Busca

Tag: água


06:50 · 10.11.2017 / atualizado às 21:50 · 09.11.2017 por

A sede do distrito de José de Alencar, zona rural de Iguatu, será beneficiada com a construção de uma adutora. O anúncio foi dado pelo prefeito, Ednaldo Lavor. A ideia é ligar as águas do Rio Jaguaribe ao distrito. O projeto foi
apresentado em Brasília pelo prefeito.

De acordo com o gestor, a obra irá custar em torno de R$ 3 milhões e os recursos serão liberados por
meio de emenda parlamentar do deputado federal José Macedo.

“Queremos levar a água de uma estação do SAAE que existe nas proximidades do Jaguaribe para atender também os moradores da sede de Alencar”, disse o prefeito. “É uma forma de ajudar milhares de famílias que passam dificuldades com essa crise hídrica”.

Com uma população de aproximadamente 5 mil pessoas que atualmente dependem de carros-pipa para ter garantido o abastecimento de água em suas casas, a realização desse projeto levará mais qualidade de vida
para quem mora naquela região.

 

16:35 · 06.11.2017 / atualizado às 16:35 · 06.11.2017 por

 

Caminhões pipa de Acopiara vêm buscar água no Açude Trussu, em Iguatu. Foto de Honório Barbosa

O município de Acopiara é um dos mais secos da região Centro-Sul do Ceará. Há um total de 37 rotas para distribuição de água por meio de caminhões pipa. Os condutores dos veículos (pipeiros) reclamam do atraso do pagamento pelo serviço desde agosto passado e de dificuldades operacionais.

Mediante o atraso no pagamento da Operação Pipa, coordenada pelo Exército, 16 pipeiros abandonaram o serviço e outros 15 pensam em desistir. “Se essa decisão for tomada vai paralisar o serviço no município”, observou o vereador, Dr. Vicente Júnior. “O caos na zona rural já é iminente”.

Moradores da zona rural reclamam do atraso na distribuição e de falta de água e apelam para que a Prefeitura ajude a resolver o problema. Há cerca de 15 dias, houve uma paralisação dos pipeiros em Acopiara. O gestor, Antônio Almeida, já esteve no 23º BC, no comando do Exército da Operação Pipa, em Fortaleza, com o objetivo de apresentar o problema e solicitar uma solução. “A situação é grave”, observou o parlamentar.

O agricultor José Neto, morador da localidade Lagoa de Santo Onofre, zona rural de Acopiara, reclama da escassez de água e do atraso na distribuição para as famílias. “A nossa situação é muito difícil”, disse. “Não sabemos o que fazer e precisamos da água dos caminhões”.

Diariamente, cerca de 60 caminhões pipa retiram água do Açude Trussu, em Iguatu, distante da cidade de Acopiara 40 km, sob autorização da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh). “A gente dá duas ou três viagens por dia, levando água para as comunidades que estão com sede, e o povo reclama porque a situação é cada vez pior”, disse um pipeiro que não quis se identificar por temer represália da coordenação do programa. “O nosso pagamento está atrasado há mais de três meses”.

Cogerh 

O coordenador do escritório regional da Cogerh, Lauro Filho, disse que há autorização para os pipeiros de Acopiara e Jucás retirarem água no Açude Trussu. Outros municípios, Piquet Carneiro e Mombaça já solicitaram à Cogerh autorização, ou seja, licença, para a retirada de água no reservatório.

16:04 · 01.11.2017 / atualizado às 16:04 · 01.11.2017 por
Audiência discutiu situação de abastecimento de água em Várzea Alegre. Fotos de Augusto César

A situação de abastecimento do município de Várzea Alegre foi debatida em audiência pública realizada na Câmara de Vereadores, com a participação de representantes da Prefeitura, do Legislativo, do Comitê Municipal de Contingência e de Convivência com a Seca, e de órgãos do setor, Companhia de Gestão Hídrica (Cogerh), Cagece, na noite desta terça-feira, 31.

O nível do açude Deputado Luiz Otacílio Correia (Olho D’Água) (17,4%) ainda é considerado regular e com a liberação de atual de 80 litros por segundo, o reservatório atenderia a demanda até julho de 2018, mesmo sem o aporte de água da chuva. 

Foi apresentada a proposta de diminuição da vazão para 50 ou 30 litros por segundo para sustentar o abastecimento de água por mais tempo, até chegar em janeiro de 2019, inclusive com a aplicação de uma taxa de contingência.

O supervisor de redes da Cagece, Rivelino Teles, apresentou ainda as propostas que já estão em andamento e outras que poderão ser aplicadas para assegurar o abastecimento da cidade até janeiro de 2019. A ideia passa por campanhas de conscientização, redução de perdas na rede distribuição e a implantação de tarifa de contingência e do rodízio do abastecimento em 2018.

Rivelino Teles explicou que a tarifa de contingência estabelece meta de economia de 20% da média de consumo dos últimos seis meses com cobrança de multa sobre o consumo excedente. O consumo abaixo de 10m³ não entra.

O prefeito Zé Helder destacou algumas medidas que já foram tomadas como a redução do consumo em unidades da administração pública que já representam 50% de economia de água nestes locais e também redução de recursos financeiros.

Outra preocupação do prefeito é com a zona rural. A medida para atender as demandas das localidades tem sido a perfuração de poços profundos, com recursos próprios do município, mediante a falta de resposta da Superintendência de Obras Hidráulicas (Sohidra). De cada dez poços perfurados, apenas quatro dão água. “Na Charneca foram perfurados dois poços, nenhum deu água, mas em Umari dos Costas o poço deu boa vazão”, disse.

O abastecimento da cidade está regular e vai depender da próxima quadra chuvosa (fevereiro a maio) em 2018.

Questionamentos

Moradores e vereadores apresentaram questionamentos que incluíram vazamentos na rede da Cagece, falta de punição da empresa por esse tipo de perda de água, assoreamento e desmatamento das margens de açudes, rios e riachos, necessidade de economia permanente de consumo dos recursos hídricos, transposição de água do riacho da Fortuna para o riacho Machado, além de funcionamento e isenções fiscais de termoelétricas no Pecém, e falta de conscientização da população.

Helder Cortes, diretor de Unidade de Negócios do Interior da Cagece, explicou que a implantação de uma tarifa de contingência ainda não foi realizada em nenhuma cidade do Interior e que depende de aprovação da Agência Reguladora de Serviços do Ceará (Arce).

Prefeito Zé Hélder mostrou preocupação com o problema

 

 

10:50 · 30.10.2017 / atualizado às 10:51 · 30.10.2017 por

 

Em decorrência do desligamento de energia elétrica em quatro ruas do distrito Suassurana, zona rural de Iguatu, haverá suspensão no fornecimento de água na tarde desta segunda-feira, 30, para a cidade de Iguatu. A informação foi confirmada pelo superintendente do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE), Tácido Cavalcante. 

“A falta de água deve-se exclusivamente ao corte de energia para serviços de manutenção pela Enel, que vai paralisar o bombeamento de água na estação elevatória do SAAE no Trussu, ponto de captação de água”, explicou Tácido Cavalcante. “Assim que a energia for restabelecida, o sistema de bombeamento voltará a funcionar normalmente”.

Enel confirma 

Por meio de nota, a Enel, antiga Coelce, confirmou que existe uma programação de desligamento para quatro ruas do distrito Suasurrana de 13h às 17h de hoje.

O desligamento programado está previsto na Resolução 414 da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e é uma ação preventiva, realizada diariamente pela distribuidora, para manutenções e/ou reparos na rede elétrica em todo o Estado do Ceará. O desligamento é a interrupção temporária do fornecimento de energia para manutenção da rede elétrica.

13:46 · 25.10.2017 / atualizado às 13:46 · 25.10.2017 por

Nesta quinta-feira, 26, será realizado na cidade de Orós, no auditório do Sindicato dos Trabalhadores Rurais o  Seminário de Desenvolvimento Produtivo Rural Sustentável, a partir das 8 horas.

O evento segue a tendência do ocorrido em Jucás, realizado recentemente, momento em que os agricultores familiares beneficiários das políticas de convivência do semiárido vão debater perspectivas que possam garantir a sobrevivência das produções familiares e quintais produtivos.

O seminário é uma iniciativa em parceria entre a Secretaria de Agricultura do Município, Instituto Elo Amigo, Banco do Brasil, Sindicato dos Trabalhadores Rurais, Igreja Católica e Ematerce.

A organização do evento espera a participação de 130 famílias das comunidades beneficiadas com o projeto Um milhão de cisternas e Uma terra e duas águas, implantados pelo Instituto Elo Amigo.

Cisterna com água limpa para o consumo da família. Foto de Honório Barbosa
13:09 · 25.10.2017 / atualizado às 13:09 · 25.10.2017 por

 

Comunidades de São Benedito vão receber obras de abastecimento de água

O investimento de mais de R$ 1,6 milhão beneficiará cinco comunidades do município de São Benedito em obras de abastecimento de água. O secretário-chefe da Casa Civil, Nelson Martins, e com a presença do secretário do Desenvolvimento Agrário, Dedé Teixeira, assinaram ordem de serviço autorizando a construção de cinco sistemas de abastecimento d’água, nas comunidades de Carnaúba, Chapada II, Cruz do Raio, Pau D’Arco e Santo Reis.

As comunidades passarão a ter água tratada nas torneiras e chuveiros das residências. O governo do Ceará adotou a implantação destes sistemas de água em comunidades rurais como forma de dirimir os efeitos da estiagem prolongada dos últimos seis anos. As obras são realizadas através do Projeto São José III.

“É de grande importância, esse ato de hoje, porque essas comunidades vêm lutando há bastante tempo por esse benefício”, disse Nelson Martins.

 

13:10 · 24.10.2017 / atualizado às 13:10 · 24.10.2017 por
Açude Olho D’Água em Várzea Alegre. Foto de Honório Barbosa

          Na manhã desta segunda-feira, 23, o município de Várzea Alegre participou de reunião do Comitê Integrado de Combate à Estiagem no Estado do Ceará, realizada no Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Ceará, em Fortaleza, representado pelo chefe de Gabinete, Dr. Batista Jr, pelo secretário de Desenvolvimento Agrário, Cícero Izidório e pelo coordenador da Defesa Civil, Gean Sousa.

       O objetivo da reunião foi apresentar a situação hídrica e também demostrar as ações realizadas pelo Município para evitar um colapso hídrico de forma prematura.

      Na oportunidade foi protocolado junto ao Comitê, que é presidido por Dedé Teixeira, secretário de Desenvolvimento Agrário do Estado, ofício solicitando perfuração de poços no curso da tubulação da adutora do açude Deputado Luiz Otacílio Correia (Olho D´Água) com o objetivo de aumentar a oferta da água que é gerenciada pela Cagece.

      Os representantes de Várzea Alegre apresentaram o quadro hídrico do município, ações já realizadas e das propostas do prefeito Zé Helder (PMDB), para evitar ou adiar um possível colapso no abastecimento da cidade.

       Na oportunidade, foi formulado convite para que um representante do Comitê Estadual se faça presente na audiência pública que será realizada no município no dia 31 de outubro de 2017 às 18h, quando a Cagece apresentará um plano de uso racional da água com a meta de evitar colapso no abastecimento da cidade e conseguir atravessar esse período, torcendo para que as chuvas do próximo inverno sejam suficientes para reabastecer o açude Olho D’Água, que atualmente está com 18% de sua capacidade, ou seja, 19 milhões de m³.

06:51 · 18.10.2017 / atualizado às 21:52 · 17.10.2017 por

 

Reunião discutiu sistema de água nas localidades rurais. Foto de Augusto César

A Prefeitura de Várzea Alegre, através da Secretaria de Desenvolvimento Agrário e Econômico, realizou reunião no auditório Chico Lino do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Várzea Alegre com o objetivo de discutir o gerenciamento de distribuição de água nas localidades rurais.

Participaram da reunião técnicos do Sistema Integrado de Saneamento Rural – SISAR, Marty Glaucy e Marília Queiroz, os presidentes de associações comunitárias dos sítios Forquilha, Timbaúba, Coité, Vacaria, Fortuna e Volta, o presidente da Federação das Associações Comunitárias de Várzea Alegre (Famuva), José da Costa, o secretário de Desenvolvimento Agrário, Cicero Izidório, e Matias Alves -assistente executivo da Secretaria.

Segundo o secretário Cícero Izidório, são cinco sistemas de abastecimento que estão em fase de conclusão para entrar em operação. “Neste momento de criticidade hídrica, estarmos finalizando estes projetos é muito importante para a população. Essas cinco comunidades passarão a ter uma melhor qualidade de vida”, diz.

Para José da Costa, receber o abastecimento é motivo de grande alegria para as comunidades, porém afirmou que é necessário discutir o gerenciamento, pois ao longo dos anos, são diversos problemas que surgem, tanto na estrutura como nas bombas, reservatório e poço.

06:44 · 18.10.2017 / atualizado às 21:45 · 17.10.2017 por
Prefeito e secretários visitaram reservatório. Fotos de Augusto César

O prefeito de Várzea Alegre, Zé Helder, está preocupado com o abastecimento de água da cidade. Nesta terça-feira, 17, o gestor esteve no açude Deputado Luiz Otacílio Correia (Olho D’Água), na comunidade de Piripiri, onde conferiu o baixo volume de água do reservatório, que é de 18%. Os dados são da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh).  A barragem tem capacidade de acumular 19 milhões de metros cúbicos.

Mediante a perda de reserva hídrica, a Prefeitura lançou a campanha de uso consciente da água, pedindo à população para economizar o recurso hídrico. “Esse açude que abastece a cidade atende mais de 20 mil pessoas, e poderá entrar em colapso no máximo em um ano senão houver recarga de água no inverno em 2018”, disse Zé Hélder. “Faço um apelo para que a população economize água”.

O coordenador da Comissão Municipal de Defesa Civil, George Sátiro, reforçou a preocupação com a pouca água acumulada no açude e cobrou da população uso racional. “O açude não abastece apenas 20 mil pessoas da cidade, mas também, a zona rural com os carros-pipa transportando água para as cisternas residenciais”, disse.

Segundo Sátiro, na próxima quinta-feira, 19, haverá reunião do Comitê da Seca, quando a Cogerh e a Cagece apresentarão um plano de uso racional da água e será marcada audiência pública na Câmara Municipal. Nessa reunião, o Comitê da Seca apresentará as alternativas para amenizar e prolongar o abastecimento de água à população.

Na visita ao açude, o prefeito Zé Helder esteve acompanhado dos secretários J. Marcílio (Meio Ambiente), Cícero Izidório (Desenvolvimento Agrário) e George Sátiro (coordenador da Defesa Civil).

Nível do Açude Olho d’Água é preocupação em Várzea Alegre. Fotos de Augusto Cesar
10:03 · 13.10.2017 / atualizado às 10:03 · 13.10.2017 por
Moradores protestaram na Câmara por falta de água. Foto de Diomar de Araújo

Mias uma vez dezenas de famílias que residem na cidade de Catarina foram às ruas em protesto contra a falta de água. Segundo os moradores ocorre má distribuição por parte da Cagece, já que, quatro poços profundos abastecem a adutora com vazão de 35 mil litros de água por hora.

Para os moradores, há um controle na distribuição afetando alguns bairros e vilas que estão sem água nas torneiras há mais de um mês.

O protesto mais uma vez foi organizado pelos moradores dos bairros afetados. Centenas de pessoas seguiram até a Câmara Municipal de Catarina onde foram recepcionados pelos vereadores durante sessão ordinária da Casa Legislativa.

Os moradores cobram do diretor regional da Unidade de Negócios da Bacia do Alto Jaguaribe, Adeilson Rolim, uma explicação para o problema. Rolim foi convidado oficialmente a comparecer à Câmara Municipal, mas alegou impossibilidade.

Os manifestantes lotaram o auditório da Câmara Municipal de Catarina e receberam apoio dos vereadores. Foram coletadas assinaturas e elaborado um documento denunciando a falta de água que será encaminhado ao Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE), comarca de Catarina e a direção estadual da Cagece, por meio da Unidade de Negócios da Bacia do Alto Jaguaribe.

Mais poços 

O prefeito de Catarina, Thiago Pas de Andrade, anunciou que o governo do Estado vai perfurar mais poços profundos na cidade nos bairros Lagoinha, Vila Macário, Vila Nova e Balanças e nas seguintes localidades rurais: São Gonçalo, Olho D’água, Riacho Seco, Boa Vista, Timbaúba, Carnaúba, Cavalo Magro, Lagoa do Arroz, Chapada, São Francisco, Baixa Grande, Sítio Retiro, Monte Alegre, São Domingos, Açudinho, Poço da Cruz, Cruz, Manto, Itans e Marrecas.

Adutora 

A solução para a crise de abastecimento de Catarina seria a instalação de uma adutora a partir do Açude Arneiroz II. O gestor voltou a cobrar do Ministério da Integração Nacional a liberação da verba para a obra. Há também necessidade de uma rede para atender as comunidades de Chapada, São Francisco e São Feliz.

(Com colaboração de Diomar Araújo).