Busca

Tag: Abraccine


09:35 · 16.03.2017 / atualizado às 09:35 · 16.03.2017 por
“Cabra Marcado para Morrer”, de Eduardo Coutinho, ocupou o primeiro lugar

Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine) realizou uma pesquisa entre os críticos associados e convidados para eleger os melhores documentários brasileiros já lançados até hoje. “Cabra Marcado para Morrer” (1984), de Eduardo Coutinho, conquistou o primeiro lugar.

A pesquisa também mostrou que Coutinho é o mais importante realizador do gênero no país, ao ter três de suas obras entre as cinco melhores produções documentais. “Jogo de Cena” (2007) e “Edifício Master” (2002) ficaram em segundo e quarto lugares, respectivamente.

“A escolha por ‘Cabra Marcado’ não é uma surpresa. O que chama a atenção é essa forte presença de Coutinho, tão significativa que hoje podemos afirmar, sem receio, que sua obra paira muito acima do restante da produção nacional”, analisa Paulo Henrique Silva, presidente da Abraccine.

Outros filmes de Eduardo Coutinho entre os 100 melhores são “Santo Forte” (1999), na 19ª colocação, “Peões” (2004), na 33ª, “O Fim e o Princípio” (2005), na 52ª, “Moscou” (2009), na 80ª, “As Canções” (2011), na 84ª.

O levantamento é o ponto de partida para o livro “Documentário Brasileiro – 100 Filmes Essenciais”, que será lançado no segundo semestre de 2017 pela Abraccine, em conjunto com o Grupo Editorial Letramento.

A pesquisa levou em consideração filmes de diversas épocas e duração. “Ilha das Flores” (1989), de Jorge Furtado, é o curta mais bem colocado, na quinta posição. “Di” (1977), de Glauber Rocha, chegou em nono, e “Aruanda” (1959), de Linduarte Noronha, em décimo.

O trabalho mais antigo presente na lista é “São Paulo, Sinfonia da Metrópole” (1929), de Adalberto Kemeny e Rudolf Rex Lustig, em 28º lugar. Ao todo, foram citados 649 documentários nacionais.

Paulo Henrique assinala que a pesquisa comprova um embaçamento da fronteira entre documentário e ficção, ao surgiram filmes que nitidamente recorrem a expedientes ficcionais, como “Branco Sai, Preto Fica”, de Adirley Queirós, e “O Céu Sobre os Ombros”, de Sérgio Borges.

 

LISTA COMPLETA
1. Cabra Marcado para Morrer
2. Jogo de Cena
3. Santiago
4. Edifício Master
5. Serras da Desordem
6. Ilha das Flores
7. Notícias de uma Guerra Particular
8. Ônibus 174
9. Di
10. Aruanda
11. O Prisioneiro da Grade de Ferro
12. O País de São Saruê
13. Viramundo
14. ABC da Greve
15. Jango
16. Garrincha, Alegria do Povo
17. Imagens do Inconsciente
18. Estamira
19. Santo Forte
20. Janela da Alma
21. Conterrâneos Velhos de Guerra
22. A Opinião Pública
23. Martírio
24. Cidadão Boilensen
25. Entreatos
26. Maioria Absoluta
27. Nós que Aqui Estamos por Vós Esperamos
28. São Paulo – Sinfonia da Metrópole
29. Uma Noite em 67
30. Corumbiara
31. Elena
32. Justiça
33. Peões
…. Cinema Novo (2016)
35. A Música Segundo Tom Jobim
36. Memória do Cangaço
37. Arraial do Cabo
38. O Poeta do Castelo
39. Que Bom Te Ver Viva
40. A Paixão de JL
41. Terra Deu, Terra Come
42. Carro de Bois
43. Socorro Nobre
44. Mato Eles?
45. Lixo Extraordinário
46. A Cidade É uma Só?
47. Soy Cuba, o Mamute Siberiano
48. Os Anos JK – Uma Trajetória Política
49. Tudo É Brasil
50. Iracema, uma Transa Amazônica
51. Loki – Arnaldo Baptista
52. O Fim e o Princípio
53. Nelson Freire
54. Doméstica
…. Braços Cruzados, Máquinas Paradas
56. Dzi Croquettes
57. Brasília – Contradições de uma Cidade Nova
58. Triste Trópico
59. O Dia que Durou 21 Anos
60. Simonal – Ninguém Sabe o Duro que Dei
61. Pan Cinema Permanente
62. Diário de uma Busca
63. Theodorico, o Imperador do Sertão
64. Os Dias com Ele
65. Um Passaporte Húngaro
66. Mataram Meu Irmão
67. Juízo
68. Pacific
…. Branco Sai, Preto Fica
70. Maranhão 66
71. No Paiz das Amazonas
72. Cássia Eller
73. Linha de Montagem
74. Nelson Cavaquinho
75. O Porto de Santos
76. O Mercado de Notícias
77. Vinícius
78. Orestes
79. Glauber, o Filme – Labirinto do Brasil
80. Moscou
…. Andarilho
82. O Céu sobre os Ombros
83. 33
84. As Canções
85. Os Doces Bárbaros
86. Já Visto Jamais Visto
…. Esta Não É a Sua Vida
88. Raul – O Início, o Fim e o Meio
89. Subterrâneos do Futebol
90. Wilsinho Galileia
91. O Tigre e a Gazela
92. A Alma do Osso
93. Hércules 56
94. Mr. Sganzerla – Os Signos da Luz
95. Homem Comum
96. As Hiper Mulheres
97. Lacrimosa
98. Imagens do Estado Novo 1937-1945
99. Nem Tudo É Verdade
100. Bethânia Bem de Perto

11:56 · 16.01.2017 / atualizado às 13:08 · 16.01.2017 por
Livro reúne textos críticos dos 100 filmes mais importantes do cinema brasileiro
Livro reúne textos críticos dos 100 filmes mais importantes do cinema brasileiro

O Cinema do Dragão-Fundação Joaquim Nabuco promove, nos dias 17 e 18 de janeiro, dois encontros para refletir sobre cinema, especialmente sobre a produção nacional. O primeiro acontece no dia 17, a partir das 16h, na Sala 1, com a exibição de “Eles Não Usam Black Tie” (1981). Após a sessão, será feito o lançamento oficial do livro “Os 100 Melhores Filmes Brasileiros”. O encontro continua às 19h30, com a exibição de “São Bernardo” (1972), seguida de debate com críticos locais que participaram da publicação: Ailton Monteiro, Daniel Herculano, Diego Benevides, Marcelo Ikeda e Pedro Martins Freire, além do crítico pernambucano Luiz Joaquim.

O livro foi idealizado pela Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine) em parceria com o Canal Brasil e a editora Letramento. De confecção luxuosa, em formato de livro de arte e fartamente ilustrada, a publicação reúne textos dos mais importantes críticos e estudiosos de cinema em atividade sobre os filmes que mais se destacaram na história de nossa cinematografia, sem distinção de período, gênero ou metragem.

São 100 autores, entre associados da entidade criada em 2011 e convidados, que buscaram um viés ensaístico, resultando em análises que certamente se tornarão referência no estudo dos filmes selecionados, partindo de “Limite”, a mais antiga produção presente na lista, lançada em 1931. A escolha dos filmes teve como base uma votação promovida pela Abraccine em 2016.

Entre os que têm suas obras analisadas no livro estão Glauber Rocha, Leon Hirszman, Nelson Pereira dos Santos, Eduardo Coutinho, Paulo Cezar Saraceni, Rogério Sganzerla, Anselmo Duarte, Joaquim Pedro de Andrade, Luiz Sergio Person e Carlos Reichenbach, nomes das mais importantes fases do cinema nacional. Os 100 selecionados também incluem produções recentes, como “Cidade de Deus”, “Central do Brasil”, “Que Horas Ela Volta?”, “O Céu de Suely”, entre outros.

O segundo encontro está marcado para o dia 18 de janeiro, a partir das 15h, no auditório do Porto Iracema das Artes. O debate reunirá os críticos cearenses André Bloc, Arthur Gadelha e Camila Vieira, membros da Associação Cearense de Críticos de Cinema (Aceccine), que farão uma retrospectiva sobre os filmes brasileiros que foram lançados no circuito comercial em 2016.

Serviço

Lançamento do livro “Os 100 Melhores Filmes Brasileiros”
Local: Cinema do Dragão- Fundação Joaquim Nabuco (Rua Dragão do Mar, 81, Praia de Iracema)
Data: 17 de janeiro (terça-feira)
Horário: 16h (início da sessão do filme “Eles Não Usam Black Tie”) seguido de lançamento do livro; 19h30 (início da sessão do filme “São Bernardo”) seguido de debate com a Abraccine
Ingresso de cada sessão: R$14 (inteira) e R$7 (meia)

Debate Retrospectiva do Cinema Brasileiro em 2016
Local: Auditório do Porto Iracema das Artes (Rua Dragão do Mar, 160, Praia de Iracema)
Data: 18 de janeiro (quarta-feira)
Horário: a partir das 15h
Entrada gratuita.

11:46 · 16.01.2017 / atualizado às 11:48 · 16.01.2017 por
O curta-metragem mineiro "Estado Itinerante", de Ana Carolina Soares, foi eleito o melhor de 2016
O curta-metragem mineiro “Estado Itinerante”, de Ana Carolina Soares, foi eleito o melhor de 2016

A Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine) acaba de anunciar os ganhadores de seu prêmio anual, relativo aos Melhores Filmes de 2016.

Na categoria Longa Metragem concorreram todos os filmes lançados em circuito comercial no Brasil, tanto brasileiros como estrangeiros, entre 17 de dezembro de 2015 e 29 de dezembro de 2016, totalizando mais de 400 produções. Na categoria Curta Metragem concorreram somente filmes brasileiros exibidos durante o ano de 2016 em mostras, festivais e demais eventos cinematográficos.

Veja os vencedores:

MELHOR LONGA METRAGEM BRASILEIRO:
“Aquarius”, de Kleber Mendonça Filho.

MELHOR LONGA METRAGEM ESTRANGEIRO:
“Elle”, de Paul Verhoeven.

MELHOR CURTA METRAGEM:
“Estado Itinerante”, de Ana Carolina Soares.

Paulo Henrique Silva, Presidente da Associação Brasileira de Críticos de Cinema, afirma que “chegando agora à sua sexta edição consecutiva, e pelo fato da Associação ter forte atuação em todo o território nacional, o Prêmio Abraccine se consolida cada vez mais como o Grande Prêmio representativo do pensamento crítico brasileiro”.

Diferente da maioria das premiações cinematográficas, o Prêmio Abraccine não é apenas uma enquete numérica entre os votantes, mas sim o resultado de um rigoroso processo seletivo realizado a partir de uma intensa discussão e troca de ideias, via internet, de seus associados em todo o Brasil.

Fundada em julho de 2011, a Abraccine tem hoje cerca de uma centena de associados em praticamente todos os estados brasileiros. Sua missão é promover formas de pensamento crítico, reflexão e debate sobre o Cinema.

22:00 · 03.10.2016 / atualizado às 21:50 · 07.10.2016 por
Livro Abraccine
Edição especial já está disponível para compra online

A Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine), que reúne os principais críticos de cinema em atividade, acaba de lançar uma obra imperdível para os amantes do cinema nacional. O livro “100 Melhores Filmes Brasileiros” foi elaborado a partir de uma pesquisa com os sócios da entidade, que tiveram a difícil missão de fazer um ranking com as obras mais relevantes.

Os críticos elegeram o longa-metragem “Limite” (1931), de Mário Peixoto, como a melhor produção nacional de todos os tempos. Entre os cineastas que têm suas obras analisadas estão Glauber Rocha, Nelson Pereira dos Santos, Eduardo Coutinho, Rogério Sganzerla, Luis Sergio Person e Carlos Reichenbach, nomes de diferente fases do cinema nacional.

A obra contou com participação de alguns críticos cearenses. Marcelo Ikeda escreveu sobre “S. Bernardo”, Ailton Monteiro sobre “À Meia-noite Levarei Sua Alma”, Pedro Martins Freire sobre “Abril Despedaçado”, Daniel Herculano sobre “O Viajante”, além do meu texto sobre “O Céu de Suely”. Veja a lista dos 100 filmes aqui.

O livro tem o apoio do Canal Brasil e é idealizado pela Editora Letramento, que disponibiliza a venda online. Aos poucos, as livrarias receberão o exemplar para venda.