Busca

Tag: Walter Lara


20:26 · 21.11.2013 / atualizado às 12:58 · 25.11.2013 por

Nos contos de fadas, as princesas e seus heróis sempre tem que passar por um grande obstáculo. E como são esses casais? As princesas loiras, de longos cabelos lisos, com olhos verdes ou azuis. Ou, no máximo com os cabelos castanhos, porém alva como a neve, assim como os homens da história. Sim, mas todas as crianças são desse jeito? Não. Nossos príncipes e princesas, principalmente no Brasil, tem cabelos crespos, de cachinhos, são morenos, negros, orientais, índios

É muito legal e enriquecedor conhecer mais sobre a cultura africana, que faz parte da nossa brasilidade. Para valorizar as lendas da mãe África, as Edições Mazza lançaram os livros “Joãozinho e Maria” e “Rapunzel e o Quibungo”. Os dois são adaptações de Cristina Agostinho e Ronaldo Simões Coelho, com ilustrações de Walter Lara.

Em ambos, o cenário das histórias é o Brasil. No clássico Joãozinho  e Maria, os dois irmãos moram em Minas Gerais e tem como frutas preferidas as goiabas e jabuticabas. No livro, também são citados pássaros da nossa fauna: maritacas, tucanos, periquitos, saracuras, juritis. Na Rapunzel e o Quibungo,  a menina Rapunzel nasce na Bahia e ela adora brincar na lagoa do Abaeté. Ficaram sem entender o que é o Quibungo? Pois o dicionário de folclore nos diz que ele é um bicho meio homem, meio animal, tendo uma cabeça muito grande e também um buraco no meio das costas, que se abre quando ele abaixa a cabeça e se fecha quando levanta. Engole as crianças abaixando a cabeça, abrindo o buraco e jogando-as para dentro. Quem salva a Rapunzel desse bicho feio é o Dakarai, um menino muito valente e destemido. Querem ver um pouco das ilustrações de Walter Lara? Essas são do livro Joãozinho e Maria.

fot_693

 

fot_692

 

Essa é da Rapunzel e o Quibungo:

fot_691

 

Quer mais opções de livros interessantes para falar sobre a diversidade étnica e cultural do Brasil para as crianças? Esse link também pode ajudar: http://educarparacrescer.abril.com.br/blog/biblioteca-basica/2011/03/15/12-dicas-de-literatura-afro-brasileira-e-africana/

Serviço:

360x360_8571605882

Rapunzel e o Quibungo

Edições Mazza

Autores: Cristina Agostinho e Ronaldo Simões Coelho

Ilustrações de Walter Lara

9788571606005Joãozinho e Maria

Edições Mazza

Autores: Cristina Agostinho e Ronaldo Simões Coelho

Ilustrações: Walter Lara

 

 

22:04 · 11.09.2013 / atualizado às 22:10 · 11.09.2013 por

No mês de setembro, além do Dia da Independência e a chegada da Primavera, também se comemora o Dia do Irmão.  E tem relação mais complicada e mais legal ao mesmo tempo? Uma das histórias mais interessantes que eu li nos últimos tempos sobre esse assunto está em “Meu irmão não anda, mas pode voar”, que fala da relação linda e diferente entre dois irmãos. Tudo começa quando a personagem do livro faz sete anos e descobre que vai ganhar um irmãozinho. Para a surpresa dela, a barriga da mãe não cresce e ele não é um bebê, mas um menino mais velho que ela e cadeirante. A partir daí, os dois se divertem muito e aprendem um com o outro.

Outra história, que é bem mais clássica, mas também fala da relação entre irmãos é “Joãozinho e Maria”. Diferente da história tradicional, os irmãos são negros e moram em Minas Gerais. Na adaptação de Cristina Agostinho, Ronaldo Simões Coelho e com ilustrações de Walter Lara, os dois se perdem  em locais como o Pico das Agulhas Negras e na cachoeira Véu de Noiva, onde vão buscar juntos frutas como goiaba e jabuticaba para a madrasta malvada.

Em “Maneco e Joana”,  um menino de dois corações se encontra com uma menina que não o tem, mas em vez de coração, tem um buraco no peito. O design do livro também faz diferença porque o casal só se encontra no meio da história e cada um dos dois é mostrado de um lado, um de “cabeça para baixo” e outra “de cabeça para cima”.

Sem saber que se tratava  do neto do escritor Graciliano Ramos, comecei a ler, despretensiosamente, o livro “Se eu não me chamasse Raimundo”, de Ricardo Filho. Na história, Raimundo tem o nome do avô e passa por uma quimioterapia aos doze anos. Em vez de encarar a doença com tristeza, o menino fantasia e a história é cheia de grandes lições, por isso, prepare para embargar a voz várias vezes durante a leitura, porque o livro é realmente de emocionar. Ah, e ele ainda fala do livro infantil escrito pelo avô Graciliano, “A terra dos meninos pelados”, que tem várias semelhanças com  um hospital que trata de câncer infantil.

 

meuirMeu irmão não anda, mas pode voar

Editora: Autêntica

Texto: Angel Barcelos

Ilustrações: Manoel Veiga

 

42129635Joãozinho e Maria

Edições Mazza

Adaptação de Cristina Agostinho e Ronaldo Simões Coelho

Ilustrações: Walter Lara

manecoManeco e Joana

Editora: Geraçãozinha

Autores: Ana Reber e Fernanda Fajardo

 

ÍndiceSe eu não me chamasse Raimundo

Editora Globinho

Autor: Ricardo Filho

Ilustrações: Bruna Assis Brasil