Busca

Categoria: Meio Ambiente


06:28 · 12.12.2017 / atualizado às 08:37 · 12.12.2017 por
A operação gerou R$ 734 mil em multas. (Foto: Divulgação/Ibama)

Juazeiro do Norte. Com apoio do Batalhão da Polícia Militar Ambiental, o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) embargou mais 550 hectares na área dos municípios de Araripe, Lavras da Mangabeira e Farias Brito. A ação fez parte da Operação Caatinga, deflagrada no dia 29 de novembro e que encerrou suas atividades no último dia 06 de dezembro, tendo como foco o combate aos desmatamentos ilegais na região sul do Ceará. Foram lavrados mais de R$ 734 mil em autos de infração.

A instituição comemora o aumento de eficiência nas ações fiscalizatórias. A operação Caatinga, em comparação com sua antecessora, a operação Mandacaru, com o mesmo tempo de duração e a mesmo efetivo de fiscais, embargou 50% a mais de áreas degradadas e mais que dobrou o volume de multas aplicadas. Juntas as duas operações geraram R$1.068,500,00 em multas e embargaram 833 hectares.

Segundo Herbert Lobo, superintendente do Ibama no Ceará, diversas operações de combate aos crimes ambientais serão executadas ainda este mês. “Os infratores ambientais têm agido de forma cada vez mais contundente e ousada. Temos que intensificar ações, integrar esforços com o Estado e os municípios, para fazer frente a essa realidade e proteger áreas relevantes ambiental”, afirmou.

Litoral
O IBAMA iniciou ontem (11) a segunda etapa da Operação Orla Verde, que percorre os 573 km do litoral cearense com objetivo de coibir ocupações irregulares em áreas de preservação permanente (APPs), intervenções em dunas fixas e desmatamentos de mangues e em outras áreas sem autorização de órgãos ambientais.

07:26 · 11.12.2017 / atualizado às 09:36 · 11.12.2017 por
A Câmara Municipal participará com dois representantes. (Foto: Divulgação)

Crato. Aprovado no ano passado, por meio da Lei Municipal 3.249, o Conselho Municipal de Água e Esgoto foi lançada na última sexta-feira (08), durante a I Conferência Municipal, promovida pela Sociedade Anônima de Água e Esgoto do Crato (Saaec). Ele será um órgão colegiado, consultivo, deliberativo e de controle social da prestação dos serviços de água e esgoto do município. Terá participação de setores da sociedade cratense, objetivando transparência e controle social.

Segundo o presidente da Saaec, Yarley Brito, a criação do Conselho irá proporcionar um elo entre população e empresa, no contexto de uma gestão participativa.

Além da SAAEC, Conselho terá representantes da Prefeitura do Crato, através das Secretarias municipais de Meio Ambiente e Desenvolvimento Territorial, Saúde e Obras; Câmara Municipal; Universidade Regional do Cariri (URCA); sociedade civil, associações de moradores, organizações não-governamentais que atuam em atividades afins, OAB, entidades empresariais e da área de engenharia.

12:21 · 16.11.2017 / atualizado às 12:21 · 16.11.2017 por
A área de preservação tem cerca de 23,40 hectares. (Foto: Divulgação Prefeitura)

Juazeiro do Norte. O Prefeito do Município Arnon Bezerra, assinou decreto, n.º 352, datado de 23 de outubro de 2017, de criação do Parque Natural Municipal das Timbaúbas, como forma de preservar e manter o espaço como reserva de área verde na cidade. O local é a primeira unidade de conservação do Município, enquadrada como uma Área de Proteção Integral, prevista na Lei Federal n.º 9.985/2000.

O projeto de criação foi realizado por meio da Prefeitura, através da Secretaria de Meio Ambiente e Serviços Públicos (SEMASP) e da Autarquia Municipal de Meio Ambiente (AMAJU), com realização de audiência pública, no dia 16 de outubro, no intuito de proporcionar a participação pública nesse processo.

O Prefeito Municipal, Arnon Bezerra, e o Secretário de Meio Ambiente e Serviços Públicos, Luís Ivan Bezerra, defenderam desde o início das tramitações que o Parque Ecológico das Timbaúbas se tornasse um espaço de preservação permanente, primando pela sua conservação e desenvolvimento sustentável. No momento, o Executivo aguarda a liberação de recurso vindo do Governo do Estado do Ceará e Caixa Econômica Federal, para realizar o Projeto de Revitalização do Parque das Timbaúbas.

A Unidade de Conservação, intitulada Parque Natural Municipal das Timbaúbas tem 23,40 hectares. O objetivo das ações a serem desenvolvidas estará direcionado a conservar e garantir a proteção da fauna, flora, recursos hídricos, solo, paisagens e processos ecológicos pertinentes aos ecossistemas naturais. O Parque está em processo de enquadramento no Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (SNUC) e Sistema Estadual de Unidades de Conservação do Ceará (SEUC), o que garantirá a proteção integral feita pelas três esferas governamentais (Federal, Estadual e Municipal).

Plano de Manejo

A Unidade será gerenciada, provisoriamente, pelo Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente (COMDEMA) enquanto aguarda a constituição do Conselho Gestor da Unidade, que tem o prazo de um ano para a sua efetivação. A elaboração do Plano de Manejo, que define o que deve existir no parque e as condutas permitidas e proibidas em suas áreas, terá um prazo máximo de cinco anos para sua realização

Segundo o Superintendente da AMAJU, Sidney Kal-Rais, este enquadramento do Parque irá auxiliar a Prefeitura Municipal de Juazeiro do Norte a ter um eixo jurídico para inibir futuras intervenções na área, ao mesmo tempo em que deixa o Parque habilitado a receber recursos oriundos de compensações ambientais para manutenção da Unidade.

05:32 · 17.10.2017 / atualizado às 09:32 · 17.10.2017 por
(Foto: Reprodução/ Prefeitura Municipal)


Juazeiro do Norte. 
Na manhã de ontem (16), foi realizada uma Audiência Pública para apresentação da proposta de criação do Parque Natural Municipal das Timbaúbas, inserido na categoria de Sistema Nacional de Unidade de Conservação (SNUC), área de proteção integral. A audiência, ocorrida no Auditório Kariris, do Instituto Federal do Ceará, possibilitou a interação da sociedade civil que contribuiu com a efetivação do estudo técnico.

Estiveram presentes na solenidade representantes da Prefeitura Municipal de Juazeiro do Norte, através da Secretaria de Meio Ambiente e Serviços Públicos (Semasp) e Autarquia Municipal de Meio Ambiente (Amaju), entre outras autoridades, ambientalistas, pesquisadores, estudantes e membros da sociedade civil que, juntos, avaliaram as propostas apresentadas pelo estudo técnico.

A criação de uma Unidade de Conservação (UC) intitulada Parque Natural Municipal é uma política pública fundamental para a preservação do bioma. A consulta pública teve por objetivo apresentar a sociedade os estudos técnicos realizados no Parque. De acordo com Sidney Kal-Rais, engenheiro agrônomo da Semasp, após a audiência pública, o projeto será analisado para acrescentar as considerações do público.

“Estamos satisfeitos de ver a receptividade da sociedade, aqui representada. Participaram da audiência as maiores referências dentre os estudiosos e pesquisadores da área ambiental na região”, afirma Sidney, ressaltando que a próxima etapa será propor a criação de uma Área de Proteção Ambiental (APA) no entorno do parque, promovendo a preservação e uso sustentável de todo o vale das Timbaúbas.

O Prefeito Arnon Bezerra tem defendido a área como espaço de preservação permanente, determinando que se busque uma conscientização da população sobre a importância do Parque. Além disso, com apoio do Governo do Estado, irá realizar um projeto que promova o Parque como espaço de visitação, primando pelo desenvolvimento sustentável.

Unidade de Conservação (UC)

As Unidades de Conservação (UC) são áreas especialmente criadas e protegidas pelas três esferas governamentais (Federal, Estadual e Municipal). Sua função é garantir a proteção da fauna, flora, recursos hídricos, solo, paisagens e processos ecológicos pertinentes aos ecossistemas naturais.

O estudo técnico analisou o meio físico, fauna, flora e vegetação do parque, realizando a delimitação de uma área de 23,4 hectares, destinado a preservação integral. A UC tornará o Parque um espaço funcional para receber a população, e na prática será permitido o uso indireto dos seus atributos naturais, de forma contemplativa ou voltada à pesquisa científica. Medidas que objetivam garantir a proteção do ambiente e a preservação das espécies naturais.

10:07 · 27.09.2017 / atualizado às 12:47 · 27.09.2017 por
( Fotos: Pedro Ivan Correia )

Crato. Os estudantes da escola EEIEF Aderson da Franca Alencar deram uma aula de preservação ambiental. Na manhã de ontem (26), os alunos realizaram um mutirão de limpeza na Cascata, no bairro Lameiro, que diariamente atrai visitantes. A atividade, coordenada pela Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Territorial, Secretaria de Educação, Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh) e SAAEC, reuniu jovens do 7º, 8º e 9º ano. Na ação, também foram lançadas bombas de sementes no intuito de contribuir com o reflorestamento da Chapada do Araripe.
A atividade teve como orientador pedagógico o professor Pedro Ivan Correia, que dinamizou assuntos relacionados a questão do meio ambiente, a preservação e o papel da população nesse contexto. Em seguida, os alunos recolheram garrafas plásticas, sacolas, latinhas de cerveja, entre outros materiais deixados no local. Para a educadora ambiental Alciene Saraiva ações como essas, trabalhadas em conjunto, que alcançam os melhores resultados. “Unidos, estamos desenvolvendo os projetos municipais de forma intersetorial, com objetivos e metas em conjunto voltados para o progresso”, afirma.

De acordo com Cristina Diogo, consultora do Núcleo de Educação Hidroambiental da SAAEC, que supervisionou a atividade, aquela manhã foi um momento de interação com aprendizado teórico e prático com foco na preservação e conservação do meio ambiente. “Foi mais uma valorosa experiência de jovens estudantes com as bombinhas de sementes, que já fazem parte da simbologia da preservação da nossa chapada” ressalta Cristina.

A cascata faz parte do Geossítio Batateiras e fica a aproximadamente 3km da sede de Crato. O local, que pertence ao Parque Estadual Sítio Fundão, é cortado pelo rio Batateira que forma quedas d’água que atrai os visitantes. Sua área, também, é rodeada de trilhas ecológicas e nascentes que guardam histórias e lendas indígenas. Naquele bioma é possível encontrar o Soldadinho do Araripe, ave em extinção natural da Chapada do Araripe.

08:58 · 13.09.2017 / atualizado às 08:58 · 13.09.2017 por

Juazeiro do Norte. Através da Secretaria de Infraestrutura, a Prefeitura Municipal anunciou, nesta terça-feira(12) que irá instalar, nos próximos dias, 100 novos abrigos de paradas de ônibus na cidade e mais 500 lixeiras. O objetivo é proporcionar uma cidade mais limpa, com conforto e segurança para a população. O projeto de instalação das lixeiras já foi licitado, e no momento está aguardando apenas a assinatura da ordem de serviço pelo prefeito Arnon Bezerra, para serem iniciados.

Os novos abrigos destinados às paradas de ônibus serão feitos em estrutura metálica e concreto. Segundo a secretária de Infraestrutura de Juazeiro do Norte, Gizele Menezes, os novos abrigos serão colocados em áreas mais estratégicos e de maior fluxo, mas praticamente todas as localidades do Município serão beneficiadas.

As ações estão direcionadas ao melhoramento da infraestrutura em pontos de apoio para a população, no Município. Ainda não foi definida a data para o início dos serviços, mas, em breve, as obras começam a ser realizadas. Na área onde serão construídos os abrigos, estará disponível um mapa de localização da cidade, facilitando, assim, os deslocamentos, com informações necessárias para o público.

O processo de estruturação de paradas de ônibus na cidade de Juazeiro do Norte, vem atender também a uma demanda de turistas e visitantes, que diariamente chegam ao Município, seja por conta das romarias ou mesmo para realizar compras no comércio da cidade.

09:06 · 13.06.2017 / atualizado às 10:49 · 13.06.2017 por
Foto Divulgação

A Chapada do Araripe, que abriga uma floresta nacional, uma área de proteção ambiental e um geoparque, agora também passa a contar com o maior parque eólico do Brasil e um dos maiores complexos eólicos da América Latina. Compreendido na fronteira entre os estados do Pernambuco e Piauí, o Ventos do Araripe III, da empresa cearense Casa dos Ventos, foi inaugurado no final da semana passada.

Com investimento total na ordem de R$ 1,8 bilhão, o complexo engloba 14 parques, dos quais nove estão no estado do Piauí e cinco em Pernambuco. São 156 aerogeradores e potência instalada de 359 MW, cuja energia produzida é suficiente para abastecer 400 mil casas. Durante a instalação do empreendimento, foram gerados cerca de 1.500 empregos diretos.

Todos os 14 parques e aerogeradores foram instalados em propriedades arrendadas de 71 famílias de Araripina (PE) e Simões (PI),  abrangendo uma área de 10.200 hectares. Este modelo permitiu que os moradores se tornassem parceiros da Casa dos Ventos. Mensalmente, as famílias vão receber quantia calculada a partir da energia gerada. Ao todo, serão mais de R$ 5 milhões pagos anualmente para as famílias que tiveram propriedades arrendadas.

Faça o Diário Cariri conosco, envie sugestões de reportagens através do WhatsApp (85) 9.8736.2018 ou ligue para nossa redação: (88) 3572-4214. Sua sugestão também pode ser enviada para o e-mail: andre.costa@diariodonordeste.com.br

12:56 · 04.10.2016 / atualizado às 12:56 · 04.10.2016 por

Nova espécie de caranguejo descoberta por pesquisadores da região
Nova espécie de caranguejo descoberta por pesquisadores da região. Foto: Divulgação

Uma nova espécie de caranguejo, de nome científico kingleya attenboroughi, foi descoberta no território do Geopark Araripe, pelos pesquisadores Alysson Pinheiro, da Universidade Regional do Cariri (Urca) e Willian Santana, da Universidade do Sagrado Coração (USC) em Bauru, SP. O crustáceo foi encontrado no distrito de Arajara, em Barbalha, e descrito e ilustrado no artigo “A new and endangered species of Kingsleya Ortmann, 1897 (Crustacea:Decapoda: Brachyura: Pseudothelphusidae) from Ceará, northeastern Brazil”, em  tradução livre “Uma nova e ameaçada espécie de Kingsleya Ortmann, 1897 (Crustacea: Decapoda: Brachyura: Pseudothelphusidae) do Ceará, Nordeste do Brasil”.

Trata-se de uma espécie de caranguejo de água doce. Segundo os pesquisadores, ele já foi descoberto em condição de ameaça de extinção, assim como o Soldadinho-do-Araripe, pássaro endêmico da mesma região considerado criticamente em perigo de extinção pela Lista Vermelha Internacional da IUCN (2015) e pela lista oficial brasileira (MMA, 2014). Como explica o professor William Santana, o caranguejo kingleya attenboroughi existe em pouquíssimos lugares, com um número reduzido de espécimes e por causa do impacto do homem ao meio em que ele vive, é considerado ameaçado de extinção.

O caranguejo foi coletado durante o mês de abril no Córrego do Arajara e em pequenos cursos de água da região. Recebeu esse nome em homenagem ao grande naturalista inglês Sir. David Attenborough, que completa 90 anos em 2016, considerado o padrinho do Soldadinho- do- Araripe.

De acordo com o professor Alysson Pinheiro, esse achado ratifica a importância da região para a biodiversidade, bem como, reforça o valor do Geopark Araripe, da Floresta Nacional do Araripe (Flona) e da Área de Proteção Ambiental da Chapada do Araripe (APA).

Para a realização do trabalho, foram importantes o apoio da Urca, USC, Governo do Estado do Ceará através da Fundação Cearense de Apoio Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcap) e da Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior (Secitece), bem como da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

 

Para ter acesso ao artigo, clique aqui.

 

10:27 · 06.06.2016 / atualizado às 10:27 · 06.06.2016 por

lixaoO município de Juazeiro do Norte busca a gestão correta dos resíduos sólidos a exemplo do que já acontece em países desenvolvidos e algumas iniciativas já foram adotadas, enquanto outras estão por acontecer. Uma delas com caráter de extrema importância é a promoção de um seminário internacional com duração de dois dias e atraindo pessoas ligadas e interessadas na questão. O engenheiro químico Gleysson B. Machado está amadurecendo essa idéia com o Superintendente da AMAJU, Eraldo Oliveira.

Juazeiro tem procurado adotar uma gestão de resíduos sólidos de conformidade com a Política Nacional de Resíduos Sólidos por meio de metodologias e tecnologias para o alcance das metas da legislação e poderá até servir como modelo para o Brasil. Na Europa, Gleysson está traçando metas em relação ao evento que deve acontecer até o final do próximo mês e seria uma espécie de audiência pública. No primeiro momento, a prestação de contas com a sociedade sobre o que foi feito e o que está sendo realizado.

Nas etapas seguintes serão mostradas tecnologias européias que podem ser utilizadas para tratar os resíduos de Juazeiro; um debate sobre linhas de financiamentos e uma mesa redonda fechando o seminário. Gleysson disse a Eraldo Oliveira ter conversado sobre o assunto com representante da comunidade européia no Brasil e a idéia é atrair participantes da Itália, Alemanha e Áustria para apresentar tecnologias. Um momento seguinte deve ser a ida de técnicos da AMAJU à Europa para conhecer de perto modelos e soluções como o Parque de Resíduos Sólidos e Reciclagem do estado de Hesse na Alemanha.

Faça o Diário Cariri conosco, envie sugestões de reportagens através do WhatsApp (85) 9.8736.2018

15:41 · 16.05.2016 / atualizado às 15:42 · 16.05.2016 por

Barbalha. Promover a difusão de práticas integradas de produção de amendoim, com ênfase no controle biológico de fungos para reduzir a contaminação do produto no Mali. Esse é o objetivo do projeto “Transferência de tecnologias de produção de amendoim geradas pela Embrapa para adoção por produtores familiares na África (Aflamali)”.

Executado pela Embrapa e Universidade de Ciência e Tecnologia de Bamako, o projeto integra a plataforma África-Brasil de Inovação Agropecuária. As ações do projeto têm início amanhã (17). Pesquisadores e técnicos do Brasil e Mali participam de curso sobre “Boas práticas agrícolas (BPAs) e produção integrada de amendoim no Semiárido brasileiro” no Campo Experimental da Embrapa Algodão, em Barbalha, no Ceará. A programação inclui visitas a áreas de produção para conhecer cultivos de amendoim nas condições do Cariri cearense e técnicas de processamento de amendoim verde.

Segundo a pesquisadora da Embrapa Acre, Cleísa Cartaxo, líder do projeto no Brasil, a troca de experiência será importante para a geração de conhecimentos e produtos que possam beneficiar agricultores de amendoim dos dois países. “A Embrapa dispõe de procedimentos de boas práticas e de produção integrada consolidados, que podem ser adaptados à realidade dos maleses”, afirma. As técnicas apresentadas durante o curso serão difundidas junto a agricultores familiares do Mali.

A agenda de atividades no Brasil inclui também capacitação na Embrapa Agroindústria de Alimentos (RJ), com foco na identificação de fungos e análise de quantificação de aflatoxinas. O amendoim é um alimento de alto valor nutricional e bastante suscetível à contaminação por fungos. O problema afeta a qualidade do produto e tem como causa principal a exposição a altas temperaturas e umidade, nas diversas etapas da cadeia produtiva, condições que favorecem o desenvolvimento de microorganismos. Quando presente no amendoim, os fungos podem produzir toxinas danosas à saúde humana por terem efeitos cancerígenos.

Mali
Localizado na África Ocidental, o Mali, atualmente, possui cerca de 15 milhões de habitantes e é o segundo produtor de amendoim do continente. O alimento representa uma das principais culturas oleaginosas e importante fonte de gorduras e proteínas para a população local. Assim como no Brasil e em outras partes do mundo, a contaminação do amendoim por aflatoxinas é um fator limitante da produção malesa, prejudicando agricultores, indústrias de alimentos e consumidores.

Como alternativa de controle biológico, pesquisadores maleses estão trabalhando na formulação de um biopesticida, a partir de uma bactéria. A idéia é associar a adoção de boas práticas à aplicação do biopesticida, a fim de controlar a presença de fungos na cultura para reduzir os níveis de aflatoxinas no amendoim a limites estabelecidos pela legislação.

Do lado brasileiro, as boas práticas agrícolas (BPAs) serão adaptadas para o cultivo de amendoim nas aldeias da Terra Indígena Kaxinawá de Nova Olinda, localizada no município de Feijó, interior do Acre. “Nessa perspectiva, o projeto permite vislumbrar alternativas tecnológicas que promovam o aumento da produção e melhoria da qualidade do produto também em cultivos indígenas, como forma de garantir segurança alimentar, respeitando as especificidades culturais dessa população”, esclarece Cleísa Cartaxo.

Faça o Diário Cariri conosco, envie sugestões de reportagens através do WhatsApp (85) 9.8736.2018