Busca

Tag: água


11:16 · 13.09.2018 / atualizado às 11:16 · 13.09.2018 por

 

Dano foi causado no sistema adutor em Tauá. Foto de Wilrismar Holanda

O abastecimento de água dos moradores da cidade de Tauá, na região dos Inhamuns, foi interrompido nesta quinta-feira 13. O motivo segundo o escritório local da Cagece foi um dano causado na tubulação da adutora da Barragem do Trici, provocado por uma máquina que fazia uma escavação às margens da Avenida Chermont Alves, para a implantação de uma nova adutora.

A Cagece informou que as equipes já estão trabalhando para remover o tubo danificado e até às 17h desta quinta-feira, 13, o fornecimento de água estará normalizado. Os bairros a serem abastecidos após a conclusão do serviço serão: Centro, Bezerra e Sousa, Alto Brilhante e São Geraldo.

21:27 · 12.09.2018 / atualizado às 21:27 · 12.09.2018 por

 

Casal – Edmilson e Helena, produz hortaliças a partir da água de reúso em Acopiara. Foto de Fagner Leandro

Em menos de um ano, o Instituto Elo Amigo implantou 70 sistemas de reúso de águas cinzas para a produção de alimentos em seis municípios das regiões Centro-Sul e Cariri.

A ação do Instituto Elo Amigo ocorreu em parceria com a Fundação Banco do Brasil (FBB) e com a Secretaria de Desenvolvimento Agrário do Estado do Ceará.

As cidades atendidas com o projeto de tecnologia de convivência com o Semiárido foram Acopiara, Crato, Jucás, Mauriti, Milagres e Orós.
O projeto tem como objetivo utilizar a água que a família usa no banho, nas lavagens de roupas e louças, para irrigar um quintal produtivo. A água passa por uma caixa de gordura e segue para um filtro biológico. Após isso, a água escoa para um tanque, é bombeada para uma caixa elevada, de onde finalmente é distribuída para a plantação através de gotejamento.

Conforme o coordenador de projetos do Instituto Elo Amigo, Claudenê Lima, as tecnologias são um marco e uma realidade que estão gerando renda e sustentabilidade para as famílias atendidas pelo projeto. “Somente esse ano, já construímos 70 tecnologias. Somando as existentes, já chegamos ao total de 97 sistemas de reúso. Isso é um grande feito tanto na nossa instituição, quanto na vida das famílias que agora produzem, se alimentam e vendem o excedente da produção, ampliando a renda”, frisou Lima.

Um dos sistemas de reuso de águas cinzas está implantado na residência de Edmilson Vieira da Silva, 75 anos, e sua esposa Helena Vieira da Silva de 68 anos, no sítio Bom Lugar, em Acopiara. Através do reúso, eles contam com água para produzir, em seu quintal, pimentinha, cheiro-verde, beterraba, acerola, maracujá, batata, tomate e outros. “Eu produzo tanto que ainda acabo doando aos meus filhos e amigos que precisam e aqueles que pedem”, pontuou Edmilson Vieira.

16:02 · 31.08.2018 / atualizado às 16:02 · 31.08.2018 por

 

Máquina faz serviço de escavação e vala no Riacho Feiticeiro. Foto: divulgação 

Operários contratados pela Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh) trabalham no serviço de desobstrução do Riacho Feiticeiro, no município de Jaguaribe, com o objetivo de abrir valas para o escoamento da água a ser liberada pelo Açude Orós e permitir a recarga dos açudes Croatá e Pedra Branca.

A recarga dos dois reservatórios (Croatá e Pedra Branca) vai evitar o colapso no abastecimento de várias localidades rurais e dos dois maiores distritos do município de Jaguaribe – Feiticeiro e Nova Floresta.

A Cogerh ainda não definiu o dia para a liberação (descarga) da água do Orós em grande quantidade para chegar aos dois reservatórios que foram construídos no Riacho Feiticeiro.

A população rural dessas localidades sofrem com a falta de água há bastante tempo. As cisternas domésticas secaram. O jeito é pegar água – um pouco que resta – naqueles dois açudes, usando moto ou animais.

Açude Pedra Branca está secando. Foto de Honório Barbosa

 

Morador retira água do Açude Croatá para consumo (beber, cozinhar e banho), mas reclama da qualidade do recurso hídrico. Foto de HB
15:32 · 30.08.2018 / atualizado às 15:39 · 30.08.2018 por
Açude Mamoeiro. Foto: VCRepórter/WhatsApp

O açude Mamoeiro, em Antonina do Norte, vai liberar uma vazão de 300 litros por segundo para atender demanda de moradores localizados abaixo da barragem que enfrentam escassez de água. A decisão foi adotada em reunião do Comitê da Sub Bacia do Alto Jaguaribe, realizada na manhã desta quinta-feira, 30, na sala de multimeios do Campus Areias, do Instituto Federal de Educação, em Iguatu.

O gerente regional da Cogerh em Iguatu, Anatarino Torres, fez apresentação técnica do Açude Mamoeiro, que apresenta 60,2% de sua capacidade. Com a vazão de 300 litros por segundo, o reservatório deverá chegar ao fim do ano com 40,5% de sua capacidade.

O secretário de Agricultura de Antonina do Norte, Antônio Dias de Andrade, disse que a situação é caótica para o consumo dos animais mediante a escassez de água.

O integrante do Comitê da Sub Bacia do Alto Jaguaribe e vereador, Santino Barbosa, frisou que as cisternas estão vazias e que apenas dois caminhões pipa não atendem a necessidade dos moradores. “A água não pode ficar presa no açude, evaporando, é preciso atender as necessidades dos moradores das áreas abaixo do reservatório”, defendeu.

Anatarino Torres disse que a Cogerh vai definir a limpeza do Rio Conceição para facilitar o escoamento da água no leito para chegar às comunidades rurais.

Falta de Água em Quixelô e Saboeiro

A escassez de água atinge também os municípios de Quixelô e Saboeiro e foi discutida na reunião coordenada pela Cogerh, em Iguatu. “Foram perfurados poços sem estudo e sem vazão suficiente, que já secaram ou simplesmente não deram água”, disse a representante do comitê, Gesilene Josino. “As comunidades de Jiqui, Cunhã Poti, Currais Novos e Lagoa do Pé da Serra enfrentam dificuldades”. 

O líder comunitário, Januário Ferreira, defendeu a ampliação da barragem dos Caldeirões em Saboeiro e solicitou mais poços profundos. “Agora em setembro, as localidades de Cruzeta e Barra vão enfrentar colapso de água”, pontuou. 

No município de Jucás, foram perfurados 18 poços profundos, mas 14 não deram vazão suficiente e os outros quatro que apresentaram água já secaram, segundo o líder comunitário, Alcides Duarte. 

Reunião da Cogerh discutiu liberação de água do Mamoeiro e falta de água em vários municípios da região. Foto de Honório Barbosa
18:34 · 27.08.2018 / atualizado às 18:34 · 27.08.2018 por

 

Abastecimento está assegurado, diz secretário Hildernando Barreto

A secretaria de Agricultura e Pecuária de Iguatu encontrou uma solução eficiente para solucionar os problemas dos moradores do sítio Retiro com relação à falta de água naquela comunidade rural. De acordo com o secretário de Agricultura, Hildernando Barreto, o poço perfurado recentemente possui uma vazão extraordinária, capaz de beneficiar as 67 famílias que moram no local. Localizado no leito da barragem, o novo sistema de captação de água trará a solução tão esperada pela população.

“Já faz algum tempo que essas famílias vinham sofrendo com a falta de água. Por isso, determinamos que esse poço fosse perfurado, melhorando o sistema de abastecimento na região e atendendo a uma demanda da comunidade que sofria com esse problema antigo da falta de água”, explicou o prefeito Ednaldo Lavor.

11:14 · 13.08.2018 / atualizado às 11:14 · 13.08.2018 por

                                                    Entrega do sistema de abastecimento de  água. Foto de Marcos Rodrigues

        Na Escola municipal Manoel Ferreira Dias, na Lagoa Seca, um cartaz com a frase: “Água é vida” e diante dele um pátio lotado para solenidade de entrega do sistema de abastecimento de água que contempla 104 famílias nas comunidades de Casa Nova e Lagoa Seca, na zona rural de Cedro, na região Centro-Sul do Ceará.

        A luta para conseguir projetos aprovados junto aos órgãos competentes foi o destaque na fala do Prefeito de Cedro, Dr. Nilson Diniz. “Somos reconhecidos pela quantidade de projetos aprovados junto a diversos órgãos, universalizando a água para todas as comunidades, estou muito feliz de fazer parte da história destas famílias que sofriam com escassez de água”.

       O Vice-prefeito, Joãozinho de Titico, falou da importância para os moradores. “Este é um momento histórico, a comunidade recebe esta importante obra, bom ver o sentimento de alegria do nosso povo”.

         O Secretário de Agricultura, Manoel Bezerra, explicou sobre outros benefícios para as comunidades. “Além da entrega do abastecimento de água, as comunidades de Casa Nova e Lagoa Seca serão beneficiadas com projetos da Conab”, frisou.

 Moradores

    O presidente da Associação Manoel Ferreira Dias, da comunidade de Lagoa Seca, agradeceu a gestão municipal e relatou que o sonho agora se tornou realidade. “Desde 2008 tínhamos um local definido para o poço profundo e esse projeto não caminhou. A partir de abril de 2013, com a ajuda do Dr. Nilson, o sonho começou a se tornar realidade. Hoje a alegria para cada morador é imensa”, ressalta Adaubir Silva.

     O sistema de abastecimento de água poderá ser gerenciado pelo Sistema Integrado de Saneamento Rural (Sisar). Além de novos projetos que já estão sendo planejados para contemplar novas comunidades. Na ocasião, Dr. Nilson Diniz ouviu demandas dos moradores para atender outras áreas como educação e esporte.

15:28 · 21.06.2018 / atualizado às 15:48 · 21.06.2018 por
Disputa por terra e água são comuns e geram conflitos graves no sertão. Foto de HB

Os conflitos por terra e água no Ceará têm sido um dos principais focos de reflexão envolvendo instituições de ensino superior localizadas no interior do estado. O debate em torno deste contexto guiará a mesa-redonda “Os (des) caminhos do acesso à terra e à água no espaço agrário cearense: conflitos e contradições”, nesta sexta-feira (22), às 19h, no auditório do IFCE campus de Crateús.

A mesa-redonda precede de uma atividade de campo que será realizada nos dias 23 e 24, no acampamento da Fazenda do Besouro e no assentamento Palmares, no município de Crateús. A iniciativa é organizada por docentes dos cursos de licenciatura em Geografia do IFCE campus Crateús e da Universidade Aberta do Brasil/UECE, numa parceria com movimentos sociais que atuam no contexto local.

11:17 · 19.06.2018 / atualizado às 11:19 · 19.06.2018 por
Reunião do Comitê da Seca

O Comitê Integrado de Convivência com a Seca esteve reunido na manhã desta segunda-feira (18), no auditório do Corpo de Bombeiros em Fortaleza. O Prefeito de Cedro, Dr. Nilson Diniz participou de encontro, presidido pelo secretário-executivo da Secretaria do Desenvolvimento Agrário do Ceará (SDA), José Leite Cruz, para discutir o decreto, publicado no Diário Oficial do Estado (DOE), na sexta-feira (15/6), que declara situação de emergência em Cedro e mais 25 municípios do Ceará.

O gestor cedrense ressaltou a importância do encontro e solicitou medidas para amenizar escassez de água nas localidades que foram inseridas no decreto. “Fiz a solicitação de carros pipas e poços profundos para as comunidades rurais que foram prejudicadas, sabemos que temos reservatórios praticamente secos em regiões do distrito de Várzea da Conceição, Lajedo e São Miguel que precisam de ajuda”, ressalta Dr. Nilson Diniz.

Com a publicação do decreto, o Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil (SINPDEC), irá prestar apoio complementar aos municípios afetados. As ações serão coordenadas pela Coordenadoria Estadual de Defesa Civil. Além de Cedro os municípios de Acopiara, Assaré, Bela Cruz, Chaval, Crateús, Crato, Groaíras, Hidrolândia, Icapuí, Icó, Iguatu, Independência, Ipu, Itapajé, Jaguaruana, Lavras da Mangabeira, Madalena, Missão Velha, Nova Olinda, Ocara, Parambu, Paramoti, Reriutaba, São Gonçalo do Amarante e Umirim, também tiveram decretada situação de emergência.

11:19 · 18.06.2018 / atualizado às 11:19 · 18.06.2018 por
Reúso de água cinza chega às comunidades rurais e a instituições federais, como é o caso do IFCE de Crateús. Foto de Honório Barbosa

A implantação de tecnologia alternativa vai possibilitar o reaproveitamento das chamadas águas cinzas, provenientes do uso em chuveiros e pias instaladas no refeitório do IFCE campus de Crateús. Trata-se do bioágua, sistema que garante a filtragem utilizando-se de materiais alternativos, tais como cascalho, areia, serragem, esterco e minhocas. No IFCE, o mecanismo vai favorecer experimentos didáticos, especialmente na área de Agrárias.

Como funciona

O processo de funcionamento do sistema começa com o desvio da água para uma caixa de gordura, onde é feita a eliminação do excesso de poluentes. Em seguida, se dá a etapa de filtragem, numa caixa feita com placas de cimento, preenchida com camadas respectivas de cascalho, brita, areia, pó de serra, sobrepostas por esterco bovino, húmus e minhocas.

Na primeira camada, é iniciado um processo de decomposição da matéria orgânica presente na água. Essa tarefa é feita pelas minhocas, também responsáveis pela mineralização da água, fornecendo nutrientes para as plantas.

Na medida em que o líquido vai se infiltrando na caixa, as outras camadas vão retendo o excesso de sabão e demais materiais de limpeza. A partir daí, essa água já pré-filtrada é canalizada para um tanque de armazenamento, de onde é bombeada para uma caixa d’água, podendo ser canalizada para a irrigação.

Agregado ao sistema, outro componente que amplia as suas vantagens ecológicas e econômicas é a captação de energia solar, por meio de uma célula fotoelétrica, que propicia o funcionamento da bomba hidráulica, usada para bombear a água.

Processo de implantação

A instalação do sistema no campus de Crateús está em fase de conclusão, numa parceria entre o IFCE, a Cáritas Diocesana, o Instituto Bem Viver e a ONG italiana We Word. As primeiras fases do projeto ocorreram durante a Feira da Agricultura Familiar e Economia Popular, realizada no início de junho. O processo de construção foi acompanhado por alunos e servidores do campus, além de técnicos de outras instituições parceiras.

De acordo com o professor Liandro Beserra, a disseminação dessa tecnologia propicia grandes vantagens para a região do semiárido, destacadamente para a agricultura e produção de forragem. “No IFCE ela serve de ferramenta de pesquisa, ensino e extensão, voltada para o desenvolvimento de sistemas de produção mais eficientes adaptados ao semiárido”, salienta Liandro.

19:48 · 12.06.2018 / atualizado às 19:52 · 12.06.2018 por

 

Alunos participaram de palestra sobre meio ambiente. Foto de Marcos Rodrigues

Limpeza em bairros, palestras, panfletagem e orientações sobre o calendário da coleta de lixo fizeram parte das ações sobre conscientização ambiental em Cedro. Durante a Semana do Meio Ambiente houve mobilização com o objetivo de chamar a atenção de crianças e adolescentes para a importância da preservação dos recursos naturais.

Dentre os projetos escolares, os professores discursaram sobre o tema “Água: um bem precioso que necessita ser preservado”. As apresentações contaram com discussões em sala de aula sobre medidas para colaborar com o meio ambiente.

Uma iniciativa, que segundo o prefeito Dr. Nilson Diniz, deve ser estimulada ainda na infância. “Os estudantes são o futuro da nossa nação e oferecer palestras sobre educação ambiental a todos eles é, sem dúvida, garantir um progresso local com um planeta mais sustentável”, afirmou.

Escola Municipal Gabriel Diniz realizou um passeio ecológico no Marco Zero, onde os alunos assistiram à um filme que fala sobre os problemas ambientais. Na ocasião, eles apresentaram textos literários sobre o assunto. “Diariamente as nossas escolas estão trabalhando acerca dessa temática, e pensando nisso, iremos ampliar ainda mais as ações com ideias inovadoras que melhorem ainda mais nossa região”, assegura a Secretária de Educação, Esmeraldina Bezerra.