Busca

Tag: Sítio Fundão


08:48 · 16.04.2018 / atualizado às 08:49 · 16.04.2018 por
No Pares Sítio Fundão corre o Rio Granjeiro, que pode ser área do caranguejo. (Foto: Antonio Rodrigues)

Crato. Na próxima quinta-feira (19), o Parque Estadual Sítio Fundão realizará a II Expedição Científica. Desta vez, os objetivo é identificar as áreas de ocorrência do caranguejo Kingsleya attenboroughi na Unidade de Conservação. A ação acontecerá das 19h às 22h em uma parceria entre a Universidade Regional do Cariri e Secretaria do Meio Ambiente (SEMA).

A expedição será coordenada por Lucineide dos Santos Lima, mestranda em Bioprospecção Molecular na linha de pesquisa em Biodiversidade. É recomendado que os participantes estejam devidamente equipados, portando lanterna e com vestimenta adequada, como bota, calça, perneira, etc.

Sobre o caranguejo

A espécie de caranguejo, de nome científico kingsleya attenboroughi, foi descoberta no território do Geopark Araripe, no Ceará. Ela foi achada pelos pesquisadores Alysson Pinheiro, da Universidade Regional do Cariri (URCA) e Willian Santana, da Universidade do Sagrado Coração (USC), de Bauru (SP).

Trata-se de uma espécie de caranguejo de água doce. Segundo os pesquisadores, ele já foi descoberto em condição de ameaça de extinção. O caranguejo existe em pouquíssimos lugares, com um número reduzido de espécimes e recebeu esse nome em homenagem ao grande naturalista inglês Sir. David Attenborough, que completa 92 anos em 2018, considerado o padrinho do soldadinho- do-araripe.

12:52 · 08.01.2018 / atualizado às 12:53 · 08.01.2018 por
Aplicativo detalha sobre a flora e os patrimônios do Sítio Fundão. (Foto: Geo Brasil)

Crato. Será lançado, nesta sexta-feira (12), às 8h, o aplicativo Ecomapps, que identifica e dá informações sobre plantas nativas, fósseis e pontos históricos da região. Ela também mapeou a flora e os bens históricos tombados do Parque Estadual Sítio Fundão, uma unidade de conservação localizada no Município. A ferramenta foi criada por professores e estudantes do Instituto Federal do Ceará (IFCE), do campus local.

O projeto foi desenvolvido pelos professores Gauberto Barros (Zootecnia) e João Alberto Abreu (Sistemas de Informação) e pelos estudantes João Willamy e Matheus Soares, do curso de Sistemas de Informação. Para os alunos, o grande desafio foi mergulhar em um assunto que eles não dominavam. “O maior aprendizado que a gente teve foi em relação ao meio ambiente. A gente está muito focado na área da tecnologia e às vezes se distancia um pouco da natureza. Além disso, aprendemos a parte técnica, com novas tecnologias”, explica Matheus.

O objetivo inicial era mapear a flora nativa do próprio campus do IFCE, que também fica numa área de proteção ambiental. Mas a ideia cresceu e agora ajudará os visitantes do Parque Estadual Sítio Fundão. Acompanhada de um mateiro, a equipe do projeto percorreu o parque para fazer o levantamento das espécies, identificando-as e fazendo o georreferenciamento. Depois, as informações foram inseridas no aplicativo e as plantas e bens identificados receberam placas com um código QR. Assim, basta o usuário baixar o app e aproximar o celular da placa para ter acesso a nome, história, origem, uso e outras curiosidades sobre as espécies.

Além de informar os visitantes do parque, o app pode ser utilizado em aulas de campo e servir como fonte de pesquisa. O objetivo, segundo os professores responsáveis pelo projeto, é despertar para a importância do aprendizado sobre a diversidade da flora nativa e apoiar projetos de educação ambiental, unindo meio ambiente e tecnologia. “A partir do uso desse aplicativo, podemos ter uma ampliação da sala de aula. A aula fica mais atrativa, interessante e proveitosa, além de ser um auxílio à aprendizagem”, explica o professor João Alberto.

Rose Feitosa, da Secretaria Estadual do Meio Ambiente, conta que a iniciativa faz parte das comemorações de aniversário do Parque Estadual Sítio Fundão, que completa dez anos em 2018. Segundo ela, o aplicativo também é capaz de promover a inclusão social de pessoas com mobilidade reduzida. “Os QR codes serão disponibilizados no centro de visitantes da unidade. A pessoa tem acesso às mesmas informações que teria se fizesse a trilha. Vai trabalhar educação ambiental da mesma maneira e permitir a inclusão de todos os visitantes do parque”.

O aplicativo para Android já está disponível para download gratuito na PlayStore. O Ecomapss pode ser adaptado para outras unidades de conservação: outras áreas protegidas já mostraram interesse pelo app e atualmente passam pela fase de levantamento de informações do local.

Serviço

Lançamento do aplicativo Ecomapss

12 de janeiro de 2018, a partir de 8h

Parque Estadual Sítio Fundão

Rua José Franca de Alencar, s/n, Seminário – Crato/CE

Mais informações pelo telefone: (88) 3523-8404

16:43 · 14.02.2017 / atualizado às 06:18 · 15.02.2017 por

Crato. A Secretaria do Meio Ambiente (SEMA) entrega amanhã a Casa de Taipa do Parque Estadual do Sítio Fundão totalmente restaurada. A casa sede foi construída na década de 1950 por Jefferson da Franca Alencar, antigo proprietário do Sítio Fundão. A edificação de barro batido e madeira, comum no Nordeste, com um primeiro andar, é a única casa do Brasil registrada neste modelo de construção.

Em uma vistoria realizada pelo secretário adjunto da SEMA e arquiteto, Fernando Bezerra, foram constatadas falhas estruturais, nas paredes, telhados e piso. A obra, iniciada em novembro de 2016, foi orçada em aproximadamente R$100 mil, por meio de compensação ambiental, e contemplou, além da restauração, a instalação de rampas de acesso e a criação um Centro de Visitantes, que funcionará como núcleo de sensibilização e educação ambiental, oferecendo lazer e serviços.

O secretário Artur Bruno e a secretária executiva Maria Dias Cavalcante vão acompanhar a reinauguração da obra, reivindicação antiga da sociedade cratense. “Foi um trabalho muito criterioso. Com a ação do tempo e das chuvas a casa foi se deteriorando. Como é patrimônio histórico e cultural, a SEMA decidiu refazer toda a estrutura, preservando os aspectos de sua construção inicial, em 1950”, concluiu Bruno.

Obra
Os laudos atestavam que a casa estava em estado precário. Devido ao problema, foi realizado o destelhamento completo, protegendo as telhas para limpeza e retelhamento posterior. As peças danificadas foram substituídas por similares da região. Toda a estrutura de ripamento do madeiramento, inclusive o de bambu, foi reconstruída, com a mesma forma e material originalmente empregado. O piso recebeu reparos pontuais com substituição de peças da tijoleira, enquanto as paredes que possuíam deformações, fissuras e trincas, foram completamente recompostas.

Faça o Diário Cariri conosco, envie sugestões de reportagens através do WhatsApp (85) 9.8736.2018 ou ligue para nossa redação: (88) 3572-4214. Sua sugestão também pode ser enviada para o e-mail: andre.costa@diariodonordeste.com.br

17:37 · 13.09.2012 / atualizado às 17:37 · 13.09.2012 por

O presidente do Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente (Conpam), Paulo Henrique Lustosa, estará às 9 horas desta sexta-feira, 14/9, no Parque Estadual Sítio Fundão. Ele vai assinar a ordem de serviço para a Construtora Adois fazer todo o cercamento daquela Unidade de Conservação e também uma nova guarita, vez que a existente está sem portas e janelas. Com isso, dá início a primeira etapa de obras para revitalizar o Sítio que fica no bairro Franca Alencar, em Crato, a 504 km de Fortaleza, e compreende uma área de 93,54 hectares.
A cerca verde será feita em painéis de arame galvanizado e a guarita em tijolo maciço. O prazo para entrega da obra é de 120 dias e custará R$1.150.000,00. Os recursos, segundo informações do Presidente do Conpam, são originários de medidas de compensação e sua aplicação mostra o quanto o Governo reconhece o inestimável valor histórico, cultural e ecológico da área.

O Parque Estadual do Sítio Fundão é uma unidade de conservação (UC) de proteção integral do Governo do Estado do Ceará. Tem uma flora e fauna bem diversificada, na qual nos deparamos com espécies da caatinga e do cerrado, estes remanescentes da mata atlântica, fazendo parte do Geossítio Batateira, vinculado ao Geopark Araripe.