Busca

Tag: Urca


11:58 · 16.10.2017 / atualizado às 12:04 · 16.10.2017 por

Crato. Estão abertas as inscrições para o Seminário Nacional de História e Contemporaneidades, que será realizado entre os dias 6 e 9 de março de 2018, na Universidade Regional do Cariri (URCA). Em sua terceira edição, o evento traz como tema “Brasil: autoritarismo, cultura política e Direitos Humanos”, que debaterá, em mesas redondas, minicursos e simpósios temáticos, os desafios de refletir o contexto político nacional e o papel da história como espaço de ponderação sobre fenômenos ligados ao tempo presente. O seminário é uma iniciativa do Laboratório de Pesquisas em História Cultural (LAPEHC) e as inscrições se encerram no dia 15 de novembro.

Desde sua primeira edição, em setembro de 2013, o Seminário Nacional de História e Contemporaneidades tem se caracterizado por debater temas pulsantes de nosso tempo. Inclusive, é um evento interdisciplinar, que convida estudantes, professores e pesquisadores de diferentes áreas. De acordo com Sonia Meneses, professora da URCA e membro do LAPEHC, o seminário reunirá pessoas de vários lugares e instituições de educação do País.

“Antropólogos, advogados, historiadores, sociólogos. A ideia é fazer um debate bastante plural sobre este momento que estamos vivendo. Inclusive, momento que estamos notando essa emergência de movimentos conservadores, discussões que estão tomando vários rumos, principalmente com a crise cultural, política e econômica”, aponta a professora.

Na próxima edição, no ano que vem, as quatro mesas principais terão o seguintes debates: movimentos conservadores no século XXI; História, memória e sensibilidades; o ensino da História; cultura política no Brasil. “O seminário propõe não apenas a reflexão de tais problemas, mas um debate que possa apontar alternativas possíveis para a crise na qual nos encontramos”, completa Sonia.

Além disso, o seminário terá 12 simpósios temáticos que terão debates sobre gênero, sexualidade, cultura popular, religiosidade, literatura, patrimônio, entre outros temas. Ainda serão realizados dez minicursos durante os quatro dias de evento. Outra atração será a exposição “Memórias”, do artista plástico Pablo Manyé.

Nas edições anteriores, em 2013 e 2015, o Seminário Nacional de História e Contemporaneidades teve cerca de 700 e 500 inscritos, respectivamente. A expectativa para o ano que vem é de um número ainda maior. Para se inscrever e conferir a programação completa, os interessados podem acessar através do site.

09:31 · 30.05.2017 / atualizado às 09:31 · 30.05.2017 por

Entre os dias 23 e 26 de maio, aconteceu na cidade de Arequipa, Peru, o IV Simpósio Sulamericano y el Caribe de Geoparks.O evento contou com as participações dos já nomeados Geoparks Mundiais da Unesco: Araripe (Brasil, o primeiro das américas), Grutas del Palácio (Uruguai), Mixteca Alta e Comarca Mineira (ambos do México).

Diversos integrantes da rede mundial da Unesco contribuíram com falas importantes que serviram como workshop para afinar as propostas de vários projetos proponentes à Geoparks, como o Rio Coco (Nicarágua), San Martin de Los Andes (Argentina), Toro Toro (Bolívia), Volcánico Del Ruiz (Colômbia), Imbabura, Volcán Tungurahua e Napo Sumaco (Equador), Litoral del BioBio (Chile), Huallay, Pasco e Colca y Volcanes de Andagua (Peru) e também um Geoparque em Cuba.

O Geopark Araripe esteve representado pelo Reitor da Universidade Regional do Cariri, professor José Patrício Pereira Melo, que contou um pouco sobre as conquistas já consolidadas, projetos para o futuro, bem como a importância da comunidade e de parcerias governamentais e privadas na gestão de um Geopark como garantia de sucesso.

Também estiveram presentes o Coordenador de Geoconservação, professor Rafael Celestino Soares e o Coordenador de Comunicação, professor Michel Macedo Marques, responsáveis pelo stand de exposição do GeoPark Araripe que funcionou durante o evento. Novos contatos profissionais e técnicos foram definidos e houve troca de experiências e estratégias implantadas. Também esteve presente Moara Giasson, representando o Ministério do Meio Ambiente do Brasil.

O Simpósio definiu metas e prazos para o estabelecimento da Rede Latino Americana e Caribenha de Geoparks UNESCO, um avanço considerável para a evolução dos Geoparks no Hemisfério Sul.

13:13 · 05.05.2017 / atualizado às 13:25 · 05.05.2017 por

A política de resíduos sólidos tem sido um dos principais desafios das cidades brasileiras, no que se refere ao enfrentamento dos problemas ambientais, sociais e econômicos decorrentes do manejo inadequado dos resíduos sólidos. Apesar da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) ter sido instituída em 2010, estima-se que cerca de 60% dos municípios brasileiros ainda dispõem seus resíduos de forma ambientalmente inadequada em lixões ou aterros controlados (lixões com cobertura precária).

Somente pouco mais de duas mil e trezentas cidades do país dispõem seus resíduos sólidos urbanos coletados em aterros sanitários, individuais ou compartilhados por mais de um município. Esta problemática foi tema de debate durante o terceiro dia da Reunião Regional Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (RR-SBPC), notabilizado como um dos maiores eventos científicos do Nordeste e realizado pela primeira vez na região do Cariri cearense.

Em sua fala de abertura, a palestrante Vitória Moraes, da Autarquia Municipal de Meio Ambiente de Juazeiro do Norte, destacou dois importantes números que estão em desconformidade, mas que servem para ilustrar o problema dos resíduos e que são desproporcionais. “Cada pessoa produz por dia 1,04 kg de resíduos sólidos. Em contrapartida, não há quantidade suficiente de cidades que atuem de forma correta no que diz respeito a coleta e destinação do lixo”, pontua.

Conforme explica, o alto número de lixões gera, consequentemente, um diminuto número de resíduos reciclados, “fato que acaba desencadeando uma série de problemas, como por exemplo, o crescimento de doenças”. Samuel Ricarte, também da Amaju, explica que “a baixa quantidade de aterros está diretamente relacionada ao alto custo de implantação”. Para implantar um aterro de médio porte, isto é, com capacidade para 800 toneladas por dia, são necessários, em médio, investimento de R$ 18,4 milhões.

“Por isso é tão importante os chamados aterros consorciados, aqueles que contam com parcerias de várias cidades”, acrescenta o palestrante. Vitoria lembra, no entanto, que os impactos ambientais, a médio e longo prazo, podem ser bem mais onerosos aos governos. “São inúmeros. Destaco os possíveis problemas de saúde, o bem-estar da população, as condições sanitárias do meio ambiente, a qualidade dos recursos ambientais, dentre outros”, elenca Vitória.

Ao explanar sobre as soluções para conter os lixões e os problemas ocasionados por ele, Samuel destacou que a PNRS incentiva a formação de associações intermunicipais que possibilitam o compartilhamento das tarefas de planejamento, regulação, fiscalização e prestação de serviços de acordo com tecnologias adequadas à realidade regional.

Faça o Diário Cariri conosco, envie sugestões de reportagens através do WhatsApp (85) 9.8736.2018 ou ligue para nossa redação: (88) 3572-4214. Sua sugestão também pode ser enviada para o e-mail: andre.costa@diariodonordeste.com.br

11:02 · 05.05.2017 / atualizado às 11:02 · 05.05.2017 por

A importância da educação para o crescimento do país e a atual situação da área de ciência, tecnologia e inovação (CT&I) no Brasil, foram destaques na conferência que encerrou a vasta programação do terceiro dia da Reunião Regional da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (RR-SBPC). A conferencista Helena Nader, presidente da SBPC, destacou os acanhados números da educação brasileira, nos ensinos fundamental, médio e superior, se comparado a outros países do mundo e avaliou que a “a ciência é porta para o crescimento de qualquer nação”.

Ao citar a importância das pesquisas científicas, Nader destacou que, além de o país dispor de poucos pesquisadores, a grande maioria nunca saiu do Brasil. “A meta é alcançar a internacionalização”, pontua, ao afirmar que 63% dos pesquisadores nunca foram ao exterior. Outro número negativo que chamou a atenção da presidente da SBPC se refere ao mais importante exame educacional do mundo, elaborado a cada três anos pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) com o intuito de aferir a qualidade, equidade e eficiência dos sistemas escolares, mostraram mais uma vez os alunos brasileiros nas últimas posições do ranking.

Nas três áreas (ciências, leitura e matemática) avaliadas pelo Pisa em 2015, os estudantes brasileiros tiveram desempenho abaixo da média da OCDE. “É assustador”, disse. Dentre 72 países, o Brasil ocupa a 63ª posição em ciências, a 59ª em leitura e a 66ª colocação em matemática. “Falta aplicar mais recursos na educação e de forma correta. Nenhum governo pode avaliar educação e ciência como gastos, mas, sim, investimento”, acrescentou.

Além de evidenciar o quanto o Brasil precisa avançar nas políticas públicas de ensino e em estratégias estruturantes para a melhoria da educação, o índice do Pisa pode servir para mostrar o que as outras nações estão fazendo para alcançarem bons resultados. Na avaliação de Helena Nader, a implantação imediata do Marco legal de ciência, tecnologia e inovação é fundamental para o salto de qualidade educacional no Brasil.

Faça o Diário Cariri conosco, envie sugestões de reportagens através do WhatsApp (85) 9.8736.2018 ou ligue para nossa redação: (88) 3572-4214. Sua sugestão também pode ser enviada para o e-mail: andre.costa@diariodonordeste.com.br

08:24 · 05.05.2017 / atualizado às 10:57 · 05.05.2017 por

A reunião regional será encerrada nesta sexta-feira, com palestras e mesas redondas que serão realizadas durante todo o dia, além da SBPC Jovem, que acontece das 9 horas às 17 horas, no Ginásio Poliesportivo. A Programação Cultural contará com apresentação de Reisado do Congo do Mestre Aldenir e da Banda Cabaçal dos Irmãos Aniceto, às 19 horas, no Picadeiro do Parque Pedro Felício Cavalcante. Também estão abertas à visitação até o final da reunião regional, as exposições Expo – Lira e Patativa do Assaré – de Poeta Matuto a Poeta Doutor. A feira de artes e produtos orgânicos, Cariri Criativo, e feira de artesanato podem ser vistas no local.

A RR tem mobilizado cerca de 200 palestrantes e quase 4 mil pessoas inscritas no evento. É a primeira vez que acontece no interior do Estado, tendo a Universidade como sede, no campus do Pimenta, em Crato, com instituições de curso superior, públicas e privadas da região, como parceiras. A reunião está sendo promovida pela Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), com o apoio do Governo do Estado, por meio da Secretaria da Ciência. Tecnologia e Educação Superior (SECITECE).

O evento foi aberto na última terça-feira, no Centro de Convenções do Cariri, com a presença do Governador do Estado, Camilo Santana, o Secretário de Ciência, Tecnologia e Educação Superior do Estado (SECITECE), Inácio Arruda, a presidente da SBPC, Helena Nader, o Reitor da URCA, Patrício Melo, e o Vice-Reitor, Francisco do Ò Lima Júnior, entre outas autoridades.

PROGRAMAÇÃO SEXTA-FEIRA

Mesas-redondas

Nesta sexta-feira estão sendo realizadas mesas-redondas sobre Biodiversidade e Biotecnologia aliadas no Desenvolvimento de Novas Tecnologias para o Aproveitamento de Alimentos, com os palestrantes Henrique Douglas de Melo (URCA), Maria de Fátima Gossi de Sá (CENARGEN) e Ruy Caldas (UCDB), no auditório Missão Velha (Miniauditório do Renasf); Empreendedorismo Regional e Desenvolvimento Territorial do Geopark Araripe, com o Reitor José Patrício Pereira Melo (URCA) e Édio Callou (SEBRAE), no auditório Barbalha (Auditório do Geopark Araripe); Cultura, Memória e Contemporaneidade, com Francisco Regis Lopes (UFC), Alexandre Almeida Barbalho (UECE) e Rosilene Alves de Melo (UFCG), no auditório Nova Olinda (I Semestre de Biologia); O Papel da Pesquisa na Formação e na Prática dos Professores, com Marcelo Câmara dos Santos (CAPES), Luiz Roberto Liza Curi(CNE), Izolda Cela (vice-governadora do Estado) e José Fernandes de Lima (UFS), no auditório Crato (Salão de Atos).

Ainda serão abordados os temas Os impactos da Intersecção da Arte e Sociedade na Formação e Transformação de Sujeitos-Cidadãos-Pensantes, A Seca e os Desafios na Gestão de Recursos Hídricos no Semiárido Nordestino.

Conferências encerram programação Científica, a partir das 14h

A programação de conferências será aberta às 14 horas desta sexta-feira, com Física para os Poetas, com Adilson J.A. de Oliveira (UFRGS), no auditório Barbalha (Geopark Araripe); Água, Fonte de Múltiplos Usos, com Plínio Barbosa de Camargo (USP), no auditório Juazeiro do Norte (Prédio da Bioprospecção Molecular); Produtividade de Florestas de Rápido Crescimento no Semiarido Brasileiro, tendo como conferencista José Antônio Aleixo da Silva (SBPC/UFRPE).

Às 15h30, a RR entra na sua fase final, com as conferências sobre Saneamento básico: situação atual no Nordeste Brasileiro, com o conferencista Álvaro José Menezes da Costa (ABES), no auditório Juazeiro do Norte (Prédio da Bioprospecção Molecular); Economia, Território e Desenvolvimento Econômico do Nordeste, com o Professor Doutor Wilson Cano (Unicamp), no auditório Barbalha (Geopark Araripe), fechando com a conferência Ciência e Pós-Graduação: A Glória , A Virtude e a Loucura (Ou “As nossas missões em tempos de incertezas), com o conferencista Adalberto Ramon Vieira (UFRJ).

Faça o Diário Cariri conosco, envie sugestões de reportagens através do WhatsApp (85) 9.8736.2018 ou ligue para nossa redação: (88) 3572-4214. Sua sugestão também pode ser enviada para o e-mail: andre.costa@diariodonordeste.com.br

16:46 · 30.03.2017 / atualizado às 16:46 · 30.03.2017 por

Crato. A Exposição Patativa do Assaré: “De poeta matuto a poeta doutor” que está acontecendo no Hall da Proex, Campus Pimenta da Universidade Regional do Cariri (URCA), será prolongada até o dia 06 de maio.

A exposição homenageia o aniversário de 108 anos de nascimento do poeta Patativa do Assaré é composta por fotografias, livros, discos, cordéis e reportagens sobre Patativa, além da réplica da casa do poeta, localizada na Serra de Santana, município do Assaré.

 

15:41 · 28.03.2017 / atualizado às 15:43 · 28.03.2017 por

A III Semana de Biologia do Campus Missão Velha foi aberta na noite desta segunda-feira (27/03) tendo como tema “10 anos do Geopark Araripe: história e perspectivas”. O evento contou com a participação massiva dos estudantes do curso de Biologia do campus Missão Velha além de autoridades presentes. O Diretor do campus, o professor Marcel Roosevelt, fez a abertura e o acolhimento dando início aos trabalhos.

O vice-prefeito de Missão Velha, Rosemberg Macêdo, e o Secretário de Meio Ambiente, Marley Macêdo, representaram o Poder Executivo Municipal. Já o vereador George Fechine representou o Poder Legislativo, que na ocasião agradeceram o convite pelo evento por parte do Centro Acadêmico bem como ressaltaram o apoio do poder público municipal à URCA e sua importância para Missão Velha.

O Magnífico Reitor em Exercício, professor Francisco do O’ de Lima Júnior, e o palestrante da noite, professor Allyson Pinheiro representaram a administração superior da Universidade. O Reitor elogiou a iniciativa do curso pela escolha do Geopark como tema, além de solicitar apoio dos gestores municipais para a instalação de um novo dispositivo da URCA em Missão Velha, com aporte de recurso da Transnordestina S/A.

A coordenadora do curso de Biologia, Elizete Machado, agradeceu aos participantes bem como ressaltou fortemente o empenho dos organizadores dando créditos aos membros do Centro Acadêmico. Na oportunidade a Professor Norma Freire divulgou a exposição “Olhares Epistemológicos” que ocorre na Unidade durante todo o evento, até a próxima sexta-feira (31/03).

Os agradecimentos finais pela abertura couberam ao presidente do Centro Acadêmico de Biologia, Edson Sousa, que agradeceu todo apoio do Geopark Araripe e dividiu os créditos da organização com todos os integrantes do C.A.

Faça o Diário Cariri conosco, envie sugestões de reportagens através do WhatsApp (85) 9.8736.2018 ou ligue para nossa redação: (88) 3572-4214. Sua sugestão também pode ser enviada para o e-mail: andre.costa@diariodonordeste.com.br

10:52 · 16.03.2017 / atualizado às 09:34 · 17.03.2017 por

O Ministério Público Federal (MPF) em Juazeiro do Norte ingressou com ação na Justiça Federal para obrigar o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) a concluir o processo de tombamento do acervo paleontológico do Museu Paleontológico da Universidade Regional do Cariri (Urca), localizado na cidade cearense de Santana do Cariri. Iniciado em 2004, o processo chegou a ficar parado e perdido por seis anos.

Na ação, o MPF pede que a Justiça estabeleça o prazo máximo de 180 dias para a conclusão do tombamento e o pagamento pelo Iphan de indenização de pelo menos R$ 1 milhão por danos extrapatrimoniais difusos. O museu de Santana do Cariri tem uma coleção com peças raras de fósseis encontrados na Região do Araripe, considerada por especialistas como detentora de jazidas paleontológicos entre as mais ricas do mundo.

Para o procurador da República Rafael Rayol, autor da ação proposta pelo MPF, “a demora na conclusão do processo de tombamento põe em risco um precioso acervo científico e cultural, acumulado há três décadas”. Rayol avalia que a demora no trabalho do Iphan é uma conduta evidentemente lesiva aos princípios da celeridade e da efetividade da administração pública.

A ação judicial tem como base inquérito civil público instaurado no MPF em Juazeiro do Norte e que faz parte de ação coordenada nacionalmente pelo órgão para a regularidade de tramitação de procedimentos de tombamento. Levantamento nacional realizado pelo MPF, através da Câmara de Meio Ambiente e Patrimônio Cultural e do Grupo de Trabalho de Patrimônio Cultural, aponta a existência de 800 processos de tombamento federais abertos e não concluídos no Brasil.

Faça o Diário Cariri conosco, envie sugestões de reportagens através do WhatsApp (85) 9.8736.2018 ou ligue para nossa redação: (88) 3572-4214. Sua sugestão também pode ser enviada para o e-mail: andre.costa@diariodonordeste.com.br

09:49 · 02.03.2017 / atualizado às 09:49 · 02.03.2017 por

A Universidade Regional do Cariri (URCA) conquistou a aprovação do primeiro Programa de Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva, que oferecerá 18 vagas distribuídas nos municípios de Brejo Santo, Crato e Iguatu. O edital que regulamentará a seleção está previsto para ser lançado ainda no final deste mês.

De acordo com a professora do curso de Enfermagem da URCA, professora Álissan Karine, membro da Comissão proponente da residência, “essa conquista deu-se a partir de discussões da comissão, composta por professores dos cursos de Biologia, Enfermagem e Educação Física da URCA, que submeteram a proposta ao edital nº 17/2016 dos Ministérios da Educação e da Saúde sobre Programas Multiprofissionais em Saúde, com ênfase na tríplice: Zyca, Chicugunya e Dengue”.

As vagas ofertadas serão voltadas para graduados nos cursos de Enfermagem, Biologia, Educação Física, Farmácia, Fisioterapia e Nutrição. O Programa terá duração de 24 meses, com bolsa pelo Ministério da Saúde. A publicação do resultado está no Diário Oficial da União (DOU).

Interessados em obter mais informações ou concorrer a uma das vagas deve entrar em contato com a Pró-reitoria de Pós-Graduação da instituição pelo telefone (88) 3102. 1291, ramais 3009/3022.

Faça o Diário Cariri conosco, envie sugestões de reportagens através do WhatsApp (85) 9.8736.2018 ou ligue para nossa redação: (88) 3572-4214. Sua sugestão também pode ser enviada para o e-mail: andre.costa@diariodonordeste.com.br

11:15 · 31.01.2017 / atualizado às 11:15 · 31.01.2017 por

cartaz-bolaCrato. Será aberto amanhã, dia 1º, a exposição fotográfica “Passado e presente da cidade do Crato-CE” , às 19h30, na Galeria Maria Célia B. Arrais (Hall da Proex) da Universidade Regional do Cariri (URCA). Todo o material exposto faz parte do acervo dos caririenses Jackson Bantim, Valter Leite, Luiz José, Allan Bastos, Guilherme Pinheiro, Roberto Jamacaru, Janildo Bantim e Janedson Bantim, além da exuense Seila Aires.

A exposição objetiva criar acervo da memória fotográfica da Região do Cariri Cearense para que ele subsidie a sua história e sirva para pesquisas para o público em geral. Até o dia 17 de fevereiro, o público poderá conhecer um pouco da história do Crato por meio das imagens captadas pelo olhar e pelas lentes desses artistas.

São fotografias de diversos momentos da cidade, desde o início do Século XX até a atualidade. A exposição estará aberta a visitação de segunda a sexta-feira das 8h às 22h. O evento é uma promoção da Pró-Reitoria de Extensão (PROEX) e do Clube Foto Cariri, em parceria com o Departamento de História da URCA e faz parte das comemorações dos 30 anos de criação da URCA.

Faça o Diário Cariri conosco, envie sugestões de reportagens através do WhatsApp (85) 9.8736.2018 ou ligue para nossa redação: (88) 3572-4214. Sua sugestão também pode ser enviada para o e-mail: andre.costa@diariodonordeste.com.br