Busca

Categoria: Educação


15:17 · 06.11.2017 / atualizado às 15:17 · 06.11.2017 por
As vagas são para os cursos de Informática e Agropecuária (Foto: Divulgação/IFCE)

Crato. A partir de amanhã (07) começam as inscrições para o processo seletivo 2018.1 do campus de Crato do Instituto Federal do Ceará (IFCE). São 225 vagas no total, distribuídas entre os cursos de Informática para Internet e Agropecuária, na modalidade integrado ao ensino médio, e Agropecuária na modalidade subsequente. O prazo para a candidatura se encerra no dia 20 de novembro.

As inscrições são realizadas exclusivamente pela internet, no site, em que também está disponível o edital completo. A seleção é feita por meio da análise do histórico escolar dos candidatos. Além de Crato, vinte e quatro campi do IFCE participam do edital, que oferta 2.815 vagas no total.

Depois de feita a inscrição pela internet, o candidato terá até às 17h do dia 27 de novembro para entregar no campus a documentação solicitada no edital: protocolo gerado no ato da inscrição online, CPF, documento de identificação oficial e histórico escolar de acordo com a modalidade de curso escolhida ou documento equivalente.

A previsão é que o resultado final seja divulgado no dia 5 de janeiro de 2018. A pré-matrícula dos candidatos aprovados ocorre nos dias 8, 9 e 10 de janeiro. Já a chamada dos classificáveis está prevista para o dia 16 de janeiro. O cronograma completo está disponível no edital.

Cursos oferecidos

O curso de Informática para a Internet é oferecido na modalidade Integrado ao Ensino Médio. Ou seja, o aluno recebe a formação técnica ao mesmo tempo em que cursa o ensino médio regular, também no campus. O curso é integral e tem duração de três anos.

Os alunos são preparados para planejar, executar e gerenciar atividades de concepção, especificação, projeto, implementação, avaliação, suporte e manutenção de sistemas e de tecnologias de processamento e transmissão de dados e informações, incluindo hardware, software, além dos aspectos organizacionais e humanos.

Enquanto o curso de Agropecuária é ofertado em duas modalidades: Integrado ao Ensino Médio, com duração de 3 anos, e Subsequente, com duração de um ano e meio, para quem já concluiu o ensino médio e deseja uma formação profissional.

O Técnico em Agropecuária planeja, executa, acompanha e fiscaliza projetos agropecuários e administra propriedades rurais. Elabora, aplica e monitora programas preventivos de sanitização na produção animal, vegetal e agroindustrial, além de fiscalizar produtos da área. Realiza medição, demarcação e levantamentos topográficos rurais e atua em programas de assistência técnica, extensão rural e pesquisa.

Serviço

Processo seletivo 2018.1 – IFCE Crato

Inscrições de 7 a 20 de novembro, pelo site

Entrega da documentação até 27 de novembro

Endereço:
Setor de Registros Acadêmicos (Rodovia CE 292, km 15, bairro Gisélia Pinheiro)

Contato: (88) 3586-8169 | ccaifcrato@gmail.com

Mais informações: www.ifce.edu.br/crato

07:47 · 06.11.2017 / atualizado às 09:24 · 06.11.2017 por

Crato. O Governador do Estado do Ceará, Camilo Santana, anunciou, na sua página do Facebook, na última terça-feira (31), a compra do prédio do antigo SESI, no Município. O local passa a fazer parte da Universidade Regional do Cariri (URCA). A aquisição estava sendo aguardada com expectativa pela Universidade. A luta para a conquista do novo espaço, vinha sendo mantida pelos que integram a comunidade acadêmica e a Administração Superior da Instituição.

O Reitor da URCA, Patrício Melo, esteve na última semana, na Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC) e também na Casa Civil, para fortalecer o processo de aquisição do novo prédio. O local irá abrigar o Centro de Artes, com os cursos de Artes Visuais e Teatro, além de passar a contar com equipamentos importantes voltados à formação em cursos como o de Educação Física, além de ações de extensão.

O Reitor destacou a luta pelo Curso de Artes de uma infraestrutura para abrigar os cursos durante os últimos anos. Segundo ele, houve muito empenho para essa aquisição. “Essa é uma luta coletiva, com a vitória da Universidade, além do apoio da Secretário da Ciência, Tecnologia e Educação Superior do Estado (SECITECE) e da URCA”, disse.

Conforme o Reitor da Universidade, a aquisição do prédio tem uma grande relevância para a cidade do Crato, principalmente num momento de crise que passa o Brasil. “Era um equipamento que estava desativado e precisava ter vida para dar uma nova visibilidade à geografia do Crato”, avalia.

O secretário de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Estado, Inácio Arruda, também comemorou a conquista do SESI, que foi desapropriado para dar lugar ao um novo campus da URCA. “É uma conquista que faz parte da história dessa gestão e marca o dia que os novos professores entram oficialmente na universidade. É mais um espaço para produção do conhecimento”, afirma.

Centro de Artes

O Centro de Artes Reitora Maria Violeta Arraes da URCA abriga os cursos de Artes Visuais e Teatro e esta é a segunda vez que os estudantes e professores destas graduações mudam de equipamento. Em 2010, o Centro de Artes saiu do Casarão da Rua Matriz, em Barbalha, e se mudou para bairro Pirajá, em Juazeiro do Norte. Porém, em julho deste ano, o prédio foi interditado após laudo da Defesa Civil e do Corpo de Bombeiros constatar o risco de desabamento da estrutura. Os estudantes estão há quatro meses sem aula.

06:00 · 26.10.2017 / atualizado às 04:37 · 26.10.2017 por
Pagamento simbólico foi realizado durante o anúncio. (Foto: Samuel Macedo)


Juazeiro do Norte.
Na manhã desta quarta-feira (25), no Memorial Padre Cícero, a Prefeitura Municipal anunciou o pagamento referente ao Precatório dos profissionais do magistério. O repasse aos professores é de R$ 65,3 milhões, recurso do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef), em contas na Caixa Econômica Federal (CEF). Mais de cinco mil profissionais terão direito ao recurso, rateado entre os professores lotados na folha da Secretaria de Educação dos anos de 2001 a 2006 e 2007 a 2016.

O Prefeito de Juazeiro do Norte, Arnon Bezerra, destacou para um público de mais de 400 professores, coordenadores e diretores de escolas da Rede Pública Municipal a alegria de poder estar concluindo esse processo. Desde o início, ele garantiu o seu interesse de resolver a questão, com o repasse dos 60% do precatório aos docentes. Na reunião,  foi efetuado de forma simbólica o primeiro pagamento do precatório a professora do Município, de mais de R$ 49 mil.

Os servidores que não possuem conta na CEF poderão comparecer, a partir desta quinta-feira, 26, das 14h às 16h, conforme a gerência da Caixa, para receber a quantia através de cheque e possam efetuar o saque, sem ser necessário abrir conta no banco. “Hoje comemoramos esse grande feito que é a entrega ao professor daquilo que foi oferecido a ele”, destacou o Prefeito Arnon Bezerra.

Folha de pagamento

O Secretário de Administração e Finanças Evaldo Soares informou também que será pago até a próxima segunda-feira (30) a folha de pagamento do mês de outubro, com valor correspondente a R$ 16,7 milhões, onde somados irão gerar um impacto financeiro de mais de R$ 82 milhões na economia de Juazeiro do Norte, fortalecendo o comércio da cidade. Dinheiro este que, segundo Evaldo Soares, chega no momento certo, ou seja, no final de ano, onde os servidores municipais poderão planejar melhor as festas natalinas.

Orientações

De acordo com o Evaldo Soares, os recursos serão transferidos para as contas bancárias dos professores que estão na ativa, cuja conta atualmente utilizada para recebimento dos proventos municipais, está devidamente cadastrada no sistema de pagamento da Prefeitura. Para os professores que não estão na ativa, o pagamento será realizado presencialmente na Caixa Econômica Federal. Na ocasião, o beneficiado indicará uma conta corrente válida ou fará o resgate do valor a que tem direito, através de cheque nominal.

Para poder atender satisfatoriamente os beneficiados que se enquadram na condição descrita anteriormente, a Caixa Econômica realizará atendimento no horário especial, das 14h às 16h, com limite de 100 pessoas por dia. Segundo o técnico da Seduc, Renato Miranda, o atendimento bancário será feito por ordem alfabética mediante calendário estabelecido pela Secretaria de Educação, a partir do dia 26.

Ato consolidado

Durante o evento no Memorial Padre Cícero, a Secretária de Educação Maria Loureto de Lima, ressaltou o apoio do Prefeito Arnon Bezerra durante todo o processo. Loureto falou também da importância do diálogo entre as partes envolvidas durante as negociações (Prefeitura, Seduc e sindicatos) que, com o acompanhamento da Câmara de Vereadores, Ministérios Públicos Estadual e Federal, chegaram a um acordo que trouxe benefícios a todos os envolvidos.

“Nós estamos em um ponto muito importante, onde se consolida um ato administrativo que tem vários significados, tanto para a autoestima do professor, como também para o aquecimento da economia de Juazeiro do Norte. E para que essa administração sinalize a seriedade e o compromisso que tem com todas as Secretarias”, comentou a Secretária Loureto.

07:54 · 24.10.2017 / atualizado às 09:01 · 24.10.2017 por

Crato. A Prefeitura Municipal, através da Secretaria Municipal de Educação, irá promover a partir do dia 31 de outubro um minicurso básico de Língua Brasileira de Sinais (Libras). Realizado na Escola Maria Yara de Brito Gonçalves (Centro de Atenção Integral à Criança CAIC), localizada no bairro Batateira, o objetivo do curso é a inclusão e difusão da linguagem.

Serão disponibilizadas 20 vagas para o curso, sendo 10 vagas destinadas aos alunos da escola e 10 vagas para as pessoas da comunidade da bairro. O curso acontecerá nas terças e quintas, das 16h às 17h. As inscrições acontecem de 25 a 27 de outubro, e podem ser realizadas na própria escola.

O intuito é levar a comunidade escolar a conhecer a Língua Brasileira de Sinais e a sua relevância na comunicação das pessoas surdas; compreender a importância de assegurar à pessoa surda o acesso à comunicação, à informação e à educação; e estabelecer diálogos em Libras em diversos contextos sociais, principalmente no âmbito escolar.

07:49 · 24.10.2017 / atualizado às 08:50 · 24.10.2017 por
Representantes da prefeitura e dos sindicatos firmaram acordo para o pagamento ser realizado a partir de amanhã (25). (Foto: Reprodução/Prefeitura Municipal)

Juazeiro do Norte. Em Audiência Pública, realizada no Ministério Público Federal, ficou decidido o início do pagamento do precatório do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef) para a próxima quarta-feira (25), no Município. O encontro foi mediado pelo Procurador da República, Rafael Ribeiro, e teve como principal intuito, formalizar o acordo.

Na ocasião estiveram presentes o Procurador Geral do Município de Juazeiro do Norte, Bernardo Oliveira, a Secretária de Educação, Maria Loureto Lima, o Secretário de Administração e Finanças, Evaldo Soares, representantes do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Juazeiro do Norte (Sisemjun), representantes do Sindicato dos Professores e Servidores em Educação do Estado do Ceará (Apeoc) e a imprensa local.

A Prefeitura de Juazeiro do Norte apresentou as folhas de pagamento elaboradas, bem como foi reiterado assuntos referentes ao pagamento dos professores.  No encontro, o Procurador do Município, Bernardo Oliveira, enfatizou a importância desse momento para fixar o acordo entre as partes envolvidas. “Dessa forma é possível dar mais transparência ao processo de pagamento”, destacou.

Já a Secretária de Educação, Maria Loureto, comemora o cumprimento da data prevista para o início da liquidação e a finalização de todo o trâmite burocrático. “Nós estamos desde o início, sempre abertos ao diálogo, e com relação a algum assunto pendente, estaremos de portas abertas para os esclarecimentos”, disse.

Valores a serem pagos

Em linhas gerais, conforme acordo previamente firmado entre as partes, sob acompanhamento e orientações do Ministério Público, todos os professores da rede municipal de ensino, ativos entre os anos de 2001 a 2016, exceto os que estavam em licença sem remuneração, deverão receber os 60% dos mais de R$ 120 milhões provenientes do precatório do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef).

Dos 60% do valor total, 50% será destinado ao rateio entre professores que constavam na folha de pagamento do município entre os anos de 2001 a 2006. Os outros 50% serão rateados entre os professores lotados entre 2007 e 2016. Também serão contemplados os professores temporários e os da Educação Infantil nas duas situações citadas.

Já a Prefeitura deve investir os 40%, a que tem direito, na melhoria das escolas através de reformas e da aquisição de equipamentos tecnológicos que contribuirão para o processo de educação no município, além de repasse garantido pelo Prefeito Municipal, Arnon Bezerra, aos funcionários da Educação, de 5%.

17:01 · 23.10.2017 / atualizado às 11:55 · 24.10.2017 por
A Câmara Municipal ficou lotada. A matéria gerou muita discussão e grupos à favor e contra a Proposta estiveram no local.

Crato. Em sessão tumultuada, foi aprovada nesta segunda-feira (23) o Projeto de Emenda à Lei Orgânica (nº 1610001) do vereador Roberto Anastácio (Podemos) chamada de Lei  “Infância sem Pornografia” que veta as discussões sobre gênero nas escolas públicas e privadas do município. Por nove votos à favor e sete contrários, o projeto não passará pelas mãos do prefeito Zé Ailton Brasil.

De acordo com Roberto Anastácio, propositor do projeto, a matéria se fundamenta pelo Artigo 9º, Inciso I, da Lei de Diretrizes e Bases da Educação (Nº9.394/1996), que diz que a “União incumbir-se-á de elaborar o Plano Nacional de Educação, em colaboração com os Estados, o Distrito Federal e os Municípios”. O vereador afirma que os estados e municípios tem competência para legislar sobre seus planos.

Ainda segundo o parlamentar, este projeto surgiu “para que não haja a imoralidade que está havendo”. Roberto Anastácio acredita que tudo aquilo que for “pornográfico”, em relação ao Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) tem que ser evitado nas escolas. “Tudo aquilo que foge da moralidade, do censo comum e da ética”, completa.

O projeto contém 25 incisos e foi elaborado junto com a Comissão de Constituição e Justiça da Câmara Municipal. No inciso XI diz que “impede, sob quaisquer pretextos, a utilização de ideologia de gênero na educação municipal”. A matéria diz ainda que órgãos e servidores públicos poderão cooperar na formação de crianças e adolescentes “desde que, previamente, apresentem às famílias o material pedagógico, cartilha ou folder que pretendem apresentar ou ministrar em aula ou atividade”.

A Comissão da Igualdade Racial e Diversidade Sexual da OAB/CE, Subseção de Crato, lançou nota de repúdio a aprovação do Projeto de Lei. Segundo o informe, abordar sobre gênero nas escolas não significa influenciar sobre a orientação sexual ou identidade de gênero dos alunos, nem introduzir práticas sexuais, mas possibilitar uma educação ampla.

“Uma vez que a educação sexual é parte da formação do indivíduo e o Estado tem o dever de oferecer aos jovens uma educação, pluralista e democrática, compatível com a vida contemporânea. Não tratar sobre a temática no âmbito do ensino é contribuir para a desinformação de crianças e adolescentes sobre o tema, fomentando a perpetuação de estigmas e de toda consternação que deles decorrem”, diz o comunicado.

A partir da aprovação do Projeto de Lei, a Comissão da Igualdade Racial e Diversidade Sexual da OAB/CE, subseção Crato, informou que usará de suas atribuições legais e buscará as medidas constitucionais cabíveis para barrar a matéria. Se possível, irão entrar com a ação junto ao Superior Tribunal Federal.

Audiência Pública

Na última sexta-feira (20), foi realizada a Audiência Pública para debater o Projeto de emenda à Lei Orgânica (nº 1610009) do vereador Roberto Anastácio (Podemos), que com a presença de vereadores, movimentos sociais, representantes do Conselho Municipal de Educação, do Conselho Municipal dos Direitos das Mulheres, do Conselho LGBT, da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), da Defensoria Pública do Estado do Ceará, da Universidade Regional do Cariri (URCA), além de professores e gestores das escolas municipais de Crato. Muitos levaram cartazes protestando contra o Projeto de Lei.

Na sexta-feira (20), uma audiência pública foi realizada para debater o Projeto de Lei. O vereador propositor não compareceu.

Inconstitucional

Na ocasião, a defensora pública Janayna Sales Nobre, afirmou que a proposta fere os princípios da Constituição Federal de 1988, destacando o Artigo 3º que diz que o Estado deve “promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação”. “O Plano Nacional de Educação também diz que o gênero e a orientação sexual devem ser ensinados para combater a desigualdade. Não podemos negar todos os tratados internacionais, não olhar para Psicologia, para Medicina”, explicou a defensora.

Enquanto a advogada Camila Pinheiro, presidente da Comissão da Igualdade Racial e Diversidade Sexual da OAB/Ce, subseção Crato, colocou que o projeto é inconstitucional, porque viola o Artigo 22, inciso 24 da Constituição Federal, que prevê que é competência privativa da União legislar sobre as diretrizes e bases da educação. “O Município não pode proibir que determinado assunto seja discutido nas escolas. Afronta, também o princípio da proteção integral da criança e do adolescente. Eles tem direito a ter acesso a uma educação ampla”, disse a advogada.

“A gente tem que lembrar que o Poder Legislativo não está serviço da Igreja ou qualquer religião que seja. O Estado é laico. A lei deve ser para todos, inclusive para as crianças que se reconhecem trans e homossexuais na infância. O Brasil é o país que mais mata transexuais e travestis no mundo todo. A evasão escolar de pessoas trans é imensa. O Poder Legislativo tem que fazer propostas de lei que incentivem a inclusão social e não a exclusão”, completou.

16:30 · 20.10.2017 / atualizado às 22:59 · 20.10.2017 por
A Audiência Pública lotou a Câmara Municipal. Muitos protestaram contra o Projeto de Lei (Fotos: Antonio Rodrigues)

Crato. Com a Câmara Municipal lotada nesta sexta-feira (20), pela manhã, foi realizada a Audiência Pública para debater o projeto de emenda à Lei Orgânica (nº 1610001) do vereador Roberto Anastácio (Podemos), que proíbe o ensino da disciplina “Ideologia de Gênero” nas escolas públicas e privadas do município. O parlamentar propositor não compareceu ao debate. A matéria será votada nos dias 23 e 24 deste mês.

A audiência contou com a presença de vereadores, movimentos sociais, representantes do Conselho Municipal de Educação, do Conselho Municipal dos Direitos das Mulheres, do Conselho LGBT, da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), da Defensoria Pública do Estado do Ceará, da Universidade Regional do Cariri (URCA), além de professores e gestores das escolas municipais de Crato. Muitos levaram cartazes protestando contra o Projeto de Lei.

De acordo com a defensora pública Janayna Sales Nobre, a proposta fere os princípios da Constituição Federal de 1988, destacando o Artigo 3º que diz que o Estado deve “promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação”. “O Plano Nacional de Educação também diz que o gênero e a orientação sexual devem ser ensinados para combater a desigualdade. Não podemos negar todos os tratados internacionais, não olhar para Psicologia, para Medicina”, explica a defensora.

Inconstitucional

Enquanto a advogada Camila Pinheiro, presidente da Comissão da Igualdade Racial e Diversidade Sexual da OAB/Ce, subseção Crato, colocou que o projeto é inconstitucional, porque viola o Artigo 22, inciso 24 da Constituição Federal, que prevê que é competência privativa da União legislar sobre as diretrizes e bases da educação. “O Município não pode proibir que determinado assunto seja discutido nas escolas. Afronta, também o princípio da proteção integral da criança e do adolescente. Eles tem direito a ter acesso a uma educação ampla”, garante.

A advogada Camila Pinheiro e a defensora pública Janayna Sales abordaram a parte jurídica do Projeto de Lei.

A advogada acrescenta que o projeto viola princípios específicos da educação, como a liberdade de ensinar, aprender, expressar-se, divulgar o pensamento e, também, ter a liberdade de se posicionar. “É inconcebível que um tema tão importante como esse seja banido da discussão social. A escola é fundamental para desconstruir esses estigmas sociais construídos ao longo do tempo. É na escola que o preconceito começa”, afirma Camila.

“A gente tem que lembrar que o Poder Legislativo não está serviço da Igreja ou qualquer religião que seja. O Estado é laico. A lei deve ser para todos, inclusive para as crianças que se reconhecem trans e homossexuais na infância. O Brasil é o país que mais mata transexuais e travestis no mundo todo. A evasão escolar de pessoas trans é imensa. O Poder Legislativo tem que fazer propostas de lei que incentivem a inclusão social e não a exclusão”, completa Camila Pinheiro, garantindo que se o projeto for aprovado, a OAB poderá recorrer, até mesmo, ao Superior Tribunal Federal.

O vereador Pedro Lobo (PT), presente na audiência, acredita que a Câmara Municipal não tem competência para decidir sobre este assunto, pois, por mais que a Lei possa fazer suplementação, ela vai contra a Lei de Diretrizes e Base da Educação. “Nós precisamos ser contra à intolerância religiosa, à favor liberdade sexual. Os assuntos como sexualidade devem ser debatidos na escola”, opina o parlamentar.

Violência de gênero

O professor da URCA, Roberto Marques, lembrou que os movimentos sociais e as mulheres mortas entre os anos 2001 e 2003, no Município, é que chamaram a atenção para a desigualdade de gênero e a necessidade de se combatê-la. “É necessário que cada um de nós aprendemos a pensar o local que ocupamos socialmente e esse aprendizado se dá na escola. Pensar não é um ato natural, é um ato crítico. E quero acreditar que os professores colaborarão com esse ato crítico”, provoca Roberto.

Professores levaram cartazes se manifestando contra o Projeto de Lei.

A professora Verônica Isidorio, membro do Conselho Municipal dos Direitos das Mulheres e da Frente de Mulheres dos Movimentos do Cariri, discursou na Câmara Municipal, destacando que a matéria se trata de uma retirada de direitos e que a Casa deveria garantir o que está no Plano Municipal de Educação. “É estranho tratar de violência contra a mulher em sala de aula e achar que tem alguém vigiando. Falar dos altos índices de violência contra a população LGBT e saber que tem gente espionando o que estamos passando nas escolas”, afirma.

“Quando o vereador cria um projeto desse e não se propõe a vir discutir o projeto, não sei qual seria a reação de uma Casa que a pessoa diz o que quer e não vem, sequer, defender. Não faz sentido votar o projeto se nem o vereador veio discutir”, completa Verônica.

Ausente na audiência, o vereador Roberto Anastácio acredita que o Projeto de Lei é uma adequação do município ao Plano Estadual de Educação. Ele acredita que gênero e sexualidade devem ser tratados, exclusivamente, pela família. Para ser aprovado, o Projeto precisa de maioria simples (metade +1) e não precisará passar pelas mãos do Prefeito José Ailton Brasil.

O projeto

O Projeto (nº 1610001) diz que fica proibido na grade curricular da Rede Municipal de Ensino e na rede privada a disciplina denominada “Ideologia de Gênero”, assim como qualquer disciplina que “tente orientar a sexualidade dos alunos ou que tente extinguir o gênero masculino e/ou feminino como gênero humano”, diz a matéria.

 

05:06 · 20.10.2017 / atualizado às 01:18 · 20.10.2017 por
O evento contará com cursos de informática. (Foto: Divulgação/IFCE)

Crato. “A matemática está em tudo” é o tema da XXI Semana Tecnológica do Instituto Federal do Ceará (IFCE), campus Crato, que, desde a última quarta-feira (18), tiveram suas inscrições abertas. O evento acontecerá entre os dias 23 a 27 de outubro. A programação conta com palestras, minicursos e oficinas, principalmente nas áreas de Agropecuária e Informática. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo site.

Os participantes poderão escolher entre cursos de apicultura, horta suspensa, criação de cavalos, inglês técnico para informática, design para dispositivos móveis, automação residencial, entre outros. Além disso, poderão acompanhar palestras sobre segurança em redes sociais e tecnologias em prol da solução de problemas urbanos.

“No caso da Computação/Informática, temos toda uma área que é puramente a aplicação da matemática. Com isso, decidimos montar uma programação na qual a ideia é difundir a tecnologia com o foco na informática. Nossos palestrantes apresentarão a tecnologia aplicada em algumas áreas diversas (cidades, sociedade, redes sociais, etc) e teremos minicursos bem variados”, explica o professor Yuri Lacerda.

Cariribot

Uma novidade faz parte da programação da Sematec este ano: é a Cariribot, primeira competição de robótica organizada pelo campus. O torneio ocorre no primeiro dia do evento e será dividido em quatro modalidades: seguidor de linha níveis I e II, labirinto, vôlei e robô ratoeira. Cada prova exige um tipo de controle para os robôs, que podem ser autônomos ou controlados por tecnologias sem fio.

A competição é organizada pelo Grupo de Estudos em Robótica e Olimpíadas Livres (Gerol), do IFCE Crato, e receberá alunos de ensino fundamental, médio e superior.

11:58 · 16.10.2017 / atualizado às 12:04 · 16.10.2017 por

Crato. Estão abertas as inscrições para o Seminário Nacional de História e Contemporaneidades, que será realizado entre os dias 6 e 9 de março de 2018, na Universidade Regional do Cariri (URCA). Em sua terceira edição, o evento traz como tema “Brasil: autoritarismo, cultura política e Direitos Humanos”, que debaterá, em mesas redondas, minicursos e simpósios temáticos, os desafios de refletir o contexto político nacional e o papel da história como espaço de ponderação sobre fenômenos ligados ao tempo presente. O seminário é uma iniciativa do Laboratório de Pesquisas em História Cultural (LAPEHC) e as inscrições se encerram no dia 15 de novembro.

Desde sua primeira edição, em setembro de 2013, o Seminário Nacional de História e Contemporaneidades tem se caracterizado por debater temas pulsantes de nosso tempo. Inclusive, é um evento interdisciplinar, que convida estudantes, professores e pesquisadores de diferentes áreas. De acordo com Sonia Meneses, professora da URCA e membro do LAPEHC, o seminário reunirá pessoas de vários lugares e instituições de educação do País.

“Antropólogos, advogados, historiadores, sociólogos. A ideia é fazer um debate bastante plural sobre este momento que estamos vivendo. Inclusive, momento que estamos notando essa emergência de movimentos conservadores, discussões que estão tomando vários rumos, principalmente com a crise cultural, política e econômica”, aponta a professora.

Na próxima edição, no ano que vem, as quatro mesas principais terão o seguintes debates: movimentos conservadores no século XXI; História, memória e sensibilidades; o ensino da História; cultura política no Brasil. “O seminário propõe não apenas a reflexão de tais problemas, mas um debate que possa apontar alternativas possíveis para a crise na qual nos encontramos”, completa Sonia.

Além disso, o seminário terá 12 simpósios temáticos que terão debates sobre gênero, sexualidade, cultura popular, religiosidade, literatura, patrimônio, entre outros temas. Ainda serão realizados dez minicursos durante os quatro dias de evento. Outra atração será a exposição “Memórias”, do artista plástico Pablo Manyé.

Nas edições anteriores, em 2013 e 2015, o Seminário Nacional de História e Contemporaneidades teve cerca de 700 e 500 inscritos, respectivamente. A expectativa para o ano que vem é de um número ainda maior. Para se inscrever e conferir a programação completa, os interessados podem acessar através do site.

15:19 · 14.10.2017 / atualizado às 15:19 · 14.10.2017 por
O calor não foi obstáculo e a Praça 7 de Setembro recebeu centenas de pessoas. ( Fotos: Antonio Rodrigues)

Milagres. Nem mesmo o sol forte afastou a população, que compareceu em grande número para a Ação Verdes Mares, realizada na manhã deste sábado (14), na Praça 7 de Setembro. Mais de mil pessoas tiveram acesso aos diversos serviços gratuitos de entretenimento, saúde, beleza e educação. Ao todo, cinco tendas trabalharam na atividade que tem iniciativa da TV Verdes Mares Cariri, com patrocínios da Prefeitura Municipal e Unimed, além do apoio da Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac).

Nesta edição, a última da região do Cariri este ano, a Ação Verdes Mares dispôs, por mais de quatro horas, os serviços de aferição de pressão, teste de glicemia, massagem, manicure, pedicure, corte de cabelo, vacinação e distribuição de kits odontológicos e preservativos. Além disso, os mascotes divertiam e educavam as crianças sobre os cuidados com o mosquito da dengue, economia de água e saúde dos dentes.

Paralelo aos serviços, uma série de atrações locais se apresentaram no palco da Ação Verdes Mares: grupo de capoeira, bandas musicais, palhaços, fanfarra, entre outros. Uma tenda também expôs o trabalho dos artesãos locais. “Como a atividade tem um cunho social, a gente tem a obrigação de está mostrando os talentos da terra. Cada município tem os seus e a gente busca valorizar”, garante o produtor da Ação Verdes Mares, Julio César Costa.

O prefeito de Milagres, Lielson Landim, esteve presente no evento e destacou o desejo da população para que a Ação Verdes Mares acontecesse no Município. “Assim que tivemos a oportunidade de trazer, nós abraçamos, imediatamente, celebrando essa parceria. O Município tem muito a ganhar, além das ações sociais, está dando visibilidade ao que Milagres tem de bonito, a arte, a cultura e a religiosidade. Além do que tem de acolhedor, a receptividade desse povo”, exalta o chefe do Executivo.

A aposentada Maritânia Leonel aproveitou a Ação Verdes Mares para verificar a pressão arterial e realizar teste de glicemia. “Minha saúde está mais ou menos (risos). Depois que verifiquei a pressão, agora vou começar a fazer exercícios”, explica. Enquanto a dona de casa Carla Giovana, grávida há sete meses, experimentou a massagem pela primeira vez. “Achei muito bom, estava com uma dor nas costas, aliviou mais”, conta a gestante. Enquanto o aposentado Manoel Lourenço levantou cedo para cortar o cabelo. “Achei que tava grande, agora fiquei mais lindo”, brinca Manoel.

A Ação Verdes Mares em Milagres foi a última realizada este ano na região do Cariri. Em 2017, a atividade social também passou por Barbalha, Juazeiro do Norte e Nova Olinda. Cerca de seis mil pessoas foram atendidas. Para o ano que vem já estão sendo articuladas novas parcerias em outros municípios.