Busca

Categoria: mobilização


07:50 · 24.11.2013 / atualizado às 11:40 · 23.11.2013 por

Na manhã deste sábado, alunos distribuíram panfletos em ruas do centro da cidade de Iguatu, de divulgação do I Natal Solidário.

O evento é promovido pela Promotoria de Justiça de Iguatu com apoio de várias instituições públicas, privadas e sociais.

Os moradores são convocados a fazer doações de alimentos não perecíveis e depósitos bancários na Agência da Caixa Econômica Federal (613) – operação 013; conta corrente 2528-0, em nome da Fundação Dom Mauro.

Os locais de doações são os seguintes: Sesc, Escolas, Paróquias, Rotary, OAB, Ministério Público, CDL de Iguatu.

Mais informações:

Fone(88) 3581. 0763

 

14:18 · 03.06.2013 / atualizado às 14:18 · 03.06.2013 por

A Associação das Mulheres Iguatuenses (AMI), o Conselho Municipal dos Direitos da Mulher de Iguatu (CMDM) e a Secretaria de Ação Social do Município realizaram na manhã deste sábado, dia 1º,  uma caminhada pelas ruas do centro da cidade de Iguatu, na região Centro-Sul, pela não violência contra a mulher.

O movimento reuniu centenas de participantes e o movimento tem como tema “Não Bata, Não Mate: Ame a Mulher”. A ideia do ato público é chamar atenção da sociedade para o fato de que a violência doméstica é crime e dá cadeia.

A caminhada da Praça da Matriz e percorreu várias ruas do centro comercial.  A presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher, Maria Barbosa, explicou que a mobilização faz parte das deliberações da Conferência Municipal dos Direitos da Mulher, realizada em 2011, em consonância com o II Plano Nacional. “A nossa proposta é chamar a atenção da população de Iguatu para a idéia de que a violência contra a mulher é crime é dá cadeia, basta que a vítima denuncie” disse.

 

Mais informações:

Disque Denúncia 180, ou então pelo telefone 0800-2803734, no âmbito municipal.

As denunciam também podem ser feitas na Delegacia de Defesa da Mulher, que fica localizada na Rua Martins Soares Moreno, s/n.

Ato público reuniu centenas de mulheres contra  violência doméstica. Foto: Vasconcelos
Ato público reuniu centenas de mulheres contra violência doméstica. Foto: Vasconcelos

 

16:56 · 06.02.2013 / atualizado às 16:56 · 06.02.2013 por

Começa pela cidade de Orós, localizada na região Centro-Sul do Ceará, a implantação do primeiro grupo da Pastoral da Sobriedade na Diocese de Iguatu. No Ceará, já existem 40 núcleos de autoajuda que trabalham com os dependentes químicos de álcool e drogas. O crescimento do consumo de bebidas alcoólicas e de entorpecentes nas cidades do Interior do Estado preocupa os dirigentes da instituição católica.  

            A Pastoral da Sobriedade é uma instituição da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) da Regional Nordeste 1, que integra nove dioceses. Inicialmente, houve dois dias de capacitação e formação de novos agentes. Na terça-feira passada, ocorreu a primeira reunião semanal aberta com a participação de um grupo de dependentes e da família.

VISITA ÀS ESCOLAS    

         Durante toda esta semana, os agentes locais e o coordenador estadual da Pastoral da Sobriedade, Rogério Melo, visitaram escolas da rede pública e particular de ensino para conversar com professores e com os estudantes acerca da preocupação com o avanço do consumo de álcool e drogas entre a juventude. “Temos o projeto Prevenir que procura alertar e afastar os jovens das drogas”, disse Melo.

            Por meio da Pastoral da Sobriedade, a Igreja Católica faz atuação na sociedade difundindo o evangelho e o amor incondicional de Deus. “As reuniões são semanais e abertas, com a participação da família e dos dependentes”, explica Rogério Melo. “Apresentamos um programa de vida nova, com 12 passos”.

            A pastoral propõe a vivência diária que tenta levar o dependente à conversão. “O participante faz a redescoberta de si mesmo e de sua autoestima, numa experiência individual com Jesus Cristo Libertador”, esclarece Melo. “O nosso objetivo é prevenir e recuperar da dependência química e outras, promovendo a dignidade da pessoa e da família, contribuindo para a construção de uma sociedade justa e solidária”.

NO CEARÁ  

           Além da Arquidiocese de Fortaleza, a Pastoral da Sobriedade está presente nas dioceses de Tianguá, Sobral, Crato, Quixadá, Itapipoca e agora Iguatu. “O nosso propósito é expandir a formação de grupos nas paróquias”, frisou Melo. No Brasil, a pastoral já atua há 15 anos e no Ceará, há sete anos, com voluntários à frente dos serviços comunitários. O esforço atual é construir uma casa de recuperação no município de Caririaçu da Associação Brasileira de Sobriedade e Paz (Abrasp) para atender internos das regiões Centro-Sul e Sul do Ceará.          

            A coordenadora do Projeto Prevenir, em Orós, da Pastoral da Sobriedade, Silvana Vicente, disse que há um esforço comum de um grupo de pessoas para que as ações de prevenção e de ajuda coletiva aos dependentes funcionem com regularidade e adequadamente. “Vamos recuperar com dignidade os que estão no flagelo do alcoolismo e das drogas”, afirmou. “Esse serviço é uma resposta de Deus à Igreja Católica”.

Capacitação e formação de agentes da Pastoral da Sobriedade em Orós. Foto: HB
11:16 · 14.03.2012 / atualizado às 13:19 · 14.03.2012 por

Advogados e moradores desta cidade, localizada na região Centro-Sul, participaram, hoje (14), pela manhã de um ato público em frente ao Fórum de Justiça, com a finalidade de denunciar a falta de juízes. Cerca de cem pessoas compareceram ao evento. O expediente no Fórum foi suspenso por uma hora. A subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) anunciou que é essa foi a primeira manifestação de uma série que será realizada em municípios da região.

            O presidente da subseção da OAB, em Iguatu, Romualdo Lima, disse que em 16 comarcas que integram a regional da OAB só há três juízes titulares. “A situação está se agravando cada vez mais”, frisou. “Chegamos a um ponto crítico e o quadro atual é o mais grave”. Lima observou que o objetivo da manifestação em Icó foi denunciar a falta de magistrados e chamar a atenção das autoridades para a necessidade de medidas urgentes.

            Em Icó, só há um juiz para atender à Vara Única, Juizado Especial e Eleitoral. Romualdo Lima observou ainda que os advogados são cobrados pelos clientes e muitas vezes a população atribui-lhes culpa em decorrência da demora de julgamentos. “O advogado não é culpado por essa situação caótica, de abandono da Justiça no Ceará”, disse. “A OAB não pode resolver essa questão, mas pode alertar, protestar e chamar a atenção das autoridades estaduais”.

            O vice-presidente da subseção da OAB, Fabrício Moreira, disse que a abertura de apenas 25 vagas para concurso para juízes no Ceará anda longe de resolver a questão. “É um número insuficiente”, afirmou. Romualdo Lima lamentou a falta de cobrança por parte do Tribunal de Justiça por liberação do orçamento do poder judiciário. “O governo fez cortes e o Tribunal de Justiça não se manifesta, não mostra sua independência, fica omisso e até parece concordar”, frisou. “Isso é lamentável”.

            O advogado José Navarro, coordenador do Centro de Apoio e Defesa do Advogado e da Advocacia, da OAB Ceará, participou da manifestação em Icó e criticou o quadro atual, em particular a falta de juízes em cidades do Interior.

Advogados realizaram manifestação 'Justiça Já', em frente ao Fórtum de Justiça de Icó. Foto: Manuel Guedes Bezerra Neto

 

13:27 · 02.12.2011 / atualizado às 13:27 · 02.12.2011 por

Começou na manhã de hoje (sexta-feira) a greve dos Agentes Comunitários de Saúde do município de Acopiara, localizado na região Centro-Sul. Houve mobilização pelas ruas da cidade, com a participação de cerca de 50 agentes que conduziram faixas e cartazes, fizeram muito barulho com apito em frente à Prefeitura.  

Agentes de Saúde em Acopiara paralisaram atividades por tempo indeterminado

       Os agentes reivindicam da Prefeitura de Acopiara pagamento de incentivo, adicional de insalubridade, Equipamentos de Proteção Individual (EPI), fardamento completo, protetores solar, bolsa e balança.

            A paralisação é por tempo indeterminada.  Atualmente o município conta com 129 profissionais. Antes da greve, os agentes estiveram reunidos com o gestor e integrantes da secretaria de Saúde do município, mas não houve apresentação de contraproposta. No próximo dia 7,  os agentes vão tentar um novo acordo com a Prefeitura.

17:34 · 27.09.2011 / atualizado às 17:34 · 27.09.2011 por

 Os servidores públicos municipais de Icó aguardam decisão do prefeito, Marcos Nunes, sobre o índice de reajuste salarial. O anúncio deverá ser feito em reunião com o Sindicato dos Servidores no próximo dia 14, às 8 horas da manhã. 
 O sindicato apresentou em recentemente reunião no Gabinete da Prefeitura a proposta de reajuste linear de 40%, que seria um índice apenas para cobrir a perda salarial dos servidores.
 Representantes de médicos e de enfermeiros concursados que trabalham no Programa Saúde da Família estavam em greve há quase um mês, mas no encontro resolveram suspender a paralisação até o próximo dia 14 para aguardar a contraproposta da Prefeitura.
 A assessora de Imprensa do Sindicato, Fátima Salviano, disse que a categoria aguarda com expectativa a decisão do prefeito de Icó.