Busca

Categoria: Cultura


10:59 · 17.10.2017 / atualizado às 11:03 · 17.10.2017 por
Os debates foram a partir do eixos do programa Ceará Música (Foto: Antonio Rodrigues)

Crato. Ontem (16) foi a vez da região do Cariri receber o Encontro Ceará Música, na Vila da Música Sociedade Lírica de Belmonte (Solibel), que reuniu cantores, compositores, músicos, produtores culturais, donos de estúdios, professores, regentes, técnicos de som e donos de casa de shows para discutir ações que fomentem a música em articulação com todo Estado. A ação foi realizada pela Secretaria de Cultura do Ceará, o Fórum de Música e o Instituto Dragão do Mar de Arte e Cultura.

O objetivo do encontro é desenvolver a produção musical cearense no programa Ceará Música, que é uma política pública cultura para o fortalecimento dos arranjos criativos e produtivos do setor no Estado. As reuniões já foram realizadas em Viçosa do Ceará, dentro do Festival de Música local, e, também, em Sobral, na semana passada.

De acordo com Valéria Cordeiro, coordenadora do núcleo de Artes e Diversidade da Secretaria de Cultura do Estado, a intenção é que as contribuições obtidas nesses debates contemplem o documento Ceará Música, que possa conduzir as entidades e agentes da cadeia produtiva musical. “O documento será apresentado ao Governo do Estado, para que possa ser encampadas as ações propostas nesse programa. Esse encontro é para ouvir e levantar as principais questões e demandas do setor para que se possa trabalhar o plano de desenvolvimento no Ceará”, explica.

A partir da reunião, os agentes convidados criaram propostas, como parcerias entre instituições como a Universidade Federal do Cariri (UFCA), Centro Cultural Banco do Nordeste (CCBNB) e Serviço Social do Comércio (Sesc), em suas unidades locais, e empresários que trabalham no setor artístico. Uma delas apresentou a criação de um laboratório de grupos culturais que criariam um show com o suporte técnico destes agentes.

Outra ação muito discutida foi a formação de técnicos na região do Cariri, desde a capacitação de estúdios, técnicos de som e cenógrafos. De acordo com o cantor e produtor cultural João do Crato, o debate conseguiu mapear algumas necessidades do Cariri. “A gente tem os mestres de cultura aqui, na zona rural, que tem dificuldade de receber informações. A passagem do saber é difícil, principalmente, na questão de tocar instrumentos dos grupos de tradição como uma viola, rabeca, zabumba, uma caixa. Não tem uma coisa específica para a comunidade”, pontuou João.

O cantor também acredita que a formação técnica tem que atender os mestres da cultura e que o plano possa formar uma cadeia musical no estado que construa uma programação contemplando todas as regiões com intercâmbios, troca de saberes e oficinas. “É uma reivindicação que as pessoas não fazem. O pessoal evidenciam a cena em cima do palco, mas e o que está por traz de tudo? A técnica? O som? A produção?”, provoca João do Crato.

O próximo Encontro Música Ceará acontecerá nos dias 23 e 24 de outubro, em Quixadá, na Casa de Saberes Cego Aderaldo. No mês de novembro, entre os dias 2 e 4, terá uma reunião geral dos grupos de trabalho de todas as regiões, em Fortaleza, mas o local ainda não foi definido.

22:58 · 12.10.2017 / atualizado às 22:59 · 12.10.2017 por

Juazeiro do Norte. O poeta e músico Anacleto Dias, natural de Assaré, faleceu por volta das 21 horas desta quinta-feira (12), aos 92 anos. Anacleto estava internado no Hospital Regional do Cariri há 45 dias em decorrência de uma pneumonia e veio ao óbito por causa de insuficiência pulmonar. O artista começou a tocar aos treze anos e, ainda na adolescência, formou dupla com o poeta Patativa do Assaré.

A família informou que o corpo do repentista será velado no Centro de Velório Anjo da Guarda, em Juazeiro do Norte. O sepultamento acontecerá no cemitério do Socorro, no mesmo Município, por volta das 16 horas.

Trajetória

Anacleto Dias de Oliveira nasceu no sítio Cacimbas, no 17 de abril de 1925. Na época a comunidade pertencia ao município de Assaré, hoje é território de Tarrafas. Ele aprendeu a tocar viola aos 13 anos, através de livro com notas musicais e já era cantador de improviso. Com 15 anos já tinha o seu próprio violão e fez parceria com Patativa do Assaré.

A dupla fazia improvisos gratuitamente para as pessoas em casas de famílias, festas, aniversários e casamentos. Por conta dos festejos juninos, Patativa e Anacleto tocavam muito em outros estados como Paraíba, Maranhão, São Paulo, Santa Catarina, Paraná.

Em 2011, foi agraciado com o Projeto Café da Literário da Escola Estadual Moacir Mota e também foi reconhecido como Mestre da Cultura Popular de Assaré. Além da arte de violeiro teve outras profissões como agricultor, vaqueiro, seleiro e cozinheiro. Anacleto era casado e deixa sete filhos.

04:55 · 05.10.2017 / atualizado às 04:55 · 05.10.2017 por

 

Juazeiro do Norte. A Secretaria de Infraestrutura (Seinfra), enviou para licitação o projeto de reforma do Núcleo de Arte, Educação e Cultura Marcus Jussier. Com a reforma, o equipamento passará a ser Centro de Arte Popular do Cariri. O investimento está avaliado em R$ 700 mil. O projeto, autorizado pelo Prefeito Arnon Bezerra, será de grande relevância para a valorização dos que fazem a cultura no Município, que, pela primeira vez, terão um espaço exclusivo para as ações nesse âmbito.

De acordo com a Secretária de Infraestrutura, Gizele Menezes, a qual é autora do projeto, a concepção do Centro de Arte Popular do Cariri conta com o uso de elementos da cultura local, através de objetos que a caracterizam fortemente, tais como painéis em ACM colorido (alumínio) que remetem às fitas de lembrança da cidade, e algumas peças de revestimento em 3D da fachada, com aço inox, relembrando os espelhos utilizados nas roupas do reisado.

Fachadas imponentes

“Tal revestimento 3D, trata-se apenas de pisos sextavados em concreto. A ideia foi utilizar um material de baixo custo e amplamente encontrado na região, mas que proporcionasse o mesmo efeito dos revestimentos de alto custo. A criação de uma fachada mais imponente e mais resistente às mudanças climáticas, também fez parte do nosso objetivo”, destacou.

O projeto contemplou, além de toda a carga cultural e estética, uma ampla reforma interna com adequação da edificação às normas de acessibilidade, criação de uma lanchonete aberta ao público e de alojamentos masculino e feminino para artistas de fora que necessitem de hospedagem. Além disso, será criado um pátio frontal para apresentações culturais ao ar livre, com murais de pinturas em estilo xilogravura e um novo estacionamento.

Escola de saberes

Para a diretora do Núcleo, Maria Gomide, o local será também um espaço que servirá como museu, expondo as histórias dos grupos de tradição. A meta é transformar o Centro em uma escola livre para transmissão de saberes populares, reunindo todos os que fazem a cultura no Município, tornando Juazeiro do Norte e o Cariri um território de referência à cultura popular no Brasil.

Para a concepção do projeto, a secretária de Infraestrutura já realizou visitas ao espaço e conversou com a direção do Núcleo, com a finalidade de inserir elementos que contemplem às necessidades dos artistas e suas diversas formas de expressão.

06:35 · 28.09.2017 / atualizado às 09:46 · 28.09.2017 por
Reunindo artistas de vários segmentos, o Conselho foi eleito na manhã de ontem, 27. (Foto: Helio Filho)

Juazeiro do Norte. Os novos membros do Conselho Municipal de Cultura foram eleitos na manhã de ontem (27), no Memorial Padre Cícero. Em clima de tranquilidade, os artistas de cada segmento presente puderam participar de debates e das reuniões que elegeram por aclamação os novos conselheiros. O Conselho é um órgão colegiado com caráter deliberativo e consultivo, vinculado ao Poder Executivo, que tem o poder de controle sobre as ações públicas, ou seja, sobre os planos e orçamentos.

O Secretário de Cultura, Alemberg Quindins, avaliou de forma positiva o resultado da Assembleia. Ele destacou a intenção do Prefeito Municipal Arnon Bezerra em retomar os debates sobre a Cultura de Juazeiro do Norte e do Cariri. “Nós temos o pensamento de uma plataforma menos festiva e mais estrutural e uma responsabilidade que é transformar nossa realidade em algo melhor do que ela está. Para isso, precisamos de integração entre o poder público e os segmentos artísticos”, destaca o Secretário

O novo Conselho Municipal de Cultura é um dos componentes obrigatórios do Sistema Municipal de Cultura e terá vigência de 2 anos. Seu objetivo é garantir a participação da sociedade civil, no planejamento das ações culturais do Município em parceria com o Estados e a União.

De acordo com a Diretora de projetos e políticas culturais da Secult, Maria do Carmo Carvalho, o próximo passo é que cada segmento artístico crie seu fórum para a realização de reuniões e estudos das leis que regem as políticas culturais. “A Secretaria de Cultura está dando início a um processo. O papel do Conselho é manter o controle das ações culturais do Município. Ele está formado e agora seus membros devem dar sequência aos trabalhos”, comenta Maria do Carmo Carvalho.

Sistema Municipal de Cultura

O Conselho Municipal de Políticas Culturais é um dos componentes obrigatórios do Sistema Municipal de Cultura, advindos do Sistema Nacional de Cultura -MinC, que visa garantir a participação da sociedade civil, no planejamento e orçamento para as ações de municípios e estados, em parceria com a União. Assim é criada e organizada a política de Estado da Cultura no país.

O Sistema Municipal de Cultura foi criado através da lei municipal de nº 4001 de 14 de maio de 2012. Essa lei define os princípios, objetivos, estrutura, organização e gestão da cultura municipal e reforça a institucionalidade dos componentes que definem a estrutura do sistema municipal, podendo citar a Secretaria de Cultura e o Conselho Municipal de Política Cultural como já instituídos, bem como o fundo municipal, que faz parte do programa de incentivo à Cultura do município, o PAIC.

Novos Conselheiros

Os novos membros do conselho, titulares e suplente, são representantes de vários segmentos artísticos. Entre eles:

Artes Cênicas

Membro titular: Lucion Caeira

Suplente: João Alves

Artes Visuais

Membro titular: Petrônio Sampaio Alencar

Suplente: José Stênio Diniz

Associações

Membro titular: Josiel Bernardo da Silva

Suplente: Francisco Josué Farias da Silva

Literatura

Membro titular: Maria do Rosário Lustosa

Suplente: Arnaldo Damásio da Silva

Música

Membro titular: Lindemberg Alves Costa

Suplente: Luciano Pimentel Brayner

Tradição popular

Membro titular: Carlos Alberto Gomide de Freitas

Suplente: José Nilton do Nascimento de Souza

08:54 · 25.09.2017 / atualizado às 09:27 · 25.09.2017 por

Crato. Teve início na tarde de ontem (24) a Mostra Repertórios em Casa, semana de espetáculos de teatro que vai até o próximo sábado (30). Ao todo, serão sete apresentações na Casa Ninho, que fica em frente a praça da RFFSA, na Rua Ratisbona. O evento é uma organização dos dois coletivos teatrais que coordenam o espaço, o Grupo Ninho de Teatro e o Coletivo de Atuantes em Cena, além do Grupo Arruaça, como convidado.

Desde 2011, a Casa Ninho está de portas abertas para receber grupos de teatro e trabalhos em outras linguagens, convidando artistas locais e de outros lugares. A Mostra Repertórios em Casa é uma forma que os grupos encontraram de manter o espaço, apresentando seus trabalhos e acolhendo as pessoas. “Nestes seis anos de resistência, atendemos a milhares de pessoas oferecendo às mesmas algo precioso: nossa cultura e nossa identidade”, explica Sâmia Oliveira, atriz que compõe o Grupo Ninho de Teatro.

Para a realização do evento, os grupos contam com o apoio do Centro Cultural Banco do Nordeste e Serviço Social do Comércio (Sesc-Ce), unidade Crato. No entanto, isso não é suficiente para a manutenção da Casa Ninho ao longo do ano. A partir disso, o Grupo Ninho de Teatro e o Coletivo Atuantes em Cenas resolveram adotar ingressos colaborativos: Pague Quanto Puder. Quem visitar a Mostra pode contribuir com o valor que dispuser no momento, mas também terão espetáculos gratuitos.

Os grupos

O Grupo Ninho de Teatro é formado pela união de artistas residentes no Cariri cearense. O encontro destes artistas se deve às convergências de opiniões e gostos pelas mesmas linguagens teatrais. Em 2011, criaram a Casa Ninho e, desde então, desenvolve seus espetáculos como Avental todo sujo de ovo (2009), Charivari (2009), O menino fotógrafo (2012) e Jogos na hora da sesta (2012), entre outros. Já Coletivo Atuantes em Cena surgiu, em Juazeiro do Norte, a partir de 2013, a partir da construção de espetáculos ancorados ao curso de Licenciatura em Teatro, da Universidade Regional do Cariri (URCA).

Programação

25, segunda, às 19h30
Espetáculo: O Pequeno Príncipe (Coletivo Atuantes em Cena)
Local: Casa Ninho
Classificação: Livre/ Entrada: Pague o Quanto Puder

26, terça, às 19h30
Espetáculo: Cardinal (Coletivo Atuantes em Cena)
Local: Casa Ninho
Classificação: 16 anos. Entrada: Gratuita

27, quarta, 15h
Mesa: Políticas Culturais – Fomento as Artes Cênicas do/no Cariri
Local: Casa Ninho

19h30
Espetáculo: Pela Noite (Grupo Arruaça)
Local: Casa Ninho
Classificação: 14 anos. Entrada: Pague o Quanto Puder

28, quinta, 19h30
Espetáculo: Avental Todo Sujo de Ovo (Grupo Ninho de Teatro)
Local: Casa Ninho
Classificação: 14 anos. Pague o Quanto Puder

29, sexta, 19h
Espetáculo: Poeira (Grupo Ninho de Teatro)
Local: Casa Ninho
Classificação: 16 anos. Entrada: Gratuita

30, sábado, 19h30
Espetáculo: O Sagrado e o Profano, as vozes de uma cidade (Coletivo Atuantes em Cena)
Local: Casa Ninho
Classificação: 14 anos. Entrada: Pague o Quanto Puder

11:39 · 22.09.2017 / atualizado às 13:50 · 22.09.2017 por

Juazeiro do Norte. Artigos de decoração, moda, gastronomia, arte, entre outras coisas. A Feira Cariri Criativo se encontra, a partir desta sexta-feira (22), no Cariri Garden Shopping, no Mall Marisa. É a terceira vez que o projeto visita o local e oferece ao público produtos criados na região. Diferente do que acontece mensalmente na RFFSA, em Crato, a feira estará em formato menor, sem as barracas, mas os empreendedores estarão por lá, até o próximo domingo (24), apresentando e vendendo seus produtos.

De acordo com a coordenadora do projeto, a professora Cleo do Vale, a feira no Cariri Garden Shopping vai oferecer ao consumir o contato com quem produziu, saber a história do produto e realizar encomendas. “Ele cria um vínculo com o produtor. Pode comprar um produto original, sem ser feito em grande escala e fortalece a economia local”, explica.

Além disso, Cleo acredita que a Feira Cariri Criativo e os empreendedores ganham com a visibilidade e valorização, inclusive, da região do Cariri.  “O consumidor pode indicar o trabalho dele para outras pessoas, dando seu aval de qualidade confiança. É um dos primeiros passos para reverter a lógica de consumo desenfreado, de produtos quase sempre pouco duráveis e pode contribuir para uma cadeia de consumo mais saudável, consciente e menos agressivo”, destaca a professora.

O Cariri Criativo é uma iniciativa da Universidade Federal do Cariri (UFCA), através do programa de Extensão de Fomento à Economia Criativa do Cariri, em parceria com a Secretaria de Cultura de Crato. Todo mês, a Feira Cariri Criativo reúne, na praça da RFFSA, em Crato, produtores, bandas e coletivos de arte. Além da exposição dos artigos, o projeto tem apresentações culturais.

No mês de outubro, a Feira Cariri Criativo completa três anos. A edição de aniversário será entre os dias 12 e 14, a partir das 18 horas, na Praça da RFFSA, em Crato. Saiba mais na página do Cariri Criativo no Facebook.

Programação de outubro

Aniversário de 3 anos de Feira Cariri Criativo

Quinta-feira, 12
18h  Discotecagem com Paulo Rossi
20h Show com Os Gramofones
*Poema na Feira

Sexta-feira, 13
18h Contação da História Kariris com Bete Pacheco
19h Lançamento da campanha Soldadinho do Araripe com Ágape e Aquasis
20h Show Com Úrsula Feitosa e Trio de Jazz
*Poema na Feira

Sábado, 14
18h Cine Arte Clube Filmes > A Peleja de Esquerdinha / Qual a Brincadeira?
19h Show com a Banda Cabaçal dos Irmãos Aniceto
20h Intervenção Escuto Histórias de Amor com Carla Cavalcante
20h Show com Dazára Sounds
*Poema na Feira

*Microfone aberto ao público para apresentação de poemas.

 

08:42 · 22.09.2017 / atualizado às 08:44 · 22.09.2017 por
Representantes de grupos de Tradição Popular também poderão compor o conselho (Foto: Antonio Rodrigues)

Juazeiro do Norte. Na próxima quarta-feira (27), às 8 horas, irá acontecer a Assembleia geral para a reativação do Conselho Municipal de Política Cultural (CMPC). A reunião será realizada no Memorial Padre Cícero e foi articulada pela Secretaria de Cultura, que convida todos os setores culturais da cidade para eleger seus representantes da sociedade civil. O Conselho é um órgão colegiado com caráter deliberativo e consultivo, vinculado ao Poder Executivo, que tem o poder de controle sobre as ações públicas, ou seja, sobre os planos e orçamentos.

O Conselho Municipal de Política Cultural de Juazeiro do Norte foi criado pela Lei Municipal de nº 3259, de 04 de abril de 2008, e regulamentado pelo Decreto 383 de 26/01/2010, e rege-se pelo Regimento Interno de 14/02/2010. Este espaço tem como objetivo promover a participação democrática dos vários segmentos da sociedade, que integram a ação cultural no Município, visando garantir a todos o pleno exercício dos direitos culturais e o acesso às fontes da cultura nacional, além de apoiar e incentivar a valorização e a difusão das manifestações culturais.

O Conselho é paritário, com seis representantes da Sociedade civil, que representam as linguagens da Cultura: artes cênicas (teatro, dança, circo), literatura, música, artes Visuais (desenho, pintura, escultura, gravura, design, artesanatos, fotografia, vídeo, produção cinematográfica e arquitetura) tradição (cultura popular, patrimônio)  e associações culturais; e seis  do Poder Público. Sendo um titular e um suplente em cada representação, conforme a Lei 4.313 de 22 de maio de 2014.

O Conselho Municipal de Políticas Culturais é um dos componentes obrigatórios do Sistema Municipal de Cultura, advindos do Sistema Nacional de Cultura – MinC, que visa garantir a participação da sociedade civil, no planejamento e orçamento para as ações de municípios e estados, em parceria com a União. Assim é criada e organizada a política de Estado da Cultura no país. O papel importante para a construção de políticas públicas é a implantação do CPF da Cultura, que se dá através do Conselho, do Plano e do Fundo Municipal de Cultura.

Com a reativação do Conselho, a principal meta a se cumprir será a regulamentação do Fundo Municipal de Cultura e a atualização e monitoramento do Plano Municipal de Cultura, os quais garantirão a formação, a criação, a produção e a difusão das políticas culturais em Juazeiro do Norte.

15:19 · 20.09.2017 / atualizado às 15:26 · 20.09.2017 por

Crato. A rede de coletivos “O Crato Tem Dança!” lançou, na última terça-feira (19), uma campanha de arrecadação online para a realização do festival Caldeirão das Danças, que deverá acontecer entre os dias 12 e 14 de outubro. Na sua quarta edição, o evento  procura efetivar diálogos e troca de experiências entre grupos de dança locais. Além disso, o ação irá proporcionar apresentações gratuitas no centro da cidade.

A “vaquinha” online é destinada para a locação de som, luz, palco e arquibancada, incluindo, também, despesas de logística, produção e recepção dos grupos que irão visitar o Crato. A campanha espera atingir R$ 7 mil. Atualmente, o evento não conta com nenhum apoio financeiro do poder público ou de iniciativa privada. A rede, também, está vendendo camisas do festival para atingir a meta.

“Foi a forma que encontramos para possibilitar que o festival aconteça. Até o momento, não temos apoio e precisamos de colaboração”, explica Junnior Pessoa, diretor do coletivo O Crato Tem Dança!. Para contribuir com a campanha, o interessado pode doar, através da plataforma online, qualquer valor. O pagamento pode ser feito com cartão de crédito ou boleto bancário. A arrecadação vai até o dia 30 de setembro e você pode ajudar pelo site do Vakinha.

O Caldeirão das Danças não tem fins lucrativos e já recebeu grupos de outras cidades do Ceará, além de Pernambuco e da Paraíba, totalizando uma média de até 30 apresentações por edição. O evento também realiza oficinas e ações formativas. O festival não terá caráter competitivo e será aberto a pequenos e grandes grupos de dança que realizaram inscrição.

Mais informações: (88) 99976-0341

08:46 · 19.09.2017 / atualizado às 08:46 · 19.09.2017 por
Os dois grupos se apresentaram na Romaria de Nossa Senhora das Dores, na última sexta-feira (15) (Foto: Antonio Rodrigues)

Juazeiro do Norte. Neste mês de setembro, artistas do Rio de janeiro e do Cariri estão reunidos, durante residência artística, no I Encontro de Artes do Cariri, que está sendo realizado em Juazeiro do Norte. Com apoio da Prefeitura Municipal, por meio da Secretaria de Cultura, a visita trouxe os grupos Barracão Centelha e o bloco de carnaval Terreirada Cearense, que se apresentaram na Procissão de Nossa Senhora das Dores, no 15 de setembro. Os trabalhos estão sendo desenvolvidos por meio de mobilização do Centro de Artes do Cariri, dirigido pela Cia. Carroça de Mamulengos.

O I Encontro é um acolhimento do grupo carioca, formado por 24 componentes. Entre eles pesquisadores, arte educadores e atores que trabalham diretamente com a Cultura Popular. O evento tem a propostas de promover uma troca de saberes e vivências com mestres da tradição de Juazeiro do Norte.

De acordo com a Diretora do Núcleo de Arte e Cultura Marcus Jussier, Maria Gomide, a residência consiste no compartilhamento de saberes tradicionais, e promove a perpetuação dos saberes da cultura popular, através de convivências dentro de uma dinâmica próxima à vida.  Baseado nessa ideia, esse encontro é o primeiro de outros que estão por vir. Com isso, serão proporcionados encontros vivenciais entre esses grupos que vêm de fora e mestres da tradição popular do Cariri. Além do convívio diário, são realizadas apresentações, oficinas e brincadeiras.

O objetivo da gestão é fazer com esse tipo de residência possa abrir portas para grupos e artistas de Juazeiro do Norte fazerem o mesmo em outras regiões do país.

Arte e transformação social

Uma das coordenadoras do grupo de artistas residentes, Raquel Poti, disse que conheceu a Cia. Carroça de Mamulengos em 2009 e se encantou com o seu trabalho. Segundo ela, vai além de um trabalho artístico. Ela visualizou na arte desenvolvida pela Cia. uma intenção de transformação social. A partir de então, sentiu inspiração para criação de um grupo que pudesse seguir a mesma linha de trabalho e, após três anos de atuação, passaram a estudar a Cultura do Cariri.

Até o momento, eles realizaram três apresentações abertas ao público. Além da Procissão de Nossa Senhora das Dores, outras duas aconteceram na praça da Igreja da Mãe Rainha, no bairro Pirajá, nas proximidades de onde estão alojados, com o espetáculo “Vida de Viajante”.

20:56 · 10.09.2017 / atualizado às 22:13 · 10.09.2017 por

Juazeiro do Norte. Tradição, fé e criatividade. Há 46 anos acontece a Procissão dos Carroceiros que, anualmente, reúne dezenas de fiéis para percorrer a Rua São Pedro na semana que antecede o dia de Nossa Senhora das Dores, padroeira de Juazeiro, no próximo dia 15 de setembro. O evento, este ano, concentrou-se na sede Fundação Leandro Bezerra de Menezes e reuniu cerca de 80 carroceiros que desfilaram na principal rua comercial da cidade, no início da noite deste domingo (10). O trajeto também contou com a participação da Banda de Música Municipal, fanfarra da escola Moreira de Sousa e de grupos folclóricos locais.

Cada carroceiro trouxe sua família, ornamentou seu transporte e deu brilho ao centro da cidade. Na carruagem, imagens de Nossa Senhora das Dores e do Padre Cícero foram frequentes. A procissão é um dos principais eventos do calendário da festa da padroeira do Município e dá início a semana da “Grande Romaria”, período que recebe maior número de romeiros. Organizada pela Fundação Leandro Bezerra de Menezes, este ano contou com apoio da Basílica de Juazeiro do Norte e a secretarias de Cultura e, também, Turismo e Romaria.

Prefeito Arnon Bezerra acompanhou a procissão (Foto: Antonio Rodrigues)

Segundo o carroceiro João Hélio Gomes, a procissão é um tradição que lembra os primeiros romeiros que chegaram na cidade. “Eu venho desde o tempo de meu avô. Ele me trazia para cá, mas hoje o que me traz é a fé que tenho em Nossa Senhora e a tradição que fui criado”, explica. Enquanto o aposentado Antonio Gomes de Araújo enxerga o evento como comemoração. “É um dia festivo para a cidade. Além da fé, é momento de celebração e alegria”, completa.

Já o carroceiro Antonio Severiano Rosa, que trouxe toda sua família, valoriza o dia para estar junto com as pessoas que trabalham e dependem deste transporte para sobreviver. “Desde os 12 anos eu venho e peguei a tradição. Todo ano venho agradecer, pois carroça é meu o ganha pão. Tenho que ganhar o feijão. Nós somos pobres, mas somos pais de família”.

Além dos carroceiros, os grupos de tradição, como o Reisado do Mestre Bagaceira, Reisado do Mestre Dedé  e a Banda Cabaçal Mestre Leandro, acompanharam a procissão em todo seu trajeto. De acordo com Maria Gomide, diretora do Núcleo de Arte, Educação e Cultura, a participação destes grupos na romaria faz parte de cronograma de trabalho que a Secretaria de Cultura vem desenvolvendo ao longo do ano. “A articulação, de certa forma, vêm de uma bagagem anterior. Toda a equipe que está agora são pessoas do meio. Eu já convivo com esse grupos desde que nasci. Os contatos já estão estabelecidos”, explica.

A procissão terminou com uma missa na Basílica de Nossa Senhora da Dores, celebrada pelo Padre Cícero José, às 19 horas. A manifestação deu início em 1971 com o empresário Leandro Bezerra de Menezes e, após sua morte, sua esposa Salete Cruz Bezerra deu continuidade. Todo ano ela traz, ao seu lado, a imagem da padroeira de Juazeiro do Norte no andor criado na carroça.

Mais um ano que Salete Cruz Bezerra acompanha Nossa Senhora das Dores na “carroça andor” (Foto: Antonio Rodrigues)

Romaria

Durante os dias 10 e 15 de setembro, são esperados cerca de 400 mil romeiros em Juazeiro do Norte. A Prefeitura realizou pequenas obras para melhorar a estrutura e o aspecto do Município. A principal delas é o Estacionamento do Romeiro, que poderá receber 185 veículos de grande porte. Enquanto a segurança e cuidado do patrimônio será feita por um contingente de 85 guardas civis, que terão apoio, pela primeira vez, de uma unidade móvel.