Diário Científico

Categoria: Eventos científicos


12:45 · 25.11.2011 / atualizado às 18:38 · 25.11.2011 por
Alga do gênero Gracilaria, muito abundante no litoral do Ceará

E já que falamos na importância das algas para a história da vida na Terra, no post anterior, nada melhor que começar a sexta-feira (25) com um post sobre o cultivo de algas (ou algacultura, como queiram) como alternativa econômica para populações do presente.

Estamos falando mais precisamente do benefício que a algacultura está trazendo à comunidade costeira da Praia da Baleia, no município de Itapipoca, a cerca de 180 km de Fortaleza. Tudo começou com o projeto “Bases sustentáveis para o cultivo da alga Gracilaria como subsídio à melhoria de renda”, do Instituto de Ciências do Mar  (Labomar), da Universidade Federal do Ceará (UFC). Hoje, os produtores itapipoquenses chegam a vender o quilo da alga beneficiada por R$ 50,00 para os estados de São Paulo e Rio de Janeiro.

Coordenado pela Profª Danielle Sequeira Garcez, do Labomar; pelo Prof. Jorge Iván Sánchez Botero, do Departamento de Biologia da UFC; e pelo mestre Marcelo Tavares Torres, consultor em projetos da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e do Ministério da Pesca e Aquicultura, o projeto foi um dos oito vencedores do Prêmio Santander Universidade Solidária, entregue na última segunda-feira (21), em São Paulo.

Além do reconhecimento pela melhoria nas condições de renda e cidadania das comunidades costeiras da Baleia, os coordenadores do projeto terão à disposição mais R$ 50 mil (da premiação) para investirem na algacultura regional.  De acordo com Danielle Garcez,  “o objetivo é aumentar a produção local de algas, reduzindo a forte pressão da atividade extrativista, além de repovoar e promover o manejo sustentável dos bancos naturais de Gracilaria na localidade. Para melhoria na renda daquela comunidade, são previstos diversos cursos de capacitação”.

A algacultura no mundo

As algas estão entre os organismos mais antigos do planeta, apesar de constituirem um grupo muito heterogêneo. Alguns estudos apontam que as primeiras algas surgiram há 3 bilhões de anos.

Embora não existam dados muito precisos, devido o caráter experimental de muitos projetos, o cultivo de algas supera a marca de 4 milhões de toneladas por ano em todo o globo terrestre. Entre os principais produtores destacam-se  China, Japão, Estados Unidos e Noruega.

Mas enquanto na culinária oriental, as algas se destacam como ingrediente enriquecedor de diversos pratos, no Ocidente o uso da alga tem se expandido para áreas como a cosmética, a higiene bucal, farmacêutica, indústria de plásticos, energia e,  claro, a indústria alimentícia.

Hoje as algas, por suas propriedades gelificantes e espessantes, entram na composição de itens alimentares tão diversos quanto sorvetes, achocolatados, geleias, cervejas, mostardas, além de produtos dietéticos.

O Ceará é o quarto Estado brasileiro com maior biodiversidade de algas, num total de 250 táxons infragenéricos (subgêneros ou espécies).

15:38 · 19.11.2011 / atualizado às 16:28 · 24.11.2011 por

Na última quinta-feira (17), postamos em nosso blog Ceará Científico, a chegada em Fortaleza, da II Etapa do XVI Encontro da Associação Brasileira dos Planetários, evento iniciado dois dias antes, em Sobral. Naquela ocasião, antecipávamos a presença do astrofísico Marcelo Gleiser, na Capital cearense, mais precisamente em palestra realizada na noite de sexta-feira (18), no Teatro do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura (CDMAC).

E para felicidade dos leitores do Ceará Científico e da Editoria de Cidade do Diário do Nordeste (nossa parceira nessa cobertura), Gleiser, considerado popstar brasileiro da Ciência, falou ao nosso repórter Raone Saraiva e a outros colegas da imprensa cearense, sobre temas como divulgação científica, Big Bang,  Teoria da Relatividade, crises na Ciência, vida extraterrestre e até mesmo espiritualidade.

Abaixo, nós listamos alguns trechos da entrevista, em tópicos, e para quem quiser assistir à entrevista por completo, linkamos para vídeo gravado e editado pela nossa equipe.

Como falar de ciência para um público leigo

” Falar de ciência para um público não especializado é tudo uma questão de linguagem. Você tem que saber adequar a tua linguagem ao teu público. Então, se eu for dar palestra para uma turma de quarta série, eu vou usar um tipo de linguagem, se eu for dar uma palestra para um pessoal mais velho, uso outro tipo, e se eu for dar uma palestra para os meus colegas físicos, vai ser outra linguagem. É uma maneira de você adequar a linguagem como se fosse contar uma história, porque as pessoas adoram histórias.”

Ciência versus Religião

“De certa forma, Ciência e Religião são muito diferentes. Atendem a necessidades completamente diferentes. Mas por outro lado, eu conheço uma porção de cientistas que são pessoas religiosas também. Para eles, quanto mais aprendem sobre o mundo, mais admiram a obra de Deus. Então, para eles, a Ciência passou a ser um caminho para descoberta da Mente Divina, vamos dizer assim. Pessoalmente eu não sou uma pessoa religiosa, mas eu respeito quem seja. Eu não sou aquele ateu radical, que fala que todo religioso é louco.”

Origens do universo

“A nossa teoria atual sobre a origem do universo é a Teoria do Big Bang, que essencialmente diz que há mais ou menos 14 bilhões de anos a matéria toda do universo estava supercondensada numa região muito pequenininha e muito quente e que, por motivos relativamente conhecidos, essa formação da matéria instável, essa “bola” de matéria começou a se expandir e foi se resfriando e aos poucos as coisas foram acontecendo: as galáxias, as estrelas e os planetas e, eventualmente, a vida foram nascendo. ”

Teoria da Relatividade em xeque?

“Uma coisa importante, que as pessoas têm de entender é que a ciência gosta de crise. A ciência só avança quando ela falha. Então uma descoberta surpreendente é uma coisa boa. Não é uma coisa ruim. Nesse caso particular dos neutrinos (assunto para post futuro do Ceará Científico), a teoria, muito provavelmente, está errada. Eu acho que tem um problema na interpretação dos dados fundamentais e eu acho que essa descoberta vai cair, não vai vingar. Mas se vingar vai ser ótimo, porque a gente vai perceber que há uma coisa além da Teoria da Relatividade.”

Vida extraterrestre

“A gente sabe o seguinte: as Leis da Física e da Química são as mesmas no Universo todo. Com isso, você pensa: se teve vida aqui por que não vai ter em outros lugares? O que a Terra tem de tão especial? A Terra tem muitas coisas especiais, mas existem tantos planetas lá fora que é muito possível que se tenha algum tipo de vida primitiva. Contudo, o pulo da vida primitiva para a vida sofisticada e, principalmente, para a vida inteligente é muito grande. E essa pergunta: se existem outros seres inteligentes no universo? Ninguém sabe a resposta ainda.”

Confira entrevista, na íntegra, com o astrofísico Marcelo Gleiser!

YouTube Preview Image

 

13:26 · 17.11.2011 / atualizado às 16:29 · 24.11.2011 por

O Blog Ceará Científico não podia começar suas atividades em melhor ocasião.

As cidades de Sobral e Fortaleza estão sediando o XVI Encontro da Associação Brasileira de Planetários (ABP).

O evento começou na última terça-feira (15), na “Princesa do Norte”, que também recebeu parte da programação na quarta-feira,  e segue até sábado (19) em Fortaleza, com programação começando hoje (17).

Começo de festa em Sobral, a capital da Teoria da Relatividade

Além de visitar as obras do futuro Planetário de Sobral, astrônomos, demais cientistas convidados e diretores de planetários de todo o País e até do exterior, conheceram também o Museu do Eclipse e o Observatório Henrique Morize.

Juntos, os três equipamentos vão formar o Centro de Estudos e Pesquisas de Ciências, que deve ser inaugurado até junho de 2012.

Os grandes destaques da primeira etapa do Encontro, realizada no Centro de Convenções de Sobral, foram as palestras com o norte-americano Dave Weinrich, presidente da International Planetarium Society,  e com os brasileiros Eduardo Janot Pacheco, do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo,  e Cláudia Lage, do  Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho, da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Os três debateram, respectivamente, a profissão de  planetarista, os planetas extrassolares e a astrobiologia (busca por formas de vida extraterrestre).

Fazendo as honras da casa, o professor doutor Emerson Ferreira de Almeida, do Departamento de Física, da Universidade Estadual Vale do Acaraú, contou a “A História do Eclipse de 29 de maio de 1919 em Sobral”, episódio através do qual o renomado físico Albert Einstein pôde comprovar a Teoria da Relatividade (assuntos para futuros posts).

Em Fortaleza, um “astro” da Ciência brasileira

Nesta quinta-feira, começa a segunda etapa do evento, sediada na Capital cearense. Após recepção, no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura (CDMAC), segue-se a palestra de António Pedrosa, da Fundação Navegar, de Portugal, sobre projeção Full-Dome, a ser realizada  às 17 horas, no Auditório do Rubens de Azevedo.

Outro destaque do primeiro dia da programação em Fortaleza , serão as comunicações orais de representantes de planetários de Vitória (ES), Panamirim (RN) e Rio de Janeiro, além da presença de Basílio Fernandez, do Museu Parque do Saber, de Feira de Santana (BA).

Mas a grande expectativa é mesmo pela palestra de amanhã (18), com o físico e astrônomo (com status de popstar da Ciência brasileira) Marcelo Gleiser, Prof. Titular do Departamento de Física e Astronomia do Dartmouth College, nos Estados Unidos, pesquisador em cosmologia e astrobiologia e colunista da Folha de São Paulo.

A concorrida palestra de Gleiser está marcada para iniciar às 19 horas, no Teatro do CDMAC  e terá como tema “O Que sabemos e o que não sabemos sobre o universo” e terá mediação de  Dermeval Carneiro.

Confira a programação em Fortaleza!

17 DE NOVEMBRO – QUINTA-FEIRA

Recepção pela Diretoria do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura – 16h  às 16h 30min.
Local: Auditório do Planetário

Palestra “Projeção Full Dome” – 17h às 18h
Palestrante: António Pedrosa (Fundação Navegar, Portugal)
Mediador: Alexandre Cherman
Local: Auditório do Planetário

Comunicações orais – 18h00min. às 19h30min.
Local: Auditório do Planetário
Apresentadores- Luiz Cláudio Pereira da Silva (Planetário de Vitória); Radma Almeida de Freitas (Planetário de Parnamirim);  Rubens Heizer Villela e Bruno Rainho Mendonça (Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro); Basílio Fernandez Fernandez  (Museu Parque do Saber – Fundação Egberto Costa)

18 DE NOVEMBRO DE 2011 – SEXTA-FEIRA

Mesa de Debates “Os planetários no Plano Nacional de Educação” – 8h às 9h
Palestrante : Celso Cunha (Presidente da Fundação Planetários do Rio de Janeiro)
Local: Auditório do Planetário

Palestra “O Prêmio Nobel da Astronomia” -11h às 12h
Palestrante: Prof. Dr. Alexandre Cherman (Fundação Planetário do Rio de Janeiro)
Mediador: Fernando Vieira
Local: Auditório do Planetário

Mesa de Debates “Profissão Planetarista” – 16h 30min às 17h 30min
Palestrante: Maria Helena Stefani (Presidente da Associação Brasileira de Planetários)
Local: Auditório do Planetário

Sessão “Origens da Vida” – 17h 30min às 18h.
Apresentador : Dermeval Carneiro
Local: Planetário Rubens de Azevedo

Apresentação de Painéis – 18h às 18h 30min.
Local: Espaço Mix do Planetário
Apresentadores: Gilberto Carlos Sanzovo, Amélia Fioravante Siqueira, Alessandra Ribeiro Ber e Juliana Romanzini (Planetário de Londrina); Augusto Cesar Silva Almeida e Ângelo dos Santos Santana (Planetário da CCTECA de Aracaju); Damião Carvalho de Souza e Eriberto de Sousa Freitas (Planetário da Paraíba – FUNESC); Marcelo Cavalcanti da Silveira (Planetário Prof. José Baptista Pereira da UFRGS); Adalberto Tavares da Silva (Coordenadoria do Ensino de Ciências do Nordeste – UFPE)

Palestra “O Que sabemos e o que não sabemos sobre o universo” – 19h às 20h
Palestrante: Prof. Dr. Marcelo Gleiser  (Prof. Titular do Departamento de Física e Astronomia do Dartmouth College (EUA), pesquisador em cosmologia e astro-biologia, autor de Criação Imperfeita, Colunista da Folha de SP)
Mediador: Dermeval Carneiro
Local: Teatro do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura

Solenidade de Encerramento – 20h às 20h 30min.
Considerações da Diretora-presidente da ABP; do Presidente da IPS; e do Governador do Estado (a confirmar)

19 DE NOVEMBRO- SÁBADO

Comunicações orais – 8h às 9h
Local: Auditório do Planetário
Apresentadores: Juan Bernardino Marques Barrio (Planetário da Universidade Federal de Goiás); Augusto Cesar Silva Almeida (Planetário da CCTECA de Aracaju); Adalberto Tavares da Silva
(Coordenadoria do Ensino de Ciências do Nordeste – UFPE); Ismaias Pereira Coelho
(Faculdade de Educação Ciências e Letras – UECE/IguatU -CE)

Assembléia / comunicações da ABP – 9h 30min. às 11h
Apresentadores: Diretoria da ABP

Pesquisar

Diário Científico

Jornalismo científico produzido no Ceará de olho nas grandes descobertas que a Ciência faz em qualquer lugar do mundo.
Posts Recentes

06h09mEstudo mostra que pintor Caravaggio morreu de infecção bacteriana por Staphylococcus

06h09mEquipe brasileira identifica fóssil de crocodilo que viveu há 85 milhões de anos, em MG

05h09mArarinha-azul, espécie que inspirou animação, está provavelmente extinta na natureza, revela estudo

09h09mEstudo aponta que instalar parques eólicos e solares poderia aumentar quantidade de chuva no Saara

05h09mBotsuana registra matança de 90 elefantes em menos de dois meses

Ver mais

Tags

Categorias
Blogs