Busca

Categoria: Polícia


13:03 · 13.08.2018 / atualizado às 13:31 · 13.08.2018 por
Naomi prestou queixa na delegacia da mulher na manhã desta segunda-feira. (Foto: Alana Soares)

Crato. Na manhã  desta segunda-feira (13), a cabeleireira e maquiadora Naomi Houston, de 25 anos, prestou queixa na Delegacia da Mulher após ter sido expulsa e agredida por seguranças durante evento realizado na AABB, neste Município no Cariri cearense. O caso aconteceu ontem a noite, durante o popular “Forró dos Velhos”.

Segundo Naomi, por volta das 20h30, os seguranças a aguardavam do lado de fora do banheiro feminino, quando pediram para que ela os acompanhasse até a portaria. No trajeto, puxaram o braço da cabeleireira com força até o lado de fora do clube, em seguida, foi empurrada até o chão.

Um dos homens disse que ela foi expulsa porque usou o banheiro feminino. “A justifica foi só essa”, garante. Esta foi a primeira vez que isso aconteceu com cabeleireira, que já frequentou o evento em outras ocasiões. “Fui exposta a muita humilhação. Me senti um lixo. Eu paguei como todo mundo”, acrescenta.

Com apoio da Associação de Defesa, Apoio e Cidadania dos Homossexuais do Crato (Adacho) e do Centro de Referência da Mulher, Naomi procurou a Delegacia da Mulher de Crato, onde registrou um Boletim de Ocorrência. O caso será investigado. De acordo com o advogado de Naomi, John Miricklley, este é o primeiro episódio de violência contra uma mulher transexual registrado na delegacia. “Foi até uma surpresa”, admite. “Estamos querendo insistir no crime de injúria”, acrescenta o advogado.

Procurado pela reportagem do Diário do Nordeste, o organizador do “Forró dos Velhos”, Francisco Leitão Moura, disse que ligou, ontem mesmo, para a vítima e pediu desculpas em nome do evento. Ele assegurou que as pessoas envolvidas no caso já foram afastadas. “O objetivo do evento é justamente dar oportunidade às pessoas idosas de terem lazer, de se inserir, combater a discriminação. É um sentimento que já luto há 23 anos. Então, não tinha sentido algum estar excluindo ninguém”, afirmou Leitão, acrescentando que a própria renda do evento é revertida para instituições que fazem trabalho com pessoas carentes.

Naomi acredita que a denúncia foi importante para garantir os direitos das pessoas transexuais que são vítimas de violência e para que episódios como este não voltem a acontecer. “Qualquer pessoa que se sinta humilhada tem que denunciar. É o seu direito”, conta.

19:02 · 06.08.2018 / atualizado às 12:11 · 07.08.2018 por
Empresário é muito conhecido nas festas de forró por fornecer os geradores de energia para os shows. (Foto: Helio Filho)

Juazeiro do Norte.  O empresário Yury Bruno Alencar Araújo, o Yury do Paredão, de 30 anos, foi preso na tarde desta segunda-feira (06). A Polícia Civil cumpriu mandado prisão preventiva a pedido do Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE) por porte de arma de uso restrito e disparo de arma de fogo.

Na última sexta-feira (03), circulou nas redes sociais um vídeo no qual o empresário aparece atirando contra um homem, identificado como caseiro de Yury. As imagens foram gravadas por amigos do suspeito que aparecem rindo da cena enquanto os tiros são efetuados nos pés da vítima.

Por volta das 16h, Yury foi até a Delegacia da Polícia Civil acompanhado por dois advogados. Seu depoimento durou, aproximadamente, uma hora e meia. O empresário apresentou a arma usada no vídeo, que pertence a Polícia Militar do Estado Pernambuco.

O empresário pode responder por porte ilegal e disparo de arma de fogo. No primeiro caso, a pena é de dois a quatro anos de reclusão e multa. Já por ter efetuados os tiros, também poderá ser preso por dois a quatro anos e pagar multa. Os dois crimes são inafiançáveis. Amanhã, Yury será transferido para a Cadeia Pública de Juazeiro do Norte.

Trajetória

Nascido em Juazeiro do Norte, Yury do Paredão ficou muito popular no Cariri depois que entrou no mercado forrozeiro, primeiro, fornecendo os geradores de energia elétrica, depois, como um dos sócios da antiga casa show Texas. Nos bastidores do mundo artísticos, gerencia as carreiras dos cantores Jonas Esticado, Giullian Monte e Thales Lessa. Além disso, é diretor da Villa Mix Cariri.

10:32 · 03.08.2018 / atualizado às 10:32 · 03.08.2018 por
Demutran de Juazeiro do Norte intensificou fiscalização nas populares ‘cinquentinhas’. (Foto: Samuel Macedo)

Juazeiro do Norte. O Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE), por meio da 1ª Promotoria de Justiça Cível, em atuação conjunta com a 3ª Promotoria de Justiça Criminal do Município, irá realizar uma audiência na próxima segunda-feira (06), às 14h, na sede das promotorias. A finalidade é acompanhar e discutir a segurança no trânsito na Terra do Padre Cícero.

O encontro tem as presenças previstas de representantes da Polícia Militar, por meio do Comando da 1ª Companhia e do BPRaio, da Polícia Civil, do Departamento Municipal de Trânsito (Demutran), do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), da Secretaria Municipal de Segurança Pública e Cidadania, da Secretaria de Ação Social e da Secretaria de Educação.

O tema foi abordado em reunião do comitê deliberativo do Programa Pacto Por um Ceará Pacífico, sendo definida a criação de um grupo de trabalho a ser coordenado pelo MPCE. De acordo com a promotora de Justiça Juliana Silveira Mota Sena, foi observado que suspeitos utilizavam, geralmente, motos irregulares para cometer crimes e, para o Comitê, intensificar a fiscalização do trânsito pode acarretar a redução de indicadores de criminalidade à medida que motos irregulares deixem de circular.

Por isso, o MPCE instaurou procedimento administrativo com a finalidade de acompanhar e discutir a problemática relacionada à segurança no trânsito no município. O documento foi assinado pelas promotoras de Justiça Alessandra Magda Ribeiro Monteiro e Juliana Silveira Mota Sena.

18:30 · 01.08.2018 / atualizado às 18:37 · 01.08.2018 por
A vítima fatal, identificada como Messias Guedes estava sentado no banco de traseiro, atrás do motorista. (Foto: VC Repórter)

Campos Sales. Um carro foi alvejado a tiros, na madrugada desta quarta-feira (1º) por equipes da Polícia Militar, neste Município do Cariri cearense. Um dos passageiros, identificado como José Messias Guedes Oliveira, de 35 anos, ainda foi socorrido, mas morreu a caminho do hospital. Outros dois homens ficaram feridos. Um deles, atingido de raspão na cabeça, enquanto o outro foi atingido com estilhaços no polegar e no joelho. As vítimas são de Patos, na Paraíba, e se deslocavam para uma competição de sinuca em São Luís, no Maranhão.

Conforme a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), os disparos aconteceram após os homens não obedecerem ao sinal de parada dos PMs. Os policiais receberam denúncia anônima de que os homens estariam em atividades suspeitas próximo a um posto de combustível.

Relatos dos policiais que atenderam a ocorrência dão conta que ao chegar ao local da possível ocorrência, viaturas iniciaram uma perseguição contra ocupantes de um veículo Corolla, que vinha em mão contrária a da via. Mesmo com sinais sonoros ligados, o condutor não teria reduzido a velocidade.

A SSPDS informou ainda que os militares solicitaram apoio de outras viaturas para montar um bloqueio policial na entrada de Campos Sales, mas, o motorista do Corolla teria acelerado o carro em direção às viaturas. Neste momento, os policiais atiraram contra o automóvel e a fuga foi interrompida.

Versão das vítimas

No entanto, o corretor de imóveis Gutiely Pereira de Araújo, que conduzia, disse a equipe do Diário do Nordeste que, momentos antes dos tiros, por volta de meia noite, os quatro pararam em um posto de gasolina no município de Antonina do Norte para abastecer, comer e pedir orientação sobre o melhor caminho com os frentistas. “Nos identificamos, falamos que estávamos indo para um evento de sinuca. Ainda assisti um lance do jogo no celular do frentista”, contou.

Alguns minutos após seguir viagem, notou que havia um veículo seguindo o carro. Mais a frente, viu a luz de uma sirene acesa vindo na outra faixa. “Eu vinha na velocidade normal. Eles não estavam com um bloqueio formado. Achei que era a coisa mais simples do mundo, a gente indo numa mão e eles na dele. Até porque uma sirene pode ser polícia, ambulância, bombeiros. Inclusive, gente tinha acabo de passar numa PRE e não fomos parados”, pontua.

As vítimas acreditam que o autor da denúncia confundiu os tacos de sinuca que vinham no porta-malas com armas. (Fotos: Antonio Rodrigues)

“Eu não cheguei a ver  que eram os militares. Quando viram que eu não ia frear, começamos a ser alvejados. Depois do primeiro tiro, não paravam. Foi um negócio horrível. Até quem vinha dormindo acordaram. Só comecei a gritar ‘É tiro’. Baixei a cabeça e continuei no volante”, narra.

“Acordei com os tiros. Quando escutei, achei que era assalto. Era bala demais. Fui atingido no polegar esquerdo e no joelho”, explica o vendedor Josean Leite de Oliveira que estava com o grupo. Ao notar a proximidade da cidade por causa da iluminação, o motorista seguiu porque acreditou que era mais seguro. “Quando pediram pra descer, coloquei as mãos na cabeça, deitei no chão, de imediato. Só veio na cabeça para gritar: ‘A gente é cidadão de bem, pai de família'”, descreve Gutiely Pereira de Araújo.

Wendel Felix foi atingido na cabeça de raspão.

A Polícia checou o carro e não encontrou nenhuma arma. Além disso, nenhuma das vítimas tinha antecedentes criminais. Segundo Gutiely, os militares disseram que receberam uma denúncia do Posto de Gasolina indicando que confundiram os tacos de sinuca com armas.

Messias Guedes Oliveira foi atingido no abdômen e chegou a ser socorrido pelos militares, mas não resistiu. Seu corpo foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) de Juazeiro do Norte, sendo liberado por volta das 17h. No fim da tarde, ele será transportado para Patos, sua cidade natal. Ele trabalhava como marceneiro e disputava torneios de sinuca há mais de 20 anos. Em São Luís (MA), competiria pelo título Norte/Nordeste, que ainda não havia conquistado. Em Patos (PB), já tinha havia sido campeão nos campeonatos locais.

De acordo com a SSPDS, foi instaurado um inquérito policial na Delegacia Municipal de Campos Sales, para apurar as circunstâncias da ocorrência. Em contato com a Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública e Sistema Penitenciário (CGD), responsável pelos casos que envolvem erros de policiais, a reportagem foi informada que a CGD ainda apurava mais informações acerca do caso.

 

11:32 · 27.07.2018 / atualizado às 11:32 · 27.07.2018 por
(Foto: Helene Santos)

Crato. Duas pessoas foram presas em flagrante, na noite de ontem (27), durante operação de combate ao furto de energia da Enel Distribuição Ceará neste Município do Cariri cearense. Equipes da distribuidora identificaram irregularidades na medição de duas residências. A prisão foi realizada em flagrante e as pessoas foram conduzidas para a Delegacia Regional de Polícia Civil.

Somente nos primeiros meses de 2018, 36 pessoas já foram presas por furto de energia no Ceará. As prisões ocorreram em nove municípios, sendo Fortaleza (com cinco) e Tianguá (com quatro) as cidades com maior número de autuações. Ao longo de 2017, foram efetuadas 58 prisões.

A Enel Distribuição Ceará realiza investigações em todo o Estado e atua em conjunto com a Polícia Civil para efetuar as autuações. A companhia registrou, no primeiro semestre de 2018, mais de 104 mil inspeções. O trabalho é feito através de análise de dados internamente e, em campo, por cerca de 200 equipes.

Além de ser crime, com pena prevista de um a oito anos de reclusão, o furto de energia afeta diretamente a qualidade do serviço prestado pela distribuidora e põe em risco a população, principalmente as pessoas que manipulam a rede elétrica. As ligações irregulares podem causar curtos-circuitos e sobrecarga na rede elétrica, ocasionando interrupção no fornecimento de energia.

Para conscientizar a população sobre o perigo do furto de energia, a companhia realiza, além dos operativos, diversos projetos sociais em comunidades, com informações sobre o uso eficiente de energia elétrica e programas para geração de emprego e renda.

O consumidor tem papel importante no combate ao furto de energia. Para o cliente pode ligar gratuitamente, de qualquer município cearense, para a Central de Relacionamento: 0800 285 0196 (ligação gratuita, 24 horas), pelo aplicativo Enel Ceará, pelo site da companhia, pelas redes sociais – Facebook e Twitter.

14:34 · 24.07.2018 / atualizado às 17:04 · 24.07.2018 por
Valmir foi o terceiro vereador mais votado de Aurora. (Foto: Divulgação/Câmara Municipal de Aurora)

Umari. A Polícia Civil prendeu, na manhã desta terça-feira (24), o médico Valmir Costa Gonçalves, 46, suspeito de estuprar uma criança de 11 anos,  no último dia 11 de julho, durante um de seus plantões dentro de uma unidade hospitalar neste Município do Centro-Sul cearense. Dr. Valmir, como é conhecido, é  diretor clínico do Hospital Regional do Icó e cumpre mandato de vereador no município de Aurora, na região do Cariri. Ele foi encaminhado para a Delegacia Municipal do Cedro, onde ficará à disposição da Justiça durante a conclusão das investigações.

A ação foi feita pela Polícia Civil de Ipaumirim, que cumpriu mandado de prisão temporária expedida pela Justiça. Segundo o delegado responsável pelo caso, Fellipe Lira, a prisão tem o prazo de 30 dias, podendo ser prorrogada por igual período, visando preservar a continuidade das investigações. Porém, no momento, o agente disse que não pode repassar mais detalhes do crime para não atrapalhar o andamento do Inquérito Policial e preservar a imagem e a intimidade da vítima.

Natural de Porto Velho (RO), o médico Valmir Costa Gonçalves (PSD) foi o terceiro vereador mais votado no Município de Aurora, com 1.280 votos (7,72% dos votos válidos), nas eleições de 2016. Ele cumpre mandato até 2020. Na Câmara, é relator da Comissão de Orçamento e Finanças e membro da Comissão de Justiça e Redação.

13:23 · 14.07.2018 / atualizado às 03:53 · 15.07.2018 por
Os tiros penetraram pela janela lateral do carro e pelo para-brisas. (Foto: VC Repórter)

Juazeiro do Norte. O empresário Francisco Pereira da Silva foi assassinado, na manhã deste sábado (14), na Avenida Leandro Bezerra de Menezes – no Anel Viário. Segundo testemunhas, ele seguia no sentido Juazeiro – Crato, dirigindo seu veículo, modelo Land Rover na cor prata, quando outro carro se aproximou e os ocupantes efetuaram disparos.

Os tiros penetraram pela lateral do veículo e pelo para-brisas, atingindo o empresário, que seguia ao volante. A vítima perdeu o controle do carro, que desceu no barranco, parando a 50 metros da rodovia. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência foi até o local, mas Francisco já estava morto. A Perícia esteve no local. Este é 54º homicídio na Terra do Padre Cícero. O terceiro no mês de julho.

A vítima perdeu o controle e veículo caiu no barrando, ao lado da rodovia. (Foto: VC Repórter)

O empresário Francisco Pereira da Silva era proprietário da FP Construções e Empreendimento Imobiliários, que possui uma série de terrenos em Juazeiro do Norte e Crato e foi responsável pela construção de muitos loteamentos na Terra do Padre Cícero. No entanto, a empresa está envolvida em alguns processos jurídicos.

ACP

Em janeiro deste ano, o Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE) propôs uma Ação Civil Pública com pedido de medida liminar para reparação de danos materiais e morais sofridos por centenas de consumidores que firmaram contrato de compra e venda de terrenos, no Loteamento Conviver Juazeiro VII. Em alguns casos, os imóveis residenciais já haviam sido construídos.

Segundo o MPCE, a FP Construções e Empreendimentos Imobiliários junto da AG Imobiliária e Julierme Teles Alves criaram um negócio jurídico sem previsão legal, que se assemelhou a uma venda em pirâmide. A AG Imobiliária transferia a posse dos lotes para pessoas físicas ou jurídicas, denominadas “clientes construtores”, que, por sua vez, os revendia a terceiros com a promessa de construir casas nos terrenos.

No entanto, a construção das casas dependia do pagamento fornecidos pelos consumidores prejudicados. Embora os consumidores tenham efetuado entrega o dinheiro, as residências não foram construídas, assim como existia lote com promessa mais de um comprador.

Diocese

Além disso, FP Construções e Empreendimentos Imobiliários trava uma batalha judicial com a Diocese de Crato, desde 2011. A disputa gira em torno de um terreno próximo ao limite entre Crato e Juazeiro do Norte, originalmente propriedade do Padre Cícero. A Igreja alega que o padre Murilo de Sá Barreto, falecido em 2005, vendeu, no final dos anos 1990, parte da área imobiliária no valor de R$ 200 mil e o restante deveria ter continuado na posse da Igreja. No local, há o loteamento Sítio Vila Real II, que mede 746.000 m². Em 2002, uma procuração assinada por padre Murilo e registrada em cartório, deu plenos poderes para Francisco Pereira vender as terras.

17:39 · 20.06.2018 / atualizado às 09:41 · 21.06.2018 por

Juazeiro do Norte. A Polícia Militar afastou, nesta quarta-feira (20), os três policiais que foram gravados agredindo um homem suspeito de roubo, que já estava rendido. No vídeo, os agentes são flagrados dando socos e pontapés, antes de colocar o rapaz dentro da viatura.

Segundo o Major Luciano Rodrigues, comandante do 2º Batalhão da Polícia Militar, os policiais ficarão afastados da função até que os inquéritos, policial e administrativo, sejam concluídos. O oficial também confirmou que os três estão tendo acompanhamento jurídico e que o processo deve durar cerca de 30 dias.

A agressão aconteceu na última segunda-feira (18). O homem tentou roubar uma mulher no bairro Triângulo, na Avenida Leão Sampaio, próximo a unidade do Senai. Os policiais que passavam próximo ao local o capturaram em flagrante. O vídeo, feito por uma pessoa que passava na garupa de uma moto, mostra a ação dos três agentes.

Major Luciano Rodrigues afirma que dois deles são recém ingressados na Polícia Militar, mas sempre “apresentaram uma conduta boa”, acrescenta o oficial.

 

18:10 · 19.06.2018 / atualizado às 19:31 · 19.06.2018 por
Buraco de aproximadamente 50 cm serviu de fuga para os presos. Chinelos ficaram no local. (Foto: Antonio Rodrigues)

Juazeiro do Norte. Detentos da Penitenciária Industrial Regional do Cariri (PIRC), localizada neste Município do Cariri cearense, fugiram por meio de um túnel por volta das 16h desta terça-feira (19). O primeiro detento que foi capturado pela Polícia afirmou que cerca de 20 presos escaparam. No entanto, são especulados cerca 30 fugitivos – a maior fuga da unidade prisional desde sua fundação, em 2000.

A Polícia foi acionada pela penitenciária por volta das 16h20 e já conseguiu capturar pelo menos 11 detentos. Muitos deles estavam escondidos na área próxima ao presídio, onde tem uma extensa mata fechada. Um dos policias confirmou que foram feitos alguns disparos durante a ação para intimidá-los, mas ninguém se feriu. Alguns se entregaram ao ouvir os estampidos.

Seis motos do BPRaio estiveram na procura dos fugitivos. Sete foram pegos com a equipe.

Inclusive, alguns oficiais reclamaram da ausência do helicóptero da Coordenadoria Integrada De Operações Aéreas (Ciopaer) na ação de captura, que contou com o apoio do Comando Tático Rural (Cotar), BPRaio e da Força Tática de Apoio (FTA).

Os presos construíram um túnel que levava para fora da penitenciária com saída encostada ao muro, com aproximadamente 50 cm de largura. No buraco, a Polícia Militar encontrou ainda um par de chinelos dos fugitivos.

Tentativa anterior

A fuga de hoje quase aconteceu no mês de junho do ano passado, quando pelo menos 30 detentos escavaram um túnel de 18 metros de extensão e estava a dois metros da muralha do presídio. A estrutura foi descoberta no dia 29, durante uma vistoria de rotina. Nenhum dos 774 presos conseguiu fugir. A última fuga foi há pouco mais de três anos. Dois homens escaparam.

Com informações de Antonio Rodrigues.

10:18 · 13.06.2018 / atualizado às 10:20 · 13.06.2018 por
As fraudes ocorriam a partir de repasses do banco para a Casa Lotérica Trevo da Sorte. (Foto: Divulgação)

Crato. O Ministério Público Federal (MPF) conseguiu a condenação de quatro acusados de desviar dinheiro da Caixa Econômica Federal e fraudar financiamentos para compra e construção de imóveis neste Município, no Cariri cearense. Um deles era o ex-gerente da agência. As penas variam de 16 a 24 anos de prisão, pelos crimes de formação de quadrilha, crime contra o sistema financeiro e lavagem de dinheiro. O grupo atuou no período de 2007 a 2009.

As fraudes ocorriam a partir de repasses do banco para a Casa Lotérica Trevo da Sorte. Segundo a sentença da Justiça Federal, o então gerente de uma agência do município, Jurandir Bezerra Filho, autorizou indevidamente e de forma repetida a liberação de recursos para a lotérica em valores acima do necessário.

A proprietária do estabelecimento, Nilda Borges Rodrigues, em conluio com o gerente, utilizava parte do dinheiro para financiar empreendimentos imobiliários com outros dois réus da ação, Ana Célia Soares de Sousa Félix e Cícero dos Santos Félix, ambos do ramo da construção civil.

O esquema foi descoberto pelo próprio banco e denunciado à Justiça pelo MPF em 2010. Durante as investigações, ficou comprovado que Jurandir Bezerra não só tinha consciência de que o dinheiro dado à Casa Lotérica estava sendo desviado para compra e venda de imóveis, como também realizava depósitos de dinheiro da Caixa em contas pessoais próprias e empréstimos em seu nome.

Para burlar a fiscalização, a ré Nilda Borges registrava os imóveis em nomes de terceiros, que atuavam como vendedores “laranjas” dos imóveis residenciais, cujas vendas eram financiadas pela própria Caixa Econômica. Jurandir Bezerra, na condição de gerente, agilizava e aprovava os pedidos de financiamentos imobiliários ligados à quadrilha.

O relacionamento de proximidade entre o gerente e a proprietária da casa lotérica chamou a atenção de funcionários da agência. Testemunhas relataram situações de tratamento diferenciado, acesso a locais restritos da agência e atendimento em horários fora do expediente. Os relatos incluem conversas e até mesmo discussões dentro da agência sobre vendas e financiamentos de imóveis.

Quinto réu

No mesmo processo, o MPF obteve a condenação de um quinto réu, Ricardo Lopes Pereira, proprietário de uma loja de materiais de construção. Juntamente com Jurandir Bezerra e Nilda Borges, ele participou da fraude de um empréstimo da linha de crédito Construcard para suprir déficit na casa lotérica. Ricardo foi enquadrado em crime contra o sistema financeiro e condenado à prestação de serviço comunitário e pagamento de multa. Todos os réus poderão recorrer da sentença em liberdade.