Busca

Categoria: Meio Ambiente


09:06 · 13.06.2017 / atualizado às 10:49 · 13.06.2017 por
Foto Divulgação

A Chapada do Araripe, que abriga uma floresta nacional, uma área de proteção ambiental e um geoparque, agora também passa a contar com o maior parque eólico do Brasil e um dos maiores complexos eólicos da América Latina. Compreendido na fronteira entre os estados do Pernambuco e Piauí, o Ventos do Araripe III, da empresa cearense Casa dos Ventos, foi inaugurado no final da semana passada.

Com investimento total na ordem de R$ 1,8 bilhão, o complexo engloba 14 parques, dos quais nove estão no estado do Piauí e cinco em Pernambuco. São 156 aerogeradores e potência instalada de 359 MW, cuja energia produzida é suficiente para abastecer 400 mil casas. Durante a instalação do empreendimento, foram gerados cerca de 1.500 empregos diretos.

Todos os 14 parques e aerogeradores foram instalados em propriedades arrendadas de 71 famílias de Araripina (PE) e Simões (PI),  abrangendo uma área de 10.200 hectares. Este modelo permitiu que os moradores se tornassem parceiros da Casa dos Ventos. Mensalmente, as famílias vão receber quantia calculada a partir da energia gerada. Ao todo, serão mais de R$ 5 milhões pagos anualmente para as famílias que tiveram propriedades arrendadas.

Faça o Diário Cariri conosco, envie sugestões de reportagens através do WhatsApp (85) 9.8736.2018 ou ligue para nossa redação: (88) 3572-4214. Sua sugestão também pode ser enviada para o e-mail: andre.costa@diariodonordeste.com.br

12:56 · 04.10.2016 / atualizado às 12:56 · 04.10.2016 por

Nova espécie de caranguejo descoberta por pesquisadores da região
Nova espécie de caranguejo descoberta por pesquisadores da região. Foto: Divulgação

Uma nova espécie de caranguejo, de nome científico kingleya attenboroughi, foi descoberta no território do Geopark Araripe, pelos pesquisadores Alysson Pinheiro, da Universidade Regional do Cariri (Urca) e Willian Santana, da Universidade do Sagrado Coração (USC) em Bauru, SP. O crustáceo foi encontrado no distrito de Arajara, em Barbalha, e descrito e ilustrado no artigo “A new and endangered species of Kingsleya Ortmann, 1897 (Crustacea:Decapoda: Brachyura: Pseudothelphusidae) from Ceará, northeastern Brazil”, em  tradução livre “Uma nova e ameaçada espécie de Kingsleya Ortmann, 1897 (Crustacea: Decapoda: Brachyura: Pseudothelphusidae) do Ceará, Nordeste do Brasil”.

Trata-se de uma espécie de caranguejo de água doce. Segundo os pesquisadores, ele já foi descoberto em condição de ameaça de extinção, assim como o Soldadinho-do-Araripe, pássaro endêmico da mesma região considerado criticamente em perigo de extinção pela Lista Vermelha Internacional da IUCN (2015) e pela lista oficial brasileira (MMA, 2014). Como explica o professor William Santana, o caranguejo kingleya attenboroughi existe em pouquíssimos lugares, com um número reduzido de espécimes e por causa do impacto do homem ao meio em que ele vive, é considerado ameaçado de extinção.

O caranguejo foi coletado durante o mês de abril no Córrego do Arajara e em pequenos cursos de água da região. Recebeu esse nome em homenagem ao grande naturalista inglês Sir. David Attenborough, que completa 90 anos em 2016, considerado o padrinho do Soldadinho- do- Araripe.

De acordo com o professor Alysson Pinheiro, esse achado ratifica a importância da região para a biodiversidade, bem como, reforça o valor do Geopark Araripe, da Floresta Nacional do Araripe (Flona) e da Área de Proteção Ambiental da Chapada do Araripe (APA).

Para a realização do trabalho, foram importantes o apoio da Urca, USC, Governo do Estado do Ceará através da Fundação Cearense de Apoio Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcap) e da Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior (Secitece), bem como da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

 

Para ter acesso ao artigo, clique aqui.

 

10:27 · 06.06.2016 / atualizado às 10:27 · 06.06.2016 por

lixaoO município de Juazeiro do Norte busca a gestão correta dos resíduos sólidos a exemplo do que já acontece em países desenvolvidos e algumas iniciativas já foram adotadas, enquanto outras estão por acontecer. Uma delas com caráter de extrema importância é a promoção de um seminário internacional com duração de dois dias e atraindo pessoas ligadas e interessadas na questão. O engenheiro químico Gleysson B. Machado está amadurecendo essa idéia com o Superintendente da AMAJU, Eraldo Oliveira.

Juazeiro tem procurado adotar uma gestão de resíduos sólidos de conformidade com a Política Nacional de Resíduos Sólidos por meio de metodologias e tecnologias para o alcance das metas da legislação e poderá até servir como modelo para o Brasil. Na Europa, Gleysson está traçando metas em relação ao evento que deve acontecer até o final do próximo mês e seria uma espécie de audiência pública. No primeiro momento, a prestação de contas com a sociedade sobre o que foi feito e o que está sendo realizado.

Nas etapas seguintes serão mostradas tecnologias européias que podem ser utilizadas para tratar os resíduos de Juazeiro; um debate sobre linhas de financiamentos e uma mesa redonda fechando o seminário. Gleysson disse a Eraldo Oliveira ter conversado sobre o assunto com representante da comunidade européia no Brasil e a idéia é atrair participantes da Itália, Alemanha e Áustria para apresentar tecnologias. Um momento seguinte deve ser a ida de técnicos da AMAJU à Europa para conhecer de perto modelos e soluções como o Parque de Resíduos Sólidos e Reciclagem do estado de Hesse na Alemanha.

Faça o Diário Cariri conosco, envie sugestões de reportagens através do WhatsApp (85) 9.8736.2018

15:41 · 16.05.2016 / atualizado às 15:42 · 16.05.2016 por

Barbalha. Promover a difusão de práticas integradas de produção de amendoim, com ênfase no controle biológico de fungos para reduzir a contaminação do produto no Mali. Esse é o objetivo do projeto “Transferência de tecnologias de produção de amendoim geradas pela Embrapa para adoção por produtores familiares na África (Aflamali)”.

Executado pela Embrapa e Universidade de Ciência e Tecnologia de Bamako, o projeto integra a plataforma África-Brasil de Inovação Agropecuária. As ações do projeto têm início amanhã (17). Pesquisadores e técnicos do Brasil e Mali participam de curso sobre “Boas práticas agrícolas (BPAs) e produção integrada de amendoim no Semiárido brasileiro” no Campo Experimental da Embrapa Algodão, em Barbalha, no Ceará. A programação inclui visitas a áreas de produção para conhecer cultivos de amendoim nas condições do Cariri cearense e técnicas de processamento de amendoim verde.

Segundo a pesquisadora da Embrapa Acre, Cleísa Cartaxo, líder do projeto no Brasil, a troca de experiência será importante para a geração de conhecimentos e produtos que possam beneficiar agricultores de amendoim dos dois países. “A Embrapa dispõe de procedimentos de boas práticas e de produção integrada consolidados, que podem ser adaptados à realidade dos maleses”, afirma. As técnicas apresentadas durante o curso serão difundidas junto a agricultores familiares do Mali.

A agenda de atividades no Brasil inclui também capacitação na Embrapa Agroindústria de Alimentos (RJ), com foco na identificação de fungos e análise de quantificação de aflatoxinas. O amendoim é um alimento de alto valor nutricional e bastante suscetível à contaminação por fungos. O problema afeta a qualidade do produto e tem como causa principal a exposição a altas temperaturas e umidade, nas diversas etapas da cadeia produtiva, condições que favorecem o desenvolvimento de microorganismos. Quando presente no amendoim, os fungos podem produzir toxinas danosas à saúde humana por terem efeitos cancerígenos.

Mali
Localizado na África Ocidental, o Mali, atualmente, possui cerca de 15 milhões de habitantes e é o segundo produtor de amendoim do continente. O alimento representa uma das principais culturas oleaginosas e importante fonte de gorduras e proteínas para a população local. Assim como no Brasil e em outras partes do mundo, a contaminação do amendoim por aflatoxinas é um fator limitante da produção malesa, prejudicando agricultores, indústrias de alimentos e consumidores.

Como alternativa de controle biológico, pesquisadores maleses estão trabalhando na formulação de um biopesticida, a partir de uma bactéria. A idéia é associar a adoção de boas práticas à aplicação do biopesticida, a fim de controlar a presença de fungos na cultura para reduzir os níveis de aflatoxinas no amendoim a limites estabelecidos pela legislação.

Do lado brasileiro, as boas práticas agrícolas (BPAs) serão adaptadas para o cultivo de amendoim nas aldeias da Terra Indígena Kaxinawá de Nova Olinda, localizada no município de Feijó, interior do Acre. “Nessa perspectiva, o projeto permite vislumbrar alternativas tecnológicas que promovam o aumento da produção e melhoria da qualidade do produto também em cultivos indígenas, como forma de garantir segurança alimentar, respeitando as especificidades culturais dessa população”, esclarece Cleísa Cartaxo.

Faça o Diário Cariri conosco, envie sugestões de reportagens através do WhatsApp (85) 9.8736.2018

16:08 · 08.04.2016 / atualizado às 16:08 · 08.04.2016 por

 

Será realizada nos dias 7 e 8 de abril, no largo da RFFSA, em Crato, exposição do Geopark Araripe, dentro do projeto Cariri Criativo, que tem realizado edições do evento na cidade e atraído significativo público para o local.

Também acontece neste dia 7 o projeto Geopark Araripe na comunidade, no ‘Vale do Amanhecer’, com programação das 8 horas até às 16h45. Na oportunidade, serão desenvolvidas várias ações, incluindo uma apresentação do projeto, cursos e atividades recreativas. Entre essas atividades, está a oficina de réplica de fósseis e reciclagem para jarro contra o mosquito de dengue.

Este ano, o projeto do Geopark Araripe, da Universidade Regional do Cariri (URCA), completa uma década de criado. Com chancela internacional da Unesco, o trabalho vem sendo realizado por meio de uma equipe multidisciplinar.

09:42 · 29.03.2016 / atualizado às 10:45 · 29.03.2016 por

Juazeiro do Norte. A região do Cariri registrou os maiores volumes pluviométricos das últimas 24 horas, de acordo com a Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme). Ao todo, choveu em 38 municípios cearenses. A cidade de Aurora obteve o maior índice, com 92 milímetros, seguida por Várzea Alegre (60 mm), Orós e Ipaumirim (ambos com 29 mm).

Todas as regiões do Ceará, executando o Maciço do Baturité, tiveram registros de pluviosidade. Na região litorânea, o órgão explica que “a Zona de Convergência Intertropical (ZCIT), principal sistema indutor de chuvas no estado do Ceará, no período de fevereiro a maio, no setor norte do Nordeste brasileiro, mantém sua atuação próximo ao litoral do estado”. A Funceme prevê, para o longo do dia, nebulosidade variável com eventos de chuva em todas as regiões do estado.

10 maiores chuvas por Municípios no dia:
Aurora (Posto: Aurora) : 92.0 mm
Várzea Alegre (Posto: Varzea Alegre) : 60.0 mm
Orós (Posto: Guassussê) : 29.0 mm
Ipaumirim (Posto: Ipaumirim) : 29.0 mm
Icó (Posto: Ico) : 28.6 mm
Lavras Da Mangabeira (Posto: Iborepi) : 26.0 mm
Umari (Posto: Umari) : 22.0 mm
Jucás (Posto: Jucas) : 22.0 mm
Grana (Posto: Pessoa Anta): 18.0 mm
Baixio (Posto: Baixio): 14.0 mm

Faça o Diário Cariri conosco, envie sugestões de reportagens através do WhatsApp (85) 9.8736.2018

13:49 · 18.02.2016 / atualizado às 13:49 · 18.02.2016 por

A primeira operação de 2016 do Programa de Combate à Fumaça Negra na região do Cariri resultou na autuação de dez veículos e um total de 363 vistoriados. A equipe de fiscalização da Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace) esteve nos municípios de Barbalha, Juazeiro do Norte e Crato, entre os dias 16 e 18, respectivamente, inspecionando a intensidade de fumaça emitida pelos automóveis movidos a diesel.

O Cariri é uma região que recebe uma atenção especial da Semace com relação à realização de blitze para combater a poluição atmosférica ocasionada pelos carros, em virtude da grande frota e do intenso fluxo de caminhões, ônibus e transportes alternativos entre as cidades. Os municípios do trecho Crajubar, como é conhecido o triângulo que envolve Crato, Juazeiro do Norte e Barbalha, lideraram de 2012 a 2014 a média de veículos irregulares no Ceará.

Medição

Para medir a intensidade de fumaça emitida pelo veículo, a Semace utiliza a escala de Ringelmann Reduzido, composta por cinco índices colorimétricos, que representam o grau de poluição. Na oportunidade, é feita uma comparação da cor do material lançado pelo carro na atmosfera com a cartela da escala. Quando constatado que a fumaça está semelhante aos dois primeiros níveis, o automóvel é liberado. Porém, se a cor apresentada se igualar aos três últimos é aplicada uma multa, que pode variar de R$ 1,614 a R$ 6,457.

A emissão de fumaça negra proveniente dos veículos automotores do ciclo diesel é o resultado de uma combustão incompleta e está associada a problemas operacionais e de manutenção, podendo acarretar doenças ligadas ao aparelho respiratório e cardiovascular, bem como alterações no clima da terra.

09:55 · 17.02.2016 / atualizado às 10:17 · 17.02.2016 por
Crédito: Divulgação Polícia Ambiental

A Companhia de Policiamento Ambiental realizou a captura, na manhã de ontem, de um bicho Preguiça, no Posto da Secretaria da Fazenda (SEFAZ), na cidade e Jati.  O animal foi entregue voluntariamente pelo motorista Ildenavi José do Monte. Ele encontrou o bicho preguiça no meio da rodovia, entre as Cidades de Moreno/PE e Bonança/PE.

O mamífero será entregue ao IBAMA, onde em seguida será devolvido ao seu habitat.

12:11 · 09.11.2015 / atualizado às 12:44 · 09.11.2015 por

1Crato. Segundo os moradores, o incêndio começou no Sítio Coqueiro, Zona rural de Crato, por volta do meio dia de sexta-feira (06) e se alastrou rapidamente. Logo que notaram o fogo, a população acionou o corpo de bombeiros que realizou uma ação conjunta com 15 brigadistas do Instituto Chico Mendes de conservação da Biodiversidade (ICMBio) no combate ao fogo.

Moradores relataram que o calor era muito forte e a fumaça espessa dava pra ser vista de longe. Com os fortes ventos e alta temperatura as chamas se espalharam rapidamente, o que dificultou o trabalho dos profissionais. Mesmo assim os bombeiros chegaram a controlar no mesmo dia. Mas na madrugada do sábado (07) o fogo voltou a aparecer na mata, em vários pontos diferentes, o que seria um indicativo de uma ação criminosa, de acordo com o comandante do corpo de bombeiros, capitão Leoni Granjeiro. “Não é comum aparecer tantos focos assim ao mesmo tempo”. O fogo só foi contido na manhã do domingo(08).
Hoje, nenhum foco foi encontrado. O corpo de bombeiros e brigadistas do ICMBio fazem nesse momento um trabalho de monitoramento nas áreas atingidas. “Não podemos concluir ainda que o incêndio está extinto, é preciso finalizar os trabalhos de monitoramento, mas a probabilidade de reacender é mínima”, afirma Vicente Alves Moreira, Gerente de Fogo da Floresta Nacional do Araripe.

2Reforço:
O corpo de bombeiros recebeu na tarde do domingo (09) um reforço com 15 profissionais do comando geral do corpo de bombeiros de Fortaleza para ajudar a combater o incêndio, caso fosse preciso. Moradores e populares sensibilizados com a situação ajudaram a combater o fogo usando mangueiras, tambores e garrafas pet para jogar água.
Segundo o capitão Leoni, foi verificado 30 hectares atingidos, sendo 25 na Área de Proteção Ambiental Chapada do Araripe e 05 na Floresta Nacional do Araripe.
O fogo não atingiu a tubulação de abastecimento, o que deixaria algumas localidades sem água, como a população temia. A assessoria de imprensa da Sociedade Anônima de Água e Esgoto de Crato (SAAEC) informou ao Diário do Nordeste que “o abastecimento mantém-se na normalidade”.

Impactos:
Segundo a gerência de fogo da floresta nacional do Araripe, a brigada de prevenção e combate a incêndios florestais já realizou 10 operações de combate desde julho, sendo 04 dentro e 06 fora da unidade de conservação,  mas com riscos de atingi-la.
No total, os incêndios atingiram 208 hectares, o que equivale a 208 campos de futebol.
“O mais grave nos incêndios que atingem a floresta é o impacto sobre o soldadinho-do- Araripe, que está em fase de reprodução. É um retrocesso, os danos para o meio ambiente são imensos. Com a floresta destruída, o solo fica desprotegido e deixa de absorver as águas das chuvas, ou seja, a água bate e escorre, causando desmoronamentos”.
Os dados levantados pelo ICMBio revelam que os incêndios florestais são 100% causados por imperícia, imprudência, negligência e dolo humanos. “Os incêndio são provocados, na maioria das vezes, com a queima de lixo e renovação de pastagem”, afirma Vicente Alves Moreira.
Para resolver o problema, o instituto sugere que os proprietários rurais se comprometam com a defesa de suas propriedades e que as prefeituras de Crato, Barbalha, Missão Velha e Jardim formem suas brigadas ou contratem bombeiros civis.
É preciso, ainda segundo o instituto, que o Governo do Estado amplie o efetivo do corpo de bombeiros do Cariri.

20:40 · 07.11.2015 / atualizado às 20:52 · 07.11.2015 por

 

 

IMG_7134Crato. O incêndio, segundo os moradores, teve início no Sítio Coqueiro por volta do meio dia de sexta-feira (06)e se alastrou rapidamente. Vários focos foram contidos ontem mesmo, mas hoje o fogo voltou a aparecer na mata, o que seria um indicativo de que o incêndio seja uma ação criminosa, de acordo com o comandante do corpo de bombeiros, capitão Leoni Granjeiro.

Mais de 30 profissionais, entre eles bombeiros e brigadistas do Instituto Chico Mendes de conservação da Biodiversidade (ICMBio), fazem o trabalho para controlar o incêndio que já dura mais de 24 horas. Segundo o corpo de bombeiros, o fogo já se encontra próximo ao clube Granjeiro e atingiu áreas de proteção ambiental. Ninguém ficou ferido, mas a população teme que o fogo atinja outras comunidade.