Busca

Categoria: Cinema Cearense


12:38 · 18.08.2017 / atualizado às 12:40 · 18.08.2017 por

II Mostra Sesc de Cinema está com inscrições abertas para produções cinematográficas até o dia 1º de outubro de 2017 pelo site oficial. A Mostra avalia obras já prontas, curtas e longas-metragens de produtores nacionais, divulgando trabalhos em todo o Brasil.

A avaliação dos trabalhos é realizada por uma comissão formada por profissionais e especialistas das áreas de cultura e de cinema que escolhem, além dos melhores trabalhos, os destaques de cada categoria: melhor roteiro, filme, direção de fotografia, desenho de som, direção de arte, direção de elenco, montagem, atriz e ator.

A seleção dos trabalhos é dividida em duas fases: a primeira vai exibir os filmes selecionados de cada estado e definir aqueles que concorrerão na segunda etapa de seleção, para participar da Mostra Nacional, que será composta por 30 filmes, sendo dois longas-metragens e quatro curtas-metragens de cada região do país.

Incentivando a propagação de iniciativas culturais, a Mostra contribui para o lançamento de artistas de todo País e, como prêmio, os classificados para a segunda fase assinam um contrato de licenciamento para exibição pública nos projetos do Sesc, em âmbito estadual. A visibilidade é ainda maior para os escolhidos para a Mostra Nacional, que assinam um contrato de licenciamento para exibição pública em todo o Brasil.

12:58 · 14.08.2017 / atualizado às 12:58 · 14.08.2017 por

A sétima edição do FestCine Maracanaú – Festival de Cinema Digital e Novas Mídias está com inscrições abertas para as mostras competitivas de Longas e Curtas-Metragens e serão recebidas até o dia 15 de novembro através do site oficial. O evento homenageia nesta edição a atuação da mulher na cinematografia, valorizando seus trabalhos em diversas áreas do audiovisual.

As produções inscritas participarão da seleção para serem exibidas em suas mostras competitivas de longas e curtas metragens, Mostra Rodolfo Teófilo e Mostra Novas Mídias. O7º FestCine Maracanaú – Festival de Cinema Digital e Novas Mídias acontecerá de 21 a 25 de novembro, no Cineteatro Dorian Sampaio, em Maracanaú, Ceará. Além das mostras competitivas o festival também promoverá palestras e seminários durante o evento.

Podem ser inscritos filmes e vídeos de estados, de cidades do estado do Ceará, municípios brasileiros e também qualquer país, produzidos a partir de 2014, finalizados no formato digital. Para a Mostra Rodolfo Teófilo, podem ser inscritos filmes e vídeos de realizadores da Região Metropolitana de Fortaleza, com duração de até 20 minutos.

12:50 · 12.08.2017 / atualizado às 12:56 · 14.08.2017 por
Longa argentino se destaca em festival cearense

O longa-metragen argentino “Ninguém Está Olhando”, dirigido por Julia Solomonoff, foi eleito o Melhor Filme da Mostra Competitiva Ibero-americana de Longa-metragem do 27° Cine Ceará – Festival Ibero-americano de Cinema, encerrado na noite desta sexta-feira, 11 de agosto, no Cineteatro São Luiz, em Fortaleza. O longa leva para casa o prêmio em dinheiro no valor de 10 mil dólares e o Troféu Mucuripe nesta e em mais duas categorias: Melhor Ator para Guillermo Pfening e Melhor Montagem para Andrés Tamborino, Karen Sztanjberg e Pablo Barbieri.

A coprodução Cuba/França “Santa e Andrés”, escrita e dirigida por Carlos Lechuga, faturou dois troféus no festival, Melhor Atriz para Lola Amores e Melhor Roteiro para Lechuga. Já o prêmio de Melhor Direção foi para Fernando Pérez por “Últimos Dias em Havana”, longa que também leva para casa o troféu de Melhor Fotografia para Raúl Pérez Ureta.

O chileno “Uma Mulher Fantástica”, de Sebastián Lelio, conquistou os prêmios de Melhor Trilha Sonora Original para Matthew Herbert, e Melhor Som para Isaac Moreno. Já o brasileiro “Malasartes e o Duelo com a Morte”, de Paulo Morelli, venceu na categoria Direção de Arte, assinada por Tulé Peake.

Na Mostra Competitiva Brasileira de Curta-Metragem, “Festejo Muito Pessoal”, de Carlos Adriano, ficou com o prêmio de Melhor Filme. Os demais agraciados foram: “Memórias do Subsolo ou o Homem que Cavou até Encontrar uma Redoma”, de Felipe Camilo, venceu na categoria Melhor Roteiro; Estevão Meneguzzo foi eleito Melhor Diretor por “Valentina”; e “Caleidoscópio”, de Natal Portela, como Melhor Produção Cearense.

A Mostra Olhar do Ceará, composta por 23 curtas cearenses, teve como Melhor Curta eleito pelo júri oficial “A Lenda Cotidiana”, de Bárbara Moura e S. de Sousa.

PREMIADOS

Mostra Competitiva Ibero-americana de Longa-metragem:
Melhor Longa-metragem – Ninguém está olhando, de Julia Solomonoff
Melhor Direção – Últimos dias em Havana – Fernando Pérez
Melhor Fotografia – Últimos dias em Havana – Raúl Pérez Ureta
Melhor Montagem – Ninguém está olhando – Andrés Tamborino, Karen Sztanjberg e Pablo Barbieri.
Melhor Roteiro – Santa e Andrés – Carlos Lechuga
Melhor Som – Uma mulher fantástica – Isaac Moreno
Melhor Trilha Sonora – Uma mulher fantástica – Matthew Herbert
Melhor Direção de Arte – Malasartes e o Duelo com a Morte – Tulé Peake
Melhor Ator – Ninguém está olhando – Guillermo Pfening
Melhor Atriz – Santa e Andrés – Lola Amores
Prêmio da Crítica (Abraccine) – Ninguém está olhando, de Julia Solomonoff

Mostra Competitiva Brasileira de Curta-metragem:
Melhor Curta-metragem – Festejo Muito Pessoal, de Carlos Adriano
Melhor Direção – Valentina – Estevão Meneguzzo e André Félix.
Melhor Roteiro – Memórias do subsolo ou o homem que cavou até encontrar uma redoma, de Felipe Camilo.
Melhor Produção Cearense – Caleidoscópio, de Natal Portela
Prêmio da crítica (Abraccine) – Filó a fadinha Lésbica, de Sávio Leite

Mostra Olhar do Ceará:
Melhor Curta-metragem – A Lenda Cotidiana, de Bárbara Moura e S. de Sousa

Prêmio Olhar Universitário:
Melhor Curta-metragem – Simbiose, de Júlia Morim
Melhor Longa-metragem – Últimos dias em Havana, de Fernando Pérez

PRÊMIOS ESPECIAIS

Troféus Samburá:
Melhor Curta-metragem – Valentina, de Estevão Meneguzzo e André Félix
Melhor Diretor – Vando Vulgo Vedita, de Andreia Pires e Leonardo Mouramateus

Prêmio Unifor de Audiovisual:
Melhor Curta-metragem – A Lenda Cotidiana, de Bárbara Moura e S. de Sousa

Prêmio CiaRio:
Curta-metragem Brasileiro – Festejo Muito Pessoal, de Carlos Adriano

Prêmio Mistika (Masterização em DCP)
Melhor Produção Cearense da Mostra Competitiva Brasileira de Curta-metragem –
Caleidoscópio, de Natal Portela
Melhor Curta-metragem da Mostra Olhar do Ceará – A lenda cotidiana, de Bárbara Moura e S. de Sousa

Prêmio Aquisição Canal Brasil:
Melhor filme da Mostra Competitiva Brasileira de Curta-metragem (R$ 15.000,00) – Memórias do subsolo ou o homem que cavou até encontrar uma redoma, de Felipe Camilo

Mostra Curta Cocó:
Melhor Curta-metragem – O que é Parque do Cocó?, de Marilia Alencar

18:58 · 31.07.2017 / atualizado às 18:59 · 31.07.2017 por
Curta-metragem “Jonas Banhado em Sangue”, de Mateus Bandeira, é um dos 23 filmes cearenses que concorrem ao Prêmio Unifor de Audiovisual

A Universidade de Fortaleza (Unifor) vai conceder pelo segundo ano consecutivo o Prêmio Unifor de Audiovisual ao melhor curta-metragem da Mostra Olhar do Ceará, que faz parte da programação do 27º
Cine Ceará – Festival Ibero-Americano de Cinema, que acontecerá de 5 a 11 de agosto, em Fortaleza.

O Prêmio Unifor de Audiovisual é no valor de R$ 5.000,00 e tem o objetivo de incentivar os jovens realizadores cearenses. Ano passado, o grande vencedor do prêmio foi a obra “Antes da Encanteria”, dirigida coletivamente por Lívia de Paiva, Paulo Victor Soares, Gabriela Pessoa, Elena Meirelles e Jorge Polo.

Concorrem ao Prêmio Unifor de Audiovisual 23 filmes de curta-metragem selecionados para a Mostra Olhar do Ceará, criada na edição de 1999 como espaço para ver e discutir o audiovisual cearense. São dez filmes de ficção, nove documentários e quatro produções experimentais. Além do Prêmio Unifor, a melhor obra eleita pelo júri receberá também o Troféu Mucuripe. A exibição dos filmes acontecerá no Cinema do Dragão, entre os dias 7 e 10 de agosto, às 14h30, sempre com entrada gratuita.

A coordenadora do curso Cinema e Audiovisual da Unifor, professora Bete Jaguaribe, ressalta que o encontro do mais antigo festival do Ceará e a primeira graduação de Cinema do estado é uma parceria inspiradora e importantíssima para o fortalecimento do campo audiovisual cearense. “O Prêmio Unifor é uma iniciativa que se insere neste propósito de contribuir com os processos de invenção e formação audiovisual. A premiação de curtas dá visibilidade ao momento inicial da trajetória do realizador. É um momento importantíssimo, que nos interessa enquanto Universidade, porque é revelador de processos de criação”, frisa.

A curadoria da Mostra Olhar do Ceará desse ano foi realizada por André Bloc, Beatriz Saldanha, Camila Vieira, Diego Benevides e Érico Araújo Lima, membros da Associação Cearense de Críticos de Cinema (Aceccine), e buscou expressar uma heterogeneidade de formas e desejos na relação com o cinema.

16:11 · 10.07.2017 / atualizado às 16:29 · 10.07.2017 por
Cineasta Glauber Filho

O cineasta cearense Glauber Filho (“Bezerra de Menezes – O Diário de um Espírito”) iniciou as gravações de seu novo projeto, intitulado “Bate Coração”, nesta segunda-feira (10), em Fortaleza. A comédia de costumes gira em torno de um transplante de coração. A produção abre espaço para um saudável debate com leveza a respeito da conscientização ​para a doação de órgãos ​como forma de melhorar a realidade dos transplantes no País​ e salvar vidas.

Com distribuição da Downtown Filmes, “Bate Coração” apresenta dois núcleos narrativos. O primeiro do publicitário Sandro, interpretado pelo ator André Bankoff, e o segundo tem à frente Isadora, uma travesti interpretada pelo ator Aramis Trindade.

Sandro, com 40 anos, é solteiro e “metido” a conquistador, só pensa em trabalho e aproveitar a boa vida. O personagem apresenta uma série de preconceitos, mas tenta dissimulá-los por meio de uma postura politicamente correta. Heterossexual, Sandro prova a todo custo a sua virilidade de macho que se apaixona por sua médica de transplante, doutora Cláudia.

Já Isadora é uma travesti de aproximadamente 50 anos e dona de um salão de beleza localizado na periferia. Isadora já é vivida, passou por vários obstáculos na vida e conseguiu vencê-los sem perder sua dignidade.

Na noite de Ano Novo, Sandro sofre um ataque do coração e precisa fazer um transplante de urgência e acaba recebendo o coração de Isadora, que ​havia morrido poucos momentos antes, na mesma noite​, vítima de um acidente. Após o transplante, Isadora, em espírito e contra sua vontade, passa a seguir os passos do publicitário. Enquanto isso, Sandro passa a perceber algumas mudanças de comportamento e tenta se envolver com a doutora Cláudia.

15:29 · 29.06.2017 / atualizado às 15:29 · 29.06.2017 por
“Superdance”, de Pedro Henrique, é um dos selecionados

O 27° Cine Ceará – Festival Ibero-Americano de Cinema selecionou 23 filmes de curta-metragem para a Mostra Olhar do Ceará, criada na edição de 1999 como um espaço para ver e discutir o audiovisual cearense. Dentre os selecionados, são dez filmes de ficção, nove documentários e quatro produções experimentais. A melhor obra eleita pelo júri receberá o Troféu Mucuripe. O Cine Ceará acontece de 5 a 11 de agosto em Fortaleza e as exibições da Mostra Olhar do Ceará acontecerão no Cinema do Dragão.

A curadoria da mostra Olhar do Ceará nesta edição foi composta por André Bloc, Beatriz Saldanha, Camila Vieira, Diego Benevides e Érico Araújo Lima, membros da Associação Cearense de Críticos de Cinema. A composição curatorial teve por motivação fundamental expressar uma heterogeneidade de formas e desejos na relação com o cinema.

“Dentro da nossa aposta, elaborar essa curadoria consiste menos em estabelecer uma espécie de crivo valorativo do que em desenhar uma paisagem atravessada pelas diferenças constituintes dos cinemas feitos no Ceará”, explicam em texto assinado conjuntamente. “Tentamos possibilitar a uma comunidade de espectadores o encontro com filmes que nos interrogam constantemente sobre caminhos possíveis junto às formas cinematográficas e sobre múltiplas maneiras de engajamento no presente”, continuam.

Selecionados da Mostra Olhar do Ceará do 27º Cine Ceará:

A Lenda Cotidiana – Bárbara Moura e S. de Sousa. Documentário. HD. 11’38”. Cor. CE. 2016. Livre.
Ao Mar – Esaú Pereira Barbosa. Ficção. HD. 9′. Cor. CE. 2017. Livre
Atalanta – Fernanda Brasileiro e Hylnara Vidal. Experimental. HD. 11’40”. Cor. CE. 2017. Livre.
Candeias – Reginaldo Farias e Ythallo Rodrigues. Documentário. HD. 19′. Cor. CE. 2017. Livre.
Close – Rosane Gurgel. Documentário. HD. 20′. Cor. CE. 2016. Livre.
Estudos de Vertigem – Indira Brígido. Experimental. HD. 7′. Cor. CE. 2016. Livre.
Fôlego – Kamille Costa. Ficção. HD. 19′. Cor. CE. 2017. 16 anos.
Guiana Francesa – Edmilson Filho e Olavo Junior. Ficção. HD. 19′. Cor. CE. 2017. 14 anos.
Iracema – Francisco Carneiro. Ficção. HD. 16’19”. Cor. CE. 2016. Livre.
Jonas Banhado em Sangue – Mateus Bandeira. Ficção. HD. 18’30”. Cor. CE. 2016. 16 anos.
Lugar nenhum – Wesley Guerreiro. Experimental. HD. 12’55”. Cor. CE. 2016. 14 anos.
Maria Auxiliadora – Natália Maia. Ficção. HD. 11’26”. Cor. CE. 2016. Livre.
O Céu Desaba – Mariana Gomes. Documentário. HD. 8’09”. Cor. CE. 2016. Livre.
O Dia do Silêncio – Clébson Oscar. Documentário. HD. 12′. Cor. CE. 2017. Livre.
O Vigia – Priscila Smiths e P.H.Diaz. Ficção. HD. 19’53”. Cor. CE. 2016. 16 anos.
Ossuário Diogo Braga e Thales Luz. Experimental. HD. 10’43”. Cor. CE. 2016. Livre.
Projeto Raízes – Jamylle Cavalcante e Rafaela Batista. Documentário. HD. 21′. Cor. CE. 2016. 12 anos.
Rastros – Sabina Colares e Samarkandra Pimentel. Documentário. HD. 19’34. Cor. CE. 2016. Livre.
Sintera – Fellipe Farias. Documentário. HD. 11’38”. Cor. CE. 2017. Livre.
Sítio Veiga – Carla Moreira. Documentário. HD. 11′. Cor. CE. 2016. Livre.
Soturna – Léia Ávila. Ficção. HD. 12′. Cor. CE. 2017. Livre.
Superdance – Pedro Henrique. Ficção. HD. 20′. Cor. CE. 2016. Livre.
Voar – Cesar Teixeira. Ficção. HD. 13’13”. Cor. CE. 2017. 14 anos.

12:40 · 26.06.2017 / atualizado às 12:48 · 26.06.2017 por
“Malasartes e o Duelo com a Morte”, de Paulo Morelli, integra a competição de longas

Sete longas-metragens ibero-americanos e 14 curtas brasileiros compõem a Mostra Competitiva principal do 27º Cine Ceará – Festival Ibero-americano de Cinema, que acontece de 5 a 11 de agosto em Fortaleza.

Entre os destaques estão o longa o chileno “Uma Mulher Fantástica”, de Sebastián Lelio, que conquistou o Urso de Prata de roteiro e o Prêmio Teddy no Festival de Berlim; “Malasartes e o Duelo com a Morte”, de Paulo Morelli, superprodução da O2 Filmes com o maior número de efeitos especiais da história do cinema no País, com Jesuíta Barbosa, Isis Valverde, Julio Andrade, Leandro Hassum e Vera Holtz no elenco; e “Pedro Sob a Cama”, de Paulo Pons, com Letícia Sabatella e Fernando Alves Pinto.

Cinco curtas-metragens cearenses estão na seleção oficial: “A Balada do Sr. Watson”, de Firmino Holanda; “Caleidoscópio”, de Natal Portela; “Do Que Se Faz de Conta”, de Amanda Pontes e Michelline Helena; “Memórias do Subsolo ou o Homem que Cavou até Encontrar uma Redoma”, de Felipe Camilo, e “Vando Vulgo Vedita”, de Andréia Pires e Leonardo Mouramateus.

Em breve será divulgada a lista de selecionados da Mostra Olhar do Ceará, que reunirá apenas produções cearenses.

Mostra Competitiva Ibero-americana de Longa-metragem:

“Malasartes e o Duelo com a Morte” – Paulo Morelli. Ficção. 110min. Brasil. 2017 (Première Mundial)
“Ninguém Está Olhando” – Julia Solomonoff. Ficção. 102min. Argentina. 2017 (Première Brasil)
“O Homem que Cuida” – Alejandro Andújar. Ficção. 85 min. República Dominicana/Porto Rico/Brasil. 2017 (Première Brasil)
“Pedro Sob a Cama” – Paulo Pons. Ficção. 100 min. Brasil. 2017 (Première Brasil)
“Santa e Andrés” – Carlos Lechuga. Ficção. 105 min. Cuba/França. 2016 (Première Brasil)
“Últimos Dias em Havana” – Fernando Pérez. Ficção. 93 min. Cuba/Espanha. 2017 (Première Brasil)
“Uma Mulher Fantástica” – Sebastián Lelio. Ficção. 100 min. Chile. 2017  (Première Brasil)

Mostra Competitiva Brasileira de Curta-metragem:

“A Balada do Sr. Watson” – Firmino Holanda. Documentário. 21 min. Ceará. 2017
“Algo do que Fica” – Benedito Ferreira. Ficção. 23min. Goiás. 2017
“Caleidoscópio” – Natal Portela. Ficção. 18min. Ceará. 2017
“Do Que Se Faz De Conta” – Amanda Pontes, Michelline Helena. Ficção. 16min. Ceará. 2016
“Festejo Muito Pessoal” – Carlos Adriano. Experimental. 8 min. São Paulo. 2017
“Fogo Selvagem” – Diogo Hayashi. Ficção. 18min. São Paulo. 2017
“Manual” – Letícia Simões. Documentário. 07min. Rio de Janeiro. 2016
“Mehr Licht!” – Mariana Kaufman. Experimental. 10min. Rio de Janeiro. 2017
“Memórias do Subsolo ou o Homem que Cavou até Encontrar uma Redoma” – Felipe Camilo. Documentário. 11min. Ceará. 2017
“O Estacionamento” – William Biagioli. Ficção. 16 min. Paraná. 2016
“Simbiose” – Júlia Morim. Documentário. 20min. Pernambuco. 2017
“Valentina” – Estevão Meneguzzo. Ficção. 17min. Rio de Janeiro. 2017
“Vando Vulgo Vedita” – Andréia Pires e Leonardo Mouramateus. Ficção. 20 min. Ceará. 2017
“Vênus – Filó, a Fadinha Lésbica” – Sávio Leite. Animação. 06 min. Minas Gerais. 2017

09:42 · 26.06.2017 / atualizado às 09:42 · 26.06.2017 por
Serão exibidos 11 filmes em três dias, entre eles “Do Outro Lado do Atlântico”

Promovendo a difusão da produção cinematográfica nacional, tem início na segunda-feira (26) mais uma edição da Mostra Sesc de Cinema no Ceará. O evento acontece no Teatro Sesc Iracema e, em três dias, exibe 11 produções cearenses. A entrada no evento é gratuita e a programação inicia às 19h.

Na noite de abertura, além da exibição do longa “Do Outro Lado do Atlântico” (2015, Documentário, 90min), acontece a entrega de certificados para os filmes destaques (melhor roteiro, filme, direção de fotografia, desenho de som, direção de arte, direção de elenco, montagem, atriz e ator).

As produções cearenses selecionadas para a etapa estadual da Mostra Sesc de Cinema concorreu em edital para a participação na etapa regional, obtendo um contrato de licenciamento para exibição pública.

PROGRAMAÇÃO

26/6 – 19h
Do Outro Lado do Atlântico (2015, Documentário, 90min)
Direção: Márcio Câmara e Daniele Ellery
Classificação: Livre

27/6 – 19h
Matraca (2016, Documentário, 17min)
Direção: Ted Rafael, David Aguiar, George Frota e Sabina Colares
Classificação: Livre

Retratos de Um Retalho (2016, Experimental, 13min)
Direção: Harley Almeida
Classificação: 12 anos

Candeias (2016, Documentário, 19min)
Direção: Reginaldo Farias e Ytallho Rodrigues
Classificação: Livre

Máquina de Um Tempo (2015, Documentário, 23min)
Direção: Ângela Gurgel e Marcelo Alves
Classificação: Livre

Jurema – Terra de Pescador (2014, Documentário, 23min)
Direção: Ângela Gurgel
Classificação: 10 anos

28/6 – 19h
Da Janela Lateral (2015, Videoarte, 16min)
Direção: Natércia Rocha
Classificação: Livre

Rastros (2015, Documentário, 19min)
Direção: Sabina Colares e Somarkandra Pimentel
Classificação: Livre

Peleja no Sertão (2015, Animação, 14min)
Direção: Fábio Miranda
Classificação: 10 anos

Todos os Sentidos (2015, Documentário, 19min)
Direção: Fabrício Alves
Classificação: Livre

O Homem que Virou Armário (2015, Drama, 22min)
Direção: Marcelo Ikeda
Classificação: Livre

14:11 · 14.06.2017 / atualizado às 14:11 · 14.06.2017 por
O curta-metragem “Rosinha”, de Gui Campos, foi o vencedor entre as ficções

Uma semana após adentrar as ruas de areia de Jericoacoara, movimentando a cidade no ritmo da sétima arte, chegou ao fim, nesta terça-feira (13), o VI Festival de Jericoacoara Cinema Digital.  Ao longo da Mostra Competitiva, 30 curtas-metragens foram exibidos, com representantes de 13 estados. O troféu Pedra Furada foi concedido em 14 categorias. Os grandes premiados da noite foram:

Melhor Ficção: Rosinha, de Gui Campos
Melhor Documentário: Botes Bastardos, de Pedro Cela
Melhor Animação: Salu e o Cavalo Marinho, de Cecília Da Fonte
Melhor Experimental: Matiz, de Jackson Abacatu
Melhor Direção de Arte: O menino do dente de ouro, de Rodrigo Sena
Melhor Montagem: Abissal, de Arthur Leite
Melhor Ator: Inácio Magalhães de Sena, o Sêo Inácio, Hélio Ronyvon
Melhor Diretor: Abissal, de Arthur Leite
Melhor Fotografia: Retratos da Alma, de Léo Bello
Melhor Desenho de Som: Canta Um Ponto, de Luciana Dayrell e João Paulo Silveira
Melhor Roteiro: Rosinha, de Gui Campos
Melhor Atriz: Priscilla Vilela, por O menino do dente de ouro
Melhor Trilla Sonora: A ilha das crianças, de Zeca Ferreira
Prêmio CEPIMA, melhor filme dos estados do Ceará, Piauí e Maranhão: Botes Bastardos
Prêmio Especial do Júri: Maria Alice Vergueiro, por “Rosinha”, pela contribuição ao cinema Brasileiro dentro da trajetória de pesquisa de composição de personagens emblemáticos.
Menção Honrosa: Pesquisa do Canta Um Ponto

09:08 · 05.06.2017 / atualizado às 09:14 · 05.06.2017 por
O premiado curta-metragem “Rosinha”, de Gui Campos, integra a competição desse ano

O VI Festival de Jericoacoara Cinema Digital começa nesta quarta-feira, 7 de junho, seguindo até o dia 13, em Jericoacoara, com entrada gratuita em toda a programação e reunindo em sua mostra competitiva 30 curtas-metragens de realizadores de 13 estados brasileiros.

Além de seguir com a proposta de revelar o melhor do novo cinema brasileiro, abrindo espaço a cineastas independentes, a edição deste ano será marcada por uma homenagem a um dos maiores clássicos do cinema brasileiro em todos os tempos: o filme “Terra em Transe”, de Glauber Rocha, produção que completa 50 anos.

Ao longo do festival, os filmes serão apreciados por um júri composto por nomes de destaque no audiovisual. Receberão o Troféu Pedra Furada as obras escolhidas pelo júri como as melhores em cada categoria: ficção, documentário, animação e experimental.

Também receberá o troféu a melhor produção dos estados Ceará, Piauí e Maranhão, em homenagem à chamada “Rota das Emoções”, que se inicia em Jericoacoara-CE, passa pelo Delta do Parnaíba-PI e se estende até os Lençóis Maranhenses. O festival destinará troféus aos vencedores dos quesitos melhor filme, direção, roteiro, fotografia, trilha original e direção de arte, além dos prêmios para melhor ator e melhor atriz.

Filmes em competição da edição VI:
A Chegada de Aninha, de Rosa Berardo (Animação, GO)
A Dança de Julia, de Igor Lopes (Experimental, PE)
A Fuga, de Douglas Alves Ferreira (Animação, SP)
Abissal, de Arthur Leite (Documentário, CE)
Atenciosamente, Saudade, de Edson Pereira (Experimental, CE)
Botes Bastardos, de Pedro Cela (Documentário, CE)
Candeias, de Felipe Wenceslau e Augusto Pessoa (Documentário, BA)
Canta um Ponto, de Luciano Dayrell e João Paulo Silveira (Documentário, RJ)
Dilema de Carpideira, de Philipe Ribeiro (Ficção, CE)
Ilha das Crianças, de Zeca Ferreira (Ficção, RJ)
Leblon Marista, de Fabrício Cordeiro e Luciano Evangelista (Documentário, GO)
Louça de Deus, de Eudaldo Monção (Documentário, BA)
Luiza, de Caio Baú (Documentário, PR)
Matiz, de Jackson Abacatu (Animação, SP)
Memórias do Cine Argus, de Edivaldo Moura (Documentário, PA)
Meu Rio Vermelho, de Rafael Irineu (Documentário, MT)
Negro Lá, Negro Cá, de Eduardo Cunha (Documentário, CE)
No que me toca, de Cecília Engels (Ficção, SP)
O Menino do Dente de Ouro, de Rodrigo Sena (Ficção, RN)
Os Olhos de Arthur, de Allan Deberton (Ficção, CE)
Psiu!, de Antônio Carrilho (Documentário, PE)
Retratos da Alma, de Leo Belo (Documentário, DF)
Rosinha, de Gui Campos (Ficção, DF)
Salu e o Cavalo Marinho, de Cecilia da Fonte (Animação, PE)
Segundos, de Camila Cruz (Ficção, SP)
Sêo Inácio (Ou o Imaginário do Cinema), de Helio Ronyvon (Documentário, RN)
Sertãozinho, de Rosana Nunes (Documentário, CE)
Shala, de João Inácio (Ficção, PA)
Símile, de Julio César Mahr (Experimental, GO)
Tatuagem Deni, de Armedi Mustafa (Documentário, AM)