Categoria: arte


12:19 · 08.10.2018 / atualizado às 12:27 · 08.10.2018 por
Artista foi premiado na bienal em São Paulo. Foto de Wandemberg Belém

A 14ª edição da Bienal Naïfs do Brasil, promovida pelo Serviço Social do Comércio (Sesc) de Piracicaba, em São Paulo, expôs mais de 200 trabalhos entre eles, quatro obras de dois artistas plásticos de Quixelô, Ruy Relbquy e Arivânio Alves. 

        Arivânio teve a obra “Cida e a cachorrinha Branca’, premiada na categoria “Incentivo”.

A mostra é composta por bordados, desenhos, esculturas, gravuras, pinturas, vídeos, entre outras técnicas, produzidas por 120 artistas, sendo 107 selecionados e 14 convidados, de 21 estados do país, de acordo com o Sesc a Bienal se reafirma como maior evento de arte naïf do país.

O evento foi realizado sob a temática “Daquilo que Escapa”, com curadoria de Armando Queiroz, Juliana Okuda e Ricardo Resende

O evento destaca peças que simbolizam não apenas a infinidade de relações do homem com a fauna, a flora, com o sagrado e o religioso, mas também o caráter transgressor e insubordinado do artista naïf, sua visão crítica, engajamento e resistência.

Entre os 107 selecionados, quatro artistas receberam o prêmio “Destaque-Aquisição”, quando os trabalhos passam a integrar o acervo Sesc de Arte Brasileira. Cinco foram premiados na categoria “Incentivo”, além de quatro“Menções Especiais”.

Para Arivânio Alves, artista plástico que foi selecionado na categoria incentivo, a premiação representa nove anos de trabalho, desde de 2009 quando começou seus primeiros desenhos. “Vejo essa premiação como o reconhecimento do meu trabalho, dos anos de luta, quando ninguém via,o meu desenho como arte”, disse. “Agora ser reconhecido na maior exposição da minha categoria no meu país, é maravilhoso”.

Em 2016, o artista recebeu o prêmio ‘Menção Especial’ com a tela “As adventistas”.

Criada em 1992, na unidade de Piracicaba, a Bienal tem como intuito privilegiar a produção de artistas que revelam características da arte ingênua, espontânea, instintiva, popular, naïf ou naïve, concebidas, em sua maioria, de forma autodidata.

 

21:38 · 24.09.2018 / atualizado às 21:38 · 24.09.2018 por

 

Prazo de inscrição foi ampliado

Foi prorrogado para o próximo dia 3 de outubro o prazo final de inscrições para o 8º Festival Nacional da Cultura Icoense – Icozeiro, que abre as portas da histórica cidade de Icó para o Brasil.

As inscrições encontram-se abertas no site oficial do evento – www.icozeiro.com – e o participante deverá pagar uma taxa de inscrição simbólica no valor de R$ 15,00, cujo comprovante deve ser anexado na inscrição.

 Teatro, dança, música, artes plásticas, audiovisual, literatura, workshops, oficinas formativas, além de programação em espaços e logradouros públicos da cidade e em comunidades do município integram a programação. 

O chamamento nacional do Festival busca ampliar sua programação, atuação e intercâmbio cultural, além de possibilitar a democratização da cultura e formação de plateia. Além de uma programação cultural, o evento dispõe de ações voltadas ao meio ambiente e de solidariedade.

NOVIDADES – Realizado pela Associação Filhos e Amigos de Icó (Amicó), o Festival Nacional Icozeiro acontece de 18 a 30 de dezembro no Centro de Arte e Cultura Prefeito Aldo Marcozzi Monteiro, no prédio do século XIX da antiga Casa de Câmara e Cadeia.

CURADORIA – Poderão participar da edição 2018 do Festival Nacional Icozeiro pessoas físicas (representantes de grupos) e jurídicas, com ou sem CNPJ, com no mínimo dois anos de experiência.

A seleção das inscrições será realizada por cinco curadores, de reconhecimento nacional / estadual e o resultado da classificação dos espetáculos será divulgado em uma coletiva de imprensa no dia 19 de outubro no Teatro da Ribeira dos Icós, às 19h, além do site do evento.

Após a divulgação oficial, a confirmação de participação dos selecionados deverá ser feito até o dia 25 de outubro, e uma reunião com os proponentes ou representantes está agendado para o dia 17 de novembro. O Festival Nacional Icozeiro 2018 ofertará aos participantes alimentação e estadia.
SERVIÇO:
Chamamento 8º Festival Nacional da Cultura Icoense – ICOZEIRO
Período de inscrições: 08 de setembro a 03 de outubro de 2018
Linguagens: Artes Integradas (Música, Dança, Teatro, Audiovisual, Artes Visuais, Artes Plásticas, Literatura)
Modalidades: Programação no Centro de Arte e Cultura Prefeito Aldo Marcozzi Monteiro; Icozeiro Abre as Portas; Icozeiro na Comunidade; Icozeiro Ocupa; e Virada Cultural.

Informações: www.icozeiro.com // icozeiro@gmail.com // gimagens@gmail.com

07:00 · 14.09.2018 / atualizado às 22:58 · 13.09.2018 por
Jogos de xadrez integram o projeto cultural

O Instituto Zuza Laureno nasceu a partir do sentimento de descendentes da localidade rural Vaca Morta, no distrito Santo Antônio, zona rural de Cedro, com o objetivo de realizar “algo” em prol dos seus conterrâneos.

Por vivência própria de alguns dos membros e a partir de reunião de diagnóstico com as comunidades rurais, foi traçado como prioridade de início das atividades, levar oportunidades de esporte e cultura para a região, visto que não são de fácil acesso na localidade.

Até o momento, todas as ações são realizadas através de arrecadação financeira entre os associados mantenedores, pois ainda estamos na carência para aprovar projetos através de incentivos fiscais.

O projeto Cineclube do Zuza começou à luz do luar e teve sua primeira exibição em 15 de abril do ano passado. Por ser um dos primeiros projetos implantados, consequentemente com a necessidade de ter credibilidade e se firmar, a ação teve sua implantação a céu aberto, e não “dentro” do casarão, o que veio a acontecer somente em agosto passado.

Cineclube é a reunião de pessoas para apreciar filmes e debater seus temas, de forma a desenvolver a inteligência, a sensibilidade e a consciência humana, pois as películas de qualidade ajudam a refletir sobre a condição humana e compreendê-la melhor. Por esta manifestação da cultura contribuir com a formação do indivíduo e seu papel de ator na sua própria história, e por a região não possuir nenhum aparelho cinematográfico, entendemos como de grande importância social esse projeto.

Um dos primeiros projetos implantados e consolidado com sucesso foi o projeto Clube do Xadrez. Através de curso básico para iniciantes, com participação de 15 crianças e adolescentes foi dado o pontapé para fundar o clube de xadrez do Instituto.

A ideia do clube de xadrez na comunidade rural é que a prática desse esporte/arte ajude a tirar as crianças e jovens da ociosidade, do jogos eletrônicos, dos celulares e dos riscos inerentes à vulnerabilidade social, auxiliando também no cotidiano escolar, contribuindo para uma melhoria no comportamento da garotada e no desenvolvimento do seu cognitivo, do raciocínio e inteligência, elevar suas autoestimas além de incentivar a competição saudável e selecionar atletas para torneios intermunicipais e/ou interestaduais.

Dois fatos de grande relevância no projeto Clube de Xadrez: o primeiro foi ver o gosto dos jovens pelo jogo e levá-lo para seu cotidiano, repassando as regras para os pais, irmãos, avós e vizinhos.

O segundo aspecto foi expandir o projeto para comunidades rurais circunvizinhas, onde os próprios integrantes do clube de xadrez participaram do curso básico.  Além de espalhar a ideia do projeto, há a integração entre os jovens, contribuindo para uma cultura de paz.

Atividades culturais e comunitárias

Parceria 

Através de parceria com o colégio Antônio Laurênio, houve o início de um outro projeto, o Sarau Literário e Cultural, que promove  a inserção da literatura, arte e cultura através das suas diferentes linguagens. O projeto leva apresentações, poemas, música e arte para a zona rural e também provoca que os moradores e alunos da escola também apresentem seus conteúdos.

Através do curso intensivo de Esperanto, os organizadores da ação cultural fazem a conexão de uma comunidade rural com outras realidades, utilizando uma linguagem universal. O aprendizado de uma língua desenvolve o interesse pelo estudo, desperta a visão de mundo e proporciona sonhos e objetivos. Por não haver facilitador na região, a metodologia do curso foi desenvolvida da seguinte forma: 24 horas de curso básico, manutenção através de grupo de WhatsApp e reforço de aprendizado presencial a cada 45 dias.

Biblioteca comunitária

Através da biblioteca comunitária “Vó Nininha” e do  Grupo de Leitura, o o Instituto Zuza Laureno contribui com as políticas públicas que deveriam universalizar o direito de acesso ao livro, à literatura e às bibliotecas.

A biblioteca está constantemente aberta e possui livros de áreas diversas, fruto de doações de amigos. O grupo de leitura se reúne semanalmente e fazem leitura e debate de um livro em comum.

Contribuir para a preservação da identidade cultural da zona rural. Essa é a ideia principal do projeto “Artesanato em Fuxico”. Esta habilidade que passa de mãe para filha recebeu o abrigo do casarão Vicente Laurênio (a sede do Instituto Zuza Laureno) e oficinas periódicas de novas técnicas e ideias. O encontro é quinzenal e toda a produção é vendida na feira da agricultura familiar, que acontece no próprio Distrito, e toda a renda é revertida para as próprias artesãs.

O projeto “Karatecas do Sertão” é o projeto mais consistente do Instituto até o momento. Implantado em fevereiro de 2018, o projeto tem correspondido à expectativa do planejado que é atuar de forma ativa no enfrentamento à vulnerabilidade social através das técnicas e disciplina desse esporte, contribuindo fortemente na construção de uma cultura de paz. Levar para a zona rural a oportunidade de praticar um Karatê esporte olímpico é mais do que inserir um sonho ou objetivo na vida dos jovens, é possibilitar que, com esforço e dedicação, eles um dia possam representar à comunidade em competição a nível mundial.

Aprendizagem da luta de karatê, como esporte saudável
Casarão é a sede do projeto na zona rural de Cedro
10:51 · 10.09.2018 / atualizado às 10:51 · 10.09.2018 por
Monólogo será apresentado em Iguatu e Icó. Foto: divulgação

Dias 11 e 12 de setembro, o Sesc traz ao Ceará a peça “Nos Tempos de Gungunhana”, criada e protagonizada pelo ator moçambicano Klemente Tsamba. Na próxima terça-feira (11), a unidade do Sesc em Iguatu recebe o espetáculo às 19h. No dia seguinte (12) é apresentado em Icó, no Teatro da Ribeira dos Icós, também às 19h.

 

Tsamba é ator, músico e artista plástico, licenciado pela Escola Superior de Educação de Beja, em Portugal. Para criar o monólogo, ele pesquisou a oralidade no teatro antropológico africano e os relatos do livro “Ualalapi”, do escritor moçambicano Ungulani Ba Ka Khosa, que inspiraram sua dramaturgia.

Ao narrar os kariganas, contos tradicionais encenados em sua apresentação, Tsamba revive a África Antiga do final do século 19, quando Império de Gaza, atual Moçambique, resistia à invasão lusitana, sob a liderança pelo rei Gungunhana.

O ator recorda que, ainda criança, ouvia as histórias dos anciãos moçambicanos sobre o antigo rei, por isso reconstruiu as histórias das pessoas que viveram este período. Encadeando histórias, provérbios, cantos e advinhações, Tsamba incorpora, desde personagens da realeza, até guerreiros e pessoas comuns, dando à plateia a experiência de conhecer a cultura e a história moçambicana.

Nos Tempos de Gungunhana já foi encenado em Cabo Verde, Portugal, Brasil, onde foi assistido em São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia e Piauí. Na cidade de Iguatu, o espetáculo integra o Arte Encena Sesc, ação permanente de estímulo cultural e formação de plateia que a instituição realiza em todo o estado e também dialoga com o tema do circuito de incentivo à leitura, que neste ano, é dedicado à África. Em Icó, o Sesc firmou parceria com a Secretaria de Cultura e leva a peça ao Teatro da Ribeira dos Icós, patrimônio histórico e artístico do estado, construído em 1860.

Serviço

Espetáculos Nos Tempos de Gungunhana

11/9
Local: Unidade Iguatu do Sesc (Rua 13 de maio, 1130 – Centro)

Horário: 19h

Entrada gratuita

12/9

Local: Teatro da Ribeira dos Icós (Rua 7 de setembro, s/n)

Horário:19h
Entrada gratuita

18:50 · 18.08.2018 / atualizado às 18:50 · 18.08.2018 por
Encontro reúne uma iniciativa pioneira

 

Muito mais do que belas paisagens, praias paradisíacas e uma inesquecível hospitalidade, o litoral tem histórias, labores, sabores, arte, tradição, sendo também um território ritualístico. Os povos que protagonizam estas práticas são diretamente influenciados pelo território em que ocupam.

Compreendendo a complexidade do elo entre homem e o mar, há alguns anos, o Sesc Ceará aplica o conceito de “rede”, intercambiável para uma forma espacial de atuar com maior fluxo e abrangência no litoral. A culminância das ações voltadas para os povos que habitam a área litorânea acontece durante o Encontro Sesc Povos do Mar, iniciativa pioneira no Brasil e que em sua 8ª edição acontece de 22 a 26 de agosto. O Encontro acontece junto a comemoração dos 70 anos do Sistema Fecomércio, instituição que mantém o Sesc (Serviço Social do Comércio), Senac (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial) e IPDC (Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento do Ceará), e que representa mais de 150 mil empresas do segmento do comércio de bens, produtos e serviços.

Rendeiras, pescadores, marisqueiras, mestres de cultura popular, com suas práticas e saberes característicos, se reúnem a partir de um mapeamento do Sesc para firmar um intercâmbio de comunidades, protagonizando uma programação construída e materializada durante cinco dias de imersão no Sesc Iparana Hotel Ecológico.

Para imergir neste universo, o público é convidado a acompanhar toda a programação gratuita. Ao passar pelo Encontro, o visitante mergulha em memórias, saberes, fazeres e apresentações socioculturais como a dança dos cocos, as atividades náuticas com jangadeiros e barqueiros, a degustação do gigante peixe camurupim assado na brasa, além de poder ter uma boa conversa com as rendeiras debaixo dos cajueiros.

Teremos oficinas, apresentações artísticas, palestras, práticas alimentares e vivências (trilhas, corrida de zinga, atividades náuticas, etc.), que tem como maior objetivo o firmamento dessa rede intercambiável de identidades.

Sobre a programação de abertura

A programação do 8º Encontro Povos do Mar no dia 22 (quarta-feira) começa a partir das 8 horas da manhã, com a alvorada marcada pela regata de Jangadeiros da Vila do Mar (Fortaleza), partindo à foz do Rio Ceará. Um dos momentos mais esperados do primeiro dia será a solenidade oficial de abertura, a noite, a partir das 19h30, no Sesc Iparana Hotel Ecológico. Lá, o público vai acompanhar o show do cantor cearense Ednardo, a apresentação do grupo Maracatu Az de Ouro, além de poder participar da socialização com o peixe camurupim assado na brasa e basquetada.

Sobre o Encontro Sesc Povos do Mar

Tudo começa muito antes dos cinco dias de programação, quando o Sesc Ceará realiza visitas e reuniões de mobilização e articulação in loco nas comunidades participantes do Encontro. O objetivo é de tecer e fortalecer a Rede Sesc Povos do Mar, composta de artesãos, pescadores, marisqueiros, mestre de cultura que, em um grande momento, se encontram e partilham seus saberes, fazeres e experiências entre si e com o público visitante.

Ao longo da programação são realizadas atividades baseadas em cinco eixos: Sabores, Saberes e Saúde; Feito a Mão; Meio Ambiente e Sustentabilidade; Cantos, Danças e Brincadeiras; e Dragões do Mar.

Ao todo, participam cerca de 300 representantes das comunidades litorâneas, além de outros 100 representantes das comunidades vizinhas. A expectativa é de que cerca de 1.500 pessoas participem da programação. O legado do projeto pioneiro é o fortalecimento de uma Rede Social Sesc para defesa das identidades, preservação de suas memórias e o fortalecimento comunitário das comunidades costeiras.

       O Encontro em Eixos

No eixo Sabores, Saberes e Saúde, o foco é a socialização das práticas alimentares e de saúde comunitária dos povos do mar. Como exemplo, a socialização com o público do peixe Camurupim na brasa, assado de forma tradicional.

O eixo Feito à Mão reúne artesãos, ofícios, técnicas e labores desenvolvidos pelas comunidades litorâneas, compartilhando conquistas, com destaque para a feira “onde há rede, há renda”, quando o público pode conhecer e adquirir diversos produtos.

O Meio Ambiente e Sustentabilidade é o eixo que traz experiências de ONGs, associações e de protagonistas das próprias comunidades sobre as questões do clima e da preservação ambiental, como o Turismo Cultural de Bases Comunitárias. Através dele, surgiu o Projeto Sesc Conversas Flutuantes, que permanentemente realiza ações socioeducativas na área do Rio Ceará.

O eixo Cantos, Danças e Brincadeiras reúne expressões artísticas e comunitárias dos povos do mar, congregando e fomentando as brincadeiras e as culturas de tradição oral, como a dança do coco, reisados, bois e bonecos.

Já o eixo Dragões do Mar desenvolve, de forma especifica e sistêmica, programações que refletem acerca da utilização do tempo livre e o aprendizado de esportes náuticos. É neste eixo que acontecem as corridas de canoa e a visita ao navio Mara Hope, naufragado na costa da capital cearense.

Programação geral

Período: 22 a 26/8

Horário: 7h30 às 20h30

Local: Sesc Iparana Hotel Ecológico (Av. José de Alencar, 150 – Caucaia)

Solenidade de abertura – show com Ednardo

Data: 22/8

Horário: 19h30

Local: Sesc Iparana Hotel Ecológico (Av. José de Alencar, 150 – Caucaia)

11:16 · 15.08.2018 / atualizado às 11:16 · 15.08.2018 por

 

Fetac movimenta a arte cênica no Interior do Ceará. Peça ‘Preta Bigode Bar’. Foto: divulgação 

O Festival de Teatro de Acopiara (Fetac) 2018 vai oferecer ao público um recorte de uma produção criativa em linguagens e formatos, que representam um fazer teatral cearense cada vez mais ousado. O teatro cearense é feito de muito amor, esforço, talento, sonhos e principalmente resistência, assim como o Festival de Teatro de Acopiara. Sendo assim, a trajetória da produção teatral cearense pode ser facilmente confundida com a do tradicional evento. É por essa razão que o FETAC chega a sua 26ª edição em festa, entre os dias 18 e 25 de agosto, celebrando a diversidade das artes cênicas de todo o estado.

Artistas, companhias e entusiastas do teatro vão se encontrar na cidade de Acopiara, localizada na região Centro-Sul do estado, durante uma semana de programação que vai ocupar ruas, praças, teatro e escolas. Serão 20 apresentações de teatro e shows musicais, com trabalhos do interior do Estado e da Capital.

Os espetáculos serão apresentados no palco do Centro Social da cidade, transformado em teatro e no Polo de Lazer. Os selecionados concorreram com mais 142 propostas de artistas/grupos inscritos.

Nesta edição, os responsáveis pela curadoria foram a atriz, diretora teatral e cientista social Vanéssia Gomes e o artista, produtor, pesquisador e professor Gyl Giffony. Eles levaram em conta a técnica, a estética e a dramaturgia para compor uma galeria capaz de caracterizar a tônica de celebração do Festival, apostaram na diversidade de estilos para oferecer ao público o recorte de uma produção criativa em linguagens e formatos, que representam um fazer teatral cearense cada vez mais ousado.

Selecionados

Os espetáculos são “AQUELAS – Uma dieta para caber no mundo”, do MANADA Teatro (Fortaleza); “Cabaré da Desgraça”, de As 10 Graças de Palhaçada (Fortaleza); “Cardinal”, do Coletivo Atuantes em Cena (Crato); “Criaturas de Papel”, do Bricoleiros Teatro de Bonecos (Fortaleza); “Geração Trianon”, do Instituto Teatro Público (Fortaleza); “Imaginário Criador”, da Trupe Motim de Teatro (Quixeré); “Miau!”, do Cangaias Coletivo Teatral (Maracanaú) e “Preta Bigode Bar”, da Companhia Ortaet de Teatro (Iguatu).

A cerimônia de abertura acontece no sábado (18), ás 19h30, no Polo de Lazer de Acopiara. Logo após, é iniciada a programação de apresentações.

Um dos objetivos do FETAC é incentivar a formação de plateia. Então, a programação se expande para as escolas públicas dos distritos, garantindo a capilaridade do evento por toda a cidade, o que permite uma maior abrangência do público beneficiado. As escolas vão receber espetáculos da Cia Jajá, do coletivo Paralelo e da trupe As 10 Graças da Palhaçaria.

Além de teatro, a programação agrega muita música. Todos os dias o FETAC em Festa vai embalar o público antes e depois dos espetáculos. No primeiro dia, antes da cerimônia, terá apresentação da Banda Municipal Eduardo Gurgel Valente. Já na sexta-feira (24), quem comanda a festa é o ator Silvero Pereira, com o SILVERSHOW, em que reproduz os números apresentados no “Show dos Famosos”, do programa Domingão do Faustão, em que interpretou com maestria grandes nomes da música nacional e internacional.

Toda programação é gratuita, com retirada de ingresso sempre às 17h30, na bilheteria do Centro Social. Só será entregue um ingresso por pessoa.

O FETAC é um projeto que contribui diretamente com o fortalecimento do fazer teatral do Ceará valorizando as produções de artistas de vários municípios do estado, sendo o único do gênero que é voltado 100% para a produção artística cearense.

Assinatura do projeto

Realizado pela Cia Cordel de Teatro, o 26º Fetac tem o apoio cultural da ENEL, da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará – Lei Estadual de Incentivo à Cultura, Lojas Moveletro e Prefeitura Municipal de Acopiara. Produção da Cinco Elementos Produções, produção executiva da Marco Zero. O FETAC conta ainda com a parceria e apoio técnico da Gaspar Bandeira Advogados. Assessoria de Imprensa de responsabilidade da empresa Dégagé.

Apresentação de peças com várias propostas no evento. Foto: Henrique Cardoso
11:29 · 19.06.2018 / atualizado às 11:29 · 19.06.2018 por

 

Apresentações de quadrilhas juninas foram destaques

O “Arraiá do Povo”, festa junina realizada pela Prefeitura de Iguatu ainda repercute em todo o Estado do Ceará. O evento superou todas as expectativas neste ano. Foram cinco dias de festas e de festival de quadrilhas juninas, no período de 13 a 17 de junho. Entre as atrações principais que lotaram o Parque de Exposições Enéas Bandeira Filho do Rotary Club de Iguatu estavam Luan Santana e José Augusto.

Além de valorizar as tradições da cultura nordestina, o Arraiá do Povo promoveu o intercâmbio de experiências entre os grupos folclóricos, gerou oportunidades de emprego e renda e fortaleceu o turismo local.

Com entrada gratuita, a programação incluiu também homenagens à memória dos músicos e artistas da terra Manuel Djacir Rodrigues de Lima e Jeová Fernandes de Amorim – em reconhecimento à grandeza de cada um para a cultura iguatuense.

O prefeito Ednaldo Lavor fez uma avaliação positiva do evento. “É com imensa alegria que encerramos essa festa bonita, feita pensando exclusivamente em nosso povo. Foi um trabalho primoroso de resgate da nossa cultura, das nossas tradições, da valorização dos nossos artistas e também com a participação de cantores de grande sucesso. Foi uma festa segura, onde todos puderam desfrutar, com suas famílias, da verdadeira alegria de mais um Arraiá do Povo”, disse Lavor.

16:17 · 02.05.2018 / atualizado às 16:17 · 02.05.2018 por

 O projeto Escola Livre de Artes (ELA) segue a todo vapor na cidade de Orós. A ação é idealizada pelo Grupo Imagens de Fortaleza. O objetivo do projeto é apresentar melhorias para comunidades através da arte e cidadania como instrumentos de socialização em prol do bem estar e desenvolvimento econômico dos moradores.

Neste mês de Maio acontecerão muitas atividades de arte e cidadania. Destaque para o lançamento da Revista Plenário – Assembleia Legislativa do Estado do Ceará. Reportagem sobre antiga Conceição do Buraco. Acontecerá no dia 28 de maio, a partir das 19h na calçada da Igreja na comunidade Guassussê.

Oficinas de teatro, radiofonia, fotografia, mostras, performance, capoeira, cinema e outras ações integram a programação do mês.

Programação MAIO

SANTARÉM

Oficina de Teatro: Teatro como forma de brincadeira

Ministrado: Bené Tavares (Icó)

Dia 12 – Sábado

Horário: 8h às 17h

Local: Alpendre do Sr Didi

Oficina de Fotografia e Rádio Comunitária

Ministrado: Jan Messias (Iguatu)

Dia 19 –Sábado

Horário: 8h às 17h

Local: Sede da ONG

Oficina de Práticas Radiofônica

Ministrado: Ismael Dantas (Orós)

Dia 25 –Sexta

Horário: 13h às 16h

Local: Rádio Nossa FM – Orós

Oficina de Palhaçaria – Teatro

Ministrado: João Victor (Fortaleza)

Dia 26 –Sábado

Horário: 8h

Local: Alpendre do Sr Didi

GUASSUSSÊ

Intervenção de poesia – Poste Poesia

Ministrada: Carlê Rodrigues (Iguatu)

Dia 18 – Sexta

Horário: 8h

Local: Sindicato dos Trabalhadores

Capoeira – Vamos jogar?

Mediador: Professor Mororó (Iguatu)

Dia 18 – Sexta

Horário: 14h

Local: Sindicato dos Trabalhadores

Performance: O Vendedor de amor

Interpretação: João Victor (Fortaleza)

Dia 25 – Sexta

Horário: 16h

Local: Ruas

Cinema com Pipoca

Filme: Narradores de Javé

Dia 26 – Sábado

Horário: 19h

Local: Praça de Igreja

Lançamento da Revista Plenário – Assembleia Legislativa do Estado do Ceará

Reportagem: Resgatando Memórias – Conceição do Buraco*

Dia 28 – Segunda

Horário: 19h

Local: Calçada da Igreja

*Distribuição de exemplares para comunidade

PALESTINA

Capoeira – Vamos jogar?

Mediador: Professor Mororó (Iguatu)

Dia 18 – Sexta

Horário: 8h

Local: CSO – Centro Social

Intervenção de poesia – Poste Poesia

Ministrada: Carlê Rodrigues (Iguatu)

Dia 18 – Sexta

Horário: 14h

Local: Escola

Cidadania na Contemporaneidade – Palestra/Debate

Ministrada: Bárbara Cândido (Guassussê)

Dia 19 – Sábado

Horário: 14h

Local: Sindicato Rural

Oficina de Palhaçaria – Teatro

Ministrado: David Santos (Fortaleza)

Dia 26 –Sábado

Horário: 14h

Local: Sindicato dos Trabalhadores Rurais

Apresentação de Espetáculo de Teatro

Mais Uma Grande Besteira – Grupo As 10 Graças (Fortaleza)

Dia 26 – Sábado

Local: Praça

Horário: 19h

IGAROI

Stencil – O mundo mais vivo

Ministrado: Sherlânio Martins (Palestina)

Dia 5 – Sábado

Horário: 14h

Local: Igreja de Igaroi

Técnica Vocal e Composição Musical

Ministrado: Bruno Kaos (Icó)

Dias 18 e 19 – Sexta e Sábado

Horário: 8h às 17h

Local: Igreja – São Luiz Gonzaga – Sítio São Romão

Stencil – O mundo mais vivo

Ministrado: Sherlânio Martins (Palestina)

Dia 26 – Sábado

Horário: 14h

Local: Igreja – São Luiz Gonzaga – Sítio São Romão

ORÓS

Oficina de Fotografia

Ministrado: Mateus Leandro (Icó)

Dia 4 – Sexta

Horário: 8h

Local: Centro Social de Orós – Bairro São Geraldo

Oficina de Fotografia

Ministrado: Mateus Leandro (Icó)

Dia 4 – Sexta

Horário: 14h

Local: Centro Social de Orós – Sede

Oficina de xilogravura (Noções básicas)

Ministrado: Mamedes Júnior (Orós)

Dia 11 – Sexta

Horário: 8h às 17h

Local: Centro Social de Orós – Sede

Ação Sesc Iguatu

Circuito Sesc de Incentivo à leitura – literatura Africana

Dia 24 – Quinta

Horário: 15h

Local: Centro Social de Orós – Sede

Performance: O vendedor de amor

Interpretação: João Victor (Fortaleza)

Dia 25 – Sexta

Horário: 9h

Local: Ruas

Semana de Arte com Naile Cidrao (Fortaleza)
Leitura com arte: Jogo lúdico

Local: CSO – Bairro São Geraldo
Data: de 28 a 31 – segunda à quinta
Horário: 8h

Construção de garrafas decorativas

Local: CSO – Matriz
Data: de 28 a 31- segunda à quinta
Horário: 14h

16:08 · 27.02.2018 / atualizado às 16:08 · 27.02.2018 por

 

Atriz Betânia fez participação em ‘O Velho Chico’. 

Março é o mês das mulheres e do Teatro. A Escola Livre de Artes (ELA) em Orós divulgou programação para o mês de março, que se aproxima. Para homenagear nossas mulheres guerreiras vai acontecer “Som de Calçada”, repertório genuinamente feminino nas vozes de Duda Monte e Ozamelia Cândido.

No Bar Resenha vai acontecer show de humor com Arrochadinha e Leide Daiana. A Igreja Matriz de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro na cidade de Orós será palco de uma vasta programação cultural que contará com a presença de Betânia Lopes, atriz da novela “O Velho Chico”.

Homenagem ilustre vai para o senhor Dantas, o homem da “Voz da Liberdade”.

10:33 · 21.12.2017 / atualizado às 10:33 · 21.12.2017 por
Mostra fotográfica retrata paisagens do sertão. Foto de Honório Barbosa

O Campus do Instituto Federal de Educação do Ceará (IFCE) promove a exposição ‘Sobre a água, sob o sol – Olhares para o Sertão’, que foi aberta nesta quarta-feira, 20, e prossegue até a próxima semana.

A exposição apresenta imagens produzidas por alunos e professores do curso de Redes de Computadores durante uma aula de campo sobre o meio ambiente de Tauá realizada no dia 9 de novembro deste ano.

As fotos abordam diversas perspectivas, lugares como o Parque da Cidade, a ponte sobre o Rio Trici, o Olho D’água da Nanci, as ruínas do Cabaré da Nanci e a Barragem do Trici, além de personagens marcantes na história da cidade, como Dona Mazé, uma das líderes que lutaram pela construção da barragem.

O professor de Geografia do campus do IFCE, em Tauá, Felipe Monteiro, destacou a importância da mostra para resgatar aspectos históricos e culturais do município, as paisagens do sertão, além de algumas peças usadas por vaqueiros (vestimenta) e utensílios antigos domésticos.

Pesquisar

Faça uma busca em nosso blog:

Diário Centro Sul

Blog da editoria Regional, do Diário do Nordeste, sobre os municípios da região Centro Sul, do Ceará.

VC REPÓRTER

Flagrou algo? Envie para nós

(85) 98887-5065

Tags