Busca

10:30 · 25.07.2017 / atualizado às 10:30 · 25.07.2017 por

“O Matador” é o primeiro longa-metragem brasileiro original desenvolvido pela Netflix. O longa irá narrar a história de Cabeleira (Diogo Morgado), um temido matador do Estado de Pernambuco. Ele foi criado por um cangaceiro local chamado Sete Orelhas (Deto Montenegro), que o encontrou abandonado quando bebê, e cresceu no sertão completamente isolado da civilização.

Após o desaparecimento de Sete Orelhas, Cabeleira, agora adulto, vai a cidade procurá-lo e acaba encontrando uma cidade sem lei, governada pelo tirânico Monsieur Blanchard (Etienne Chicot), um francês que domina o mercado de pedras preciosas e anteriormente empregava Sete Orelhas como seu matador.

Escrito e dirigido por Marcelo Galvão, “O Matador” é parte da seleção oficial do Festival de Gramado e concorre como melhor filme brasileiro. O longa está previsto para ser lançado no fim do ano.

Com informações da Folhapress.

14:33 · 19.07.2017 / atualizado às 14:33 · 19.07.2017 por

Com lançamento mundial marcado para 2 de novembro, a Universal Pictures divulgou o primeiro trailer do thriller “Boneco de Neve”, longa inspirado no bestseller de Jo Nesbø, que vendeu mais de 20 milhões de cópias em todo o mundo sendo comparado ao sucesso “Silêncio dos Inocentes”, pelo jornal inglês The Guardian.

Com direção de Tomas Alfredson, a produção conta a história de um detetive (Michael Fassbender, de “Shame”) que, ao investigar o desaparecimento de uma vitima na primeira neve do inverno, passa a relacionar o assassinato a um serial killer. Com a ajuda de uma recruta (Rebecca Fergunson, de “A Garota no Trem”), o policial ligará casos arquivados de décadas atrás com o novo crime na esperança de desvendar o mistério antes da próxima nevasca.

Filmado inteiramente na Noruega, nas cidades de Oslo, Bergen e na região de Rjukan, “Boneco de Neve” traz também Charlotte Gainsbourg (“Ninfomaníaca”) e J.K. Simmons (“Whiplash”) no elenco.

12:22 · 18.07.2017 / atualizado às 12:22 · 18.07.2017 por

Com previsão de estreia para 10 de agosto, o longa-metragem “Malasartes e o Duelo com a Morte”, de Paulo Morelli, é a produção com o maior número de efeitos especiais da história do cinema brasileiro, tendo mais de 50% das cenas geradas por computação. O vídeo mostra o antes e o depois de algumas cenas, revelando o processo de transformação por qual passam desde sua concepção, passando pela filmagem, com os atores atuando em fundo verde, até o resultado final.

A O2 Pós, empresa do grupo O2 Filmes, mobilizou uma equipe de pós-produção com mais de 100 profissionais durante cerca de dois anos e contou com recursos sofisticados para dar cabo de contar essa historia, que se passa em dois mundos: o rural, onde vive o protagonista Malasartes (Jesuíta Barbosa, de “Tatuagem”), e o mágico, lar da tão temida Morte (Julio Andrade, de “Redemoinho”).

Foi preciso recriar esse mundo mágico inteiro com efeitos especiais, após as filmagens. A princípio íamos fazer os personagens voarem, mas senti a necessidade de ousar um pouco mais e fomos inserindo efeitos visuais”, explica Morelli, que também assina o roteiro e começou a idealizar a trama há 30 anos, em uma pesquisa sobre folclore brasileiro.

“Já nesse primeiro momento, eu tive a ideia do que seria a essência do filme: o Malasartes, que tem fama de ser o cara mais esperto, tenta enganar a tão temida Morte. Na época, seria impossível fazer esse mundo mágico, mas hoje em dia, a tecnologia já permite avançar e fazer efeitos especiais sofisticados. Foi um grande desafio, nunca tinha sido feito nada parecido na O2, nem no Brasil”, conta o diretor.

Curiosamente, as primeiras imagens que servem de base para os efeitos especiais são pinturas, realizadas no papel. “O diretor tem o briefing e tudo que ele imaginou vira pinturas, onde a gente começa a analisar como será cada cena. Esses desenhos são mostrados inclusive no set de filmagem, e servem para reconstruirmos tudo no computador na pós-produção”, comenta o supervisor de efeitos visuais da O2 Pós, Ricardo Bardal.

À primeira vista, a inserção dos efeitos especiais pode parecer um processo simples, acrescentando apenas alguns elementos no material que foi filmado. Mas é um trabalho complexo, que inclui cenas feitas inteiramente em computação gráfica, transformação dos atores reais em dublês digitais idênticos, recriação de cenários, entre outras etapas. “Uma cena rodada com fundo verde, por exemplo, para ser planejada envolve muitos profissionais, desde o conceito. Luz, cor, modelagem, textura, enfim, cada elemento desses tem um especialista ou uma equipe responsável”, afirma Bardal.

O trabalho da pós-produção se complementa ao da direção de arte.”Os cenários que filmamos do mundo encantado são pedacinhos pequenos que simplesmente cobrem a ação dos atores. O grande vale das velas, as montanhas e todo esse mundo foi feito em computação gráfica”, comenta o diretor de arte Tulé Peake.

10:57 · 17.07.2017 / atualizado às 10:57 · 17.07.2017 por
Filme inédito em Fortaleza foi feito com baixo orçamento, por meio de financiamento coletivo

A terceira edição do Cine Rebuceteio, cineclube mensal que exibe filmes brasileiros contemporâneos inéditos em Fortaleza, exibirá o longa-metragem “Um Homem Sentado no Corredor” (2017), dirigido por Felipe André Silva, representante da nova safra de cineastas pernambucanos. A sessão gratuita acontece nesta segunda (17), às 19h, no Cinema do Dragão, e será seguida de debate com o diretor.

Felipe André Silva se destaca pelo interesse em uma narrativa mais livre e experimental, uma abordagem pouco explorada pelo atual cinema produzido de Pernambuco. Conhecido por “Santa Monica”, seu primeiro longa, gravado completamente em um smartphone, Felipe retorna aos longas-metragens com um estudo sobre o lugar da performance e da interpretação em nossas vidas.

Pautado sob três principais linhas narrativas coexistentes, “Um Homem Sentado no Corredor” propõe uma reflexão sobre as relações sociais cotidianas como objetos de performance. Através do silêncio, dos olhares, dos espaços geográficos e dos espaços emocionais, o filme investiga quais seriam os limites entre o universo do ator, do palco, do set, e a sua vida além da arte.

10:51 · 17.07.2017 / atualizado às 10:51 · 17.07.2017 por
Gal Gadot e Chris Pine estrelam a aventura

Com atuação em mais de 40 cidades de 16 estados brasileiros, a sessão CineMaterna de julho exibirá o blockbuster “Mulher-Maravilha” (dublado) nesta terça-feira, às 14h,  no Cinépolis do Shopping RioMar Kennedy, em Fortaleza. A sessão é voltada às mães com bebês de até 18 meses mais um acompanhante adulto (sujeito à lotação da sala). Os pais também são bem-vindos.

Na CineMaterna tudo é preparado especialmente para que mães e bebês sintam-se confortáveis durante a exibição do filme. As salas contam com iluminação especial, com som e ar condicionado suaves; e ainda dispõem de trocadores abastecidos com fraldas, pomadas e lenços umedecidos, que podem ser usados gratuitamente.

As mamães contam também com um tapete emborrachado próximo à tela para os bebês que já andam ou engatinham e um ‘estacionamento’ improvisado de carrinhos de bebê. Mães voluntárias recepcionam o público e estão prontas para ajudar em caso de necessidade.

Em “Mulher-Maravilha”, a guerreira Diana nunca saiu da paradisíaca ilha em que é reconhecida como princesa das Amazonas. Quando o piloto Steve Trevor se acidenta e cai numa praia do local, ela descobre que uma guerra sem precedentes está se espalhando pelo mundo e decide deixar sua casa certa de que pode parar o conflito. Lutando para acabar com todas as lutas, Diana percebe o alcance de seus poderes e sua verdadeira missão na Terra.

16:46 · 15.07.2017 / atualizado às 16:46 · 15.07.2017 por

Sensual e brutal, Charlize Theron (“Mad Mad: Estrada da Fúria”) encarna a agente do MI6 Lorraine Broughton em “Atômica”, com estreia marcada para 31 de agosto nos cinemas brasileiros. Em vídeo inédito, a atriz comenta sobre as sequências de luta do filme e sobre a preparação intensa que teve por semanas. Para assistir, clique aqui.

“Tive professores incríveis que foram incrivelmente pacientes comigo […] Desde o começo, ficou bem claro como eu iria lutar. Como uma mulher realmente conseguiria lutar e não quebrar todos os ossos do punho?”, diz Charlize sobre o treinamento antes das filmagens.

Confiante de que a atriz suportaria bem o processo e os ensaios de luta, David Leitch – responsável pela coordenação de dublês de filmes como “John Wick” – explica que alterou as diretrizes da equipe ao perceber a habilidade de Charlize com as cenas: “Mudei as coordenadas da equipe de coreografia para irem com tudo, elevarem o nível, fazerem tomadas mais longas e movimentos mais complexos porque ela consegue fazer 20 movimentos sem cortes”. Para o diretor, ela é uma das poucas atrizes que fazem as próprias cenas de ação e complementa: “Ela é durona!”.

A trama traz uma agente disposta a enfrentar qualquer desafio e a usar todas as suas habilidades para sobreviver à uma missão impossível. Após a queda do muro de Berlim, Lorraine Broughton, a assassina mais brutal do MI6 é enviada a cidade para recuperar um dossiê de valor inestimável. Ela se une ao chefe da estação local, David Percival (James McAvoy, de “Fragmentado”) e se envolve em um jogo letal de espiões.

A produção é uma combinação de ação e suspense baseada na série de quadrinhos da Oni Press, “The Coldest City”, de Antony Johnston, ilustrado por Sam Hart.

16:34 · 15.07.2017 / atualizado às 16:39 · 15.07.2017 por
David Gilmour, guitarrista, saxofonista, compositor e vocalista da banda inglesa Pink Floyd

Foi divulgado o trailer oficial, em inglês, do show “David Gilmour: Live In Pompeii”, que terá exibição única no Brasil nos cinemas da rede UCI no dia 13 de setembro (quarta-feira), às 20h.

Por apenas uma noite, mais de duas mil salas em todo o mundo exibirão o histórico filme-concerto de David Gilmour, guitarrista, saxofonista, compositor e cantor, vocalista da banda inglesa Pink Floyd e considerado um dos maiores músicos de todos os tempos. Gravado no ano passado, “David Gilmour: Live In Pompeii” será exibido em 84 telas de cinema de todo o Brasil, incluindo algumas projeções com definição 4k.

O show marca o retorno do guitarrista a Pompeia, na Itália, onde em 1971 ele gravou o clássico “Pink Floyd Live At Pompeii”.  Com 125 minutos de duração, o espetáculo audiovisual conta com imagens inseridas especialmente para o show e inclui lasers e pirotecnias que acompanham as músicas.

Estão no repertório títulos dos seus dois álbuns mais recentes: “Rattle That Lock” e “On An Island”, e clássicos do Pink Floyd, como “Wish You Were Here”, “Comfortably Numb” e “One of These Days”, a única música que também foi apresentada no show do Pink Floyd em 1971. Um dos pontos altos do show é “The Great Gig In The Sky”, do álbum “’The Dark Side Of The Moon”, que ele raramente toca.

Depois do show do Pink Floyd em 1971, David Gilmour foi o único artista a se apresentar no anfiteatro, construção épica e palco de lutas de gladiadores na Roma Antiga. “David Gilmour: Live In Pompeii” constitui os melhores destaques dos dois shows, filmados em 4K pelo diretor Gavin Elder. Esse tipo de projeção gera uma imagem com muito mais brilho, nitidez e profundidade.

O filme-concerto tem classificação indicativa de 16 anos. Os ingressos custam R$ 40 (inteira) e já podem ser adquiridos no Ingresso.com.

13:59 · 13.07.2017 / atualizado às 13:59 · 13.07.2017 por

A Warner Bros. Pictures divulgou o novo trailer de “Tempestade – Planeta Em Fúria”, que tem estreia prevista para 19 de outubro no Brasil. O vídeo traz novas cenas da catástrofe que assola o planeta Terra e mais detalhes da história.

Depois de uma série de desastres naturais sem precedentes ameaçar o planeta, os líderes mundiais se unem para criar uma rede complexa de satélites para controlar o clima mundial e manter todos em segurança. Porém, agora, algo deu errado – o sistema criado para proteger a Terra passou a atacá-la, dando início a uma corrida contra o tempo para descobrir a verdadeira ameaça, antes que uma tempestade de proporções globais devaste tudo e todos em seu caminho.

Dean Devlin (roteirista/produtor, “Independence Day: O Ressurgimento”) faz sua estreia como diretor de longas-metragens no suspense estrelado por Gerard Butler (“Invasão à Casa Branca”), Jim Sturgess (“A Viagem”), Abbie Cornish (“Sem Limites”), Alexandra Maria Lara (“Rush – No Limite da Emoção”), Daniel Wu (“O Homem com Punhos de Ferro”) e com os indicados ao Oscar Ed Harris (“As Horas”) e Andy Garcia (“O Poderoso Chefão 3”).

12:34 · 13.07.2017 / atualizado às 12:34 · 13.07.2017 por

Lançado em algumas capitais brasileiras hoje (13), o documentário “A Luta de Steve” também alinhou sua estreia em vídeo sob demanda pelo NOW (NET e Claro HDTV), possibilitando que outras cidades que ficaram fora do circuito oficial, como Fortaleza, possam assistir ao filme.

“A Luta de Steve” conta a história de Steve Gleason, ex-jogador de futebol americano que em 2011, aos 34 anos, foi diagnosticado com esclerose lateral amiotrófica, uma doença neuro degenerativa. Com a estimativa de viver somente cinco anos de vida, o herói da NFL tornou-se um exemplo de superação e determinação na luta contra a doença.

O documentário foi indicado ao Grand Jury Prize no Sundance Film Festival e ganhou o Audience Award no SXSW Film Festival.

14:02 · 11.07.2017 / atualizado às 14:03 · 11.07.2017 por
“As Duas Irenes” integra competitiva de longas brasileiros

A 45ª edição do Festival de Cinema de Gramado apresenta, entre os dias 17 e 26 de agosto, os contrastes de um cinema brasileiro e latino-americano que, em constante transformação, entrelaça tradição e contemporaneidade.

A proposta do constante diálogo entre as diferentes expressões do fazer cinematográfico está diretamente refletida na mostra competitiva de longas-metragens brasileiros, que, formada inteiramente por títulos inéditos, traz, em primeira mão no circuito nacional, produções brasileiras que viajaram internacionalmente por festivais como Berlim e Cannes, ao mesmo tempo em que realiza a estreia mundial de obras que escolheram Gramado como sua plataforma de lançamento.

Além disso, o diálogo com as novas possibilidades de exibição audiovisual se aprimora: é na Serra Gaúcha que acontece a primeira exibição do primeiro filme Original Netflix produzido no Brasil, “O Matador”, de Marcelo Galvão.

Abrindo a programação de longas do está “João, o Maestro”, do diretor Mauro Lima (“Tim Maia”, “Meu Nome Não é Johnny”), que será exibido hors-concours no dia 18 de agosto. Estrelado por Alexandre Nero, o filme é baseado na vida do pianista brasileiro João Carlos Martins, um dos poucos músicos a gravar a obra completa de Bach.

Filmes em Competição

LONGAS-METRAGENS BRASILEIROS
“A Fera na Selva” (RJ), de Paulo Betti, Eliane Giardini e Lauro Escorel
“As Duas Irenes” (SP), de Fábio Meira
“Bio” (RS), de Carlos Gerbase
“Como Nossos Pais” (SP), de Laís Bodanzky
“O Matador” (PE), de Marcelo Galvão
“Não Devore Meu Coração!” (RJ), de Felipe Bragança
“Pela Janela” (Brasil/Argentina), de Caroline Leone

LONGAS-METRAGENS ESTRANGEIROS
“Los Niños” (Chile/Colômbia/Holanda/França), de Maite Alberdi
“Pinamar” (Argentina), de Federico Godfrid
“El Sereno” (Uruguai), de Oscar Estévez & Joaquín Mauad
“Sinfonía para Ana” (Argentina), de Virna Molina e Ernesto Ardito
“El Sonido de las Cosas” (Costa Rica), de Ariel Escalante
“La Ultima Tarde” (Peru), de Joel Calero
“X500” (Colômbia/Canadá/México), de Juan Andrés Arango

CURTAS-METRAGENS BRASILEIROS
“#feique” (RJ), de Alexandre Mandarino
“A Gis” (SP), de Thiago Carvalhaes
“Cabelo Bom” (RJ), de Swahili Vidal
“Caminho dos Gigantes” (SP), de Alois Di Leo
“Mãe dos Monstros” (RS), de Julia Zanin de Paula
“Médico de Monstro” (SP), de Gustavo Teixeira
“O Espírito do Bosque” (SP), de Carla Saavedra Brychcy
“O Quebra-cabeça de Sara” (RJ), de Allan Ribeiro
“O Violeiro Fantasma” (GO), de Wesley Rodrigues
“Objeto/Sujeito” (SP), de Bruno Autran
“Postergados” (SP), de Carolina Markowicz
“Sal” (SP), de Diego Freitas
“Tailor” (RJ), de Calí dos Anjos
“Telentrega” (RS), de Roberto Burd

CURTAS-METRAGENS GAÚCHOS (Prêmio Assembleia Legislativa)
“10 Segundos” (Canoas), de Thiago Massimino
“1947” (Porto Alegre), de Giordano Gio
“Através de Ti” (Santa Cruz do Sul), de Diego Tafarel
Bicha Camelô” (Pelotas), de Wagner Previtali
“Cores de Bissau” (Porto Alegre), de Maurício Canterle
“Gestos” (Porto Alegre), de Alberto Goldim e Júlia Cazarré
“Kátharsis” (Caxias do Sul), de Mirela Kruel
“Luna 13” (Porto Alegre), de Filipe Barros
“Mãe dos Monstros” (Porto Alegre), de Julia Zanin de Paula
“Secundas” (Porto Alegre), de Cacá Nazario
“Sena, Os Fios em Prosa” (Porto Alegre), de Marcelo da Rosa Costa e Cacá Sena
“Sob Águas Claras e Inocentes” (Porto Alegre)”, de Emiliano Cunha
“Solito” (Porto Alegre), de Eduardo Reis
“Telentrega” (Porto Alegre), de Roberto Burd