Busca

Tag: orós


11:48 · 17.07.2018 / atualizado às 11:48 · 17.07.2018 por
ELA movimenta culturalmente Orós. Foto: Mateus Leandro

A programação da I Virada Cultural na cidade de Orós promovida pela Escola Livre de Artes (ELA) começa nesta sexta-feira (27/7), a partir das 18h e segue até às 18h do sábado (28/7) na zona rural e na cidade. A programação será diversificada com teatro, dança, cinema, culinária e outras linguagens artísticas.

O grande diferencial será inclusão do esporte na Virada Cultural. Para a nova fase que iniciará a partir do próximo mês de agosto, o esporte será mais uma investida para o projeto que traz como pano de fundo a inclusão social através de atividades culturais, cidadania e de esporte.

 

DIA 27 – SEXTA

ORÓS

Palestra: “Saúde da Mulher: Autonomia do Corpo e Manutenção da Qualidade de Vida”

Palestrante: David Moreira (Orós)

Horário: 19h

Local: Igreja – Bairro São Geraldo

Show Musical com Drulucca

Horário: 21h

Local: Bar Resenha

IGAROI

Oficina de Desenho e Pintura – Oficina de Garrafas Decorativas (reaproveitamento material sólido)

Ministrada: Nailê Cidrão (Icó)

Horário: 18h

Local: Casa da Bruna e Marisa – Sitio São Romão

Show Musical com Duda e Ozamélia

Horário: 18h

Local: Praça -Igaroi

SANTARÉM

Cinema com Pipoca

Filme: Tempos Modernos com Charlie Chaplin

Horário: 19h

Local: Praça

PALESTINA

Show Musical com DJ BARBOSA

Horário: 21h

Local: Casa de Show Tainá

Dia 28 – SÁBADO

ORÓS

Café da manhã com as Mulheres do Bairro São Geraldo – Jogando conversa fora

Horário: 7h

Local: Casa da Irineuda – Bairro São Geraldo

IGAROI

Oficina de Teatro

Ministrado: Larissa Montenegro e Fábio Frota (Fortaleza)

Horário: 9h

Local: Escola – Sitio São Romão

Oficina de Teatro

Ministrado: Larissa Montenegro

Horário: 14h

Local: Sindicato – Igaroi

Oficina de Etiqueta e Moda

Ministrado: Mamedes Júnior (Orós)

Horário: 14h

Local: Igreja – Sitio São Romão

Espetáculo de Teatro – Imagens de Teatro

Quando as Maquinas Param

Atores: Larissa Montenegro e Fábio Frota (Fortaleza)

Horário: 17h

Local: Cozinha da casa da Adriana Josino

SANTARÉM

Intervenção de poesia – Poste Poesia

Ministrada: Carlê Rodrigues (Iguatu)

Horário: 9h

Local: Casa do João Balinha

Culinária – Pizza

Ministrada: Lucileuda Rodrigues (Santarém)

Horário: 11h

Local: Cozinha da casa da Lúcia

Oficina de Teatro – Jogo e Cena

Ministrada: Carlê Rodrigues (Iguatu)

Horário: 13h

Local: Casa do Sr. Didi

Amistoso de Futebol de campo – Master

Horário: 16h

Local: Campo

PALESTINA

Técnica Vocal

Ministrado: Bruno Kaoss (Icó)

Horário: 8h

Local: Sitio Cidade (Igreja)

Técnica Vocal

Ministrado: Bruno Kaoss (Icó)

Horário: 14h

Local: Pereiro dos Pedros (Igreja)

Percussão Rítmica

Ministrada: Duda Monte

Horário: 14H

Local: Sitio Jurema (Prédio da Associação)

Oficina de Teatro

Ministrado: Bené Tavares (Icó)

Horário: 14h

Local: Sindicato da Palestina

GUASSUSSÊ

Café da manhã com as mulheres de Guassussê – Jogando conversa fora

Horário: 7h

Local: Casa da Dona Edita

Oficina de Fotografia: Descobrindo a comunidade

Ministrado: Jan Messias (Iguatu)

Horário: 8h

Local: Igreja

Jogos Teatrais

Ministrado: Fábio Frota (Fortaleza)

Horário: 14h

Local: Sindicato

+ ESCOLA LIVRE DE ARTES – ELA

Com intuito de fomentar atividades de Arte e Cidadania na cidade de Orós e moradores da Zona Rural com oficinas livres de quinta a domingo, simultaneamente, nos espaços da comunidade: Terreiro, Calçada, Praça Pública, Casa dos Moradores etc .

A Cidade de Orós fica localizada na microrregião de Iguatu, Mesorregião do Centro-Sul do estado cearense. O município tem cerca de 23 mil habitantes. Foi criada em 1957. O município é constituído de 4 distritos: Vila Guassussê, Igarói, Santarém e Palestina. A Cidade de Orós fica localizada na microrregião de Iguatu, Mesorregião do Centro-Sul do estado cearense. O município tem cerca de 23 mil habitantes. Foi criada em 1957. O município é constituído de 4 distritos: Vila Guassussê, Igarói, Santarém e Palestina.

+ IMAGENS DE TEATRO – REALIZADORA DO ELA

Teve sua origem em janeiro de 2001, com o estudo para montagem do espetáculo “Imagens”, de Benedito Rodrigues Pinto. O diretor Edson Cândido já havia montado um espetáculo do mesmo autor, “Meia-Sola”, no Estado de São Paulo e, a partir dessa segunda experiência, enveredou pela linha de montagem realista de autores ditos “malditos”. Desde aquelas primeiras experiências até hoje, o Imagens de Teatro vem acumulando uma bagagem de quase quinze anos de pesquisa, montagem e apresentação de espetáculos, adaptando-se, nessa trajetória, aos mais diversos espaços, desde palcos tradicionais a galpões, bares e ambientes bem alternativos, disseminando a cultura teatral e formando plateia em todo o país. Como reconhecimento pelo trabalho realizado, o Imagens de Teatro já foi vencedor do Prêmio Myriam Muniz/FUNARTE, em 2009, com o projeto “Plínio Marcos – Trilogia: Abajur Lilás, Navalha na Carne e Barrela” e em 2014, com o projeto “Grupo Imagens 13 anos – Indo onde o povo está”, já tendo acumulado, ao longo de sua carreira, 06 prêmios de melhor espetáculo, 09 prêmios de melhor direção, 11 prêmio de melhor atriz, 05 prêmios de melhor atriz coadjuvante, 02 prêmios de melhor ator, 04 prêmios de melhor ator coadjuvante, 04 placas de homenagem, 01 prêmio de melhor iluminação, 01 prêmio de melhor sonoplastia, 02 prêmios de melhor cenografia, 02 prêmios de melhor maquiagem e um prêmio de melhor caracterização.

11:03 · 06.07.2018 / atualizado às 11:08 · 06.07.2018 por
Sítio preserva história e tradição do lugar. Foto de Wandenberg Belém

O lugar que parece não ter mudado ao longo dos anos. O sítio São Romão, na zona rural de Orós, ainda preserva casarões e tradições antigas. A pacata comunidade, preserva ainda o antigo engenho de cana-de-açúcar, a casa grande da fazenda, essa com mais de 40 cômodos. Além da forte religiosidade dos moradores, o gosto pelas atividades rurais e a união das famílias.

O acesso para São Romão é pela CE- 470, Rodovia Estadual recém construída, por onde passava a antiga estrada de ferro. Moradores não sabem ao certo quantos anos tem a comunidade, mas ressaltam que a chegada dos primeiros habitantes, foi por volta de 1850. A história do lugar é marcado pela exploração agrícola, criação de gado e a produção de cana-de-açúcar. No sítio ainda é possível encontrar vestígios da presença dos primeiros moradores, principalmente na casa grande. O local ainda preserva as mesmas características desde quando foi construída. O grande terreiro, o alpendre. Um lugar que já foi cheio de vida e bastante movimentado. “Lembro que aqui nunca faltava gente. A noite aqui debaixo do alpendre, no terreiro tinha gente brincando, conversando. Assim o ano todo”, relembra do agricultor José Porfírio, filho do casal, Maria Josino e João Porfírio, fundadores da fazenda.

As lembraças do casal que criou 13 filho está marcada não só pelas lembranças dos familiares, mas nas fotos na parede da sala principal. Em cada canto da casa, dos mais de 40 cômodos ainda preservam mobílias antigas: camas, armários com livros, potes de barro, o velho fogão a lenha. O sótão onde era guardado a safra de milho colhida, além dos vários quartos e salas quase incontáveis. “Essa casa não era desse tamanho, foi crescendo de acordo com os nascimento dos filhos e das safras. Porque além dos quartos, ele tem muitos armazéns”, explica José Carlos, relembrando um momento histórico para a família, que tem uma grande mesa de madeira maciça com mais quase 3 metros comprimento. Segundo José Carlos, a mesa tem mais de 200 anos, serviu até de palco para o poeta Patativa do Assaré, fazer uma cantoria em cima dela. “Eu devia te uns 12 anos, era menino ainda, mas lembro bem desse momento. Patativa fez essa cantoria ao lado de outro violeiro em cima dessa mesa, no terreiro. Ou coisa que não esqueço também era a fartura de carne de carneiro que a gente comia em volta dela”, relembrou sorrindo José Carlos.

Mas o passeio pela casa não para na sala, são vários armazéns anexos a casa, onde ficavam guardados a produção colhida no campo, os sacos com arroz, os tonéis de zinco que conservam o feijão e o milho. Já em outro lado da casa, três grandes caixas de madeiras, guardavam as rapaduras produzidas no engenho da fazenda. “Era uma época de fartura, quando se tinha muita cana e gente disposta para trabalhar. Hoje o engenho tá desativado por falta de produção. A última vez que fizemos moagem foi há dois anos. Mas também por conta da seca. Sem água não tem produção de nada”, comentou o agricultor Aristóteles Porfírio, neto de Josina e João Porfírio.

A história da família foi construída de muito trabalho e união dos 13 filhos do casal. Todos nasceram e se criaram na roça, com o passar do tempo, alguns foram embora, mas os que ainda moram em São Romão trabalham juntos, nas mesmas áreas e na lida ensina pelo pai.

Mesmo com dificuldades os proprietários lutam para preservar, a história do lugar, os costumes e manter de pé a casa grande. A casa dois anos, há um mutirão para pintar e recuperar alguns comodos da casa que necessitem de reparos. “Não temos dinheiro para fazer tudo de uma só vez. Vamos fazendo o que dá pra gente fazer. Se fosse para passar por uma reforma seria muito dinheiro e não temos como fazer de uma vez”, disse José Carlos.

Um memorial da família está sendo organizado, no local estão guardados equipamentos, objetos e utensílios que viveram na fazenda, no auge de sua atividade econômica e social. A riqueza que esse patrimônio imaterial teve no passado.

Para quem mora ou visita São Romão até parece que a comunidade esta ainda parada no tempo. Os moradores costumam sentar na sombra dos alpendres depois da lida no campo e dos afazeres domésticos e colocar as conversas em dia e preservam costumes antigos, Dona Plautília Porfírio, diariamente ascende uma fogueirinha no terreiro da casa dela, deixa uma garrafa de café quentinha e outra de água, para as visitas que costuma receber todas as noites. “Mesmo com a chegada da energia eletrica, continuo fazendo isso. Isso aprendi como meu pai, que fazia na casa dele. Toda noite as seis horas ascendia uma fogueira, vinha gente de todo lado lá pra casa, beber café e conversar. Meu pai morreu e continuamos aqui fazendo todo santo dia essa fogueira”, comentou dona a aposentada.

George de Lima, mora em Recife, Pernambuco, pelo menos uma vez ao ano volta a São Romão, para ele é como se fizesse uma volta ao passado. “A gente relembra das festas, as celebrações religiosas, da festa do Padroeiro São Luiz de Gonzaga, gosto de está com esses arquivos vivos, que relembra e contam histórias pra gente de tudo que vivemos aqui. Tempo bons que tento recordar. Passei um tempo sem visitar aqui, mas nos últimos quatro anos venho com mais frequência”, disse.

Em Orós, o patrimônio cultural rural integra vários sítios, vilas e fazendas, um conjunto de registros materiais e imateriais, que se tornaram praticamente invisíveis. Para o ativista cultural, Zé Vicente, cantor e compositor é urgente criar estímulos à preservação dessas culturas. Somente a partir de um mapeamento, será possível criar políticas de preservação para explorar o potencial dessas comunidades rurais. Ferramenta que possibilita compreender ainda mais os aspectos culturais, patrimoniais e religiosos. De acordo com Zé Vicente, fundador da Organização sócio-cultural Sertão Vivo, “o patrimônio cultural rural cearense é muito rico, em histórias, com espaços privilegiados para pesquisa históricas e turismo. Cada local com seu patrimônio cultural com características específicas, diferentes do patrimônio cultural urbano e seus filhos que ainda guardam na memoria histórias e acontecimentos desses locais”, aponta Zé Vicente.

A religiosidade é outro traço marcante da história desse locais e em São Romão, não é diferente. A devoção a São Luiz de Gonzaga, padroeiro do lugar, começou bem antes mesmo da construção da capela, que é nova, tem pouco mais de vinte anos. São Luiz de Gonzaga já era celebrado pelos moradores isso há 81 anos, no sítio Betânia. “Com a morte do Padre Chagas, a imagem do Santos e os costume das novenas, da festa de São Luiz de Gonzaga que celebrado entre o dia 12 a 22 de junho, foram ficando esquecidos em Betânia, moradores que constumavam ira para o novenários lá, trouxeram a imagem e depois construíram através do trabalho deles a capela para o santo, fortalecendo ainda mais a fé e religiosidade entre os moradores do lugar.

11:08 · 02.07.2018 / atualizado às 11:08 · 02.07.2018 por

 

Açude Orós. Foto de HB

O 10º Batalhão de Polícia Militar com sede em Iguatu registrou uma morte por afogamento no Açude Orós, neste domingo, 1º, por volta das 17h.

A vítima identificada como Alcionir Barbosa Rodrigues, 29 anos, vendedor, estava na Balsa do Jojó com amigos e tomava banho quando houve o afogamento.

Rodrigues ainda foi conduzido para o Hospital Municipal de Orós após ser socorrido por uma equipe do Samu. A vítima morava na cidade Chapadinha, Maranhão. O corpo foi removido para o IML da cidade de Iguatu.

11:26 · 25.06.2018 / atualizado às 11:33 · 25.06.2018 por

 

Grupo de servidores da Educação fez protesto em Orós devido aos salários atrasados. Foto: divulgação do Sindicato dos Servidores de Orós

Em Orós, os servidores da rede municipal de Educação que fazem parte dos 40% do Fundeb decidiram paralisar atividades na manhã desta segunda-feira, 25, por conta dos constantes atrasos de pagamento. O último pagamento recebido pela categoria foi do mês de abril.

Segundo o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Orós, desde novembro de 2017 que ocorrem atrasos constantes no pagamento do funcionalismo. Os servidores relatam dificuldades para pagar as despesas pessoais, alugueis e conta de luz.

A administração teria informado sobre a impossibilidade de pagamento por conta de quitação de dívida com a Previdência Social e anunciou a liberação do desembolso salarial para o próximo dia 30.

 

O chamado grupo de 40% do Fundeb são os vigias, secretários escolares, agentes administrativos lotados nas escolas e Secretaria de Educação, merendeiras, pessoal da limpeza, motoristas de ônibus. 

Alguns professores participaram  da paralisação desta segunda-feira por causa de rodízio no pagamento salarial. “Houve caminhada pelas ruas, conduzimos cartazes e fizemos o protesto por conta do atraso salarial e depois fomos recebidos em comissão na Prefeitura”, explicou o presidente do Sindicato dos Servidores Municipal de Orós, Nelço Rodrigues, que também é vereador. “A administração alegou falta de recursos, mas sabemos que é falta de gerenciamento”.

Ainda de acordo com o sindicato parte da folha de abril deverá ser liberada nesta terça-feira, 26, e o restante no próximo dia 29. O Blog não conseguiu contato com a secretaria de Educação de Orós na manhã desta segunda-feira.

Ação Judicial 

Em Orós, O Sindicato dos professores já ingressou com ação judicial para que o pagamento ficasse em dia. A Justiça deferiu o pedido e determinou que a Prefeitura deveria pagar os salários até o 5º dia útil do mês seguinte ao trabalhado, mas na prática a administração do prefeito Simão Pedro não obedece a decisão judicial. A gestão também se nega a progressão salarial.

Os docentes também temem ficar sem o terço das férias em julho vindouro.

 

19:09 · 15.06.2018 / atualizado às 19:10 · 15.06.2018 por

 

Orós e Igreja antiga. Foto do arquivo pessoal de Pedro Augusto Neto

A Paróquia de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, na cidade de Orós, completará 60 anos no período de 13 a 22 de agosto próximo. Os organizadores da festa de fé cristã para comunidade já estão definindo programação. Inicialmente, está previsto um show católico com Valmir Alencar e Ministério Adoração e Vida, além da cantora lírica, Samira Denoá.

Apresentações de teatro, exposição de fotos antigas e exibição de um documentário sobre a trajetória da paróquia integram a programação.

De acordo com o padre José Ricardo Ferreira haverá na cidade e na zona rural caminhadas missionárias. Os organizadores e pesquisadores estão preparando uma revista sobre o acervo dos 60 anos de criação da Paróquia de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, a partir da fundação do município que se emancipou de Icó. “Temos uma história de caminhada, de devoção, que precisa ser resgatada”, pontuou o sacerdote.

O coordenador da Escola Livre de Artes (ELA), Édson Cândido, frisou que será produzido um documentário sobre a festa, a sua história e a fé firme da comunidade católica local.

Igreja atual teve traços definidos pelo arquiteto Oscar Niemeyer
15:55 · 07.06.2018 / atualizado às 15:55 · 07.06.2018 por

 

Sr Dantas e a filha, Regina, na radiadora em Orós. Foto de Paulo Roberto

Nesta sexta-feira, 8, a partir das 19h, na cidade de Orós, no ginásio esportivo Aécio de Borba, acontecerá uma festa junina organizada pela Quadrilha Sol do Sertão que este ano homenageará o comunicador mais antigo da cidade, José Ribeiro Dantas, conhecido ‘Sr. Dantas, 91 anos.

O público irá apreciar a trajetória do radialista que há mais de 50 anos tem o programa ‘Despertador Escolar’ na radiadora “A Voz da Liberdade” que tem como o serviço de alto falante como instrumento de utilidade pública para cidade de Orós.

A Quadrilha Junina Sol do Sertão de Orós possui 8 anos de história e tem como objetivo primordial propagar a importância da cultura popular através da dança, dando oportunidade a toda e qualquer pessoa que tenha interesse em somar a ideia.

No passado, o comunicador promovia na rua a noite de São João com quadrilhas e outras brincadeiras típicas entre os moradores.

Apresentação de Quadrilha Junina
09:59 · 08.05.2018 / atualizado às 09:59 · 08.05.2018 por

 

Entrega de título de terra em Orós. Foto de Vasconcelos

Com o auditório do Centro Social Urbano lotado, agricultores familiares do município de Orós receberam seus títulos de posse definitiva da terra, em solenidade realizada na manhã desta segunda-feira (7).

Em Orós estão sendo beneficiados cerca de 400 agricultores familiares do programa de Regularização Fundiária do Governo do Estado, através da Secretaria do Desenvolvimento Agrário e Idace.

A solenidade contou com as presenças do superintendente do Idace, Cirilo Pimenta; do deputado estadual Agenor Neto; da secretária de Assistência Social de Orós, Tereza Cristina, além de vereadores e lideranças regionais.

“A entrega desses títulos é uma iniciativa importante porque tem uma função social extraordinária, proporcionando facilidade na aquisição de empréstimos para novos investimentos nas propriedades rurais, além de garantir a segurança jurídica do patrimônio fundiário do agricultor familiar”, destacou Agenor Neto.

Além de Orós, também foram beneficiados cerca de 860 agricultores do município de Quixelô. De acordo com o superintendente do Idace, Cirilo Pimenta até o fim de 2018 deverão ser entregues aproximadamente 18 mil títulos de propriedade rural em todo o Ceará.

16:17 · 02.05.2018 / atualizado às 16:17 · 02.05.2018 por

 O projeto Escola Livre de Artes (ELA) segue a todo vapor na cidade de Orós. A ação é idealizada pelo Grupo Imagens de Fortaleza. O objetivo do projeto é apresentar melhorias para comunidades através da arte e cidadania como instrumentos de socialização em prol do bem estar e desenvolvimento econômico dos moradores.

Neste mês de Maio acontecerão muitas atividades de arte e cidadania. Destaque para o lançamento da Revista Plenário – Assembleia Legislativa do Estado do Ceará. Reportagem sobre antiga Conceição do Buraco. Acontecerá no dia 28 de maio, a partir das 19h na calçada da Igreja na comunidade Guassussê.

Oficinas de teatro, radiofonia, fotografia, mostras, performance, capoeira, cinema e outras ações integram a programação do mês.

Programação MAIO

SANTARÉM

Oficina de Teatro: Teatro como forma de brincadeira

Ministrado: Bené Tavares (Icó)

Dia 12 – Sábado

Horário: 8h às 17h

Local: Alpendre do Sr Didi

Oficina de Fotografia e Rádio Comunitária

Ministrado: Jan Messias (Iguatu)

Dia 19 –Sábado

Horário: 8h às 17h

Local: Sede da ONG

Oficina de Práticas Radiofônica

Ministrado: Ismael Dantas (Orós)

Dia 25 –Sexta

Horário: 13h às 16h

Local: Rádio Nossa FM – Orós

Oficina de Palhaçaria – Teatro

Ministrado: João Victor (Fortaleza)

Dia 26 –Sábado

Horário: 8h

Local: Alpendre do Sr Didi

GUASSUSSÊ

Intervenção de poesia – Poste Poesia

Ministrada: Carlê Rodrigues (Iguatu)

Dia 18 – Sexta

Horário: 8h

Local: Sindicato dos Trabalhadores

Capoeira – Vamos jogar?

Mediador: Professor Mororó (Iguatu)

Dia 18 – Sexta

Horário: 14h

Local: Sindicato dos Trabalhadores

Performance: O Vendedor de amor

Interpretação: João Victor (Fortaleza)

Dia 25 – Sexta

Horário: 16h

Local: Ruas

Cinema com Pipoca

Filme: Narradores de Javé

Dia 26 – Sábado

Horário: 19h

Local: Praça de Igreja

Lançamento da Revista Plenário – Assembleia Legislativa do Estado do Ceará

Reportagem: Resgatando Memórias – Conceição do Buraco*

Dia 28 – Segunda

Horário: 19h

Local: Calçada da Igreja

*Distribuição de exemplares para comunidade

PALESTINA

Capoeira – Vamos jogar?

Mediador: Professor Mororó (Iguatu)

Dia 18 – Sexta

Horário: 8h

Local: CSO – Centro Social

Intervenção de poesia – Poste Poesia

Ministrada: Carlê Rodrigues (Iguatu)

Dia 18 – Sexta

Horário: 14h

Local: Escola

Cidadania na Contemporaneidade – Palestra/Debate

Ministrada: Bárbara Cândido (Guassussê)

Dia 19 – Sábado

Horário: 14h

Local: Sindicato Rural

Oficina de Palhaçaria – Teatro

Ministrado: David Santos (Fortaleza)

Dia 26 –Sábado

Horário: 14h

Local: Sindicato dos Trabalhadores Rurais

Apresentação de Espetáculo de Teatro

Mais Uma Grande Besteira – Grupo As 10 Graças (Fortaleza)

Dia 26 – Sábado

Local: Praça

Horário: 19h

IGAROI

Stencil – O mundo mais vivo

Ministrado: Sherlânio Martins (Palestina)

Dia 5 – Sábado

Horário: 14h

Local: Igreja de Igaroi

Técnica Vocal e Composição Musical

Ministrado: Bruno Kaos (Icó)

Dias 18 e 19 – Sexta e Sábado

Horário: 8h às 17h

Local: Igreja – São Luiz Gonzaga – Sítio São Romão

Stencil – O mundo mais vivo

Ministrado: Sherlânio Martins (Palestina)

Dia 26 – Sábado

Horário: 14h

Local: Igreja – São Luiz Gonzaga – Sítio São Romão

ORÓS

Oficina de Fotografia

Ministrado: Mateus Leandro (Icó)

Dia 4 – Sexta

Horário: 8h

Local: Centro Social de Orós – Bairro São Geraldo

Oficina de Fotografia

Ministrado: Mateus Leandro (Icó)

Dia 4 – Sexta

Horário: 14h

Local: Centro Social de Orós – Sede

Oficina de xilogravura (Noções básicas)

Ministrado: Mamedes Júnior (Orós)

Dia 11 – Sexta

Horário: 8h às 17h

Local: Centro Social de Orós – Sede

Ação Sesc Iguatu

Circuito Sesc de Incentivo à leitura – literatura Africana

Dia 24 – Quinta

Horário: 15h

Local: Centro Social de Orós – Sede

Performance: O vendedor de amor

Interpretação: João Victor (Fortaleza)

Dia 25 – Sexta

Horário: 9h

Local: Ruas

Semana de Arte com Naile Cidrao (Fortaleza)
Leitura com arte: Jogo lúdico

Local: CSO – Bairro São Geraldo
Data: de 28 a 31 – segunda à quinta
Horário: 8h

Construção de garrafas decorativas

Local: CSO – Matriz
Data: de 28 a 31- segunda à quinta
Horário: 14h

10:37 · 24.04.2018 / atualizado às 10:37 · 24.04.2018 por

Nesta segunda-feira, 23, por volta de meio-dia, uma colisão de uma moto com a traseira de um caminhão resultou na morte da dona de casa, Ana Paula Rodrigues de Lima, 37 anos. O acidente ocorreu no sítio Sobrado, no distrito de Guassussê, zona rural de Orós.

A moto era conduzida pelo filho da vítima, José Marcos Moura Rodrigues, 18 anos, estudante. Os dois foram socorridos por uma equipe do Samu para o Hospital Regional de Icó. Não houve informação sobre o estado de saúde do piloto da motocicleta, que foi retirada do local.

O motorista do caminhão, Luiz Carneiro da Silva, 52 anos, compareceu à Delegacia de Polícia Civil de Orós e relatou o fato. Ele contou que quando estacionou o caminhão no acostamento, próximo ao sítio Sobrado, pouco tempo depois, ouviu o barulho de uma batida de uma motocicleta no fundo do caminhão.

 

 

11:52 · 05.04.2018 / atualizado às 11:52 · 05.04.2018 por

O Grupo Imagens lançou em Orós o aplicativo na App Store “Escola Livre de Artes (ELA)”, com o objetivo de potencializar programação mensal das oficinas e dar visibilidade aos pontos turísticos e ao comércio da cidade de Orós. Dessa maneira, se produz uma consciência de que é fundamental investir no turismo cultural como forma de geração de renda e de empregos. Aplicativo foi criado pelos artistas, Lucas Alexandre e Willian Axex. 

Sobre o ELA

O Grupo Imagens de Teatro da cidade de Fortaleza sob a organização de Edson Cândido, que em 2018, completou 16 anos de realizações, lança, neste projeto “Escola Livre de Artes -ELA”, a implementação de um curso voltado para os eixos ligados: arte e cidadania.

O programa fomenta a realização de oficinas para os diversos públicos, simultaneamente, de quinta à domingos em todos os espaços públicos na cidade de Orós e Zona Rural. Atividades como teatro, dança, cinema, artes visuais, políticas, públicas etc. Atividades de ocupações nas residências dos moradores, quintal, alpendre, praças, igrejas, calçadas, escolas públicas etc.

São oficinas livres, abertas para todas idades com duração de seis meses. Nossa parceria, exclusiva, no interior é a ONG Realeza Nordestina que há mais de sete anos fomenta arte para crianças e adolescentes no distrito do Santarém.