Busca

Tag: protesto


12:48 · 15.03.2017 / atualizado às 13:06 · 15.03.2017 por
Foto Henrique Macedo

Juazeiro do Norte. Algumas cidades do Cariri tiveram adesão nesta quarta-feira, 14, das manifestações nacionais contra a reforma da Previdência, que prevê mudanças trabalhistas propostas pelo governo do presidente Michel Temer (PMDB). Os protestos, que integram o ato intitulado “Dia Nacional de Lutas”, ocorrem em várias cidades do país.

Em Juazeiro do Norte, carteiros e alguns funcionários dos Correios foram as ruas com faixas e cartazes na mão contra a reforma. Em uma das faixas, estava estampado a frase “O Governo quer acabar com sua aposentadoria. Lute conosco contra a reforma da previdência”.

Foto Henrique Macedo

Parte dos Policiais Federais também aderiram o protesto. Na sede da PF, em Juazeiro, os policiais estão realizando apenas flagrantes e emissão de passaporte. A paralisação deve seguir até o fim do dia. Servidores públicos e centrais sindicais percorreram as principais ruas da cidade em protesto a reforma da Previdência.

Foto Normando Sóracles/Miséria

Na cidade de Caririaçu, integrantes do sindicato dos servidores públicos percorreu a principal avenida do município como forma de protesto. O ato contou com o apoio de populares, servidores e do poder legislativo, com a presença dos vereadores e do vice-prefeito.

Em Brejo Santo, manifestantes com bandeiras do “Sem Terra” e do PCdoB interditaram a BR-116, no km 495, durante parte da manhã de hoje. O grupo com cerca de 100 pessoas bloqueou as duas mãos da CE por quase 1h30. Policiais Rodoviários Federais (PRF) estiveram no local e liberaram a rodovia.

Faça o Diário Cariri conosco, envie sugestões de reportagens através do WhatsApp (85) 9.8736.2018 ou ligue para nossa redação: (88) 3572-4214. Sua sugestão também pode ser enviada para o e-mail: andre.costa@diariodonordeste.com.br

11:44 · 09.03.2017 / atualizado às 11:52 · 09.03.2017 por
Protesto iniciou na última segunda-feira (Foto André Costa)

Juazeiro do Norte. Quatro dias após serem instaladas numa das paradas de ônibus mais movimentadas da cidade, ao lado do shopping center, na Avenida Castelo Branco, as sombrinhas que simbolizavam protesto contra às péssimas condições dos pontos de espera dos passageiros, foram roubadas. Na noite desta quinta-feira, apenas dois dos quatro guarda-sóis ainda estavam na parada.

O Coletivo Cubo Urbano, grupo composto por acadêmicos e que foi responsável pela instalação das sombrinhas, comentou que “o fim da intervenção já estava previsto, pois o objetivo principal do protesto foi atingido”. Os estudantes rechaçam a hipótese de que o fim esteja ligado ao roubo das sombrinhas. Quem passou pela parada de ônibus hoje pela manhã, criticou o roubou.

>> Relembre: Sombrinhas instaladas em paradas de ônibus de Juazeiro expõem condições precárias

“Quando boas pessoas surgem boas ideias em prol da coletividade, vem um delinquente e interfere negativamente, roubando um objetivo que certamente pra ele terá pouca ou nenhuma serventia. É lamentável o roubo mas é digno de aplauso a intervenção. Que isso [protesto] abra os olhos dos gestores”, ponderou o enfermeiro Oliveira Custódio Sobreira.

Fique por dentro
Na última segunda-feira, um grupo de 15 estudantes universitários instalou quatro sombrinhas na parada de ônibus ao lado do shopping para que os passageiros pudessem se abrigar do sol. O objetivo, segundo eles, era “reivindicar melhorias nos espaços públicos”, um grupo de 15 universitários que compõem o “Cubo Urbano”.

De acordo com a Secretaria de Segurança e Cidadania do município, “será iniciado um trabalho de mapeamento nas paradas de ônibus e moto-taxi para identificar quais locais precisam de manutenção e em quais pontos precisam ser criadas novas paradas”. A pasta não informou o prazo para inicio nas obras.

Faça o Diário Cariri conosco, envie sugestões de reportagens através do WhatsApp (85) 9.8736.2018 ou ligue para nossa redação: (88) 3572-4214. Sua sugestão também pode ser enviada para o e-mail: andre.costa@diariodonordeste.com.br

10:58 · 03.11.2016 / atualizado às 16:41 · 03.11.2016 por
3cea78b2-e639-488d-910f-b620cb259c67
Foto Serena Morais

Juazeiro do Norte. Na última terça-feira, dia 1º, a justiça determinou, através de termo de reintegração de posse, a imediata desocupação da Câmara de Vereadores deste município, ocupada há uma semana por manifestantes. O grupo, com cerca de 30 pessoas, ocupa o plenário da Câmara desde a última quinta-feira. Eles são contrários a PEC 241, agora sob a numeração de PEC 55, e contra a aprovação do aumento do salário do prefeito, secretários e vereadores do município.

Apesar da decisão, o termo ainda não foi cumprido passadas 48 horas da medida. De acordo com a Justiça, por causa do feriado e da Romaria de Finados, cujo efetivo policial foi direcionado para garantir a segurança dos quase 600 mil católicos que visitaram a cidade, o termo deve ser cumprido hoje.

Os manifestantes já foram notificados de decisão e, aguardam, a qualquer momento, a chegada da polícia, a qual está autorizada a usar força, caso seja preciso para garantir a reintegração. No início da manhã de hoje, os manifestantes afixaram cartazes e faixas nas dependências do Palácio Floro Bartolomeu da Costa. Um dos cartazes foi montado sob um pilha de papel higiênico exposto no centro do plenário.

Faça o Diário Cariri conosco, envie sugestões de reportagens através do WhatsApp (85) 9.8736.2018

17:01 · 27.10.2016 / atualizado às 19:13 · 27.10.2016 por
Fotos André Costa
Fotos André Costa

Juazeiro do Norte. Sob muita tensão e protestos, que iniciaram ainda na manhã desta quinta-feira (27), resultando na ocupação da Câmara de vereadores deste município, os parlamentares aprovaram reajuste dos subsídios do prefeito, vice-prefeito, secretários municipais e deles próprios. A votação aconteceu durante sessão ordinária realizada na tarde desta quinta (27). Dos 21 vereadores, 17 compareceram e somente dois, Normando Soracles e Cláudio Luz, se opuseram ao aumento de 20%.

Os protestos que já se arrastavam há três sessões ficaram mais intensos nesta terça. Logo pela manhã, um grupo de 40 manisfestantes, com bandeiras estudantes e sindicais, ocuparam o plenário da Casa. Após horas de negociações, a Câmara foi desocupada. Pontualmente às 15 horas, o presidente da mesa, Danty Benedito, abriu a sessão ordinária e anunciou as votações. Depois de bastante tumulto, a sessão foi anulada e, em seguida, reaberta.

Em poucos minutos, os vereadores votaram a aprovaram o reajuste de 20% para os parlamentares e de 32% para prefeito e vice, para os próximos quatros anos. O subsídio de vereador passará de pouco mais de R$ 10 mil para R$ 12,6 mil. O vencimento do chefe do executivo passará para R$ 33 mil, enquanto o do vice saltará para R$ 21 mil mensais. Os novos valores entram em vigor a partir de janeiro de 2017.

IMG_3320
Com 15 votos favoráveis e dois contrários, reajustes foram aprovados; quatro vereadores faltaram à sessão (Foto André Costa)

Entre os próprios parlamentares, houve discordância sobre o reajuste salarial. Para o vereador Cláudio Luz (PT), o aumento “foi proposto em um momento inoportuno”. O parlamentar ressaltou a recessão financeira em que o País vive e antecipou que votará contra o reajuste. “Cria-se a PEC 241, com contenção de inúmeros gastos, mas por outro lado propõe aumento”, criticou. Ao justificar seu voto contrário ao reajuste, Luz argumentou que o “salário de professores e vereadores deveria ser equiparados” e lembrou que a “educação de Juazeiro do Norte é a pior do Estado”.

Veja vídeo

Em contrapartida, o vereador Tarso Magno (PR), que votou a favor do reajuste, rebateu dizendo que “vereador tem que ganhar bem como qualquer outro servidor”. O parlamentar detalhou ainda “que após todos os descontos, o nosso salário é de R$ 7.600, portanto, acho que o aumento é justo”, disse. Ao fim da votação, o presidente da Casa, Danty Benedito, comemorou a realização da sessão. “Fico contente por termos conseguido votar o projeto.”

Manifestantes cercaram presidente da Câmara após a sessão (Foto André Costa)
Manifestantes cercaram presidente da Câmara após a sessão (Foto André Costa)

Protesto
A cada voto favorável que era anunciado, os manisfestantes reagiam com vaias e gritos como “Não vai ter aumento!” e “Vereador não é profissão, aumento não!”. No fim da sessão, que durou pouco mais de um hora, o presidente da Casa foi cercado e houve muito tumulto. A Guarda Municipal e a Polícia Militar tiveram que intervir para retirada do parlamentar.

Após a saída dos vereadores, o grupo permaneceu no plenário e disse que “iriam ocupar novamente”.

IMG_3370

Faça o Diário Cariri conosco, envie sugestões de reportagens através do WhatsApp (85) 9.8736.2018

12:06 · 11.10.2016 / atualizado às 12:06 · 11.10.2016 por
Ato vaquejada  (11)
Fotos André Costa

Juazeiro do Norte. Mais de 150 vaqueiros se reuniram na manhã desta terça-feira na Praça Feijó de Sá, popularmente conhecida como Giradouro, em protesto contra a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) em não reconhecer a regulamentação das vaquejadas no Estado. O ato faz parte de uma série de protestos realizados simultaneamente em todo o Ceará em favor desta prática esportiva.

Ato vaquejada  (12)Um dos organizadores do evento, o juiz de Vaquejada Chico Matias, ressaltou que “a vaqueja é uma cultura quase secular e movimenta milhões de reais por ano”. Ele discorda da argumentação defendida pelos ministros do STF, que alegaram maus-tratos aos animais durantes os eventos e destacou que “os verdadeiros amantes do esporte zelam pela integridade e bem estar dos animais, muitos deles que chegam a custar mais de meio milhão de reais”.

De acordo com o criador e vaqueiro, Wiltson Maia, “o objetivo é chamar a atenção dos políticos, além de mostrar que milhares de pessoas sobrevivem da vaquejada, um esporte presente na vida do nordestino há décadas”.  Para o vice-presidente da Associação Brasileira de Vaquejadas (Abvaq), Marcos Lima, as manifestações são como “um pedido de socorro dos vaqueiros e de todas as outras pessoas que serão atingidas pela medida do STF”.

O ato também foi realizado em Brejo Santo, com interdição parcial da BR 116 e em Crato. Na região Centro-Sul, houve protestos em Icó e Iguatu. Os organizadores estimaram que 50 caminhões e 300 vaqueiros estiveram presentes nas duas cidades. Na capital cearense, o protesto ocorreu no Clube do Vaqueiro.

Ato vaquejada  (4)Proibição
Por seis votos a cinco, o Supremo Tribunal Federal julgou inconstitucional a lei do Ceará que regulamentava a vaquejada como prática esportiva e cultural. Com a medida, a vaquejada passa a ser ilegal no Ceará, estado que realiza mais de 700 provas por ano.

A proibição abre caminho para que a atividade também chegue ao fim no restante do Brasil. O principal argumento do STF é que a vaquejada é uma prática cruel para os animais.

Faça o Diário Cariri conosco, envie sugestões de reportagens através do WhatsApp (85) 9.8736.2018