Watson (O Círculo)

PIOR ATOR
Tom Cruise (A Múmia)
Johnny Depp (Piratas do Caribe – A Vingança de Salazar)
Jamie Dornan (Cinquenta Tons Mais Escuros)
Zac Efron (Baywatch)
Mark Wahlberg (Pai em Dose Dupla 2 e Transformers: O Último Cavaleiro)

PIOR ATOR COADJUVANTE
Javier Bardem (Mãe! e Piratas do Caribe – A Vingança de Salazar)
Russell Crowe (A Múmia)
Josh Duhamel (Transformers: O Último Cavaleiro)
Mel Gibson (Pai em Dose Dupla 2)
Anthony Hopkins (Collide e Transformers: O Último Cavaleiro)

PIOR ATRIZ COADJUVANTE
Kim Basinger (Cinquenta Tons Mais Escuros)
Sofia Boutella (A Múmia)
Laura Haddock (Transformers: O Último Cavaleiro)
Goldie Hawn (Viagem das Loucas)
Susan Sarandon (Perfeita é a Mãe 2)

PIOR COMBO
Qualquer combinação de dois personagens, brinquedos sexuais ou posições sexuais (Cinquenta Tons Mais Escuros)
Qualquer combinação entre dois humanos, dois robôs ou duas explosões (Transformers: O Último Cavaleiro)
Qualquer encontro de dois emojis (Emoji: O Filme)
Johnny Depp e seu estilo bêbado de atuar (Piratas do Caribe – A Vingança de Salazar)
Tyler Perry e qualquer vestido velho ou peruca ruim (Boo 2! A Madea Halloween)

PIOR REFILMAGEM/CÓPIA/SEQUÊNCIA
Baywatch
Boo 2! A Madea Halloween
Cinquenta Tons Mais Escuros
A Múmia
Transformers: O Último Cavaleiro

PIOR DIRETOR
Darren Aronofsky (Mãe!)
Michael Bay (Transformers: O Último Cavaleiro)
James Foley (Cinquenta Tons Mais Escuros)
Alex Kurtzman (A Múmia)
Tony Leondis (Emoji: O Filme)

PIOR ROTEIRO
Baywatch
Emoji: O Filme
Cinquenta Tons Mais Escuros
A Múmia
Transformers: O Último Cavaleiro

14:21 · 17.01.2018 / atualizado às 14:21 · 17.01.2018 por

Premiado pelo júri oficial do Festival do Rio 2016 como Melhor Documentário, “A Luta do Século” conta a lendária rivalidade entre os boxeadores nordestinos Luciano “Todo Duro” Torres de Pernambuco e Reginaldo “Holyfield” Andrade da Bahia, dois ídolos do esporte na década de 90, que hoje vivem fragilizados pela extrema pobreza após toda uma era de estrelato.

A disputa entre eles colocou em pé de guerra Bahia e Pernambuco nos anos 90. Durante mais de 20 anos, os dois se odiaram tanto que não podiam dividir o mesmo espaço sem se agredir. Eles se enfrentaram 6 vezes, com 3 vitórias para cada lado. Durante as filmagens, os inimigos, já com mais de 50 anos, resolveram se enfrentar pela última vez.

A estreia está marcada para 15 de março nos cinemas brasileiros.

14:53 · 15.01.2018 / atualizado às 14:53 · 15.01.2018 por
Premiado longa brasileiro “Aquarius” está no catálogo

Filmes vencedores de Oscar, premiados nos festivais de Cannes, Berlim e Veneza e aclamados pela crítica. São alguns dos pré-requisitos dos 500 longas disponíveis no iTunes até dia 31 de janeiro por apenas R$ 2,90 o aluguel. Agora com preços em Real, o iTunes traz catálogo de filmes independentes de todos os gêneros e para todos os gostos. Veja alguns destaques abaixo:

EU, DANIEL BLAKE, de Ken Loach
Vencedor da Palma de Ouro em 2016, o premiado longa britânico conta a história de um senhor que é obrigado a parar de trabalhar por conta de um problema de saúde, mas se vê forçado a procurar emprego quando seu auxílio é interrompido. Na busca por trabalho, ele conhece uma mãe solteira, vivida pela atriz Hayley Squires, que também não possui condições financeiras para se manter, e eles passam a se ajudar.

DEMÔNIO DE NEON, de Nicolas Winding Refn
Concorrente à Palma de Ouro de Cannes, em 2016, o filme apresenta Jesse (Elle Fanning), uma aspirante a modelo que se muda para Los Angeles para tentar a sorte na carreira, mas acaba cercada por um grupo de mulheres obcecadas sua beleza que farão de tudo para conseguir o que Jesse tem.

AZUL É A COR MAIS QUENTE, de Abdellatif Kechiche
Premiado em Cannes em 2013, o longa conta a história de Adèle (Adèle Exarchopoulos), que descobre sua primeira paixão por outra mulher aos 15 anos de idade. Sem poder assumir esse desejo, ela se entrega por completo a este amor secreto, enquanto enfrenta problemas com sua família.

AQUARIUS, de Kleber Mendonça Filho
O filme tem Sonia Braga no papel principal de “Clara”, uma escritora e jornalista aposentada, viúva, mãe de três filhos adultos. Ela é moradora do edifício Aquarius, o último de estilo antigo na beira mar do bairro de Boa Viagem, no Recife. Dona de um apartamento repleto de discos e livros, ela irá enfrentar as investidas de uma construtora que tem outros planos para aquele terreno: demolir o Aquarius e dar lugar a um novo empreendimento. Dona do seu passado, do seu presente e do seu futuro, esse conflito dará a Clara uma energia nova à sua vida.

AMOR, de Michael Haneke
Vencedor do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro de 2013 e da Palma de Ouro em Cannes, em 2012, o filme conta a história do casal octogenário George e Anne. Eles são pessoas cultas, professores de música aposentados. Um dia, Anne sofre um pequeno derrame. Quando sai do hospital e volta para casa, ela está paralisada de um lado e o amor que une o casal será posto à prova.

EU, MAMÃE E OS MENINOS, de Guillaume Gallienne
Exibido na Quinzena dos Realizadores de Cannes, o filme conta a história de Guillaume, que, quando era criança, sua mãe autoritária sempre pensou que ele fosse diferente dos irmãos, e decidiu criá-lo como uma garota.

MARGUERITE, de Xavier Giannoli
O filme é inspirado na história real de Florence Foster Jenkins, conhecida como “a pior soprano do mundo”. Nos anos 1920, a rica Marguerite Dumont (Catherine Frot) está convencida de que tem uma belíssima voz e organiza vários concertos privados em sua mansão. Ela é muito apreciada pela generosidade e pelas belas festas, mas ninguém tem coragem de dizer que Marguerite canta incrivelmente mal.

DE PALMA, de Noah Baumbach e Jake Paltrow
Exibido nos festivais de Veneza, de Nova York e do Rio, o filme traça um perfil do diretor, numa discussão pessoal e sincera com o próprio, abordando não só a sua vida e carreira, como também sua abordagem singular à arte do cinema e suas experiências marcantes no mercado cinematográfico, desde o começo, quando era conhecido como o bad boy da nova Hollywood, até os dias mais recentes, já reconhecido como um dos mais respeitados veteranos em atuação.

A GRANDE BELEZA, de Pablo Sorrentino
Vencedor do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro de 2014, o filme conta a história do jornalista Jep Gambardella, que fez parte da suntuosa vida noturna de Roma por décadas, transformando-se, desde o sucesso de seu único romance, em uma figura dos círculos literários e sociais. Ao completar 65 anos, ele faz uma análise de sua vida.

ADEUS À LINGUAGEM, de Jean-Luc Godard
Um homem e uma mulher dividem a intimidade em uma casa onde mora também um cachorro. Ela é casada, mas não há qualquer informação sobre sua vida fora daquele local. Os dois conversam sobre a questão a linguagem sob o ponto de vista filosófico, enquanto o cão observa a tudo.

LAVOURA ARCAICA, de Luiz Fernando Carvalho
O clássico do cinema nacional, que colecionou mais de 49 prêmios internacionais por onde passou, conta a história de André (Selton Mello), um jovem desgarrado da família e decidido a sair de casa para se livrar da rigidez do pai (Raul Cortez) e do sufocamento da mãe (Juliana Carneiro da Cunha). Com a missão de trazer o irmão de volta, Pedro (Leonardo Medeiros) consegue convencê-lo a retornar para casa anos depois, mas o que parece ser o desfecho de uma história torna-se o começo quando André se apaixona por sua irmã (Simone Spoladore).

“Medianeras” (2011), de Gustavo Taretto

Outros destaques:

“Brooklin” (2015), de John Crowley, recebeu três indicações ao Oscar, entre elas de Melhor Atriz e Melhor Filme.
“Club Sandwich” (2013), comédia mexicana de Fernando Eimbcke
“Cinco Graças” (2016), de Deniz Gamze, filme francês também indicado ao Oscar de Filme Estrangeiro.
Com Cate Blanchett “Conspiração e Poder” e “Carol” (2016), de Todd Haynes, filme que lhe rendeu mais uma indicação ao Oscar de Melhor Atriz em 2016.
“Mia Madre” (2015), de Nanni Moretti, com John Turturro e Margherita Buy.
“Táxi Teerã” (2015), de Jafar Panahi, vencedor do Urso de Ouro de Berlim.
“Suíte Francesa” (2014), de Saul Dibb, com Michelle Williams e Matthias Schoenaerts.
“O Garoto de Liverpool” (2010), de Sam Taylor-Johnson, sobre John Lennon
“O Sal da Terra” (2015), de Win Wenders e Juliano Ribeiro Salgado, ganhou prêmio especial em Cannes e foi indicado ao Oscar.
“Hoje eu Não Quero Voltar Sozinho” (2014), de Daniel Ribeiro, filme aclamado pela crítica, vencedor do festival de Berlim.
“Que Mal Eu Fiz a Deus?” (2014), de Philippe de Chauveron com Christian Clavier, Chantal Lauby
“Enquanto Somos Jovens” (2015), de Noah Baumbach, com Naomi Watts e Ben Stiller.
“Medianeras” (2011), de Gustavo Taretto, considerado o melhor filme argentino de 2011.
“O Pequeno Nicolau” (2010), de Laurent Tirard, filme sucesso de crítica e de público.
“A Fita Branca” (2010), de Michael Haneke, vencedor da Palma de Ouro em Cannes.
“A Separação” (2011), de Asghar Farhadi, aclamado pela crítica, ganhou o Oscar de Melhor filme estrangeiro em 2012.
“Dois Dias, Uma Noite” (2015), de Jean-Pierre e Luc Dardenne, longa rendeu a Marion Cortillard a indicação ao Oscar de Melhor Atriz.
“Ida” (2014), de Rebecca Lenkiewicz e Pawel Pawilikowski, ganhou o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 2015.
“Las Acacias” (2013), de Pablo Giorgelli, vencedor do Camera D’or em Cannes, 2013.
“Leviatã” (2015), de Andreï Zviaguintsev, filme russo que ganhou o Globo de Ouro em 2015 e foi indicado ao Oscar.
“O Leitor” (2009), de Stephen Daldry, rendeu a Kate Winslet o Oscar de Melhor Atriz em 2010.
“Labirinto de Mentiras” (2014), de Giulio Ricciarelli, ficção sobre um jovem procurador que descobre uma grande rede de conspiração entre empresas e o governo.
Filme nacional “Mundo Cão” (2016), de Marcos Jorge, Babu Santana, Lazaro Ramos e Adriana Esteves.
“California” (2015) dirigido por Marina Person, com trilha sonora de David Bowie, The Cure e Titãs.
O filme de terror “Demon” (2016), de Marcin Wrona, aclamado pela crítica nacional e estrangeira.
“Paulina” (2014) polêmico filme argentino, dirigido por Santiago Mitre e produzido pelo brasileiro Walter Salles.
“O Abraço da Serpente” (2015), indicado ao Oscar 2016 na categoria Melhor Filme Estrangeiro, filme colombiano de Ciro Guerra.
“Um Dia Perfeito” (2016), de Fernando Léon de Aranoa, com Benicio Del Toro.
“A Ovelha Negra” (2015), de Grímur Hákonarson, comédia dramática aclamada pela crítica internacional.
“Código de Conduta” (2009), de F. Gary Gray, traz Jamie Foxx e Gerard Butler como protagonistas.
“A Terra e a Sombra” (2015), de César Acevedo, um drama colombiano sobre um pai que volta para casa após 17 anos para ajudar o filho doente. Vencedor do Camera D’or em Cannes.
“Uma Nova Amiga” (2015), filme do premiado diretor François Ozon.
“Novíssimo Testamento” (2014) um dos filmes mais comentados do ano, circulou pela lista de melhores do ano de muitos críticos e cinéfilos brasileiros e internacionais.
Serviço:
Disponível até dia 31 de janeiro
iTunes (aluguel R$ 2,90/ compra R$ 7,90)

A partir da versão 10.3.1 do iOS, os filmes alugados ficam disponíveis para serem assistidos em todos os dispositivos associados a seu ID Apple, ou seja, o aluguel pode ser feito no iPhone e o longa-metragem ser assistido na Apple TV, iPad ou um PC com o iTunes instalado, por exemplo. Depois de alugar um filme, você tem até 30 dias para começar a assisti-lo. Após começar a assistir a um filme alugado, você terá 48 horas para terminar de assisti-lo. Você pode assistir ao filme quantas vezes quiser até que esse prazo de dois dias expire.

14:11 · 15.01.2018 / atualizado às 14:11 · 15.01.2018 por

A Escola Pública de Audiovisual da Vila das Artes lança inscrição para mais uma oficina gratuita do Programa de Férias, nesta segunda-feira (15/01). Intitulada “O Som no Audiovisual”, a oficina será ministrada pela professora Catarina Apolonio, com duração de 20 horas/aula. Esta é a sétima oficina lançada pelo Programa de Férias, em menos de dois meses. Todas as suas atividades são gratuitas.

O curso pretende ensinar os alunos a como pensar e planejar o som como elemento narrativo no audiovisual, além de apresentar questões mais técnicas, como o trabalho com a equipe de som no set de gravações (funções e relações); escolha e uso dos equipamentos; e catalogação e armazenamento do material sonoro. A carga horária das aulas será metade expositiva e metade prática.

Catarina Apolonio é formada em Comunicação Social pela Universidade Federal de Pernambuco (2005) e especialização em Som Para Cinema e TV pela Escuela Internacional de Cine y Television – Cuba (2007 a 2010). É Técnica de Gravação e Operação de Áudio do Instituto de Cultura e Arte da Universidade Federal do Ceará e profissional freelancer em edição e finalização de som e imagem em toda a América Latina.

As inscrições da nova oficina vão até o dia 25 de janeiro, com resultados divulgados no dia 26 do mesmo mês. O Programa de Férias ainda conta com inscrição abertas para os cursos “Incentivo à Criação de Mostras e Festivais” e “Fragmentos de Imagens e Sons que Estimulam nossos Sentidos”, além de mais quatro oficinas finalizadas ou em andamento.

Mais informações:

Incentivo à Criação de Mostras e Festivais com Lis Kogan (10h/a)
Em uma época marcada pelo acesso direto e quase irrestrito aos filmes, em que plataformas de vídeo online e equipamentos de exibição caseira dominam a cultura do audiovisual, qual o sentido de se realizar uma mostra ou festival? A oficina propõe o debate sobre conceitos de programação, possibilidades de recorte e motivações para se elaborar uma mostra ou festival. Lis Kogan é graduada em Cinema pela Universidade Federal Fluminense. Desde 2002 trabalha com programação e difusão do cinema brasileiro em geral, e do cinema brasileiro contemporâneo em particular. Programou o Festival Internacional de Curtas do RJ – Curta Cinema por quatro edições, e em 2009 fundou com outros curadores e cineastas a Semana dos Realizadores, cuja direção geral e artística assumiu de 2011 a 2016.
Data: 22 a 24/01
Horário: 9h às 12h
Link: http://bit.ly/2AhMQon
Período de inscrições: 03/01 a 18/01
Resultado: 19/01
Vagas: 25

Fragmentos de Imagens e Sons que Estimulam nossos Sentidos com Ivo Lopes (20h/a)
A oficina busca fazer uma análise dos elementos que compõem as cenas, como cada elemento está posto e o que ele proporciona em conjunto com os demais. Destrinchar a cena (todas as camadas do som e da imagem). Ivo Lopes é diretor de fotografia e membro do coletivo cearense Alumbramento, trabalha também como diretor, roteirista e produtor.
Data: 22 a 26/01
Horário: 14h às 18h
Link: http://bit.ly/2lRVc0u
Período de inscrições: 03/01 a 18/01
Resultado: 19/01
Vagas: 25

O Som no Audiovisual, com Catarina Apolonio (20h/a)
O curso pretende ensinar os alunos a como pensar/planejar o som como elemento narrativo no audiovisual, além de apresentar questões mais técnicas, como por exemplo: trabalho com a equipe de som no set de gravações (funções e relações); escolha e uso dos equipamentos; catalogação e armazenamento do material sonoro. A carga horária das aulas será metade expositiva e metade prática. Catarina Apolonio formada em Comunicação Social pela UFPE (2005) e especialização em Som Para Cinema e TV pela EICTV-Cuba (2007 a 2010). É Técnica de Gravação e Operação de Áudio do ICA/UFC e profissional freelancer em edição e finalização de som e imagem em toda a América Latina.
Data: 29/01 a 02/02
Horário: 14h às 18h
Link: http://bit.ly/2EJDioL
Período de inscrições: 15/01 a 25/01
Resultado: 26/01
Vagas: 25

10:59 · 12.01.2018 / atualizado às 10:59 · 12.01.2018 por
“Rifle”, de Davi Pretto, foi eleito o melhor longa-metragem gaúcho

Foram divulgados hoje os melhores de 2017 na opinião dos associados da ACCIRS – Associação dos Críticos de Cinema do Rio Grande do Sul. E o grande vencedor foi o documentário  “No Intenso Agora”, de João Moreira Salles, que foi eleito o melhor filme brasileiro do ano. Já o melhor filme estrangeiro foi o alemão “Toni Erdmann”, de Maren Ade.

Os críticos gaúchos escolheram também as melhores produções realizadas no Rio Grande do Sul. O melhor longa do ano foi “Rifle”, de Davi Pretto, enquanto que o melhor curta foi “Secundas”, de Cacá Nazário. Por fim, foi apontado como Destaque Gaúcho do ano o Programa de Alfabetização Audiovisual, que irá receber o Prêmio Luiz César Cozatti. A Associação dos Críticos de Cinema do Rio Grande do Sul completa, em 2018, dez anos de existência, e agrega mais de 40 profissionais da crítica cinematográfica.

Melhores Filmes de 2017 segundo a ACCIRS

Melhor Longa-metragem Brasileiro
“No Intenso Agora”, de João Moreira Salles (40,5% dos votos)
“Como Nossos Pais”, de Laís Bodanzky (37,8% dos votos)
“Bingo: O Rei das Manhãs”, de Daniel Rezende (18,9% dos votos)

Melhor Longa-metragem Estrangeiro
“Toni Erdmann”, de Maren Ade (43,2% dos votos)
“Dunkirk”, de Christopher Nolan (29,7% dos votos)
“Mãe!”, de Darren Aronofsky (21,6% dos votos)

Melhor Longa-metragem Gaúcho
“Rifle”, de Davi Pretto (48,6% dos votos)
“Mulher do Pai”, de Cristiane Oliveira (37,8% dos votos)
“Cidades Fantasmas”, de Tyrell Spencer (8,1% dos votos)

Melhor Curta-metragem Gaúcho
“Secundas”, de Cacá Nazario (43,2% dos votos)
“Mãe dos Monstros”, de Julia Zanin de Paula (35,1% dos votos)
‘Yomared”, de Lufe Bollini (10,8% dos votos)

Destaque Gaúcho – Prêmio Luiz César Cozatti
Programa de Alfabetização Audiovisual (77,8% dos votos)
Projeto Raros (14,8% dos votos)
30 Anos da Casa de Cinema de Porto Alegre (7,4% dos votos)