Busca

Categoria: religião


10:18 · 19.08.2018 / atualizado às 10:25 · 19.08.2018 por

 

Ícone de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro é transportado por devotos

A Paróquia de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro em Orós está celebrando 60 anos de fundação. O pároco, padre José Ricardo Ferreira, destacou a importância da data. “É um momento rico de celebração, um acontecimento histórico, que impulsiona a fé, os católicos relembram o passado, se enchem de alegria, vivencia o presente e projeta para o futuro uma expectativa de fortalecimento e vivência da fé cristã”, pontuou.

Neste ano, o novenário está bem participativo e houve um impulso a partir da celebração dos 60 anos da paróquia.

As celebrações de novena ocorrem em frente à igreja, construída na década de 1960, com traços modernos e que passa por reforma.

Cleide Teixeira, 72, lembra da igreja antiga, que foi demolida, da festa que vivenciou. “É a nossa história na fé”, frisou. “A festa está cada vez mais participativa e bonita”.

 

Novenário tem celebração campal

 

Programação 

Neste sábado, dia 19, houve show sctólico com Valmir Alencar e Ministério Adoração e Vida, após celebração da novena,

A programação inclui apresentação do documentário sobre os 60 anos da paróquia.

8º dia (20/08): Cristãos leigos(as) na vivência da partilha e da solidariedade através do dízimo.
05h – Caminhada para Capela do Cemitério – Homenagem aos falecidos
19h – Celebração da Novena
Evangelizador: Pe. Luiz Claudione (Acopiara)

9º dia (21/08): Cristãos leigos(as) na ação transformadora do mundo
05h30 – Missa na Matriz 19h – Celebração da Novena Evangelizador: Pe. Francisco Leiva (Iguatu) Textos bíblicos: : Ap. 21, 1-8; Lc 16, 1-10 Responsáveis/Liturgia:
Núcleo de Palestina Equipe de canto: RCC Social/Responsáveis: Conselho Econômico Homenageados: Legião de Maria, Mãe Rainha, Ofício de Nossa Senhora e Terço
dos Homens Atração especial: Baile dos Anos 60 e sorteio do Bolo da Padroeira

DIA 22/08 – TERÇA – Festa Solene de N. Sra. Perpétuo Socorro – Feriado Municipal 

08h – Missa da saúde para os enfermos e idosos (Coralzinho N. Sra. P. Socorro)
17h – Celebração Eucarística presidida por Monsenhor Afonso Quieroga.
18h – Procissão da Luz (com velas) pelas ruas da cidade.

 
Sobre criação da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro – Orós
A paróquia foi criada no dia 1º de Maio de 1958 pelo então bispo diocesano do Crato dom Francisco de Assis Pires e desmembrada do território da Paróquia de Nossa
Senhora da Expectação do Icó.
Seu primeiro vigário foi o padre Antonio Batista Vieira (pároco de Icó) que teve como cooperador o padre Djalvo Bezerra de Alencar.
Com a criação da Diocese de Iguatu a 4 de fevereiro de 1962, a Paróquia de Orós passou a pertencer à jurisdição da mesma, que teve como 1º bispo dom José Mauro
Ramalho de Alarcon e Santiago.
Sua Igreja Paroquial, dedicada à invocação de Nossa Senhora sob o título de Perpétuo Socorro, datava do ano de 1928 e era localizada em frente onde hoje é a Praça
Anastácio Maia, à altura do portão central da Usina Eliba, mais precisamente onde atualmente funciona a Farmácia Veterinária “Casa do Criador” de Warley Vidal.
A nova Igreja Matriz, com arquitetura moderna e cujos traços assemelham-se aos projetos de Oscar Niemeyer, está localizada na Rua da Matriz e foi inaugurada no

09:42 · 21.04.2018 / atualizado às 09:42 · 21.04.2018 por

A tradicional festa religiosa de Marrecas, em Tauá, na região dos Inhamuns, chega aos 305 anos, reunindo milhares de fiéis.

Os devotos fazem uma caminhada entre Tauá e a localidade de Marrecas de 25 km. A fé e a devoção impulsionam os católicos, que rezam, cantam, fazem agradecimentos e renovam preces aos padroeiros Jesus, Maria e José.

São 25 quilômetros percorridos pela multidão de devotos, entre Igreja Matriz de Nossa Senhora do Rosário, Centro da cidade de Tauá até a Vila de Marrecas.

   A Festa de Jesus, Maria e José acontece no distrito, dos dias 13 a 22 de abril. O tema dos festejos deste ano é “Jesus, Maria e José, ajuda-nos a superar a violência. Sendo luz do mundo, nos tornaremos irmãos no Senhor.

Considerada a terceira maior romaria do Ceará, a festa integra o calendário oficial de eventos do Estado e sempre recebe o prestígio da visita de autoridades políticas e governamentais.

As comemorações incluem novenas, missas, procissão, batizados, motorromaria, cavalgada, passeio ciclístico, caminhada e shows musicais.

A administração municipal mobilizou para os festejos as secretarias de Educação, Segurança Pública e Proteção à Cidadania, Agricultura e Recursos Hídricos, Cultura e Turismo, Juventude e Desporto e Autarquia Municipal de Trânsito.

O prefeito Windson e o deputado estadual, Audic Mota, participaram do evento, além de outras autoridades locais.

12:21 · 01.04.2018 / atualizado às 12:21 · 01.04.2018 por

 

Missa da Páscoa foi presidida pelo bispo de Iguatu, na Catedral. Foto de Honório Barbosa

Centenas de católicos da cidade de Iguatu participaram na manhã deste domingo, 1º de abril, da Missa da Páscoa, celebrada pelo bispo da diocese de Iguatu, dom Édson de Castro Homem. “Celebrar a ressurreição de Jesus Cristo, a Páscoa para os cristãos, é o acontecimento central da nossa fé”, observou o dom Édson de Castro.

Depois de celebração da Paixão e Morte de Jesus Cristo, os cristãos celebram a ressurreição, isto é, a vida eterna que venceu a morte. “É a fé que alimenta a nossa esperança e é a esperança que mantém a nossa fé”, observou o bispo de Iguatu. “Hoje é um dia de alegria e devemos nos fortalecer na fé, manter a esperança para enfrentarmos as dificuldades da vida, com Cristo venceremos”.

A professora aposentada, Marlene Rocha, disse que desde adolescente participa dos ritos da Semana Santa e da Páscoa. “Jesus permanece com a gente, superou a morte e devemos seguir os seus ensinamentos para alcançarmos a vida eterna”, frisou.

10:01 · 30.03.2018 / atualizado às 10:01 · 30.03.2018 por

 

Católicos percorreram ruas da cidade na Via Sacra. Foto de Honório Barbosa

Dezenas de católicos participaram na manhã desta Sexta-Feira Santa da Via Sacra. A caminhada começou na Cadeia Pública de Iguatu e seguiu por várias ruas, com paradas em estações (Igrejas e pontos estratégicos) para momentos de oração e reflexão.

Há vários anos que a Diocese de Iguatu promove o evento que tem por objetivo trazer reflexão atualizada sobre o sacrifício imposto a Jesus Cristo (sofrimento e morte em cruz). As dificuldades atuais, o desemprego, as formas de violência, descriminação, preconceitos são lembrados durante a Via Sacra.

A caminhada terminou na Igreja Matriz de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, no Prado.

16:34 · 29.03.2018 / atualizado às 16:34 · 29.03.2018 por

 

Católicos participaram da Procissão dos Passos. foto de Honório Barbosa

Nesta quarta-feira à noite aconteceu a procissão do Senhor dos Passos, na Paróquia de Senhora Sant’Ana, na cidade de Iguatu. Um grupo de mulheres percorreu ruas conduzindo a imagem de Nossa Senhora das Dores. Homens seguiram levando a imagem de Jesus carregando a cruz.

As duas imagens se encontraram em frente à Igreja Matriz de Senhora Sant’Ana, quando houve momento de oração e reflexão sobre a violência. “Há avós, pais que sofrem por causa dos filhos envolvidos com drogas, com assaltos, bebidas”, disse o pároco Carlos Roberto Alencar.

Em seguida houve celebração de missa e o padre falou sobre a importância do verdadeiro perdão. “Não podemos brincar de Semana Santa, de dizer que vai perdoar o próximo que lhe ofendeu, mas não perdoar”, frisou o sacerdote. “O verdadeiro cristão perdoa, procura seguir os ensinamentos de Cristo, vive uma verdadeira Semana Santa”.

17:46 · 29.11.2017 / atualizado às 17:46 · 29.11.2017 por

 

Cerimônia de despedida a dom José Doth emocionou religiosos e leigos. Foto de Honório Barbosa

O corpo do bispo emérito da diocese de Iguatu, dom José Doth de Oliveira, 79 anos, foi sepultado, ontem, às 11 horas da manhã, na cripta da Catedral de São José, nesta cidade, após cerimônia religiosa que contou com a participação de seis bispos, três arcebispos e dezenas de padres e freiras. A missa de corpo presente foi presidida pelo arcebispo de Fortaleza, dom José Antônio Aparecido Tosi.

Centenas de católicos lotaram a Catedral de São José que foi construída por dom José Doth, o segundo bispo desta diocese (2000 a 2009). Durante toda a cerimônia, o caixão com o corpo do religioso permaneceu no chão sobre o altar. Ao final, os bispos aspergiram água benta, proferiram as orações e o rito do funeral foi concluído com a condução do esquife por padres e seminaristas até a gaveta aberta por trás do altar.

 Dom José Doth morreu no domingo passado, dia 26, às 17 horas, no Hospital Municipal São Sebastião, em Pedra Branca, sua cidade natal, decorrente de uma pneumonia. O religioso sofria de Alzheimer e renunciou ao cargo de bispo em 2009.

Os ritos do funeral começaram na segunda-feira, 27, com celebrações de missas de corpo presente naquele centro urbano e em Mombaça. À noite o cortejo fúnebre chegou à cidade de Iguatu e o velório ocorreu na Catedral de São José com a celebrações de missas de duas em duas horas, ininterruptamente.


Homenagens
A CNBB nacional e a Regional Nordeste I, a diocese de Palmares (Alagoas) e o Santuário do Pai Eterno em Trindade (Goiás) enviaram notas de condolências à diocese de Iguatu.

O arcebispo de Fortaleza, dom Antônio Tosi, lembrou trecho do Evangelho anunciado na missa em que há um lugar preparado na Casa do Pai para os justos. “Vimos entregar dom José Doth, o segundo bispo desta diocese, nas mãos do pai”, disse. “Era generoso, dedicado, construiu essa igreja, ampla, moderna, realizou seu sonho, era um artista, um servo bom, que continuou a obra de dom José Mauro, fortalecendo e unindo a Igreja”.

Dom José Doth era um arquiteto informal e restaurador de imagens sacras. Planejou, desenhou e pintou afrescos na Catedral, inaugurada em 2006. “Foram seis anos de muito trabalho e dedicação”, lembrou o bispo emérito e primeiro da diocese de Iguatu, dom José Mauro Ramalho. “Para ele, não havia limites”.

O atual arcebispo de Aracaju, dom João Costa, que sucedeu dom José Doth, na diocese de Iguatu, lembrou do seu compromisso com a igreja e da dedicação da obra da Catedral. “Foi um religioso simples, muito dedicado, que deixou essa obra física e outras ações imateriais a favor da igreja”.

A devoção a São José e a Maria Santíssima foi lembrada por vários religiosos presentes à cerimônia. “Vem José para mim, para o lugar que lhe preparei”, reforçou as palavras do Evangelho, o arcebispo dom José Antônio Tosi. “Ele já está com o pai e vai permanecer na nossa lembrança, no coração de seu povo”.

O bispo da diocese de Iguatu, dom Édson de Castro Homem, também enfatizou a construção da catedral criando um estilo próprio. “Nasceu aqui o estilo ‘dothiano’, pois ele projetou, pintou e deixou exemplos, que já são seguidos em outros templos”, pontuou. “Há o legado de uma obra e de um testemunho de fé. Enfrentou o sofrimento com serenidade”. Ao final, dom Édson de Castro fez um desabafo: “Sofreu incompreensões, foi criticado, e muitos deviam pedir perdão a Deus e a ele”.

O bispo dom Édson de Castro Homem referia-se ao fato da catedral ser dedicada à São José, e retirando esse status da antiga igreja Matriz de Senhora Sant’Ana (padroeira de Iguatu). Dom José Doth também enfrentou duas rebeldias de padres e de seus seguidores em Mineirolândia e Solonópole. “O tempo já mostrou que o bispo estava com a razão, foi mal compreendido”, observou o arcebispo de Fortaleza.

Em nome da família, o professor, Mário Ângelo, e o jovem vocacionado, Paulo Lucas Ferreira, agradeceram o gesto de carinho, os atos de solidariedade prestados nas homenagens fúnebres de dom José Doth. No cortejo fúnebre no interior da igreja, houve aplausos e alguns católicos e padres choraram. “Foi um pai para mim”, disse o sacerdote, João Batista Moreira.

Participaram também da liturgia de exéquias, o arcebispo emérito de Natal, dom Matias Patrício, os bispos de Quixadá, Ângelo Pignoli; de Tianguá, dom Edmilson Neves; o emérito de Limoeiro do Norte, José Haring.

Prefeito 

O prefeito de Iguatu, Ednaldo Lavor, prestou solidariedade à família e à Diocese de Iguatu e destacou o trabalho incansável de dom José Doth na edificação da Catedral. “Em apenas seis anos construiu com coragem essa igreja, e nos pregou a justiça e a solidariedade”.

21:18 · 27.11.2017 / atualizado às 21:18 · 27.11.2017 por

 

Chegada do corpo de dom José Doth à Catedral de Iguatu. Fotos de Honório Barbosa

Emoção marca chegada do cortejo fúnebre de dom José Doth de Oliveira à cidade de Iguatu, na noite desta segunda-feira, 27. Após celebração de missas de corpo presente em Pedra Branca e Mombaça, o corpo do bispo emérito da diocese de Iguatu chegou por volta das 20 horas, conduzido em um carro do Corpo de Bombeiros a partir do sítio Barreiras, percorreu ruas da cidade e passou em frente às igrejas de Senhora Sant’Ana e Nossa Senhora do Perpétuo Socorro.

O cortejo terminou na Sé Catedral de São José. Em vários pontos da cidade houve aglomeração de moradores que aplaudiram a passagem do esquife. Um grupo de motociclistas também acompanhou o cortejo.

Mas foi reduzido o número de veículos e pessoas que assistiram ao evento.

Padres da diocese e centenas de católicos recepcionaram a entrada do caixão com o corpo do religioso, que recebeu aplausos e ingressou na Sé Catedral de São José ao som da música ‘Segura na mão de Deus’ executada pela Banda de Música do Município Maestro Manoel Ferreira Lima.

Missas de 2 em 2 horas 

Após a recepção do caixão que ficou em frente ao altar, na Sé Catedral, houve a celebração da primeira missa de corpo presente, presidida pelo padre Glauberto Oliveira, iniciada às 21 horas. No total, serão 19 liturgias. 

A cada duas horas, ininterruptamente, serão celebradas missas até as 9 horas da manhã desta quarta-feira, 29, quando haverá a última liturgia solene com a participação de padres e bispos de várias dioceses. 

Em seguida, haverá o sepultamento que está previsto para as 11 horas, na cripta da Catedral, atrás do altar.

Emoção 

O seminarista Henrique Teixeira estava chorando no altar, após a chegada do caixão. “Estou muito emocionado, embora tenha convivido pouco com ele, que morava vizinho aos meus pais, na cidade de Pedra Branca”, disse.

Os padres Glauberto Oliveira, João Batista, Carlos Roberto Alencar e João Melo choraram ao entrarem na Catedral ao lado do caixão.

Os padres Carlos Roberto e Glauberto Oliveira se abraçaram na escadaria da Igreja. “Foi um grande bispo, um amigo, um pai”, disseram.

Dom José Doth sofria de problemas decorrentes de doença degenerativa (Alzheimer). Estava sob os cuidados de parentes, em sua cidade natal, Pedra Branca.

Consagração 

O religioso foi consagrado bispo em 1990, assumindo a função de bispo coadjutor da Diocese de Palmares. A solenidade de consagração episcopal ocorreu em Iguatu. Dois anos depois, em fevereiro de 1992, foi transferido e assumiu a função de bispo coadjutor da diocese de Iguatu.

Renúncia

    Em 2000, sucedeu o primeiro bispo da diocese de Iguatu, dom José Mauro Ramalho, ficando até 2009, quando renunciou ao cargo devido a problemas de saúde. Em seu lugar, assumiu dom João Costa, que ficou no cargo até 2014, quando foi nomeado arcebispo coadjutor de Aracaju. 

Em Junho de 2015, assumiu a diocese de Iguatu, dom Édson de Castro Homem, oriundo do Rio de janeiro.

 

12:08 · 27.11.2017 / atualizado às 12:08 · 27.11.2017 por

 

Dom José Doth está internado em estado grave em Hospital Municipal de Pedra Branca

A Diocese de Iguatu divulgou a programação de velório, celebrações de missas de corpo presente e sepultamento do bispo emérito dom José Doth de Oliveira, que morreu neste domingo, 26, às 17 horas no Hospital Municipal São Sebastião, na cidade de Pedra Branca, onde estava internado para tratamento de pneumonia. O estado de saúde do religioso era grave, decorrente de Alzheimer.

Nesta segunda-feira, 27, houve celebração de missa de corpo presente na Igreja Matriz de Pedra Branca, pelo pároco, Antônio Menezes, às 8 horas da manhã, e às 10 horas, segunda liturgia, pelo padre Carlos Roberto Alencar.

Às 11 horas saída do féretro em direção ao distrito de Mineirolândia, para visitação pública.

Está prevista para logo mais às 15 horas, chegada do corpo à Igreja Matriz de Nossa Senhora da Glória, em Mombaça, onde será celebrada missa de corpo presente a partir das 16 horas pelo padre, Lázaro Nogueira.

Em seguida o cortejo fúnebre sai em direção à cidade de Iguatu, com início de velório a partir das 19h30 na Sé Catedral de São José, que foi construída durante o bispado de dom José Doth.

A programação prevê a celebração de missa de duas em duas horas.

Sepultamento

Na quarta-feira, 29, haverá missa solene com a participação de bispos das dioceses do Ceará e do clero da diocese de Iguatu e em seguida sepultamento na Cripta da Sé Catedral de São José.

No próximo sábado, dia 2 será celebrada missa de 7º Dia, liturgia da esperança, que será presidida pelo bispo de Iguatu, dom Édson de Castro Homem, a partir das 18 horas.

Repercussão 

A morte de dom José Doth repercute em toda a diocese de Iguatu. A deputada estadual, Mirian Sobreira, divulgou nota lamentando profundamente o falecimento do bispo emérito. “Ele muito fez pelas pessoas e pelo município de Iguatu”, disse a deputada.

O ex-prefeito de Iguatu, Aderilo Alcântara, lembrou o jeito simples e humilde de dom José Doth. “Era uma pessoa dedicada à Igreja, simples, que não se envolvia com política, e com quem eu gostava muito de conversar”, lembrou. “Ele construiu a Sé Catedral, uma igreja moderna e bonita, ampla, que Iguatu precisava”.

O deputado estadual, Agenor Neto, também enviou mensagem de pesar à Diocese de Iguatu e destacou o trabalho diário de dom José Doth nas paróquias da diocese e na construção da Catedral. “Era o sonho dele e dom José muito se dedicou a essa obra”, frisou. “Deixou um exemplo de um religioso simples e atencioso”.

19:33 · 26.11.2017 / atualizado às 19:36 · 26.11.2017 por

 

Dom José Doth em novenário dedicado à padroeira de Iguatu, Senhora Sant’Ana. Foto de Honório Barbosa

 

Dom José Doth está internado em estado grave em Hospital Municipal de Pedra Branca

Morreu neste domingo, 26, no Hospital Público Municipal São Sebastião, na cidade de Pedra Branca, por volta das 17 horas, o bispo emérito da Diocese de Iguatu, dom José Doth de Oliveira, 79 anos. Internado desde a última quinta-feira, 23, o religioso teve o seu estado de saúde agravado neste sábado, quando apresentou pneumonia.

O bispo da diocese de Iguatu, dom Édson de Castro Homem, divulgou nota de falecimento. A diocese de Iguatu decretou lutou oficial por sete dias para que as devidas honras e despedidas sejam prestadas pela população ao bispo emérito.  

      Após liberação do corpo haverá missas de corpo presente na cidade de Pedra Branca, no distrito de Mineirolândia, em Mombaça e em Iguatu, onde será sepultado na Catedral de São José. 

A diocese ainda não definiu a data da missa e do sepultamento em Iguatu, que deverá ocorrer nesta quarta-feira próxima.

Dom José Doth sofria de problemas decorrentes de doença degenerativa (Alzheimer). Estava sob os cuidados de parentes, em sua cidade natal, Pedra Branca.

No início deste mês, o bispo dom Édson de Castro Homem visitou dom José Doth, em Pedra Branca, e neste domingo lamentou o ocorrido.

“Foi um pastor dedicado, homem simples e um pai para mim”, disse o padre João Batista. 

O primeiro bispo de Iguatu e emérito, dom Mauro Ramalho, lamentou a morte de dom José Doth e disse que ele foi um padre e bispo dedicado ao serviço da igreja.

Dom José Doth deixou como principal legado a construção da Catedral de Iguatu, dedicada a São José.

Dom José Doth ao centro, quando renunciou em 2009. Foto de Honório Barbosa

Consagração 

O religioso foi consagrado bispo em 1990, assumindo a função de bispo coadjutor da Diocese de Palmares. A solenidade de consagração episcopal ocorreu em Iguatu. Dois anos depois, em fevereiro de 1992, foi transferido e assumiu a função de bispo coadjutor da diocese de Iguatu.

Renúncia

    Em 2000, sucedeu o primeiro bispo da diocese de Iguatu, dom José Mauro Ramalho, ficando até 2009, quando renunciou ao cargo devido a problemas de saúde. Em seu lugar, assumiu dom João Costa, que ficou no cargo até 2014, quando foi nomeado arcebispo coadjutor de Aracaju. 

Em Junho de 2015, assumiu a diocese de Iguatu, dom Édson de Castro Homem, oriundo do Rio de janeiro.

 

10:05 · 08.07.2017 / atualizado às 10:05 · 08.07.2017 por

Os católicos da cidade de Jucás, na região Centro-Sul do Ceará, celebram o novenário em louvor à Nossa Senhora do Carmo, padroeira do município. A Festa religiosa é uma das mais antigas do Estado. “Esperamos a participação de todos os devotos”, pontuou o padre Edival Barbosa Amorim. 

Católicos participam do novenário em Jucás. Foto de Honório Barbosa

A primeira noite de novena ocorreu nesta sexta-feira, 7, e prossegue até o próximo dia 15. A celebração é campal, em frente à Igreja Matriz de Nossa Senhora do Carmo.

A festa religiosa termina no próximo dia 16, quando haverá missa solene às 9 horas, presidida pelo vigário geral da diocese de Iguatu, padre Lázaro, e procissão pelas ruas da cidade a partir das 16 horas. Ao término da caminhada ocorre a bênção do Santíssimo Sacramento e queima de fogos de artifício.

Até o próximo dia 15, a programação inclui diariamente às 5 horas salva, às 6 horas, celebração de missa, às 12 horas, ofício e às 19 horas, novenário.

No dia 16, às 12 horas, será celebrada a Missa das Graças.