Busca

Categoria: Exploração Espacial


11:55 · 13.01.2018 / atualizado às 11:57 · 13.01.2018 por
Escavações pouco profundas feitas em 2013 pelo rover Curiosity já haviam revelado a presença de gelo no solo marciano Foto: Nasa

Cientistas detectaram geleiras enterradas em Marte, que oferecem novos indícios sobre a quantidade de água acessível que o planeta tem e onde esta se encontra.

Embora se saiba há algum tempo que existe gelo em Marte, estudar melhor sua profundidade e localização poderia ser vital para futuras missões com humanos, indicou o estudo publicado na revista norte-americana Science.

“Basicamente, os astronautas poderiam ir lá com um balde e uma pá e obter toda a água que necessitam”, disse um dos autores da pesquisa, Shane Byrne, do Laboratório Lunar e Planetário da Universidade de Arizona, em Tucson.

A erosão deixou expostos oito locais de gelo, com profundidades de um a 100 metros abaixo da superfície, afirmou. Estas escarpas subterrâneas parecem “ser gelo quase puro”, indicou o artigo, baseado em dados recolhidos pela sonda Mars Reconnaissance Orbiter, lançada em 2005.

“Este tipo de gelo está mais estendido do que se pensava anteriormente”, disse Colin Dundas, geólogo do Serviço Geológico de Estados Unidos, em Flagstaff, Arizona. O gelo mostra faixas e variações de cor que sugerem que se formou camada por camada, talvez conforme a neve se acumulou ao longo do tempo.

Os pesquisadores acreditam que o gelo se formou há relativamente pouco tempo, pois os locais parecem ser lisos na superfície, e não marcados por crateras que teriam se formado com o impacto de detritos celestes no planeta ao longo do tempo.

Os buracos e precipícios estão todos perto dos polos, que mergulham em uma escuridão gélida durante o inverno marciano e não seriam um local adequado para um acampamento humano de longo prazo.

No entanto, se fosse possível perfurar e analisar uma amostra de uma das geleiras, os pesquisadores poderiam aprender muito sobre a história climática de Marte e o potencial de vida no planeta vizinho.

A Nasa planeja enviar os primeiros exploradores a Marte na década de 2030.

Com informações: AFP

19:28 · 17.12.2017 / atualizado às 19:39 · 17.12.2017 por
Foram estudados incidentes apontados por militares dos EUA Foto: US Air Force

O Pentágono admitiu ter financiado um programa secreto bilionário para investigar aparições de objetos voadores não identificados (óvnis).

O programa foi encerrado em 2012, de acordo com o Departamento de Defesa, mas reportagem do jornal “The New York Times” relatou que ele ainda está em execução. Os funcionários continuam a estudar incidentes apontados por militares dos Estados Unidos, em paralelo às suas atividades regulares no Pentágono.

O chamado Programa de Identificação Avançada de Ameaças de Aviação operou de 2007 a 2012 e recebeu 12 milhões de dólares por ano de financiamento, escondido no gigantesco orçamento do Pentágono, disse o Times, citando participantes e registros do programa.

O programa forneceu documentos que descrevem as aparições de aparatos voadores não identificados que pareciam se mover rapidamente, sem sinais visíveis de propulsão, ou sem meios aparentes de se erguer, afirmou o Times.

Funcionários do programa também examinaram vídeos dos encontros de aeronaves militares norte-americanas com objetos desconhecidos. Um deles, divulgado em agosto, mostra um objeto oval branco do tamanho de um avião sendo seguido por dois jatos da Marinha de um porta-aviões da costa da Califórnia em 2004, acrescentou a reportagem. O Departamento de Defesa disse em nota que o programa foi encerrado.

“O Programa de Identificação Avançada de Ameaças de Aviação foi concluído em 2012. Determinou-se que havia outra questões mais prioritárias que mereciam financiamento e foi com a melhor das intenções que o Departamento fez essa mudança”, afirmou.

“O Departamento de Defesa leva muito a sério todas as ameaças e ameças em potencial ao nosso povo, nossos ativos e nossa missão, e toma ações quando qualquer informação verossímil aparece”.

Com informações: AFP

17:22 · 11.12.2017 / atualizado às 17:22 · 11.12.2017 por
A última vez em que os EUA enviaram uma missão tripulada para fora da órbita terrestre foi em 1972, no programa Apolo 17 Foto: Nasa

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou nesta segunda-feira (11) uma diretriz que ordena à Nasa, a agência espacial norte-americana, a iniciar um programa para enviar “novamente astronautas americanos à Lua e, eventualmente, a Marte”, informou a Casa Branca.

A última vez em que os EUA enviaram uma missão tripulada para fora da órbita terrestre foi em 1972, no programa Apolo 17, na qual dois de seus astronautas, Eugene Cernan e Harrison Schmitt, fizeram três caminhadas sobre a superfície lunar. O porta-voz Hogan Gidley ressaltou que a nova diretriz de Trump “modificará a política de voos espaciais tripulados do país para ajudar os EUA a se transformarem na principal força na indústria espacial, a obterem novos conhecimentos do espaço e a desenvolverem uma tecnologia incrível”.

Em outubro, o vice-presidente norte-americano Mike Pence comentou sobre o interesse de Washington de “enviar astronautas americanos à Lua, não apenas para deixar para trás pegadas e bandeiras, mas para construir as bases necessárias para enviar americanos a Marte e além”. Pence preside o Conselho Nacional Espacial, um órgão do Escritório Executivo do presidente Trump, desenvolvido para potencializar as ambições espaciais norte-americanas.

Com informações: Agência Brasil

09:41 · 02.12.2017 / atualizado às 09:42 · 02.12.2017 por
Composição mostra o satélite sino-brasileiro CBERS 4A que deve ser lançado à órbita da Terra entre 2018 e 2019, segundo a AEB Imagem: AEB

O presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), José Raimundo Coelho, disse que a parceria do Brasil com a China na área espacial é sólida e “não haverá nenhum atraso” no cronograma do novo Satélite Sino-Brasileiro de Recursos Terrestres, o CBERS 4A por falta de recursos – ainda que haja atrasos relacionados a questões jurídicas. Segundo ele, o satélite será lançado até o fim de 2018 ou, “na pior das hipóteses”, no início de 2019.

“É muito mais fácil ser pessimista do que otimista”, disse Coelho, rebatendo as previsões mais negativas de funcionários do próprio Inpe. “Eu escolhi esse caminho difícil de ser otimista. Mas não é um otimismo irresponsável; estou em contato constante com o meu ministério e tenho pessoas ao meu lado que me garantem que isso vai acontecer.”

A AEB é vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), e repassa recursos ao Inpe para projetos do programa espacial. O MCTIC afirmou que os valores do orçamento de 2018 ainda estão sendo negociados, e a pasta segue atuando para que o governo libere mais recursos para o setor, inclusive neste ano.

Com informações: Estadão Conteúdo

20:49 · 29.09.2017 / atualizado às 20:56 · 29.09.2017 por
Concepção artística de como a estação espacial russo-americana atuaria em volta do satélite natural da Terra, servindo de base para missões futuras pelo Sistema Solar Imagem: Above Top Secret

A agência espacial russa, Roscosmos, anunciou ter assinado um acordo com a Nasa para cooperar no projeto norte-americano de construção de uma estação orbital em torno da Lua, dentro do programa “Deep Space Gateway” (Portal do Espaço Profundo).

O projeto busca construir uma estação na órbita lunar que sirva como ponto de conexão entre a superfície do satélite terrestre, missões a outros planetas e a Terra. Essa estação é considerada um ponto-chave em um programa mais ambicioso de voos para Marte e para o resto do Sistema Solar.

O acordo foi assinado em Adelaide (Austrália), durante o 68º congresso internacional de astronáutica. A Nasa anunciou há alguns meses que estava trabalhando em um projeto chamado “Deep Space Gateway” para enviar astronautas à órbita lunar graças aos novos foguetes desenvolvidos pela agência espacial norte-americana. A Rússia quer, por sua vez, abrir uma base científica na Lua e espera realizar seus primeiros voos lunares antes de 2031. “Os dois sócios têm a intenção de desenvolver normas técnicas internacionais que serão utilizadas no futuro, incluindo a criação de uma estação orbital em volta da Lua. A Roscosmos e a Nasa já entraram em acordo sobre as normas da futura estação”, disse a agência russa.

Os foguetes russos Angara e Proton-M poderiam ser utilizados paralelamente ao americano SLS para “criar a infraestrutura da estação lunar”, segundo a Roscosmos. Esses foguetes seriam utilizados para transportar as cargas. A agência russa indicou que a criação desta estação orbital começará em meados de 2020.

“Cinco países, no mínimo, estão trabalhando para desenvolver suas próprias naves espaciais tripuladas. Para evitar problemas em termos de cooperação técnica, as normas (e sistemas de acoplagem) devem ser unificadas” declarou Igor Komarov, diretor da agência espacial russa. “Os elementos futuros da estação – bem como os padrões para sistemas de suporte de vida – serão criados usando designs russos”, acrescentou.

‘Orgulho’

A Nasa se declarou “orgulhosa de ver um interesse internacional crescente sobre o deslocamento para a órbita lunar como próxima etapa do desenvolvimento da exploração espacial”, mas acrescentou que o projeto ainda está em um estado de “formulação de conceitos”. Segundo a agência, o acordo com a Roscosmos servirá de base para “uma arquitetura de exploração financeiramente acessível e viável”. O espaço é um dos poucos setores de cooperação bilateral não afetado pelas tensões entre os Estados Unidos e a Rússia. Ambos os países cooperam na Estação Espacial Internacional (ISS), cujo módulo principal foi fabricado pela Rússia, o único país capaz de enviar astronautas ao espaço desde o fim do programa de ônibus espaciais da Nasa.

A Lua também desperta interesse na Agência Espacial Europeia. Seu diretor-geral, o alemão Jan Woerner, defende a criação de uma “aldeia lunar” desde a sua nomeação, em 2015.

Com informações: AFP

21:04 · 19.09.2017 / atualizado às 21:04 · 19.09.2017 por
Programa é financiado pela Nasa, que espera enviar os primeiros astronautas ao Planeta Vermelho na década de 2030 Foto: Universidade do Havaí

Seis pessoas saíram de uma cúpula isolada no Havaí onde passaram os últimos oito meses em uma missão simulada para Marte, vivendo em instalações muito pequenas, comendo alimentos secos e tentando se relacionar bem.

O experimento, realizado pela Universidade do Havaí, foi o quinto desse tipo destinado a ajudar os cientistas a resolverem os conflitos interpessoais que podem surgir entre os astronautas que embarcam em uma missão longa no espaço profundo. Os voluntários, quatro homens e duas mulheres, saíram da cúpula no domingo, ansiosos para saborear frutas frescas, jantares caseiros e a sensação de ar fresco no rosto.

“Uma das coisas que senti falta de casa foi a culinária portuguesa”, disse o membro da equipe Brian Ramos, em um vídeo transmitido pela CBS News.

O programa é financiado pela Nasa, que espera enviar os primeiros astronautas ao Planeta Vermelho na década de 2030.

A capacidade da eventual equipe de se dar bem, assim como sua mistura de personalidades, serão essenciais para que a missão seja proveitosa, disse Kim Binsted, que lidera a pesquisa para a Universidade do Havaí. “Ter alguma variedade é uma coisa boa”, disse ela no vídeo transmitido pela CBS. “É como se estivéssemos tentando montar uma caixa de ferramentas para ir a Marte: não colocamos apenas martelos, mesmo que sejam os melhores martelos no sistema solar”.

Binsted disse que, embora os conflitos sejam inevitáveis, a última tripulação se saiu bem em suas tarefas fundamentais.

Os cientistas monitoraram as interações da equipe para detectar sinais de conflitos emocionais, e lhes deram dispositivos de realidade virtual para ajudar a lidar com o estresse.

Para tornar o experimento mais realista, os membros da tripulação tinham que utilizar trajes espaciais sempre que saíam da cúpula, localizada em um lugar remoto de Mauna Loa.

Eles também podiam enviar e-mails para amigos e familiares, mas com um atraso de 20 minutos.

Está previsto que outra missão de oito meses comece em janeiro de 2018.

Com informações: AFP

17:13 · 28.08.2017 / atualizado às 17:15 · 28.08.2017 por
Acordo será firmado possivelmente em outubro e vai estabelecer a cooperação entre 2018 e 2022. Serão incluídas cinco áreas, entre elas o possível retorno do homem à Lua Foto: CNSA

A China e a Rússia vão assinar acordo para ampliar a cooperação espacial, que incluirá a possibilidade de missões tripuladas conjuntas à Lua. O único país do mundo a conquistar tal feito até hoje foram os Estados Unidos, com seis missões ao satélite natural da Terra, entre os anos de 1969 e 1972.

O acordo será firmado possivelmente em outubro próximo e vai estabelecer a cooperação entre 2018 e 2022. Serão incluídas cinco áreas, entre elas o possível retorno do homem à Lua e novas missões não tripuladas ao espaço. Além disso, será incluído o desenvolvimento de materiais especiais, a cooperação em satélites, a gestão da sucata espacial e a tele-observação da Terra, acrescentou o jornal, porta-voz do Partido Comunista da China.

O texto lembra que este não será o primeiro acordo espacial entre Pequim e Moscou, mas o primeiro que cobre um período de cinco anos, o que permitirá estabelecer objetivos mais ambiciosos. Devido a problemas orçamentários, a Rússia não pôde manter o nível de ambição da antiga União Soviética no setor espacial, enquanto a China tem orçamento amplo, ainda que secreto, mas menos experiência.

O programa espacial chinês é ambicioso: nos próximos meses está previsto o lançamento de uma missão que trará à Terra amostras da Lua, e em 2018 do primeiro módulo da sua estação espacial própria, que espera concluir em 2022.

A China prevê enviar, em 2020, uma missão à Marte com um veículo robô para pesquisas científicas. No ano passado, inaugurou o maior radiotelescópio do mundo, com meio quilômetro de diâmetro.

Com informações: Agência Brasil

22:18 · 10.07.2017 / atualizado às 22:18 · 10.07.2017 por
Tormenta se parece com um nódulo vermelho amontoado sobre a superfície do planeta, tem sido observada desde 1830 e calcula-se que exista há 350 anos Foto: Reprodução/Youtube

Uma nave não-tripulada da Nasa tem previsto voar sobre uma enorme tormenta em Júpiter durante viagem que poderá dar nova luz sobre as forças que movem a Grande Mancha Vermelha do planeta.

A aproximação da nave Juno, que monitora a tormenta de 16.000 km de amplitude, está programada para 01H55 GMT de terça-feira (22H55 desta segunda-feira em Brasília). “A misteriosa Grande Mancha Vermelha de Júpiter é provavelmente a face mais conhecida de Júpiter”, afirmou Scott Bolton, principal pesquisador de Juno no Southwest Research Institute de San Antonio, no Texas. “Esta tempestade monumental fez estragos durante séculos no maior planeta do Sistema Solar”, acrescentou. A tormenta se parece com um nódulo vermelho amontoado sobre a superfície do planeta. Tem sido observada desde 1830 e talvez exista há 350 anos, afirmou a agência espacial americana.

Juno, que no início deste mês completou o seu primeiro ano em órbita do gigante gasoso, oferecerá “a primeira imagem que a humanidade terá deste fenômeno gigantesco”, disse a Nasa em um comunicado. A nave estará equipada com instrumentos que podem atravessar nuvens para medir até onde vão as raízes desta tempestade e os cientistas esperam conhecer mais sobre o funcionamento dela.

A nave espacial partiu de Cabo Canaveral em agosto de 2011 em uma missão para estudar as origens, estruturas, atmosfera e magnetosfera de Júpiter.

Com informações: AFP

16:41 · 19.06.2017 / atualizado às 16:41 · 19.06.2017 por
Concepção artística de um sistema planetário detectado pelo telescópio espacial Kepler Imagem: Nasa

A Nasa divulgou, nesta segunda-feira (19), uma lista de 219 novos candidatos a planeta descobertos pelo telescópio espacial Kepler. Dez deles têm tamanhos parecidos com a Terra e orbitam as zonas habitáveis de suas estrelas.

O telescópio espacial Kepler busca por planetas em nossa galáxia ao detectar pequenas oscilações no brilho das estrelas que ocorrem quando um planeta passa em frente a ela. Segundo a agência espacial americana, este é o catálogo mais detalhado dos candidatos a planetas identificados nos primeiros quatro anos de coleta de dados pelo Kepler. Ao todo, 4.034 candidatos a planeta já foram identificados pelo Kepler, dos quais 2.335 foram confirmados como exoplanetas.

“O conjunto de dados do Kepler é único, pois só ele contêm uma população desses análogos da Terra – planetas com quase o mesmo tamanho e que têm órbitas parecidas com a da Terra”, diz Mario Perez, cientista do programa Kepler na Divisão de Astrofísica da Nasa. “Entender sua frequência na galáxia vai ajudar no planejamento de futuras missões da Nasa para procurar diretamente outra Terra.”

“Esse catálogo cuidadosamente elaborado é o fundamento para responder de forma direta uma das perguntas mais cativantes da astronomia: quantos planetas como a nossa Terra existem na galáxia?”, diz a cientista Susan Thompson, pesquisadora do projeto Kepler e principal autora do estudo que resultou no catálogo.

Com informações: G1

20:18 · 02.06.2017 / atualizado às 20:19 · 02.06.2017 por
Foto: Ouest France

O astronauta francês Thomas Pesquet e o russo Oleg Novitski retornaram sãos e salvos à Terra nesta sexta-feira (2), após passarem 200 dias na Estação Espacial Internacional (ISS).

Os dois homens, a bordo de um módulo da nave Soyuz, cuja descida foi freada por um grande paraquedas, aterrissaram às 14H10 GMT (11H10 de Brasília) no Cazaquistão, segundo imagens divulgadas ao vivo pela Agência Espacial Europeia (ESA). Horas antes, Pesquet e Novitski se despediram dos dois astronautas – uma americana e um russo – que ficaram na ISS, a 400 km da Terra, e foram para a nave Soyuz MS-03, a mesma que os levou ao espaço na noite de 17 de novembro.

“Vou sentir falta” da ISS, tuitou Pesquet, que falou desta experiência como “a aventura mais intensa” de sua vida. O desacoplamento da Soyuz da ISS aconteceu às 10H50 GMT (07H50 de Brasília). “O desacoplamento aconteceu no horário previsto”, indicou à AFP o Centro de Controle de voos espaciais. Segundo imagens ao vivo da ESA, a nave se afastou então da ISS em direção à Terra.

A partir desse momento, os dois astronautas precisaram somente de três horas e vinte minutos para “descer” à Terra. Duas horas e meia depois do desacoplamento da ISS, os motores principais foram ativados por pouco menos de cinco minutos para a manobra de “desorbitação”, segundo a ESA. Isso permitiu que a Soyuz iniciasse a sua descida.

Depois disso, a nave se dividiu em três partes. O módulo orbital e o módulo de serviço se afastaram e se desintegraram na atmosfera.

O módulo com os dois astronautas enfrentou temperaturas de até 1.600ºC devido ao atrito da atmosfera com o escudo térmico.

“Estamos orgulhosos de você”

Depois de seis meses e meio sem gravidade, os astronautas sentiram o seu peso quadruplicar durante a desaceleração.

A 10 quilômetros de altura, os paraquedas abriram para frear ainda mais o Soyuz. E a menos de um metro da superfície da Terra, acenderam os retrofoguetes para reduzir ainda mais a velocidade do módulo.

Uma vez que o módulo tocou a terra, exatamente na hora prevista, as equipes de recuperação e socorro foram imediatamente ao local da aterrissagem. O presidente francês, Emmanuel Macron, compareceu ao centro nacional de estudos espaciais para assistir o retorno à Terra do astronauta francês e conversou por telefone com ele, em uma ligação transmitida pelas televisões francesas. “Quero dizer que estamos todos orgulhosos de você”, disse Macron a Pesquet.

As naves Soyuz são o único meio para transportar tripulações à ISS. Foi a primeira viagem ao espaço de Pesquet, de 39 anos, engenheiro aeronáutico e piloto de aviões. Ele realizou um total de 60 experimentos científicos na ISS e duas saídas ao exterior da estação para operações de manutenção.

Oleg Novitski, de 45 anos, é um ex-piloto militar russo. Já havia passado cinco meses na ISS, em 2012 e 2013. Desta vez, realizou cerca de 50 experimentos científicos para a agência espacial russa Roskosmos.

Com informações: AFP