Busca

Tag: Festival de Gramado


14:43 · 27.08.2017 / atualizado às 14:44 · 27.08.2017 por
Maria Ribeiro também foi premiada pela atuação no novo filme de Lais Bodanzky

O longa-metragem “Como Nossos Pais” foi o grande vencedor da 45ª edição do Festival de Cinema de Gramado. Além de ser considerado melhor filme, a obra levou outros cinco Kikitos entre os 16 prêmios previstos para longas-metragens nacionais: direção, para Laís Bodanzky, atriz para Maria Ribeiro, ator para Paulo Vilhena, atriz coadjuvante para Clarisse Abujamra e montagem para Rodrigo Menecucci.

Na mostra estrangeira, “Sinfonía para Ana”, de Virna Molina e Ernesto Ardito, recebeu o Kikito de melhor filme e também de melhor fotografia para Fernando Molina. Federico Godfrid foi eleito o melhor diretor, por “Pinamar”, película que também levou prêmios de melhores atores para Juan Grandinetti e Agustín Pardella, além do prêmio de melhor filme pelo Júri da Crítica. O Júri Popular preferiu o documentário uruguaio “Mirando al cielo”, de Guzmán García.

Entre os curtas-metragens, o melhor filme foi “A Gis”, de Thiago Carvalhaes também eleito pelo Júri Popular. O Júri da Crítica preferiu “O Quebra-Cabeça de Sara”, de Allan Ribeiro, também vencedor do Prêmio Canal Brasil de Curtas. O Prêmio Canadá 150 de Jovens Cineastas foi para Calí dos Anjos, diretor de “Tailor” e o Prêmio Especial do Júri para “Cabelo Bom”, de Swahili Vidal e Claudia Alves.

Veja a lista completa de premiados:

LONGAS-METRAGENS BRASILEIROS
Melhor Filme: “Como Nossos Pais”, de Laís Bodanzky
Melhor Direção: Laís Bodanzky, por “Como Nossos Pais”
Melhor Atriz: Maria Ribeiro, por “Como Nossos Pais”
Melhor Ator: Paulo Vilhena, por “Como Nossos Pais”
Melhor Atriz Coadjuvante: Clarisse Abujamra, por “Como Nossos Pais”
Melhor Ator Coadjuvante: Marco Ricca, por “As Duas Irenes”
Melhor Roteiro: Fábio Meira, por “As Duas Irenes”
Melhor Fotografia: Fabrício Tadeu, por “O Matador”
Melhor Montagem: Rodrigo Menecucci, por “Como Nossos Pais”
Melhor Trilha Musical: Ed Côrtes, por “O Matador”
Melhor Direção de Arte: Fernanda Carlucci, por “As Duas Irenes”
Melhor Desenho de Som: Augusto Stern e Fernando Efron, por “Bio”
Melhor Filme – Júri Popular: “Bio”, de Carlos Gerbase
Melhor Filme – Júri da Crítica: “As Duas Irenes”, de Fabio Meira
Prêmio Especial do Júri: Carlos Gerbase, pela direção dos 39 atores e atrizes em “Bio”
Prêmio Especial do Júri – Troféu Cidade de Gramado: Paulo Betti e Eliane Giardini, pela contribuição à arte dramática no teatro, televisão e cinema brasileiros

LONGAS-METRAGENS ESTRANGEIROS
Melhor Filme: “Sinfonia Para Ana”, de Virna Molina e Ernesto Ardito
Melhor Direção: Federico Godfrid, por “Pinamar”
Melhor Atriz: Katerina D’Onofrio, por “La Ultima Tarde”
Melhor Ator: Juan Grandinetti e Agustín Pardella, por “Pinamar”
Melhor Roteiro: Joel Calero, por “La Ultima Tarde”
Melhor Fotografia: Fernando Molina, por “Sinfonia Para Ana”
Melhor Filme – Júri Popular: “Mirando al Cielo”, de Guzman García
Melhor Filme – Júri da Crítica: “Pinamar”, de Federico Godfrid
Prêmio Especial do Júri: “Los Niños”, de Maite Alberdi

CURTAS-METRAGENS BRASILEIROS
Melhor Filme: “A Gis”, de Thiago Carvalhaes
Melhor Direção: Calí dos Anjos, por “Tailor”
Melhor Atriz: Sofia Brandão, por “O Espírito do Bosque”
Melhor Ator: Nando Cunha, por “Telentrega”
Melhor Roteiro: Carolina Markowicz, por “Postergados”
Melhor Fotografia: Pedro Rocha, por “Telentrega”
Melhor Montagem: Beatriz Pomar, por “A Gis”
Melhor Trilha Musical: Dênio de Paula, por “O Violeiro Fantasma”
Melhor Direção de Arte: Wesley Rodrigues, por “O Violeiro Fantasma”
Melhor Desenho de Som: Fernando Henna e Daniel Turini, por “Caminho dos Gigantes”
Melhor Filme – Júri Popular: “A Gis”, de Thiago Carvalhaes
Melhor Filme – Júri da Crítica: “O Quebra-Cabeça de Sara”, de Allan Ribeiro
Prêmio Canada 150 de Jovens Cineastas: Calí dos Anjos (“Tailor”)
Prêmio Canal Brasil de Curtas: “O Quebra-Cabeça de Sara”, de Allan Ribeiro
Prêmio Especial do Júri: “Cabelo Bom”, de Swahili Vidal e Claudia Alves

14:02 · 11.07.2017 / atualizado às 14:03 · 11.07.2017 por
“As Duas Irenes” integra competitiva de longas brasileiros

A 45ª edição do Festival de Cinema de Gramado apresenta, entre os dias 17 e 26 de agosto, os contrastes de um cinema brasileiro e latino-americano que, em constante transformação, entrelaça tradição e contemporaneidade.

A proposta do constante diálogo entre as diferentes expressões do fazer cinematográfico está diretamente refletida na mostra competitiva de longas-metragens brasileiros, que, formada inteiramente por títulos inéditos, traz, em primeira mão no circuito nacional, produções brasileiras que viajaram internacionalmente por festivais como Berlim e Cannes, ao mesmo tempo em que realiza a estreia mundial de obras que escolheram Gramado como sua plataforma de lançamento.

Além disso, o diálogo com as novas possibilidades de exibição audiovisual se aprimora: é na Serra Gaúcha que acontece a primeira exibição do primeiro filme Original Netflix produzido no Brasil, “O Matador”, de Marcelo Galvão.

Abrindo a programação de longas do está “João, o Maestro”, do diretor Mauro Lima (“Tim Maia”, “Meu Nome Não é Johnny”), que será exibido hors-concours no dia 18 de agosto. Estrelado por Alexandre Nero, o filme é baseado na vida do pianista brasileiro João Carlos Martins, um dos poucos músicos a gravar a obra completa de Bach.

Filmes em Competição

LONGAS-METRAGENS BRASILEIROS
“A Fera na Selva” (RJ), de Paulo Betti, Eliane Giardini e Lauro Escorel
“As Duas Irenes” (SP), de Fábio Meira
“Bio” (RS), de Carlos Gerbase
“Como Nossos Pais” (SP), de Laís Bodanzky
“O Matador” (PE), de Marcelo Galvão
“Não Devore Meu Coração!” (RJ), de Felipe Bragança
“Pela Janela” (Brasil/Argentina), de Caroline Leone

LONGAS-METRAGENS ESTRANGEIROS
“Los Niños” (Chile/Colômbia/Holanda/França), de Maite Alberdi
“Pinamar” (Argentina), de Federico Godfrid
“El Sereno” (Uruguai), de Oscar Estévez & Joaquín Mauad
“Sinfonía para Ana” (Argentina), de Virna Molina e Ernesto Ardito
“El Sonido de las Cosas” (Costa Rica), de Ariel Escalante
“La Ultima Tarde” (Peru), de Joel Calero
“X500” (Colômbia/Canadá/México), de Juan Andrés Arango

CURTAS-METRAGENS BRASILEIROS
“#feique” (RJ), de Alexandre Mandarino
“A Gis” (SP), de Thiago Carvalhaes
“Cabelo Bom” (RJ), de Swahili Vidal
“Caminho dos Gigantes” (SP), de Alois Di Leo
“Mãe dos Monstros” (RS), de Julia Zanin de Paula
“Médico de Monstro” (SP), de Gustavo Teixeira
“O Espírito do Bosque” (SP), de Carla Saavedra Brychcy
“O Quebra-cabeça de Sara” (RJ), de Allan Ribeiro
“O Violeiro Fantasma” (GO), de Wesley Rodrigues
“Objeto/Sujeito” (SP), de Bruno Autran
“Postergados” (SP), de Carolina Markowicz
“Sal” (SP), de Diego Freitas
“Tailor” (RJ), de Calí dos Anjos
“Telentrega” (RS), de Roberto Burd

CURTAS-METRAGENS GAÚCHOS (Prêmio Assembleia Legislativa)
“10 Segundos” (Canoas), de Thiago Massimino
“1947” (Porto Alegre), de Giordano Gio
“Através de Ti” (Santa Cruz do Sul), de Diego Tafarel
Bicha Camelô” (Pelotas), de Wagner Previtali
“Cores de Bissau” (Porto Alegre), de Maurício Canterle
“Gestos” (Porto Alegre), de Alberto Goldim e Júlia Cazarré
“Kátharsis” (Caxias do Sul), de Mirela Kruel
“Luna 13” (Porto Alegre), de Filipe Barros
“Mãe dos Monstros” (Porto Alegre), de Julia Zanin de Paula
“Secundas” (Porto Alegre), de Cacá Nazario
“Sena, Os Fios em Prosa” (Porto Alegre), de Marcelo da Rosa Costa e Cacá Sena
“Sob Águas Claras e Inocentes” (Porto Alegre)”, de Emiliano Cunha
“Solito” (Porto Alegre), de Eduardo Reis
“Telentrega” (Porto Alegre), de Roberto Burd