Busca

Tag: Editais


09:51 · 02.01.2017 / atualizado às 09:59 · 02.01.2017 por
Cineteatro São Luiz, em Fortaleza
Cineteatro São Luiz, em Fortaleza

Com um investimento recorde de R$ 17 milhões para fortalecimento da cadeia produtiva e da política audiovisual cearense, a Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult) está lançando o XII Edital Ceará de Cinema e Vídeo. O edital vem com muitas novidades, como novas categorias e ampliação no número de projetos contemplados, conquistas importantes para a cena cultural cearense, viabilizadas com um investimento de R$ 7 milhões em recursos do Governo do Estado, por meio da Secult, e de R$ 10 milhões do Governo Federal, através do Edital de Arranjos Financeiros Estaduais e Regionais, da Agência Nacional de Cinema (Ancine).

O edital já está disponível aqui e aqui, seguindo até 30 de janeiro de 2017 para conhecimento por todos os interessados, conforme a lei do Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil. As inscrição estarão abertas de 31 de janeiro a 28 de fevereiro, com todo o processo sendo realizado online – mais uma novidade, garantindo praticidade para os proponentes de todo o Estado, sem necessidade de envio de inscrições em papel.

Ampliado pelo investimento total de R$ 17 milhões (na edição anterior, foram R$ 10,8 milhões), o edital vem como um dos eixos de uma política para o audiovisual no Estado, que inclui, além da produção de obras audiovisuais, outras ações, como um novo projeto no valor de R$ 10,5 milhões para geração de conteúdo para a TV Ceará (em fase final de análise pela Ancine), o investimento em formação (com a Escola Porto Iracema das Artes e com os projetos de formação apoiados pelo próprio edital), recursos para distribuição dos filmes dentro e fora do Ceará (disponíveis em uma nova categoria do edital) e a ampliação da rede de exibição no Estado, com o Cineteatro São Luiz, os cinemas do Centro Dragão do Mar, a TV Ceará (que voltará a integrar a estrutura da Secult) e novas 20 salas de cinema que começarão a ser construídas em 2017, em 10 municípios cearenses, também em parceria entre Secult e Ancine, com investimento de R$ 32 milhões (R$ 20 milhões da Ancine e R$ 12 milhões da Secult).

Elaborado a partir de uma análise profunda das edições anteriores e da sistematização de dados de todos os editais de audiovisual em curso no País, o XIII Edital Ceará de Cinema e Vídeo contou com ampla participação da sociedade, em uma construção coletiva, com destaque para o diálogo entre Secult, Ancine, Fórum Cearense do Audiovisual e Câmara Cearense do Audiovisual, além de consulta pública presencial, em reunião na Secult, e online, por meio do site dos editais da Secretaria, para a busca e a discussão de aperfeiçoamentos e sugestões.

O secretário Fabiano dos Santos destaca a revisão substancial no edital, com as novas categorias e com o aumento no número de projetos contemplados. O número de longas-metragens a serem apoiados pela Secult por meio do edital aumenta de quatro (na edição anterior) para no mínimo 12, na nova edição, com vagas específicas para longas de ficção (quatro), animação (dois) e documentário (seis).

Além de 36 projetos de produção audiovisual (que incluem ainda obras seriadas para TV com temática infantojuvenil, além de curtas de ficção, animação e documentário), através do edital também serão apoiados pelo menos 24 projetos de cineclubes, quatro projetos de formação em audiovisual, dois projetos de desenvolvimento de roteiro e, em mais uma novidade, quatro projetos de distribuição de longas-metragens cearenses, destinados a expandir o alcance da produção realizada no Estado, contribuindo para que ela chegue a novos públicos, no Ceará e em outras regiões.

Presidente da Ancine, Manoel Rangel ressalta a importância da parceria da Agência com o Ceará. “Essa parceria com o Ceará é fundamental, porque nos ajuda no desenvolvimento da política audiovisual em todo o País. O Ceará tem se destacado por manter uma presença constante nessa articulação de política local de apoio ao cinema e ao audiovisual, além de ter realizadores, criadores que têm se destacado no cenário do cinema e da televisão brasileira e também na presença internacional do audiovisual brasileiro”, afirma.

“Neste momento se faz um forte investimento, que vai desde a produção dos longas-metragens, curtas, séries para TV, até a capacitação para a produção audiovisual, que permitirá a continuidade do processo de enraizamento da produção e da atividade audiovisual como um todo no Estado”, acrescenta Manoel Rangel.

Com informações da assessoria de imprensa.