Busca

Tag: arte contemporânea.


10:56 · 28.08.2018 / atualizado às 10:56 · 28.08.2018 por

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo, mais conhecido como Di Cavalcanti, foi um dos primeiros pintores modernistas do Brasil. Um dos idealizadores e organizadores da Semana de Arte Moderna, em São Paulo, está esse mês em exposição em Fortaleza.

A cidade de Fortaleza está sendo presenteada nessa última semana com grandes exposições ao nível de museus e galerias internacionais, como a exposição “Retratos da Alma Brasileira ” do Mestre Di Cavalcante, que estrou na semana passada na galeria Casa D’alva. A exposição traz um apanhado de importantes obras do artista plástico que junto com outros artistas como Tarsila do Amaral, idealizou e organizou a Semana de Arte Moderna de 22 no Teatro Municipal de São Paulo. Di Cavalcante estampou em suas obras os traços típicos das feições dos brasileiros, retratando negros e mulatas, a flora brasileira, assim, rompendo com formulas das escolas belas artes Europeias que ditavam regras no começo do século vinte.

Di Cavalcanti (Rio de Janeiro, 1897 – 1976) é um dos mais sólidos nomes da arte brasileira e um dos poucos artistas plástico brasileiros que tem verdadeiramente projeção internacional. Conviveu com importantes vanguardistas históricos, como Blaise Cendrars, Henri Matisse, Jean Cocteau e Pablo Picasso e suas obras podem ser encontradas em museus e coleções particulares da América Latina, Estados Unidos e Europa, sendo um dos artistas mais concorridos em leilões de todo o mundo. Foi, junto com Mário e Oswald de Andrade idealizadores da semana de arte moderna de 22.

Além da importância histórica de ter sido um dos precursores do modernismo em nosso País, foi um dos primeiros artistas a despertar para a importância do registro de cenas genuinamente brasileiras como festas populares, favelas, cenas com músicos, sambistas e as suas célebres mulatas, e esta mostra organizada pela Casa D’Alva, que resume, com obras de significativo teor estético e indiscutível personalidade, 5 séculos de sua profícua produção, deixa este legado evidente. A Arte de Di Cavalcanti apreende o mais profundo espírito da brasilidade refletindo a cara do nosso povo. Suas obras são retratos da alma brasileira. A exposição tem a curadoria de José Guedes e Roberto Galvão.

Serviço: A exposição estará aberta ao público do dia 20 de agosto a 06 de setembro de 2018 / De segunda à sexta-feira das 10 às 19 horas. Galeria Casa D’alva fica na rua João Brígido, 934 – Fortaleza -Ceará.

]

Pesquisa, textos e fotos: Omar de Albuquerque

 

11:43 · 17.08.2018 / atualizado às 12:09 · 17.08.2018 por

A cidade de Fortaleza está sendo presenteada nessa última semana com grandes exposições ao nível de museus e galerias internacionais, como a exposição “Retratos da Alma Brasileira ” do Mestre Di Cavalcante, que estreia hoje na galeria Casa D’alva. A exposição traz um apanhado de importantes obras do artista plástico que junto com outros artistas como Tarsila do Amaral, idealizou e organizou a Semana de Arte Moderna de 22 no Teatro Municipal de São Paulo. Di Cavalcante estampou em suas obras os traços típicos das feições dos brasileiros, retratando negros e mulatas, a flora brasileira, assim rompendo com formulas das escolas belas artes Europeias que ditavam regras no começo do século vinte.

A exposição estará aberta ao público do dia 20 de agosto a 06 de setembro de 2018 / De segunda à sexta-feira das 10 às 19 horas. Galeria Casa D’alva fica na rua João Brígido, 934 – Fortaleza -Ceará.

 

Pesquisa e texto: Omar de Albuquerque  Foto: Divulgação

11:15 · 07.08.2018 / atualizado às 11:15 · 07.08.2018 por

A presença constante de obras de artes de artistas cearenses em mostra de decoração, são mais que relevantes, é um importante acesso para que o grande público visitante da Mostra tenha conhecimento da produção de arte contemporânea no Ceará.

Todo evento de design e decoração conta com a importante presenta de obras de arte em seus projetos e ambientes. Na 8ª edição da Mostra 100% Design, não seria diferente. A Mostra conta com a participação e curadoria de arte da Galeria Ópera Arte Contemporânea, sob responsabilidade de Leonardo Leal, que reuniu um grande acervo com nomes renomados, e jovens revelações das artes locais, e grandes nomes nacionais, além de reunir uma mescla de trabalhos que vão de pinturas a óleo, mistas, litogravuras, cianotipias, xilogravuras, esculturas em cerâmica, entre outros trabalhos.

Durante o processo de escolha dos trabalhos, foram realizadas diversas reuniões com os arquitetos, o que propiciou uma escolha muita assertiva das obras, possibilitando uma ampla coletânea, representada por obras em diversos suportes, que vão de uma placa de Xilogravura convertida em trabalho por Francisco de Almeida, a uma porta de bagageiro de um avião gravada e pintada por Felipe Ikehara, a uma tela sobre lona de caminhão por Henrique Viudez, uma calça jeans convertida em obra por Andréa Dall’Olio.

A Mostra conta ainda com uma exposição de obras, aonde podem ser apreciadas obras de artistas como Mario Sanders com suas obras figurativas aonde os desenhos representam uma crônica visual, Azuhli e suas obras que são verdadeiras manifestações do que ela vive e pensa, a também um conjunto de trabalhos do Trama Art Group composto por Marco Ribeiro, Nivando Bezerra e Túlio Paracampos, no qual Cianotipias sofreram intervenções de recorte e colagem,  de pintura, e desenho a nanquim, e temos os delicados trabalhos de Issac Furtado, que consegui produzir obras tão pequenas que chegam a desafiar nossos sentidos. Também estão com trabalhos expostos Gerson Ipirajá, Renato Nogueira, Rodrigo Branco, Marcos Oriá e Evelyn Tannus. Todo esse acervo de artistas plásticos cearense pode ser visto na Mostra 100% DESIGN que acontece no ShoppingRioMar Fortaleza até o dia 12 de agosto, com entrada gratuita.

Pesquisa e texto: Omar de Albuquerque    Fotos: Diário do Nordeste

08:49 · 16.07.2018 / atualizado às 08:49 · 16.07.2018 por

A Mostra MORADAS é composta por fotos de ruínas de construções encontradas no sertão central cearense. Trabalhos feitos por três artistas cearenses, cada um cuidando do seu processo criativo.

Uma passagem rápida e preciosa, feito um raio que destrói e deixa construções em ruinas, foi de 2 a 6 de julho, a galeria Sem Título Arte recebeu a mostra MORADAS, uma exposição do Trama Art Group, realizada pela Ópera Arte Contemporânea. A exposição reúne trabalhos dos artistas plásticos Nivando Bezerra, Tulio Paracampos e Marco Ribeiro. Os artistas, tecem uma conversa aberta sobre tempo e improviso.  Com seus médios distintos, criam uma rotina de interferências, na qual as obras peregrinaram por seus ateliês, quase como cadernos dispostos com generosidade às rasuras, anotações e comentários.

Uma trama de criação: A base do processo é constituída e estampada no trabalho artístico de Nivando, que, por meio das imagens de casas em ruínas do sertão, instigam Marco e Túlio a possibilidades novas. O desafio já não é mais o espaço branco de uma tela ou papel, mas sim o gesto sobre a criação do outro. Agindo relativamente sobre o acaso, algo que pode ser modificado pelo próximo, o processo de cada obra é submetido ao improviso. Existe uma performance implícita. O todo da colaboração da trama como uma reforma pessoal para cada um. Nivando Bezerra propõe uma base na qual Túlio Paracampos recorta, cola e risca. Subvertendo a estrutura do possível, remonta espaços lúdicos em retalhos. Já Marco Ribeiro explora a palavra em linhas gráficas, escrevendo uma poesia visual sobre a falha, a rasura no entremeio da estrutura das construções em ruinas. Os trabalhos da mostra MORADAS, foram feitos a seis mãos dos três artistas distintos e teve a curadoria de Leonardo Leal.

Pesquisa e texto: Omar de Albuquerque   Fotos: Ópera Arte Contemporânea

 

10:29 · 09.07.2018 / atualizado às 10:29 · 09.07.2018 por

Zaha Hadid utilizou a pintura como parte de seu amplo e profundo processo de criação arquitetônica desde sua época de estudante, apesar de pintar durante toda a sua carreira, nunca aceitou definir-se como artista plástica.

A arquitetura contemporânea mundial tem seus ícones do século XX e XXI, como o arquiteto brasileiro Oscar Niemeyer e a arquiteta Iraniana Zara hadid, ambos já falecidos, que nos deixou um grande legado de obras de arquitetura, design e artes plásticas. A reconhecida arquiteta, sempre em busca de propostas para o habitar moderno, realizava múltiplos estudos topográficos abstratos para propor suas obras fluidas flexíveis e expressivas evocando o dinamismo da vida urbana contemporânea.

Com o objetivo de conhecer com maior profundidade o processo criativo e o desenvolvimento de projetos profissionais de Zaha Hadid, realizamos uma seleção histórica de pinturas da arquiteta que expandem o campo de exploração arquitetônica com exercícios abstratos tridimensionais que propõem uma nova e distinta visão do mundo, através das artes plásticas, questionando as bases físicas dos projetos arquitetônicos.

As primeiras inspirações de Zaha Hadid, desde o começo de sua carreira, Zaha viu-se influenciada pelo artista plástico, pintor abstrato soviético Kazimir Malevich, o que a levou a utilizar a pintura como ferramenta de exploração para os projetos arquitetônicos. Durante os anos de 1980, antes que Zaha tivesse concretizado obras, ela passou por um período de projetos arquitetônicos teóricos, sem construções, que marcaram um precedente em sua rica e criativa carreira. Hadid inicia suas pinturas com ensaios em grande escala, explorando propostas para as formas de conexão dentro das cidades. Através das pinturas de “The Peak”, a artista propõe um marco como um ponto de descanso ante a congestão e intensidade de uma cidade totalmente urbanizada.

Pesquisa e textos: Omar de Albuquerque   Fotos: Zaha Hadid Architects

09:53 · 08.06.2018 / atualizado às 09:53 · 08.06.2018 por

O trabalho do artista plástico Mário Sanders, traz traços refinados, que se utiliza de muita técnica em desenhos híbridos que brincam com nossa imaginação, gerando questionamentos, principalmente no que tange ao comportamento humano, seja em relação ao amor, sexo ou mesmo a violência. A construção precisa de seus trabalhos, combinada a sutileza de seus temas, nos apresentam obras instigantes ao mesmo tempo irreverentes, que fazem que mesmo temas complexos gerem reflexões profundas mais divertidas, dos mais diversos temas. As obras do artista fazem parte do acervo do Birô de arte da Ópera Arte Contemporânea.

Pesquisa e texto: Omar de Albuquerque    Fotos: Acervo do artista

10:16 · 01.06.2018 / atualizado às 10:36 · 01.06.2018 por

O painel de autoria do artista Plástico Isaac Furtado, intitulado de “As Portas da Percepção” é formado por quatro partes semelhantes a portas, com o total de 2.20/2.20m. O olhar representa o sentido mais importante, sendo a nossa percepção visual do mundo. Olhar que a cada dia temos que deixar mais aberto e atento às mudanças. Mas, sempre consciente e sereno. Diferente do livro As Portas da Percepção (The Doors of Perception), de Aldous Huxley escrito em 1954, inspirado por sua vez em uma frase de William Blake (Se as portas da percepção estivessem limpas, tudo apareceria para o homem tal como é: infinito). Com as ” Portas da Percepção ” a lucidez, a criatividade cristalina e o talento como inspiradores da arte de uma maneira consciente e pura.

Pesquisa e textos: Omar de Albuquerque   Fotos: Acervo Issac Furtado

00:16 · 22.05.2018 / atualizado às 00:16 · 22.05.2018 por

O Studio Pharus, sediado em São Paulo, representará a América Latina na Venice Design 2018, que integra a Bienal de Arquitetura de Veneza, a ser realizada entre 26 de maio e 25 de novembro. A dupla de criativos Marcio Mota e Cris Inoue, à frente do escritório, levará ao maior evento de design e arquitetura do mundo a instalação interativa “Weightless Architecture” – uma provocação sobre o diálogo entre o corpo e o espaço na arquitetura a partir de um experimento com o ar. Marcio e Cris integram um grupo de 50 criadores internacionais, de 30 países diferentes, convidados a apresentar seus processos no icônico Palazzo Michie.

Pesquisa e texto: Omar de Albuquerque   Fotos: Assessoria de impressa

10:13 · 15.05.2018 / atualizado às 10:13 · 15.05.2018 por

A Altreforme, comemora seus dez anos, lançando a coleção Raw & Rainbow, são objetos criados por designers famosos que resultou em objetos heterogêneos, ricos em detalhes e ao mesmo tempo lúdicos, nas suas formas e cores.

Altreforme, a marca italiana de design reconhecida pela produção de móveis e acessórios de alumínio com alma pop e original, começou as comemorações dos seus dez anos com o projeto Raw & Rainbow, apresentado durante a Milan Design Week 2018 na Rossana Orlandi Gallery.  Raw & Rainbow é uma coleção de dez esculturas em uma edição limitada criada pelos designers Antonio Aricò, Serena Confalonieri, Marcantonio, Alessandro Zambelli e Zanellato  Bortotto.  Bortotto, convidados a contar a história da marca, mostrando – por meio de dois objetos representativos, os mais significativos elementos do seu DNA: o uso de alumínio- material que torna a produção da empresa única, e um design lúdico, colorido e divertido.

Assim, cinco objetos aprimoram a alma, favorecendo o uso cru e puro do alumínio, enquanto cinco objetos “Rainbow” destacam o uso da cor característica, que permite a transformação de um material que normalmente é uniformemente cinza. O resultado é uma coleção heterogênea em que cada objeto revela seu próprio caráter distinto: personalidades inesperadas e irônicas em um jogo contínuo de dicotomias e referências cruzadas.

O designer Antônio Aricò inspirou-se no mundo animal, apresentando Pavone (pavão) e Gallo (galo): o primeiro, vaidoso e sofisticado, encanta e seduz com o brilho elegante do alumínio dourado e prateado, enquanto o segundo parece ser um hino para alegria, espalhando suas lindas penas multicoloridas para o sol. O designer design Marcantonio retratou o fascínio pelo mundo natural em todas as suas expressões representa o ponto de partida para Marcantonio, também nesta ocasião: a escultura Alla Terra (To Earth) celebra a fonte da vida com raízes materiais dourados que parecem vir do coração de uma terra ancestral, enquanto Dalla Terra (Da Terra) mostra toda a sua vitalidade e beleza, como uma elegante flor desabrochando.

Pesquisa e textos: Omar de Albuquerque   Fotos: Divulgação

10:20 · 11.04.2018 / atualizado às 10:20 · 11.04.2018 por

A Lumi, luminária desenvolvida pela artista plástica Vivian Chachamovitz para a AMI Ateliê, é muito especial. Sabe por que? Foi produzida uma a uma no torno em argila tabaco, que tem esse aspecto mais rústico pontilhado. Passou pelo processo de esmaltação e foi queimada em alta temperatura, o que proporciona maior durabilidade à peça. Além de tudo, tem um interruptor acoplado à peça, o que é mais prático. Ideal para ser acompanhada de uma lâmpada de Filamento de Carbono. Um charme para decorar e iluminar aquele cantinho especial da casa. Pode ser produzida nas cores verde ou laranja. (www.amiatelie.com.br).

Pesquisa e textos: Omar de Albuquerque    Fotos: V – M Comunicação