Busca

Tag: Greve


11:00 · 25.01.2017 / atualizado às 23:14 · 24.01.2017 por

Crato. Após 15 meses em greve, os Agentes Comunitários de Saúde decidiram voltar a atender a população durante o turno da manhã em seus respectivos postos. A decisão veio após assembleia realizada na semana passada. À tarde, durante os próximos 45 dias, os agentes irão realizar capacitações nas áreas de dengue, chikungunya, zika vírus, vacinação, E-SUS, PSE, informações sobre os setores da secretaria e seus responsáveis.

De acordo com o Secretário de Saúde do Crato, André Barreto, será apresentado uma nova proposta para a categoria, e, caso seja aceita, o trabalho dos ACS será totalmente normalizado. “Nesse primeiro momento nossa maior preocupação é com o início do período chuvoso com risco do aumento do mosquito Aedes Aegypti. Vamos realizar as capacitações para que eles possam retornar ao trabalho e continuaremos trabalhando juntos para que em breve a situação esteja regularizada”, pontuou o titular da pasta.

Faça o Diário Cariri conosco, envie sugestões de reportagens através do WhatsApp (85) 9.8736.2018 ou ligue para nossa redação: (88) 3572-4214. Sua sugestão também pode ser enviada para o e-mail: andre.costa@diariodonordeste.com.br

16:55 · 11.01.2017 / atualizado às 17:08 · 11.01.2017 por

greveBarbalha. Servidores municipais da área da saúde desta cidade encerraram hoje, dia 11, a greve iniciada há mais de 630 dias. De acordo com a presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Barbalha (Sindmub), Maria Jacqueline Ferreira de Sá Barreto , a paralisação  de 21 meses “foi a mais longa registrada no país em âmbito municipal”.

Os profissionais reivindicavam reajuste salarial, concurso público e melhores condições de trabalho. “A classe já acumula perda salarial de 130% ao longo dos últimos dez anos”, pontuou a sindicalista. Na manhã desta quarta-feira, os servidores grevistas se reuniram com o prefeito Argemiro Sampaio Neto e, a tarde, durante assembleia, os servidores deliberam pelo fim da greve.

Conquistas
Os servidores em greve conquistaram boa parte das pautas reivindicadas. Ficou acordado aumento de 20% de insalubridade para todas as categorias; 18% de reposição salarial de forma escalonada: 4,5% a cada ano mais o índice inflacionário; criação da lei do PENAC; implantação do anuênio e melhorias das condições de trabalho. Para Jaqueline, a categoria sai vitoriosa.

“Primeiro vale ressaltar que a luta não era apenas por dinheiro. Lutamos e resistimos pelo aumento, mas também por melhores condições de trabalho. O Diário do Nordeste esteve aqui ano passado, visitou vários e vários postos de saúde e viu o quão precário é a situação. Então, após esse longo período de greve, a população de Barbalha será a grande vitoriosa”, explicou Jaqueline.

Efeitos
Ao longo da paralisação, mais de 100 profissionais, entre médicos, dentistas, enfermeiros e técnicos de enfermagem cruzaram os braços em protesto.  Por um ano e nove meses, o atendimento ficou comprometido em todos os 22 Postos de Saúde do município, nas unidades do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), no Centro Materno Infantil e no Serviço de Verificação de Óbitos (SVO).

Neste período, entretanto, os 17 médicos do Programa Mais Médicos, continuaram atendendo normalmente. Já entre enfermeiros, dentistas, atendentes de consultórios e outras oito categorias, 50% do efetivo se mantiveram prestando serviços à sociedade.

Faça o Diário Cariri conosco, envie sugestões de reportagens através do WhatsApp (85) 9.8736.2018 ou ligue para nossa redação: (88) 3572-4214. Sua sugestão também pode ser enviada para o e-mail: andre.costa@diariodonordeste.com.br

10:15 · 20.12.2016 / atualizado às 10:16 · 20.12.2016 por

Juazeiro do Norte. Os servidores técnico-administrativos em educação da Universidade Federal do Cariri (UFCA) retornam às atividades ontem, dia 19, após encerramento da greve que já durava quase dois meses. A decisão foi tomada durante assembleia realizada no último dia 14, no campus Juazeiro do Norte da UFCA.

Em nota, o coletivo local de greve dos servidores técnico-administrativos da UFCA afirmou que “o movimento paredista esteve alicerçado no descumprimento do acordo de greve estabelecido em 2015 e no posicionamento contra a Proposta de Emenda Constitucional no 55 (PEC 55) apresentada pelo atual governo federal”.

De acordo com os servidores, mesmo diante do forte movimento nacional de combate à PEC 55 e a outras medidas do governo, os servidores técnico-administrativos tinham ciência da dificuldade de barrar a Proposta. “No entanto, compreendia-se a importância de haver posicionamento e resistência, e a greve foi o instrumento encontrado para tal”, acrescenta a nota.

Ainda de acordo com o informe, nos dias de greve, foram realizados debates, assembleias, oficinas, reuniões, visitas aos setores, e houve participação nas atividades organizadas pelos estudantes do Movimento Ocupa UFCA. “Além disso, os técnicos participaram de atos e manifestações nas ruas de Juazeiro do Norte e Brasília, e de sessão popular na Câmara Municipal de Juazeiro do Norte”.

Após o encerramento da greve, os servidores pretendem “dar continuidade às atividades que promovam o diálogo entre estudantes, técnicos, docentes e a comunidade externa, no que concerne às políticas nacionais que afetam o cotidiano da UFCA, pois acreditamos que pensar o mundo é pensar a universidade, e que pensar a universidade é criar um novo paradigma de mundo”.

Os técnico-administrativos estavam de greve desde o dia 1° de novembro, após decisão em assembleia realizada no dia 27 de outubro, no pátio do campus Juazeiro do Norte.

Faça o Diário Cariri conosco, envie sugestões de reportagens através do WhatsApp (85) 9.8736.2018 ou ligue para nossa redação: (88) 3572-4214. Sua sugestão também pode ser enviada para o e-mail: andre.costa@diariodonordeste.com.br

09:26 · 07.11.2016 / atualizado às 09:26 · 07.11.2016 por

Juazeiro do Norte. Os servidores técnico-administrativos em educação da Universidade Federal do Cariri (UFCA) estão em greve desde a última terça-feira (1º), após decisão em assembleia realizada no dia 27 de outubro, no pátio do campus Juazeiro do Norte.

Na pauta da greve está a luta contra a PEC 241/PEC 55, que altera o regime fiscal do país, congelando os gastos públicos. A PEC 241 foi aprovada pela Câmara dos Deputados e seguiu para o Senado como PEC 55 para votação.

Bibliotecas
Devido à mobilização dos servidores, as bibliotecas estão com horários de funcionamento alterados: as bibliotecas dos campi Juazeiro do Norte e Icó estão fechadas; a biblioteca do campus Barbalha está funcionando apenas no período da manhã; e as bibliotecas dos campi Crato e Brejo Santo estão funcionando normalmente.

Faça o Diário Cariri conosco, envie sugestões de reportagens através do WhatsApp (85) 9.8736.2018

14:30 · 07.10.2016 / atualizado às 14:33 · 07.10.2016 por

filaJuazeiro do Norte. Os transtornos causados pela paralisação das agências bancárias por mais de um mês não se encerraram com o fim da greve, anunciado na noite de ontem, após os bancários aceitaram as propostas da Federação Nacional do Bancos. Clientes deste município tiveram que enfrentar longas filas e alguns caixas eletrônicos bloqueados ou sem dinheiro ao longo desta manhã.

Em uma agência localizada no centro de Juazeiro, a fila dobrou o quarteirão. Os que conseguiram atendimento, reclamaram da superlotação no interior das agências e demora no atendimento. Ansioso pelo fim da greve, o autônomo Bruno Lucas Barreto da Silva, de 37 anos, foi um dos primeiros a chegar na agência do centro, onde foram registrados as maiores filas. Apesar da longa espera, ele afirma ter sido um “mal necessário”.

“Estava há duas semanas esperando o desenrolar de um pedido de empréstimo e com o banco em greve, o processo estava parado e eu sem dinheiro para renovar minha mercadoria. Espero que até o fim do dia eu possa sair daqui com alguma posição concreta e o dinheiro na mão”, torceu.

Fim da paralisação
Ontem, os bancários aceitaram as propostas da Federação Nacional do Bancos, durante assembleia-geral. Com a decisão, bancários de empresas privadas, Banco do Brasil, Banco do Nordeste e Caixa Econômica Federal retomaram as atividades na manhã de hoje, paralisadas desde 6 de setembro.

A Federação Nacional do Bancos ofereceu aos bancários um reajuste de 8% neste ano e abono de R$ 3.500. A proposta também inclui aumento de 10% no vale refeição e no auxílio-creche-babá e de 15%, no vale alimentação. Os bancos também se comprometeram a garantir aumento real de 1% em todos os salários e demais verbas.

Faça o Diário Cariri conosco, envie sugestões de reportagens através do WhatsApp (85) 9.8736.2018

 

16:39 · 20.09.2016 / atualizado às 16:43 · 20.09.2016 por

2016-09-20-PHOTO-00001547Profissionais da educação municipal de Crato e servidores de várias categorias decidem paralisar as atividades, com greve deflagrada na manhã de hoje. Um dos principais motivos seria os constantes atrasos no pagamento do funcionalismo. Cerca de 500 servidores estiveram presentes na assembleia, no Palácio do Comércio.

As mobilizações na cidade vêm ocorrendo de forma constante. Segundo a presidente do Sindicato dos Servidores da cidade do Crato, Denise Pinheiro, foram esgotadas as formas de negociação e não restou outra alternativa. A greve é por tempo indeterminado. Uma das medidas do Sindicato é pedir o bloqueio das contas da administração para garantir o pagamento dos professores.

Desde que começaram os atrasos no pagamento dos docentes, que eles notificaram o Ministério Público sobre o problema. No próximo dia 22, está marcada uma nova reunião com O Ministério Público Estadual para tratar da questão e avaliar a situação de pagamento do funcionalismo.

Além dos efetivos, os professores temporários também estarão em greve. O direito de greve é assegurado para as condições de participação dessa categoria.

Na última semana, foi realizada reunião junto ao Ministério Público, para que houvesse uma forma de negociação, mas, a administração, conforme a presidente do sindicato, alegou não ter condições de pagar aos professores, já que os recursos não estão sendo suficientes. Além dos docentes, as merendeiras também aderiram à greve.

A decisão da categoria foi praticamente unânime. A assessoria jurídica do sindicato afirma que levará a greve ao conhecimento da gestão, pais e alunos, e isso deverá ocorrer até 72 horas antes da paralisação começar.

O Município alega que os recursos do Fundo de Manutenção do Desenvolvimento da Atenção Básica (Fundeb) não estão sendo suficientes para cobrir a folha de pagamento de todos os servidores da secretaria. Antes, esse valor era compensado com recursos próprios da administração, mas, em função da queda na arrecadação, não houve de onde tirar o complemento salarial.

 

10:33 · 02.06.2016 / atualizado às 10:38 · 02.06.2016 por
Alunos e professores ocupam o prédio da Crede desde o início da manhã (Fotos André Costa)
Alunos e professores ocupam o prédio da Crede desde o início da manhã (Fotos André Costa)

Juazeiro do Norte. Professores e alunos da rede estadual de ensino estão ocupando, desde o início da manhã de hoje, o prédio da 19ª Coordenadoria Regional de desenvolvimento da Educação (Crede), neste município. Os portões foram fechados por volta das 7 horas. O objetivo da ocupação, segundo, o diretor da Associação dos Professores de Estabelecimentos Oficiais Ceará (Apeoc) no Cariri, Bartolomeu Leandro Rodrigues, “é chamar a atenção do Governo do Estado acerca das precárias condições encontradas nas escolas por alunos e docentes”.

“A educação no Estado é um problema complexo. A começar pela parte física”, critica Bartolomeu. Ainda conforme explica, “as salas de aulas foram apelidadas de ‘saunas de aula’, devido a péssima climatização, os equipamentos estão sucateados, os locais de lazer carecem de reforma, assim com várias outras dependências dos prédios”.

Só está sendo permitido a entrada de alunos e professores
Só está sendo permitido a entrada de alunos e professores

Em greve há mais de um mês, os docentes reclamam, também, que a data-base da categoria, de 1º de janeiro, não foi respeitada e reivindicam reajuste de 12,67%, entre outros itens. O Governo do Estado prevê para junho uma posição sobre remuneração dos profissionais do magistério.

Já os alunos reivindicam aumento da verba para merenda escolar (atualmente de R$ 0,31 centavos por aluno); revogação da portaria de lotação (PL 1169/15); aumento de verbas para projetos pedagógicos e culturais; reforma nos prédios e renovação dos equipamentos, dentre outras.

Sobre o repasse na verba alimentar, a representante da Associação Cearense de Estudantes Secundarista (ACES) Ester Burmann, conta que há uma “gritante diferença entre o investimento para as escolas de ensino técnicas e de ensino regular”. Segundo ela, a verba da merenda para as escolas técnicas é de quase sete reais por aluno.

A desocupação da Crede deve ocorrer ao fim do dia. “Inicialmente o que foi acordado em assembleia é que a ocupação seria apenas nesta quinta-feira”, concluiu Bartolomeu Leandro. Em Juazeiro do Norte, cinco escolas estão ocupadas por estudantes.

Faça o Diário Cariri conosco, envie sugestões de reportagens através do WhatsApp (85) 9.8736.2018

09:29 · 02.05.2016 / atualizado às 09:29 · 02.05.2016 por
Foto André Costa
Foto André Costa

Juazeiro do Norte. A ocupação na Câmara de vereadores deste município já ultrapassa a marca das 100 horas. O prédio foi ocupado as 3 horas da última quinta-feira (28) por servidores das áreas da saúde, segurança e meio ambiente. A ação é uma resposta contra o projeto de lei que determina reajuste salarial de 7%. Os manifestantes, em sua maioria Guardas Civis Municipais (GCM), se reversam em turno para impedir a entrada de funcionários e vereadores.

Na quinta, o presidente da mesa diretora, o parlamentar Danty Bezerra (PMN), cancelou a sessão ordinária, justificando a decisão como uma “proteção física e moral aos vereadores”. Danty está trabalhando, junto ao setor jurídico, um pedido de reintegração de posse. O diretor regional do Sindicato dos Agentes Municipais de Segurança Pública do Estado do Ceará (Sindiguardas-CE), Aílton Botelho, informou que deverá haver, nas próximas horas, uma nova rodada de negociação com o gestor municipal, Raimundo Mâcedo.

Paralisação
Há mais de um mês, servidores das áreas da saúde, segurança e meio ambiente deflagraram greve. De acordo com o diretor do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Juazeiro do Norte (Sisemjun), Edilberto Oliveira, as categorias reivindicam reajuste salarial de 10,67% e melhores condições de trabalho. Segundo Botelho, os GCM estão sem reposição de fardamento há dois anos e a frota de veículos está 90% danificada. “De 20 carros, só dois prestam”, disse.

Oliveira ponderou, entretanto, que “categoria também tem uma reivindicação específica. No caso dos profissionais da saúde, eles pedem que acordos firmados nos anos passado sejam cumpridos, como é o caso do pagamento de insalubridade. Os profissionais da Semasp cobram melhores condições de trabalho e pagamento de insalubridade. Já os guardas municipais pedem equipamentos”, concluiu Oliveira.

Faça o Diário Cariri conosco, envie sugestões de reportagens através do WhatsApp (85) 9.8736.2018

15:14 · 14.04.2016 / atualizado às 15:24 · 14.04.2016 por
Alguns postos de saúde estão em condições precárias
Alguns postos de saúde estão em condições precárias

Barbalha. Servidores municipais da área da saúde desta cidade completaram hoje um ano de paralisação. Para marcar a data, os grevistas cantaram parabéns em frente a Secretaria de Saúde do município. O manifesto teve ainda bolo, faixas e cartazes. De acordo com a presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Barbalha (Sindmub), Maria Jacqueline Ferreira de Sá Barreto , “já é a greve mais longa registrada no país em âmbito municipal”.

Os profissionais reivindicam reajuste salarial, concurso público e melhores condições de trabalho. “A classe já acumula perda salarial de 130% ao longo dos últimos dez anos”, ressalta a sindicalista.

Foto André Costa
Foto André Costa

Mais de 100 profissionais, entre médicos, dentistas, enfermeiros e técnicos de enfermagem já aderiram a paralisação. O atendimento está comprometido em todos os 22 Postos de Saúde do município, nas unidades do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), no Centro Materno Infantil e no Serviço de Verificação de Óbitos (SVO).

De acordo com o Sindmub, apenas 17 médicos, todos do Programa Mais Médicos, continuam atendendo. Já entre enfermeiros, dentistas, atendentes de consultórios e outras oito categorias apenas 50% estão trabalhando, “em conformidade com a petição do Tribunal de Regional Federal “, salientou. Na manhã de hoje, os servidores se reúnem em frente ao prédio da Secretária de Saúde para “satirizarem a data”. “Não estamos comemorando um ano da greve, mas comemorando a persistência dos servidores que lutam por uma saúde mais digna”.

Em um ano de greve, a classe revela que se reuniu somente três vezes com a prefeitura. “A primeira negociação só veio acontecer em 02 de fevereiro, após o TRF julgar, por nove votos a zero, a legalidade da greve”, pontuou Jacqueline. Em 26 de fevereiro, o gestor municipal José Leite Gonçalves Cruz (PT) apresentou proposta de reajuste salarial de 10,67%. A categoria recusou.

“Vamos seguir com a paralisação até 31 de dezembro, se for preciso. Não há porque nos darmos vencidos pelo cansaço e sair sem nenhuma conquista. A saúde de Barbalha precisa ser vista com mais atenção. Já que a lei não permite reajuste acima da inflação, vamos negociar através de gratificação, mas a greve não acaba enquanto as pautas mínimas não forem contempladas”, finalizou a sindicalista.

SAM_3418Insalubridade
Além da falta de profissionais e medicamentos, as condições de muitos PSFs são precárias. Em três dos quatros Postos visitados, a reportagem do Diário do Nordeste flagrou infiltrações, rachaduras, banheiros com falta de água e luz, salas sem climatização, vacinas acondicionadas em locais impróprias e até baratas nos corredores. “Nem no banheiro podemos ir, pois não tem água”, critica uma atendente que pede para ter sua identidade preservada.

Dentro do PSF da Cirolândia, o matagal serve de alimento para animais pastarem. A vegetação chegou a invadir a sala dos atendimentos médicos, por entre as frechas da janela. “Se você falar a qualquer pessoa que tem um burro pastando dentro de um Posto de Saúde, próximo aos pacientes, muitos não vão acreditar. Mas isso é o de menos aqui nos PSFs de Barbalha”, expôs Maria Jacqueline.

Em nota, a prefeitura disse que  “ofereceu aumento salarial na ordem de 10,67%, aos servidores a título de reposição das perdas salariais de 2015 e mais, 10,67% aos profissionais de nível médio da saúde, a título de reposição das perdas das gestões anteriores a 2009.  Os servidores de nível médio tiveram, nesse ano, reposição de 11,68% por conta do reajuste do salário mínimo. O Sindicato dos Servidores Municipais, além de não aceitar a proposta ofertada pela municipalidade, ainda acrescentou novas reivindicações não tratadas anteriormente, como PMAQ, que é o recurso Federal e não depende da prefeitura”.

Ainda conforme a assessoria da prefeitura, “foi proposto a contratação de equipe para fazer o levantamento de insalubridade” e será encaminhado ofícios ao “Ministério Público e para a Justiça do Trabalho, mostrando que não há nenhuma intransigência por parte do prefeito José Leite”. Por fim, a nota ressalta que será pedido a “reposição das horas de trabalho paradas, até porque, já faz um ano que os servidores grevistas estão sem trabalhar embora recebam integralmente seus salários”.

Faça o Diário Cariri conosco, envie sugestões de reportagens através do WhatsApp (85) 9.8736.2018

17:15 · 12.04.2016 / atualizado às 17:40 · 12.04.2016 por
Momento em que a sessão foi paralisada por falta de energia
Momento em que a sessão foi paralisada por falta de energia

Juazeiro do Norte. Em clima de guerra, os vereadores deste município deram entrada ao projeto de lei que prevê reajuste salarial de 7% para várias categorias do setor público. Horas antes de iniciar a sessão ordinária, cerca de 200 profissionais das áreas da saúde, segurança e meio ambiente se manifestaram em frente a Câmara. Eles são contra o reajuste.

De acordo com o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Juazeiro do Norte (Sisemjun), a intenção do manisfesto era a “não entrada desse projeto de lei enviado pelo Executivo”. Os servidores avaliam o reajuste proposto incompatível com a inflação. “A inflação está acima dos 10%. Pedimos 10,67% para repor a inflação e ter ganho real”, pontuou Edilberto Oliveira, diretor do Sisemjun.

Confusão
A sessão foi paralisada por quase trinta minutos devido ao tumulto. A Polícia Militar (Força Tática de Apoio e Raio) foi solicitada no plenário para conter os ânimos. O fornecimento de energia elétrica chegou a ser cortado. De acordo com a PM, há suspeita de que os próprios manisfestantes cortaram a luz para evitar o andamento da sessão. A polícia restringiu o acesso ao plenário para apenas 70 manisfestantes.

Os servidores que tiveram acesso ao plenário portaram faixas e cartazes. Ao fim da sessão, os servidores gritaram palavras de ordem como “vergonha” e “7% não”. O projeto de lei deverá ser votado na próxima semana.

Paralisação
Há 14  dias profissionais das áreas da saúde, segurança e meio ambiente deflagraram greve por tempo indeterminado. De acordo com o vice-presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Juazeiro do Norte (Sisemjun), Antônio Rodrigues de Oliveira, “apenas 30% dos 67 postos de saúde do município estão em funcionamento, assim como somente 30% do efetivo da Guarda Civil Municipal está trabalhando, em conformidade com a lei”.

De acordo com o o diretor do Sisemjun, Edilberto Oliveira, as categorias reivindicam reajuste salarial e melhores condições de trabalho. “Temos uma pauta única, mas cada categoria tem uma reivindicação específica. No caso dos profissionais da saúde, eles pedem que acordos firmados no anos passado sejam cumpridos, como é o caso do pagamento de insalubridade. Os profissionais da Semasp cobram melhores condições de trabalho e pagamento de insalubridade. Já os guardas municipais pedem equipamentos”, detalhou Oliveira.

Faça o Diário Cariri conosco, envie sugestões de reportagens através do WhatsApp (85) 9.8736.2018