Busca

Tag: arte cearense


11:15 · 07.08.2018 / atualizado às 11:15 · 07.08.2018 por

A presença constante de obras de artes de artistas cearenses em mostra de decoração, são mais que relevantes, é um importante acesso para que o grande público visitante da Mostra tenha conhecimento da produção de arte contemporânea no Ceará.

Todo evento de design e decoração conta com a importante presenta de obras de arte em seus projetos e ambientes. Na 8ª edição da Mostra 100% Design, não seria diferente. A Mostra conta com a participação e curadoria de arte da Galeria Ópera Arte Contemporânea, sob responsabilidade de Leonardo Leal, que reuniu um grande acervo com nomes renomados, e jovens revelações das artes locais, e grandes nomes nacionais, além de reunir uma mescla de trabalhos que vão de pinturas a óleo, mistas, litogravuras, cianotipias, xilogravuras, esculturas em cerâmica, entre outros trabalhos.

Durante o processo de escolha dos trabalhos, foram realizadas diversas reuniões com os arquitetos, o que propiciou uma escolha muita assertiva das obras, possibilitando uma ampla coletânea, representada por obras em diversos suportes, que vão de uma placa de Xilogravura convertida em trabalho por Francisco de Almeida, a uma porta de bagageiro de um avião gravada e pintada por Felipe Ikehara, a uma tela sobre lona de caminhão por Henrique Viudez, uma calça jeans convertida em obra por Andréa Dall’Olio.

A Mostra conta ainda com uma exposição de obras, aonde podem ser apreciadas obras de artistas como Mario Sanders com suas obras figurativas aonde os desenhos representam uma crônica visual, Azuhli e suas obras que são verdadeiras manifestações do que ela vive e pensa, a também um conjunto de trabalhos do Trama Art Group composto por Marco Ribeiro, Nivando Bezerra e Túlio Paracampos, no qual Cianotipias sofreram intervenções de recorte e colagem,  de pintura, e desenho a nanquim, e temos os delicados trabalhos de Issac Furtado, que consegui produzir obras tão pequenas que chegam a desafiar nossos sentidos. Também estão com trabalhos expostos Gerson Ipirajá, Renato Nogueira, Rodrigo Branco, Marcos Oriá e Evelyn Tannus. Todo esse acervo de artistas plásticos cearense pode ser visto na Mostra 100% DESIGN que acontece no ShoppingRioMar Fortaleza até o dia 12 de agosto, com entrada gratuita.

Pesquisa e texto: Omar de Albuquerque    Fotos: Diário do Nordeste

08:49 · 16.07.2018 / atualizado às 08:49 · 16.07.2018 por

A Mostra MORADAS é composta por fotos de ruínas de construções encontradas no sertão central cearense. Trabalhos feitos por três artistas cearenses, cada um cuidando do seu processo criativo.

Uma passagem rápida e preciosa, feito um raio que destrói e deixa construções em ruinas, foi de 2 a 6 de julho, a galeria Sem Título Arte recebeu a mostra MORADAS, uma exposição do Trama Art Group, realizada pela Ópera Arte Contemporânea. A exposição reúne trabalhos dos artistas plásticos Nivando Bezerra, Tulio Paracampos e Marco Ribeiro. Os artistas, tecem uma conversa aberta sobre tempo e improviso.  Com seus médios distintos, criam uma rotina de interferências, na qual as obras peregrinaram por seus ateliês, quase como cadernos dispostos com generosidade às rasuras, anotações e comentários.

Uma trama de criação: A base do processo é constituída e estampada no trabalho artístico de Nivando, que, por meio das imagens de casas em ruínas do sertão, instigam Marco e Túlio a possibilidades novas. O desafio já não é mais o espaço branco de uma tela ou papel, mas sim o gesto sobre a criação do outro. Agindo relativamente sobre o acaso, algo que pode ser modificado pelo próximo, o processo de cada obra é submetido ao improviso. Existe uma performance implícita. O todo da colaboração da trama como uma reforma pessoal para cada um. Nivando Bezerra propõe uma base na qual Túlio Paracampos recorta, cola e risca. Subvertendo a estrutura do possível, remonta espaços lúdicos em retalhos. Já Marco Ribeiro explora a palavra em linhas gráficas, escrevendo uma poesia visual sobre a falha, a rasura no entremeio da estrutura das construções em ruinas. Os trabalhos da mostra MORADAS, foram feitos a seis mãos dos três artistas distintos e teve a curadoria de Leonardo Leal.

Pesquisa e texto: Omar de Albuquerque   Fotos: Ópera Arte Contemporânea

 

09:53 · 08.06.2018 / atualizado às 09:53 · 08.06.2018 por

O trabalho do artista plástico Mário Sanders, traz traços refinados, que se utiliza de muita técnica em desenhos híbridos que brincam com nossa imaginação, gerando questionamentos, principalmente no que tange ao comportamento humano, seja em relação ao amor, sexo ou mesmo a violência. A construção precisa de seus trabalhos, combinada a sutileza de seus temas, nos apresentam obras instigantes ao mesmo tempo irreverentes, que fazem que mesmo temas complexos gerem reflexões profundas mais divertidas, dos mais diversos temas. As obras do artista fazem parte do acervo do Birô de arte da Ópera Arte Contemporânea.

Pesquisa e texto: Omar de Albuquerque    Fotos: Acervo do artista

10:16 · 01.06.2018 / atualizado às 10:36 · 01.06.2018 por

O painel de autoria do artista Plástico Isaac Furtado, intitulado de “As Portas da Percepção” é formado por quatro partes semelhantes a portas, com o total de 2.20/2.20m. O olhar representa o sentido mais importante, sendo a nossa percepção visual do mundo. Olhar que a cada dia temos que deixar mais aberto e atento às mudanças. Mas, sempre consciente e sereno. Diferente do livro As Portas da Percepção (The Doors of Perception), de Aldous Huxley escrito em 1954, inspirado por sua vez em uma frase de William Blake (Se as portas da percepção estivessem limpas, tudo apareceria para o homem tal como é: infinito). Com as ” Portas da Percepção ” a lucidez, a criatividade cristalina e o talento como inspiradores da arte de uma maneira consciente e pura.

Pesquisa e textos: Omar de Albuquerque   Fotos: Acervo Issac Furtado

10:07 · 06.04.2018 / atualizado às 10:07 · 06.04.2018 por

A obra “Cidade em Festa”, tríptico do artista cearense Antônio Bandeira (1922–1967), retornou à coleção do Museu de Arte da Universidade Federal do Ceará (MAUC). O painel passou por um minucioso processo de restauro, que se estendeu por oito meses. A iniciativa foi apoiada pela galeria Almeida e Dale, parceira da Federal do Ceará (UFC). A restauração foi realizada pela especialista Denise Guiglemeti e Wallace Alonso Guiglemeti. Cidade em Festa é um óleo sobre tela de 1961, que possui grandes proporções: são mais de 5 metros de largura e 2 metros de altura. O painel ganhou reforço de um tecido sintético, colado em seu verso, mantendo a transparência da assinatura do artista. O chassi de madeira foi substituído por um de alumínio, mais resistente.

Pesquisa  e texto: Omar de Albuquerque          Fotos: a4&holofote comunicação

11:21 · 14.03.2018 / atualizado às 11:21 · 14.03.2018 por

O artista Francisco de Almeida expõe e expressa todas as suas lembranças e imaginários infantis em obras em que anjos, santos, cupidos, animais, pavões, cobras e peixes e sereia estão estampados em obras surreais.

O artista plástico Francisco de Almeida brinca de Drama na sua arte fazendo uso de material herdado de sua infância no sertão do Crateús, Ceará, encenando um certo entendimento da vida e entregando-se ao riso. Seus Dramas impressos sobre o papel surgem com histórias recheadas de imaginação com personagens que parecem dançar e recitar, desafiando o próprio fazer tradicional da xilogravura e dando um conteúdo.  de manifesto em defesa da gravura.

Francisco refere-se às gráficas de cordéis que chegaram ao sertão do Cariri como uma inovação e agilidade do processo editorial da região para proporcionar a disseminação da imprensa. A xilogravura conquista o espaço da arte, liberta-se da literalidade do cordel e conquista a possibilidade de circulação. No entanto, entra em crise por meio de sua precariedade artesanal e dos ventos da industrialização. Como o universo oral de Francisco pode condensar linguagens e fazeres da arte das gravuras.

A criação das gravuras de Francisco de Almeida obedece um processo modular ao imprimir detalhe por detalhe escolhido em matrizes já entalhadas, permitindo que seus personagens reapareçam a cada nova impressão – “Fiz mais de cem asas de anjos que vou inserindo a novos corpos formando novas história. Está é uma saída que todos os gravadores podem utilizar pois parte de matrizes existentes para criar um Drama único, num processo de impressão que não é possível se repetir”, defende Francisco preocupado em ter uma saída para o que ele denomina de discriminação com a arte da gravura, muitas vezes rebaixada pelo sistema da arte estabelecido há um lugar menor.

Anjos, santos, cupidos, animais, pavões, cobras e peixes, sereia Iemanjá, velas apagadas por estrelas, assim como os painéis do Carybé e as exposições de Lina BoBardi, fazem sintetizam o que eles denominavam de nordeste do Brasil expressas em suas obras exposta na galeria Sem Título S/T.

Pesquisa, texto e fotos: Omar de Albuquerque

 

 

01:01 · 09.03.2018 / atualizado às 01:01 · 09.03.2018 por

 

A CASA Museu do objeto brasileiro abre a exposição “Entre – laçados”, que conta com o trabalho do artista plástico e tecelão cearense, Alexandre Hebert, um do destaque entre os quatro artistas participante da mostra.

 O estado do Ceará é conhecido por ser um seleiro de artistas em diversas áreas do seguimento artístico, entre os que mais se destacam, estão os artesões, universo criativo onde surge o trabalho do tecelão Alexandre Heberte. O tecelão cearense natural de Juazeiro do Norte, cidade da região sul do estado, teve contato com o tear de tapetes por um acaso da vida, no apartamento de um amigo onde estava hospedado¸ enquanto procurava trabalho na capital paulista. Nesse momento, suas lembranças de seu cotidiano infantil como as redes de pescadores de sua terra, as máquinas de costura da mãe, que por um bom tempo foi costureira, se juntaram à experiência estranha e encantadora da metrópole. Como resultado dessa mistura, Heberte começou a criar projetos onde o ato de tecer, utilizando formas simples de tear, provou-se performático e socialmente instigante. Alexandre já realizou performances, instalando seu tear no meio da rua, em bairros de São Paulo, no prédio da Bienal, por 48 ininterruptas horas, no MAC USP, dentro do projeto Rural Scapes. E no momento participa da exposição “Entre – laçados’ que acontece no A CASA Museu do objeto brasileiro. Os laços do título unem quatro criadores ao redor de uma prática milenar, que se renova e se revigora cada vez mais no contraponto de uma vida contemporânea. Na verdade, por trás das potências de um discurso do manual, a arte têxtil se sofistica continuamente, abrindo-se para novos modos de existência e misturando-se a outras formas de arte. Na exposição, Heberte mostra suas tecelagens originais, que muitas vezes utilizam materiais como fitas de antigos VHS, arames, lãs reaproveitadas, além de muitas referências do seu Cariri como sinos, molas e pequenas caixas de som. Entre os artistas participantes da mostra estão: Marta Meyer, Alexandre Heberte, Marina Godoy e Renato Dib, que criam nessa exposição uma conversa onde os verbos bordar, tecer, cortar e costurar parecem brincar, trocar de lugar entre si.

Obra do Artista Plástico Renato Dib, que também faz parte da exposição.

Pesquisa e texto: Omar de Albuquerque   Fotos: Assessoria de Imprensa A CASA Museu do objeto brasileiro

11:15 · 06.03.2018 / atualizado às 11:17 · 06.03.2018 por

O marchand de arte Newton de Castro abriu no último dia 27 de fevereiro um novo espaço de arte em Fortaleza. A galeria Menu das Arte, birô de arte que a vários anos desenvolve ações de mostras e exposições com trabalhos exclusivos de artistas plásticos cearenses. A nova galeria Menu das Artes traz um acervo com diversas obras de estilos e técnicas diferenciadas, entre fotografias, esculturas, objetos e pinturas assinados por artistas como: Célio Gurgel, Rodrigo Frota, Andrea Dallolio, Segio Helle, Rafael Camarâ e Alice Vilhena que assina a obra da foto. O novo espaço fica na rua Marcos Macedo, 655 – Aldeota.

Pesquisa, texto e fotos: Omar de Albuquerque

 

12:22 · 15.02.2018 / atualizado às 12:22 · 15.02.2018 por

Na última quarta-feira o sótão, espaço lounge do restaurante Moleskini, abriu as portas para a exposição com artistas cearense que desenvolveram trabalhos sobre a influência dos mestres abstratos expressionistas das artes alemã sobre a produção artística atual do Ceará. A exposição que fica em cartaz até o mês de abril tem obras de artistas plásticos como: Azuli, Marco Oriá, Rafael Câmara, Mario Sands entre outros. Com curadoria do marcham Newton Freitas e o selo de qualidade do birô de artes Menu das artes. A mesma mostra será exposta na Alemanha ainda nesse ano. Onde: Rua professor Dias da Rocha, 578 – Meireles.

Pesquisa, textos e fotos: Omar de Albuquerque

12:03 · 22.12.2017 / atualizado às 12:03 · 22.12.2017 por

A Artista Plástica Waleska Correia participa da exposição coletiva intitulada 4×8, onde quatro artistas apresentam cada um, oito obras inéditas. Nesta mostra, o foco principal da artista é a união das artes visuais com a música, segmentos artísticos que historicamente, sempre mantiveram um estreito relacionamento. A temática abordada são retratos de celebridades do mundo da música internacional. A artista escolheu por trabalhar neste universo representando na linguagem do pop art, renomados artistas internacionais usando a técnica de acrílica sobre tela. A exposição está em cartaz na DB galeria, rua João Brígido 915 lojas 03.

Pesquisa, texto e fotos: Omar de Albuquerque