Busca

Categoria: Agricultura


11:38 · 06.04.2018 / atualizado às 11:38 · 06.04.2018 por
José dos Santos (ao centro) doou para serem instalados nas comunidades rurais. (Foto: Divulgação/Prefeitura)

Crato. Na última quinta-feira, a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Agrário recebeu 18 pluviômetros que serão instalados nas comunidades rurais do Município. O equipamento foi entregue pelo técnico agrícola cratense José dos Santos Filho, que hoje reside em Anápoles (GO), onde presta consultoria agrícola.

O Secretário de Desenvolvimento Agrário, Zilcélio Alves, destaca que será discutido com o Sindicato dos Trabalhadores Rurais do Crato, quais as comunidades que poderão ser implantados esses pluviômetros. Segundo o gestor, esse equipamento irá servir para que no final de cada inverno, possa ser feito uma base pluviométrica nas comunidades, para que seja comparado com os dados oficiais dos pluviômetros do governo.

“Para nós, da Secretaria é uma satisfação muito grande. O município está recebendo essa parceria, onde vamos levar esses dados para as comunidades rurais para que o próprio agricultor possa fazer o acompanhamento das chuvas caídas em cada localidade rural”, disse

Projeto Paulo Freire

A Secretaria de Desenvolvimento Agrário do Município esteve, na última terça-feira (3), participando da prestação de contas do Projeto Paulo Freire. Zilcélio representou o município ao lado de 350 lideranças de comunidades rurais no qual o projeto tem atuado. Na ocasião, o titular reforçou o apoio da Gestão Municipal após a renovação dos convênios entre as entidades que atuam no projeto e o governo cearense.

O projeto Paulo Freire, do Governo do Estado em parceria com o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), tem como objetivo capacitar pessoas e famílias para o desenvolvimento de projetos produtivos que possam gerar renda e consequentemente melhorar a qualidade de vida. Foram 600 comunidades beneficiadas.

09:56 · 26.03.2018 / atualizado às 09:56 · 26.03.2018 por
Ao todo, já foram colhidos mais de 300 pés de rúcula, além de manjericão e coentro (Foto: Anderson Duarte)

Juazeiro do Norte. Com o intuito de fortalecer o Programa de Agricultura Urbana, que tem o objetivo de trazer para a cidade um pouco da vivência do campo, pelo Projeto Saúde na Mesa, a Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento (Seagri) implantará mais de 250 hortas nos equipamentos públicos do Município. A primeira foi plantada, no mês de fevereiro, no Restaurante Popular e já rende colheita.

Com apenas 24 dias, já foi possível colher algumas hortaliças para a composição da salada que é servida durante as refeições no equipamento. Ao todo, já foram colhidos mais de 300 pés de rúcula, além de manjericão e de uma grande quantidade de coentro. O objetivo da horta é que os produtos agrícolas utilizados no equipamento sejam retirados do cultivo no local.

A Seagri tem uma equipe técnica qualificada que acompanha o processo. Além dessas culturas, também foi plantado no Restaurante Popular cebolinha, cenoura, beterraba, tomate cereja, alface, couve-flor, milho, feijão, macaxeira, hortelã e batata. A Secretaria planeja terminar os trabalhos no restaurante até a próxima quarta-feira, 28, e em abril iniciar o trabalho de implantação das hortas nas cozinhas comunitárias.

Para o titular da pasta, Romão França, a equipe da Seagri está muito empenhada na realização do serviço, agradece o comprometimento de todos e ressalta que o trabalho começou agora. “Agora é hora de agradecer a Deus pelas chuvas e a essa equipe que está realizando este trabalho maravilhoso. Em menos de um mês já colhemos os resultados do trabalho. Isso motiva a equipe a continuar trabalhando”, destacou.

11:39 · 15.03.2018 / atualizado às 11:39 · 15.03.2018 por
Prefeitura pagará energia elétrica para galpão que beneficia cerca de 150 pessoas. (Foto: Divulgação/Prefeitura)

Crato. Foi assinada, na tarde desta quarta-feira (14), a parceria entre a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Agrário, o Centro Universitário Doutor Leão Sampaio (Unileão) e a Associação Comunitária dos Moradores do Sítio Jatobá e Cruzeiro. O objetivo do acordo é o pagamento do fornecimento de energia elétrica pela Gestão Municipal do Galpão de Beneficiamento e Congelamento do Pequi.

O empreendimento pertencente à Associação Comunitária dos moradores, composta por 25 famílias, chegando a beneficiar cerca de 150 pessoas que participam direta e indiretamente. Enquanto o projeto Pequi Vivo visa o armazenamento do pequi para ser comercializado durante a entre safra. O trabalho de venda é feito através da associação, onde será realizada a venda e computada a divisão dos lucros entre os membros.

A iniciativa é fruto da concretização do exitoso projeto, desenvolvido pelos alunos do curso de Administração da Unileão, que vem transformando a realidade dessas famílias fortalecendo e fomentando o apoio às atividades do extrativismo e beneficiamento do pequi que é colhido pelos catadores das comunidades locais.

De acordo com o Secretário Zilcélio Alves, a parceria visa potencializar e empreender o fruto do Pequi, proporcionando um maior acesso à renda e melhoria na qualidade de vida dos trabalhadores da agricultura familiar, através da produção e comercialização do fruto durante todo o ano. “O projeto já vem sendo desenvolvido há algum tempo e logo que tivemos conhecimento, o prefeito Zé Ailton se disponibilizou em firmar parceria com a Unileão”, frisou o secretário.

A Unileão vem desenvolvendo o projeto Pequi Vivo, coordenado pela professora Isabel Calixto, onde foi elaborado, implantado e entregue o equipamento a comunidade, além de oferecer toda a capacitação e viabilização de recursos através do Banco Santander. “Essa parceria com a prefeitura veio dar o ponta pé inicial para a concretização do projeto. Já realizamos o primeiro lote experimental de congelamento, no segundo lote congelamos 450 pequis e no terceiro lote, realizado hoje, com 750 pequis. A nossa meta é chegar de 10 a 20 mil nessa safra”, destaca.

De acordo com a professora Isabel, o projeto teve início através de um trabalho de extensão dos alunos do curso de administração, que submeteu o projeto ao edital do Santander Universidade, concorrendo com 800 projetos de todo o país, sendo premiado e contemplado com a quantia de 100 mil reais, que foi administrado para a construção do galpão e funcionamento.

A Presidente da Associação de Moradores, Valdênia Alexandre, destaca a importância do projeto para a comunidade e comemora essa conquista que irá gerar uma renda. “Estamos hoje comemorando esse projeto que era um sonho e hoje estamos felizes com essa realidade”, disse.

05:52 · 08.03.2018 / atualizado às 14:31 · 08.03.2018 por
O programa já atuou em mais 1500 tarefas de terra. (Foto: Divulgação/Prefeitura)

Juazeiro do Norte. Com área de cerca de 1.500 tarefas de terra (no Ceará, uma tarefa tem cerca de 3.025 m²), a Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento (Seagri), já atendeu cerca de 600 agricultores, somente este ano, através do Programa de Aração de Terra (PAT 2018).  O número já supera o ano passado, onde foram aradas 997 tarefas de terra e cerca de 417 agricultores foram beneficiados com os serviços.

A procura foi muito intensa. Num primeiro levantamento seriam 1300 tarefas de terra arada, mas com a grande demanda, o número aumentou e superou as expectativas da Secretaria. O trabalho é realizado através da parceria da Prefeitura Municipal com as associações dos trabalhadores rurais, principalmente aquelas que possuem trator. Este trabalho agiliza o serviço de aração e o agricultor poderá em menos tempo iniciar o plantio.

Os tratoristas antes eram pagos por tarefa arada, agora são pagos por hora de serviço trabalhado, o que antecipa e facilita o trabalho do agricultor. A Seagri, também neste ano, entrega a terra arada e plantada, graças a aquisição de uma máquina plantadeira. O Prefeito Arnon Bezerra, ano passado, assegurou que esse trabalho seria realizado e em 2018 já foi colocado em prática. A meta agora é ampliar o serviço para que todos os agricultores recebam sua terra plantada e arada.

O Prefeito destaca a importância das ações do Município que resultam em melhorias para o homem do campo. “Na zona urbana a gente vê a presença do Governo, na zona rural da mesma forma, e nada melhor que a Prefeitura oferecer ao homem do campo toda a estrutura necessária para que a safra seja farta”, afirmou.

Já Romão França, titular da Seagri, enaltece o empenho da gestão em fazer com que o homem do campo tenha melhores condições e garantias para o seu trabalho. “É escutando o povo que nós trabalhamos, ouvimos as pessoas e agora estamos colocando em prática o que foi solicitado por eles e outras ações que fortalecem a agricultura de Juazeiro do Norte”, destaca.

08:50 · 28.02.2018 / atualizado às 11:02 · 28.02.2018 por
PAA vai beneficiar 40 agricultores da agricultura familiar e 13 entidades sócio assistenciais cadastradas. (Foto: Divulgação/Prefeitura)

Crato. Galinha caipira, carne suína, ovos, bolos, frutas e verduras. Estes foram alguns dos produtos disponibilizados pelos produtores rurais cadastrados no Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), na manhã desta terça-feira (27). A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Agrário foi responsável por receber os itens que alimentarão pessoas nas escolas municipais, Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) e nas instituições de apoio social.

De acordo com a Coordenadora do Programa no Crato, Jessika Tayane, a secretaria está executando o PAA, nesse primeiro momento, nos meses de fevereiro, março e abril, com um recurso de 70 mil reais, que vai beneficiar 40 agricultores da agricultura familiar e 13 entidades sócio assistenciais cadastradas no PAA.

O secretário de Desenvolvimento Agrário, Zilcélio Alves, destaca a importância do programa para o desenvolvimento agrícola do município. “É muito gratificante poder estar fazendo o lançamento desse programa para o ano de 2018. Precisamos nos empenhar para que o município consiga comprar e distribuir cada vez mais os produtos da agricultura familiar no nosso município. Para isso, estaremos em busca de novos recursos junto ao Governo Estadual para o segundo semestre”, comenta.

Para o agricultor José Sabino, do Sítio Romualdo, é uma satisfação de poder contribuir com seus produtos no projeto, atendendo as entidades, além da garantia no recebimento dos recursos. “Além da garantia da nossa venda, contribuímos para o desenvolvimento da agricultura do município”, afirma.

O PAA é um programa que conta com a participação do Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), Secretaria de Desenvolvimento Agrário do Estado (SDA) e Prefeitura do Crato, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Agrário, e utiliza mecanismos de comercialização que favorecem a aquisição direta de produtos de agricultores familiares, estimulando os processos de agregação de valor à produção.

Com o PAA, o Município faz a compra de alimentos diversos e promove a doação simultânea às entidades da rede sócio assistencial e aos equipamentos públicos, com o objetivo de atender demandas locais de suplementação alimentar de pessoas em situação de insegurança alimentar e nutricional. A entrega dos alimentos acontece às terças e quartas, na sede da Secretaria de Desenvolvimento Agrário, localizada no Centro Administrativo, no bairro São Miguel.

08:33 · 22.02.2018 / atualizado às 12:33 · 22.02.2018 por
Serão mais de 250 hortas em Juazeiro do Norte. (Foto: Divulgação/Prefeitura)

Juazeiro do Norte. A Secretaria de Agricultura e Abastecimento (Seagri) está implantando hortas em equipamentos públicos do Município. Alinhada ao projeto Saúde na Mesa, do programa de Agricultura Urbana, a ação pretende levar boas práticas da zona rural para a cidade. A previsão é implantar 256 hortas na Terra do Padre Cícero, incluindo creches e escolas.

Nesta semana, as equipes trabalham na implantação da primeira horta, que fica no Restaurante Popular. Agora além de oferecer refeições de qualidade a preço baixo, o equipamento vai produzir parte dos alimentos que utiliza na produção das refeições. Além de tudo, a comunidade terá acesso de forma fácil e prática a produtos orgânicos livres de agrotóxicos.

O trabalho é acompanhado por técnicos agrícolas e engenheiros agrônomos da Seagri. O primeiro passo foi a elaboração dos projetos das hortas, escolhas dos locais para implantação e das variedades de que serão cultivadas. Todo o trabalho foi realizado com a parceria da Seagri com as Secretarias de Desenvolvimento Social e Trabalho (Sedest) e Educação (Seduc).

De acordo com Romão França, titular da Seagri, a proposta é levar esse modelo de cultivo de agricultura orgânica aos quatro cantos do município. “Além do Restaurante Popular, o projeto será implantado também nas cozinhas comunitárias, CRAS, escolas e creches” afirmou.

23:56 · 11.02.2018 / atualizado às 12:02 · 13.02.2018 por
Fundada há 55 anos, Escola da zona-rural reúne 350 componentes. (Fotos: Antonio Rodrigues)

Várzea Alegre. “Tudo pode acontecer, só precisa acreditar. A magia da criança para infância relembrar”, o verso, cantando em uma só voz, ditou o ritmo do desfile da Escola de Samba Unidos do Roçado de Dentro (Esurd), na noite deste domingo (11). Com mais de 350 integrantes, a agremiação leva o nome do Sítio onde foi fundada, há 55 anos. De lá pra cá, a bateria sempre percorreu  os cerca de 4km de estrada de terra, da zona rural até o Centro da cidade, para encantar a população.

Nem mesmo a chuva desanimou os integrantes que trouxeram para a avenida o tema “A imaginação de uma criança”, com 14 alas pensadas pelos próprios pequenos. Magia, super heróis, bruxas e doces. Tudo cabia na imaginação. No carro alegórico, um grande castelo com príncipe e princesa era o destaque. A bateria, com 58 integrantes, formava uma grande fila de soldadinhos de chumbo.

De acordo com o carnavalesco da Esurd, Léo Souza, o tema surgiu das próprias crianças que queriam um carnaval diferente, voltada para elas. “Não tem dinheiro, não tem luxo. O diferencial é a criatividade”, explica. Enquanto o presidente da agremiação rural, Francisco das Chagas de Sousa, o Chico Progresso, acredita que a homenagem é válida, pois elas serão o futuro da Escola. “Os próximos ritmistas, dirigentes. Aqui é tradição, uma questão de raízes”, completa.

A preparação para o desfile começa cedo, em meados de setembro, com promoção de eventos como rifas e forró. Tudo para arrecadar dinheiro. No entanto, Chico Progresso destaca que na comunidade há outras atividades culturais, como a banda cabaçal, o pífano e o reisado. Em Várzea Alegre tem mais duas escolas, a Mocidade Independente do Sanharol e a Império Cadenciando, do bairro Riachinho. No entanto, não há competição entre elas, é tudo pela diversão.

Renovação

Com o tema tão atrativo para as crianças, elas não poderiam faltar no desfile. Dando o tom no carnaval, este ano tiveram dois estreantes, Daniel Rodrigues, de 12 anos, e Bárbara Pereira, também com 12 anos. “Eu sempre queria participar, mas não pude ano passado. Aí tive aula com o mestre de bateria”, conta o garoto. Já Bárbara, não conteve a ansiedade pelo seu primeiro desfile. “Sempre tive vontade de tocar, porque tenho muitos amigos que tocam. Aí o professor me incentivou”, completa.

Público lotou as arquibancadas.

O responsável pela renovação é o jovem Caio Souza, de 23 anos, que há dois anos comanda a bateria da Esurd. Ele também começou pequeno, aos cinco anos, como mestre-sala mirim. “Com os mais jovens, nós marcamos as aulas bem antes e vem trabalhando com eles o ritmo e as marcações”, explica o músico. Mesmo com 18 anos de desfile, ele não esconde o nervosismo antes de entrar na avenida. “O coração fica a mil”, confessa.

Já Jamille Feitosa carrega a responsabilidade de ser porta-bandeira da agremiação há cinco anos. “É uma honra imensa. É uma história muito bonita. A comunidade passa meses confeccionando cada fantasia. A gente, na avenida, vê o sorriso das pessoas, gostando. Carregar a bandeira da escola, meu deus, é surreal, é maravilhoso!”, exalta.

Seu parceiro de samba, o mestre-sala Evandro Lima, compartilha da alegria que o mantém na Esurd há 12 anos. “Ontem me deitei e acordei uma hora da manhã. Não consegui dormir mais de ansiedade pra começar o desfile. É uma batalha desde setembro, tirando de onde não tem. Eu só terminei a fantasia ontem”.

Público

Cerca de 8 mil pessoas acompanharam o desfile nas calçadas e nas arquibancadas montadas ao lado da avenida. Espremidos, muitos trouxeram seus celulares para gravar o momento. Alguns, familiares dos integrantes, como a aposentada Nazaré Souza. “Já teve meus meninos, agora estão os netos. É um carnaval sadio, de família”, conta. A dona de casa Liduína Barros também acompanha seus quatro filhos e, agora, o neto. Ela sempre os incentiva a participarem.

História

Fundada em 1963,  a Esurd nasceu de uma brincadeira entre amigos na estrada que liga o Sítio até a sede de Várzea Alegre. De um pequeno grupo de agricultores, que resolveu curtir o carnaval, dois anos antes, o número de participantes foi crescendo, até se tornar uma escola. Como bloco, ele reunia o pandeiro, sanfona, cavaquinho e violão, mas logo passou a ter os instrumentos de percussão. “Eu participei do primeiro desfile, em 1964, mas logo tomou outra dimensão”, lembra o presidente da agremiação, Chico Progresso.

19:46 · 06.02.2018 / atualizado às 19:46 · 06.02.2018 por
Ao todo, 21 comarcas foram representadas. (Foto: Samuel Macedo)

Juazeiro do Norte. Na última segunda-feira (05), aconteceu uma audiência pública para mobilizar a região do Cariri a criarem, regulamentarem e implementarem, por meio de lei, o Serviço de Inspeção Municipal de Produtos de Origem Animal (SIM). O encontro, realizado no auditório da Faculdade Paraíso, foi convocado pelo  Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE), por meio da Unidade Descentralizada do Programa Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor (Decon). Ao todo, participaram representantes de 21 municípios.

Segundo a promotora de Justiça Efigênia Coelho, que é coordenadora do Decon em Juazeiro do Norte, os municípios têm o dever de fiscalizar a produção, processamento e comercialização dos alimentos de origem animal para proporcionar maior qualidade, segurança e higiene dos produtos finais que chegam à mesa dos cidadãos. Para isso, cada cidade deve ter um SIM, com técnicos especializados e espaço físico apropriado para realização das atividades.

O evento contou com palestras  do auditor fiscal Ives Tavares, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), e da gerente auditora da Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Ceará (Adagri), Adrianne Paixão. Nas apresentações, eles ressaltaram a importância do tema para a saúde pública e para a proteção ambiental e reforçaram a necessidade de fiscalização prévia dos alimentos de origem animal e de formalização do SIM, com base no Decreto n.º 9.013/2017, na Lei Estadual nº 11.988/1992, no Código de Defesa do Consumidor.

Como encaminhamento, cada município será notificado para informar à Promotoria de Justiça da sua Comarca quais medidas serão adotadas para implantação do SIM ou se o Serviço já foi implementado. Em caso de resposta afirmativa, eles deverão apresentar lei e decreto de criação e regulamentação do SIM, a equipe que ficará responsável pela inspeção, com médicos veterinários oficiais e auxiliares, qual a estrutura física e laboratório disponíveis, dentre outras ações necessárias ao pleno funcionamento do órgão municipal de inspeção.

Participaram da audiência prefeitos e representantes das Secretarias Municipais de Agricultura, órgãos da Vigilância Sanitária e membros do MPCE, pela unidade do DECON, de Crato, Santana do Cariri, Assaré, Campos Sales, Araripe, Barbalha, Caririaçu, Farias Brito, Missão Velha, Jardim, Milagres, Brejo Santo, Jati, Porteiras, Mauriti, Barro, Ipaumirim, Aurora, Nova Olinda e Antonina do Norte.

10:35 · 22.01.2018 / atualizado às 10:36 · 22.01.2018 por
Os poços já instalados tem vazão de 10 mil litros por hora. (Foto: Samuel Macedo)

Juazeiro do Norte. Em parceria entre Superintendência de Obras Hidráulicas (Sohidra) da Secretaria de Recursos Hídricos do Governo do Estado e a Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento, cinco poços em cinco comunidades rurais, no Município, estão em fase final de instalação.  Eles já passam por processo de limpeza e teste de vazão.

A primeira localidade a receber a equipe da Sohidra foi a comunidade da Jurema. Lá foram perfurados mais de 100 metros para a criação do poço. A vazão de água está medida em 10 mil litros/hora. Após o teste de vazão, o próximo passo é o exame físico-químico e o bacteriológico, para garantir que a água está apropriada para consumo. As próximas comunidades a receberem este trabalho são a do Taquari, Espinho, Riachão, Palmeirinha e Vila Maria Célia Calou, com previsão para conclusão e instalação das bombas é até o final do mês de fevereiro.

Para o Secretário da Seagri, Romão França, esse trabalho de parceria da Gestão Municipal com o Governo do Estado em acompanhar o homem do campo, só fortalece a agricultura local. A articulação foi conquistada pelo titular da Pasta Municipal, em sua última visita a capital do Estado, Fortaleza.

“Nós vamos dar total apoio as comunidades rurais, com aração de terras, perfuração de poços e outros projetos que fortaleçam a agricultura familiar, com acompanhamentos dos técnicos da Seagri para que o trabalho seja executado da melhor forma”, afirmou Romão.

15:34 · 20.12.2017 / atualizado às 15:46 · 20.12.2017 por
Cerca de 220 pessoas participaram do Encontro. (Fotos: Antonio Rodrigues)

Crato. Com o tema: “Novos Olhares para uma Nova Ruralidade: O Rural que Temos e o Rural que Queremos”, o Município realizou sua primeira Conferência Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável, na manhã desta quarta-feira (20), no campus do Instituto Federal do Ceará (IFCE). O encontro reuniu 220 lideranças comunitárias, entidades que trabalham com assistência no campo e professores da zona rural. Seu objetivo é elencar prioridades do setor e avaliar a situação do meio rural do município, propondo diretrizes a serem aplicadas nos próximos quatro anos.

As discussões giraram em torno de cinco eixos temáticos: Infraestrutura e Serviços Públicos; Políticas Sociais; Gestão Ambiental e Recursos Hídricos; Economia, Trabalho e Renda e Cultura, Memória e Identidade. Além disso, quatro pré-conferências foram realizadas para conseguir levantar as propostas de cada comunidade.

De acordo com o secretário de Desenvolvimento Agrário de Crato, Zilcélio Alves, a Conferência foi provocada pelas próprias lideranças, através da consulta da Lei Orgânica do Município que prevê sua realização. “De pronto, resolvemos trabalhar, desde o mês de junho, pensando. Nós não queríamos fazer apenas uma, mas ouvir todas as lideranças das comunidades. Aí nós dividimos o Município por áreas”, explica.

“Na Ponta da Serra, a gente tem água encanada, mas não pode ter cisterna. Como a gente vai plantar? Fazer uma horta?”

Dos quatro encontros, saíram as propostas que foram aprovadas hoje, em plenária. Algumas dizem respeito ao abastecimento, como a utilização de carros-pipa, perfuração de poços, utilização de nascentes e reservatórios. Outras, sobre infraestrutura, estradas, saúde e segurança nas comunidades. “Entendemos que agricultura não é só plantar milho, feijão, arroz, amendoim, é discutir um conjunto de políticas públicas para o campo”, completa Zilcélio.

O produto final da Conferência é o Plano Municipal de Agricultura, que servirá de norteador para os próximos quatros anos. Este documento será enviado para entidades e comunidades. “Vamos colocar esse planejamento debaixo do braço e ter para nós como se fosse a Constituição Federal. Para depois cobrar da gente, do Governo do Estado e Governo Federal”, acrescenta o secretário.

Propostas

Para o agricultor Antônio Agostinho da Hora, do sítio Baixa do Maracujá, distrito de Santa Fé, o momento foi de discutir as prioridades de sua comunidade. “Lá, preferimos estradas melhores e acesso para escoação da mercadoria. Também queremos novas culturas, que possam produzir melhores plantas e sementes”, acredita. Apesar de ser uma comunidade que se destaca pela extração de frutos nativos como mangaba, pequi e cambuí, Antônio deseja o retorno do plantio de mandioca e abacaxi. “Vamos ver se a gente vai conseguir chegar a esse momento novamente”, acrescenta.

Enquanto a secretária de Mulheres, do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Crato, Maria de Fátima, destaca que a Conferência foi um espaço importante para propor políticas públicas para as agricultoras. “Tem os programas do PAA e PNAE, que muitas não podem participar. Produzem, mas não tem transporte ou não tem estrada. Isso causa um prejuízo grande. É uma renda extra para as mulheres”, aposta a agricultora.