Busca

Tag: vereadores


13:58 · 12.01.2018 / atualizado às 13:58 · 12.01.2018 por

 

O Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE), por meio da Promotoria de Justiça do Juizado Especial Cível e Criminal de Crateús, ajuizou ação civil pública por ato de improbidade administrativa contra os vereadores Antônio Márcio Cavalcante Soares e Manoel Conegundes Soares, atual presidente da Câmara Municipal de Crateús, por fraudes de licitações entre os anos de 2008 e 2011 em certames que tiveram por objetivo contratar empresa para prestação de serviços especializados na área de Publicidade e Propaganda, junto à Casa Legislativa do Município.

Além deles, são réus na ação José de Melo Neto, Edigar Rodrigues de Sousa, Francisco Arnaldo Silva Loiola, Marcelo Vieira Chaves e as empresas M. Vieira Chaves – ME, Marcelo Vieira Chaves – ME e Rádio Vale do Rio Poty LTDA. Ao todo, teriam sido desviados R$ 482.940,00.

Na petição inicial, o promotor de Justiça Lázaro Trindade de Santana apresenta diversos fatos constatados em Inquérito Civil Público instaurado para investigar denúncia de desvio de dinheiro público nas contratações de serviços de divulgação e publicidade dos atos da Câmara Municipal de Crateús envolvendo os ex-presidentes da Casa Antônio Márcio Cavalcante Soares e Manoel Conegundes Soares.

De acordo com as investigações, a partir de 2008, a empresa M. V. Chaves – ME passou a participar das licitações promovidas pela Câmara Municipal de Crateús, na época sob a presidência do ex-vereador Antônio Márcio Cavalcante Soares, para prestação de serviços especializados na área de Publicidade e Propaganda, com valor de R$ 11.920,00 mensais.

No processo licitatório de 2008, a proposta apresentada é da empresa M. V. Chaves, vencedora do certame, mas a empresa contratada foi Marcelo Vieira Chaves-ME, que, apesar de terem o mesmo sócio-proprietário, têm CNPJ diferentes. Em 2009 a empresa foi novamente contrata através de uma modalidade indevida de licitação e, em 2010, o então presidente da Câmara Municipal de Crateús, Antônio Márcio Cavalcante Soares, “sob seu alvedrio prorrogou, sem justificativa, ou qualquer excepcionalidade que a justificasse, o contrato com a empresa M. V. Chaves – ME”.

No exercício 2011, o então presidente da Câmara Municipal de Crateús, Manoel Conegundes Soares, também era gerente da Rádio Vale do Rio Poty, paga pela M. V. Chaves – ME que, naquele ano, foi mais uma vez, vencedora de licitação autorizada pelo presidente da Casa Legislativa.

Além das irregularidades nas licitações, nunca houve prestação de contas que comprovasse que os serviços foram fornecidos à administração pública municipal e o presidente da Câmara em 2011, Manoel Conegundes Soares, ocupava, simultaneamente, o cargo de gerente geral da empresa Rádio Vale do Rio Poty, da qual recebia remuneração de R$ 3.815,10, violando a Lei Orgânica do Município.

Também são réus na ação José de Melo Neto (presidente da Comissão de Licitações no exercício de 2008), Edigar Rodrigues de Sousa (presidente da Comissão de Licitações no exercício de 2009) e o pregoeiro no exercício 2011, Francisco Arnaldo Silva Loiola e o radialista, Marcelo Vieira Chaves.

O membro do MPCE requer que sejam aplicadas as sanções previstas na Lei de Improbidade Administrativa: ressarcimento integral do dano; perda dos bens ou valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio, se concorrer esta circunstância; perda da função pública; suspensão dos direitos políticos pelo período de cinco a oito anos; pagamento de multa de natureza civil de até duas vezes o valor do dano; e proibição de contratar com o Poder Público, receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de cinco anos.

O blog não conseguiu contato com os apontados de irregularidades em licitações pelo Ministério Público e está à disposição para esclarecimentos.

 

19:00 · 20.12.2017 / atualizado às 19:01 · 20.12.2017 por

Diretores dos Sindicatos dos Professores de Iguatu apresentaram em  sessão da Câmara Municipal de Iguatu reivindicações da categoria, após ato de paralisação na quarta-feira da semana passada. A presidente da entidade, Edhe Vieira, falou sobre o descongelamento do anuênio, atraso dos vencimentos, manutenção dos direitos dos professores readaptados, melhorias de condições de trabalho nas escolas, e transparência na aplicação dos recursos do FUNDEB. “Nós já reunimos a s categoria por várias vezes. E ela não está satisfeita com que está acontecendo no momento”.

O presidente Mário Rodrigues (PDT) apresentou um documento que pontua queda de matriculados na rede municipal no final de 2016, que prejudicou recebimento de recursos estaduais e federais. “Iguatu tinha 2.888 alunos no programa de tempo integral, mas no fim do ano passado, o senso apontou 168 alunos e vamos convocar a ex-secretária para dar explicações”, afirmou.

Líder de oposição Lindovan Oliveira (PSD) além de mostrar apoio à causa da categoria ressaltou que Iguatu nunca possuiu o programa de ensino integral. “No município nunca teve tempo integral. E sim jornada ampliada. A diferença não é só na nomenclatura e sim na diferença de recursos aplicados”, esclareceu.

Outra paralisação 

Na sexta-feira, dia 15, ocorreu a paralisação geral dos servidores públicos municipais de Iguatu. A decisão foi tomada durante assembleia realizadas pelo Sindicato dos Servidores Públicos Municipais (SPUMI) e pelo Sindicato dos Professores, que estão mobilizados para envolver outras entidades sindicais.

 

19:18 · 07.12.2017 / atualizado às 19:28 · 07.12.2017 por

 

A Câmara Municipal de Orós aprovou nesta quinta-feira, 7, projeto de indicação de emenda à lei municipal nº037/15, alterando inciso V do artigo 4º com várias alíneas sobre temáticas ligadas à Educação, formação de crianças e adolescentes, material didático sobre ideologia de gênero, pornografia, por iniciativa da vereadora, Mara Cibely da Silva Pinheiro. 

Segundo o texto aprovado, ‘Considera-se pornográfico ou obsceno áudio, vídeo, imagem, desenho, ou texto escrito ou lido cujo conteúdo descreva ou contenha palavrões, imagem erótica ou de órgãos genitais, de relação sexual ou de ato libidinoso’.

A emenda prevê também que a apresentação científico-biológica de informações sobre o ser humano e seu sistema reprodutivo é permitido respeitada a idade apropriada’, mas não define essa idade.

Audiência polêmica 

Na terça-feira passada houve audiência pública para discutir a proposta apresentada pela parlamentar. A reunião foi marcada por momentos de tensão e segundo alguns participantes houve baixaria, discriminação e agressão por apresentação de um cartaz contra o movimento LGBT, além da impossibilidade de algumas pessoas se manifestarem.

As pessoas contrárias ao projeto de lei criticaram a falta de uma discussão mais ampla sobre a proposta e o horário de realização da audiência pública que impediu maior participação popular.

O professor César Carvalho disse que o projeto ‘apresenta cunho religioso-evangélico, sem embasamento científico, discussão por parte de pedagogos e psicólogos’. Para ele, houve manifestação preconceituosa de homofobia.

O enfermeiro e professor, David Moreira observou que o projeto seria uma cópia de um projeto apresentado no Legislativo da cidade de Crato, onde foi aprovado, e de Icó, onde está em discussão nas comissões técnicas. “Queríamos uma discussão mais ampla”, pontuou. “Esse projeto fere direitos sociais, vai na contramão de políticas públicas federais de assistência social e de Educação”.

A advogada Fátima Silva, da Comissão de Direitos Humanos da Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil, na região Centro-Sul, disse que iria registrar um Boletim de Ocorrência e ingressar com procedimento judicial por ação de preconceito e discriminação durante a audiência pública. Informou ainda que o projeto de lei seria inconstitucional. “Vamos arguir a inconstitucionalidade dessa lei, pois não é competência do município legislar sobre matéria que envolve crianças e jovens. “O que a Câmara decidiu e como decidiu foi inaceitável”.

O padre José Ricardo Ferreira que participou da audiência pública lamentou o desfecho da reunião e os momentos de tensão que ocorreram durante os debates. “Fui mal interpretado”, frisou. “Os ânimos estavam acirrados e pedi amor, concórdia, reconciliação”.

O sacerdote disse que a temática da ‘Infância sem pornografia’, a ideologia de gênero e polêmicas com movimentos LGBT são questões complexas que precisam ter um debate sereno e mais aprofundado. “Temos que amadurecer essas questões e não criar preconceitos”, afirmou. “Infelizmente, os professores que seriam os mais interessados não compareceram”.

O estudante Márcio Costa lembrou que livros de Ciências para alunos da 4ª série do ensino fundamental trata da questão dos órgãos de reprodução humana, mostra ilustrações. “Isso é errado? Isso é pornografia?”, questionou. “Esses temas biológicos, de anatomia humana estão presentes ao longo do ensino fundamental II”.

No fim da tarde desta quinta-feira, 7, o Blog ligou para a Câmara Municipal de Orós (3584.1480) mas não conseguiu contato.

 

 

 

20:23 · 21.11.2017 / atualizado às 20:23 · 21.11.2017 por

 

Audiência discutiu temas ligados à violência praticada contra a mulher. Delegada de Defesa e proteção da Mulher em Iguatu, Monique Teixeira, e bancada. Foto de Honório Barbosa

A violência praticada contra a mulher foi tema de audiência pública realizada na Câmara Municipal de Iguatu nesta terça-feira, 21. A reunião faz parte da mobilização nacional que prevê 16 dias de ativismo e atendeu a uma solicitação do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher (CMDM).

No próximo 25 de novembro, será comemorado o Dia Internacional de Não-Violência contra a Mulher, instituído em 1999, pela Organização das Nações Unidas (ONU). Em Iguatu, haverá mobilização na Praça Gonçalves de Carvalho (Caixa Econômica).

As participantes do evento defenderam a criação de uma secretaria municipal da mulher ou de uma coordenadoria de políticas públicas ligadas à luta de valorização e proteção da mulher, a criação de um juizado especializado e o funcionamento aos fins de semana da Delegacia de Proteção e Defesa da Mulher.  

A presidente do CMDM, Francisca Saraiva, destacou a importância da audiência pública para sensibilizar autoridades locais e a população sobre a importância da mobilização. “Lutamos por igualdade, contra os preconceitos e incompreensões e queremos chamar a atenção da sociedade para esse grave problema que é a violência praticada contra a mulher”, pontuou.

Os dados mostram um crescimento de atos de violência. Observe:

Em 2016 – Inquéritos policiais foram 60; boletim de ocorrência, 373;

Em 2017 – Inquéritos policiais foram 121; boletim de ocorrência 387.

A psicóloga, Jéssica Queiroga, destacou o funcionamento do Centro de Referência da Mulher. “Está equipado e temos uma equipe completa de trabalho”, frisou.

A professora do curso de Direito da Universidade Regional do Cariri (Urca), Unidade de Ensino de Iguatu, Iasmine Saraiva, destacou a importância de criação de uma Casa Abrigo. “A mulher que é vítima de violência no lar, do companheiro, marido, não tem para onde ir e precisa de um abrigo provisório”, defendeu.

Iasmine Saraiva mostrou que em 2015 houve registro de 18% de casos de violência contra a mulher no Brasil e em 2017, saltou para 29%.

O padre Anastácio Ferreira trouxe um olhar bíblico e cristão para a questão da necessidade do respeito, da igualdade entre homens e mulheres e pediu a luta de todos contra formas de degradação da mulher. “O agressor destrata, elimina a auto-estima, deixa a mulher inferiorizada, e lamentavelmente existem muitos casos de violência nos lares”. O sacerdote afirmou e tirou aplausos da plateia: “lugar de mulher é onde ela quiser”. 

A delegada de Proteção e Defesa da Mulher, Monique Teixeira, defendeu a necessidade de construção de novos valores na sociedade. “O problema da violência contra a mulher é sério e diz respeitos a todos nós”, pontuou. A secretária de Ação Social, Eliane Braz, destacou as ações da administração no apoio ao funcionamento das instituições e equipamentos sociais  ligados à proteção e promoção da mulher.

O presidente da Câmara, Mário Rodrigues, destacou a importância do debate e as reivindicações apresentadas durante a audiência. “Foi um debate enriquecedor e creio que algumas das propostas podem ser implementadas”, disse.

09:40 · 05.11.2017 / atualizado às 09:40 · 05.11.2017 por

  

      A Câmara de Vereadores de Iguatu (CMI) aprovou o projeto que regulamenta e cria os adicionais de insalubridade dos servidores públicos efetivos. O projeto tinha levantado inúmeras discussões sobre as categorias que foram incluídas pela Prefeitura e os percentuais previstos desde o ano passado.

        A matéria foi votada em segunda votação e define os índices de 15%, 10% e 5% sob o valor dos vencimentos, aos servidores municipais que trabalham em áreas consideradas insalubres, em contato permanente e/ou habitual com substancia tóxica, radioativa ou com risco de vida.

       O líder de oposição Lindovan Oliveira (PSD) lamentou o fato de que as categorias não aceitaram os índices de 20%, 10% e 5%, quando da discussão do projeto no ano passado. “Desde 2015 que este projeto está na casa e os servidores deixaram de receber percentuais maior, acredito eu, por pura politicagem de parte de movimentos sindicais que os representavam na época”, ressaltou.

       A mensagem do Executivo que dispõe sobre o regimento jurídico dos servidos das autarquias e fundações municipais também foi aprovada em segunda e última votação. 

21:28 · 17.10.2017 / atualizado às 21:28 · 17.10.2017 por

O Ministério Público da Comarca de Cedro, na região Centro-Sul cearense, por meio de recomendação assinada no último dia 10 de outubro pelo promotor de Justiça, Leydomar Nunes Pereira, concedeu prazo de dez dias para que o presidente da Câmara Municipal, Antonio Hélio Diniz Bezerra, proceda exoneração de servidores ocupantes de cargo comissionado no Legislativo com parentesco em até terceiro grau do prefeito, vice-prefeito, vereadores e do próprio gestor do legislativo municipal.

A promotoria de Justiça solicita também no prazo de dez dias a contar da data de recebimento da recomendação o envio da lista de todos os servidores com função gratificada em cargo de comissão. 

O objetivo do Ministério Público é evitar a ocorrência de casos de nepotismo no Legislativo e no Executivo.

A recomendação do promotor de Justiça, Leydomar Nunes, prevê que o presidente do legislativo de Cedro se abstenha de permitir o provimento por via de nomeação ou contratação de cargos públicos municipais em comissão ou função gratificada disponível em toda a estrutura do Legislativo e do Executivo por pessoas que ostentem a condição de cônjuge, companheiro e parentesco até o terceiro grau com o presidente da Câmara, do prefeito, vice-prefeito e vereadores.

Em caso de descumprimento, o promotor disse que irá ajuizar ação civil pública visando à exoneração de servidores na condição de nepotismo.

Caso de nepotismo foram denunciados por vereadores da bancada de oposição que identificaram dois sobrinhos do gestor municipal ocupando cargo em comissão.

 

10:18 · 02.10.2017 / atualizado às 10:18 · 02.10.2017 por

 

Os vereadores de Iguatu voltaram a discutir proposta de atualização e alteração do Código Tributário do Município. A discussão sobre as novas regras do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN)  ganhou parte dos debates da casa.

O ISSQN  é oriundo das compras com cartões de débito e crédito, leasing, planos de saúde, entre outros, e será cobrado a partir de agora no local em que foi prestado o serviço e não mais na sede administrativa da operadora do sistema.

De acordo com o presidente da Câmara, Mário Rodrigues, a não aprovação da alteração poderia penalizar o gestor a ser enquadrado por crime tributário ao infringir a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), renunciando à receita além da impossibilidade de arrecadação. “Para que entre em vigor, cada cidade precisa criar e aprovar uma nova lei municipal, para regulamentar a cobrança do novo imposto, de forma que ela comece a valer já a partir de 1º de janeiro de 2018. Numa conta rápida o município deixaria de arrecada mais de R$ 300 mil mensais caso a pauta não fosse aprovada”, ressaltou.

Respeito ao regimento

Lindovan Oliveira (PSD) votou desfavorável com a bancada de oposição, justificando que a matéria não tramitou na Casa como determina o regimento interno. “Não votarei às escuras um projeto que demorou a chegar às nossas mãos. Não é por politicagem. Só faço questão que o regimento seja respeitado”, afirmou.

Jeferson Carvalho, auditor fiscal do município, convidado para explanar sobre a mensagem, afirmou que o projeto não trata de criação de impostos e tampouco tributos e sim a um ajustamento a uma legislação federal. “O mapa tributário está concentrado mais no Sul e Sudeste. A nova lei de cobrança do ISS, aprovada pelo Congresso Nacional, em agosto e promulgada pelo presidente Michel Temer, promove justiça tributária e traz arrecadação extra para os municípios. Não é um projeto de uma taxa de arrecadação e sim adequação”, explicou o servidor.

A matéria foi aprovada somente com os votos da ala situacionista. Também foram votados decretos legislativos para concessão de títulos de cidadão iguatuense a José Barros Olinda, João Heleno Sacramento, Camilo Santana, Villar Buterflay, Jeová Fernandes (post-mortem) e Efigênia Cabral.

Aprovação
A Câmara municipal de Iguatu aprovou projeto que reconhece como utilidade pública municipal o Rotary Club de Iguatu. O projeto de autoria do presidente da casa Mário Rodrigues passou de forma unânime. “Como rotariano e vereador, fico feliz em poder trazer essa matéria a casa e ter a subscrição de grande parte dos colegas. Esse projeto contribuirá para os projetos da entidade como banco de fraldas geriátricas que impacta a vida e leva dignidade a mais de 50 famílias carentes da cidade”, pontuou.

Diárias

Com a presença da categoria interessada, formada por motoristas da assistência social, foi aprovada a mensagem que fixa as diárias e ajuda de custo por deslocamento. A lei determina que diárias sejam concedidas aos profissionais que se deslocam num raio de 100km de Iguatu. Antônio Baixinho (PSB) parabenizou os motoristas ressaltando a luta dos servidores da assistência. “Desde janeiro que essa categoria vinha sendo penalizada. Eles tiravam muitas vezes do bolso pra fazer uma viagem daqui ao Cariri. Isso é vitória deles e mais do que merecida”, pontou.

O vereador Ronald Bezerra (PSDB), líder do prefeito no Legislativo, ressaltou o diálogo do gestor com os profissionais. “Mostra que temos um gestor que dialoga com as categorias, estuda a melhor forma de incentivar o profissional, está disposto a discutir demandas. A boa vontade dele possibilita a vinda de projetos dessa natureza”, disse.

07:04 · 26.09.2017 / atualizado às 21:18 · 25.09.2017 por

 

Vereadores de Iguatu aprovaram por unanimidade projetos de incentivo aos profissionais das áreas de saúde e aos servidores do setor de Tributação da Prefeitura.

Por lei, será agregado aos vencimentos a Gratificação de Preceptoria aos profissionais de saúde de residência médica ou programas de reincidência multidisciplinar.

Os vereadores também aprovaram a concessão de bonificação aos fiscais do setor de Tributação. O chefe do setor de Arrecadação do município, João Torres, acompanhou a votação e ressaltou a articulação com o gestor municipal para assegurar o percentual nos vencimentos de três categorias que desde 2013 apresentavam reivindicação de gratificações.

“Aqueles que exercem os cargos de auditor, coordenador e atendimento não eram contemplados com o incentivo, mas agora com a aprovação do projeto de lei, as demandas dos servidores foram atendidas”, explicou Torres.

Diego Felipe (PHS), vice-presidente do Legislativo, ressaltou a política de valorização do servidor. “Há uma preocupação da administração municipal de receber o servidor para conversar e negociar as demandas”, frisou. “Um profissional satisfeito só tende a resultar numa melhor oferta do serviço público”.

Vicente Reinaldo (PP) pontuou a política de desburocratização da secretaria de Finanças em oferecer a regularização dos créditos tributários resultantes de débitos vencidos de pessoas físicas e jurídicas relativos a exercícios fiscais anteriores a 2017. “É perceptível o andamento dos serviços do local, a nova forma de atendimento de um ano pra cá, é sentida pelo usuário. Só fez melhor”, disse.

Certidão Negativa

Ainda com objetivo de facilitar a vida do contribuinte, um decreto municipal facilitou a concessão de inscrição e alvará; de expedições de certidões negativas de débitos; e modelos de requerimentos administrativos para Processos Administrativos Tributários no âmbito de Iguatu. Todos os documentos podem ser acessados via internet, no site da Prefeitura de Iguatu.

06:59 · 26.09.2017 / atualizado às 21:03 · 25.09.2017 por

 

Músico Jeová Fernandes

A Câmara de Vereadores de Iguatu discute projeto de caráter indicativo para instalação de um monumento em homenagem ao sanfoneiro Jeová Fernandes. O músico era cego. A iniciativa é vereador Diego Felipe (PHS) que sugere a instalação de um busto e a realização de uma programação cultural no bairro 7 de Setembro, onde o músico passou grande parte da vida.

Jeová Fernandes morreu neste mês com deficiência hepática. O parlamentar sugere programação cultural a cada mês de setembro em homenagem ao músico.

Inicialmente, a proposta será discutida nas comissões para deliberação em duas votações. O autor da proposta acredita que a matéria passará sem restrições. “Já conversei com os colegas e eles demostraram abertos e simpáticos à proposta. Acredito que pela figura do homenageado o projeto terá unanimidade quando votado”, afirmou o também vice-presidente da Câmara, Diego Felipe.

Por ser de caráter indicativo, o poder Executivo não tem a obrigação de executar a proposta, mas o vice-presidente disse que já intermedeia a idealização do projeto junto à administração. “Já conversamos com a secretária de Cultura e vamos levar essa proposta ao prefeito Ednaldo Lavor, que acredito concordar com a ideia”, pontuou.

A construção do busto deverá ser na Praça da Bíblia no Bairro 7 de setembro. “Seria importante eternizarmos a figura do Jeová em local visível para que os cidadãos, crianças e visitantes saibam a importância do sanfoneiro no fortalecimento da cultura regional”, disse. O vereador recomenda ainda a realização de programação comemorativa, com músicos da região, objetivando prestar homenagem ao ícone, com socialização de sanfoneiros, repentistas, leituras de cordéis, danças e biografia cantada.

Vereador Diego Felipe

Título de Cidadão e “Lei Jeová Fernandes”

Outras duas propostas  tendo como referência a figura do sanfoneiro tramitam na Câmara. O presidente da Casa, Mário Rodrigues (PDT), indicou o Titulo de Cidadão Iguatuense pós-morte a Jeová e o vereador Bandeira Junior (PMDB) apresentou proposta indicativa que isenta os moradores da cidade portadores de deficiência física em até 25% nas contas de água e luz. O peemedebista batizou a matéria de ‘Lei Jeová Fernandes’.

Saiba mais

Jeová Fernandes, era deficiente visual e sanfoneiro, faleceu no último, 10, e é tratado no meio artístico como um dos maiores expoentes da musicalidade regional. O sanfoneiro tinha 61 anos de idade e faleceu vítima de insuficiência hepática, quando fazia tratamento e estava internado no Hospital Regional de Iguatu.

A doença foi diagnosticada no início deste ano, mesmo na fila de espera para um transplante de fígado, teve o estado de saúde agravado não resistindo.

Autodidata, Jeová aprendeu tocar sanfona ainda jovem, aos 10 anos de idade, quando recebeu de presente um instrumento do pai. Nem mesmo a cegueira provocada ainda quando criança, as sete anos, o impediu de aprender o instrumento e se tornar um dos músicos mais respeitados da região. Natural da cidade de Jucás, chegou a Iguatu no final dos anos 1970, adotando a Terra da Telha como sua morada definitiva. Aqui conquistou fama, fez sucesso e muitos amigos.

09:44 · 08.07.2017 / atualizado às 09:44 · 08.07.2017 por


Nesta semana, foi realizada a última sessão da Câmara de Municipal de Iguatu (CMI) antes do recesso parlamentar. Em caráter extraordinário foram colocados em votação sete projetos, deliberados em meio a discussões entre as bancadas oposicionistas e situacionistas do parlamento.

Sem grandes polêmicas foram votadas duas mensagens oriundas do Poder Executivo que foram aprovadas de forma unânime sobre autorização para abertura de crédito adicional especial.

Os discursos acalorados entre os vereadores ocorreram na Ordem do dia. As discussões mais incisivas se deram no decorrer da votação de quatro propostas para nomenclaturas de logradouros públicos, apresentadas pelos vereadores Lindovan Oliveira (PSD) e Louro da Barra (PMDB).

As propostas foram todas rejeitadas diante das abstenções da maioria. “Foi tudo motivado por ‘picuinhas’ políticas. Não diminuiria em nada eles terem votado de forma favorável às homenagens. Saio dessa casa decepcionado”, disse Lindovan Oliveira, líder da oposição.

A bancada de situação no momento tinha como líder o vereador Vicente Reinaldo (PP) que orientou os seus colegas a se absterem da votação. Segundo ele, a decisão se deu após vários dias de negociação e acordos sem sucesso, para que os projetos fossem divididos com a sua ala.

Alguns membros do grupo de situação, como o vereador Marconi Filho (PROS), decidiram votar a fator das propostas. “Posso amanhã me arrepender, mas vi que o mais justo seria não ir contra a proposta deles, que tiveram a inteligência de se adiantarem e propor o projeto com antecedência antes que nosso grupo”, disse.

 Foi aprovada destinação de R$ 150 mil para a Associação Desportiva Iguatu (ADI), para a disputa da Taça Fares Lopes.  A pauta passou com abstenção dos vereadores de oposição que alegaram que o conteúdo da pauta estava incorreto e devido ao voto contrário de uma emenda que destinaria R$ 50 mil do valor ao futebol amador da cidade. A bancada de situação informou que as adequações seriam feitas na comissão de redação final e que ementa foi negada diante da limitação orçamentaria do valor.

Avaliação

Mário Rodrigues (PDT), presidente da CMI, avaliou o primeiro semestre de trabalhos do legislativo de forma positiva, dando destaque à conquista recente para construção de uma nova sede. “Nossa missão foi conduzir o parlamento com base em discussão que leve o bem-estar da população. Longe do debate politiqueiro que não agrega em nada. Zeramos a pauta agendada para o semestre e anunciamos a construção de um novo parlamento e contribuirá para o alívio de contrato de aluguéis da atual gestão, pois destinaremos esse local ao Poder Executivo que lotará parte de suas secretarias”, ressaltou.