Busca

Categoria: Cultura


10:25 · 16.02.2018 / atualizado às 10:27 · 16.02.2018 por
O Memorial abriga cerca de 13 mil itens na biblioteca e no museu. (Foto: Antonio Rodrigues)

Juazeiro do Norte. Após oito dias de reparos e melhorias nas instalações, a Fundação Memorial Padre Cícero voltou a receber visitantes no seu museu. O local foi aberto à população o desde o meio-dia desta quinta-feira (15). A Prefeitura aproveitou a diminuição do fluxo de visitantes no período de carnaval para executar os serviços, evitando um transtorno ao público.

No mês de janeiro, a Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seinfra) fez um levantamento de toda a demanda necessária para o reparo do teto a fim de evitar que chuvas contínuas pudessem comprometer a estrutura do prédio e o acervo. Conforme planejamento prévio, uma equipe esteve trabalhando desde o último dia 8 de fevereiro.

Todo o trabalho tem sido acompanhado pela Secretaria de Cultura de Juazeiro do Norte (Secult). Uma equipe cuidou da proteção das peças do Museu para que não fossem comprometidas durante a reforma.

Mesmo com as portas abertas, as obras no telhado devem continuar. As próximas etapas do reparo incluem a conclusão da impermeabilização da laje, colocação de manta asfáltica e substituição de 30 metros de telha e de capote de zinco, entre outros detalhes.

Acervo

A Fundação Memorial Padre Cícero abriga objetos que pertenceram ao patriarca da cidade, reunidas no museu, além de 13 mil itens com fotos, livros, jornais, revistas, cartas, entre outros documentos. Lá, privilegia a história do sacerdote e a história do Município.

08:25 · 14.02.2018 / atualizado às 16:01 · 14.02.2018 por
Comissão de frente da Unidos do Morro lembrou a fé no santo casamenteiro. (Fotos: Antonio Rodrigues)

Barbalha. O último dia de carnaval na Terra de Santo Antônio teve o tradicional bloco dos Goteiras, pela tarde, e o desfile das escolas de samba campeãs em 2018, no Parque da Cidade, durante a noite. A chuva atrapalhou a apresentação das agremiações, mas não tirou o sorriso dos integrantes. A Unidos do Morro, do bairro do Rosário, conquistou o título trazendo como tema Socorro Luna, a solteirona mais famosa do Brasil.

Entre 2003 e 2014, os desfiles foram paralisados, mas com apoio da iniciativa privada e a vontade das escolas, a competição foi retomada.  A Liga Independente das Escolas de Samba de Barbalha (Liesba), pelo quarto ano seguido, organiza a competição no Parque da Cidade. Além da Unidos do Morro, a Águia de Ouro, segunda colocada, desfilou ontem trazendo os orixás.

“Nós realizamos o carnaval dentro das nossas posses. Foi o mais pobre financeiramente, mas para o público e para as escolas foi o mais organizado. A gente fez tudo dentro do que a gente deveria fazer, acima de tudo, com honestidade. Não teve nenhuma fraude. O pessoal está elogiando muito”, garante o presidente da Liesba, Gustavo Barros.

“Mamãe  mandou que eu louvasse a Santo Antônio para meu sonho uma dia realizar, pois todo ano eu lhe peço matrimônio, chegou a hora, Santo Antonio, quero me casar”, a todos pulmões, cantado na avenida, este foi o samba-enredo que homenageou Socorro Luna. O chá do pau da bandeira foi lembrado, além da barraca popular montada durante a festa com a imagem do santo.

O autor da letra, o compositor Francisco de Assis Sousa, conhecido como Tiquinho, acredita que Socorro Luna representou o vasto campo da cultura barbalhense. “Ela ficou como representante da festa de Santo Antônio. Um tema bastante sugestivo, escolhido pela equipe de carnavalescos”, explica.

Para Socorro Luna, destaque da Unidos do Morro, a canção não fala só de si, mas também é um homenagem à Barbalha. “É tanta emoção. Foi tão bonito. Foi tão gratificante a recepção. Quando entrou na avenida, todos cantavam. Era de arrepiar. Era da lágrima rolar pelo rosto. Não tinha explicação. A escola quase sem recursos, mas a garra, a coragem e a fé da Unidos do Morro, emocionou todo mundo. Taí o título. Esse título não foi à toa. Quem cresce com isso é Barbalha, lógico”, exalta Socorro Luna.

A dona de casa Francisca da Silva acompanha, todos os anos, o desfile das escolas de samba de Barbalha. Ela concordou com o resultado, destacando que a bateria da Unidos do Morro fez a diferença. “A outra também foi belíssima, mas não tem porque tá brigando. Todo mundo gosta é do carnaval, da alegria, muita gente acompanha”, acrescenta.

Bloco dos Goteiras saiu às ruas 16h.

Goteiras

Há 22 anos, o bloco dos Goteiras desfila no último dia de carnaval. Este ano, seis bonecos gigantes embelezaram o trajeto de duas horas pelas principais ruas de Barbalha. Mela-mela e muita música animaram os foliões. Os Batutas do Rosário, do bairro que nasceu a brincadeira, trouxe marchinhas de carnaval, samba e muito frevo. “No começo, as gente saia com camisa de saca de açúcar e hoje tem essa dimensão. Tudo isso surgiu porque a gente mora num bairro cultural, como o Rosário”, explica um dos fundadores do bloco, Israel Vagner.

08:05 · 14.02.2018 / atualizado às 16:01 · 14.02.2018 por
A escola de samba Pimpolhos da Nação participou do último dia de carnaval. (Fotos: Antonio Rodrigues)

Juazeiro do Norte. Na terra de fé e romaria, a folia também tomou conta nos quatro dias do Carnaval Cultural, promovido pelo Coletivo Carnaval Livre, com apoio da Secretaria Municipal de Cultural. A festa reuniu brincantes de todas as idades e promoveu o encontro de 16 blocos no Polo da Folia, na praça do Teatro Marquise Branca. Além disso, quatro bandas animaram a festa.

Uma das atrações foi a banda Tiro Certeiro com repertório tributo a Chico Science e Nação Zumbi, além do  Afoxé Mãe Teta e apresentação da Banda de Música Municipal Padre Cícero tocando muito frevo, samba e marchinhas de carnaval. Na segunda-feira, o destaque foi o concurso de máscaras, buscando incentivar a confecção de máscaras originais entre os participantes do Bloco.

Na terça-feira de carnaval, a Escola de Samba de Pimpolhos da Nação, trouxe pra praça a fé como tema de um desfile. A bateria, toda de chapéu, lembrou os romeiros que visitam Juazeiro. Outras alas trouxeram as crenças nos orixás e também em Santo Antônio, padroeiro da cidade vizinha Barbalha.

A auxiliar de serviços gerais Socorro Lobo, apesar de passar o carnaval descansando em casa, ficou curiosa e resolveu conferir o carnaval de Juazeiro do Norte no último dia. “Aqui está muito família. Sempre procurei lugares calmo, aí resolvi vir pra cá. Tá muito bonito”, afirmou.

Para a comerciante Neci dos Santos, a folia foi um bom momento para aumentar a renda, já que Juazeiro do Norte não costuma ter festa de Carnaval nos últimos anos. O dinheiro a mais foi bem-vindo. “Pra mim, tá ótimo, nos três primeiros dias vendi umas 400 cervejas. Aqui tá bom, tranquilo, brincadeira normal, sem nenhum incidente”, acrescenta.

 

12:00 · 13.02.2018 / atualizado às 13:10 · 13.02.2018 por
Mestre Aldernir comandou o reisado no terceiro dia de Carnaval. (Fotos: Antonio Rodrigues)

Crato. Os grupos de tradição popular não ficaram de fora do Carnaval cratense. Na noite de ontem (12), o reisado do Mestre Aldenir coloriu a Praça Siqueira Campos, antes da roda de coco e a banda de frevo. O Grupo Quinteto encerrou a noite com muito samba e axé dos anos 90, até a meia noite. Hoje (13), a partir das 18h, um grande encontro de tambores encerra a festa junto com apresentações de bandas locais.

Os grupos, selecionados pelo projeto “Tambores do Cariri”, que vai até abril de 2018, reuniu maracatus e afoxés, desde a última sexta-feira. Para o secretário de Cultura de Crato, Wilton Dedê, houve um considerável aumento de público e, também, de participação de grupos, em relação ao ano passado. “A festa está muito acima do esperado. Desde a sexta-feira, já foram mais de 20 grupos”, pontua o titular da Pasta.

O estudante Franklin Arruda acredita que o poder público, finalmente, viu o potencial do carnaval de rua no Município. “O Carnaval do Crato tá sendo muito bom. Se tocaram que dá certo, é legal, é interessante. Enfim, é felicidade, brincadeira e alegria”, completa o folião.

Nestes quatro dias de festa não foram identificados nenhum incidente, até agora. A celebração da festa acontecerá com um grande encontro de tambores, reunindo banda cabaçal, maracatu e afoxés. “Vamos prezar pela africanidade presente no Crato que sempre esteve na periferia. Pela primeira vez, ela veio para o coração da cidade”, exalta Wilton Dedê. Além disso, cinco bandas encerrarão a festa.

 

23:56 · 11.02.2018 / atualizado às 12:02 · 13.02.2018 por
Fundada há 55 anos, Escola da zona-rural reúne 350 componentes. (Fotos: Antonio Rodrigues)

Várzea Alegre. “Tudo pode acontecer, só precisa acreditar. A magia da criança para infância relembrar”, o verso, cantando em uma só voz, ditou o ritmo do desfile da Escola de Samba Unidos do Roçado de Dentro (Esurd), na noite deste domingo (11). Com mais de 350 integrantes, a agremiação leva o nome do Sítio onde foi fundada, há 55 anos. De lá pra cá, a bateria sempre percorreu  os cerca de 4km de estrada de terra, da zona rural até o Centro da cidade, para encantar a população.

Nem mesmo a chuva desanimou os integrantes que trouxeram para a avenida o tema “A imaginação de uma criança”, com 14 alas pensadas pelos próprios pequenos. Magia, super heróis, bruxas e doces. Tudo cabia na imaginação. No carro alegórico, um grande castelo com príncipe e princesa era o destaque. A bateria, com 58 integrantes, formava uma grande fila de soldadinhos de chumbo.

De acordo com o carnavalesco da Esurd, Léo Souza, o tema surgiu das próprias crianças que queriam um carnaval diferente, voltada para elas. “Não tem dinheiro, não tem luxo. O diferencial é a criatividade”, explica. Enquanto o presidente da agremiação rural, Francisco das Chagas de Sousa, o Chico Progresso, acredita que a homenagem é válida, pois elas serão o futuro da Escola. “Os próximos ritmistas, dirigentes. Aqui é tradição, uma questão de raízes”, completa.

A preparação para o desfile começa cedo, em meados de setembro, com promoção de eventos como rifas e forró. Tudo para arrecadar dinheiro. No entanto, Chico Progresso destaca que na comunidade há outras atividades culturais, como a banda cabaçal, o pífano e o reisado. Em Várzea Alegre tem mais duas escolas, a Mocidade Independente do Sanharol e a Império Cadenciando, do bairro Riachinho. No entanto, não há competição entre elas, é tudo pela diversão.

Renovação

Com o tema tão atrativo para as crianças, elas não poderiam faltar no desfile. Dando o tom no carnaval, este ano tiveram dois estreantes, Daniel Rodrigues, de 12 anos, e Bárbara Pereira, também com 12 anos. “Eu sempre queria participar, mas não pude ano passado. Aí tive aula com o mestre de bateria”, conta o garoto. Já Bárbara, não conteve a ansiedade pelo seu primeiro desfile. “Sempre tive vontade de tocar, porque tenho muitos amigos que tocam. Aí o professor me incentivou”, completa.

Público lotou as arquibancadas.

O responsável pela renovação é o jovem Caio Souza, de 23 anos, que há dois anos comanda a bateria da Esurd. Ele também começou pequeno, aos cinco anos, como mestre-sala mirim. “Com os mais jovens, nós marcamos as aulas bem antes e vem trabalhando com eles o ritmo e as marcações”, explica o músico. Mesmo com 18 anos de desfile, ele não esconde o nervosismo antes de entrar na avenida. “O coração fica a mil”, confessa.

Já Jamille Feitosa carrega a responsabilidade de ser porta-bandeira da agremiação há cinco anos. “É uma honra imensa. É uma história muito bonita. A comunidade passa meses confeccionando cada fantasia. A gente, na avenida, vê o sorriso das pessoas, gostando. Carregar a bandeira da escola, meu deus, é surreal, é maravilhoso!”, exalta.

Seu parceiro de samba, o mestre-sala Evandro Lima, compartilha da alegria que o mantém na Esurd há 12 anos. “Ontem me deitei e acordei uma hora da manhã. Não consegui dormir mais de ansiedade pra começar o desfile. É uma batalha desde setembro, tirando de onde não tem. Eu só terminei a fantasia ontem”.

Público

Cerca de 8 mil pessoas acompanharam o desfile nas calçadas e nas arquibancadas montadas ao lado da avenida. Espremidos, muitos trouxeram seus celulares para gravar o momento. Alguns, familiares dos integrantes, como a aposentada Nazaré Souza. “Já teve meus meninos, agora estão os netos. É um carnaval sadio, de família”, conta. A dona de casa Liduína Barros também acompanha seus quatro filhos e, agora, o neto. Ela sempre os incentiva a participarem.

História

Fundada em 1963,  a Esurd nasceu de uma brincadeira entre amigos na estrada que liga o Sítio até a sede de Várzea Alegre. De um pequeno grupo de agricultores, que resolveu curtir o carnaval, dois anos antes, o número de participantes foi crescendo, até se tornar uma escola. Como bloco, ele reunia o pandeiro, sanfona, cavaquinho e violão, mas logo passou a ter os instrumentos de percussão. “Eu participei do primeiro desfile, em 1964, mas logo tomou outra dimensão”, lembra o presidente da agremiação, Chico Progresso.

09:38 · 06.02.2018 / atualizado às 09:38 · 06.02.2018 por
O sacerdote lançou livro sobre o Padre Cìcero. (Foto: Divulgação/Prefeitura)

Crato. Na manhã de ontem (05), foi comemorada os 100 anos do Monsenhor Ágio Moreira, na Vila da Música, com a presença de autoridades, da Diocese de Crato, da comunidade do distrito do Belmonte e de fiéis de várias outras localidades. A festa foi celebrada com a missa, realizada pelo bispo Dom Gilberto Pastana, e o lançamento do livro “Padre Cícero Romão Batista – O Maior Líder Espiritual do Nordeste Brasileiro”, de autoria do aniversariante.

O Monsenhor Ágio ainda autografou alguns exemplares do seu livro e agradeceu a todos que foram prestigia-lo, pedindo que as pessoas tenham mais amor e respeito pelo próximo. O governador do Estado, Camilo Santana, e o prefeito de Crato, José Ailton Brasil, fizeram questão de estarem presentes no aniversário.

No entanto, a festa começou desde o dia 27 de janeiro, com a realização do Festival de Música Cordas Ágio, que chegou a sua sexta edição, e foi encerrada no último domingo (05). Com vários shows gratuitos, o evento reuniu diversos artistas locais, como Abidoral Jamacaru,  Zabumbeiros Cariris, Daniel Peixoto, André Magalhães, em palco montado vizinho à Vila da Música.
Solibel

A principal herança do Monsenhor Ágio, a Sociedade Lírica do Belmonte (Solibel), criada por ele, começou a partir de aulas de música, gratuitas, para jovens da comunidade. Após 50 anos de trabalho, foi inaugurada a Vila da Música, ampliando o atendimento com nova estrutura e mais instrumentos musicais. O equipamento é gerido pela Secretaria de Cultura do Estado junto com o Instituto Dragão do Mar, de Fortaleza.

A Vila da Música Solibel, no distrito de Belmonte, atende 580 alunos de qualquer faixa etária para as aulas de música: canto e instrumento. Tudo gratuito. Os cursos são de violino, violoncelo, contrabaixo, clarinete, trompete, trombone, tuba, saxofone, flauta doce, transversão, piano e teclado.

“A nossa proposta é formar e fomentar o encarreiramento no campo da música. Além das aulas, tem apresentações artísticos, concertos didáticos, intercâmbios com músicos de fora. A gente tá buscando uma convergência de ações que possa resultar na formação de novos talentos para sair do Cariri e se apresentar mundo afora. A expectativa que seja uma referência de formação artística”, conta Mano Grangeiro, assessor técnico da Vila da Música.

 

09:52 · 05.02.2018 / atualizado às 09:52 · 05.02.2018 por
A organização estima que 3 mil pessoas participem. (Foto: Com. Shalom)

Juazeiro do Norte. Como opção de programação diferente, a Comunidade Católica Shalom irá realizar, entre os dias 11 e 13 de fevereiro, no Ginásio Poliesportivo, o Retiro de Carnaval Renascer. Com o tema “Para Deus nada é impossível”, o evento é gratuito e voltado para o público de todas as idades. São esperados cerca de 3 mil pessoas nos três dias de encontro.

O Renascer, que acontece gratuitamente em Fortaleza há mais de 30 anos, também é promovido em 14 regiões da capital mais de 80 cidades brasileiras. Em Juazeiro, ele chega a sua 12ª edição com a realização de pregações, missas, louvores, shows, teatro, adoração, testemunhos, cursos gratuitos para jovens e adultos, confissão, oração e aconselhamento, além de uma estrutura completa de alimentação e stands para visitações.

Renascer Kids

Outro ponto que se destaca no Renascer é o espaço das crianças, conhecido como Renascer Kids, que este ano contará com programação especial para os pequenos. Um local totalmente seguro que proporciona um ambiente de oração e diversas atividades lúdicas religiosas, além de Seminário de Vida do Espírito Santo, Adoração, louvor, contação de histórias e muito mais.

O Renascer Kids é direcionado para crianças na faixa etária de 5 a 11 anos, o evento acontece de maneira simultânea ao Renascer, gratuitamente, de 11 a 13 de fevereiro, no Ginásio Poliesportivo. A programação acolhe as crianças em um espaço infantil personalizado e seguro, onde os pais podem deixar os filhos e participarem do Renascer sem se preocupar.

Solidariedade

Além de brincar a festividade do carnaval de forma diferenciada, o Renascer oferece aos participantes uma oportunidade de realizar um gesto solidário. Para isso, o Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (Hemoce) mantém uma parceria com a Comunidade Católica Shalom, disponibilizando anualmente um posto de coleta durante o evento. A unidade móvel funciona para quem, durante o evento, tiver o interesse de realizar a doação voluntária de sangue e o cadastro de medula óssea.

Para ser um doador de sangue é simples, basta estar bem de saúde, bem alimentado, ter mais de 50 quilos, ter entre 16 e 69 anos e apresentar documento oficial com foto. Os menores de 18 anos devem apresentar o termo de consentimento para menores de 18 anos. A equipe do Hemoce estará presente no evento, nos dias 12 e 13 de fevereiro, das 9h à 17h, com profissionais capacitados.

15:38 · 02.02.2018 / atualizado às 15:40 · 02.02.2018 por

Juazeiro do Norte. O projeto Sesc Folia, promovido pela unidade local do Serviço Social do Comércio, irá encerrar as atividades com um grande cortejo de carnaval, que partirá da Praça da Prefeitura. A festa acontece na próxima quinta-feira (08), a partir das 16h, e contará com a participação da dançarina Sheila Mello, ex-bailarina do grupo É o Tchan. Ela irá ensinar coreografias para os foliões.

O baile começa na Praça da Prefeitura e segue até a Unidade de Juazeiro do Norte do Sesc, onde a bailarina Sheila Mello vai dançar com todo o público presente e participar de sessão de fotos. Além dela, a programação também conta com a orquestra de frevo e aulão de ritmos. A criançada também pode participar, pois o Sesc promove atividades de recreação e concurso de fantasias para os pequenos.

O projeto Sesc Folia promove programação gratuita com aulas de ginástica e ritmos no mês de janeiro, preparando o público para o carnaval com coreografias e muita diversão. As atividades desenvolvem a coordenação motora e promovem a qualidade de vida dos participantes. Ao final, todos são convidados a festejar no baile de carnaval.

Programação

08 de fevereiro (quinta-feira)

16h – Concentração na Praça da Prefeitura – cortejo até a Unidade Juazeiro do Norte do Sesc

17h – Orquestra de Frevo – Baile das marchinhas

18h – Aulão de ritmos com a banda Namoro Novo e sessão fotográfica com Sheila Mello

19h – 1 hora de músicas do grupo É o Tchan com a dançarina Sheila Melo

09:32 · 01.02.2018 / atualizado às 15:29 · 02.02.2018 por
Bloco que já anima o carnaval de rua no Rio de Janeiro, abrirá a festa em Juazeiro. (Foto: Fernando Lemos)

Juazeiro do Norte. Com uma programação destinada a um público familiar, a festa no Município terá seu lançamento, neste sábado (03), com a apresentação do bloco da Terreirada Cearense, na Praça dos Ourives, a partir das 15h. A atração é promovida pelo Serviço Social do Comércio, na unidade local. A programação terá sequência entre os dias 10 e 13 de fevereiro, no Pólo da folia, na Praça do Teatro Marquise Branca, organizado pelo Coletivo Carnaval Livre.

Nos quatro dias de carnaval, haverá ainda a tradicional feirinha Gastronômica “O Rancho” e contará com diversas atrações como bandas, blocos de ruas, maracatu, afoxé, bloco infantil e música eletrônica. A Banda Municipal Padre Cícero fará apresentações cujo repertório será composto por músicas tradicionais dos carnavais como marchinhas e frevos populares.

De acordo com a organização do evento, um dos objetivos é que o Carnaval Cultural tenha uma programação que possa ser acompanhada por toda a família. Pensando nisso, a seu início será sempre às 16h e o encerramento se dará no máximo às 20h. A exceção fica por conta do evento de abertura, no dia 03, que acontecerá às 15h. Além disso, as atrações foram selecionadas por não possuírem em seu repertório músicas que fazem apologia à violência, bebidas e sexo.

Para garantir a segurança e a tranquilidade do público, a Secretaria Municipal de Cultura solicitou o apoio da Secretaria de Segurança Pública, através da Guarda Municipal e do Departamento Municipal de Trânsito (Demutran) e também da Polícia Militar. As Secretarias de Saúde e Meio Ambiente e Serviços Públicos estarão presentes fazendo campanhas educativas, ações preventivas e atendimentos médicos, em caso de necessidade. Toda a programação será gratuita.

Terreirada Cearense

O Bloco Terreirada Cearense surgiu de uma festa com mesmo nome, idealizada pelo cantor, compositor e brincante cearense Junu (Geraldo Júnior). A agremiação leva ao carnaval de rua do Rio de Janeiro o que há de mais representativo da cultura nordestina ao apresentar um pedaço da diversidade da música de um outro Brasil, do sertão, da periferia, com cores, ritmos e danças que fazem a festa do povo.

Além de apresentar ritmos como forró, coco, xaxado, baião, xote, galope, maracatu e frevo, o bloco, que hoje é realizado por Junu, Raquel Potí, Thais Bezerra, Igor Conde e mais um grande coletivo-família. Também traz as composições do cantor Junu e músicas de folguedos e grupos de cultura popular tradicional do Brasil, especialmente da região do Cariri cearense.

Programação

3 de fevereiro (sábado)

Bloco / Terreirada Cearense

Local: RFFSA Juazeiro do Norte (Praça dos Ourives) | Horário: 15h

10 de fevereiro (sábado)

DJs / Encontro de Blocos (16 Blocos) / Escola de Samba do Siri-Ará / Sol na Macambira / Banda de Música

Local: Teatro Marquise Branca Avenida Padre Cícero | Horário: 16h

11 de fevereiro (domingo)

DJs / Carnaval Infantil / Bloco Folia Não Tem Idade/ Banda de Música

Local: Teatro Marquise Branca Avenida Padre Cícero | Horário: 16h

12 de fevereiro (segunda-feira)

DJs / Bloco dos Mascarados / Concurso de Máscaras / Banda Tiro Certeiro / Banda de Música

Local: Teatro Marquise Branca Avenida Padre Cícero | Horário: 16h

13 de fevereiro (terça-feira)

DJs / Maracatu Nação Cariri / Afoxé Mãe Teta / Kariri Brega Style / Banda de Música

Local: Teatro Marquise Branca Avenida Padre Cícero | Horário: 16h

08:28 · 29.01.2018 / atualizado às 08:28 · 29.01.2018 por
As crianças receberam oficinas de pintura. (Foto: Divulgação/Prefeitura)

Crato. No último sábado (27), foi realizado o Mutirão de de Limpeza e Arte, na comunidade do Gesso, com objetivo de pensar o urbanismo, social e o cuidado com a população local. Uma série de ações aconteceram no bairro, que foram idealizadas pelo Coletivo Camaradas e contou com apoio das secretarias municipais de Saúde, Meio Ambiente e Desenvolvimento Territorial; da Ouvidoria; e da Coordenação de Limpeza Pública.

O mutirão teve capinação, recolhimento do lixo e visitas às residências para conversar sobre os cuidados para com a proliferação do mosquito Aedes Aegypti. A equipe da Secretaria de Meio Ambiente distribuiu mudas, entre elas, goiaba; capim santo; pimenteira; amora; e caju.

Além disso, o projeto Ouvidoria Itinerante, esteve presente promovendo uma gestão participativa, oferecendo um meio de comunicação para a população. Para a criançada da comunidade do Gesso, o grupo Mochileiros do Reino, disponibilizou pinturas de rosto, e brincadeiras em um circuito de esportes vivenciando de forma lúdica a questão do trabalho em equipe.

De acordo com o idealizador do Coletivo Camaradas, Alexandre Lucas, a ação se propõe a discutir o direito à sociedade, a estética como estratégia de movimento, da qualidade de vida das pessoas. “Estamos aqui para fazer um trabalho social que visa repaginar esteticamente a visualidade da comunidade, pensar na questão da educação ambiental, da limpeza das ruas, da ocupação dos muros da comunidade pelos artistas da Região do Cariri, e que irá repercutir na questão da autoestima dos moradores”, ressaltou.